Pular para o conteúdo principal

CURTA PASSAR UMA NOITE NA PRISÃO DE ALCATRAZ, SAN FRANCISCO, USA - Na minha última viagem para San Francisco escolhi visitar Alcatraz durante um passeio noturno. Quando eu morava lá, tinha feito o tour da manhã e tinha gostado muito, mas li bastante sobre a diferença entre os dois e me arrisquei no frio/fogo e fui. Era abril e escurece tarde em San Francisco. Então, depois de um longo dia de passeio, peguei o ferry ainda dia – e sai de lá a noite. Ver o skyline de San Francisco dessas duas maneiras só te deixa ainda mais encantado pela cidade.




CURTA PASSAR UMA NOITE NA "PRISÃO DE ALCATRAZ", SAN FRANCISCO, USA - OLHANDO DA JANELA DO TREM
Na minha última viagem para San Francisco escolhi visitar Alcatraz durante um passeio noturno. 
Quando eu morava lá, tinha feito o tour da manhã e tinha gostado muito, mas li bastante sobre a diferença entre os dois e me arrisquei no frio/fogo e fui. 

QUE SURPRESA!
Era abril e escurece tarde em San Francisco. Então, depois de um longo dia de passeio, peguei o ferry ainda dia – e sai de lá a noite. Ver o skyline de San Francisco dessas duas maneiras só te deixa ainda mais encantado pela cidade. 

Mas vamos voltar ao tour… O barco sai do Pier 33, dá para ir caminhando do pier 39 (centrinho cheio de lojas e restaurantes). O guia te acompanha desde a partida e, antes de deixar os passageiros descerem do ferry, ele dá uma volta completa na ilha de Alcatraz contando cada detalhe do que acontecia naquele lugar. Isso não acontece nos tours de dia. 

Em seguida, o guia dá mais algumas instruções e te encaminha até o local onde pegamos o áudio. Comemore, tem em português! Mas se seu inglês estiver afiado, opte pelo áudio em inglês. Ele foi feito com a voz de alguns prisioneiros e trabalhadores da prisão. 

Embarquei às 17h45 e fiquei sabendo que o barco de volta só sairia às 20h40. Achei tarde, muito tempo de passeio, mas no final tudo se encaixou direitinho. O tempo do áudio é exatamente o tempo que eles nos deixam por lá, andando ‘livremente’ na temida e apelidada The Rock.

A primeira ‘recepção’ é onde os presidiários tomavam banho. Um galpão frio, com chuveiros enfileirados e uma ou duas privadas. Privacidade zero, mas água quente! Acho que tomar banho gelado em San Francisco seria o equivalente a pena de morte.

Uma das regras da prisão resume bem o que acontecia lá dentro: “Você terá direito a comida, abrigo, vestuário e assistência médica. Qualquer coisa, além disso, será considerado um privilégio.”

O passeio te leva para dentro das celas, do local onde eles se banhavam, da cozinha, caixa d’água, o gerador de Energia, o antigo depósito ou armazém do complexo e até da UTI – aberta somente no passeio noturno e, pode apostar, impressionante! Alguns objetos usados na época estão expostos, incluindo macas, máquinas de raio-x, privadas, chuveiros, camas, armários e utensílios de cozinha.

O corredor de celas é um dos lugares mais legais do passeio. Algumas fotos dos ex-presidiários ficam expostas no local e ajudam sua imaginação ir ainda mais além enquanto você escuta depoimentos reais de como era a vida dentro da prisão.

Alguns dizem que não, mas eu senti o clima beeeem pesado. Não é todo dia que você entra na “casa” de Al Capone e de outros homens mais perigosos dos EUA naquela época, né?

O tour noturno é mais completo e também tem algumas atividades extras como uma ‘encenação’ da abertura e fechamento das celas (sim, muito barulho e parece que a qualquer momento você vai ser preso), mais detalhes de histórias de alguns dos fugitivos e até a experiência de ficar durante 30 segundos trancado dentro da cela solitária, sem uma frestinha de luz. (Entre e torça para nenhum turista sem noção acender o flash da câmera para tirar uma selfie).

Em determinado momento, é possível ver uma cela que foi cavada para fugo por três irmãos que usaram colheres e outras ferramentas que ninguém sabe como foram parar ali.

Ah! Diferente do tour diurno, você não tem várias opções de ferry para voltar. São apenas dois horários.

O passeio noturno é superconcorrido, então se organize para comprar o ticket o quanto antes. Em algumas épocas do ano, funcionários o aconselham que compre com 2 meses de antecedência.

SOBRE A ILHA DE ALCATRAZ
A prisão de segurança máxima mais famosa Estados Unidos, projetada para abrigar os presos mais perigosos da época, foi criada em 1934 e funcionou até 1963. O complexo foi fechado por conta do alto custo de manutenção. Além dos detentos, os familiares dos funcionários (esposas e filhos) moravam no local. Parte da comida era plantada em uma ilha vizinha, o que aumentava ainda mais os custos. Ela fica em uma ilha rochosa na baía de San Francisco, a menos de 2 km da costa.

Além do gângster de Chicago, Al Capone, outros mafiosos famosos passaram por lá, como Doc Barker, George Machine Gun Kelly, Floyd Hamilton, Robert Stroud e os irmãos Anglin – entraram para a história depois de tentarem fugir em um bote e nunca mais serem encontrados. Há quem diga que eles foram para a América do Sul. Outros apostam que foram devorados por tubarões (já podemos desconsiderar essa hipótese: os tubarões que cercavam a ilha não comiam carne humana).

Apesar da distância curta, o mar gelado e as correntes marítimas tornavam a fuga praticamente impossível. Nunca aconteceu uma única execução em Alcatraz, apenas 5 suicídios e 8 assassinatos.

As celas de Alcatraz nunca estiveram com sua capacidade máxima de lotação. A média de prisioneiros lá era de 260.
O farol da ilha de Alcatraz foi construído para proteger a Califórnia dos ataques de piratas espanhóis e mexicanos. Ele foi aceso pela primeira vez no dia 1º de junho de 1854, muitos anos antes da Ilha se tornar uma penitenciária.

Atualmente a Ilha de Alcatraz recebe cerca de 1,3 milhão de visitantes todos os anos e fecha somente durante o Natal e Ano Novo. Ela é um ponto turístico operado pelo National Park Service e pela Área de Recreação Golden Gate.

VALEU PELA VISITA - SEMPRE VOLTE


Fonte dos textos e fotos: msn.com / RoadTrio / Thymonthy Thymberthy Becker /


Comentários

Páginas que receberam mais visitas

BAEPENDI, MINAS GERAIS - A terra de "Nhá Chica". Na natureza preservada no município estão cerca de 40% do parque ecológico do papagaio, é local ideal para fazer trilhas e acampar em paradisíacos lugares. Baependi é uma das poucas cidades que podem ser visitadas durante qualquer época do ano, sem se preocupar com a programação que irá encontrar pois, o verão é bem definido, sendo um convite para se deslumbrar com as mais de cinqüenta cachoeiras que cercam a cidade e o inverno pouco chuvoso propicia inúmeras opções para enfrentar trilhas e acampar em paradisíacos lugares

COLORADO, RIO GRANDE DO SUL - Colorado é uma pequena cidade do Alto Jacuí. Fundada por imigrantes italianos e alemães. O espetáculo, belezas naturais, cores, aromas que seduzem à primeira vista. O município tem como base da economia a produção agrícola. A região possui uma relação muito próxima com as águas e com a geração de energia elétrica, a partir da formação do maior lago artificial do Estado – os Alagados do Passo Real e da Barragem de Ernestina. Bonitas e agradáveis, as cidades proporcionam atrações diversificadas, eventos, muitas festas, gastronomia, artesanato.

REPRESA DE FURNAS, SÃO JOSÉ DA BARRA, MINAS GERAIS - No dia 9 de janeiro de 1963 o túnel que desviou o curso do rio Grande para a construção da Usina de Furnas foi fechado e as águas que formaram um dos maiores reservatórios do mundo, criou praias, formou cânions e cachoeiras, inundou vilarejos e mudou para sempre a história dos 34 municípios que ficam ao longo dos 1.440 km2 de extensão do Lago de Furnas que abrange também parte do Parque Nacional da Serra da Canastra. O Lago de Furnas, também conhecido como "O MAR DE MINAS", é quatro vezes maior que a Baía de Guanabara, no Rio de Janeiro

BRASÍLIA, DF, BRASIL - Brasília é formada por gente de todos os lugares, todas as idades e de muitas gerações. É uma mistura de sotaques do Nordeste, Sudeste, Norte e Sul do país e até de estrangeiros. Por conta de seu rápido crescimento, já é a quarta cidade mais populosa do país. A maioria dos moradores, 52%, é mulher e tem em média 30 anos. Os primeiros habitantes que chegaram a Brasília vieram, principalmente, atraídos pelos empregos na construção civil e ajudaram na construção da capital. Eles eram chamados de candangos e aqui construíram e criaram famílias

TOMBOS, MINAS GERAIS - Na cachoeira três tombos, verdadeira obra da natureza de imensurável beleza que constitui um cartão postal da cidade com 62 metros de altura. A Gruta Pedra Santa localizada no distrito de Catuné, uma obra construída pela própria natureza. Ao longo do tempo a grande pedra foi desintegrando-se e formou-se um grande salão, onde ergueu-se a capela em Honra a Nossa Senhora de Lourdes. Praças diversas, museu municipal que funciona na antiga estação ferroviária, usina hidrelétrica de Tombos e os dois distritos “Catuné” e “Água Santa” valem uma visita à cidade de Tombos

IGATU, ANDARAÍ, BAHIA - Eh uma verdadeira cidade de pedra. "Sagrada" pra quem viveu lá durante o auge do ciclo do diamante. O trajeto até a vila já é uma atração: a estrada de acesso pela BA-142 é cheia de mirantes naturais. Ao chegar, a impressão é de ter voltado no tempo, quando igatu era chamada de Xique Xique e famosa pela extração de diamantes. Hoje não há farmácias, o hospital mais próximo fica em Andaraí, a 12 km. Em outros tempos quem diria? Cabarés, cassinos, lojas, cadeia, cartório, cinema...

SERRA DO NAVIO, AMAPÁ - A História da Serra do Navio remonta aos anos 1950. A região era rica em manganês e outros minérios. Por isso, a brasileira ICOMI, com sede em Belo Horizonte e atuação em Minas Gerais, foi escolhida para explorar o minério e construir a vila operária, que daria origem à cidade de Serra do Navio. Cada vila tinha 330 casas, prédios coletivos (escolas, hospitais, refeitórios), abrigando até 1.500 pessoas, entre trabalhadores e familiares. Tinha ruas largas, postes de concreto para a fiação elétrica e telefônica, calçadas, parques, clubes com piscina, quadras esportivas, restaurante e lanchonete, drenagem de águas das chuvas e tratamento de água e esgoto. Todas as casas tinham mais de 90m² e contavam com saneamento e energia elétrica, proveniente de geradores da ICOMI.

RIO DE JANEIRO, BRASIL - Do primeiro ao último minuto do ano, não falta o que fazer, o que visitar e o que rever no Estado do Rio de Janeiro, que não por acaso ostenta o rótulo de Maravilhoso. Além das praias e de seus outros dois ícones geográficos – o Corcovado e o Pão de Açúcar – o Rio vem ganhando uma série de atrativos culturais e gastronômicos. Quem deixa a capital e percorre o litoral fluminense encontra praias de beleza raríssima. Ao norte, na Região dos Lagos, estão as dunas de Cabo Frio, as águas translúcidas e frias de Arraial do Cabo, boas para mergulho, a badalação de Búzios e as trilhas rurais de Rio das Ostras

GRAMADO, RIO GRANDE DO SUL - Faltava neve à Gramado para que ela assumisse de vez o título de “Suíça brasileira”. Não falta mais: o Snowland, primeiro parque de neve artificial indoor das Américas, trouxe esportes de inverno à cidade, que já era famosa pelas construções enxaimel (aquelas de paredes esquadrinhadas com tirantes de madeira), pelas fondues nos bons restaurantes suíços e pelo climinha gostoso da Serra Gaúcha.

CAMPO BELO, MINAS GERAIS - A primeira cidade do Brasil a ter um time de Rugby (Campo Belo Rugby - CBR) A cidade tem paisagens deslumbrantes com campos a perder de vista. Ideal para a prática de esportes de aventura, ecoturismo, esportes náuticos com várias cachoeiras, praias de água doce além da tradicional e boa comida mineira. Uma cidade tranquila, acolhedora com boas opções para hospedagem