Pular para o conteúdo principal

DELFINÓPOLIS, MINAS GERAIS - Uma das cidades com maior diversidade de paisagens do nosso país. Seus vales e serras formam incontáveis cenários de beleza única, repletos de cachoeiras, além do magnífico Lago da Represa Mascarenhas de Moraes (antiga Represa de Peixoto). É formada por uma cadeia de serras famosas, entre as quais, Branca, Preta, Babilônia, entre outras, consideradas pelos ecologistas que as visitam, maravilhas de um Santuário Ecológico. Em todas as suas serras, o turista se surpreende tanto com as paisagens vistas do alto de seus morros, quanto os vales, chapadões e planaltos, contornados por conjuntos hidrográficos riquíssimos. São inúmeras fontes termais, belíssimas cachoeiras e maravilhosas piscinas naturais. Há também o turismo rural, com passeios em fazendas, onde se pode ver de perto a tiragem do leite in natura a fabricação da pinguinha do alambique, saborear o legítimo queijo minas, doces caseiros e a comida no fogão da lenha.




CONHEÇA A CIDADE DE "DELFINÓPOLIS", MINAS GERAIS, BRASIL - OLHANDO DA JANELA DO TREM
Foto - PMD
BEM VINDO A CIDADE COM A MAIOR DIVERSIDADE DE PAISAGENS DO BRASIL. BEM VINDO A DELFINÓPOLIS / NO VALE DA BABILÔNIA.
Porto da Praia Vermelha em Delfinópolis, MG
Foto - PMD
MATRIZ DO DIVINO ESPÍRITO SANTO em Delfinópolis, MG
imagem - Alexandre Bonacini
imagem - Alexandre Bonacini
O TRADICIONAL CORETO DA PRAÇA em Delfinópolis, MG
imagem - ?
A CIDADE
Delfinópolis é um dos locais com maior diversidade de paisagens do nosso país. Seus vales e serras formam incontáveis cenários de beleza única, repletos de cachoeiras, além do magnífico Lago da Represa Mascarenhas de Moraes (antiga Represa de Peixoto). É formada por uma cadeia de serras famosas, entre as quais, Branca, Preta, Babilônia, entre outras, consideradas pelos ecologistas que as visitam, maravilhas de um Santuário Ecológico. Em todas as suas serras, o turista se surpreende tanto com as paisagens vistas do alto de seus morros, quanto os vales, chapadões e planaltos, contornados por conjuntos hidrográficos riquíssimos. São inúmeras fontes termais, belíssimas cachoeiras e maravilhosas piscinas naturais. Há também o turismo rural, com passeios em fazendas, onde se pode ver de perto a tiragem do leite in natura a fabricação da pinguinha do alambique, saborear o legítimo queijo minas, doces caseiros e a comida no fogão da lenha.
SEDE DO PODER EXECUTIVO - PREFEITURA em Delfinópolis, MG
imagem - Alexandre Bonacini
CACHOEIRAS em Delfinópolis, MG
Delfinópolis conta com mais de 150 opções de cachoeiras espalhadas em meio a serras e vales, formando rios de águas cristalinas que compõem um cenário de rara beleza. As mais procuradas e famosas são a Cachoeira do Dr. Pinto, do Ézio, do Complexo do Claro, do Paraíso, estas são as mais próximas da cidade.
imagem -  ?
imagem - Carlos A. Serafim
imagem - Alexandre Bonacini
imagem - Alexandre Bonacini
imagem - Marina Vachkovskaia
imagem - Alexandre Bonacini
COMPLEXO DO CLARO em Delfinópolis, MG
imagem - Alexandre Bonacini
imagem - Alexandre Bonacini
AÉREA em Delfinópolis, MG
imagem - ?
RUA CENTRAL em Delfinópolis, MG
imagem - Alexandre Bonacini
RESTAURANTE em Delfinópolis, MG
imagem - Alexandre Bonacini
SAINDO PARA AS CACHOEIRAS em Delfinópolis, MG
imagem - Alexandre Bonacini
SAINDO PARA O DISTRITO DE LUQUINHA em Delfinópolis, MG
imagem - Carlos A. Serafim
PRAÇA DA MATRIZ em Delfinópolis, MG
imagem - Alexandre Bonacini
imagem -  ?
CENTRO DE APOIO AO TURISTA em Delfinópolis, MG
imagem - Alexandre Bonacini
CHEGANDO em Delfinópolis, MG
imagem - Alexandre Bonacini
POUSADA em Delfinópolis, MG
imagem - Alexandre Bonacini
MONUMENTO em Delfinópolis, MG
imagem - Alexandre Bonacini
DISTRITO DE LUQUINHADelfinópolis, MG
imagem - Carlos A. Serafim
AVENIDA CENTRAL em Delfinópolis, MG
imagem - Alexandre Bonacini
imagem - Alexandre Bonacini
OLHE OS BELOS CASARÕES em Delfinópolis, MG
imagem - Alexandre Bonacini
imagem - ?
O RIO GRANDE em Delfinópolis, MG
imagem - Wikipédia
ÁGUAS DA REPRESA em Delfinópolis, MG
imagem - Auro Queiroz
AS MARGENS DO RIO GRANDE em Delfinópolis, MG
imagem - Carlos A. Serafim
A BALSA em Delfinópolis, MG
imagem - Émerson F. M. Rodrigues
PORTO DA BALSA em Delfinópolis, MG
imagem - Alexandre Bonacini
POUSADA em Delfinópolis, MG
imagem - Auro Queiroz
ENTORNO DA CIDADE em Delfinópolis, MG
imagem - Auro Queiroz
REPRESA PEIXOTO em Delfinópolis, MG
imagem - Alexandre Bonacini
RANCHOS NA REGIÃO em Delfinópolis, MG
imagem - Alexandre Bonacini
VALE E SERRA DA BABILÔNIA em Delfinópolis, MG
Uma das regiões mais bonitas e isoladas da Serra da Canastra o Vale da Babilônia possui inúmeras cachoeiras pouco exploradas, pois a região é de difícil acesso e indicado para veículos tracionados ou motos estilo trail.
O local é ponto de passagem obrigatório para quem vai de Delfinópolis para a Casca D´anta pela Serra Branca.
imagem -  ?
imagem - ?
imagem - ?
TRILHEIROS NA SERRA DA GURITA em Delfinópolis, MG
imagem - ?
imagem - ?
imagem - Carlos A. Serafim
imagem - ?
AGUARDANDO A BALSA em Delfinópolis, MG
imagem - Émerson F. M. Rodrigues
imagem - Carlos A. Serafim
PORTO em Delfinópolis, MG
imagem - Alexandre Bonacini
ESTÂNCIA GIRASSOL em Delfinópolis, MG
imagem - Alexandre Bonacini
SERRA DA CANASTRA em Delfinópolis, MG
imagem - Carlos A. Serafim
População estimada 2016 (1) - 7.165
Área da unidade territorial 2015 (km²) - 1.378,423
Densidade demográfica 2010 (hab/km²) - 4,95
Código do Município 3121209
Gentílico - delfinopolitano
Prefeito 2017 / FERNANDO JOSÉ PINTO
ORIGEM DO NOME
Em 1919, o seu nome foi modificado de Espírito Santo da Forquilha para Delfinópolis, em homenagem ao então governador do estado, Delfim Moreira da Costa Ribeiro.

Gentílico: delfinopolitano
HISTÓRICO
A região compreendida entre os ribeirões Extrema, Forquilha, Engano e o Rio Santo Antônio, localizada na margem direita do Rio Grande, constituia 3 sesmarias concedidas a Ambrósio Gonçalves Pacheco.
No início de século XVIII, Dona Violanta Luzia de São José, sua esposa, fez doação de 288 Hectares de terras virgens, localizadas à margem esquerda do Ribeirão Forquilha, para patrimônio de uma capela a ser levantada em honra do Divino Espírito Santo.
Nasceu assim o povoado denominado Espírito Santo da Forquilha, nome que tomou em homenagem ao padroeiro local e em face do ribeirão citado.
A designação de forquilha foi devida ao fato de o referido ribeirão, em sua confluência, realizar uma volta, em tudo parecida a uma forquilha.
Antes, presume-se que a região tenha sido habitada por indígenas das tribos Tupiniquins e Carijós.
Tal afirmativa baseia-se em peças indígenas, domésticas e de guerra, encontradas ainda até bem pouco tempo nos arredores do lugar denominado " Ponte do Surubi", onde se acredita ter sido o local exato em que os mesmos tiveram seus acampamentos.
Por outro lado, há vestígios da passagem de bandeiras por aquelas bandas, notadamente perto da Cachoeira do Santo Antônio onde escavações profundas e antigas e o deslocamento de enormes pedras testemunham a presença de civilizados.
Sabe-se que os primeiros habitantes do povoado foram, dentre outros, João Marques, Joaquim de Almeida e Justiniano de tal, de sobrenome desconhecido.
Estes foram os primeiros residentes.
Posteriormente, em 1871, Antônio Rodrigues descobriu terrenos auríferos no Rio Santo Antônio e veio desse fato um progresso mais acelerado para o povoado, que no mesmo ano passou a distrito, do município de Santa Rita de Cássia.
Em 1919, o seu topônimo foi modificado para Delfinópolis, em homenagem ao então governador do estado, Delfim Moreira da Costa Ribeiro.
Em 1938, foi elevado à categoria de município, tendo ficado sob subordinação política da Comarca de Cássia.
Gentílico: Delfinopolitano.
ESTA EH A BANDEIRA DA CIDADE DE DELFINÓPOLIS, MINAS GERAIS
ESTE EH O BRASÃO DA CIDADE DE DELFINÓPOLIS, MINAS GERAIS 





Fonte dos textos e fotos: IBGE / Wikipédia / Portal do Governo de Delfinópolis / Thymonthy Becker / IBGE de Passos, MG / 


VALEU PELA VISITA - SEMPRE VOLTE


Comentários

Postar um comentário

VALEU POR VIAJAR COM A GENTE

Páginas que receberam mais visitas

BAEPENDI, MINAS GERAIS - A terra de "Nhá Chica". Na natureza preservada no município estão cerca de 40% do parque ecológico do papagaio, é local ideal para fazer trilhas e acampar em paradisíacos lugares. Baependi é uma das poucas cidades que podem ser visitadas durante qualquer época do ano, sem se preocupar com a programação que irá encontrar pois, o verão é bem definido, sendo um convite para se deslumbrar com as mais de cinqüenta cachoeiras que cercam a cidade e o inverno pouco chuvoso propicia inúmeras opções para enfrentar trilhas e acampar em paradisíacos lugares

COLORADO, RIO GRANDE DO SUL - Colorado é uma pequena cidade do Alto Jacuí. Fundada por imigrantes italianos e alemães. O espetáculo, belezas naturais, cores, aromas que seduzem à primeira vista. O município tem como base da economia a produção agrícola. A região possui uma relação muito próxima com as águas e com a geração de energia elétrica, a partir da formação do maior lago artificial do Estado – os Alagados do Passo Real e da Barragem de Ernestina. Bonitas e agradáveis, as cidades proporcionam atrações diversificadas, eventos, muitas festas, gastronomia, artesanato.

REPRESA DE FURNAS, SÃO JOSÉ DA BARRA, MINAS GERAIS - No dia 9 de janeiro de 1963 o túnel que desviou o curso do rio Grande para a construção da Usina de Furnas foi fechado e as águas que formaram um dos maiores reservatórios do mundo, criou praias, formou cânions e cachoeiras, inundou vilarejos e mudou para sempre a história dos 34 municípios que ficam ao longo dos 1.440 km2 de extensão do Lago de Furnas que abrange também parte do Parque Nacional da Serra da Canastra. O Lago de Furnas, também conhecido como "O MAR DE MINAS", é quatro vezes maior que a Baía de Guanabara, no Rio de Janeiro

BRASÍLIA, DF, BRASIL - Brasília é formada por gente de todos os lugares, todas as idades e de muitas gerações. É uma mistura de sotaques do Nordeste, Sudeste, Norte e Sul do país e até de estrangeiros. Por conta de seu rápido crescimento, já é a quarta cidade mais populosa do país. A maioria dos moradores, 52%, é mulher e tem em média 30 anos. Os primeiros habitantes que chegaram a Brasília vieram, principalmente, atraídos pelos empregos na construção civil e ajudaram na construção da capital. Eles eram chamados de candangos e aqui construíram e criaram famílias

TOMBOS, MINAS GERAIS - Na cachoeira três tombos, verdadeira obra da natureza de imensurável beleza que constitui um cartão postal da cidade com 62 metros de altura. A Gruta Pedra Santa localizada no distrito de Catuné, uma obra construída pela própria natureza. Ao longo do tempo a grande pedra foi desintegrando-se e formou-se um grande salão, onde ergueu-se a capela em Honra a Nossa Senhora de Lourdes. Praças diversas, museu municipal que funciona na antiga estação ferroviária, usina hidrelétrica de Tombos e os dois distritos “Catuné” e “Água Santa” valem uma visita à cidade de Tombos

IGATU, ANDARAÍ, BAHIA - Eh uma verdadeira cidade de pedra. "Sagrada" pra quem viveu lá durante o auge do ciclo do diamante. O trajeto até a vila já é uma atração: a estrada de acesso pela BA-142 é cheia de mirantes naturais. Ao chegar, a impressão é de ter voltado no tempo, quando igatu era chamada de Xique Xique e famosa pela extração de diamantes. Hoje não há farmácias, o hospital mais próximo fica em Andaraí, a 12 km. Em outros tempos quem diria? Cabarés, cassinos, lojas, cadeia, cartório, cinema...

SERRA DO NAVIO, AMAPÁ - A História da Serra do Navio remonta aos anos 1950. A região era rica em manganês e outros minérios. Por isso, a brasileira ICOMI, com sede em Belo Horizonte e atuação em Minas Gerais, foi escolhida para explorar o minério e construir a vila operária, que daria origem à cidade de Serra do Navio. Cada vila tinha 330 casas, prédios coletivos (escolas, hospitais, refeitórios), abrigando até 1.500 pessoas, entre trabalhadores e familiares. Tinha ruas largas, postes de concreto para a fiação elétrica e telefônica, calçadas, parques, clubes com piscina, quadras esportivas, restaurante e lanchonete, drenagem de águas das chuvas e tratamento de água e esgoto. Todas as casas tinham mais de 90m² e contavam com saneamento e energia elétrica, proveniente de geradores da ICOMI.

RIO DE JANEIRO, BRASIL - Do primeiro ao último minuto do ano, não falta o que fazer, o que visitar e o que rever no Estado do Rio de Janeiro, que não por acaso ostenta o rótulo de Maravilhoso. Além das praias e de seus outros dois ícones geográficos – o Corcovado e o Pão de Açúcar – o Rio vem ganhando uma série de atrativos culturais e gastronômicos. Quem deixa a capital e percorre o litoral fluminense encontra praias de beleza raríssima. Ao norte, na Região dos Lagos, estão as dunas de Cabo Frio, as águas translúcidas e frias de Arraial do Cabo, boas para mergulho, a badalação de Búzios e as trilhas rurais de Rio das Ostras

GRAMADO, RIO GRANDE DO SUL - Faltava neve à Gramado para que ela assumisse de vez o título de “Suíça brasileira”. Não falta mais: o Snowland, primeiro parque de neve artificial indoor das Américas, trouxe esportes de inverno à cidade, que já era famosa pelas construções enxaimel (aquelas de paredes esquadrinhadas com tirantes de madeira), pelas fondues nos bons restaurantes suíços e pelo climinha gostoso da Serra Gaúcha.

CAMPO BELO, MINAS GERAIS - A primeira cidade do Brasil a ter um time de Rugby (Campo Belo Rugby - CBR) A cidade tem paisagens deslumbrantes com campos a perder de vista. Ideal para a prática de esportes de aventura, ecoturismo, esportes náuticos com várias cachoeiras, praias de água doce além da tradicional e boa comida mineira. Uma cidade tranquila, acolhedora com boas opções para hospedagem