Pular para o conteúdo principal

QUANDO ESTIVE EM KOROR, PALAU, NA OCEANIA - Andando de cabeça baixa, usando o celular para postar nas redes sociais, atropelei um coqueiro




MINHA VIAGEM PARA "KOROR / PALAU" NA OCEANIA (Por Thymonthy Becker)

Quando chegou o dia de conhecermos Palau, me fez lembrar "Jules Verne". (Júlio Verne). Me fez lembrar porque seu livro "A Ilha Misteriosa" conta que esta ilha que fica anos submersa e anos na superfície, estaria nesta região da Oceania e Palau seria o ponto de partida mais próximo. Lembrando Júlio verne, me fez lembrar uma de suas frases que eh uma das minhas favoritas "Tudo o que um homem pode imaginar, outros homens poderão fazer". Claro que nossa viagem à Palau não tem nada a haver com esta Ilha Misteriosa cercada de furacões e tempestades 24 horas por dia e que faz desaparecer aviões e navios. Em Palau ocorre fenômenos naturais científicos misteriosos. Mas seria muito espetacular se esta ilha estivesse lá e se nós a pudéssemos conhecê-la. Mas deixamos a imaginação para escritores de ficção e vamos conhecer Palau, um país com pouco mais de vinte mil habitantes, onde uma das principais (mas não a principal) fonte de renda eh o turismo.

Chegamos em Palau, ou melhor, na ilha da antiga capital do país já que Palau eh composto de 300 ilhas sendo a maioria desabitada. A gastronomia eh uma mistura de sabores Japoneses, Italianos, Ingleses, Coreanos e outros, mas prevalecendo sobre os demais, os sabores Americanos. Em Palau há ótimos restaurantes, hotéis e Resorts praticamente dentro do mar e que oferecem toda  a estrutura para seu turismo. Praticamente tudo que você for fazer em termos de turismo eh necessário pagar uma taxa, sempre em Dollar, e os valores não são baixos. Mas acredite, vale a pena. Qualquer lugar que você for será uma aventura e muito divertida, pois há muitos turistas em Palau e você irá interagir rapidamente com eles e com os habitantes do lugar, que são muito receptivos e sorridentes. 

Há muita coisa legal para se fazer em Palau. E nosso objetivo era conhecer o máximo de lugares possíveis. Se você for Norte Americano poderá ficar um ano inteiro em Palau com o visto que eh emitido na hora em que você chegar, do oposto, seu visto terá validade de 30 dias (também emitido na hora) e você só poderá entrar no país se já estiver com a passagem de volta comprada. Existe várias lagoas azuis (Blue Corner, German Channel, Ulong Channel e Blue Holes) onde você pode mergulhar todos os dias e nenhum dia será como o outro. Como se você estive mergulhando em local diferente. (Mergulhar não era, ainda, minha opção de turismo, embora o mergulho fosse o forte em Palau). Eh super show de bola. Em Blue Conner, você pode nadar com os Tubarões. Claro, se você tiver coragem. Por segurança minha e dos demais, não optei por esta atração turística. Existe também uma lagoa azul em que podemos nadar em meio as águas-vivas (essas águas-vivas não queimam como as demais). Eh muito impressionante e muito show de bola. Claro, aqui não teria problemas pra mim. Ficaria na beira da lagoa e assim me divertiria. 

Meus amigos nadaram com os tubarões (O Kaleb e eu não fomos), mergulharam em duas lagoas (só eu não fui), conhecemos algumas ilhas em um passeio de barco. As águas ali são super cristalinas, a impressão de quem está próximo eh de que o barco está flutuando. Muito show de bola mesmo. Eu nadei próximo as águas-vivas, muito, muito legal. Visitamos a biblioteca, conhecemos a da história deste povo super hospitaleiro, interagimos com os habitantes locais e visitamos várias ilhas que formam Palau. Fizemos tudo que um turista em busca de aventura e conhecimento pode fazer em Palau. 


No último dia de nossa estadia em Palau, a gente ia pegar o avião somente a tarde, fomos dar uma volta pelo centro de Koror, para comprarmos lembranças de nossa passagem por Palau, conhecer mais a cidade e seus habitantes. Este último dia reservamos para este fim mesmo. Não eh só no mar, lagoas, trilhas em matas que você pode se divertir e fazer turismo. As Cidades de Palau tem muito a oferecer para os turistas e nós íamos aproveitar isso. Andado pelo centro da cidade, meus amigos iam a frente e eu, como sempre, vagarosamente ia atrás deles e desta vez, mais vagarosamente ainda, porque estava postando algumas das fotos que tinha tirado em Palau, nas redes sociais. Andando de cabeça baixa, entusiasmado com o que estava postando, não vi bem a direção em que caminhava e então tropecei no canteiro circular que cerca os coqueiros que tem plantando em toda orla do centro de Koror. Ao bater neste canteiro, tropeçando nele, caí para frente e bati de testa no coqueiro ali plantado. Ao bater a cabeça no coqueiro, meu celular caiu, levei um pequeno corte na supercílio que começou a sangrar bastante.

Peguei meu celular rapidamente, o sangue atingiu meus olhos e fui limpando com as mãos e preocupado se alguém tinha visto eu bater a cabeça no coqueiro. Mas alguém sempre vê quando a gente faz isso. Algumas pessoas que viram começaram a perguntar se eu precisava de ajuda e isso fez com que meus amigos olhassem para trás e virem que eu estava com a camisa manchada de sangue, porque eu comecei a limpar o sangue com a camisa. Meus amigos voltaram perguntando o que tinha acontecido e já dizendo que estava demorando acontecer alguma coisa comigo. Mas o sangue não queria parar de escorrer. Tivemos que ir a uma farmácia onde o farmacêutico fez o estancamento do sangue e colocou um curativo. Meus amigos queriam saber o que tinha acontecido, e como eles não tinha visto, decidi não contar. Mas não teve como esconder, acabaram por saber o real motivo de eu ter me machucado e ficaram desejando poder voltar no tempo para filmar a cena, que para eles era a prova definitiva de que eu era a pessoa mais desastrada do mundo. Mas quem nunca bateu com a testa em árvore, poste ou qualquer outro lugar na rua, enquanto digita no celular? Eu já ouvi falar de várias pessoas que pagaram esse mico.

Depois deste contra tempo, decidi que não usaria o celular enquanto andava pelas ruas, mas ali mesmo em Palau já quebrei minha promessa, porque eh quase impossível você andar e não fazer uso do celular. No final do dia partimos deixamos para trás este belo país, que eh acolhedor, hospitaleiro e que também ficará na história de minha vida, de quando "atropelei um coqueiro" andando nas ruas de Koror em Palau.

Valeu gente. Até a próxima.

Valeu gente. Até a próxima.

Comentários

Páginas que receberam mais visitas

BAEPENDI, MINAS GERAIS - A terra de "Nhá Chica". Baependi é um convite para se deslumbrar com as mais de cinqüenta cachoeiras que cercam a cidade. Na natureza preservada no município estão cerca de 40% do parque ecológico do papagaio, é local ideal para fazer trilhas e acampar em paradisíacos lugares. Baependi é uma das poucas cidades que podem ser visitadas durante qualquer época do ano, sem se preocupar com a programação que irá encontrar pois, o verão é bem definido, sendo um convite para se deslumbrar com as mais de cinqüenta cachoeiras que cercam a cidade e o inverno pouco chuvoso propicia inúmeras opções para enfrentar trilhas e acampar em paradisíacos lugares. A religiosidade ocupa lugar de destaque como um dos fatores que mais atraem os visitantes, uma vez que Baependi foi o lugar onde a serva de Deus, Nhá Chica, concedeu suas graças, hoje em dia inúmeras romarias de diversas partes do país têm como destino o Santuário de Nhá Chica, onde também se encontram seus restos mortais.

COLORADO, RIO GRANDE DO SUL - Será que tem gremista em Colorado? Claro que tem. Colorado é uma pequena cidade do Alto Jacuí. Fundada por imigrantes italianos e alemães. O município tem como base da economia a produção agrícola. Cenários de belezas, cores e aromas que seduzem os turistas. Cenários de belezas, cores e aromas que seduzem os turistas

REPRESA DE FURNAS, SÃO JOSÉ DA BARRA, MINAS GERAIS - No dia 9 de janeiro de 1963 o túnel que desviou o curso do rio Grande para a construção da Usina de Furnas foi fechado e as águas que formaram um dos maiores reservatórios do mundo, criou praias, formou cânions e cachoeiras, inundou vilarejos e mudou para sempre a história dos 34 municípios que ficam ao longo dos 1.440 km2 de extensão do Lago de Furnas. Destes, Capitólio se destaca por oferecer as melhores opções de serviços e infraestrutura turística. Os passeios náuticos, os esportes aquáticos, a pesca esportiva e a exuberância natural são pontos fortes da região, que abrange também parte do Parque Nacional da Serra da Canastra, onde nasce o Rio São Francisco, o "Velho Chico". O Lago de Furnas, também conhecido como "O MAR DE MINAS", é quatro vezes maior que a Baía de Guanabara, no Rio de Janeiro.

BRASÍLIA, DF, BRASIL - Brasília é formada por gente de todos os lugares, todas as idades e de muitas gerações. É uma mistura de sotaques do Nordeste, Sudeste, Norte e Sul do país e até de estrangeiros. Por conta de seu rápido crescimento, já é a quarta cidade mais populosa do país. A maioria dos moradores, 52%, é mulher e tem em média 30 anos. Os primeiros habitantes que chegaram a Brasília vieram, principalmente, atraídos pelos empregos na construção civil e ajudaram na construção da capital. Eles eram chamados de candangos e aqui construíram e criaram famílias. Desses, surgiram os “brasilienses”, o gentílico usado para quem nasceu aqui e adotado por quem veio de fora e assumiu a cidade como sua.

TOMBOS, MINAS GERAIS - Na cachoeira três tombos, verdadeira obra da natureza de imensurável beleza que constitui um cartão postal da cidade com 62 metros de altura. A Gruta Pedra Santa localizada no distrito de Catuné, uma obra construída pela própria natureza. Ao longo do tempo a grande pedra foi desintegrando-se e formou-se um grande salão, onde ergueu-se a capela em Honra a Nossa Senhora de Lourdes. Praças diversas, museu municipal que funciona na antiga estação ferroviária, usina hidrelétrica de Tombos e os dois distritos “Catuné” e “Água Santa” valem uma visita à cidade de Tombos

IGATU, ANDARAÍ, BAHIA - Eh uma verdadeira cidade de pedra. "Sagrada" pra quem viveu lá durante o auge do ciclo do diamante. O trajeto até a vila já é uma atração: a estrada de acesso pela BA-142 é cheia de mirantes naturais. Ao chegar, a impressão é de ter voltado no tempo, quando igatu era chamada de Xique Xique e famosa pela extração de diamantes. Hoje não há farmácias, o hospital mais próximo fica em Andaraí, a 12 km. Em outros tempos quem diria? Cabarés, cassinos, lojas, cadeia, cartório, cinema...

RIO DE JANEIRO, BRASIL - Do primeiro ao último minuto do ano, não falta o que fazer, o que visitar e o que rever no Estado do Rio de Janeiro, que não por acaso ostenta o rótulo de Maravilhoso. Além das praias e de seus outros dois ícones geográficos – o Corcovado e o Pão de Açúcar – o Rio vem ganhando uma série de atrativos culturais e gastronômicos. Quem deixa a capital e percorre o litoral fluminense encontra praias de beleza raríssima. Ao norte, na Região dos Lagos, estão as dunas de Cabo Frio, as águas translúcidas e frias de Arraial do Cabo, boas para mergulho, a badalação de Búzios e as trilhas rurais de Rio das Ostras. De frente para a Baía da Guanabara, Niterói mostra que a vista para a cidade do Rio não é o único atrativo. Além de oferecer, na sua face voltada para o alto mar, trechos de areia ideais para quem quiser fugir do agito de Ipanema e Copacabana, o município começa a explorar o legado das construções assinadas por Oscar Niemeyer, entre elas o famoso Museu de Arte Contemporânea.

GRAMADO, RIO GRANDE DO SUL - Faltava neve à Gramado para que ela assumisse de vez o título de “Suíça brasileira”. Não falta mais: o Snowland, primeiro parque de neve artificial indoor das Américas, trouxe esportes de inverno à cidade, que já era famosa pelas construções enxaimel (aquelas de paredes esquadrinhadas com tirantes de madeira), pelas fondues nos bons restaurantes suíços e pelo climinha gostoso da Serra Gaúcha.

CAMPO BELO, MINAS GERAIS - A primeira cidade do Brasil a ter um time de Rugby (Campo Belo Rugby - CBR) A cidade tem paisagens deslumbrantes com campos a perder de vista. Ideal para a prática de esportes de aventura, ecoturismo, esportes náuticos com várias cachoeiras, praias de água doce além da tradicional e boa comida mineira. Uma cidade tranquila, acolhedora com boas opções para hospedagem

SERRA DO NAVIO, AMAPÁ - A História da Serra do Navio remonta aos anos 1950. A região era rica em manganês e outros minérios. Por isso, a brasileira ICOMI, com sede em Belo Horizonte e atuação em Minas Gerais, foi escolhida para explorar o minério e construir a vila operária, que daria origem à cidade de Serra do Navio. Cada vila tinha 330 casas, prédios coletivos (escolas, hospitais, refeitórios), abrigando até 1.500 pessoas, entre trabalhadores e familiares. Tinha ruas largas, postes de concreto para a fiação elétrica e telefônica, calçadas, parques, clubes com piscina, quadras esportivas, restaurante e lanchonete, drenagem de águas das chuvas e tratamento de água e esgoto. Todas as casas tinham mais de 90m² e contavam com saneamento e energia elétrica, proveniente de geradores da ICOMI.