Pular para o conteúdo principal

14 MIRANTES PARA SE DESLUMBRAR COM O RIO DE JANEIRO - Subir o Corcovado e o Pão de Açúcar é programa obrigatório para marinheiros de primeira viagem no Rio de Janeiro. Mas há muitos outros mirantes espalhados pela cidade. Alguns têm fácil acesso. Para chegar a outros, sofre-se um bocado. Mas a recompensa sempre vale a pena.






CONHEÇA "14 MIRANTES" PARA SE DESLUMBRAR COM O RIO DE JANEIRO, BRASIL - DA JANELA DO TREM
Subir o Corcovado e o Pão de Açúcar é programa obrigatório para marinheiros de primeira viagem no Rio de Janeiro. Mas há muitos outros mirantes espalhados pela cidade. Alguns têm fácil acesso. Para chegar a outros, sofre-se um bocado. Mas a recompensa sempre vale a pena. 
O RIO SOB OS OLHOS DO CRISTO (iStock/Reprodução) 
O mirante de todos os mirantes, um dos responsáveis pelo título de Cidade Maravilhosa, uma das Sete Modernas Maravilhas Mundiais. Tudo é superlativo no Morro do Corcovado, no alto do Parque Nacional da Tijuca. Para engrandecer o lugar, tem ainda o Cristo Redentor, com seus 38 metros de altura e as mãos estendidas sobre a cidade. 
A vista de lá de cima é um espetáculo: o Rio de Janeiro parece uma metrópole em miniatura, quase toda a cidade estará em seu campo de visão. Claro que há um preço a ser cobrado. Monetariamente custa entre R$ 64 e R$ 71 (contando com o ingresso do trenzinho, que deve ser comprado com antecedência pela internet). O outro entrave é o grande número de visitantes a se acotovelar em busca da melhor foto. Por isso, se dá melhor quem chega logo no primeiro horário, às 8h da matina, quando o movimento ainda é tranquilo. Ou vai próximo do horário de fechamento, às 19h – mas a foto não vai sair tão legal. 
O BONDINHO DO PÃO DE AÇÚCAR, UMA DAS SUPERATRAÇÕES DO RIO 
O complexo formado pelos morros da Urca e do Pão de Açúcar já seria uma linda atração natural sobre o Oceano Atlântico e a Baía de Guanabara. Aí veio o bondinho para transformá-lo num passeio obrigatório. Antes de sua inauguração em 1912, apenas intrépidos alpinistas desfrutavam da privilegiada vista a compreender a Baía, o Corcovado, a Pedra da Gávea, Copacabana, Botafogo, Niterói – o Aeroporto Santos Dumont e a Ponte Rio-Niterói vieram com o tempo. 
Para quem nunca foi, são dois estágios. O bondinho deixa a Praia Vermelha e alcança depois de três minutos o Morro da Urca, com 227 metros de altura. Tempo semelhante para se alcançar o Pão de Açúcar e seus 396 metros. Diferentemente do Cristo Redentor, aqui há mais espaço para aquela foto arrebatadora. Também fica aberto até mais tarde: o último bondinho parte da Praia Vermelha às 20h, retornando às 21h. Ou seja, temos um mirante com segurança para curtir o pôr do sol e ainda ver a cidade iluminada. 
VISTA CHINESA, NO PARQUE NACIONAL DA TIJUCA, NO RIO DE JANEIRO 
No meio da Floresta da Tijuca, na estrada que liga o Jardim Botânico ao Alto da Boa Vista, a Vista Chinesa (uma construção oriental concretada que parece ser feita de bambu) coloca o turista sobre uma das mais aprazíveis paisagens do Rio de Janeiro, que compreende a Lagoa Rodrigo de Freitas, praias de Leblon e Ipanema, o Morro Dois Irmãos, o Pão de Açúcar e o Corcovado. 
Cerca de 700 metros estrada acima, a concretada Mesa do Imperador, localizada entre duas palmeiras, era o local escolhido pela família imperial para curtir o visual da Cidade Maravilhosa. 
É moleza chegar aos dois lugares, mas não há transporte público. Deve-se pegar a Rua Pacheco Leão, no Jardim Botânico, e seguir pela muito arborizada e sinuosa Estrada da Castorina, cuja sinalização indica que é uma via compartilhada entre veículos, bicicletas e pedestres. 
EXTENSÃO DA PRAIA DE IPANEMA, A PRAIA DO ARPOADOR GANHOU FAMA COMO PALCO PARA VER O PÔR DO SOL (Alexandre Macieira/Riotur) 
No quesito altura, ela poderia nem figurar na lista. Mas não há como ignorar aqui a Pedra do Arpoador, uma atração tão querida dos cariocas e dos turistas com a vista clássica da orla de Ipanema e Leblon, tendo a Favela do Vidigal encrustada no Morro Dois Irmãos e a Pedra da Gávea ao fundo. 
Desde cedinho até o pôr do sol, centenas de pessoas andam ou sentam no extenso bloco de pedra, deixando um pouquinho do tempo passar enquanto curtem o relaxante visual. 
VALE A PENA CRUZAR A PONTE RIO-NITERÓI PARA VER ESSE CENÁRIO (Leonardo Brandao Barros Lima/Sua Foto) 
Você deve estar se perguntando o que fazer em Niterói se o post fala de mirantes no Rio de Janeiro. A resposta é simples: de Niterói se avista várias montanhas cariocas. 
Corcovado, Pão de Açúcar, Pedra da Gávea, Morro Dois Irmãos, Morro da Babilônia, Baía de Guanabara: todos esses, mais as praias e lagoas niteroienses podem ser admirados do mirante no alto do Parque da Cidade, 270 metros sobre o mar. 
Como são poucas vagas para estacionar lá em cima, muita gente tem que parar o carro pelo caminho e vencer uma subidinha meio chata. Mas o visual compensa. Como há rampa de vôo livre no local, o cenário pode ficar mais colorido. 
POR DO SOL NA PEDRA BONITA, BEM ALTA E COM FÁCIL ACESSO 
Daqui partem os voos de asa-delta que culminam nas areias da praia de São Conrado. Se pensarmos em sua altitude – 696 metros – alcançar o topo é uma tarefa relativamente fácil. 
O acesso é feito pela sinuosa Estrada das Canoas, em São Conrado, onde já consegue-se avistar a formação da Pedra Bonita. Carros chegam até a rampa de voo livre, a 520 metros. A trilha, por sua vez, não registra nenhuma subida muito acentuada, fazendo da jornada um programa bem família. Se preferir, agências como a Trilha a Pé (21/99408-0179) podem fornecer guias. 
No cume, não há como deixar de notar a Pedra da Gávea em um ângulo diferente, lembrando um rosto humano. E, claro, toda a zona sul carioca estará em seu raio de visão 
PEDRA DA GÁVEA_ A VISTA ALUCINANTE DA PEDRA DA GÁVEA - (Jeferson Vieira de Melo Wikimedia Commons) 
Junto com o Corcovado e o Pão de Açúcar, a Pedra da Gávea forma a tríade das mais belas montanhas do Rio de Janeiro. Com 844 metros, é considerado o mais alto monólito à beira-mar no mundo. A formação leva esse nome devido à semelhança com as gáveas das caravelas. 
Agora chegou a vez de chegar a seu topo e admirar sua deslumbrante vista – lembrando que sua altitude é maior que a do Corcovado. Mas somente caminhantes experientes, acompanhados de guias igualmente experientes, devem encarar a aventura. É o mirante mais difícil de ser alcançado desta lista, exigindo bastante condicionamento físico. A trilha de 1,7 km tem início em Barrinha, um sub-bairro da Barra da Tijuca. A subida é inclemente, por vezes raízes de árvores formam uma escada natural. Mas é no paredão chamado Carrasqueira que a coisa fica difícil. Alguns sobem equilibrando-se nas fendas, mas outros, para conseguir seguir em frente, necessitam de uma corda. 
De lá de cima, se vê de um lado a Barra da Tijuca. No lado oposto, aparece parte da zona sul carioca com a Favela da Rocinha em primeiro plano parecendo bem menor do que é. 
O AMANHECER NO MIRANTE DONA MARTA E A INCRÍVEL VISTA PARA O PÃO DE AÇÚCAR - (Rodrigochadi wikimedia commons)
Considero que aqui esteja a melhor vista do Pão de Açúcar, praticamente frontal, em um ótimo ângulo para fotografias. De quebra, as embarcações da orla de Botafogo, o Maracanã e os manjados Lagoa Rodrigo de Freitas e Corcovado. 
Assim como o maior símbolo carioca, o mirante também está inserido no Parque Nacional da Tijuca e o caminho de carro é o mesmo que segue para o Cristo (atenção às placas na Estrada das Palmeiras). Tem um pequeno estacionamento no local. Quem vem sem carro, pode pegar a linha 007 de ônibus que sai da Central do Brasil e vai até a portaria do parque, caminhando por mais 30 minutos até o mirante. Ou vá de metrô até a estação Botafogo e pegue a integração para Humaitá. Você estará na base da pacificada Favela Santa Marta. Um bondinho te deixará no topo da favela e você caminha mais 45 minutos até o mirante. 
Em tese é um passeio seguro, mas é melhor não vacilar. O ideal é que seja realizado em um fim de semana, quando há mais movimento por lá. 
PARQUE DAS RUÍNAS - CATEDRAL DE SÃO SEBASTIÃO VISTA DO PARQUE DAS RUÍNAS, EM SANTA TERESA - (Edmir Silvestre wikimwdia commons) 
O Parque das Ruínas é uma antiga construção que funcionou como um local de encontro de artistas durante a Belle Époque carioca no início do século 20. Atualmente abriga um centro cultural, mas as pessoas vão mais para a curtir a vista 360º com a Baía de Guanabara e o Centro, em especial o Aqueduto da Lapa e a Catedral de São Sebastião do Rio de Janeiro. E, de lá, é possível ir facilmente até o ótimo Museu Chácara do Céu. 
Fica aberto de terça-feira a domingo, das 8 às 20h. 
COMPLEXO RUBEM BRAGA DO MIRANTE DA PAZ OBSERVA-SE O SKYLINE DE IPANEMA 
Formado por dois elevadores panorâmicos, o Complexo Rubem Braga tem dupla função: ligar a Estação General Osório, em Ipanema, aos morros Pavão/Pavãozinho e Cantagalo, dispensando a penosa subida por escadas; e levar a turistada ao Mirante da Paz com todo o skyline de Ipanema, Leblon e a Lagoa Rodrigo de Freitas, além de parte de Copacabana. O acesso é gratuito. 
PEDRA DO TELÉGRAFO, COM VISTA PARA A PRAIA DE GRUMARI - (Ana Carolina do Nascimento Guimarães – wikimedia commons)
A Pedra do Telégrafo fica na Barra de Guaratiba, a 50 quilômetros do Centro do Rio de Janeiro. Alcançar o seu cume requer um pouco de esforço físico, mas nada que assuste. A trilha de 480 metros é uma subida constante. Apesar da falta de sinalização, basta perguntar para qualquer morador o ponto de seu início. Como a trilha é muito procurada, guias são dispensáveis. 
A vista lá de cima compreende pontos menos usuais, como as praias de Grumari, do Recreio dos Bandeirantes e a Restinga da Marambaia. 
MORRO DOIS IRMÃOS E A VISTA MATADORA DA ZONA SUL CARIOCA - (Rafael Rabello de Barros wikimwdia commons) 
Ideal para caminhantes com boas condições físicas, o ponto de partida é o alto da pacificada Favela do Vidigal. Para chegar lá vindo da Avenida Niemeyer, o melhor a fazer é embarcar em uma van (afinal, moto-táxis são sempre um perigo e, se subir a pé, você estará se desgastando muito). 
O percurso de 1,5 quilômetro é sempre ascendente, intercalando subidas mais tênues com trechos bem íngremes. Até chegar ao primeiro mirante, ainda há um trecho de mata bem fechada (se veio de bermuda, os arranhões serão inevitáveis). O ataque final incomoda mais pelo sol na cabeça. A 538 metros (mais alto do que o Pão de Açúcar), a vista contempla toda a zona sul com a Lagoa Rodrigo de Freitas, a Favela da Rocinha e a Pedra da Gávea com a Barra da Tijuca. 
Quem veio com um calçado meia-boca pode ter certeza que terá problemas na escorregadia descida. 
Agências de caminhada, como a Trilha a Pé (21/99408-0179), organizam grupos. 
PARQUE PENHASCO DOIS IRMÃOS – É BEM FÁCIL CHEGAR NESSE MIRANTE - (Monique Figueira Wikimedia Commons)
O nome pode parecer assustador, mas o acesso é bem mais tranquilo do que o do Mirante Dois Irmãos. Até porque carros chegam lá e o primeiro dos quatro mirantes está ao lado da portaria com vista para o Leblon e a Lagoa Rodrigo de Freitas. O parque, localizado no fim da íngreme Rua Aperana, no Leblon, conta com quadras esportivas, playground e até uma escultura de Oscar Niemeyer. 
Para chegar aos outros mirantes, basta subir por uma trilha de paralelepípedo. No meio do caminho, você pode topar com micos, cobras e lagartos. 
O parque funciona de terça a domingo. 
MIRANTE DO PASMADO – A ORLA DE BOTAFOGO E O PÃO DE AÇÚCAR SÃO VISTOS DO MIRANTE DO PASMADO - (Filipe Tardim wikimedia commons)
Afora os cariocas, poucos já ouviram falar desse mirante localizado no Parque Yitzhak Rabin, em Botafogo. Com acesso de carro pela Rua General Severiano, o mirante não é muito alto e a vegetação atrapalha um pouco a vista. Mas tem um amplo estacionamento, quiosques e até playground para os pequenos. 
De lá, pode-se admirar a Baía de Guanabara com a orla de Botafogo, o Pão de Açúcar e o Corcovado.

VALEU PELA VISITA - SEMPRE VOLTE



Fonte dos textos e fotos: msn.com / Viagem (Revista de turismo - Abril) / Thymonthy Becker / 

Comentários

Páginas que receberam mais visitas

BAEPENDI, MINAS GERAIS - A terra de "Nhá Chica". Na natureza preservada no município estão cerca de 40% do parque ecológico do papagaio, é local ideal para fazer trilhas e acampar em paradisíacos lugares. Baependi é uma das poucas cidades que podem ser visitadas durante qualquer época do ano, sem se preocupar com a programação que irá encontrar pois, o verão é bem definido, sendo um convite para se deslumbrar com as mais de cinqüenta cachoeiras que cercam a cidade e o inverno pouco chuvoso propicia inúmeras opções para enfrentar trilhas e acampar em paradisíacos lugares

COLORADO, RIO GRANDE DO SUL - Colorado é uma pequena cidade do Alto Jacuí. Fundada por imigrantes italianos e alemães. O espetáculo, belezas naturais, cores, aromas que seduzem à primeira vista. O município tem como base da economia a produção agrícola. A região possui uma relação muito próxima com as águas e com a geração de energia elétrica, a partir da formação do maior lago artificial do Estado – os Alagados do Passo Real e da Barragem de Ernestina. Bonitas e agradáveis, as cidades proporcionam atrações diversificadas, eventos, muitas festas, gastronomia, artesanato.

REPRESA DE FURNAS, SÃO JOSÉ DA BARRA, MINAS GERAIS - No dia 9 de janeiro de 1963 o túnel que desviou o curso do rio Grande para a construção da Usina de Furnas foi fechado e as águas que formaram um dos maiores reservatórios do mundo, criou praias, formou cânions e cachoeiras, inundou vilarejos e mudou para sempre a história dos 34 municípios que ficam ao longo dos 1.440 km2 de extensão do Lago de Furnas que abrange também parte do Parque Nacional da Serra da Canastra. O Lago de Furnas, também conhecido como "O MAR DE MINAS", é quatro vezes maior que a Baía de Guanabara, no Rio de Janeiro

BRASÍLIA, DF, BRASIL - Brasília é formada por gente de todos os lugares, todas as idades e de muitas gerações. É uma mistura de sotaques do Nordeste, Sudeste, Norte e Sul do país e até de estrangeiros. Por conta de seu rápido crescimento, já é a quarta cidade mais populosa do país. A maioria dos moradores, 52%, é mulher e tem em média 30 anos. Os primeiros habitantes que chegaram a Brasília vieram, principalmente, atraídos pelos empregos na construção civil e ajudaram na construção da capital. Eles eram chamados de candangos e aqui construíram e criaram famílias

TOMBOS, MINAS GERAIS - Na cachoeira três tombos, verdadeira obra da natureza de imensurável beleza que constitui um cartão postal da cidade com 62 metros de altura. A Gruta Pedra Santa localizada no distrito de Catuné, uma obra construída pela própria natureza. Ao longo do tempo a grande pedra foi desintegrando-se e formou-se um grande salão, onde ergueu-se a capela em Honra a Nossa Senhora de Lourdes. Praças diversas, museu municipal que funciona na antiga estação ferroviária, usina hidrelétrica de Tombos e os dois distritos “Catuné” e “Água Santa” valem uma visita à cidade de Tombos

IGATU, ANDARAÍ, BAHIA - Eh uma verdadeira cidade de pedra. "Sagrada" pra quem viveu lá durante o auge do ciclo do diamante. O trajeto até a vila já é uma atração: a estrada de acesso pela BA-142 é cheia de mirantes naturais. Ao chegar, a impressão é de ter voltado no tempo, quando igatu era chamada de Xique Xique e famosa pela extração de diamantes. Hoje não há farmácias, o hospital mais próximo fica em Andaraí, a 12 km. Em outros tempos quem diria? Cabarés, cassinos, lojas, cadeia, cartório, cinema...

SERRA DO NAVIO, AMAPÁ - A História da Serra do Navio remonta aos anos 1950. A região era rica em manganês e outros minérios. Por isso, a brasileira ICOMI, com sede em Belo Horizonte e atuação em Minas Gerais, foi escolhida para explorar o minério e construir a vila operária, que daria origem à cidade de Serra do Navio. Cada vila tinha 330 casas, prédios coletivos (escolas, hospitais, refeitórios), abrigando até 1.500 pessoas, entre trabalhadores e familiares. Tinha ruas largas, postes de concreto para a fiação elétrica e telefônica, calçadas, parques, clubes com piscina, quadras esportivas, restaurante e lanchonete, drenagem de águas das chuvas e tratamento de água e esgoto. Todas as casas tinham mais de 90m² e contavam com saneamento e energia elétrica, proveniente de geradores da ICOMI.

RIO DE JANEIRO, BRASIL - Do primeiro ao último minuto do ano, não falta o que fazer, o que visitar e o que rever no Estado do Rio de Janeiro, que não por acaso ostenta o rótulo de Maravilhoso. Além das praias e de seus outros dois ícones geográficos – o Corcovado e o Pão de Açúcar – o Rio vem ganhando uma série de atrativos culturais e gastronômicos. Quem deixa a capital e percorre o litoral fluminense encontra praias de beleza raríssima. Ao norte, na Região dos Lagos, estão as dunas de Cabo Frio, as águas translúcidas e frias de Arraial do Cabo, boas para mergulho, a badalação de Búzios e as trilhas rurais de Rio das Ostras

GRAMADO, RIO GRANDE DO SUL - Faltava neve à Gramado para que ela assumisse de vez o título de “Suíça brasileira”. Não falta mais: o Snowland, primeiro parque de neve artificial indoor das Américas, trouxe esportes de inverno à cidade, que já era famosa pelas construções enxaimel (aquelas de paredes esquadrinhadas com tirantes de madeira), pelas fondues nos bons restaurantes suíços e pelo climinha gostoso da Serra Gaúcha.

CAMPO BELO, MINAS GERAIS - A primeira cidade do Brasil a ter um time de Rugby (Campo Belo Rugby - CBR) A cidade tem paisagens deslumbrantes com campos a perder de vista. Ideal para a prática de esportes de aventura, ecoturismo, esportes náuticos com várias cachoeiras, praias de água doce além da tradicional e boa comida mineira. Uma cidade tranquila, acolhedora com boas opções para hospedagem