Pular para o conteúdo principal

PORTO COVO, LISBOA, PORTUGAL - Uma vilinha encantadora de pouco mais de mil habitantes, tem um ar vintage, uma combinação de sonho de casas brancas + enseadas de águas transparentes + bons restaurantes. A Costa Vicentina é um dos segredos mais bem guardados de Portugal: um trecho de cerca de 100 quilômetros de parque natural que margeia o Atlântico de norte a sul unindo os mais bonitos trechos de litoral entre o Alentejo e o Algarve. Uma região onde os campos de oliveiras chegam quase ao mar, as dunas desenham lindas paisagens e o mar molda baías ora pequeninas, ora extensas, sempre de areias fininhas e águas transparentes.




AO SUL DE LISBOA, PORTO COVO É O MELHOR DO VERÃO EM PORTUGAL - OLHANDO DA JANELA DO TREM
A rua principal da vila: (acima) pouco mais de mil habitantes (Bruno Barata/Reprodução)
A pracinha da cidade, (abaicxo) com barracas de tererê: passeio à moda antiga (Bruno Barata/Reprodução)
A Costa Vicentina é um dos segredos mais bem guardados de Portugal: um trecho de cerca de 100 quilômetros de parque natural que margeia o Atlântico de norte a sul unindo os mais bonitos trechos de litoral entre o Alentejo e o Algarve. 
Uma região onde os campos de oliveiras chegam quase ao mar, as dunas desenham lindas paisagens e o mar molda baías ora pequeninas, ora extensas, sempre de areias fininhas e águas transparentes. 
Casinha típica de Porto Covo: fachada branca e portas e janelas coloridas (Bruno Barata/Reprodução)
A Ilha do Pessegueiro, ao sul da vila: inspiração de música (Bruno Barata/Reprodução)
Porto Covo, uma vilinha encantadora de pouco mais de mil habitantes, é a primeira parada na região para quem vem de Lisboa (são cerca de 170 quilômetros ao sul da capital portuguesa). O cenário é arrebatador: de um lado, casinhas caiadas de branco, de portas e janelas coloridas, poucas ruinhas e praças cheias de charme… 
…do outro, uma sequência de praias pronta para fazer a festa de qualquer Instagram. 
A Praia Grande: mais ampla e pertinho do centro (Bruno Barata/Reprodução)
O visual arrebatador da Praia do Serro da Águia: pequena baía aos pés das falésias (Bruno Barata/Reprodução)
Detalhe: aqui as praias são cercadas de falésias e acessíveis por trilhas ou escadinhas, que levam até lá embaixo. A maior vantagem é que as baías ficam protegidas do vento e tendem a ter águas mais calmas. 
Um dos lugares mais queridinhos da Costa Vicentina, Porto Covo mantém o astral de vila pequenina do interior. Tudo gira em torno da praça e de uma rua principal, onde estão enfileirados alguns restaurantes, lojinhas de suvenires e, no verão, barraquinhas de tererê e tatuagem temporária. 
A Praia do Serro da Águia vista do alto da falésia: segredinho local (Bruno Barata/Reprodução)
As escadinhas de acesso às praias da região: antes do paraíso, um pequeno purgatório (Bruno Barata/Reprodução)
A poucos passos do centro fica a Praia Grande, um pouco mais aberta e a mais concorrida, pois não é preciso ter carro para ir até lá. 
Ao sul da cidade fica a Ilha do Pessegueiro, bem pertinho da costa, musa inspiradora do cantor Rui Veloso: 
“Havia um pessegueiro na ilha 
Plantado por um Vizir de Odemira 
Que dizem que por amor se matou novo 
Aqui, no lugar de Porto Côvo” 
A Praia da Samouqueira: rochedos desenham belas paisagens (Bruno Barata/Reprodução)
A sequência de enseadas de Porto Covo: parque natural (Bruno Barata/Reprodução)
Ao norte vem uma sequência de prainhas idílicas. Uma das menores e mais gostosas é a Praia do Serro da Águia, onde um rochedo divide o mar em duas entradas. 
Na sequência vem uma das mais famosas, a Praia da Samouqueira, uma sequência de enseadas moldadas por pedras. 
Amêijoas à Bulhão Pato e saladinha de polvo do restaurante Zé Inácio: para arrematar o dia (Bruno Barata/Reprodução)
Depois de alguns mergulhos, o centro espera com gostoso peixes e frutos do mar. No Zé Inácio restaurante (Rua Vasco da Gama, 38) há uma deliciosa salada de polvo e amêijoas a Bulhão Pato. 
O atendimento é desses tão simpáticos que quase não se vê mais. Depois, a pedida é tomar um sorvete e passear na praça – para ter um gostinho das férias como antigamente. 
Por Rachel Verano
Amêijoas à Bulhão Pato e saladinha de polvo do restaurante Zé Inácio: para arrematar o dia (Bruno Barata/Reprodução)

VALEU PELA VISITA - SEMPRE VOLTE


Fonte dos textos e fotos: viagemeturismo.abril.com.br / Becker Thymonthy / 

Comentários

Páginas que receberam mais visitas

BAEPENDI, MINAS GERAIS - A terra de "Nhá Chica". Na natureza preservada no município estão cerca de 40% do parque ecológico do papagaio, é local ideal para fazer trilhas e acampar em paradisíacos lugares. Baependi é uma das poucas cidades que podem ser visitadas durante qualquer época do ano, sem se preocupar com a programação que irá encontrar pois, o verão é bem definido, sendo um convite para se deslumbrar com as mais de cinqüenta cachoeiras que cercam a cidade e o inverno pouco chuvoso propicia inúmeras opções para enfrentar trilhas e acampar em paradisíacos lugares

COLORADO, RIO GRANDE DO SUL - Colorado é uma pequena cidade do Alto Jacuí. Fundada por imigrantes italianos e alemães. O espetáculo, belezas naturais, cores, aromas que seduzem à primeira vista. O município tem como base da economia a produção agrícola. A região possui uma relação muito próxima com as águas e com a geração de energia elétrica, a partir da formação do maior lago artificial do Estado – os Alagados do Passo Real e da Barragem de Ernestina. Bonitas e agradáveis, as cidades proporcionam atrações diversificadas, eventos, muitas festas, gastronomia, artesanato.

REPRESA DE FURNAS, SÃO JOSÉ DA BARRA, MINAS GERAIS - No dia 9 de janeiro de 1963 o túnel que desviou o curso do rio Grande para a construção da Usina de Furnas foi fechado e as águas que formaram um dos maiores reservatórios do mundo, criou praias, formou cânions e cachoeiras, inundou vilarejos e mudou para sempre a história dos 34 municípios que ficam ao longo dos 1.440 km2 de extensão do Lago de Furnas que abrange também parte do Parque Nacional da Serra da Canastra. O Lago de Furnas, também conhecido como "O MAR DE MINAS", é quatro vezes maior que a Baía de Guanabara, no Rio de Janeiro

BRASÍLIA, DF, BRASIL - Brasília é formada por gente de todos os lugares, todas as idades e de muitas gerações. É uma mistura de sotaques do Nordeste, Sudeste, Norte e Sul do país e até de estrangeiros. Por conta de seu rápido crescimento, já é a quarta cidade mais populosa do país. A maioria dos moradores, 52%, é mulher e tem em média 30 anos. Os primeiros habitantes que chegaram a Brasília vieram, principalmente, atraídos pelos empregos na construção civil e ajudaram na construção da capital. Eles eram chamados de candangos e aqui construíram e criaram famílias

TOMBOS, MINAS GERAIS - Na cachoeira três tombos, verdadeira obra da natureza de imensurável beleza que constitui um cartão postal da cidade com 62 metros de altura. A Gruta Pedra Santa localizada no distrito de Catuné, uma obra construída pela própria natureza. Ao longo do tempo a grande pedra foi desintegrando-se e formou-se um grande salão, onde ergueu-se a capela em Honra a Nossa Senhora de Lourdes. Praças diversas, museu municipal que funciona na antiga estação ferroviária, usina hidrelétrica de Tombos e os dois distritos “Catuné” e “Água Santa” valem uma visita à cidade de Tombos

IGATU, ANDARAÍ, BAHIA - Eh uma verdadeira cidade de pedra. "Sagrada" pra quem viveu lá durante o auge do ciclo do diamante. O trajeto até a vila já é uma atração: a estrada de acesso pela BA-142 é cheia de mirantes naturais. Ao chegar, a impressão é de ter voltado no tempo, quando igatu era chamada de Xique Xique e famosa pela extração de diamantes. Hoje não há farmácias, o hospital mais próximo fica em Andaraí, a 12 km. Em outros tempos quem diria? Cabarés, cassinos, lojas, cadeia, cartório, cinema...

SERRA DO NAVIO, AMAPÁ - A História da Serra do Navio remonta aos anos 1950. A região era rica em manganês e outros minérios. Por isso, a brasileira ICOMI, com sede em Belo Horizonte e atuação em Minas Gerais, foi escolhida para explorar o minério e construir a vila operária, que daria origem à cidade de Serra do Navio. Cada vila tinha 330 casas, prédios coletivos (escolas, hospitais, refeitórios), abrigando até 1.500 pessoas, entre trabalhadores e familiares. Tinha ruas largas, postes de concreto para a fiação elétrica e telefônica, calçadas, parques, clubes com piscina, quadras esportivas, restaurante e lanchonete, drenagem de águas das chuvas e tratamento de água e esgoto. Todas as casas tinham mais de 90m² e contavam com saneamento e energia elétrica, proveniente de geradores da ICOMI.

RIO DE JANEIRO, BRASIL - Do primeiro ao último minuto do ano, não falta o que fazer, o que visitar e o que rever no Estado do Rio de Janeiro, que não por acaso ostenta o rótulo de Maravilhoso. Além das praias e de seus outros dois ícones geográficos – o Corcovado e o Pão de Açúcar – o Rio vem ganhando uma série de atrativos culturais e gastronômicos. Quem deixa a capital e percorre o litoral fluminense encontra praias de beleza raríssima. Ao norte, na Região dos Lagos, estão as dunas de Cabo Frio, as águas translúcidas e frias de Arraial do Cabo, boas para mergulho, a badalação de Búzios e as trilhas rurais de Rio das Ostras

GRAMADO, RIO GRANDE DO SUL - Faltava neve à Gramado para que ela assumisse de vez o título de “Suíça brasileira”. Não falta mais: o Snowland, primeiro parque de neve artificial indoor das Américas, trouxe esportes de inverno à cidade, que já era famosa pelas construções enxaimel (aquelas de paredes esquadrinhadas com tirantes de madeira), pelas fondues nos bons restaurantes suíços e pelo climinha gostoso da Serra Gaúcha.

CAMPO BELO, MINAS GERAIS - A primeira cidade do Brasil a ter um time de Rugby (Campo Belo Rugby - CBR) A cidade tem paisagens deslumbrantes com campos a perder de vista. Ideal para a prática de esportes de aventura, ecoturismo, esportes náuticos com várias cachoeiras, praias de água doce além da tradicional e boa comida mineira. Uma cidade tranquila, acolhedora com boas opções para hospedagem