Pular para o conteúdo principal

ITÁLIA - REPUBBLICA ITALIANA - A gesticulação e o jeito de falar exagerados, tão tipicamente italianos, são ênfases que combinam à perfeição com a infinidade de atributos que podemos, sem medo de passar do ponto, relacionar a esse país. Com uma história de quase 3 mil anos, da qual faz parte um dos períodos que definem a linha do tempo ocidental – o Império Romano –, a Itália oferece a seus visitantes cerca de 100 mil monumentos que ajudam a dar um panorama desse legado. De uma ponta a outra da adorável -bota- não faltam catedrais, palácios, fortalezas, importantíssimos sítios arqueológicos e incontáveis e sublimes obras de arte.




CONHEÇA A ITÁLIA COMO SE ESTIVESSE NA JANELA DO TREM
A Catedral de Florença, (acima) chamada de Duomo, começou a ser construída em 1296. A imponente cúpula, projetada por Filippo Brunelleschi, é um dos símbolos da cidade (Thinkstock)
A Basílica de São Francisco, em Assis, construída no século 13, foi declarada Patrimônio da Humanidade pela Unesco. Ali está sepultado São Francisco, padroeiro da Itália (Thinkstock)
A gesticulação e o jeito de falar exagerados, tão tipicamente italianos, são ênfases que combinam à perfeição com a infinidade de atributos que podemos, sem medo de passar do ponto, relacionar a esse país. Com uma história de quase 3 mil anos, da qual faz parte um dos períodos que definem a linha do tempo ocidental – o Império Romano –, a Itália oferece a seus visitantes cerca de 100 mil monumentos que ajudam a dar um panorama desse legado. De uma ponta a outra da adorável “bota” não faltam catedrais, palácios, fortalezas, importantíssimos sítios arqueológicos e incontáveis e sublimes obras de arte. Um festival de encantos que, como os deliciosos vinhos da terra, está pronto para ser degustado com a abundância que a tradição italiana manda – as refeições aqui podem ter até seis etapas –, mas pouco a pouco, no mais perfeito estilo slow food. Em poucos lugares do mundo pode-se apreciar tamanha diversidade e apuro no preparo do que em Bolonha, capital da Emilia-Romagna (e não estamos só falando do clássico molho a bolonhesa, aliás ragù bolognese). Como se tamanha generosidade de história, cultura e gastronomia não fossem suficientes, a Itália é um país de infindáveis e belíssimas paisagens, dono de uma eclética gama de opções turísticas. Você escolhe: relaxar em charmosos vilarejos, deslizar sobre a neve dos Alpes, tomar sol dependurado em casinhas típicas sobre o mar na Costa Amalfitana… Ou então ver de perto maravilhosas cidades que são espetáculos arquitetônicos como Veneza, Florença e Roma. Completamente distintas entre si, elas são o símbolo de um país histórico, porém razoavelmente jovem, com apenas 150 anos de idade. Antes disso, era um país fragmentado em reinos e repúblicas, uma divisão até hoje sentida nos dialetos, cozinha (pasta, polenta ou arroz?) e debates econômicos. 
De Nápoles, é possível visitar as ruínas de Pompeia, devastadas pela erupção do vulcão Vesúvio. O que restou da cidade antiga revela uma típica sociedade romana com fórum, templos e teatros bem preservados (Divulgação)
Branco da muzzarella, vermelho do tomate, verde do manjericão: as cores da Itália na pizza Margherita (Divulgação)
Projetada para servir como campanário da catedral, a Torre de Pisa ganhou fama por conta da inclinação. Iniciada no século 12, o edifício levou mais de 200 anos para ser concluído
Parada no tempo em povoadinhos da Sicília ou cosmopolita em Milão, urbana em Gênova ou romântica em San Gimignano, a Itália é terra para todos os gostos e sonhos. De bicicleta pelos campos da Toscana, de barco ao longo de seu belo litoral ou a bordo de um possante esportivo empurrado por um V12, curta as grandes e pequenas atrações, pare onde lhe der na cabeça e viva um país maravilhoso. 
A forma ovalada da Piazza Anfiteatro, em Lucca, é emoldurada por antigos prédios de fachadas em tons pastéis e agradáveis cafés (Thinkstock)
Vista aérea da medieval Piazza del Campo, em Siena, que é palco da mais antiga corrida de cavalos do mundo, o Palio (Thinkstock)
Vista da orla do vilarejo de Positano, na Costa Amalfitana, com a cúpula de cerâmica da Igreja Santa Maria Assunta em primeiro plano (Valdemir Cunha)
COMO CHEGAR 
A TAM (0800-5705700 e 4002-5700, www.tam.com.br) tem voos diários diretos para Milão. Já a Alitalia (11/2171-7610, www.alitalia.com.br) voa da capital paulista para Milão e Roma, todos os dias. Com conexões em outras capitais europeias, é possível voar até a Itália pela KLM (0800-888-1888, www.klm.com), Air France (0800-888-9955, www.airfrance.com.br), TAP (0300-210-6060, www.flytap.com.br), Iberia (11/3218-7130, www.iberia.com) e Lufthansa (11/3048-5800, www.lufthansa.com.br). 
Cercado pelo mar azul da região de Cinque Terre, o Castelo Doria está fincado em um penhasco
Os museus do Vaticano são os mais importantes de Roma. Na Galeria de Cartas Geográficas, as paredes e o teto são decoradas com mapas do século 15 (Rosana Zakabi)
Os passeios de gôndola pelos canais de Veneza são atração clássica e romântica e podem ser feitos a partir de diversos pontos da cidade (Eduardo Jun Marubayashi)
A luz se faz na Basílica de São Pedro, no Vaticano, em Roma (Francisco Aragão/Getty Images)
Se já estiver na Europa, todas as grandes companhias europeias possuem serviços que servem cidades como Roma, Nápoles, Gênova, Milão, Turim, Veneza e Florença. Companhias de baixo custo, como a EasyJet (www.easyjet.com) e a Ryan Air (www.ryanair.com), possuem alguns voos bastante convenientes. 
Vista geral da laguna de Veneza. Em primeiro plano, a Piazzeta, com as colunas de São Teodoro e São Marcos e o Palazzo Ducale. Ao longe, as ilhas de San Giorgio Maggiore e Giudecca (Thinkstock)
Florença, na Itália, ao pôr do sol
Vista geral do do fórum romano, com o templo de Júpiter em primeiro plano, em Roma (Thinkstock)
Você também pode chegar à Itália via terrestre, de trem, ônibus ou carro, vindo dos países vizinhos. Estes são excelentes passeios combinados. Pense por exemplo em chegar à Bota através da Côte d’Azur e suas charmosas cidadezinhas mediterrâneas. Se gosta de paisagens dramáticas, por entre vales e picos nevados, pense em atravessar os Alpes por França, Suíça ou Áustria. E se quiser um pouco dos dois, montanhas e mar, passe antes pelas magníficas vistas de Croácia e Eslovênia, à leste. 
A Ponte Rialto, um dos pontos mais cheios de turistas da cidade de Veneza - ao lado dela, há um mercado de produtos regionais, como queijos
No pôr do sol, é possível vislumbrar os paredões cobertos do tom sépia dos últimos raios solares em Cortina DAmpezzo (Thinkstock)
Os prédios dos hotéis iluminados ao redor da Piazza della Republica, na noite de Roma, dão um charme ao lugar (Thinkstock)
COMO CIRCULAR 
Ferroviário 
A forma mais conveniente de circular pela Itália é pelos trens da Trenitalia (www.trenitalia.com). O serviços são razoavelmente frequentes e pontuais, as estações são bem equipadas e a malha chega às principais cidades turísticas do país. Há trens expressos de longa distância, que incluem passagens de primeira e segunda classe. Já para distâncias menores a alternativa são composições locais, mais lentas, que param em várias estações. 
Se quiser uma viagem um tanto mais “apimentada”, com trens velozes, finamente decorados e serviço de cabine mais caprichados, considere embarcar em um NTV (www.ntvspa.it). Sob a grife do grupo Ferrari, estas composições vão de Salerno, ao sul de Nápoles, a Turim e Veneza. Uma viagem de Milão a Roma leva de 3h a 3h30, e de Florença a Nápoles são somente 2h40. 
Piazza Santa Maria in Trastevere, um dos bairros charmosinhos de Roma (Graeme Churchard/Flickr/creative commons)
Além dos arcos que servem como cobertura para as caminhadas quentes do verão e para os dias chuvosos, Bolonha também é conhecida pelas duas torres inclinadas – construídas por ricaços da cidade, que queriam demonstrar seu poderio, hoje elas estão tortas e uma delas (a degli Asinelli) é aberta a visitação
A Fontana di Trevi nunca perde o frisson - todo turista quer jogar moedinha na fonte para garantir um retorno à Roma (Thinkstock)
Restaurante de Trastevere, em Roma, Itália (Xavi/Flickr/creative commons)
Rodoviário 
Como estamos na Itália, também é bastante recomendável alugar um carro para chegar aos lugares onde o trem não vai ou quando paradinhas são mais que obrigatórias. Este é o caso da Toscana, onde uma cidade, vilarejo ou fábrica perdida no meio da paisagem merecem muitos pit-stops. Seja em um Fiat 500 ou numa Ferrari V12, você verá que as estradas normalmente são ótimas e bem sinalizadas — principalmente as do norte do país. Na Sicília e no sul as estradas são um tanto piores, mas bem melhores do que a maioria das que conhecemos no Brasil. Estacionar é razoavelmente fácil nas grandes cidades (com exceção de Roma), mas o trânsito em boa parte delas pode lhe tirar um pouco da magia. 
Capri tem formações rochosas capazes de fazer qualquer um se apaixonar pela geografia da ilha (Dennis Jarvis/Flickr)
Debruçada sobre o mar, a charmosíssima Portofino é visitada por celebridades desde a época de Napoleão Bonaparte (Artur Staszewski/Flickr/Creative Commons)
Aperol Spritz, bebida típica da Itália, apreciada principalmente no verão (Núria/Flickr/Creative commons)
Se não quiser dirigir, ônibus são muito menos frequentes, mas mesmo assim operam com regularidade aceitável. Os valores dos tíquetes não são altos, mas há veículos com limitação de bagagem, principalmente nas viagens mais curtas. 
Praia na Sardenha próxima a Cagliari (Gabriel Garcia Marengo/Flickr)
O antigo mausoléu de Adriano hoje é o Castel SantAngelo, uma fortaleza papal transformada em museu, em Roma (Andreas Tille Wikimedia Commons)
O Ghetto, no norte de Veneza, é um dos bairros judeus mais antigos da Europa - sua ocupação data do século 14; ali é possível visitar o Campo del Ghetto Nuovo, o Museo Ebraico, além de livrarias e cemitérios judaicos (Thinkstock)
ONDE COMER 
Há poucos, pouquíssimos países no mundo onde a gastronomia é tratada com tamanha devoção. Sim, você esgotará sua cota de pizzas, polentas e pastas com molhos para lá de batidos, como o bolonhesa. Mesmo assim, não deixe de provar especialidades locais, feitas com ingredientes locais tão raros como castanhas, cogumelos, embutidos, cortes de carne e queijos que só são encontrados na região de origem. Isso sem falar nos vinhos. 
Se não bastasse a atmosfera mística de Assis, na Itália - foi ali que São Francisco de Assis e Santa Clara nasceram - o pôr do sol do alto da cidade é estupendo, capaz de converter qualquer um. Os últimos raios solares irradiam pelos blocos de pedra das igrejas, deixando-as numa surpreendente tonalidade rosa com dourado (Thinkstock)
O Panteão, em Roma, mantém praticamente a mesma aparência nos seus dois mil anos de existência. A imensa abertura no teto permite a passagem de luz natural, iluminando o interior do prédio que foi convertido em igreja Católica no século 7 (Thinkstock)
Vista aérea de Catania, cidadezinha italiana localizada ao sopé do vulcão Etna, na Sicília (Thinkstock)
Para quem está com o orçamento muito, muito curto, pizza al taglio (em pedaços) e quiosques que vendem deliciosos sanduíches (como muffulettas ou paninis recheados com prosciutto, mozzarella, tomate e manjericão) são uma ótima solução. De sobremesa, prove os imbatíveis sorvetes de casquinha das gelaterias. Já para quem tem alguns euros a mais para gastar, trattorias e osterias oferecem pratos bem servidos, normalmente carnes e massas, a preços bem razoáveis. Para uma refeição mais elaborada, preste atenção nos cardápios dos restaurantes, sempre com um menu do dia para o almoço com entrada (antipasto), prato principal e uma taça de vinho da casa. Para o jantar, normalmente há dois pratos quentes, o primo piatto (sopa, pasta ou arroz) e o secondo piatto (usualmente carne). 
Mercado de Pádua - a cidade pode ser visitada em um dia, a partir de Veneza (darren and brad/CC)
Detalhe da cópia da estátua de Davi, de Michelangelo, na Piazza de la Signoria. A obra original fica na Galleria dellAccademia, em Florença (Thinkstock)
Em Florença, vale se esfaldar para subir o Campanile de Giotto e ver o Duomo de um ângulo único (Thinkstock)
Para um lanchinho vespertino, cafés são uma ótima opção, com todo aquele emaranhado de formas de preparo: curto, longo, ristretto, capuchino, corretto, etc. etc. 
Vegetarianos normalmente não encontrarão casas especializadas, principalmente em cidades menores, mas tampouco terão problemas em achar um prato adequado a eles nos extensos cardápios dos restaurantes. A quantidade de legumes, verduras e cogumelos disponíveis é tão ampla e preparada de forma tão acurada que atrai até os carnívoros. 
Com abertura para o mar, Gênova já rivalizou com os venezianos durante a Idade Média pelo domínio marítimo (Thinkstock)
O Coliseu em Roma, um dos monumentos mais famosos (e mais poderosos) de toda a Itália
Muito bem conservado, o Palácio de Caserta tem o título de Patrimônio da Humanidade pela Unesco. Localizado a 35 quilômetros de Nápoles, seus amplos jardins são um passeio que complementam à perfeição a suntuosidade setecentista do edifício principal LEIA MAIS (pennyjb/CC)
ONDE FICAR 
De um simples ostello (albergue) a um luxuoso palazzo seiscentista, a Itália provê todo tipo de hospedagem. Em curso no pais há um sistema de classificação de uma a cinco estrelas, mais ou menos nos mesmos termos conhecidos aqui no Brasil. Os estabelecimentos de uma a três estrelas muitas vezes são administrados por famílias, em aconchegantes pensioni ou numa simples locanda. Os de quatro e cinco estrelas muitas vezes vêm sob a administração de grandes redes internacionais, com ofertas um tanto desequilibradas. Muitos dos hotéis familiares não possuem banheiro privativo (normalmente eles deixam esta informação bem clara), nem restaurante próprio, somente servindo um café da manhã bem simples. Todavia, apesar da simplicidade, muitos quartos possuem diárias relativamente altas, dependendo muito da localização. Áreas centrais em Florença, Roma e principalmente Veneza podem ter acomodações simplórias, para não dizer descuidadas, sob preços altos, acima de 150 euros. 
O anfiteatro de Verona tem uma capacidade para 30 mil espectadores
A vista da baía e do porto de Nápoles, com o Vesúvio ao fundo, é uma das mais belas da cidade (Thinkstock)
O dia amanhece no Vaticano, um dos lugares obrigatórios para quem visita Roma (Thinkstock)
Do outro lado da moeda, hotéis com banheiro privativo, aquecimento, ar condicionado, recepção 24 horas, restaurante e área de fitness podem facilmente ultrapassar os 200, 250 euros. Se quiser luxo, belas vistas e spa, pode esperar por tarifas acima de 400 euros o casal, sem café da manhã. 
Jardins do Palazzo Pfanner, em Lucca (Thinkstock)
Piazza Maggiore, em Bolonha – de arquitetura única, a cidade é repleta de edifícios antigos em terracota e arcos que protegem do calor intenso no verão ou das chuvas no inverno
No meio da Toscana, entre Florença e Siena, as fachadas de Greve in Chianti têm um charme típico, muito romântico (Thinkstock)
COMPRAS 
A Itália possui alguns dos melhores centros de compras do mundo. Artigos de design, grifes famosas de roupas, acessórios e joalheria, comidinhas tentadoras, perfumes e brinquedos são algumas boas formas de gastar seu suado dinheirinho. Boa parte das lojas abre das 9h30/13h e 15h30/20h, fechando ocasionalmente às segundas, mas isso não é uma regra. Mercados, por exemplo, abrem bem cedo e fecham por volta do almoço. 
A arquitetura mostra o valor histórico de Gênova, a quinta maior cidade italiana (Thinkstock)
As ruas de Sestri Levante, na província de Gênova (Thinkstock)
A Toscana vista das alturas de Montepulciano
Informações ao viajante 
Línguas: Italiano 
Moeda: Euro 
Como ligar para o Brasil: 800-172-211 (Embratel) 
Visto: Não é necessário. 
Embaixada oficial no Brasil: 
SES, Qd. 807, lote 30, Brasília (DF) 
(61) 3442-9900 
Treviso, a pouco mais de 10 quilômetros ao norte de Veneza, tem o apelido carinhoso de "pequena Veneza" (Thinkstock)
Siena faz jus à fama de lugar romântico dos que só se encontram na Toscana, com seu Centro Histórico medieval muito bem preservado (Thinkstock)
As suaves e coloridas colinas da Toscana sob o sol da primavera (Flikr)
Volterra, construída pelos etruscos, fica no topo de um platô e é famosa pela festa medieval que envolve os cidadãos toda segunda quinzena de agosto (Flickr)
Capital: Roma 
População: 60.789.000 hab 
Fuso horário: +4h (horário de Brasília) 
Código de área: 39 
Localização: Europa
ESTA EH A BANDEIRA DA REPÚBLICA DA ITÁLIA
ESTE EH O BRASÃO DA REPÚBLICA DA ITÁLIA

OBRIGADO POR VIAJAR COM A GENTE

GRAZIE PER LA VISITA - SEMPRE TORNARE



Fonte dos textos e fotos: viagemeturismo.abril.com.br / Thymonthy Becker / italia.it / 

Comentários

Páginas que receberam mais visitas

BAEPENDI, MINAS GERAIS - A terra de "Nhá Chica". Baependi é um convite para se deslumbrar com as mais de cinqüenta cachoeiras que cercam a cidade. Na natureza preservada no município estão cerca de 40% do parque ecológico do papagaio, é local ideal para fazer trilhas e acampar em paradisíacos lugares. Baependi é uma das poucas cidades que podem ser visitadas durante qualquer época do ano, sem se preocupar com a programação que irá encontrar pois, o verão é bem definido, sendo um convite para se deslumbrar com as mais de cinqüenta cachoeiras que cercam a cidade e o inverno pouco chuvoso propicia inúmeras opções para enfrentar trilhas e acampar em paradisíacos lugares. A religiosidade ocupa lugar de destaque como um dos fatores que mais atraem os visitantes, uma vez que Baependi foi o lugar onde a serva de Deus, Nhá Chica, concedeu suas graças, hoje em dia inúmeras romarias de diversas partes do país têm como destino o Santuário de Nhá Chica, onde também se encontram seus restos mortais.

COLORADO, RIO GRANDE DO SUL - Será que tem gremista em Colorado? Claro que tem. Colorado é uma pequena cidade do Alto Jacuí. Fundada por imigrantes italianos e alemães. O município tem como base da economia a produção agrícola. Cenários de belezas, cores e aromas que seduzem os turistas. Cenários de belezas, cores e aromas que seduzem os turistas

REPRESA DE FURNAS, SÃO JOSÉ DA BARRA, MINAS GERAIS - No dia 9 de janeiro de 1963 o túnel que desviou o curso do rio Grande para a construção da Usina de Furnas foi fechado e as águas que formaram um dos maiores reservatórios do mundo, criou praias, formou cânions e cachoeiras, inundou vilarejos e mudou para sempre a história dos 34 municípios que ficam ao longo dos 1.440 km2 de extensão do Lago de Furnas. Destes, Capitólio se destaca por oferecer as melhores opções de serviços e infraestrutura turística. Os passeios náuticos, os esportes aquáticos, a pesca esportiva e a exuberância natural são pontos fortes da região, que abrange também parte do Parque Nacional da Serra da Canastra, onde nasce o Rio São Francisco, o "Velho Chico". O Lago de Furnas, também conhecido como "O MAR DE MINAS", é quatro vezes maior que a Baía de Guanabara, no Rio de Janeiro.

BRASÍLIA, DF, BRASIL - Brasília é formada por gente de todos os lugares, todas as idades e de muitas gerações. É uma mistura de sotaques do Nordeste, Sudeste, Norte e Sul do país e até de estrangeiros. Por conta de seu rápido crescimento, já é a quarta cidade mais populosa do país. A maioria dos moradores, 52%, é mulher e tem em média 30 anos. Os primeiros habitantes que chegaram a Brasília vieram, principalmente, atraídos pelos empregos na construção civil e ajudaram na construção da capital. Eles eram chamados de candangos e aqui construíram e criaram famílias. Desses, surgiram os “brasilienses”, o gentílico usado para quem nasceu aqui e adotado por quem veio de fora e assumiu a cidade como sua.

TOMBOS, MINAS GERAIS - Na cachoeira três tombos, verdadeira obra da natureza de imensurável beleza que constitui um cartão postal da cidade com 62 metros de altura. A Gruta Pedra Santa localizada no distrito de Catuné, uma obra construída pela própria natureza. Ao longo do tempo a grande pedra foi desintegrando-se e formou-se um grande salão, onde ergueu-se a capela em Honra a Nossa Senhora de Lourdes. Praças diversas, museu municipal que funciona na antiga estação ferroviária, usina hidrelétrica de Tombos e os dois distritos “Catuné” e “Água Santa” valem uma visita à cidade de Tombos

IGATU, ANDARAÍ, BAHIA - Eh uma verdadeira cidade de pedra. "Sagrada" pra quem viveu lá durante o auge do ciclo do diamante. O trajeto até a vila já é uma atração: a estrada de acesso pela BA-142 é cheia de mirantes naturais. Ao chegar, a impressão é de ter voltado no tempo, quando igatu era chamada de Xique Xique e famosa pela extração de diamantes. Hoje não há farmácias, o hospital mais próximo fica em Andaraí, a 12 km. Em outros tempos quem diria? Cabarés, cassinos, lojas, cadeia, cartório, cinema...

RIO DE JANEIRO, BRASIL - Do primeiro ao último minuto do ano, não falta o que fazer, o que visitar e o que rever no Estado do Rio de Janeiro, que não por acaso ostenta o rótulo de Maravilhoso. Além das praias e de seus outros dois ícones geográficos – o Corcovado e o Pão de Açúcar – o Rio vem ganhando uma série de atrativos culturais e gastronômicos. Quem deixa a capital e percorre o litoral fluminense encontra praias de beleza raríssima. Ao norte, na Região dos Lagos, estão as dunas de Cabo Frio, as águas translúcidas e frias de Arraial do Cabo, boas para mergulho, a badalação de Búzios e as trilhas rurais de Rio das Ostras. De frente para a Baía da Guanabara, Niterói mostra que a vista para a cidade do Rio não é o único atrativo. Além de oferecer, na sua face voltada para o alto mar, trechos de areia ideais para quem quiser fugir do agito de Ipanema e Copacabana, o município começa a explorar o legado das construções assinadas por Oscar Niemeyer, entre elas o famoso Museu de Arte Contemporânea.

GRAMADO, RIO GRANDE DO SUL - Faltava neve à Gramado para que ela assumisse de vez o título de “Suíça brasileira”. Não falta mais: o Snowland, primeiro parque de neve artificial indoor das Américas, trouxe esportes de inverno à cidade, que já era famosa pelas construções enxaimel (aquelas de paredes esquadrinhadas com tirantes de madeira), pelas fondues nos bons restaurantes suíços e pelo climinha gostoso da Serra Gaúcha.

CAMPO BELO, MINAS GERAIS - A primeira cidade do Brasil a ter um time de Rugby (Campo Belo Rugby - CBR) A cidade tem paisagens deslumbrantes com campos a perder de vista. Ideal para a prática de esportes de aventura, ecoturismo, esportes náuticos com várias cachoeiras, praias de água doce além da tradicional e boa comida mineira. Uma cidade tranquila, acolhedora com boas opções para hospedagem

SERRA DO NAVIO, AMAPÁ - A História da Serra do Navio remonta aos anos 1950. A região era rica em manganês e outros minérios. Por isso, a brasileira ICOMI, com sede em Belo Horizonte e atuação em Minas Gerais, foi escolhida para explorar o minério e construir a vila operária, que daria origem à cidade de Serra do Navio. Cada vila tinha 330 casas, prédios coletivos (escolas, hospitais, refeitórios), abrigando até 1.500 pessoas, entre trabalhadores e familiares. Tinha ruas largas, postes de concreto para a fiação elétrica e telefônica, calçadas, parques, clubes com piscina, quadras esportivas, restaurante e lanchonete, drenagem de águas das chuvas e tratamento de água e esgoto. Todas as casas tinham mais de 90m² e contavam com saneamento e energia elétrica, proveniente de geradores da ICOMI.