Pular para o conteúdo principal

CONHEÇA 05 RESTAURANTES NA RODOVIA FERNÃO DIAS QUE MERECEM UMA PARADINHA - Vai pegar a estrada? Conheça cinco endereços para você comer bem na rodovia Fernão Dias, que liga a cidade de São Paulo a Belo Horizonte




CONHEÇA 05 RESTAURANTES NA RODOVIA FERNÃO DIAS ENTRE BELO HORIZONTE E SÃO PAULO, QUE MERECE SUA VISITA
Com 562 km de trânsito intenso e traçado por vezes bem sinuoso, dirigir pela Fernão Dias é sempre um desafio. Mesmo agora com a pista duplicada. Porém, quem viaja entre São Paulo e Belo Horizonte encontra boa mesa pelo caminho. Em alguns casos, são restaurantes que, mais do que uma simples parada, valem a viagem. 
Veja a lista de 5 restaurantes na rodovia Fernão Dias, entre São Paulo e Belo Horizonte, para você dar uma paradinha: 
01 - FAZENDA PARAÍSO - ATIBAIA / SP 
Aqui cabe uma licença poética, na verdade, o local está a 2,5 km da Fernão Dias (parte do caminho em estrada de chão), mas é tão bacana, que vale a pequena desviada. 
Com acesso pelo km 52 da estrada (entre Atibaia e Mairiporã) e imersa no meio da mata, a antiga fazenda cafeeira erguida no fim do século 19 abriga hoje um restaurante e alambique. 
Mais do que apenas comer e cair fora, aqui o negócio é passar umas horinhas pescando no belo lago, correndo no gramado, relaxando na rede e nas almofadas, além de dar um rolê pelas construções da fazenda e provar uma cachacinha – mas lembre-se que álcool e direção não combinam, né! A criançada ainda pode andar de cavalo e pedalinho (pagos à parte) e visitar o minizoo. 
Bom, vamos ao rango. Funcionando apenas nos fins de semana com bufê a preço fixo, o sábado é reservado para a tradicional feijoada, enquanto o domingão é dia das calóricas comidas de fazenda, como a costelinha de porco e a rabada. 
Na manhã de domingo, ainda há um café regional, repleto de frios, pães e bolos. 
Detalhe importante: leve dinheiro, nenhum tipo de cartão é aceito 
Onde fica: acesso pelo km 52 da Rodovia Fernão Dias (Portão) 
Horário: sábados, das 13h às 16h30; domingos, das 9h às 12h (café regional) e das 13h às 16h30 (bufê) 
Preço: R$ 65 (almoço) e R$ 40 (café regional) 
Telefone: 11/4415-1575 
A visita ao alambique está incluída para quem almoça na Fazenda Paraíso, em Atibaia (Divulgação/Divulgação)
02 - ULTRAMARINO - ATIBAIA / SP 
Pode parecer coincidência, mas é fato que algumas das mais antigas rodovias que cortam o estado de São Paulo tenham um restaurante portuga em seu acostamento. Vejamos: a Castello Branco tem o Rancho 53, o Manjar do Marquês fica nos primeiros quilômetros da Washington Luiz e o Wimpy Bikão (ou Casa do Bacalhau) está no miolão da Via Dutra. 
Menos laureado que os demais, o Ultramarino é o representante da Fernão Dias. Localizado em um posto de gasolina próximo do trevo principal de Atibaia – na pista MG/SP – prepara 10 satisfatórias receitas com bacalhau, além dos dois chamarizes, o bolinho de bacalhau e a alheira 
Onde fica: Rodovia Fernão Dias, km 41,5 (Alvinópolis) 
Horário: 24 horas 
Telefone: 11/4412-76121 
Receitas portuguesas são as especialidades do Ultramarino, em Atibaia (Facebook/reprodução/Divulgação)
03 - RESTAURANTE DO FRANCÊS - VARGEM / SP 
Quando viajamos pela Europa, sabemos que qualquer vilazinha, por menor que seja, sempre terá um bom restaurante para saciar nossa fome. 
A pequenina Vargem, no fim de São Paulo, quase entrando em Minas Gerais, é mais famosa pelo pedágio que divide a cidade. Porém, guarda um daqueles lugarzinhos que, tirando o pessoal que mora na região bragantina pouca gente conhece. 
O Restaurante do Francês funciona numa ruazinha a 1,5 km da Fernão Dias, em um salão agradável rodeado por uma mata. O francês em questão é o chef Francis Pastoret que formulou um menu bem amparado nas suas raízes. 
Fazem sucesso o pato com laranja, o boi com vinho tinto e o Barcelona – receita feita com peixes e frutos do mar. 
Onde fica: Rua Olímpio Cardoso Pinto, 330, acesso pelo km 6 da Rodovia Fernão Dias (Centro) 
Horário: de quarta-feira a domingo, das 12h às 15h e das 19h às 23h 
Telefone: 11/4598-4429 
Quem diria que, ao viajar pela Fernão Dias, você pudesse comer um prato com camarão, peixe e lula? (Divulgação/Divulgação)
04 - TABERNA - EXTREMA / MG 
Quando a Fernão Dias tinha pista simples e viajar por ela era um tormento, parar na Taberna, ao lado do trevo de Extrema, era quase uma obrigação. Quem vinha de São Paulo sabia que, se não fizesse um pit stop, demoraria para achar um local de qualidade e ainda iria dividir um trecho chato da rodovia com carretas nos dois sentidos. Do lado oposto vinha um pessoal cansado de andar em fila indiana e a parada servia como um último descanso até a capital paulistana. 
Com a duplicação da rodovia, a parada perdeu um pouco de sua força, mas continua sendo uma boa opção para quem viaja pela Fernão Dias. 
A simpática fachada colonial serve de chamariz. No almoço, é montado um bufê de comida mineira no fogão a lenha, acompanhado de churrascos. À noite, o restaurante é a la carte. Mas quem faz muito sucesso é a lanchonete a servir sanduíches e salgados a qualquer hora. 
Difícil mesmo é resistir ao montão de doces caseiros estampando as prateleiras. 
Onde fica: Rodovia Fernão Dias, km 947 (Pires) 
Horário: diariamente, das 6h às 22h 
Telefone: 35/3435-1644 
O bufê da Taberna é um dos mais tradicionais da Fernão Dias (Facebook/reprodução/Divulgação)
05 - VENDA DO CHICO - TRÊS CORAÇÕES / MG 
No meio do caminho entre São Paulo e Belo Horizonte, mais do que a terra natal do rei Pelé, Três Corações é um local estratégico para quem viaja entre as duas capitais, pretendendo fazer apenas uma parada. Geralmente, o pit stop é feito por aqui, que tem uma gama maior de restaurante e lanchonetes, alguns deles localizados nas duas pistas da rodovia. Caso da Venda do Chico, cujas unidades ficam distantes um quilômetro. 
Coerente com o espírito mineiro, o local tem astral de roça com laguinho, gramado com playground e aquele restaurante típico com uma porção de pratos regionais servidos em um bufê a preço fixo. 
Quem não estiver a fim de uma refeição mais longa, pode mandar ver nos sandubas – o de pernil é campeão. 
Onde fica: Rodovia Fernão Dias, km 742 (pista Belo Horizonte-São Paulo) e km 743 (pista São Paulo/Belo Horizonte) 
Horário: diariamente, das 7h às 19h 
Telefone: 35/3234-0200
Venda do Chico, em Três Corações: bom pit stop para quem viaja com crianças (Divulgação/Divulgação)

VALEU PELA VISITA - SEMPRE VOLTE


Fonte / Fotos = viagemeturismo.abril.com.br / Thymonthy Becker

Comentários

Páginas que receberam mais visitas

BAEPENDI, MINAS GERAIS - A terra de "Nhá Chica". Baependi é um convite para se deslumbrar com as mais de cinqüenta cachoeiras que cercam a cidade. Na natureza preservada no município estão cerca de 40% do parque ecológico do papagaio, é local ideal para fazer trilhas e acampar em paradisíacos lugares. Baependi é uma das poucas cidades que podem ser visitadas durante qualquer época do ano, sem se preocupar com a programação que irá encontrar pois, o verão é bem definido, sendo um convite para se deslumbrar com as mais de cinqüenta cachoeiras que cercam a cidade e o inverno pouco chuvoso propicia inúmeras opções para enfrentar trilhas e acampar em paradisíacos lugares. A religiosidade ocupa lugar de destaque como um dos fatores que mais atraem os visitantes, uma vez que Baependi foi o lugar onde a serva de Deus, Nhá Chica, concedeu suas graças, hoje em dia inúmeras romarias de diversas partes do país têm como destino o Santuário de Nhá Chica, onde também se encontram seus restos mortais.

COLORADO, RIO GRANDE DO SUL - Será que tem gremista em Colorado? Claro que tem. Colorado é uma pequena cidade do Alto Jacuí. Fundada por imigrantes italianos e alemães. O município tem como base da economia a produção agrícola. Cenários de belezas, cores e aromas que seduzem os turistas. Cenários de belezas, cores e aromas que seduzem os turistas

REPRESA DE FURNAS, SÃO JOSÉ DA BARRA, MINAS GERAIS - No dia 9 de janeiro de 1963 o túnel que desviou o curso do rio Grande para a construção da Usina de Furnas foi fechado e as águas que formaram um dos maiores reservatórios do mundo, criou praias, formou cânions e cachoeiras, inundou vilarejos e mudou para sempre a história dos 34 municípios que ficam ao longo dos 1.440 km2 de extensão do Lago de Furnas. Destes, Capitólio se destaca por oferecer as melhores opções de serviços e infraestrutura turística. Os passeios náuticos, os esportes aquáticos, a pesca esportiva e a exuberância natural são pontos fortes da região, que abrange também parte do Parque Nacional da Serra da Canastra, onde nasce o Rio São Francisco, o "Velho Chico". O Lago de Furnas, também conhecido como "O MAR DE MINAS", é quatro vezes maior que a Baía de Guanabara, no Rio de Janeiro.

BRASÍLIA, DF, BRASIL - Brasília é formada por gente de todos os lugares, todas as idades e de muitas gerações. É uma mistura de sotaques do Nordeste, Sudeste, Norte e Sul do país e até de estrangeiros. Por conta de seu rápido crescimento, já é a quarta cidade mais populosa do país. A maioria dos moradores, 52%, é mulher e tem em média 30 anos. Os primeiros habitantes que chegaram a Brasília vieram, principalmente, atraídos pelos empregos na construção civil e ajudaram na construção da capital. Eles eram chamados de candangos e aqui construíram e criaram famílias. Desses, surgiram os “brasilienses”, o gentílico usado para quem nasceu aqui e adotado por quem veio de fora e assumiu a cidade como sua.

TOMBOS, MINAS GERAIS - Na cachoeira três tombos, verdadeira obra da natureza de imensurável beleza que constitui um cartão postal da cidade com 62 metros de altura. A Gruta Pedra Santa localizada no distrito de Catuné, uma obra construída pela própria natureza. Ao longo do tempo a grande pedra foi desintegrando-se e formou-se um grande salão, onde ergueu-se a capela em Honra a Nossa Senhora de Lourdes. Praças diversas, museu municipal que funciona na antiga estação ferroviária, usina hidrelétrica de Tombos e os dois distritos “Catuné” e “Água Santa” valem uma visita à cidade de Tombos

IGATU, ANDARAÍ, BAHIA - Eh uma verdadeira cidade de pedra. "Sagrada" pra quem viveu lá durante o auge do ciclo do diamante. O trajeto até a vila já é uma atração: a estrada de acesso pela BA-142 é cheia de mirantes naturais. Ao chegar, a impressão é de ter voltado no tempo, quando igatu era chamada de Xique Xique e famosa pela extração de diamantes. Hoje não há farmácias, o hospital mais próximo fica em Andaraí, a 12 km. Em outros tempos quem diria? Cabarés, cassinos, lojas, cadeia, cartório, cinema...

RIO DE JANEIRO, BRASIL - Do primeiro ao último minuto do ano, não falta o que fazer, o que visitar e o que rever no Estado do Rio de Janeiro, que não por acaso ostenta o rótulo de Maravilhoso. Além das praias e de seus outros dois ícones geográficos – o Corcovado e o Pão de Açúcar – o Rio vem ganhando uma série de atrativos culturais e gastronômicos. Quem deixa a capital e percorre o litoral fluminense encontra praias de beleza raríssima. Ao norte, na Região dos Lagos, estão as dunas de Cabo Frio, as águas translúcidas e frias de Arraial do Cabo, boas para mergulho, a badalação de Búzios e as trilhas rurais de Rio das Ostras. De frente para a Baía da Guanabara, Niterói mostra que a vista para a cidade do Rio não é o único atrativo. Além de oferecer, na sua face voltada para o alto mar, trechos de areia ideais para quem quiser fugir do agito de Ipanema e Copacabana, o município começa a explorar o legado das construções assinadas por Oscar Niemeyer, entre elas o famoso Museu de Arte Contemporânea.

GRAMADO, RIO GRANDE DO SUL - Faltava neve à Gramado para que ela assumisse de vez o título de “Suíça brasileira”. Não falta mais: o Snowland, primeiro parque de neve artificial indoor das Américas, trouxe esportes de inverno à cidade, que já era famosa pelas construções enxaimel (aquelas de paredes esquadrinhadas com tirantes de madeira), pelas fondues nos bons restaurantes suíços e pelo climinha gostoso da Serra Gaúcha.

CAMPO BELO, MINAS GERAIS - A primeira cidade do Brasil a ter um time de Rugby (Campo Belo Rugby - CBR) A cidade tem paisagens deslumbrantes com campos a perder de vista. Ideal para a prática de esportes de aventura, ecoturismo, esportes náuticos com várias cachoeiras, praias de água doce além da tradicional e boa comida mineira. Uma cidade tranquila, acolhedora com boas opções para hospedagem

SERRA DO NAVIO, AMAPÁ - A História da Serra do Navio remonta aos anos 1950. A região era rica em manganês e outros minérios. Por isso, a brasileira ICOMI, com sede em Belo Horizonte e atuação em Minas Gerais, foi escolhida para explorar o minério e construir a vila operária, que daria origem à cidade de Serra do Navio. Cada vila tinha 330 casas, prédios coletivos (escolas, hospitais, refeitórios), abrigando até 1.500 pessoas, entre trabalhadores e familiares. Tinha ruas largas, postes de concreto para a fiação elétrica e telefônica, calçadas, parques, clubes com piscina, quadras esportivas, restaurante e lanchonete, drenagem de águas das chuvas e tratamento de água e esgoto. Todas as casas tinham mais de 90m² e contavam com saneamento e energia elétrica, proveniente de geradores da ICOMI.