Pular para o conteúdo principal

PARQUE NACIONAL DA CHAPADA DIAMANTINA, BAHIA - A beleza natural impressiona. Os próprios guias não sabem bem o número de grutas e cachoeiras, mas juram que ainda há atrações a descobrir. Cachoeiras em cânions, rios de água avermelhada e formações rochosas formam um conjunto sem igual. O trekking do Vale do Paty, um dos mais cênicos do país, corta a área do parque.




CONHEÇA O "PARQUE NACIONAL DA CHAPADA DIAMANTINA", BAHIA, BRASIL - DA JANELA DO TREM
Principal destino de ecoturismo do Brasil, a área de preservação é só uma parte de um território que guarda uma quantidade incrível de montanhas, chapadões, rios, cachoeiras e grutas. Como o parque ainda não tem um plano de manejo implementado, a maioria de suas atrações não tem estrutura adequada para visitas. Entre os lugares mais visitados (divididos entre seis destinos), parte está fora dos seus domínios.
Por que é 5 estrelas? 
A beleza natural impressiona. Os próprios guias não sabem bem o número de grutas e cachoeiras, mas juram que ainda há atrações a descobrir. Cachoeiras em cânions, rios de água avermelhada e formações rochosas formam um conjunto sem igual. O trekking do Vale do Paty, um dos mais cênicos do país, corta a área do parque.
POÇO AZUL NA CAVERNA DO PARQUE NACIONAL DA CHAPADA DIAMANTINA NA BAHIA. EM CONTATO COM A ÁGUA, OS RAIOS DE SOL REVELAM DIVERSOS TONS DE AZUL E BELAS FORMAÇÕES ROCHOSAS
Preste atenção
A flora da região é riquíssima. Muitas espécies, como algumas orquídeas, só existem aqui, e alguns tipos de sempre-viva, flor típica, correm risco de extinção. A água avermelhada dos rios deve-se à matéria orgânica vegetal em decomposição, mas é potável. 
CACHOEIRAS LADEADAS POR CÂNIONS, RIOS CAUDALOSOS, CAVERNAS COM ÁGUAS CRISTALINAS. A CHAPADA DIAMANTINA, BAHIA, É PERFEITA PARA QUEM PROCURA AVENTURA E DIVERSÃO NO MEIO DA NATUREZA. SEIS DESTINOS NOS ARREDORES DO PARQUE NACIONAL SERVEM DE BASE PARA O TURISTA
A melhor foto
Do alto do Morro do Pai Inácio você faz a imagem clássica da Chapada, mas as cachoeiras da Fumaça e do Buracão também rendem ótimos cliques. 
Tempo de visita Para conhecer as melhores atrações, o ideal é ter de uma semana a dez dias.
MORRÃO DO CAMELO NO PARQUE NACIONAL DA CHAPADA DIAMANTINA
Quando ir 
O ano inteiro. No período entre novembro e janeiro chove mais, o que não costuma atrapalhar os passeios. De junho a agosto, época de seca, algumas quedas têm menos volume de água.
POÇO AZUL NA CAVERNA DO PARQUE NACIONAL DA CHAPADA DIAMANTINA. QUANDO BATEM NA ÁGUA, OS RAIOS DE SOL REVELAM VÁRIAS TONALIDADES DE AZUL E BELAS FORMAÇÕES ROCHOSAS
Informações
O parque é administrado pelo Instituto Chico Mendes (sede em Palmeiras), você pode entrar em contato pelos telefone (75)3332-2418 ou (75) 3332-2310. Os passeios devem ser feitos sempre com guia - além de não correr o risco de se perder, as belas paisagens do percurso ganham como complemento informações sobre a vegetação e a história da Chapada. Eles devem ser contratados nas agências de turismo ou nas ACVs.
GRUTA PRATINHA
A CHAPADA DIAMANTINA NA BAHIA EH REALMENTE UM SHOW DA NATUREZA QUE MOSTRA QUE SABE FAZER E BEM FEITO.
foto - Wikipédia
Em 1985, através do Decreto Nacional n˚91.655, foi criado o Parque Nacional da Chapada Diamantina (PNCD) para a preservação das belezas cênicas do local. Porém, o grande objetivo da manutenção desta área está na conservação das suas nascentes, com destaque para o principal rio baiano, o Paraguaçu, responsável pelo abastecimento de 60% da população da capital baiana. Além de resguardar um banco genético importantíssimo para a pesquisa científica e conservação da biodiversidade. A cada ano, pelo menos quatro ou cinco novas espécies de plantas endêmicas e três espécies de animais são descobertas na região.
O PNCD é administrado pelo Instituto Chico Mendes de Conservação Ambiental (ICMBio), uma autarquia ligada ao Ministério do Meio Ambiente, que trabalha exclusivamente em prol das áreas de preservação. A sua área representa apenas uma pequena parte de toda a Chapada Diamantina, região que engloba dezenas de municípios. Ele ainda não possui controle de visitação e á possível conhecê-lo a partir de diversas localidades, principalmente de Lençóis, do Vale do Capão, de Mucugê e Andaraí. O acesso aos seus atrativos, na maioria das vezes, é realizado por meio de caminhada. Porém, ele não concentra todos os atrativos da região, muitos lugares famosos estão localizados ao seu redor.
Consciência ambiental
A conscientização da população faz parte das frentes de trabalho do Instituto e é realizada em parceria com os movimentos ambientalistas, como o GAP (Grupo Ambientalista de Palmeiras) e o GAL (Grupo Ambientalista de Lençóis), além do apoio dado pelas diversas brigadas voluntárias e pelas ACVs (Associações de Condutores de Visitantes) espalhadas por diversos municípios da região.
A vegetação predominante da Chapada é conhecida como campo rupestre, que em geral é mais rasteira, porém é considerada um dos ecossistemas mais ricos do mundo, comparável à Mata Atlântica e à região do Cabo na África do Sul. Nele é possível encontrar mais de 100 tipos de orquídeas, inúmeras bromélias, cactos, begônias, trepadeiras e sempre-vivas, que podem ser apreciadas de abril a agosto. A variedade de animais também é imensa, principalmente as aves, que são mais de 250 espécies.
Aqui é o berço de 50% dos rios que banham o Estado da Bahia, tendo como o seu principal o Rio Paraguaçu, fundamental para a vida no semiárido baiano. E como não poderia deixar de ser, as águas da chapada também são inusitadas. É possível nadar em águas escuras e em águas ultra transparentes. Porém, todas são limpas. Essas águas avermelhadas são como “um chá natural gigante”, compara o biólogo Roy Funch, um dos principais responsáveis pela criação do Parque Nacional da Chapada Diamantina.
O beija-flor-gravatinha-vermelha é endêmico na Chapada Diamantina e habita áreas superiores a mil metros de altitude. Nas matas chapadenses também vivem o tamanduá bandeira, o macaco prego, a jaguatirica e muitos outros animais.
Do alto do Morro do Pai Inácio, tradicional e imperdível atração, parece que a Chapada não tem fim. Pudera, são mais de 1.500 km² cheios de grutas com grandes salões subterrâneos, cânions gigantes e cachoeiras das mais belas e altas do país.
Tudo isso, junto, faz deste um dos principais destinos de ecoturismo do Brasil. Além dos cenários naturais encantadores, a estrutura é das mais preparadas para o turismo, sobretudo em Lençóis, a “capital da Chapada”, onde há bons hotéis e restaurantes gostosos.
A cidade é a base para ir às outras seis localidades turísticas daqui, seja a hippie Vale do Capão, sejam as cachoeiras de Ibicoara, seja a histórica Igatu ou mesmo a “recém-descoberta” Itaetê, novidade do GUIA BRASIL 2015, que tem lindas quedas-d’água. A cereja no bolo da Chapada é o queridinho dos aventureiros: o Vale do Paty, mais cênico trekking do país.
MORRO DO INÁCIO NA CHAPADA DIAMANTINA, BAHIA
foto - baixaki
CACHOEIRA DOS MOSQUITOS NA CHAPADA DIAMANTINA, BA
foto - Falcon Oline
POÇO ENCANTADO NA CHAPADA DIAMANTINA, BA
foto - ?
GRUTA PRATINHA NA CHAPADA DIAMANTINA, BA
foto - ?
CACHOEIRA DA FUMAÇA NA CHAPADA DIAMANTINA, BA
FOI DESCOBERTA POR UM AVIADOR AMERICANO DA DÉCADA DE 60. A VISÃO DO CÂNION E DA CACHOEIRA COMPENSAM O ESFORÇO. DE UMA ALTITUDE DE 420 M.
AS ÁGUAS ESCORREM POR UMA ESTREITA ABERTURA E SE DISSIPAM ANTES MESMO DE TOCAR O SOLO; DAÍ O NOME CACHOEIRA DA FUMAÇA.
foto - ?

VALEU PELA VISITA - SEMPRE VOLTE


fonte dos textos e fotos: Wikipédia / viajeaquiabril.com.br / Thymonthy Becker / IBGE / Divulgação / Governo da Bahia / 

Comentários

Páginas que receberam mais visitas

BAEPENDI, MINAS GERAIS - A terra de "Nhá Chica". Na natureza preservada no município estão cerca de 40% do parque ecológico do papagaio, é local ideal para fazer trilhas e acampar em paradisíacos lugares. Baependi é uma das poucas cidades que podem ser visitadas durante qualquer época do ano, sem se preocupar com a programação que irá encontrar pois, o verão é bem definido, sendo um convite para se deslumbrar com as mais de cinqüenta cachoeiras que cercam a cidade e o inverno pouco chuvoso propicia inúmeras opções para enfrentar trilhas e acampar em paradisíacos lugares

COLORADO, RIO GRANDE DO SUL - Colorado é uma pequena cidade do Alto Jacuí. Fundada por imigrantes italianos e alemães. O espetáculo, belezas naturais, cores, aromas que seduzem à primeira vista. O município tem como base da economia a produção agrícola. A região possui uma relação muito próxima com as águas e com a geração de energia elétrica, a partir da formação do maior lago artificial do Estado – os Alagados do Passo Real e da Barragem de Ernestina. Bonitas e agradáveis, as cidades proporcionam atrações diversificadas, eventos, muitas festas, gastronomia, artesanato.

REPRESA DE FURNAS, SÃO JOSÉ DA BARRA, MINAS GERAIS - No dia 9 de janeiro de 1963 o túnel que desviou o curso do rio Grande para a construção da Usina de Furnas foi fechado e as águas que formaram um dos maiores reservatórios do mundo, criou praias, formou cânions e cachoeiras, inundou vilarejos e mudou para sempre a história dos 34 municípios que ficam ao longo dos 1.440 km2 de extensão do Lago de Furnas que abrange também parte do Parque Nacional da Serra da Canastra. O Lago de Furnas, também conhecido como "O MAR DE MINAS", é quatro vezes maior que a Baía de Guanabara, no Rio de Janeiro

BRASÍLIA, DF, BRASIL - Brasília é formada por gente de todos os lugares, todas as idades e de muitas gerações. É uma mistura de sotaques do Nordeste, Sudeste, Norte e Sul do país e até de estrangeiros. Por conta de seu rápido crescimento, já é a quarta cidade mais populosa do país. A maioria dos moradores, 52%, é mulher e tem em média 30 anos. Os primeiros habitantes que chegaram a Brasília vieram, principalmente, atraídos pelos empregos na construção civil e ajudaram na construção da capital. Eles eram chamados de candangos e aqui construíram e criaram famílias

TOMBOS, MINAS GERAIS - Na cachoeira três tombos, verdadeira obra da natureza de imensurável beleza que constitui um cartão postal da cidade com 62 metros de altura. A Gruta Pedra Santa localizada no distrito de Catuné, uma obra construída pela própria natureza. Ao longo do tempo a grande pedra foi desintegrando-se e formou-se um grande salão, onde ergueu-se a capela em Honra a Nossa Senhora de Lourdes. Praças diversas, museu municipal que funciona na antiga estação ferroviária, usina hidrelétrica de Tombos e os dois distritos “Catuné” e “Água Santa” valem uma visita à cidade de Tombos

IGATU, ANDARAÍ, BAHIA - Eh uma verdadeira cidade de pedra. "Sagrada" pra quem viveu lá durante o auge do ciclo do diamante. O trajeto até a vila já é uma atração: a estrada de acesso pela BA-142 é cheia de mirantes naturais. Ao chegar, a impressão é de ter voltado no tempo, quando igatu era chamada de Xique Xique e famosa pela extração de diamantes. Hoje não há farmácias, o hospital mais próximo fica em Andaraí, a 12 km. Em outros tempos quem diria? Cabarés, cassinos, lojas, cadeia, cartório, cinema...

SERRA DO NAVIO, AMAPÁ - A História da Serra do Navio remonta aos anos 1950. A região era rica em manganês e outros minérios. Por isso, a brasileira ICOMI, com sede em Belo Horizonte e atuação em Minas Gerais, foi escolhida para explorar o minério e construir a vila operária, que daria origem à cidade de Serra do Navio. Cada vila tinha 330 casas, prédios coletivos (escolas, hospitais, refeitórios), abrigando até 1.500 pessoas, entre trabalhadores e familiares. Tinha ruas largas, postes de concreto para a fiação elétrica e telefônica, calçadas, parques, clubes com piscina, quadras esportivas, restaurante e lanchonete, drenagem de águas das chuvas e tratamento de água e esgoto. Todas as casas tinham mais de 90m² e contavam com saneamento e energia elétrica, proveniente de geradores da ICOMI.

RIO DE JANEIRO, BRASIL - Do primeiro ao último minuto do ano, não falta o que fazer, o que visitar e o que rever no Estado do Rio de Janeiro, que não por acaso ostenta o rótulo de Maravilhoso. Além das praias e de seus outros dois ícones geográficos – o Corcovado e o Pão de Açúcar – o Rio vem ganhando uma série de atrativos culturais e gastronômicos. Quem deixa a capital e percorre o litoral fluminense encontra praias de beleza raríssima. Ao norte, na Região dos Lagos, estão as dunas de Cabo Frio, as águas translúcidas e frias de Arraial do Cabo, boas para mergulho, a badalação de Búzios e as trilhas rurais de Rio das Ostras

GRAMADO, RIO GRANDE DO SUL - Faltava neve à Gramado para que ela assumisse de vez o título de “Suíça brasileira”. Não falta mais: o Snowland, primeiro parque de neve artificial indoor das Américas, trouxe esportes de inverno à cidade, que já era famosa pelas construções enxaimel (aquelas de paredes esquadrinhadas com tirantes de madeira), pelas fondues nos bons restaurantes suíços e pelo climinha gostoso da Serra Gaúcha.

CAMPO BELO, MINAS GERAIS - A primeira cidade do Brasil a ter um time de Rugby (Campo Belo Rugby - CBR) A cidade tem paisagens deslumbrantes com campos a perder de vista. Ideal para a prática de esportes de aventura, ecoturismo, esportes náuticos com várias cachoeiras, praias de água doce além da tradicional e boa comida mineira. Uma cidade tranquila, acolhedora com boas opções para hospedagem