quinta-feira, 18 de janeiro de 2018

OS 7 AEROPORTOS MAIS EXTREMOS DO PLANETA - A revista National Geographic fez a seleção dos sete aeroportos mais perigosos do mundo. A lista inclui pistas cobertas de gelo, penhascos, praia e montanhas ao redor. Courchevel na França eh um deles.




CONHEÇA OS "07 AEROPORTOS" MAIS EXTREMOS DO PLANETA - DA JANELA DO TREM 
A revista National Geographic fez a seleção dos sete aeroportos mais perigosos do mundo. A lista inclui pistas cobertas de gelo, penhascos, praia e montanhas ao redor.
1º Matekane Air Strip, Lesoto, África
A pista de pouso de Matekane, na África, é conhecida como a mais assustadora do mundo. Ela tem 400 metros de comprimento e termina em um precipício de 600 metros de altura. Lesoto é um pequeno país dominado por montanhas e tem poucos espaços planos para aterrissagens e decolagens. O aeroporto é utilizado, principalmente, por instituições filantrópicas que atuam na região. 
(Foto: Tom Claytor/Divulgação)
2º - Sea Ice Runway, Antártida 
A pista de gelo da base Mc Murdo fica localizada na ponta sul da ilha de Ross. Ela é usada somente na estação da primavera. Durante o inverno, quando o clima impede os voos, e o verão, quando o gelo derrete, os pilotos usam outras pistas próximas. 
(Foto: AP)
3º - Saba, Antilhas holandesas
O Aeroporto Juancho E. Yrausquin fica na pequena ilha caribenha de Saba, nas Antilhas Holandesas. A pista tem apenas 400 metros de comprimento e está situada sobre uma ponta rochosa cercada por falésias e pelo mar. Somente aviões de pequeno porte, que transportam no máximo 20 pessoas, podem aterrissar neste aeroporto. 
(Foto: Photocapy/Flickr)
4º - Aeroporto de Svalbard, Noruega
O aeroporto comercial localizado mais ao norte do planeta fica no arquipélago de Svalbard e tem voos diários desde Oslo e Tromse. 
(Foto: Gerald Zinnecker
5º - Aeroporto de Paro, Butão
Apenas oito pilotos estão autorizados a pousar na pista do aeroporto de Paro, fincado entre as montanhas do Himalaia. 
(Foto: Bsboudreau/Flickr)
6º - Aeroporto de Courchevel, França
Para chegar a uma das estações mais badaladas dos Alpes franceses, Courchevel, é necessário aterrissar em um dos aeroportos mais perigosos. A pista do aeroporto de Courchevel tem 520 metros de extensão e fica encravada nas montanhas nevadas da região. O pouso é, no mínimo, assustador. 
(Foto: Jist A Blether/ Flickr)
7º - Aeroporto de Barra, Escócia
O aeroporto de Barra, localizado na praia de Traigh Mhor , é o único do mundo a usar a praia como pista de pouso e decolagem. Três pistas são marcadas por estacas de madeira em suas extremidades. Além das condições meteorológicas, os voos também são programados de acordo com a maré. 
(Foto: Elaine Haworth/ Flickr)


VALEU PELA VISITA - SEMPRE VOLTE


Fonte dos textos e fotos: Yahoo.com.br / Thymonthy Becker / Divulgação /

OS 15 MAIS BELOS JARDINS DO MUNDO - Desde tempos imemoriais, o sonho do homem era ter uma casa. Aquecida no inverno, fresca no verão e protegida das intempéries. Um local onde ele podia se dedicar ao sono, ao descanso, ao estudo. O passo seguinte foi ter um belo jardim. Espelhos d’água, fontes e correntes imitavam rios e lagos. Plantas exóticas com desenhos ora caóticos, ora perfeitamente simétricos, remetiam a bosques e pradarias. Estátuas e escadarias traziam um relevo multi-dimensional, repleto de relevos, a espaços muitas vezes reduzidos. Esta galeria de fotos traz alguns dos mais belos jardins do planeta, ora pequenos e minimalistas, ora monumentais e mirabolantes. Muitas vezes feitos para o deleite de alguns poucos, hoje todos estão abertos à visitação.




CONHEÇA OS 15 MAIS BELOS JARDINS DO MUNDO
Desde tempos imemoriais, o sonho do homem era ter uma casa. Aquecida no inverno, fresca no verão e protegida das intempéries. Um local onde ele podia se dedicar ao sono, ao descanso, ao estudo. O passo seguinte foi ter um belo jardim. 
Entre os muros de sua residência criou um microcosmo, uma versão reduzida do mundo exterior. Um espaço não só para o recreio, mas também para a contemplação. Espelhos d’água, fontes e correntes imitavam rios e lagos. Plantas exóticas com desenhos ora caóticos, ora perfeitamente simétricos, remetiam a bosques e pradarias. Estátuas e escadarias traziam um relevo multi-dimensional, repleto de relevos, a espaços muitas vezes reduzidos. 
Esta galeria de fotos traz alguns dos mais belos jardins do planeta, ora pequenos e minimalistas, ora monumentais e mirabolantes. Muitas vezes feitos para o deleite de alguns poucos, hoje todos estão abertos à visitação. 
1. DE KEUKENHOF, AMSTERDÃ, HOLANDA 
Provavelmente o parque de flores mais bonito do mundo. Localizado a pouco mais de meia hora do centro de Amsterdã, o De Keunkenhof encontra-se no coração da Rijnland, uma das maiores áreas de cultivo de tulipas do planeta. Seus bem cuidados jardins e alamedas estão repletos de espécies de todo o mundo e o parque ainda conta com estufas e viveiros encantadores. Funciona normalmente de março a maio (Divulgação) 
2. KOISHIKAWA KORAKUEN, TÓQUIO, JAPÃO 
No meio do complexo tecido urbano de Tóquio, uma pequena mancha verde destaca-se junto à moderna arena Tokyo Dome. Desenhado no século 17 por membros do clã Tokugawa, é um popular local de passeio. Por sua importância cênica e histórica, o Koishikawa Korakuen é protegido por uma lei nacional especial (yhlee CC) 
3. MUSEU DU QUAI BRANLY, PARIS, FRANÇA 
O museu parisiense é dedicado às artes etnográficas das Américas, Oceania, Ásia e África. O impressionante acervo do Quai-Branly é seu ponto focal, mas o edifício projetado por Jean Nouvel não passa despercebido. Um de seus destaques é o jardim vertical, um muro vivo de 200 metros concebido por Patrick Blanc 
4. PALÁCIO MIRABELL, SALZBURGO, ÁUSTRIA 
Célebre por cenas do filme "A Noviça Rebelde", o Palácio Mirabell ostenta um jardim de expressiva beleza, impecavelmente limpo e bem cuidado. À sombra do Castelo e da Catedral de Salzburgo, tudo fica ainda mais encantador (Thinkstock) 
5. TEMPLO E JARDINS BAHAI, HAIFA, ISRAEL 
Muito mais que uma religião, o Bahai prega a unidade e harmonia entre os povos. Perseguidos na Pérsia (atual Irã) estabeleceram sua sede em Haifa, em Israel. Seus mirabolantes jardins e santuários, meticulosamente simétricos, dominam a paisagem da cidade em uma sucessão de degraus e plataformas suspensas (Thinkstock) 
6. KORAKUEN, OKAYAMA, JAPÃO 
Construído sob as ordens do senhor feudal Tsuda Nagatada, no século 17, sobre uma ilhota no rio Asahi, o Korakuen é considerado um dos jardins mais perfeitos do Japão. A cidade de Okayama fica a cerca de 1h30 de trem-bala desde Hiroshima, no centro-oeste do país. Destaque para as dramáticas mudanças nas paisagens sazonais, com cerejeiras e ameixeiras em flor entre março e abril, e as folhagens de outono entre outubro e novembro (como na foto) (Daderot/Wikimedia commons) 
7. CHATSWORTH HOUSE, REINO UNIDO 
Um dos países onde a jardinagem chegou ao status de mania é a Inglaterra. Plebeus e nobres são fanáticos pelo hobby e o próprio príncipe Charles dedica parte de sua movimentada agenda para cuidar de suas plantas. Não surpreende então que hajam grandes e bem cuidados parques públicos e que boa parte dos palácios do país possuam jardins de esmerado trato. Um dos mais famosos é o de Chatsworth House, a mansão do duque de Devonshire. Em uma área de mais de 100 acres encontram-se elementos de seis diferentes séculos. Destaque para a longa cascata e as estufas de plantas exóticas (kev747/CC) 
8. PALÁCIO DE VERSALHES, ARREDORES DE PARIS, FRANÇA 
Muito da fama de Versalhes vem de seu magnífico palácio, mas, convenhamos, o chateau não teria a menor graça sem seu projeto paisagístico. Fontes, estátuas, alamedas, um imenso tanque d’água e uma complexa trama de plantas dispostas em simetria são suas grandes atrações. André Le Nôtre coordenou uma grande equipe que incluiu Charles Le Brun, Jean-Baptiste Colbert e Jules Hardouin-Mansart. O próprio rei da França dava a palavra final em muitos dos detalhes desta obra superlativa. É quase impossível conhecer todo o jardim em apenas um dia (chingers7 Creative Commons) 
9. CHÂTEAU DE VILLANDRY, VALE DO LOIRE, FRANÇA 
Versalhes pode ser considerado o mais famoso jardim francês, mas não é páreo para Villandry em termos de elaboração artística. Seu projeto paisagístico é uma colcha de retalhos e apuro técnico que faz a alegria dos entusiastas por labirintos e padrões simétricos. Construído no século 16 por um dos ministros de Francisco I, teve como base trabalhos renascentistas italianos. Os horários para visitação variam bastante durante o ano, sendo mais longos durante o verão e mais curtos no inverno (Jean-Christophe BENOIST/Wikimedia commons) 
10. JARDIM BOTÂNICO, RIO DE JANEIRO 
No Olimpo das grandes atrações turísticas do Rio de Janeiro, o Jardim Botânico é um dos mais discretos campeões na preferência dos turistas. Vitórias-régias enormes, bambuzais colossais, perspectivas infinitas, orquidários e bromeliários enchem os olhos dos visitantes aos pés do Cristo. As palmeiras imperiais continuam ali, imponentes como sempre (Fernando Lemos) 
11. INSTITUTO INHOTIM, BRUMADINHO, MINAS GERAIS 
Além de ser o maior centro de arte contemporânea a céu aberto do mundo, o Instituto Inhotim, a 65 km de Belo Horizonte, é cercado por um majestoso jardim botânico. Caminhar por sua enorme área, que ostenta uma das maiores coleções de espécies vivas entre todos os jardins botânicos do Brasil, é uma experiência única 
12. GARDEN OF COSMIC SPECULLATION, DUMFRIES, ESCÓCIA 
A atração central aqui não são plantas exóticas, nem mesmo uma curadoria botânica. O paisagismo deste curioso parque é a ciência aplicada em matemática, física e astronomia, com conceitos espelhados em esculturas, lagos e em seu curioso relevo. Concebido pelo arquiteto Charles Jencks, esta é uma propriedade particular, mas que ocasionalmente é aberta ao público (Yellow Book CC) 
13. PALÁCIO DE CASERTA, ARREDORES DE NÁPOLES, ITÁLIA 
As perspectivas colossais, o amplo uso da água em fontes, cascatas e espelhos dágua, e o impressionante conjunto barroco do palácio dos reis de Nápoles valeram ao Reggia di Caserta o título de Patrimônio da Humanidade pela Unesco. Localizado a 35 quilômetros de Nápoles, os jardins complementam a suntuosidade setecentista do edifício principal (pennyjb/CC) 
14. GENERALIFE, GRANADA, ESPANHA 
Na imensa vega árida da Andaluzia, o palácio Alhambra, em Granada, é uma joia arquitetônica que mantém-se como símbolo maior e mais duradouro da presença árabe na Europa. O palácio de verão Generalife (foto), logo ao lado, é um oásis repleto de jardins que traz um bem-vindo frescor ao ambiente, repleto de espelhos dágua, fontes e pátios 
15. HUNTINGTON LIBRARY, LOS ANGELES, ESTADOS UNIDOS 
Localizado a apenas 20 quilômetros do centro de Los Angeles, o Huntington é uma instituição que reúne biblioteca, coleção de arte e os famosos e amplos jardins. Mais de 40 jardineiros e 100 voluntários cuidam do parque botânico de 200 acres, que exibe plantas vindas da Austrália, Japão e China, além de outros países, com ambientações típicas. Destaque para a área reservada para espécies de cactos (Thinkstock)

Por Eduardo Jun Marubayashi

MERCI DE VISITER - REVENEZ TOUJOURS



VALEU PELA VISITA - SEMPRE VOLTE


Fonte dos textos e fotos: viagemeturismo.abril.com.br / Thymonthy Becker Cortez / Divulgação / 

ILHAS LAVEZZI, ESTREITO DE BONIFÁCIO, CÓRSEGA, FRANÇA - Mesmo com Paris em mente, pode ser uma boa ideia explorar outros cantos do país europeu. As Ilhas Lavezzi, na França, se revelam como um segredo bem guardado dos franceses, um paraíso intocado onde há pouca infraestrutura, mas beleza de sobra em suas águas cristalinas e intensamente azuis. O arquipélago fica no Estreito de Bonifácio, próximo a Córsega da Sardenha, no mar Mediterrâneo. Ilhas e recifes de granito formam praias e piscinas naturais que divertem banhistas e mergulhadores. Em meio a rochas também há, de presente, um visual panorâmico dos entornos, com paisagens de cair o queixo. Desabitadas e remotas, as ilhas não possuem hotéis, pousadas, restaurantes ou até mesmo aluguel de equipamentos, como guarda sol.




CONHEÇA AS "ILHAS LAVEZZI", CÓRSEGA, FRANÇA - DA JANELA DO TREM
Mesmo com Paris em mente, pode ser uma boa ideia explorar outros cantos do país europeu. 
As Ilhas Lavezzi, na França, se revelam como um segredo bem guardado dos franceses, um paraíso intocado onde há pouca infraestrutura, mas beleza de sobra em suas águas cristalinas e intensamente azuis.
O arquipélago fica no Estreito de Bonifácio, próximo a Córsega da Sardenha, no mar Mediterrâneo. 
Ilhas e recifes de granito formam praias e piscinas naturais que divertem banhistas e mergulhadores. 
Em meio a rochas também há, de presente, um visual panorâmico dos entornos, com paisagens de cair o queixo.
Desabitadas e remotas, as ilhas não possuem hotéis, pousadas, restaurantes ou até mesmo aluguel de equipamentos, como guarda sol.





O acesso é feito por passeios de barco diários, oferecidos por operadoras de turismo a partir de Lavezzi Bonifacio e Porto-Vecchio. 
O trajeto de cerca de 30 minutos custa, em média, 35 euro.


MERCI DE VISITER - REVENEZ TOUJOURS

VALEU PELA VISITA - SEMPRE VOLTE


Fonte dos textos e fotos: quantocustaviajar.com / Thymonthy Becker / Divulgação / 

MUSEU DO LOUVRE, CHAMPS-ÉLYSÉES, PARIS, FRANÇA - Frequentemente vencedor em rankings dos museus mais visitados do mundo – a média das últimas listas é superior a 8 milhões de pessoas anuais –, esse palácio do século 12 foi convertido na meca da arte em 1793, quatro anos após a Revolução Francesa. Entre as mais de 35 mil obras em exibição no Museu do Louvre estão nada menos que a Vênus de Milo, escultura de autor desconhecido, e a Mona Lisa, de Leonardo da Vinci – esteja preparado para enfrentar multidões, especialmente em torno desse quadro, que surpreende muitos pelo diminuto tamanho. Obviamente, tamanho não é documento, pena que não é possível observar esta preciosa obra-prima com toda calma, silêncio e veneração que lhe seria necessário.




CONHEÇA O "MUSEU DO LOUVRE", PARIS, FRANÇA - DA JANELA DO TREM 
Frequentemente vencedor em rankings dos museus mais visitados do mundo – a média das últimas listas é superior a 8 milhões de pessoas anuais –, esse palácio do século 12 foi convertido na meca da arte em 1793, quatro anos após a Revolução Francesa. Entre as mais de 35 mil obras em exibição no Museu do Louvre estão nada menos que a Vênus de Milo, escultura de autor desconhecido, e a Mona Lisa, de Leonardo da Vinci – esteja preparado para enfrentar multidões, especialmente em torno desse quadro, que surpreende muitos pelo diminuto tamanho. Obviamente, tamanho não é documento, pena que não é possível observar esta preciosa obra-prima com toda calma, silêncio e veneração que lhe seria necessário. 
São mais de 60 mil metros quadrados de área nesse gigantesco acervo de arte de inúmeras épocas e culturas do mundo, por isso vale reforçar a premissa de que o ideal é reservar mais de um dia para a visita. 
A visita ao Museu do Louvre já começa de forma teatral, com a pirâmide de vidro do arquiteto sino-americano Ieoh Ming Pei dando as boas-vindas aos turistas e apreciadores de arte. A solução encontrada por Pei não só ofereceu um novo cartão-postal à Paris, mas também uma tão aguardada entrada (decente) para o edifício. Além disso, inundou de luz todo o Hall Napoleon e deu ainda mais crédito ao amalucado livro de Dan Brown, O Código da Vinci. 
UM POUCO DE HISTÓRIA 
As origens do Louvre remontam ao ano de 1190, quando aqui foi construída uma massiva fortaleza junto às margens do rio Sena. O castelo do rei Felipe Augusto possuía um ar obviamente bélico, com muralhas e torres. No século 14, o rei Carlos V imprimiu um ar menos espartano ao complexo, agora transformado em residência real. Os ares palacianos surgiriam pela vontade dos soberanos renascentistas Francisco I (que demoliu o antigo castelo e trouxe Leonardo da Vinci para a França — com a Mona Lisa a tiracolo) e Henrique IV (que aqui abrigou artistas que montaram ateliês em seus recintos). 
Com a mudança da corte para Versalhes, o Louvre ficou em estado lastimável, sendo transformado em museu em 1793, durante a Revolução Francesa. Com a expansão colonialista francesa durante o século 19, uma série de antiguidades do Oriente Médio e Egito foram “importadas” pelos franceses. Jean François Champollion, o homem que decifrou a Pedra de Rosetta, foi o primeiro curador do departamento egípcio. 
A última grande intervenção no edifício foi comandada pelo presidente François Mitterand em 1989, que encomendou o polêmico — como tudo em Paris — projeto de I.M. Pei. 
DEPARTAMENTOS 
O Museu do Louvre cobre um longo e precioso trecho da produção artística do homem. A curadoria dividiu o acervo em sete coleções, dispostas em três seções principais: Sully (o Cour Carrée), Richelieu (que abrange a ala paralela à Rue de Rivoli) e Denon (a ala ao longo do rio Sena). Todas elas possuem acesso através da pirâmide. 
Os departamentos seguem um labiríntico roteiro pelo museu: Antiguidades (dividido em coleções egípcia, grega, romana e etrusca), Pinturas (principalmente francesas e europeias), Antiguidades Orientais (objetos do Oriente Médio, Mesopotãmia, Índia e norte da África), Esculturas, Arte Decorativa, Gravuras e Desenhos (que conta com manuscritos com iluminuras e esboços e estudos de mestres como Leonardo e Rembrandt) e Arte Tribal (hoje no novíssimo Museu Quai-Branly). 
DESTAQUES 
– A Mona Lisa (La Gioconda), pintura de Leonardo da Vinci, do século 16 
– Le Radeau de la Méduse, pintura de Théodore Géricault, do século 19 
– A Vitória de Samotrácia, escultura grega de cerca de 190 a.C. 
– A coleção egípcia, em grande parte angariada por Napoleão Bonaparte, no século 19 
– Vênus de Milo, escultura grega de cerca de 100 a.C. 
– A Liberdade Guiando o Povo, pintura francesa de Eugène Delacroix, do século 19 
– A Coroação de Napoleão, pintura francesa de Jacques-Louis Davi, do século 19 
DICAS 
Evite filas chegando bem cedo. Isso lhe economizará tempo (e muita paciência) tanto na hora de entrar como na visita em si, com menos aglomerações sobre as peças mais famosas, como a Vênus de Milo e a Mona Lisa. Conheça todos os destaques das amostras primeiro e depois, com mais calma, passe pelas obras menos disputadas. Se já é um veterano, faça uma programação antecipada para evitar o sobe e desce. Outra forma de agilizar a entrada é comprar o ingresso pelo site. 
O Louvre possui três entradas: a da pirâmide é de longe a mais congestionada, portanto evite-a. A única exceção é se você possui um Paris Museum Pass, que tem um acesso exclusivo. As entradas da Porte des Lions e da Galerie du Carrousel são mais tranquilas e, por vezes, podem estar surpreendentemente vazias nos meses de inverno e no começo da primavera. 
Na alta temporada, de junho a agosto, entre 10h e 15h, as filas podem durar enervantes 2 horas sob o sol de verão.
MUSEU DO LOUVRE (MUSÉE DU LOUVRE), INSTALADO NO PALÁCIO DO LOUVRE, EM PARIS, É UM DOS MAIORES E MAIS FAMOSOS MUSEUS DO MUNDO. 
LOCALIZA-SE NO CENTRO DE PARIS, ENTRE O RIO SENA E A RUE DE RIVOLI. O SEU PÁTIO CENTRAL, OCUPADO AGORA PELA PIRÂMIDE DE VIDRO, ENCONTRA-SE NA LINHA CENTRAL DOS CHAMPS-ÉLYSÉES, E DÁ FORMA ASSIM AO NÚCLEO ONDE COMEÇA O AXE HISTORIQUE (EIXO HISTÓRICO).
É ONDE SE ENCONTRA A MONA LISA, A VITÓRIA DE SAMOTRÁCIA, A VÉNUS DE MILO, ENORME COLEÇÕES DE ARTEFATOS DO EGITO ANTIGO, DA CIVILIZAÇÃO GRECO-ROMANA, ARTES DECORATIVAS E APLICADAS, E NUMEROSAS OBRAS-PRIMAS DOS GRANDES ARTISTAS DA EUROPA COMO TICIANO, REMBRANDT, MICHELANGELO, GOYA E RUBENS, NUMA DAS MAIORES MOSTRAS DO MUNDO DA ARTE E CULTURA HUMANAS. O MUSEU ABRANGE, PORTANTO, OITO MIL ANOS DA CULTURA E DA CIVILIZAÇÃO TANTO DO ORIENTE QUANTO DO OCIDENTE.
É O MUSEU MAIS VISITADO DO MUNDO, RECEBENDO EM 2011 8,8 MILHÕES DE VISITANTES
O PALÁCIO DO LOUVRE É UMA ESTRUTURA QUASE RETANGULAR, COMPOSTO PELA PRAÇA DO COUR CARRÉE E DUAS ALAS QUE ENVOLVEM O COUR NAPOLÉON A NORTE E AO SUL. NO CORAÇÃO DO COMPLEXO, ESTÁ A PIRÂMIDE DO LOUVRE, ACIMA DO CENTRO DOS VISITANTES. O MUSEU É DIVIDIDO EM TRÊS ALAS: A ALA SULLY A LESTE, QUE CONTÉM A COUR CARRÉE E AS PARTES MAIS ANTIGAS DO LOUVRE, A ALA RICHELIEU AO NORTE, E DA ALA DENON, QUE FAZ FRONTEIRA COM O RIO SENA PARA O SUL.
EM 1983, O PRESIDENTE FRANCÊS FRANÇOIS MITTERRAND PROPÔS UM PLANO O GRAND LOUVRE A FIM DE RENOVAR O PRÉDIO E TRANSFERIR O MINISTÉRIO DA FAZENDA, PERMITINDO QUE EXIBISSE TODO O EDIFÍCIO. O ARQUITETO I. M. PEI FOI PREMIADO COM O PROJETO E PROPÔS UMA PIRÂMIDE DE VIDRO PARA O PÁTIO CENTRAL. A PIRÂMIDE E SEU ÁTRIO SUBTERRÂNEO, FOI INAUGURADO EM 15 DE OUTUBRO DE 1988. A SEGUNDA FASE DO PLANO DO GRAND LOUVRE, LA PYRAMIDE INVERSÉE (A PIRÂMIDE INVERTIDA), FOI CONCLUÍDA EM 1993. A PARTIR DE 2002, O ATENDIMENTO DOBROU DESDE A SUA CONCLUSÃO.
O ACERVO DO MUSEU DO LOUVRE POSSUI MAIS DE 380 MIL ITENS E MANTÉM EM EXIBIÇÃO PERMANENTE MAIS DE 35 MIL OBRAS DE ARTE, DISTRIBUÍDAS EM OITO DEPARTAMENTOS. A SEÇÃO DE PINTURA É A SEGUNDA MAIOR DO MUNDO, LOGO ATRÁS DA DO MUSEU HERMITAGE, COM QUASE 12 MIL PEÇAS, SENDO QUE DELAS 6 MIL ESTÃO EM EXPOSIÇÃO PERMANENTE.
Você pode ir ao Louvre por diversas razões. Em seu livro Paris É uma Festa, Hemingway conta que foi com Fitzgerald ao museu nos anos 1920 para que o autor de O Grande Gatsby pudesse checar, diante das estátuas da Antiguidade, se suas medidas masculinas eram adequadas. Fitzgerald saiu tão confuso quanto entrou. Você também pode ir ao Louvre porque se sentirá culpado se, em Paris, decidir não prestar um tributo à arte. Nesse caso, mesmo sem entrar no museu mais visitado do mundo (8,4 milhões de ingressos em 2010), dá para tirar uma foto externa e mandá-la aos amigos. Um fotógrafo mediano fará com que você pareça segurar a pirâmide pelo topo.
Se parece fácil repetir a brincadeira dos turistas do lado de fora, dentro você poderá lembrar o personagem de Stendhal em A Cartuxa de Parma, que viu a batalha de Waterloo sem entender do que se tratava. Fui assim algumas vezes ao Louvre e encontrei brasileiros na mesma situação – um clássico, já que somos o segundo maior público estrangeiro do museu, atrás dos americanos.
Mas dessa vez finalmente decidi fazer uma visita planejada. Estudada. Livros, Google, experiências pessoais – juntei tudo, coloquei num liquidificador e extraí um suco lógico, que pode ser tomado antes de pegar a fila quase inevitável que vai dar na pirâmide invertida do subsolo. Compartilho essa visita aqui.
Uma boa ida ao Louvre deve se amparar em história. O museu, como o conhecemos, é obra dos revolucionários que derrubaram a monarquia em 1789. Erguida a partir do século 13, a construção era inicialmente uma fortaleza. “Louvre”, ninguém sabe ao certo a origem da palavra, derivaria de “Lou”, que remete a Louis, o nome de 18 reis franceses. Com o tempo, o palácio passou a ser utilizado pela realeza, sobretudo para festas. Depois da revolução, em 1793, os novos líderes decidiram que aquele era o lugar ideal para montar um museu – gratuito – que proporcionasse conhecimento ao povo. Já havia um número considerável de obras ali. A Mona Lisa, por exemplo, fora dada de presente no início do século 16 por Leonardo da Vinci ao rei Francisco, em cuja corte fora trabalhar. Foi, por isso, um ato de ignorância histórica e patriotismo tresloucado o perpetrado pelo italiano Vincenzo Peruggia, que em 1911 roubou a Mona Lisa e a levou à Itália.
Ladrão que rouba ladrão
Peruggia era um fabricante de vidros e conhecia bem o museu. Certo dia, ele se escondeu dentro do prédio durante a visita dominical e permaneceu ali até a manhã da segunda-feira, dia em que o Louvre fechava naquele tempo (hoje é às terças). Então, tirou o quadro da parede do Salão Carré, colocou-o debaixo do sobretudo e o levou para a Itália. Tratava-se de uma repatriação, segundo ele. A Mona Lisa chegou a ser exibida em cidades italianas, mas logo as autoridades francesas a tomaram de volta. Peruggia foi tratado como ladrão na França, mas virou herói nacional para os italianos. O roubo da obra-prima obrigou os responsáveis pelo Louvre a investir em segurança, deixando para trás os dias em que o visitante segurava o quadro na mão para apreciá-lo de perto.
Se o Louvre era proprietário de direito da Mona Lisa, vale dizer que muito do que está em suas galerias advém de pilhagem. Napoleão tinha um apreço especial por surrupiar obras de arte em suas campanhas militares. Um quadro ilustra bem sua admiração por esse universo: no próprio Louvre, orgulhoso, ele mostra a um grupo de pessoas o Apolo Belvedere, uma escultura grega que representou por séculos a beleza masculina. Napoleão pegou-a da coleção do Vaticano, depois de conquistar Roma e impor seu poder ao papa. Com a queda de Napoleão, Apolo e outras obras retornaram aos donos. Não todas. Os egípcios, por exemplo, jamais reouveram o que lhes foi tirado.
Ninguém teve um papel tão marcante na história do Louvre quanto Napoleão. Por isso, é justo que você demore alguns minutos para vê-lo numa situação gloriosa, como em A Coroação de Bonaparte, de Jacques-Louis David, o grande pintor da corte napoleônica. David, um jacobino que se atirara à vida de revolucionário, escolheu um momento simbólico da cerimônia para registrar em sua obra. Nela, Napoleão está prestes a depositar a coroa em sua mulher, Josefina, um gesto que caberia ao papa Pio VII. Assim, ficava claro de quem era o poder na nova ordem, como prova a situação embaraçosa e a expressão contrariada do papa, captada espetacularmente por David.
De David, no Louvre, também é altamente recomendável ver um instante dramático na saga jacobina, A Morte de Marat. Um dos líderes revolucionários mais amados pelo povo, Marat foi assassinado por uma jovem que se dizia partidária de suas ideias. Ela o esfaqueou na banheira em que ele mitigava as dores terríveis que sentia por causa de uma doença na pele. O crime precipitaria uma onda de terror na qual a guilhotina trabalharia feneticamente.
A etapa revolucionária pode ser enriquecida com a contemplação de A Maldição Paterna, de Jean-Baptiste Greuze. Ele foi o pintor favorito de Diderot, o intelectual iluminista que contribuiu como poucos para abrir caminho para a Revolução de 1789. Diderot admirava a arte de Greuze pelo seu conteúdo moral – moral no sentido de educar, construir um caráter. A Maldição Paterna mostra um filho desesperado no quarto em que seu pai agoniza sob as vistas da família. O filho contrariara o pai e por isso é reprovado enfaticamente. Greuze reproduziu com seu pincel um pensamento fundamental de Confúcio, o filósofo de 2 500 anos atrás que até hoje influencia fortemente os chineses: a obediência aos pais é vital na personalidade de homens e mulheres.
Nossas preferências também devem ser levadas em consideração numa visita ao Louvre. Para mim, A Morte de Sêneca, de Peter Paul Rubens, é obrigatória. Rubens homenageou a bravura de Sêneca, que cortou os pulsos por ordem de Nero, o imperador de quem fora preceptor. Autor de ensaios notáveis sobre a arte de viver e de morrer, Sêneca cuidou de Nero antes que este degenerasse. Depois, acusado de conspiração pelo antigo pupilo, foi obrigado a se matar. A exemplo de Sócrates ao tomar a cicuta, Sêneca, como mostra a tela de Rubens, consolou os discípulos em vez de ser consolado por eles.
Mulheres peladas
“Artistas medíocres imitam”, disse Picasso. “Grandes artistas roubam as ideias dos mestres.” É instrutivo, a esse respeito, ver o Concerto Campestre, de Ticiano. Cercados de árvores e arbustos, dois homens estão absolutamente entretidos um com o outro, a despeito da nudez de duas mulheres que os acompanham. Esse quadro enigmático – o que estão fazendo as duas moças peladas num local público, e por que são alvo da brutal indiferença dos cavalheiros? – inspiraria séculos depois Edouard Manet num quadro que entraria para a história da pintura. Em Desjejum no Gramado, obra-prima do impressionismo, Manet retrata exatamente dois homens vestidos e duas mulheres nuas. Em comum, os homens das pinturas parecem não notar a deslumbrante presença feminina. Se você encontrar sentido nisso, me avise. O Desjejum está em outro museu de Paris, o D’Orsay, repleto de obras de impressionistas. O Louvre, numa decisão tomada há cerca de 40 anos, exibe obras apenas de artistas antigos. Não que o impressionismo – que floresceu na segunda metade do século 19 – seja novo. Mas não é antigo o bastante para estar representado ali.
Se grandes pintores como Ticiano e Manet se curvaram escancaradamente à nudez feminina, não há razão para que homens comuns se constranjam em admirá-la. Dois quadros são especialmente interessantes nesse quesito no Louvre. Um é O Banho Turco, de Jean-Auguste Domenique Ingres, em que mulheres jovens e lindas se esfregam umas nas outras. Contemplando-as, você vai lamentar o triunfo da estética anoréxica entre as mulheres. O segundo é de autor ignorado, da célebre Escola de Fontainebleau, cujo estilo foi inspirado no maneirismo italiano. O nome é Gabrielle d’Estrès e uma de suas irmãs. Favorita do rei Henrique IV, Gabrielle, ninguém nunca soube o porquê, aperta com a mão esquerda o mamilo direito da irmã.
Pelos meus cálculos, ver direito as obras citadas vai demandar umas duas horas. É o tempo justo. Mais que isso, bate um cansaço que pode levar você a odiar o que bem poderia venerar. São 35 mil obras em exposição, apenas 12% de todo o acervo. Melhor se encaminhar para a saída e dizer a esse grande museu não adeus, mas até breve.
Indicado pelo próprio museu em seu site www.louvre.fr, este roteiro, de cerca de 1h30, passa pelas obras mais populares do museu, como a Vênus de Milo, que está na ala Sully. Mas há mais. Das pinturas do século 19, é sugerida, entre outras, a Balsa da Medusa, em que Théodore Géricault registra um naufrágio na costa africana, episódio embaraçoso para a recém-restaurada monarquia francesa. Mais famosa é A Liberdade Guiando o Povo, de Delacroix. Do século 16, a gigantesca tela As Bodas de Caná, de Paolo Veronese, ilustra o milagre da transformação da água em vinho, mas, perto da Mona Lisa, não recebe grande atenção. A Vitória de Samotrácia fica na ala Denon.
Esculturas
Fazer um roteiro que privilegie parte das esculturas do museu. Essa é a ideia que o professor Denis Molino, curador-assistente do Masp e professor de história da arte da escola do museu, indica ao viajante. Ele sugere comparar as peças feitas em homenagem ao escritor e filósofo francês Voltaire, como o Voltaire nu feito por Pigalle em 1776, ‘‘obra que causou polêmica na época”, e o busto de Houdon, de 1778, em que “sobressai o sorriso irônico do escritor”. Também sugere contemplar O Escravo, de Michelangelo, e a estátua gótica de Maria Madalena, de Gregor Erhart, o bronze do século 16 Mercúrio Carregando Psiqué, de Adriaan de Vries, e depois, na ala helenista, o mármore romano Hemafrodita Dormindo, que “surpreende pela ambiguidade.”
Retratos
A professora Elaine Caramella, coordenadora do curso Arte: História, Crítica e Curadoria, da PUC-SP, sugere um corte que contemple os retratos. “Dá para fazer um belo passeio pelo Louvre assim.” Ela sugere diversas obras, como São Luís, Rei da França, de El Greco, Madame Récamier, de Jacques-Louis David, e um autorretrato de Albrecht Dürer. Além desses, Retrato de Baldassare Castiglione, de Rafael, Retrato de um Velho com o Neto, de Domenico Ghirlandaio, Erasmo, por Hans Holbein, o Jovem, Mulher com Espelho, de Ticiano, Palhaço com Aláude, de Frans Hals, estão em sua seleção.
HORÁRIO DE FUNCIONAMENTO
Abre diariamente, com horários variados. Segundas, quintas e fins de semana, das 9h às 17h30; quartas e sextas, das 9h às 21h15
FORMAS DE PAGAMENTO
€10 (mostra permanente),€11 (mostras no Hall Napoléon),€14 (entrada combinada para os museus do Louvre e Eugéne Delacroix). Grátis para menores de 18 anos, residentes na União Europeia entre 18 e 25 anos e em todos os primeiros domingos de cada mês e no dia 14 de Julho. Menores de 26 anos têm acesso livre nas noites de sexta-feira, das 18h às 21h45.

MERCI DE VISITER - REVENEZ TOUJOURS


VALEU PELA VISITA - SEMPRE VOLTE


Fonte dos textos e fotos: Thymonthy Becker / viagemeturismo.abril.com.br / Thymonthy Becker / louvre.fr / Divulgação / 

POSTAGENS CAMPEÃS DE VISUALIZAÇÕES