Pular para o conteúdo principal

RIBEIRÃO PRETO, SÃO PAULO - Ribeirão Preto é famosa pela grande quantidade de bares, restaurantes e casas de show que agitam as noites da região. Mas o município não atrai só os baladeiros de plantão. Ribeirão Preto transformou a região no maior produtor de grãos na virada do século XIX e como herança dos tempos dos barões, o município também atrai apreciadores dessa história.




CONHEÇA A CIDADE DE "RIBEIRÃO PRETO", SÃO PAULO, BRASIL - OLHANDO DA JANELA DO TREM
Jovens das cidades próximas vão para Ribeirão para curtir uma das maiores micaretas do país, o Carnabeirão
A riqueza do agronegócio impulsionou a cidade e fortaleceu outros empreendimentos, como os restaurantes: Ribeirão se tornou um polo gastronômico. Vale conhecer as vizinhas Batatais (a 44 km) e Brodowski (a 30 km), onde estão a Matriz do Senhor Bom Jesus da Cana Verde e a Casa de Portinari.

TURISMO
Localizada a 313 quilômetros da capital, Ribeirão Preto possui mais de 600 mil habitantes e é famosa pela grande quantidade de bares, restaurantes e casas de show que agitam as noites da região. Mas o município não atrai só os baladeiros de plantão. Ribeirão Preto transformou a região no maior produtor de grãos na virada do século XIX e como herança dos tempos dos barões, o município também atrai apreciadores dessa história.
Obra de Bassano Vaccarini no Mercadão
A Igreja Matriz do Senhor Bom Jesus da Cana Verde guarda a maior coleção de telas de Cândido Portinari em exibição no país
IGREJA DE SANTO ANTÔNIO
PARQUE JABALI
Prato da La Cucina di Tullio Santini, cantina italiana em Ribeirão Preto
Altar da Igreja Matriz do Senhor Bom Jesus da Cana Verde, com painel de Cândido Portinari
Locomotiva na praça da cidade
MIRANTE 
O Mirante, com cerca de 45 metros de altura e capacidade para 180 pessoas, fica atrás do Jardim Japonês em área de 200 metros quadrados. construído por funcionários do Bosque Municipal "Fábio Barreto", o Mirante foi denominado "Coronel Alfredo Condeixa Filho".
CATEDRAL METROPOLITANA 
A Catedral de Ribeirão Preto é um dos pontos turísticos mais visitados do município. Sua arquitetura possui linhas góticas e neoclássicas e o interior da igreja se diferencia pelos vitrais coloridos e pelas telas pintadas por Benedito Calixto. O arquiteto responsável pela construção da igreja foi o italiano Emílio Fagani, que faleceu antes da catedral ser inaugurada, em 1905.
A Catedral Metropolitana, tendo como padroeiro São Sebastião, teve a pedra fundamental lançada em 3 de março de 1904. A benção e o término da construção foram em 1920. Em estilo tico e linhas góticas, destacam-se os vitrais coloridos no seu interior, os afrescos pintados por Benedito Calixto que datam de 1917. A Catedral Metropolitana de São Sebastião de Ribeirão Preto está localizada na Praça das Bandeiras, região central da cidade. 
Fone: (16) 3625-0007
Catedral Metropolitana de São Sebastião de Ribeirão Preto
PINGUIM 
Com mais de sete décadas de história, o Pinguim atualmente recebe cerca de 1,5 milhão de clientes por ano e vende neste período aproximadamente 4 milhões de tulipas de chopp. Ontem, hoje e amanhã. O Pinguim continua fazendo verão, agora não somente em Ribeirão Preto, mas também em Belo Horizonte, habitando a memória e o coração de seus clientes.
Fachada do bar Pingüim e Theatro Pedro II à direita
O chope do bar Pinguim é o mais famoso da cidade
A tradição cervejeira de Ribeirão não se restringe ao Pinguim, o bar Cervejarium, por exemplo, promove degustações
MERCADO MUNICIPAL 
Com um passeio pelo Mercado Municipal, o consumidor encontra uma grande diversidade de alimentos e artigos religiosos distribuídos por quase 150 boxes. Quem caminhar pela Praça das Bandeiras aos finais de semana também não vai se arrepender. A Feira de Arte e Artesanato reúne mais de 150 artesãos que expõem e vendem produtos em couro, cerâmica, metal, vidro, louça, porcelana, tecidos e flores desidratadas.
Conta atualmente com 152 boxes que oferecem os mais diversificados produtos nos 
4.150 metros quadrados de área construída. Tombado pelo Condephaat (Conselho de 
Defesa do Patrimônio Histórico, Arqueológico, Artístico e Turístico do Estado de São Paulo) em 1993 como Patrimônio Histórico através da lei Municipal nº 6.597 e em 08 de novembro de 2004 a lei municipal 
nº 10.250, declara o Mercado Municipal ponto turístico do município.
O Mercado Central de Ribeirão Preto é uma miniatura do Mercadão paulistano, com bancas de frutas e lanchonete que serve fartos sanduíches de mortadela
MUSEUS 
O acervo dos Museus Municipais de Ribeirão Preto é formado por cerca de 6.000 objetos que incluem coleções sobre a História do Café, a História de Ribeirão Preto, obras de arte, numismática (incluindo moedas romanas de 2.000 anos), etnologia indígena, mineralogia, mobiliário, tecnologia do trabalho, entre outras. 
Todo esse acervo está sendo catalogado e fotografado, passando por um diagnóstico das necessidades de conservação e restauro.
Museu Histórico
MUSEU DO CAFÉ
Com o objetivo de contar a história do Ciclo do Café em Ribeirão Preto e no Brasil, Plínio Travassos dos Santos começou a recolher e colecionar objetos alusivos a cultura do "ouro verde". No princípio estas peças foram guardadas no Museu Histórico. Em 20 de janeiro de 1955, já com um número significativo de objetos, foi inaugurado o Museu do Café de Ribeirão Preto, instalado provisoriamente, em 3 salas e 3 corpos das varandas que circundam o edifício do Museu Histórico.
Reformado em 2010, o Museu do Café tem conteúdo digital, com depoimentos e jogos que ajudam a contar a história do café no interior paulista
O prédio do Museu do Café Cel. Francisco Schmidt, construído próximo ao Museu Histórico, foi inaugurado oficialmente em 26 de janeiro de 1957. A construção do prédio foi uma iniciativa da Prefeitura Municipal de Ribeirão Preto e contou com a colaboração financeira do Instituto Brasileiro do Café – IBC e do Comendador Geremia Lunardelli (3.º Rei do Café).
O Museu Casa de Portinari preserva móveis e objetos do pintor, além de abrigar 20 murais em técnicas de afresco e têmpera
O Museu Casa de Portinari fica no imóvel onde o pintor passou a infância
TEATRO DE ARENA 
Em 1969 foi inaugurado o Teatro de Arena, idealizado e construído por Jaime Zeiger. Construído numa meia-encosta, em uma área de aproximadamente 6 mil metros quadrados, Jaime Zeiger realizou pesquisas em vários países da Europa e Oriente Médio para a escolha do local ideal: topografia que favoreceria a qualidade acústica do teatro. Este teatro foi o primeiro teatro de arena construído no interior do Estado de São Paulo. A peça Antígona (de Sófacles) foi o primeiro espetáculo teatral apresentado no Teatro de Arena. 
Durante o ano de 1986 o teatro sofreu algumas reformas e foi reinaugurado em 1987.
Teatro Municipal
TEATRO PEDRO II
O Teatro Pedro II, por exemplo, foi construído em 1930, como símbolo de poder da sociedade cafeeira. Inspirado nas casas de shows da Europa, o teatro é o segundo maior em capacidade de público do país. Ele é palco de shows, concertos sinfônicos, peças teatrais, apresentações de dança e espetáculos de ópera. O Museu do Café coronel Francisco Schmidt é outro lugar onde os turistas podem conhecer melhor a história da cidade. Os visitantes encontram um vasto acervo com objetos e documentos do século XIX, como esculturas, carros de boi e fotos do período.
O Theatro Pedro II sofreu um incêndio nos anos 80 e reabriu em 1996, com um novo lustre criado por Tomie Ohtake
RIBEIRÃO PRETO
imagem - Wikipédia
AQUI O AEROPORTO
imagem - Wikipédia
CATEDRAL DE SÃO SEBASTIÃO
imagem - Wikipédia
IGREJA DE SÃO JOSÉ OPERÁRIO
imagem - Roberta Soriano
INTERIOR DA IGREJA DE SÃO JOSÉ OPERÁRIO
imagem - Roberta Soriano
IGREJA DE SANTO ANTÔNIO DE PÁDUA
imagem - Roberta Soriano
PARQUE MUNICIPAL
imagem - Vitor J. Quarelo
imagem - Wikipédia
imagem - Roberta Soriano
imagem - Roberta Soriano
imagem - Vitor J. Quarelo
imagem - Vitor J. Quarelo
imagem - Antônio de Andrade
imagem - Wikipédia
imagem - Marco Aurélio Esparza
imagem - Rafael Torres Gavioli
imagem - Roberta Soriano
TEATRO
imagem - Wikipédia
CHOPERIA
imagem - Wikipédia
PALÁCIO RIO BRANCO - SEDE DO PODER EXECUTIVO - PREFEITURA -
imagem - Wikipédia
ESTÁDIO SANTA CRUZ
imagem - Renato Viana Albarral
MUSEU DO CAFÉ
imagem - Wikipédia
imagem - Vitor J. Quarelo
ESTAÇÃO RODOVIÁRIA
imagem - Wikipédia
ESTÚDIO KAISER DE CINEMA
imagem - Wikipédia
CARTÓDROMO
imagem - Wikipédia
CENTRO INDUSTRIAL
imagem - Wikipédia
CONHEÇA UM POUCO MAIS DE RIBEIRÃO PRETO
imagem - Wikipédia
imagem - Wikipédia
imagem - Wikipédia
imagem - Wikipédia
imagem - Wikipédia
imagem - Wikipédia
imagem - Wikipédia
imagem - Wikipédia
imagem - Celso Ortolan
imagem -  Celso Ortolan
imagem - Renato Viana Albarral
imagem - Wikipédia
População estimada 2016 (1) - 674.405
Área da unidade territorial 2015 (km²) - 650,916
Densidade demográfica 2010 (hab/km²) - 928,92
Código do Município 3543402
Gentílico - ribeirão-pretano
ORIGEM DO NOME
A cidade teve os nomes de Barra do Retiro, Capela de São Sebastião do Ribeirão Preto, Vila de São Sebastião do Ribeirão Preto, Vila de Entre Rios e Vila de Ribeirão Preto.
O nome "Ribeirão Preto" deve-se ao ribeirão que atravessa a cidade, que é chamado de "Preto".
Gentílico: ribeirão-pretano
HISTÓRICO
José Mateus dos Reis, dono da maior parte da Fazenda das Palmeiras, fez a primeira doação de terras no valor de 40 mil reis, "com a condição de no terreno ser levantada uma capela em louvor a São Sebastião das Palmeiras". Em 2 de novembro de 1845, no bairro das Palmeiras, era fincada uma cruz de madeira como tentativa de demarcação de um patrimônio para a futura capela de São Sebastião.
Com esta, surgiram outras doações objetivando ampliar o patrimônio da capela, doações que foram anexadas à primeira feitas por José Alves da Silva (4 alqueires), Miguel Bezerra dos Reis (2 alqueires), Antônio Bezerra Cavalcanti (12 alqueires), Alexandre Antunes Maciel (2 alqueires), Mateus José dos Reis (2 alqueires), Luís Gonçalves Barbosa (1 alqueire) e Mariano Pedroso de Almeida.
Os doadores de terras de Ribeirão Preto para o patrimônio são ainda os seguintes João Alves da Silva Primo, Severiano Joaquim da Silva, José Borges da Costa e Ignacio Bruno da Costa e Ana Zeferina Terra, a última doadora de terras para o patrimônio.
Segundo o historiador Rubem Cione em seu livro História de Ribeirão Preto, volume 2, segunda edição, muitos dos que trabalharam pelo progresso da cidade também são considerados fundadores. Entre eles, Bernardo Alves Pereira, Antônio Alves Pereira, Manuel do Nazareth Azevedo, Manuel Fernandes do Nascimento, Padre Geremias José Nogueira, Padre Manuel Euzébio de Araujo, Padre Miguel Martins da Silva e Padre Angelo Philydori Torres.
ESTA EH A BANDEIRA DA CIDADE DE RIBEIRÃO PRETO, SÃO PAULO
ESTE EH O BRASÃO DO MUNICÍPIO DE RIBEIRÃO PRETO, SÃO PAULO

VALEU POR VIAJAR COM A GENTE


fonte dos textos e fotos: Thymonthy Becker / Wikipédia / viajeaqui.abril.com.br / Portal da Prefeitura Municipal de Ribeirão Preto / Portal do Governo de São Paulo / Divulgação / 

Comentários

Páginas que receberam mais visitas

BAEPENDI, MINAS GERAIS - A terra de "Nhá Chica". Na natureza preservada no município estão cerca de 40% do parque ecológico do papagaio, é local ideal para fazer trilhas e acampar em paradisíacos lugares. Baependi é uma das poucas cidades que podem ser visitadas durante qualquer época do ano, sem se preocupar com a programação que irá encontrar pois, o verão é bem definido, sendo um convite para se deslumbrar com as mais de cinqüenta cachoeiras que cercam a cidade e o inverno pouco chuvoso propicia inúmeras opções para enfrentar trilhas e acampar em paradisíacos lugares

COLORADO, RIO GRANDE DO SUL - Colorado é uma pequena cidade do Alto Jacuí. Fundada por imigrantes italianos e alemães. O espetáculo, belezas naturais, cores, aromas que seduzem à primeira vista. O município tem como base da economia a produção agrícola. A região possui uma relação muito próxima com as águas e com a geração de energia elétrica, a partir da formação do maior lago artificial do Estado – os Alagados do Passo Real e da Barragem de Ernestina. Bonitas e agradáveis, as cidades proporcionam atrações diversificadas, eventos, muitas festas, gastronomia, artesanato.

REPRESA DE FURNAS, SÃO JOSÉ DA BARRA, MINAS GERAIS - No dia 9 de janeiro de 1963 o túnel que desviou o curso do rio Grande para a construção da Usina de Furnas foi fechado e as águas que formaram um dos maiores reservatórios do mundo, criou praias, formou cânions e cachoeiras, inundou vilarejos e mudou para sempre a história dos 34 municípios que ficam ao longo dos 1.440 km2 de extensão do Lago de Furnas que abrange também parte do Parque Nacional da Serra da Canastra. O Lago de Furnas, também conhecido como "O MAR DE MINAS", é quatro vezes maior que a Baía de Guanabara, no Rio de Janeiro

BRASÍLIA, DF, BRASIL - Brasília é formada por gente de todos os lugares, todas as idades e de muitas gerações. É uma mistura de sotaques do Nordeste, Sudeste, Norte e Sul do país e até de estrangeiros. Por conta de seu rápido crescimento, já é a quarta cidade mais populosa do país. A maioria dos moradores, 52%, é mulher e tem em média 30 anos. Os primeiros habitantes que chegaram a Brasília vieram, principalmente, atraídos pelos empregos na construção civil e ajudaram na construção da capital. Eles eram chamados de candangos e aqui construíram e criaram famílias

TOMBOS, MINAS GERAIS - Na cachoeira três tombos, verdadeira obra da natureza de imensurável beleza que constitui um cartão postal da cidade com 62 metros de altura. A Gruta Pedra Santa localizada no distrito de Catuné, uma obra construída pela própria natureza. Ao longo do tempo a grande pedra foi desintegrando-se e formou-se um grande salão, onde ergueu-se a capela em Honra a Nossa Senhora de Lourdes. Praças diversas, museu municipal que funciona na antiga estação ferroviária, usina hidrelétrica de Tombos e os dois distritos “Catuné” e “Água Santa” valem uma visita à cidade de Tombos

IGATU, ANDARAÍ, BAHIA - Eh uma verdadeira cidade de pedra. "Sagrada" pra quem viveu lá durante o auge do ciclo do diamante. O trajeto até a vila já é uma atração: a estrada de acesso pela BA-142 é cheia de mirantes naturais. Ao chegar, a impressão é de ter voltado no tempo, quando igatu era chamada de Xique Xique e famosa pela extração de diamantes. Hoje não há farmácias, o hospital mais próximo fica em Andaraí, a 12 km. Em outros tempos quem diria? Cabarés, cassinos, lojas, cadeia, cartório, cinema...

RIO DE JANEIRO, BRASIL - Do primeiro ao último minuto do ano, não falta o que fazer, o que visitar e o que rever no Estado do Rio de Janeiro, que não por acaso ostenta o rótulo de Maravilhoso. Além das praias e de seus outros dois ícones geográficos – o Corcovado e o Pão de Açúcar – o Rio vem ganhando uma série de atrativos culturais e gastronômicos. Quem deixa a capital e percorre o litoral fluminense encontra praias de beleza raríssima. Ao norte, na Região dos Lagos, estão as dunas de Cabo Frio, as águas translúcidas e frias de Arraial do Cabo, boas para mergulho, a badalação de Búzios e as trilhas rurais de Rio das Ostras

SERRA DO NAVIO, AMAPÁ - A História da Serra do Navio remonta aos anos 1950. A região era rica em manganês e outros minérios. Por isso, a brasileira ICOMI, com sede em Belo Horizonte e atuação em Minas Gerais, foi escolhida para explorar o minério e construir a vila operária, que daria origem à cidade de Serra do Navio. Cada vila tinha 330 casas, prédios coletivos (escolas, hospitais, refeitórios), abrigando até 1.500 pessoas, entre trabalhadores e familiares. Tinha ruas largas, postes de concreto para a fiação elétrica e telefônica, calçadas, parques, clubes com piscina, quadras esportivas, restaurante e lanchonete, drenagem de águas das chuvas e tratamento de água e esgoto. Todas as casas tinham mais de 90m² e contavam com saneamento e energia elétrica, proveniente de geradores da ICOMI.

GRAMADO, RIO GRANDE DO SUL - Faltava neve à Gramado para que ela assumisse de vez o título de “Suíça brasileira”. Não falta mais: o Snowland, primeiro parque de neve artificial indoor das Américas, trouxe esportes de inverno à cidade, que já era famosa pelas construções enxaimel (aquelas de paredes esquadrinhadas com tirantes de madeira), pelas fondues nos bons restaurantes suíços e pelo climinha gostoso da Serra Gaúcha.

CAMPO BELO, MINAS GERAIS - A primeira cidade do Brasil a ter um time de Rugby (Campo Belo Rugby - CBR) A cidade tem paisagens deslumbrantes com campos a perder de vista. Ideal para a prática de esportes de aventura, ecoturismo, esportes náuticos com várias cachoeiras, praias de água doce além da tradicional e boa comida mineira. Uma cidade tranquila, acolhedora com boas opções para hospedagem