Pular para o conteúdo principal

ITABIRA, MINAS GERAIS - A casa onde o poeta viveu dos 2 aos 16 anos foi alterada, mas mantém ambientes que inspiraram alguns de seus 45 poemas sobre a residência, como o jardim feito pelo irmão José. No alto da cidade, o Memorial Carlos Drummond de Andrade exibe fotos e objetos do itabirano, como uma máquina de escrever. O prédio foi projetado por Oscar Niemeyer, amigo de Drummond. Do lado de fora, uma poética vista de Itabira faz pano de fundo para sua estátua em bronze. Para conhecer os lugares que integraram a obra do autor, o roteiro Caminhos Drummondianos percorre 44 placas espalhadas pelas ruas, com poemas relacionados ao local onde estão afixadas




CONHEÇA A CIDADE DE "ITABIRA", MINAS GERAIS, BRASIL - OLHANDO DA JANELA DO TREM
BEM VINDO A CIDADE DE FERRO. BEM VINDO A ITABIRA. TERRA NATAL DO POETA CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE
foto - Roberta Soriano
AQUI O MUSEU DE ITABIRA
foto - Roberta Soriano
CURIOSIDADE HISTÓRICA
Comprovando a existência de índios na região, no Município de Itabira foram encontrados restos de seus utensílios, armas e objetos de cerâmica, machados de pedra, clavas etc. Entre os exemplares de cerâmica, no distrito de Ipoema descobriram-se as conhecidas e originais "panelas de bugre". No distrito de Senhora do Carmo, no local denominado Conquista, existe uma pedra, conhecida pela designação de Lapa, em que se vêem desenhos indígenas.
A CIDADE ENCRAVADA NAS MONTANHAS DAS MINAS GERAIS
foto -  C. Marino
A CIDADE - PATRIMÔNIO HISTÓRICO E CULTURAL
Segundo o Instituto Estadual do Patrimônio Histórico e Artístico de Minas Gerais, patrimônio cultural é a soma dos bens culturais de um povo, que são portadores de valores que podem ser deixados para as gerações futuras. O patrimônio se apresenta sob diversas formas: os bens imateriais compreendem toda a produção cultural de um povo, desde sua expressão musical, até sua memória oral, passando por elementos caracterizadores de sua civilização. Os bens materiais se dividem em dois grupos básicos: bens móveis - são a produção pictórica, escultórica, material ritual, mobiliário e objetos utilitários - e bens imóveis - não se restringem ao edifício isoladamente, mas compreendem, também, seu entorno, garantindo sua visibilidade e fruição. No acervo de bens imóveis, que constituem o patrimônio de um povo e de um lugar, incluem-se os núcleos históricos e os conjuntos urbanos e paisagísticos, importantes referências para as noções étnicas e cívicas da comunidade.
ALGUMAS IMAGENS DA CIDADE DE ITABIRA
foto -  Portodi
foto - ?
foto - Andarilho
TREM DA VALE DO RIO DOCE
foto - Wikipédia
IGREJA DE NOSSA SENHORA DA SAÚDE
No local existia uma ermida sob a mesma invocação, construída pelos primeiros habitantes da região. A atual edificação teve sua construção iniciada em 1823 e concluída em 1848. Em 1925 passou por várias reformas. Sua arquitetura lembra o padrão formal das capelas coloniais mineiras. Possui estrutura autônoma e vedação em tijolos de adobe e/ou pau-a-pique sobre embasamento de pedra. Abriga o Museu de Arte Sacra que possui, além de obras do Santeiro Itabirano Alfredo Duval, várias imaginárias de valor histórico e religioso.
foto - Roberta Soriano
foto - Roberta Soriano
foto - Roberta Soriano
foto - Roberta Soriano
IGREJA DE NOSSA SENHORA DO ROSÁRIO
foto - Roberta Soriano
SERRA DOS ALVES
O povoado de Serra dos Alves surgiu por volta de 1850, quando bandeirantes começaram a explorar ouro e cristais na região. A localidade encontra-se na vertente Leste da Cadeia do Espinhaço e conserva seus costumes mineiros típicos, hábitos simples e modo de vida tranqüilo da época de seus primeiros moradores. A construção de maior expressão é a Capela de São José que, juntamente com o cruzeiro e as casas de estilo e alinhamentos iguais e voltados para a Igreja, compõem o conjunto histórico e paisagístico da Serra dos Alves, tombado pelo patrimônio municipal.
foto - Rodrigo M. Pedrosa
CAPELA DE SÃO JOSÉ NA SERRA DOS ALVES
Construída por volta de 1860, a capela possui características coloniais, estrutura autônoma de madeira e vedação em adobe e pau-a-pique sobre embasamento de pedra, retábulo de madeira e imagens de valor histórico notável. A Igreja abriga diversas festas como de Nossa Senhora da Conceição, São José, Divino Espírito Santo, Nossa Senhora do Rosário, dentre outras, sempre programadas e executadas pela população local.
Para visitar a capela é necessário procurar por Geraldo ou Fatinha, que detém as chaves da mesma.
foto - Emerson Silva
foto - ?
foto - Rodrigo M. Pedrosa
foto - Emerson Silva
MORRO REDONDO
foto - Roneijober Andrade
ESTRADA PARA O MORRO REDONDO
foto - Max
CAPELA DO BOM JESUS NO ALTO DO MORRO REDONDO
Capela localizada no alto do Morro Redondo. Possui arquitetura inspirada no barroco mineiro. No ano de 2010 recebeu obras de revitalização e novas obras de Vilma Noël (escultura "O Destino"). É necessário destacar as festas religiosas e caminhadas que acontecem na capela como um de seus maiores atrativos, além da bela paisagem que se contempla do seu alto.
foto - Roneijober Andrade
MUSEU DO TROPEIRO
O Museu do Tropeiro de Ipoema, distrito de Itabira, caminha para se transformar em um banco de informações referência nacional em pesquisa sobre a cultura tropeira no país. Para isso, vai contar com a parceria do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), segundo o professor e escritor Carlos Solera, coordenador do projeto Tropeiro Brasil.
foto -  ?
foto - Montanha
CASA DE CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE
foto - Roberta Soriano
foto - Aroldinho dos Reis
CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE
A casa onde o poeta viveu dos 2 aos 16 anos foi alterada, mas mantém ambientes que inspiraram alguns de seus 45 poemas sobre a residência, como o jardim feito pelo irmão José (Pça. do Centenário, 137, tel. 3835-3894, 2ª/6ª 8h/18h, sáb/dom 10h30/16h30). No alto da cidade, o Memorial Carlos Drummond de Andrade exibe fotos e objetos do itabirano, como uma máquina de escrever. O prédio foi projetado por Oscar Niemeyer, amigo de Drummond. Do lado de fora, uma poética vista de Itabira faz pano de fundo para sua estátua em bronze (Pico do Amor, acesso pelo bairro Campestre, 3835-2156, 3ª/6ª 8h/18h, sáb/dom 10h30/16h30). Para conhecer os lugares que integraram a obra do autor, o roteiro Caminhos Drummondianos percorre 44 placas espalhadas pelas ruas, com poemas relacionados ao local onde estão afixadas – o circuito dura um dia todo (R$ 150 por grupo de até 50 pessoas; contratar no Memorial).
foto - Roberta Soriano
foto - Roberta Soriano
PARQUE NATURAL MUNICIPAL DO INTELECTO / MEMORIAL CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE
foto - Wikipédia
foto - Roberta Soriano
foto - M. G. Torres
foto - Aroldinho dos Reis
foto - Roberta Soriano
foto - Roberta Soriano
FAZENDA DO PONTAL
foto - Roberta Soriano
foto - Roberta Soriano
foto - Roberta Soriano
CENTRO HISTÓRICO
O centro histórico de Itabira abriga antigos casarões, cuja arquitetura colonial mineira é de grande significado artístico histórico e cultural. Possuidora de um belo acervo arquitetônico que forma o centro histórico, Itabira conta com sobrados e casarões construídos no final do século XVIII e início do século XIX. Essas construções com características da arquitetura colonial mineira foram erguidas em estrutura autônoma de madeira com vedação em alvenaria de adobe e pau-a-pique sobre embasamento de pedras.
foto - Roberta Soriano
foto - ?
foto - ?
foto - ?
foto - Marcelo Rosa
CACHOEIRAS DA CIDADE
foto - Barbosa
foto - José Gustavo A. Murta
foto - Emerson Silva
foto - Emerson Silva
foto - Barbosa
ENTORNO DA CIDADE
foto - M. G. Torres
População estimada 2016 (1) - 118.481
Área da unidade territorial 2015 (km²) - 1.253,704
Densidade demográfica 2010 (hab/km²) - 87,57
Código do Município 3131703
Gentílico - itabirano
ORIGEM DO NOME
O nome "Itabira" se origina da antiga língua tupi, significando "pedra que brilha", através da junção dos termos itá ("pedra") e byra ("que brilha")
Gentílico: itabirano
HISTÓRICO
“Descobriram-se, em 1698, as Minas Gerais, (sic) as do Ouro Preto, as do Morro, as do Ouro Branco, as de São Bartolomeu, Ribeirão do Carmo, Itacolomi, Itatiaia, Itabira”, escreve Rocha Pita, em sua “História da América Portuguesa”, citada por Francisco Ignácio Ferreira, em seu “Dicionário Geográfico das Minas do Brasil”, edição de 1885.
Apesar disto, a tradição local dá o ano de 1720 como ponto de partida de sua história, iniciando-se com a aventura de dois mineradores que, encontrando-se no Itambé, e divisando ao longe a característica silhueta do pico mais tarde batizado de “cane”( em que em língua africana, significa “irmãos”), para lá se dirigiram, encontrando ouro nos ribeiros que desciam das encostas.
Os dois mineradores irmãos, Francisco e Salvador Faria de Albanaz, que eram paulistas e descendentes de bandeirantes - os Camargos - voltaram ao ponto de origem em busca de escravos, apetrechos e víveres, retornando ao Caué; não se sabe, ao certo, por quanto tempo desfrutaram sós as minas descobertas, mas a fama correu célebre e não faltaram concorrentes, adquirindo direitos aos primeiros desbravadores, que vieram se fixar nas redondezas. Pequenas cabanas foram surgindo pelas margens dos córregos. Instalavam-se não muitos distantes uns dos outros, que o gentio em torno impunha respeito e, não raro, investia contra os usurpadores de seus direitos naturais, infligindo-lhes castigos severos. O provável, no entanto, é que estes choques violentos fossem sistemáticos e só ocorressem por imprudência nas relações de brancos e índios.
No fim do século XVIII, o povoado tomara consistência, unificando-se mais ou menos para os lados do Córrego da Penha, já tendo início os arruamentos de “Sant’Ana, do Rosário” e dos “Padres”.
Conhece-se a data da chegada de alguns dos moradores que, vindos depois dos irmãos Albanaz, fixaram-se nesse povoado; João Pereira da Silva chegou em 6 de junho de 1737; Antônio Pereira da Silva, em 20 de setembro de 1739; Antônio Lopes, padre Manoel do Rosário e João Ferreira Ramos, em 27 de abril de 1764. Pouco mais tarde, chegaram Francisco da Costa Lage e Francisco de Paula Andrade. Ainda por um antigo documento, sabe-se que a primeira mulher a chegar ao local foi a senhora Maria do Couto.
A essa altura, se construi uma capela, escolhida Nossa Senhora do Rosário como padroeira local. 
Em 1827, o povoado já desenvolvido e livre dos ataques dos índios, pela chegada de um Destacamento chefiado pelo capitão Francisco Procópio de Alvarenga Monteiro, que os dizimara até a longínqua região de Ferros, recebeu a categoria de “arraial”, pertencente à vila Nova da Rainha (hoje, Caeté), e, na mesma época, elevava-se à freguesia.
A mineração do ouro entrou em declínio, o que não arrefeceu o impulso inicial da povoação, pois, ao brilho sedutor do ouro, sucedia uma nova riqueza mineral, menos bela e mais útil, o ferro.
Surgiram as primeiras forjas. Um dos pioneiros da nova indústria foi o fundador: Domingos Barbosa, que se instruíra a respeito em Mariana, sendo o primeiro construtor de forjas Manoel Fernandes Nunes. Não só se fundia o minério de ferro, como dele manufaturavam-se variados objetos, ferramentas e até armas, como as espingardas ali fabricadas e adquiridas pelo próprio Governo Real, que financiava as fábricas.
Em 1867, subia a 84 o número de forjas nas regiões de Itabira e Santa Bárbara, segundo afirma em um seu relatório o Conselheiro João Crispim Soares. Ainda hoje no local denominado Girau, no distrito da sede, persistem ruínas de algumas dessas forjas.
Daí para cá, o ferro tem sido o sustentáculo da vida econômica do município, jamais tendo cessado a extração do minério em escalas cada vez mais importantes. Saint-Hilaire, o ilustre visitante que percorreu o Brasil, afirmou sobre as reservas minerais de Itabira que bastavam por si sós para o suprimento integral de todo o mundo, por séculos. Suas serras, montes e picos de “hematita” e “manganês” dão imponente testemunho de suas riquezas, em muda concordância com a previsão de Saint-Hilaire. Modernamente, se admite existência de minerais atômicos na área do município.
O padrão econômico dos moradores foi sempre elevado em relação ao de outras zonas do Estado, permitindo às tradicionais famílias locais a construção de grandes residências em estilo colonial, que ainda hoje dão à cidade um aspecto senhorial e característico.
O centenário da elevação de sua sede à categoria de vila foi comemorado em 1948, com grandes festividades cívicas.
ESTA EH A BANDEIRA DA CIDADE DE ITABIRA, MINAS GERAIS
ESTE EH O BRASÃO DO MUNICÍPIO DE ITABIRA, MINAS GERAIS

VALEU PELA VISITA




fonte dos textos e fotos: Thymonthy Becker / Wikipédia / IBGE / Governo de Itabira, MG / viagemeturismo.abril.com.br /

Comentários

Páginas que receberam mais visitas

BAEPENDI, MINAS GERAIS - A terra de "Nhá Chica". Baependi é um convite para se deslumbrar com as mais de cinqüenta cachoeiras que cercam a cidade. Na natureza preservada no município estão cerca de 40% do parque ecológico do papagaio, é local ideal para fazer trilhas e acampar em paradisíacos lugares. Baependi é uma das poucas cidades que podem ser visitadas durante qualquer época do ano, sem se preocupar com a programação que irá encontrar pois, o verão é bem definido, sendo um convite para se deslumbrar com as mais de cinqüenta cachoeiras que cercam a cidade e o inverno pouco chuvoso propicia inúmeras opções para enfrentar trilhas e acampar em paradisíacos lugares. A religiosidade ocupa lugar de destaque como um dos fatores que mais atraem os visitantes, uma vez que Baependi foi o lugar onde a serva de Deus, Nhá Chica, concedeu suas graças, hoje em dia inúmeras romarias de diversas partes do país têm como destino o Santuário de Nhá Chica, onde também se encontram seus restos mortais.

COLORADO, RIO GRANDE DO SUL - Será que tem gremista em Colorado? Claro que tem. Colorado é uma pequena cidade do Alto Jacuí. Fundada por imigrantes italianos e alemães. O município tem como base da economia a produção agrícola. Cenários de belezas, cores e aromas que seduzem os turistas. Cenários de belezas, cores e aromas que seduzem os turistas

REPRESA DE FURNAS, SÃO JOSÉ DA BARRA, MINAS GERAIS - No dia 9 de janeiro de 1963 o túnel que desviou o curso do rio Grande para a construção da Usina de Furnas foi fechado e as águas que formaram um dos maiores reservatórios do mundo, criou praias, formou cânions e cachoeiras, inundou vilarejos e mudou para sempre a história dos 34 municípios que ficam ao longo dos 1.440 km2 de extensão do Lago de Furnas. Destes, Capitólio se destaca por oferecer as melhores opções de serviços e infraestrutura turística. Os passeios náuticos, os esportes aquáticos, a pesca esportiva e a exuberância natural são pontos fortes da região, que abrange também parte do Parque Nacional da Serra da Canastra, onde nasce o Rio São Francisco, o "Velho Chico". O Lago de Furnas, também conhecido como "O MAR DE MINAS", é quatro vezes maior que a Baía de Guanabara, no Rio de Janeiro.

BRASÍLIA, DF, BRASIL - Brasília é formada por gente de todos os lugares, todas as idades e de muitas gerações. É uma mistura de sotaques do Nordeste, Sudeste, Norte e Sul do país e até de estrangeiros. Por conta de seu rápido crescimento, já é a quarta cidade mais populosa do país. A maioria dos moradores, 52%, é mulher e tem em média 30 anos. Os primeiros habitantes que chegaram a Brasília vieram, principalmente, atraídos pelos empregos na construção civil e ajudaram na construção da capital. Eles eram chamados de candangos e aqui construíram e criaram famílias. Desses, surgiram os “brasilienses”, o gentílico usado para quem nasceu aqui e adotado por quem veio de fora e assumiu a cidade como sua.

TOMBOS, MINAS GERAIS - Na cachoeira três tombos, verdadeira obra da natureza de imensurável beleza que constitui um cartão postal da cidade com 62 metros de altura. A Gruta Pedra Santa localizada no distrito de Catuné, uma obra construída pela própria natureza. Ao longo do tempo a grande pedra foi desintegrando-se e formou-se um grande salão, onde ergueu-se a capela em Honra a Nossa Senhora de Lourdes. Praças diversas, museu municipal que funciona na antiga estação ferroviária, usina hidrelétrica de Tombos e os dois distritos “Catuné” e “Água Santa” valem uma visita à cidade de Tombos

IGATU, ANDARAÍ, BAHIA - Eh uma verdadeira cidade de pedra. "Sagrada" pra quem viveu lá durante o auge do ciclo do diamante. O trajeto até a vila já é uma atração: a estrada de acesso pela BA-142 é cheia de mirantes naturais. Ao chegar, a impressão é de ter voltado no tempo, quando igatu era chamada de Xique Xique e famosa pela extração de diamantes. Hoje não há farmácias, o hospital mais próximo fica em Andaraí, a 12 km. Em outros tempos quem diria? Cabarés, cassinos, lojas, cadeia, cartório, cinema...

RIO DE JANEIRO, BRASIL - Do primeiro ao último minuto do ano, não falta o que fazer, o que visitar e o que rever no Estado do Rio de Janeiro, que não por acaso ostenta o rótulo de Maravilhoso. Além das praias e de seus outros dois ícones geográficos – o Corcovado e o Pão de Açúcar – o Rio vem ganhando uma série de atrativos culturais e gastronômicos. Quem deixa a capital e percorre o litoral fluminense encontra praias de beleza raríssima. Ao norte, na Região dos Lagos, estão as dunas de Cabo Frio, as águas translúcidas e frias de Arraial do Cabo, boas para mergulho, a badalação de Búzios e as trilhas rurais de Rio das Ostras. De frente para a Baía da Guanabara, Niterói mostra que a vista para a cidade do Rio não é o único atrativo. Além de oferecer, na sua face voltada para o alto mar, trechos de areia ideais para quem quiser fugir do agito de Ipanema e Copacabana, o município começa a explorar o legado das construções assinadas por Oscar Niemeyer, entre elas o famoso Museu de Arte Contemporânea.

GRAMADO, RIO GRANDE DO SUL - Faltava neve à Gramado para que ela assumisse de vez o título de “Suíça brasileira”. Não falta mais: o Snowland, primeiro parque de neve artificial indoor das Américas, trouxe esportes de inverno à cidade, que já era famosa pelas construções enxaimel (aquelas de paredes esquadrinhadas com tirantes de madeira), pelas fondues nos bons restaurantes suíços e pelo climinha gostoso da Serra Gaúcha.

CAMPO BELO, MINAS GERAIS - A primeira cidade do Brasil a ter um time de Rugby (Campo Belo Rugby - CBR) A cidade tem paisagens deslumbrantes com campos a perder de vista. Ideal para a prática de esportes de aventura, ecoturismo, esportes náuticos com várias cachoeiras, praias de água doce além da tradicional e boa comida mineira. Uma cidade tranquila, acolhedora com boas opções para hospedagem

SERRA DO NAVIO, AMAPÁ - A História da Serra do Navio remonta aos anos 1950. A região era rica em manganês e outros minérios. Por isso, a brasileira ICOMI, com sede em Belo Horizonte e atuação em Minas Gerais, foi escolhida para explorar o minério e construir a vila operária, que daria origem à cidade de Serra do Navio. Cada vila tinha 330 casas, prédios coletivos (escolas, hospitais, refeitórios), abrigando até 1.500 pessoas, entre trabalhadores e familiares. Tinha ruas largas, postes de concreto para a fiação elétrica e telefônica, calçadas, parques, clubes com piscina, quadras esportivas, restaurante e lanchonete, drenagem de águas das chuvas e tratamento de água e esgoto. Todas as casas tinham mais de 90m² e contavam com saneamento e energia elétrica, proveniente de geradores da ICOMI.