Pular para o conteúdo principal

PARINTINS, AMAZONAS - Acessível de avião ou pelo Rio Amazonas, a segunda maior cidade amazonense é palco do Festival de Parintins, no último fim de semana de junho, que opõe as agremiações do Garantido (vermelho) e Caprichoso (azul). A rivalidade extrapola os limites da festa. Casas, bares, postes, orelhões: tudo é vermelho ou azul. As apresentações ocorrem numa arena e os temas visam sempre preservar o folclore e a diversidade cultural dos povos da Amazônia. Danças de influência indígena, personagens, toadas e carros alegóricos contam a história do boi-bumbá e o cotidiano dos habitantes da região – 21 itens, como a participação da torcida, são avaliados pelos jurados.




CONHEÇA A CIDADE DE "PARINTINS", AMAZONAS, BRASIL - DA JANELA DO TREM
O BOI GARANTIDO, COM O SEU TRADICIONAL CORAÇÃO VERMELHO NA TESTA, DESFILA DURANTE A 50ª EDIÇÃO DO FESTIVAL FOLCLÓRICO DE PARINTINS, EM 2015
Acessível de avião ou pelo Rio Amazonas, a segunda maior cidade amazonense é palco do Festival de Parintins, no último fim de semana de junho, que opõe as agremiações do Garantido (vermelho) e Caprichoso (azul). A rivalidade extrapola os limites da festa. Casas, bares, postes, orelhões: tudo é vermelho ou azul.
ATÉ MESMO O BOI É JULGADO DURANTE O DESFILE DE PARINTINS. O TRIPA DO BOI, DANÇARINO RESPONSÁVEL POR DAR MOVIMENTOS AO BONECO, PRECISA IMITAR OS MOVIMENTOS REAIS DE UM BOI, E DANÇAR COM LEVEZA, INTERAGINDO COM OS OUTROS INTEGRANTES DO DESFILE NO BUMBÓDROMO
As apresentações ocorrem numa arena e os temas visam sempre preservar o folclore e a diversidade cultural dos povos da Amazônia. Danças de influência indígena, personagens, toadas e carros alegóricos contam a história do boi-bumbá e o cotidiano dos habitantes da região – 21 itens, como a participação da torcida, são avaliados pelos jurados.
DURANTE O FESTIVAL DE PARINTINS, AS RUAS FICAM ENFEITADAS E AS CASAS E OS MUROS SÃO PINTADOS COM AS CORES DE CAPRICHOSO E GARANTIDO
COMO CHEGAR 
A Trip Linhas Aéreas tem voos diários, de uma hora, a partir de Manaus (no período do festival, a TAM e a Gol também voam para cá). De barco pelo Rio Amazonas, são 20h desde Manaus (Porto: 92/3522-4787), ou Santarém (Cooperativa de Transporte de Passageiros: 93/3522-4787), e quatro dias partindo de Belém (AR Transportes: 91/3224-6885).
CIDADE DO MAIOR ESPETÁCULO FOLCLÓRICO DA TERRA
BEM VINDO A CIDADE DE PARINTINS. TERRA DO MAIOR ESPETÁCULO FOLCLÓRICO DA MAIOR FLORESTA DA TERRA.
imagem - Janguilo Ferreira
AQUI A SEDE DO PODER EXECUTIVO - PREFEITURA MUNICIPAL DA CIDADE DE PARINTINS, AM
imagem - Janguilo Ferreira
CATEDRAL DE NOSSA SENHORA DO CARMO DA CIDADE DE PARINTINS, AM
imagem - Vicente A. Queiroz
INTERIOR DA CATEDRAL DE NOSSA SENHORA DO CARMO
imagem - Antônio Carlos Buriti
IGREJA EM PARINTINS, AM
imagem - Joseph Cro
IGREJA RIBEIRINHA DA CIDADE DE PARINTINS, AM
imagem - Ari Vicente
A cidade é dividida por uma linha imaginária que vai da Catedral de Nossa Senhora do Carmo ao Centro de Convenções Amazonino Mendes (Bumbódromo), criando duas zonas: uma Azul (Boi Caprichoso) e outra Vermelha (Boi Garantido).
O visitante da ilha nota essa divisão de cor, olhando para as pinturas das casas, placas turísticas indicativas, faixas de pedestres e até os orelhões da cidade. Do lado Azul ficam: Centro, Palmares, Francesa, Santa Clara, Santa Rita, Macurany e Castanheira.
Do lado vermelho localizam-se os seguintes bairros: São José, Djard Vieira, Itaúna, Lady Laura, Distrito Industrial, Paulo Corrêa, São Benedito, João Novo e Emílio Moreira.
VEJA AGORA ALGUMAS IMAGENS DA CIDADE DE PARINTINS, AM
imagem - Eiji Matsumoto
PORTO DA CIDADE DE PARINTINS, AM. DAQUI SE PARTE DE BARCO PARA OUTRAS CIDADES
imagem - Eiji Matsumoto
imagem - Ari Vicente
imagem - Joseph Cro
imagem - Joseph Cro
PORTO DE PARINTINS, AM ADMINISTRADO PELO DNIT
imagem - K Dealy
imagem - Eiji Matsumoto
imagem - Ari Vicente
imagem - Joseph Cro
imagem - Eiji Matsumoto
imagem - Joseph Cro
AQUI UM HOTEL NA CIDADE DE PARINTINS, AM
imagem - Janguilo Ferreira
imagem - Joseph Cro
imagem - ?
imagem - ?
imagem - Joseph Cro
imagem - Joseph Cro
imagem - Ari Vicente
imagem - ?
FESTIVAL FOLCLÓRICO DE PARINTINS, AM
Durante o último fim de semana de junho, os bois-bumbás Garantido (vermelho) e Caprichoso (azul) atraem uma verdadeira multidão a Parintins. É tanta gente que uma verdadeira cidade flutuante, repleta de barcos, se forma às margens do Rio Amazonas. A rivalidade entre os blocos, que vem desde 1913, é tão grande que os participantes de um nunca dizem o nome do outro: referem-se a ele somente como "boi contrário".
A FESTA OCORRE NA CIDADE DE PARINTINS, LOCALIZADA A UMA HORA DE AVIÃO A PARTIR DE MANAUS (AM)
A festa costuma ser comparada ao Carnaval, mas a estrutura, a dinâmica e os objetivos são bem diferentes do desfile de uma escola de samba. Aqui, as apresentações ocorrem numa arena e os temas visam sempre preservar o folclore e a diversidade cultural dos povos da Amazônia. Danças de influência indígena, personagens, toadas e grandes alegorias contam a história do boi-bumbá e o cotidiano dos habitantes da região.
DESFILE DO CAPRICHOSO NO 44º FESTIVAL FOLCLÓRICO DE PARINTINS (AM), EM 2009
Quem pretende acompanhar de perto o espetáculo deve planejar a viagem em fevereiro, com a compra das passagens, ingressos e hospedagem (Tucunaré Turismo, 3234-5071).
Telões e palcos espalhados pela cidade garantem a animação de quem não conseguiu uma vaga na arena. parintins.com.
NAS PRIMEIRAS EDIÇÕES DO FESTIVAL, O BOI BUMBÁ VENCEDOR ERA O MAIS APLAUDIDO. HOJE, OS REQUISITOS PARA DEFINIR O CAMPEÃO DO ANO SÃO MAIS TÉCNICOS
O FESTIVAL FOLCLÓRICO DE PARINTINS SEMPRE ACONTECE NA ÚLTIMA SEMANA DE JUNHO
São intermináveis os preparativos para o espetáculo mais esperado da maior floresta do planeta. O Festival Folclórico de Parintins acontece anualmente nos dias 28, 29 e 30 de junho. Mas a festa do boi, como é chamada pelo povo, acontece todos os dias no coração dos amazonenses. Os ensaios, a confecção das alegorias, fantasias e coreografias têm início dois meses antes do grande evento celebrado no bumbódromo, o templo do festival, com capacidade para 35 mil expectadores.
Mais de 100 mil pessoas são atraídas anualmente para o Festival de Parintins: a cada noite, o resultado dos ensaios nos QG’s de Caprichoso e Garantido é apresentado através do conjunto folclórico, inspirado em lendas de pajelanças indígenas de várias tribos, e costumes caboclos da amazônia.
NA FOTO DO FESTIVAL, O BOI GARANTIDO DESFILA NO BUMBÓDROMO DE PARINTINS
Marcada pelas impressionantes alegorias representadas por carros confeccionados por artistas parintinenses. A disputa baseia-se em lendas locais, as quais, ano após ano, voltam a povoar o imaginário popular, representando a história do homem amazônico através de uma grande festa, a qual contagia com suas toadas tanto os brincantes quanto o público nas arquibancadas.
imagem -  ?
imagem - Wikipédia
imagem - ?
imagem - ?
BOI GARANTIDO DE PARINTINS, AM
Inicialmente o menino de 11 anos, que brincava com a garotada de fé (turma de amigos) em seu quintal, confeccionou seu boi com curuatá, e batizou-o de "Garantido".
Por mais sete anos o quintal de Dona Xanda (Alexandrina Monteverde, mãe de Lindolfo) foi o palco para a festa desse Boi.
Após algumas discussões com Dona Xanda, Lindolfo conseguiu convencer a mãe a ajudá-lo a fazer os primeiros chapéus e camisas vermelhas, para sair às ruas. A resistência de sua mãe não era gratuita, uma vez que naquela época, as batalhas entre contrários eram coisa séria. Tanto que nem as mulheres podiam participar.
Mas foi aos 18 anos que a brincadeira de quintal de Lindolfo se tornou motivo de promessa, e transformou Garantido em um "Boi de promessa".
Durante uma viagem ao Pará, Lindolfo teve sérios problemas de saúde e fez uma promessa a São João Batista: se ele ficasse curado, faria seu Boi brincar durante toda sua vida. Graça alcançada, promessa cumprida.
Daí para frente o Boi foi conquistando ao longo de várias décadas o coração de milhares de vermelhos no Brasil e no mundo, mantendo vivas as raízes do amazonense através de sua música e dança.
( Surgido a 13 de junho de 1913, o Boi Garantido apareceu nos sonhos do curumim Lindolfo Monteverde, que sempre sentava ao colo de sua avó maranhense para ouvir as lendas do boi de pano que dançava nas noites de São João. )
A FESTA POPULAR É A MAIOR DO ESTADO DO AMAZONAS; SÃO TRÊS DIAS DE DESFILES QUE MOSTRAM TODA A RIQUEZA FOLCLÓRICA DA AMAZÔNIA
PARA CONSAGRAR-SE CAMPEÃO, O BOI BUMBÁ DEVE SER O MELHOR PONTUADO NOS SEGUINTES QUESITOS: APRESENTADOR; LEVANTADOR DE TOADAS; BATUCADA; RITUAL; PORTA-ESTANDARTE; AMO DO BOI; SINHAZINHA DA FAZENDA; RAINHA DO FOLCLORE; CUNHÃ PORANGA; BOI BUMBÁ (EVOLUÇÃO); TOADA (LETRA E MÚSICA); PAJÉ; TRIBOS INDÍGENAS ; TUXAUAS; FIGURAS TÍPICAS REGIONAIS; ALEGORIAS; LENDA AMAZÔNICA; VAQUEIRADA; GALERA; COREOGRAFIA E ORGANIZAÇÃO DO CONJUNTO FOLCLÓRICO
A PORTA ESTANDARTE É IMPORTANTE DURANTE O DESFILE, E SUA PERFORMANCE TAMBÉM É JULGADA PARA DEFINIR O VENCEDOR DO ANO
UMA DAS PERSONAGENS MAIS FOTOGRAFADAS NO FESTIVAL É A SINHAZINHA DA FAZENDA, QUE REPRESENTA A FILHA DO DONO DA FAZENDA
imagem - Joseph Cro
imagem - Antônio Carlos Buriti
BOI CAPRICHOSO DE PARINTINS, AM
Vindos de Crato, Ceará, os irmãos Cid chegaram à região à procura de trabalho, mulher e filhos, e fizeram uma promessa a São João Batista: se alcançassem essas graças, reverenciariam o santo com um boi de pano. E assim aconteceu.
Como bons cristãos, juntaram-se ao ilustre filho de Parintins José Furtado Belém, advogado que fez carreira na política amazonense, e chegou a Vice-governador do Estado.
Certo dia, os três estavam frente à Praça 14 em Manaus, quando viram um Boi pertencente à família Antares, com o nome de Caprichoso.
Caprichoso: feito por capricho, excêntrico; variável; teimoso; obstinado.
Com todos estes atributos, o trio fundou um Boi homônimo em Parintins. Surge então em 20/10/1913 o Boi Caprichoso de Parintins, na Travessa Sá Peixoto.
Inicialmente com uma marujada de 20 pessoas, com um instrumental feito de madeira oca com peles de animais, surge o Boi, cujos personagens eram a Estrela Maior, o Amo e A Vaqueirada.
Ano após ano a paixão pelo "diamante negro" cresce e arrebata mais apaixonados pela metade azul da Parintins. Sejam eles parintinenses de nascimento, ou de espírito.
LENDAS E RITUAIS DOS INDÍGENAS DO AMAZONAS TAMBÉM VIRAM TEMA DO DESFILE, QUE ACONTECE TODOS OS ANOS, NA ÚLTIMA SEMANA DE JUNHO
LENDAS INDÍGENAS E A CULTURA LOCAL, DOS RIBEIRINHOS, SÃO INTENSAMENTE EXPLORADAS NAS ALEGORIAS DOS DESFILES DO FESTIVAL
O FESTIVAL É MUITO POPULAR NOS ESTADOS DE AMAZONAS E PARÁ, E A CIDADE RECEBE MILHARES DE VISITANTES - QUE TAMBÉM TÊM OS SEUS BOIS FAVORITOS
DESFILE DA 50ª EDIÇÃO DO FESTIVAL FOLCLÓRICO DE PARINTINS, REALIZADA EM JUNHO DE 2015
imagem -  Antônio Carlos Buriti
imagem - ?
imagem - ?
imagem - Janguilo Ferreira
imagem - Joseph Cro
imagem - Antônio Carlos Buriti
imagem - ?
imagem - ?
HOTEL AMAZON RIVER NA CIDADE DE PARINTINS, AM
Tem quartos espaçosos e café da manhã com produtos regionais. Durante o Festival Folclórico, as diárias incluem ingressos para o bumbódromo. Os pacotes são fechados com a Tucunaré Turismo (3234-5071).

Lagoa da Francesa, 697
Santa Rita
(92) 3533-1342 (Telefone)
(92) 3533-6303 (Reservas)
www.amazonriver.com.br/
COMPRAS DE PRODUTOS DO FESTIVAL
Miniaturas dos bois, bonecas, DVDs, camisetas, e souvenires em geral.
Boulevard 14 de Maio, 1800 - Centro
(92) 3533-2990 (Telefone)
O DESFILE DOS BOIS BUMBÁS MOSTRAM FIGURAS TÍPICAS REGIONAIS E PERSONAGENS DE LENDAS DA FLORESTA AMAZÔNICA
DURANTE A APRESENTAÇÃO DE UM BOI, A TORCIDA A FAVOR MANIFESTA-SE FAZENDO MUITO BARULHO. EM CONTRAPARTIDA, A "GALERA" OPOSITORA NÃO EMITE UM PIO
Horário de funcionamento:
Segunda a sábado, das 8h às 12h e das 14h às 18h
A PRIMEIRA EDIÇÃO DO FESTIVAL FOLCLÓRICO OCORREU EM 1965, MAS AINDA NÃO HAVIAM OS BOIS CAPRICHOSO E GARANTIDO
Formas de pagamento:
Cartões de Crédito: American Express, Diners, Elo, Mastercard, Visa; Cartões de Débito: Maestro, Rede Shop, Visa Electron
AQUI O AEROPORTO DA CIDADE DE PARINTINS, AM
imagem - Janguilo Ferreira
RUA BEIRA RIO EM PARINTINS, AM
imagem - Joseph Cro
CENTRO DA CIDADE DE PARINTINS, AM
imagem - Janguilo Ferreira
imagem - Joseph Cro
CRUZEIRO ANCORADO NO PORTO DE PARINTINS, AM
imagem - Eiji Matsumoto
imagem - Joseph Cro
imagem - Ari Vicente
imagem - Joseph Cro
LOJA DE ARTESANATO NA CIDADE DE PARINTINS, AM
imagem - Antônio Carlos Buriti
MERCADO PÚBLICO DA CIDADE DE PARINTINS, AM
imagem - Janguilo Ferreira
imagem - Joseph Cro
imagem - Joseph Cro
imagem - Joseph Cro
imagem - Joseph Cro
imagem - Joseph Cro
imagem - Joseph Cro
imagem - Joseph Cro
imagem - Antônio Carlos Buriti
imagem - Ari Vicente
imagem - Antônio Carlos Buriti
Distância de outras cidades: Manaus, 1h15 de avião ou 26h de barco, Santarém, 1h20 de avião ou 20h de barco, Belém, 60h de barco
EM 1967, COMEÇOU A COMPETIÇÃO ENTRE OS BOIS GARANTIDO E CAPRICHOSO - QUE FOI ACIRRANDO-SE CADA VEZ MAIS E GANHANDO PROPORÇÕES CARNAVALESCAS, COMO NA FOTO
População estimada 2016 (1) - 112.716
Área da unidade territorial 2015 (km²) - 5.952,369
Densidade demográfica 2010 (hab/km²) - 17,14
Código do Município 1303403
Gentílico - parintinense
ORIGEM DO NOME DA CIDADE DE PARINTINS, AM
Até 1832, a localidade era oficialmente denominada Vila Nova da Rainha, topônimo depois mudado para Vila Bela da Imperatriz e, mais tarde, para Parintins. Que eh uma Variação abreviada de parintintins. Parintins, cuja origem vem de uma aldeia dos índios Parintintins.
Gentílico: parintinense
HISTÓRICO DO MUNICÍPIO DE PARINTINS, AM
Na segunda metade do século XVIII, várias viagens de exploração do rio Amazonas foram efetuadas a mandado do Governo Português. Na viagem realizada em 1796, o capitão José Pedro Cordovil resolveu ficar numa das ilhas formadas pelo grande rio, onde desembarcou "com seus escravos agregados" para "dedicarem-se à pesca de piracuru nos largos próximos e também à agricultura".
Encontraram como habitantes da região os índios Sapupés e Maués. A estes juntaram-se mais tarde os Peruvianos, Uapixabas e Mudurucus. Habitavam também a região, mais para o recesso do município. O Parintins eram antropófagos e viviam em lutas constantes com as tribos vizinhas, principalmente como os Munducurus, seus inimigos mais ferrenhos.
Cordovil deu ao local a denominação de Tupinambarana. Poucos anos após, havendo Cordovil obtido do governo de D. Maria a doação de uma sesmaria nas proximidades do lago Miriti, para ali se transferiu com a sua gente, ofertando Tupinambarana à rainha D. Maria I.
Em 1880, a sede do município recebeu foros de cidade e passou a denominar-se Parintins.
ESTA EH A BANDEIRA DA CIDADE DE PARINTINS, AMAZONAS
ESTE EH O BRASÃO DO MUNICÍPIO DE PARINTINS, AMAZONAS

VALEU PELA VISITA, SEMPRE VOLTE



fonte dos textos e fotos: Wikipédia / Thymonthy Becker / viajeaqui.abril.com.br / IBGE / Divulgação / Portal de turismo de parintins /

Comentários

Páginas que receberam mais visitas

BAEPENDI, MINAS GERAIS - A terra de "Nhá Chica". Na natureza preservada no município estão cerca de 40% do parque ecológico do papagaio, é local ideal para fazer trilhas e acampar em paradisíacos lugares. Baependi é uma das poucas cidades que podem ser visitadas durante qualquer época do ano, sem se preocupar com a programação que irá encontrar pois, o verão é bem definido, sendo um convite para se deslumbrar com as mais de cinqüenta cachoeiras que cercam a cidade e o inverno pouco chuvoso propicia inúmeras opções para enfrentar trilhas e acampar em paradisíacos lugares

COLORADO, RIO GRANDE DO SUL - Colorado é uma pequena cidade do Alto Jacuí. Fundada por imigrantes italianos e alemães. O espetáculo, belezas naturais, cores, aromas que seduzem à primeira vista. O município tem como base da economia a produção agrícola. A região possui uma relação muito próxima com as águas e com a geração de energia elétrica, a partir da formação do maior lago artificial do Estado – os Alagados do Passo Real e da Barragem de Ernestina. Bonitas e agradáveis, as cidades proporcionam atrações diversificadas, eventos, muitas festas, gastronomia, artesanato.

REPRESA DE FURNAS, SÃO JOSÉ DA BARRA, MINAS GERAIS - No dia 9 de janeiro de 1963 o túnel que desviou o curso do rio Grande para a construção da Usina de Furnas foi fechado e as águas que formaram um dos maiores reservatórios do mundo, criou praias, formou cânions e cachoeiras, inundou vilarejos e mudou para sempre a história dos 34 municípios que ficam ao longo dos 1.440 km2 de extensão do Lago de Furnas que abrange também parte do Parque Nacional da Serra da Canastra. O Lago de Furnas, também conhecido como "O MAR DE MINAS", é quatro vezes maior que a Baía de Guanabara, no Rio de Janeiro

BRASÍLIA, DF, BRASIL - Brasília é formada por gente de todos os lugares, todas as idades e de muitas gerações. É uma mistura de sotaques do Nordeste, Sudeste, Norte e Sul do país e até de estrangeiros. Por conta de seu rápido crescimento, já é a quarta cidade mais populosa do país. A maioria dos moradores, 52%, é mulher e tem em média 30 anos. Os primeiros habitantes que chegaram a Brasília vieram, principalmente, atraídos pelos empregos na construção civil e ajudaram na construção da capital. Eles eram chamados de candangos e aqui construíram e criaram famílias

TOMBOS, MINAS GERAIS - Na cachoeira três tombos, verdadeira obra da natureza de imensurável beleza que constitui um cartão postal da cidade com 62 metros de altura. A Gruta Pedra Santa localizada no distrito de Catuné, uma obra construída pela própria natureza. Ao longo do tempo a grande pedra foi desintegrando-se e formou-se um grande salão, onde ergueu-se a capela em Honra a Nossa Senhora de Lourdes. Praças diversas, museu municipal que funciona na antiga estação ferroviária, usina hidrelétrica de Tombos e os dois distritos “Catuné” e “Água Santa” valem uma visita à cidade de Tombos

IGATU, ANDARAÍ, BAHIA - Eh uma verdadeira cidade de pedra. "Sagrada" pra quem viveu lá durante o auge do ciclo do diamante. O trajeto até a vila já é uma atração: a estrada de acesso pela BA-142 é cheia de mirantes naturais. Ao chegar, a impressão é de ter voltado no tempo, quando igatu era chamada de Xique Xique e famosa pela extração de diamantes. Hoje não há farmácias, o hospital mais próximo fica em Andaraí, a 12 km. Em outros tempos quem diria? Cabarés, cassinos, lojas, cadeia, cartório, cinema...

SERRA DO NAVIO, AMAPÁ - A História da Serra do Navio remonta aos anos 1950. A região era rica em manganês e outros minérios. Por isso, a brasileira ICOMI, com sede em Belo Horizonte e atuação em Minas Gerais, foi escolhida para explorar o minério e construir a vila operária, que daria origem à cidade de Serra do Navio. Cada vila tinha 330 casas, prédios coletivos (escolas, hospitais, refeitórios), abrigando até 1.500 pessoas, entre trabalhadores e familiares. Tinha ruas largas, postes de concreto para a fiação elétrica e telefônica, calçadas, parques, clubes com piscina, quadras esportivas, restaurante e lanchonete, drenagem de águas das chuvas e tratamento de água e esgoto. Todas as casas tinham mais de 90m² e contavam com saneamento e energia elétrica, proveniente de geradores da ICOMI.

RIO DE JANEIRO, BRASIL - Do primeiro ao último minuto do ano, não falta o que fazer, o que visitar e o que rever no Estado do Rio de Janeiro, que não por acaso ostenta o rótulo de Maravilhoso. Além das praias e de seus outros dois ícones geográficos – o Corcovado e o Pão de Açúcar – o Rio vem ganhando uma série de atrativos culturais e gastronômicos. Quem deixa a capital e percorre o litoral fluminense encontra praias de beleza raríssima. Ao norte, na Região dos Lagos, estão as dunas de Cabo Frio, as águas translúcidas e frias de Arraial do Cabo, boas para mergulho, a badalação de Búzios e as trilhas rurais de Rio das Ostras

GRAMADO, RIO GRANDE DO SUL - Faltava neve à Gramado para que ela assumisse de vez o título de “Suíça brasileira”. Não falta mais: o Snowland, primeiro parque de neve artificial indoor das Américas, trouxe esportes de inverno à cidade, que já era famosa pelas construções enxaimel (aquelas de paredes esquadrinhadas com tirantes de madeira), pelas fondues nos bons restaurantes suíços e pelo climinha gostoso da Serra Gaúcha.

CAMPO BELO, MINAS GERAIS - A primeira cidade do Brasil a ter um time de Rugby (Campo Belo Rugby - CBR) A cidade tem paisagens deslumbrantes com campos a perder de vista. Ideal para a prática de esportes de aventura, ecoturismo, esportes náuticos com várias cachoeiras, praias de água doce além da tradicional e boa comida mineira. Uma cidade tranquila, acolhedora com boas opções para hospedagem