Pular para o conteúdo principal

MARIANA, MINAS GERAIS - Foi a primeira vila de Minas Gerais, a primeira capital do estado e a cidade mais rica do Ciclo do Ouro. Ao longo do tempo, Mariana perdeu espaço para Ouro Preto, mas ainda atrai turistas graças ao casario colonial, às igrejas e aos artesãos. Conhecer as principais atrações de Mariana não requer dificuldade. O melhor é deixar o carro parado e circular a pé pelo Centro Histórico. Pegue o automóvel apenas para conhecer a Igreja Basílica de São Pedro dos Clérigos, no alto do Centro Histórico, e a Mina de Ouro da Passagem, na saída para Ouro Preto




CONHEÇA A CIDADE DE "MARIANA", MINAS GERAIS, BRASIL - OLHANDO DA JANELA DO TREM
Foi a primeira vila de Minas Gerais, a primeira capital do estado e a cidade mais rica do Ciclo do Ouro. Ao longo do tempo, Mariana perdeu espaço para Ouro Preto, mas ainda atrai turistas graças ao casario colonial, às igrejas e aos artesãos. Para contratar guias, vá até a Agturb, ramo local da Associação de Guias Turísticos do Brasil no Terminal Turístico (Praça Tancredo Neves, s/nº; 31/3557-1158; todos os dias).
COMO CHEGAR
Seja da capital mineira ou do Rio de Janeiro, o caminho é pela BR-040. Quem vem de Belo Horizonte deve seguir pela rodovia até a Lagoa dos Ingleses, onde começa a Rodovia dos Inconfidentes (BR-356). Com traçado bem sinuoso pela serra, a rodovia cruza Itabirito e Ouro Preto, antes de chegar a Mariana. Pelo Rio de Janeiro, o motorista deve seguir pela BR-040 até Conselheiro Lafaiete. A partir daí, pegue a MG-129 que termina em Ouro Preto, passando antes por Ouro Branco.
COMO CIRCULAR
Conhecer as principais atrações de Mariana não requer dificuldade. O melhor é deixar o carro parado e circular a pé pelo Centro Histórico. Pegue o automóvel apenas para conhecer a Igreja Basílica de São Pedro dos Clérigos, no alto do Centro Histórico, e a Mina de Ouro da Passagem, na saída para Ouro Preto.
ONDE COMER
Comida Típica - Pode-se dizer que cada receita mineira tem certo sabor de história: algumas remontam à época dos escravos, outras remetem ao Ciclo do Ouro, tudo isso temperado com influências indígenas, portuguesas e africanas. O feijão de tropeiro, mistura de feijão cozido, farinha de mandioca e linguiça, era a alimentação básica dos tropeiros que transportavam mercadorias em lombo de burro.
A galinha caipira com quiabo e angu, herança indígena, era usada para alimentar os escravos. A lista atual de delícias segue quase interminável: tutu de feijão, frango ao molho pardo (preparado com o sangue da ave), frango com ora-pro-nóbis (folha de uma trepadeira típica) e frango com quiabo (em geral, refogados na banha de porco).
Os acompanhamentos clássicos são torresmo (pele de porco frita), couve e angu (mistura de fubá com água). Ideal para os dias frios, o bambá de couve é feito com caldo de carne engrossado com fubá e leva couve rasgada, ovos e linguiça. Os doces caseiros (de leite, goiaba, abóbora ou mamão) costumam fazer par com uma fatia de queijo branco.
foto - PMM
Mariana – O primeiro nome de Minas
foto - PMM
Sede da Capitania de São Paulo e das Minas do Ouro (1709), primeira Vila (1711) com a primeira Câmara Municipal, primeira Cidade (1745) e primeiro Bispado (1745) da Capitania das Minas Gerais (desmembrada em 1720), entre muitos outros pioneirismos históricos e cívicos, Mariana é a Cidade Matriz de Minas.
foto - PMM
Ao visitante, propicia um mergulho na historia de Minas e do Brasil pela contemplação e convivência com monumentos civis e religiosos, exemplares da arquitetura luso-brasileira, que abrigam obras de ornamentação em talhas, esculturas e pinturas e mobiliário originários dos séculos XVIII e XIX. Todas elas produzidas sob a inspiração do barroco português e pelas expressões singulares de seus artífices e construtores, resultantes do esplendor artístico do Ciclo do Ouro.
foto - PMM
fotos acima são da Prefeitura Municipal
BEM VINDO A BELA CIDADE DE MARIANA. A PRIMEIRA CAPITAL DAS MINAS GERAIS
foto - ?
AQUI A ESTAÇÃO FERROVIÁRIA
foto - Roberta Soriano
foto - Roberta Soriano
MUSEU ARQUIDIOCESANO
Berço da religiosidade mineira, Mariana tem neste museu um fabuloso acervo de objetos utilizados no cerimonial religioso. São esculturas, prataria, mobiliário, jóias, vestimentas, pinturas... Possui obras atribuídas a Aleijadinho e Manuel da Costa Ataíde. O prédio é de 1770 e funcionava como Casa Capitular, lugar das reuniões dos cônegos. Segundo alguns historiadores, no andar térreo funcionou um Aljube, espécie de prisão para eclesiásticos.
foto - Roberta Soriano
SEDE DO PODER LEGISLATIVO - CÂMARA DE VEREADORES
No local existiu o quartel dos Dragões, guarda que servia aos governadores da capitania. Lá depois foi construído - na segunda metade do século XVIII - um imponente prédio, onde foi instalada a Câmara, tendo na frente um pelourinho. Medidas como estas estavam entre as primeiras providências tomadas pela Metrópole para ordenar e regulamentar importantes espaços públicos. Em seu andar térreo funcionava a cadeia.
foto -  Tiago Soares
foto - Wikipédia
COLÉGIO DA PROVIDÊNCIA
foto - Roberta Soriano
PELOURINHO
Estas construções serviam como Marcos de Jurisdição. Neles eram castigados os infratores. O pelourinho original de Mariana foi executado por José Moreira Matos em 1750 e demolido em 1871. O atual foi construído na década de 1970. Tem no alto um globo simbolizando as conquistas marítimas portuguesas. O braço esquerdo sustenta uma balança, representando a justiça. O direito segura uma espada, ou seja, a condenação. Ao centro está o Brasão Português.
foto -   Antônio de Andrade
CHAFARIZ SÃO FRANCISCO
Sólida construção bem ao lado da Praça Gomes Freire, antigo reduto da elite marianense. Vizinho a ele está a casa que pertenceu ao Conde de Assumar e depois ao primeiro bispo de Mariana. Sua arquitetura bem trabalhada denota sua importância, simbolizada também pela coroa e brasão esculpidos no frontão.
foto - Roberta Soriano
CHAFARIZ SÃO PEDRO
foto - Roberta Soriano
MINA DA PASSAGEM
O que se lê nos livros sobre a exploração do ouro em Minas Gerais pode ser visualizado na Mina da Passagem. Visitá-la é como viajar pela história, vivenciando a saga e a sina perigosa dos homens que procuravam pelo ouro no interior das montanhas mineiras. Só desta mina foram retiradas aproximadamente 35 toneladas do precioso metal, desde o início de suas atividades, na primeira metade do século XIX, até 1984. Possui amplos salões, 30 quilômetros de túneis e lagos subterrâneos de águas cristalinas, onde é praticado o mergulho em caverna. Um pequeno trolley (espécie de vagão com bancos), usado pelos mineiros na época da exploração do ouro, leva o turista a mais de 120 metros de profundidade.
Localização: Distrito de Passagem de Mariana, a quatro quilômetros da cidade
Visitas guiadas: preços sob consulta. Preço especial para grupos.
Horário: diariamente, de 09:00 às 17:30h
Obs: preços e horário sujeitos a mudanças inesperadas
Contato: (0xx31) 3557-5000
foto -  PMM
foto - PMM
IGREJA DE SÃO PEDRO DOS CLÉRIGOS, ALTAR E LATERAL
É bem perceptível a influência italiana nessa igreja da segunda metade do século XVIII. O traçado poligonal e ovalado marcam bem esta característica. Não se sabe quem foi o autor e executor do projeto. Suas obras permaneceram paralisadas por mais de um século. O exterior é imponente e se encaixa perfeitamente no conjunto paisagístico ao seu redor. O interior é bem simples e teve seu acervo de artes sacras transferido para o Museu Arquidiocesano. Merece destaque o altar-mor em cedro e um dos maiores santos-do-pau-oco de Minas. Da torre se tem uma bela vista de Mariana. A subida é permitida.
foto -  Antônio de Andrade
foto - Roberta Soriano
foto -  Tiago Soares
IGREJA DE NOSSA SENHORA DO CARMO E INTERIOR
foto - Roberta Soriano
foto - Roberta Soriano
IGREJA DE NOSSA SENHORA DO ROSÁRIO
Uma das mais belas da cidade. Começou a ser construída em 1752, pela irmandade dos negros, sob a invocação de Nossa Senhora do Rosário, São Benedito e Santa Efigênia. De 1823 a 1826, Mestre Ataíde fez as pinturas e o douramento do altar-mor e altares laterais. Também participou da ornamentação o artista Francisco Vieira Servas.
foto -  Geraldo Salomão
CAPELA DO SEMINÁRIO
foto -  Tiago Soares
CAPELA SÃO JORGE E MERCADO AO LADO
foto - Roberta Soriano
CATEDRAL BASÍLICA DA SÉ DE NOSSA SENHORA DA ASSUNÇÃO
De arquitetura singela, bem ao estilo das primeiras construções religiosas de Minas. Faz parte do conjunto das mais ricas e importantes igrejas mineiras. Teve suas obras iniciadas no princípio do século XVIII, com o erguimento da primitiva capela de Nossa Senhora da Conceição. Depois de sucessivas ampliações foi concluída em 1760. Se por fora o prédio tem um aspecto sólido e sóbrio, por dentro impressiona pela riqueza de sua ornamentação. Mestres como Ataíde e Aleijadinho contribuíram com seu talento para dar mais fausto à decoração. Merece destaque o cadeiral dos cônegos (com pinturas de inspiração oriental), o lavabo da sacristia (atribuído a Aleijadinho) e o órgão Arp Schnitger. Os concertos na Catedral são uma atração imperdível.
foto - Roberta Soriano
foto - Roberta Soriano
foto - Roberta Soriano
IGREJA DE SANT'ANA
foto - Roberta Soriano
IGREJA DE SÃO FRANCISCO DE ASSIS E SEU INTERIOR
Na igreja está os restos mortais de Mestre Ataíde (sepultura 94, no chão), nascido em Mariana. São do artista as pinturas da nave e da sacristia, além das três imagens da Paixão (tabernáculo, altar-mor e altar de Santa Isabel). Os púlpitos em pedra-sabão são atribuídos a Aleijadinho, que deixou clara sua influência nas sineiras e risco da fachada. Sua construção se estendeu de 1762 a 1794 e contou com a participação do mestre de obras José Pereira Arouca.
foto - Roberta Soriano
foto - Roberta Soriano
IGREJA DE NOSSA SENHORA DA GLÓRIA
foto - Geraldo Salomão
CENTRO CULTURAL E HISTÓRICO / CONHEÇA UM POUCO MAIS DE MARIANA
As ruas da cidade histórica de Mariana, em paralelepípedos, e a riqueza das peças artesanais de madeira entalhada e pedra sabão, além de artigos em tapeçaria, abrem as portas do barroco mineiro ao turista. Seu charme é inigualável. A apenas 10 minutos de Ouro Preto, Mariana é excelente opção de hospedagem para quem deseja conhecer o circuito do ouro afastado do grande agito da cidade vizinha. O turista encontra opções de hospedagem em hotéis no centro de Mariana, hotéis próximos à Rodoviária, pousadas diversas, e até pousadas com características rurais no raio de pouco mais de um quilômetro do centro histórico.
O turismo em Mariana se destaca pela presença de igrejas, museus e uma imponente arquitetura urbana colonial, com destaque para a Rua Direita, considerada a mais bela de Minas Gerais. Outros importantes atrativos turísticos de Mariana são a Mina da Passagem, local onde se concentrava a produção de ouro, e para os amantes do Ecoturismo, a Cachoeira da Serrinha, na Serra do Itacolomi.
São mais de 13 os Conjuntos de Monumentos Históricos de Mariana que podem ser conhecidos e visitados. E a maioria deles com visitas Guiadas e atendimento a pesquisadores.
Além da arquitetura barroca, da arte nas esculturas, talhas e pinturas, Mariana oferece também passeios pelo centro histórico, e ainda o concerto de música erudita com o órgão Arp Schnitger, realizado na Catedral da Sé, na Rua Direita. Visitando a Praça Minas Gerais o turista conhece monumentos históricos como o Pelourinho, a antiga Casa da Câmara e Cadeia, além das de Igrejas São Francisco e Nossa Senhora do Carmo.
foto -  PMM
foto -  Tiago Soares
foto -  Tiago Soares
foto - ?
foto - Roberta Soriano
foto - Wikipédia
foto - Roberta Soriano
foto -  Tiago Soares
foto -  Tiago Soares
foto - Roberta Soriano
foto - Roberta Soriano
foto - Antônio de Andrade
foto - Roberta Soriano
foto -  Tiago Soares
foto -  Tiago Soares
foto - Roberta Soriano
foto - Dine Rezende
foto -  Tiago Soares
foto - Wikipédia
foto - Roberta Soriano
foto - Roberta Soriano
foto - Roberta Soriano
foto - Antônio de Andrade
foto - Wikipédia
foto -  Tiago Soares
foto - Henrique Von Hertwing Bittencourt
foto -  Tiago Soares
foto - Roberta Soriano
PRAÇA GOMES FREIRE
Um dos locais mais agradáveis de Mariana, cercado por casario do século XVIII. O lugar era antigamente utilizado para cavalhadas e touradas, festas religiosas e reais. Ainda existe um bebedouro para os animais, construído no governo do Conde de Assumar
foto -  Tiago Soares
foto - Roberta Soriano
foto -  Tiago Soares
ESTAÇÃO FERROVIÁRIA DO DISTRITO DE FURQUIM
foto - Wikipédia
RUA DO DISTRITO DE FURQUIM
foto - Milton Brigoline Neme
CHEGANDO / SAINDO
foto - Wikipédia
ECO ADVENTURE MARIANA
Passeios ecoturísticos a pé ou em jipes adaptados aos atrativos da Região dos inconfidentes, que abrange as cidades de Itabirito, Ouro Preto, Mariana, Catas Altas, Santa Bárbara, Acaiaca, Barra Longa e Diogo de Vasconcelos. Além de percorrer os distritos com passeios em cachoeiras, city tours, visitas aos parques ecológicos, mirantes naturais e muitos outros atrativos. Os grupos serão levados por guias especializados em Educação Ambiental e Ecoturismo.
Passeios agendados e preços sob consulta.
foto -  Geraldo Salomão
foto - Wikipédia
População estimada 2016 (1) - 59.343
Área da unidade territorial 2015 (km²) - 1.194,208
Densidade demográfica 2010 (hab/km²) - 45,40
Código do Município 3140001
Gentílico - marianense
ORIGEM DO NOME
A Carta Régia de 23 de abril de 1745, expedida por dom João V, elevou a vila à categoria de cidade, com o nome de Mariana, em homenagem à rainha dona Maria Ana d'Áustria. Mariana foi a primeira vila de Minas Gerais e a primeira localidade da capitania a receber foros de cidade.
Gentílico: marianense
HISTÓRICO
Mariana, primitivamente Ribeirão do Carmo, foi a primeira entre as cidades surgidas por efeito das expedições de bandeirantes paulistas, que a partir da última década do século XVII, demandaram as Minas Gerais. E foi também, no dizer do historiador Diogo de Vasconcelos, o centro de onde se irradiou a conquista definitivamente do território.
Partindo de Itaverava, ponto do qual os bandeirantes vindos de Taubaté prosseguiam como em última arrancada para atingir o ribeirão do Tripuí, desde 1691 vinha sendo procurado por outros sertanistas, Salvador Fernandes de Mendonça, em companhia de Miguel Garcia da Cunha e outros bandeirantes, acampou a 16 de julho, nas margens do ribeirão do Carmo, assim chamado por ser aquele o dia consagrado no calendário cristão à festa da Santíssima Virgem. Verificaram ser o ribeirão riquíssimo em aluviões auríferas, com a mesma formação dos granitos cor de aço que tornaram famoso o Tripuí, onde surgiria Ouro Preto.
Tomando posse de ribeirão do Carmo e nele iniciando a mineração, mandou Salvador Fernandes levantar as primeiras cabanas ao longo da praia, hoje chamada do Mata-Cavalos, bem assim a capela que foi dedicada inicialmente ao menino Jesus, sendo mudada a invocação sucessivamente para Nossa Senhora do Bom Sucesso e Nossa Senhora da Assunção, nela oficiando a primeira missa o Capelão da comitiva, padre Francisco Lopes Gonçalves. Regressou depois disso a São Paulo, de onde retornou, em 1699, em companhia do guarda-mor Garcia Rodrigues, para a medição e distribuição dos descobertos, o que foi feito, começando-se pelo de Miguel Garcia, no ribeirão que antes já havia encontrado e no qual fundou o arraial da Vargem, e seguindo-se no ribeirão do Carmo, onde foi feita a meditação em nome de Manoel Garcia de Almeida.
Outros povoados vieram depois, e novos arraiais foram surgindo, tais como o de Camargos, fundado por Tomaz Lopes de Camargo e seus irmãos, que abandonaram suas lavras em Ouro Preto; Cachoeira do Brumado, por João Pedroso; São Sebastião, por Sebastião Fagundes Varela; Furquim, e Bento Pires, que recebeu o nome do sue próprio fundador. Alastrou-se em pouco tempo por toda a área do ribeirão do Carmo a faixa intensa da mineração, o mesmo acontecendo logo em seguida em Ouro Preto, descoberto por Antônio Dias e outros bandeirantes. Para os dois centros, quase unidos pela curta distância que os separa, passaram a convergir levas e mais levas de imigrantes vindos de São Paulo, Rio de Janeiro e outros pontos, determinando o rápido crescimento das respectivas populações.
ESTA EH A BANDEIRA DA CIDADE DE MARIANA, MINAS GERAIS
ESTE EH O BRASÃO DO MUNICÍPIO DE MARIANA, MINAS GERAIS


APAIXONE-SE




fonte dos textos e fotos: Wikipédia / Governo de Mariana, MG / Thymonthy Becker / IBGE / viajeaqui.abril.com.br /

Comentários

Páginas que receberam mais visitas

BAEPENDI, MINAS GERAIS - A terra de "Nhá Chica". Na natureza preservada no município estão cerca de 40% do parque ecológico do papagaio, é local ideal para fazer trilhas e acampar em paradisíacos lugares. Baependi é uma das poucas cidades que podem ser visitadas durante qualquer época do ano, sem se preocupar com a programação que irá encontrar pois, o verão é bem definido, sendo um convite para se deslumbrar com as mais de cinqüenta cachoeiras que cercam a cidade e o inverno pouco chuvoso propicia inúmeras opções para enfrentar trilhas e acampar em paradisíacos lugares

COLORADO, RIO GRANDE DO SUL - Colorado é uma pequena cidade do Alto Jacuí. Fundada por imigrantes italianos e alemães. O espetáculo, belezas naturais, cores, aromas que seduzem à primeira vista. O município tem como base da economia a produção agrícola. A região possui uma relação muito próxima com as águas e com a geração de energia elétrica, a partir da formação do maior lago artificial do Estado – os Alagados do Passo Real e da Barragem de Ernestina. Bonitas e agradáveis, as cidades proporcionam atrações diversificadas, eventos, muitas festas, gastronomia, artesanato.

REPRESA DE FURNAS, SÃO JOSÉ DA BARRA, MINAS GERAIS - No dia 9 de janeiro de 1963 o túnel que desviou o curso do rio Grande para a construção da Usina de Furnas foi fechado e as águas que formaram um dos maiores reservatórios do mundo, criou praias, formou cânions e cachoeiras, inundou vilarejos e mudou para sempre a história dos 34 municípios que ficam ao longo dos 1.440 km2 de extensão do Lago de Furnas que abrange também parte do Parque Nacional da Serra da Canastra. O Lago de Furnas, também conhecido como "O MAR DE MINAS", é quatro vezes maior que a Baía de Guanabara, no Rio de Janeiro

BRASÍLIA, DF, BRASIL - Brasília é formada por gente de todos os lugares, todas as idades e de muitas gerações. É uma mistura de sotaques do Nordeste, Sudeste, Norte e Sul do país e até de estrangeiros. Por conta de seu rápido crescimento, já é a quarta cidade mais populosa do país. A maioria dos moradores, 52%, é mulher e tem em média 30 anos. Os primeiros habitantes que chegaram a Brasília vieram, principalmente, atraídos pelos empregos na construção civil e ajudaram na construção da capital. Eles eram chamados de candangos e aqui construíram e criaram famílias

TOMBOS, MINAS GERAIS - Na cachoeira três tombos, verdadeira obra da natureza de imensurável beleza que constitui um cartão postal da cidade com 62 metros de altura. A Gruta Pedra Santa localizada no distrito de Catuné, uma obra construída pela própria natureza. Ao longo do tempo a grande pedra foi desintegrando-se e formou-se um grande salão, onde ergueu-se a capela em Honra a Nossa Senhora de Lourdes. Praças diversas, museu municipal que funciona na antiga estação ferroviária, usina hidrelétrica de Tombos e os dois distritos “Catuné” e “Água Santa” valem uma visita à cidade de Tombos

IGATU, ANDARAÍ, BAHIA - Eh uma verdadeira cidade de pedra. "Sagrada" pra quem viveu lá durante o auge do ciclo do diamante. O trajeto até a vila já é uma atração: a estrada de acesso pela BA-142 é cheia de mirantes naturais. Ao chegar, a impressão é de ter voltado no tempo, quando igatu era chamada de Xique Xique e famosa pela extração de diamantes. Hoje não há farmácias, o hospital mais próximo fica em Andaraí, a 12 km. Em outros tempos quem diria? Cabarés, cassinos, lojas, cadeia, cartório, cinema...

SERRA DO NAVIO, AMAPÁ - A História da Serra do Navio remonta aos anos 1950. A região era rica em manganês e outros minérios. Por isso, a brasileira ICOMI, com sede em Belo Horizonte e atuação em Minas Gerais, foi escolhida para explorar o minério e construir a vila operária, que daria origem à cidade de Serra do Navio. Cada vila tinha 330 casas, prédios coletivos (escolas, hospitais, refeitórios), abrigando até 1.500 pessoas, entre trabalhadores e familiares. Tinha ruas largas, postes de concreto para a fiação elétrica e telefônica, calçadas, parques, clubes com piscina, quadras esportivas, restaurante e lanchonete, drenagem de águas das chuvas e tratamento de água e esgoto. Todas as casas tinham mais de 90m² e contavam com saneamento e energia elétrica, proveniente de geradores da ICOMI.

RIO DE JANEIRO, BRASIL - Do primeiro ao último minuto do ano, não falta o que fazer, o que visitar e o que rever no Estado do Rio de Janeiro, que não por acaso ostenta o rótulo de Maravilhoso. Além das praias e de seus outros dois ícones geográficos – o Corcovado e o Pão de Açúcar – o Rio vem ganhando uma série de atrativos culturais e gastronômicos. Quem deixa a capital e percorre o litoral fluminense encontra praias de beleza raríssima. Ao norte, na Região dos Lagos, estão as dunas de Cabo Frio, as águas translúcidas e frias de Arraial do Cabo, boas para mergulho, a badalação de Búzios e as trilhas rurais de Rio das Ostras

GRAMADO, RIO GRANDE DO SUL - Faltava neve à Gramado para que ela assumisse de vez o título de “Suíça brasileira”. Não falta mais: o Snowland, primeiro parque de neve artificial indoor das Américas, trouxe esportes de inverno à cidade, que já era famosa pelas construções enxaimel (aquelas de paredes esquadrinhadas com tirantes de madeira), pelas fondues nos bons restaurantes suíços e pelo climinha gostoso da Serra Gaúcha.

CAMPO BELO, MINAS GERAIS - A primeira cidade do Brasil a ter um time de Rugby (Campo Belo Rugby - CBR) A cidade tem paisagens deslumbrantes com campos a perder de vista. Ideal para a prática de esportes de aventura, ecoturismo, esportes náuticos com várias cachoeiras, praias de água doce além da tradicional e boa comida mineira. Uma cidade tranquila, acolhedora com boas opções para hospedagem