Pular para o conteúdo principal

MERCÊS, MINAS GERAIS - A cidade está localizada a 230 km de Belo Horizonte e possui diversas cachoeiras. O A Igreja Matriz Nossa Senhora das Mercês está situada na praça principal da cidade e tornou-se o santuário do local. Próximo a ela, pode-se avistar o Cruzeiro feito de pedra, datado de 1872. A cidade, típica do interior mineiro, possui diversas manifestações culturais. Dentre elas, ganha destaque o Jubileu de Nossa Senhora das Mercês que, de 16 a 24 de setembro, é comemorado com muita fé pelos mercesanos. As festividades do Carnaval; Torneio Leiteiro; e Festa da Virada, que movimentam a economia da cidade e da região.




CONHEÇA A CIDADE DE "MERCÊS", MINAS GERAIS, BRASIL - OLHANDO DA JANELA DO TREM
A cidade está localizada a 230 km de Belo Horizonte e possui diversas cachoeiras. O A Igreja Matriz Nossa Senhora das Mercês está situada na praça principal da cidade e tornou-se o santuário do local. Próximo a ela, pode-se avistar o Cruzeiro feito de pedra, datado de 1872.
A cidade, típica do interior mineiro, possui diversas manifestações culturais. Dentre elas, ganha destaque o Jubileu de Nossa Senhora das Mercês que, de 16 a 24 de setembro, é comemorado com muita fé pelos mercesanos. (Instituto estrada Real)
SEJA MUITO BEM VINDO A CIDADE DE MERCÊS, MG.
foto - Thymonthy Becker
AQUI O TEMPLO DA ASSEMBLEIA DE DEUS EM MERCÊS, MG
foto - Thymonthy Becker
SEDE DO PODER LEGISLATIVO - CÂMARA DE VEREADORES DA CIDADE DE MERCÊS, MG
foto - Thymonthy Becker
ESCOLA MUNICIPAL EM MERCÊS, MG
foto - Thymonthy Becker
ESTAÇÃO RODOVIÁRIA DA CIDADE DE MERCÊS, MG
foto - Thymonthy Becker
IGREJA EM MERCÊS, MG
foto - Thymonthy Becker
MATRIZ DE NOSSA SENHORA DAS MERCÊS E SEU INTERIOR EM MERCÊS, MG
foto - Thymonthy Becker
HOMENS TRABALHANDO NO TELHADO DA MATRIZ EM MERCÊS, MG
foto - Thymonthy Becker
foto - Thymonthy Becker
NA HORA CERTA
foto - Thymonthy Becker
INTERIOR DA MATRIZ EM MERCÊS, MG
foto - Thymonthy Becker
INTERIOR DA MATRIZ EM MERCÊS, MG
foto - Thymonthy Becker
INTERIOR DA MATRIZ EM MERCÊS, MG
foto - Thymonthy Becker
INTERIOR DA MATRIZ EM MERCÊS, MG
foto - Thymonthy Becker
INTERIOR DA MATRIZ EM MERCÊS, MG
foto - Thymonthy Becker
INTERIOR DA MATRIZ EM MERCÊS, MG
foto - Thymonthy Becker
foto - Thymonthy Becker
CONHEÇA AGORA UM POUCO MAIS DA BONITA CIDADE DE MERCÊS, MG
foto - Thymonthy Becker
foto - Thymonthy Becker
foto - Thymonthy Becker
foto - Thymonthy Becker
foto - Thymonthy Becker
foto - Thymonthy Becker
foto - Thymonthy Becker
foto - Thymonthy Becker
foto - Thymonthy Becker
foto - Thymonthy Becker
O CHIQUINHO ESTÁ AI
foto - Thymonthy Becker
foto - Thymonthy Becker
foto - Thymonthy Becker
foto - Thymonthy Becker
foto - Thymonthy Becker
foto - Thymonthy Becker
foto - Thymonthy Becker
foto - Thymonthy Becker
foto - Thymonthy Becker
foto - Thymonthy Becker
foto - Thymonthy Becker
HOSPITAL DA CIDADE DE MERCÊS, MG
foto - Thymonthy Becker
foto - Thymonthy Becker
foto - Thymonthy Becker
foto - Thymonthy Becker
PREFEITURA MUNICIPAL DE MERCÊS, MG
CENTRO EDUCACIONAL DE MERCÊS, MG
FÓRUM DE JUSTIÇA DE MERCÊS, MG
AGÊNCIA DOS CORREIOS E TELÉGRAFOS DE MERCÊS, MG QUER FUNCIONA NA ANTIGA ESTAÇÃO FERROVIÁRIA
COMÉRCIO EM MERCÊS, MG

MATERIAL DE CONSTRUÇÃO EH DU ALEMÃO EM MERCÊS, MG
foto - Thymonthy Becker
foto - Thymonthy Becker
PARQUE DE EXPOSIÇÕES EM MERCÊS, MG
foto - Thymonthy Becker
foto - Thymonthy Becker
AQUI CHEGANDO EM UMA CACHOEIRA QUE ESTA PRATICAMENTE NO CENTRO DA CIDADE. MUITO SHOW DE BOLA MESMO. O CHIQUINHO ESTÁ VERIFICANDO O LOCAL.
foto - Thymonthy Becker
A CACHOEIRA EM MERCÊS, MG
foto - Thymonthy Becker
foto - Thymonthy Becker
foto - Thymonthy Becker
foto - Thymonthy Becker
O CARRO DO BATENTE. A CACHOEIRA FICA AO LADO DESTA RUA EM MERCÊS, MG.
foto - Thymonthy Becker
O ENTORNO DA CIDADE DE MERCÊS, MG
foto - Thymonthy Becker
foto - Thymonthy Becker
foto - Thymonthy Becker
foto - Thymonthy Becker
NOS CAMINHOS DA REALEZA EM MERCÊS, MG
foto - Thymonthy Becker
VINDO EM MERCÊS, MG VOCÊ FICA PROTEGIDO
foto - Thymonthy Becker
Gentílico: mercesano
Histórico
Mercês
Minas Gerais - MG
HISTÓRICO DA CIDADE DE MERCÊS, MG
Os primitivos habitantes da região, até fins do século XVII, eram índios da tribo dos goitacases, senhores do Rio Paraíba e seus afluentes. Forçados pelo avanço da civilização ou por fatores outros, foram esses primitivos habitantes subindo em direção às nascentes do rio, dispersando-se em aldeamentos vários. Os primeiros desbravadores a travar conhecimento com esses indígenas denominaram-nos croatas, caiapós e pombas. Esse último nome coube às tribos que se adornavam com penas dessas aves e estendeu-se a toda a região, inclusive ao rio que, ainda hoje, é por ele conhecido. 
″Região do Pomba″ foi, pois, a primeira denominação a abranger todo o extenso território onde surgiu o município de Pomba, do qual o povoado de Mercês veio a ser distrito, em 1841. Dos primeiros moradores brancos a se fixarem no distrito de Nossa Senhora das Mercês do Pomba, guardou a tradição o nome de um tal Vieira, aparentado com dois fundadores da cidade de Pomba, do mesmo sobrenome Vieira. Teria esse primeiro morador vindo à região atraído pela fama da existência de jazidas minerais; ao chegar, pernoitou à margem do rio Paciência, tendo sido então surpreendido pelos indígenas que lhe levaram toda a bagagem, inclusive a roupa do corpo, deixando-o qual novo Adão, naquele paraíso agreste. Mas, mesmo pelas contingências do momento, teve o branco de reagir às circunstâncias e o fez construindo a primeira morada, passando a integrar-se no sistema de vida do gentio, inclusive casando-se com algumas índias. 
Foi ele o construtor da primeira capela, templo este, porém, destruído, posteriormente pelos próprios indígenas que julgaram a construção responsável por violenta epidemia que dizimava as tribos. Vieira reconstruiu a igrejinha e nela foi rezada missa pelo padre Manoel de Jesus Maria, cerca de cinqüenta anos depois.
Em 1767, o capitão-general Luís Diogo Lobo da Silva, governador da capitania, teve de conseguir um sacerdote que se encarregasse da catequese dos índios do rio Pomba, o que não foi de todo o fácil, dado o estado de ânimo sempre irritado daqueles gentios contra os invasores. A solução foi encontrada na pessoa do padre Manoel de Jesus Maria, brasileiro. Tendo recebido Alvará do Governo e Provisão da Cúria, que lhe davam autoridade civil e eclesiástica em todas as terras do índios Pomba, deixou Vila Rica em fins de novembro de 1767, acompanhado de um curador de índios e oito índios domésticos. 
A pequena comitiva veio a cavalo até Guará-Piranga, onde deixaram os animais por não haver estradas. Daí ao termo da viagem, à taba central dos índios Pomba, conduziram a carga às costas, através da mata virgem. O jovem padre fundou então seu centro de catequese, de onde irradiou suas atividades por 44 anos, erigindo dezenas de aldeias, das quais algumas progrediram e tornaram-se, mais tarde, núcleo que deram origem às cidades de Pomba, Guarani, Rio Novo, Rio Branco, Ubá, Lima Duarte, São João Nepomuceno, São José do Além-Paraíba, Cataguases, Alto Rio Doce, e Mercês. Esse apóstolo morreu no dia 9 de dezembro de 1911. Padre Manoel de Jesus Maria, portanto, foi o primeiro a impulsionar, conscientemente, a fundação do município de Mercês.
Dos fatos mais característicos da história do município, há a registrar o de ter recebido a visita de um Presidente da Província que, ao despachar um ato de nomeação, mandou que o mesmo fosse iniciado com os dizeres, ″Palácio do Governo da Província de Minas Gerais, em Mercês do Pomba, aos sete de dezembro do ano da graça de 1856, etc.″, o que conferiu à vila o privilégio de capital da Província, por um dia, e prova a importância da povoação, já naqueles tempos. Outro episódio que demonstra essa importância foi a comemoração do centenário da primitiva capelinha local, no dia 24 de setembro de 1869, com a presença de vultos de importância na vida nacional, podendo ser citados os nomes de Mariano Procópio Ferreira Lages e Honório Ferreira Armond, mais tarde barão de Pitangui.
O povoado que, em 1801, era insignificante, foi elevado à freguesia em 1841. Com o advento da República, Mercês teve o seu primeiro Conselho distrital, eleito pelo povo, cabendo a presidência do mesmo ao Dr. Fernandes Teixeira de Souza Magalhães.
O município teve o seu serviço postal regular instalado em 1858; seu primeiro Grupo escolar data de 1917; um ramal de estrada de ferro, ligando o município a Palmira, em 1914; Telégrafo Nacional, água potável e iluminação elétrica em 1918.

População estimada 2016 (1) - 10.842
Área da unidade territorial 2015 (km²) - 348,271
Densidade demográfica 2010 (hab/km²) - 29,77
Código do Município 3141603
Gentílico - mercesano
Prefeito 2017 / EDIMAR GUERRA DE PAULA
ORIGEM DO NOME DA CIDADE DE MERCÊS, MG
Capelinha das Mercês era como se designava o local, a princípio. Era uma pequena capela coberta com folhas de palmito. Aí se formou a povoação designada, às vezes, por Mercês do Pomba, com gente oriunda principalmente de Barbacena. Depois passou a denominar-se apenas Mercês.
ESTA EH A BANDEIRA DA CIDADE DE MERCÊS, MINAS GERAIS
ESTE EH O BRASÃO DO MUNICÍPIO DE MERCÊS, MINAS GERAIS


VALEU PELA VISITA. SEMPRE VOLTE. ATÉ A PRÓXIMA.



Fonte dos textos e fotos: IBGE / Thymonthy Becker / Governo de Mercês, MG / Wikipédia / asminasgerais.com.br / institutoestradareal.com.br / 

As fotos de minha propriedade foram tiradas em Março / 2014

Comentários

Páginas que receberam mais visitas

BAEPENDI, MINAS GERAIS - A terra de "Nhá Chica". Na natureza preservada no município estão cerca de 40% do parque ecológico do papagaio, é local ideal para fazer trilhas e acampar em paradisíacos lugares. Baependi é uma das poucas cidades que podem ser visitadas durante qualquer época do ano, sem se preocupar com a programação que irá encontrar pois, o verão é bem definido, sendo um convite para se deslumbrar com as mais de cinqüenta cachoeiras que cercam a cidade e o inverno pouco chuvoso propicia inúmeras opções para enfrentar trilhas e acampar em paradisíacos lugares

COLORADO, RIO GRANDE DO SUL - Colorado é uma pequena cidade do Alto Jacuí. Fundada por imigrantes italianos e alemães. O espetáculo, belezas naturais, cores, aromas que seduzem à primeira vista. O município tem como base da economia a produção agrícola. A região possui uma relação muito próxima com as águas e com a geração de energia elétrica, a partir da formação do maior lago artificial do Estado – os Alagados do Passo Real e da Barragem de Ernestina. Bonitas e agradáveis, as cidades proporcionam atrações diversificadas, eventos, muitas festas, gastronomia, artesanato.

REPRESA DE FURNAS, SÃO JOSÉ DA BARRA, MINAS GERAIS - No dia 9 de janeiro de 1963 o túnel que desviou o curso do rio Grande para a construção da Usina de Furnas foi fechado e as águas que formaram um dos maiores reservatórios do mundo, criou praias, formou cânions e cachoeiras, inundou vilarejos e mudou para sempre a história dos 34 municípios que ficam ao longo dos 1.440 km2 de extensão do Lago de Furnas que abrange também parte do Parque Nacional da Serra da Canastra. O Lago de Furnas, também conhecido como "O MAR DE MINAS", é quatro vezes maior que a Baía de Guanabara, no Rio de Janeiro

BRASÍLIA, DF, BRASIL - Brasília é formada por gente de todos os lugares, todas as idades e de muitas gerações. É uma mistura de sotaques do Nordeste, Sudeste, Norte e Sul do país e até de estrangeiros. Por conta de seu rápido crescimento, já é a quarta cidade mais populosa do país. A maioria dos moradores, 52%, é mulher e tem em média 30 anos. Os primeiros habitantes que chegaram a Brasília vieram, principalmente, atraídos pelos empregos na construção civil e ajudaram na construção da capital. Eles eram chamados de candangos e aqui construíram e criaram famílias

TOMBOS, MINAS GERAIS - Na cachoeira três tombos, verdadeira obra da natureza de imensurável beleza que constitui um cartão postal da cidade com 62 metros de altura. A Gruta Pedra Santa localizada no distrito de Catuné, uma obra construída pela própria natureza. Ao longo do tempo a grande pedra foi desintegrando-se e formou-se um grande salão, onde ergueu-se a capela em Honra a Nossa Senhora de Lourdes. Praças diversas, museu municipal que funciona na antiga estação ferroviária, usina hidrelétrica de Tombos e os dois distritos “Catuné” e “Água Santa” valem uma visita à cidade de Tombos

IGATU, ANDARAÍ, BAHIA - Eh uma verdadeira cidade de pedra. "Sagrada" pra quem viveu lá durante o auge do ciclo do diamante. O trajeto até a vila já é uma atração: a estrada de acesso pela BA-142 é cheia de mirantes naturais. Ao chegar, a impressão é de ter voltado no tempo, quando igatu era chamada de Xique Xique e famosa pela extração de diamantes. Hoje não há farmácias, o hospital mais próximo fica em Andaraí, a 12 km. Em outros tempos quem diria? Cabarés, cassinos, lojas, cadeia, cartório, cinema...

RIO DE JANEIRO, BRASIL - Do primeiro ao último minuto do ano, não falta o que fazer, o que visitar e o que rever no Estado do Rio de Janeiro, que não por acaso ostenta o rótulo de Maravilhoso. Além das praias e de seus outros dois ícones geográficos – o Corcovado e o Pão de Açúcar – o Rio vem ganhando uma série de atrativos culturais e gastronômicos. Quem deixa a capital e percorre o litoral fluminense encontra praias de beleza raríssima. Ao norte, na Região dos Lagos, estão as dunas de Cabo Frio, as águas translúcidas e frias de Arraial do Cabo, boas para mergulho, a badalação de Búzios e as trilhas rurais de Rio das Ostras

SERRA DO NAVIO, AMAPÁ - A História da Serra do Navio remonta aos anos 1950. A região era rica em manganês e outros minérios. Por isso, a brasileira ICOMI, com sede em Belo Horizonte e atuação em Minas Gerais, foi escolhida para explorar o minério e construir a vila operária, que daria origem à cidade de Serra do Navio. Cada vila tinha 330 casas, prédios coletivos (escolas, hospitais, refeitórios), abrigando até 1.500 pessoas, entre trabalhadores e familiares. Tinha ruas largas, postes de concreto para a fiação elétrica e telefônica, calçadas, parques, clubes com piscina, quadras esportivas, restaurante e lanchonete, drenagem de águas das chuvas e tratamento de água e esgoto. Todas as casas tinham mais de 90m² e contavam com saneamento e energia elétrica, proveniente de geradores da ICOMI.

GRAMADO, RIO GRANDE DO SUL - Faltava neve à Gramado para que ela assumisse de vez o título de “Suíça brasileira”. Não falta mais: o Snowland, primeiro parque de neve artificial indoor das Américas, trouxe esportes de inverno à cidade, que já era famosa pelas construções enxaimel (aquelas de paredes esquadrinhadas com tirantes de madeira), pelas fondues nos bons restaurantes suíços e pelo climinha gostoso da Serra Gaúcha.

CAMPO BELO, MINAS GERAIS - A primeira cidade do Brasil a ter um time de Rugby (Campo Belo Rugby - CBR) A cidade tem paisagens deslumbrantes com campos a perder de vista. Ideal para a prática de esportes de aventura, ecoturismo, esportes náuticos com várias cachoeiras, praias de água doce além da tradicional e boa comida mineira. Uma cidade tranquila, acolhedora com boas opções para hospedagem