Pular para o conteúdo principal

POUSO ALEGRE, MINAS GERAIS - Com posição privilegiada Pouso Alegre localiza-se no entroncamento da rodovia Fernão Dias (BR 381) com a BR 459. Cercada por uma cordilheira de morros e montanhas que servem de moldura para uma cidade próspera, com seu povo hospitaleiro. Pouso Alegre possui um dos melhores parques hoteleiros do sul de minas, vida noturna agitada e uma das melhores gastronomias do estado. A infraestrutura urbana oferece segurança e qualidade de vida, amplos espaços para realização de eventos profissionais e empresariais, um dos mais belos teatros do Brasil e um mercado municipal que mantém o espírito dos mercados do interior.




CONHEÇA A CIDADE DE "POUSO ALEGRE", MINAS GERAIS, BRASIL - DA JANELA DO TREM
SEJA MUITO BEM VINDO A CIDADE DE POUSO ALEGRE. MELHOR PARQUE HOTELEIRO DAS MINAS GERAIS.
CIDADE DAS MONTANHAS INFINITAS, QUE LIGAM POUSO ALEGRE ATÉ O RIO DE JANEIRO.
foto - ?
AQUI A CATEDRAL METROPOLITANA DO BOM JESUS
foto - Montanha
UM POUSO ALEGRE
COM POSIÇÃO PRIVILEGIADA POUSO ALEGRE LOCALIZA-SE NO ENTRONCAMENTO DA RODOVIA FERNÃO DIAS (BR 381) COM A BR 459. CERCADA POR UMA CORDILHEIRA DE MORROS E MONTANHAS QUE SERVEM DE MOLDURA PARA UMA CIDADE PRÓSPERA, COM SEU POVO HOSPITALEIRO. POUSO ALEGRE POSSUI UM DOS MELHORES PARQUES HOTELEIROS DO SUL DE MINAS, VIDA NOTURNA AGITADA E UMA DAS MELHORES GASTRONOMIAS DO ESTADO. A INFRAESTRUTURA URBANA OFERECE SEGURANÇA E QUALIDADE DE VIDA, AMPLOS ESPAÇOS PARA REALIZAÇÃO DE EVENTOS PROFISSIONAIS E EMPRESARIAIS, UM DOS MAIS BELOS TEATROS DO BRASIL E UM MERCADO MUNICIPAL QUE MANTÉM O ESPÍRITO DOS MERCADOS DO INTERIOR.
AQUI A TORRE DA CATEDRAL
foto - ?
EM POUSO ALEGRE, O ESTILO DE VIDA DO INTERIOR CONVIVE HARMONIOSAMENTE COM A INFRAESTRUTURA COMPLETA DE UMA GRANDE CIDADE. DE UM LADO, TRANQUILIDADE E SEGURANÇA. DO OUTRO, SOFISTICAÇÃO E DESENVOLVIMENTO.
AQUI A IGREJA DE NOSSA SENHORA DE FÁTIMA
foto - Cris Campanella
POUSO ALEGRE É O PORTÃO DE ENTRADA PARA ROTEIROS TURÍSTICOS INESQUECÍVEIS, O CIRCUITO SERRAS VERDES QUE POSSIBILITA A TRANQUILIDADE BUCÓLICA DOS HOTÉIS-FAZENDAS NO ALTO DAS MONTANHAS E A ADRENALINA DOS ESPORTES RADICAIS. ALÉM DISSO, A CIDADE ESTÁ PRÓXIMA DOS PRINCIPAIS BALNEÁRIOS HIDROMINERAIS MINEIROS E DAS CIDADES DO CIRCUITO DAS MALHAS.
VEJA QUE BELO CASARÃO
foto - Elpídio Justino de Andrde
ESTE EH O ESTÁDIO DO MANDUZÃO
foto - Sten Costa Manso
PARQUE ZOOBOTÂNICO 
Com 386 hectares abriga extraordinária diversidade biológica, compreende espaço turístico e trilhas para os amantes da natureza e de longas caminhadas. Possui um pequeno zoológico com diversos animais e pássaros, um esplendoroso orquidário, área de recreação, cantina, sanitários e uma bela diversidade botânica.
foto - Gilberto Reis
foto - ?
VISTA PARCIAL DA CIDADE
foto - Levi_Pa
PARCIAL DO CENTRO
foto - Montanha
AQUI A ANTIGA ESTAÇÃO FERROVIÁRIA
foto - Montanha
CRISTO REDENTOR
Conhecido como o 2° maior do Brasil, o Cristo Redentor possui 32 metros de altura, um belíssimo mirante e um grande projeto já em andamento, para a construção de lanchonete, sanitários, estacionamento e uma belíssima rampa de voo livre. O trajeto para se chegar ao cristo, recentemente foi reestruturado para oferecer maior segurança aos visitantes.
Foto - pousoalegre.net
TEATRO MUNICIPAL 
Construído em meados de 1875, o Teatro Municipal é o maior palco de artes cênicas do município. Em 15/09/1999 foi totalmente restaurado e reaberto. Por se tratar de uma obra centenária, se tornou um dos grandes ícones da cultura pouso-alegrense.
Foto - pousoalegre.net

MARIA FUMAÇA 
A velha tradição mineira dos trens de ferro revive hoje os seus tempos de glória, através da Maria Fumaça. Com quatro vagões recuperados pela Associação Pró-ferrovia do Sul de Minas, com apoio da Administração Municipal, a “Maria Fumaça” faz um belo passeio, onde são 3 km de percurso, onde ao passageiro é oferecido uma belíssima paisagem mineira. Há também na estação de embarque um museu onde o turista pode conhecer diversos objetos usados no passado.
Foto - pousoalegre.net

MERCADO MUNICIPAL
Ponto de encontro de antigos e novos moradores de Pouso Alegre, o “Mercadão”, como é conhecido, deixou de ser apenas um lugar para as compras de hortifrutigranjeiros para se tornar um relaxante e descontraído ambiente para bate papos e degustação do delicioso pastel de farinha de milho, que é o atrativo principal da culinária local.
foto - ?
VISTA PARCIAL
foto - Nilton L. Carvalho
REGIÃO CENTRAL
foto - P.A.
TREVO DE ACESSO. A NOITE
foto - Altemiro Olinto Cristo
O CRISTO ABRAÇANDO A CIDADE DE POUSO ALEGRE
foto - PMPA
AVENIDA PRINCIPAL COM CATEDRAL AO FUNDO
foto - ?
PARQUE FLORESTAL
foto - ?
VISTA AÉREA
foto - ?
ESTE EDIFÍCIO ESTA NAS PROXIMIDADES DA 381
foto - Thymonthy Becker
ESTA IGREJA FICA NA ENTRADA DA CIDADE, LOGO QUE SAÍMOS DA 381
foto - Thymonthy Becker
ESTE EH UM MONUMENTO A FERNÃO DIAS PAES LEME
foto - Thymonthy Becker
foto - Thymonthy Becker
O MESMO EDIFÍCIO ANTERIOR, VISTO MAIS DE PERTO
foto - Thymonthy Becker
População estimada 2016 (1) - 145.535
Área da unidade territorial 2015 (km²) - 543,068
Densidade demográfica 2010 (hab/km²) - 240,51
Código do Município 3152501
Gentílico - pouso-alegrense
Prefeito 2017 / RAFAEL TADEU SIMOES
ORIGEM DO NOME
Encantados pelo suntuoso panorama que se descortinava a seus olhos e pelos vastos límpidos horizontes que os cercavam, conta-se que um daqueles personagens dissera: "Isto não devia chamar-se Mandu, mas sim Pouso Alegre". E daí veio a denominação que o povo e a lei posteriormente sancionaram". 
Segundo alguns autores, o batismo da localidade como Mandu se derivou da corruptela do nome de um pescador ou tropeiro, que se chamaria Manuel, atendendo pela alcunha de Manduca ou simplesmente Mandu, e que teria sido o primeiro povoador da região. Segundo outros, o nome veio do tupi-guarani mandi-yu (mandi = peixe e yu = amarelo). Atestam Marques de Oliveira e Augusto Vasconcelos que até 1799 a florescente povoação localizada às margens do Mandu era também conhecida pelo nome desse rio.
Gentílico: pouso-alegrense
HISTÓRICO
A história de Pouso Alegre, antigo Arraial de Bom Jesus de Matozinhos do Mandu, tem início no despertar social e econômico da rica região sul-mineira. Data mais ou menos de 1596 o devassamento pelos bandeirantes paulistas do Alto Sapucaí, por onde passaria, em 1601, a expedição de D. Francisco de Souza, da qual fazia parte o alemão Glimmer, o primeiro naturalista a penetrar naquelas paragens. 
Pelos fins do século XVI já se sabia da existência de ouro no Alto Rio Verde e no Alto Sapucaí.
O primeiro marco de povoação em terras de Pouso Alegre teria sido lançado no século XVIII por João da Silva, assim relatado no "Almanaque Sul-Mineiro de 1874", organizado por Bernardo Saturnino da Veiga: "Segundo tradição que se tem conservado, quem primeiro habitou às margens do Mandu foi o aventureiro de nome João da Silva". 
Prosperando em sua lavoura, fez João da Silva, no fim do século passado, doação do terreno necessário à edificação de uma igreja dedicada ao Senhor Bom Jesus. Construiu-se a capela com auxílio de alguns moradores vizinhos e, no ano de 1795, o padre Francisco de Andrade Melo, que então residia na Paróquia de Santana do Sapucaí, veio celebrar a primeira missa que houve nesse lugar, ficando, desde então, como capelão particular. 
Em 1797 o governador D. Bernardo José Lorena, Conde de Sarzedas, que de São Paulo fora transferido para a capitania de Minas Gerais, passou pelo nascente povoado, onde veio a seu encontro o Juiz de Fora de Campanha, Dr. José Joaquim Carneiro de Miranda. 
Crescendo a população do lugar, a cerca de seis léguas da Freguesia de Santa Ana do Sapucaí, surgiu em 1789 a ideia da construção de uma capela, que foi erguida em terreno doado por Antônio José Machado e sob a invocação do Senhor Bom Jesus de Matozinhos. Benta possivelmente em 18 de abril de 1802, teve por capelão o padre José de Melo.
Oito anos depois de inaugurada a capela, o povoado foi elevado à categoria de freguesia. Nomeado vigário colado da vara da freguesia, o Padre José Bento Leite Ferreira de Melo, natural de Campanha, tornou-se figura central da história de Pouso Alegre em seu tempo. 
Em 1830, o Padre Bento, auxiliado por seu coadjutor, padre João Dias de Quadros Aranha, fundou o Pregoeiro Constitucional, jornal de grande relevo na vida política da época, sendo o primeiro a sair no sul de Minas e o quinto na Província. Foi em suas oficinas que se imprimiu o projeto da nova Constituição do Império, chamada "Constituição de Pouso Alegre", preparada por membros do Partido Moderador no intuito de satisfazer as exigências dos mais avançados e pacificar os demais. 
Em 1832 foi levantado o pelourinho, símbolo da emancipação municipal, no Largo da Alegria. No ano seguinte, quando irrompeu a sedição militar em Ouro Preto, Pouso Alegre fez-se presente ao lado da legalidade, enviando numeroso contingente. 
Com a renúncia do padre Diogo Antônio Feijó ao cargo de Regente do Império, e conseqüente mudança da situação política no País, foi organizado no município o Partido Conservador, chefiado por Antônio de Barros Melo.
Em 1842 agravaram-se as lutas políticas locais em conseqüência da agitação em todo o país, que culminou com a Revolução de 1842, atingindo as Províncias de São Paulo e de Minas Gerais. Em Baependi, no sul de Minas, travou-se um combate, com a participação de 360 soldados legalistas de Pouso Alegre, comandados pelo Coronel Julião Florêncio Meyer. 
Em fins de 1849, teve início a construção da nova matriz, benzida em 21 de novembro de 1857 e posteriormente transformada em catedral. Demolida esta, construiu-se outra para sede do Bispado.
ESTA EH A BANDEIRA DA CIDADE DE POUSO ALEGRE, MINAS GERAIS
AQUI O BRASÃO DO MUNICÍPIO DE POUSO ALEGRE, MINAS GERAIS 

ESPERO QUE TENHAM GOSTADO E QUE SEMPRE VOLTE A NAVEGAR EM NOSSO SITE.

As fotos de minha propriedade foram tiradas em Maio de 2012


Fonte dos textos e fotos: IBGE / Thymonthy Becker / Portal do Governo de Pouso Alegre / Wikipédia / pousoalegre.net / 


Comentários

Páginas que receberam mais visitas

BAEPENDI, MINAS GERAIS - A terra de "Nhá Chica". Na natureza preservada no município estão cerca de 40% do parque ecológico do papagaio, é local ideal para fazer trilhas e acampar em paradisíacos lugares. Baependi é uma das poucas cidades que podem ser visitadas durante qualquer época do ano, sem se preocupar com a programação que irá encontrar pois, o verão é bem definido, sendo um convite para se deslumbrar com as mais de cinqüenta cachoeiras que cercam a cidade e o inverno pouco chuvoso propicia inúmeras opções para enfrentar trilhas e acampar em paradisíacos lugares

COLORADO, RIO GRANDE DO SUL - Colorado é uma pequena cidade do Alto Jacuí. Fundada por imigrantes italianos e alemães. O espetáculo, belezas naturais, cores, aromas que seduzem à primeira vista. O município tem como base da economia a produção agrícola. A região possui uma relação muito próxima com as águas e com a geração de energia elétrica, a partir da formação do maior lago artificial do Estado – os Alagados do Passo Real e da Barragem de Ernestina. Bonitas e agradáveis, as cidades proporcionam atrações diversificadas, eventos, muitas festas, gastronomia, artesanato.

REPRESA DE FURNAS, SÃO JOSÉ DA BARRA, MINAS GERAIS - No dia 9 de janeiro de 1963 o túnel que desviou o curso do rio Grande para a construção da Usina de Furnas foi fechado e as águas que formaram um dos maiores reservatórios do mundo, criou praias, formou cânions e cachoeiras, inundou vilarejos e mudou para sempre a história dos 34 municípios que ficam ao longo dos 1.440 km2 de extensão do Lago de Furnas que abrange também parte do Parque Nacional da Serra da Canastra. O Lago de Furnas, também conhecido como "O MAR DE MINAS", é quatro vezes maior que a Baía de Guanabara, no Rio de Janeiro

BRASÍLIA, DF, BRASIL - Brasília é formada por gente de todos os lugares, todas as idades e de muitas gerações. É uma mistura de sotaques do Nordeste, Sudeste, Norte e Sul do país e até de estrangeiros. Por conta de seu rápido crescimento, já é a quarta cidade mais populosa do país. A maioria dos moradores, 52%, é mulher e tem em média 30 anos. Os primeiros habitantes que chegaram a Brasília vieram, principalmente, atraídos pelos empregos na construção civil e ajudaram na construção da capital. Eles eram chamados de candangos e aqui construíram e criaram famílias

TOMBOS, MINAS GERAIS - Na cachoeira três tombos, verdadeira obra da natureza de imensurável beleza que constitui um cartão postal da cidade com 62 metros de altura. A Gruta Pedra Santa localizada no distrito de Catuné, uma obra construída pela própria natureza. Ao longo do tempo a grande pedra foi desintegrando-se e formou-se um grande salão, onde ergueu-se a capela em Honra a Nossa Senhora de Lourdes. Praças diversas, museu municipal que funciona na antiga estação ferroviária, usina hidrelétrica de Tombos e os dois distritos “Catuné” e “Água Santa” valem uma visita à cidade de Tombos

IGATU, ANDARAÍ, BAHIA - Eh uma verdadeira cidade de pedra. "Sagrada" pra quem viveu lá durante o auge do ciclo do diamante. O trajeto até a vila já é uma atração: a estrada de acesso pela BA-142 é cheia de mirantes naturais. Ao chegar, a impressão é de ter voltado no tempo, quando igatu era chamada de Xique Xique e famosa pela extração de diamantes. Hoje não há farmácias, o hospital mais próximo fica em Andaraí, a 12 km. Em outros tempos quem diria? Cabarés, cassinos, lojas, cadeia, cartório, cinema...

SERRA DO NAVIO, AMAPÁ - A História da Serra do Navio remonta aos anos 1950. A região era rica em manganês e outros minérios. Por isso, a brasileira ICOMI, com sede em Belo Horizonte e atuação em Minas Gerais, foi escolhida para explorar o minério e construir a vila operária, que daria origem à cidade de Serra do Navio. Cada vila tinha 330 casas, prédios coletivos (escolas, hospitais, refeitórios), abrigando até 1.500 pessoas, entre trabalhadores e familiares. Tinha ruas largas, postes de concreto para a fiação elétrica e telefônica, calçadas, parques, clubes com piscina, quadras esportivas, restaurante e lanchonete, drenagem de águas das chuvas e tratamento de água e esgoto. Todas as casas tinham mais de 90m² e contavam com saneamento e energia elétrica, proveniente de geradores da ICOMI.

RIO DE JANEIRO, BRASIL - Do primeiro ao último minuto do ano, não falta o que fazer, o que visitar e o que rever no Estado do Rio de Janeiro, que não por acaso ostenta o rótulo de Maravilhoso. Além das praias e de seus outros dois ícones geográficos – o Corcovado e o Pão de Açúcar – o Rio vem ganhando uma série de atrativos culturais e gastronômicos. Quem deixa a capital e percorre o litoral fluminense encontra praias de beleza raríssima. Ao norte, na Região dos Lagos, estão as dunas de Cabo Frio, as águas translúcidas e frias de Arraial do Cabo, boas para mergulho, a badalação de Búzios e as trilhas rurais de Rio das Ostras

GRAMADO, RIO GRANDE DO SUL - Faltava neve à Gramado para que ela assumisse de vez o título de “Suíça brasileira”. Não falta mais: o Snowland, primeiro parque de neve artificial indoor das Américas, trouxe esportes de inverno à cidade, que já era famosa pelas construções enxaimel (aquelas de paredes esquadrinhadas com tirantes de madeira), pelas fondues nos bons restaurantes suíços e pelo climinha gostoso da Serra Gaúcha.

CAMPO BELO, MINAS GERAIS - A primeira cidade do Brasil a ter um time de Rugby (Campo Belo Rugby - CBR) A cidade tem paisagens deslumbrantes com campos a perder de vista. Ideal para a prática de esportes de aventura, ecoturismo, esportes náuticos com várias cachoeiras, praias de água doce além da tradicional e boa comida mineira. Uma cidade tranquila, acolhedora com boas opções para hospedagem