Pular para o conteúdo principal

VIAGEM DO NOSSO TREM PELOS CAFÉS E RECANTOS ARTÍSTICOS DA FRANÇA - 11 noites de maravilhas pelos campos e cidades de Paris, Avignon, Arles, Aix-en-Provence e Marselha. Veja as opções de quatro e duas noites e a melhor época para você fazer este tur de trem. Bate e volta com o de melhor para você desfrutar dessa nossa viagem de trem por lugares apaixonantes da França.




CURTO ESTE ROTEIRO DO NOSSO TREM PELOS CAFÉS E RECANTOS ARTÍSTICOS DA FRANÇA 
PARIS - 04 NOITES
Paris merece uma viagem só para ela, é verdade. Mas quem já conhece a cidade de outros carnavais pode combiná-la aos destinos da Provence, coroados com uns dias em Marselha. Antes de rumar ao sul, explore atrações menos usuais da capital, como a Fundação Louis Vuitton (€ 16), prédio futurista que abriga boas exposições temporárias, ou a antiga estação de trem La Recyclerie, hoje convertida em bar e restaurante.
Apesar de estar em uma estação ainda em funcionamento, o restaurante Le Train Bleu também remete ao passado, já que conserva a mesma decoração rococó do século 19 – há menus de almoço a partir de € 49. Fica dentro da Gare de Lyon, de onde sai o TGV, o trem-bala francês que vence, em 2h40min, os 700 quilômetros que separam Paris de Avignon.
O bar e restaurante La Recyclerie, uma antiga estação de trem em Paris (Facebook/Divulgação)
AVIGNON — 2 NOITES
A cidade é uma ótima base para explorar a Provence em bate e voltas e merece pelo menos dois dias de dedicação voltados à visita ao gigantesco Palais des Papes (€ 11), que já foi residência oficial dos papas da Igreja Católica, e à Pont d’Avignon (€ 5), uma ponte medieval que cruzava o Rio Rhône até ser parcialmente destruída pela força das águas, em 1668. Encaixe no roteiro uma passada no Mercado Municipal, bem central, para comprar insumos para um piquenique à beira do rio ou no parque Rocher des Doms, que tem ótimas vistas.
As casinhas dos vilarejos de Provence são assim, bonitinhas e simples (Party Lin/Flickr)
O Palais de Papes, em Avignon (Luca Perino/Flickr)
ARLES — BATE E VOLTA
Usando os trens regionais TER, dá para esticar de Avignon até Arles em menos de 20 minutos. A impressão de que a charmosa vila em tons pastel saiu diretamente de um quadro não é à toa: Van Gogh pintou quase 300 telas por lá, muitas vezes retratando o casario da cidade.
Muita gente passa por Arles justamente para seguir os passos do holandês que ali protagonizou uma das cenas mais emblemáticas de sua existência – o surto que culminou na mutilação de parte de sua orelha. Além dos ares artísticos, Arles tem ainda um impressionante anfiteatro romano (€ 6), que data do século 1 antes de Cristo.
Arles, a cidade em tons pastel (Tristan Taussac/Flickr)
AIX-EN-PROVENCE — 2 NOITES
Apesar de estar a apenas 87 quilômetros de Avignon, Aix merece bem mais que um bate e volta. Tente se hospedar nos arredores da Cours Mirabeau, pomposa avenida principal da cidade, e passe os dias imitando os franceses bon-vivants, a flanar por ruelas coalhadas de cafés charmosos. 
Se Arles é o xodó de Van Gogh, Aix foi musa inspiradora de Cézanne: seu ateliê (€ 6) na cidade é aberto ao público. Os estudantes universitários que moram ali contribuem para dar um toque de vida real a uma cidade que poderia ser cenográfica, além de agitarem à noite nos bares e restaurantes.
Por Patrícia Figueiredo
O charme de Aix-en-Provence (Ralf/Flickr)
MARSELHA — 3 NOITES
Para dar um respiro do pacato estilo de vida provençal, escolha Marselha, segunda cidade mais populosa da França, a 40 minutos de trem de Aix. Cheia de referências do Oriente Médio e do norte da África, a metrópole foi considerada por muitos anos o patinho feio francês, mas começou a mudar sua fama com a inauguração do Mucem (€ 9), um belíssimo museu sobre a história das civilizações mediterrâneas, em 2013.
As melhores vistas do Vieux-Port, o fotogênico porto antigo marselhês, são do alto da Catedral de Notre-Dame de la Garde, igreja neobizantina encarapitada a 161 metros de altura. Dedicar três noites a Marselha permite ao viajante um dia de passeio nos arredores até as calanques de Cassis, enormes falésias que escondem praias de água clarinha, acessíveis de barco ou por trilha.
Melhor época
Em setembro, ainda faz algum calor, e as multidões das férias de verão já se foram. Evite ir no fim do outono e no inverno, quando muita coisa fecha na Provence e o vento forte é um castigo.
O modernão Mucem, em Marselha (Pierre Metivier/Flickr)
(Eduardo Merille/Flickr)

VALEU PELA VISITA - SEMPRE VOLTE


Fonte dos textos e fotos: viagemeturismo.abril.com.br / Thymonthy Becker / 

Texto publicado na edição 256 da Viagem e Turismo (fevereiro/2017)

Comentários

Páginas que receberam mais visitas

BAEPENDI, MINAS GERAIS - A terra de "Nhá Chica". Baependi é um convite para se deslumbrar com as mais de cinqüenta cachoeiras que cercam a cidade. Na natureza preservada no município estão cerca de 40% do parque ecológico do papagaio, é local ideal para fazer trilhas e acampar em paradisíacos lugares. Baependi é uma das poucas cidades que podem ser visitadas durante qualquer época do ano, sem se preocupar com a programação que irá encontrar pois, o verão é bem definido, sendo um convite para se deslumbrar com as mais de cinqüenta cachoeiras que cercam a cidade e o inverno pouco chuvoso propicia inúmeras opções para enfrentar trilhas e acampar em paradisíacos lugares. A religiosidade ocupa lugar de destaque como um dos fatores que mais atraem os visitantes, uma vez que Baependi foi o lugar onde a serva de Deus, Nhá Chica, concedeu suas graças, hoje em dia inúmeras romarias de diversas partes do país têm como destino o Santuário de Nhá Chica, onde também se encontram seus restos mortais.

COLORADO, RIO GRANDE DO SUL - Será que tem gremista em Colorado? Claro que tem. Colorado é uma pequena cidade do Alto Jacuí. Fundada por imigrantes italianos e alemães. O município tem como base da economia a produção agrícola. Cenários de belezas, cores e aromas que seduzem os turistas. Cenários de belezas, cores e aromas que seduzem os turistas

REPRESA DE FURNAS, SÃO JOSÉ DA BARRA, MINAS GERAIS - No dia 9 de janeiro de 1963 o túnel que desviou o curso do rio Grande para a construção da Usina de Furnas foi fechado e as águas que formaram um dos maiores reservatórios do mundo, criou praias, formou cânions e cachoeiras, inundou vilarejos e mudou para sempre a história dos 34 municípios que ficam ao longo dos 1.440 km2 de extensão do Lago de Furnas. Destes, Capitólio se destaca por oferecer as melhores opções de serviços e infraestrutura turística. Os passeios náuticos, os esportes aquáticos, a pesca esportiva e a exuberância natural são pontos fortes da região, que abrange também parte do Parque Nacional da Serra da Canastra, onde nasce o Rio São Francisco, o "Velho Chico". O Lago de Furnas, também conhecido como "O MAR DE MINAS", é quatro vezes maior que a Baía de Guanabara, no Rio de Janeiro.

BRASÍLIA, DF, BRASIL - Brasília é formada por gente de todos os lugares, todas as idades e de muitas gerações. É uma mistura de sotaques do Nordeste, Sudeste, Norte e Sul do país e até de estrangeiros. Por conta de seu rápido crescimento, já é a quarta cidade mais populosa do país. A maioria dos moradores, 52%, é mulher e tem em média 30 anos. Os primeiros habitantes que chegaram a Brasília vieram, principalmente, atraídos pelos empregos na construção civil e ajudaram na construção da capital. Eles eram chamados de candangos e aqui construíram e criaram famílias. Desses, surgiram os “brasilienses”, o gentílico usado para quem nasceu aqui e adotado por quem veio de fora e assumiu a cidade como sua.

TOMBOS, MINAS GERAIS - Na cachoeira três tombos, verdadeira obra da natureza de imensurável beleza que constitui um cartão postal da cidade com 62 metros de altura. A Gruta Pedra Santa localizada no distrito de Catuné, uma obra construída pela própria natureza. Ao longo do tempo a grande pedra foi desintegrando-se e formou-se um grande salão, onde ergueu-se a capela em Honra a Nossa Senhora de Lourdes. Praças diversas, museu municipal que funciona na antiga estação ferroviária, usina hidrelétrica de Tombos e os dois distritos “Catuné” e “Água Santa” valem uma visita à cidade de Tombos

IGATU, ANDARAÍ, BAHIA - Eh uma verdadeira cidade de pedra. "Sagrada" pra quem viveu lá durante o auge do ciclo do diamante. O trajeto até a vila já é uma atração: a estrada de acesso pela BA-142 é cheia de mirantes naturais. Ao chegar, a impressão é de ter voltado no tempo, quando igatu era chamada de Xique Xique e famosa pela extração de diamantes. Hoje não há farmácias, o hospital mais próximo fica em Andaraí, a 12 km. Em outros tempos quem diria? Cabarés, cassinos, lojas, cadeia, cartório, cinema...

RIO DE JANEIRO, BRASIL - Do primeiro ao último minuto do ano, não falta o que fazer, o que visitar e o que rever no Estado do Rio de Janeiro, que não por acaso ostenta o rótulo de Maravilhoso. Além das praias e de seus outros dois ícones geográficos – o Corcovado e o Pão de Açúcar – o Rio vem ganhando uma série de atrativos culturais e gastronômicos. Quem deixa a capital e percorre o litoral fluminense encontra praias de beleza raríssima. Ao norte, na Região dos Lagos, estão as dunas de Cabo Frio, as águas translúcidas e frias de Arraial do Cabo, boas para mergulho, a badalação de Búzios e as trilhas rurais de Rio das Ostras. De frente para a Baía da Guanabara, Niterói mostra que a vista para a cidade do Rio não é o único atrativo. Além de oferecer, na sua face voltada para o alto mar, trechos de areia ideais para quem quiser fugir do agito de Ipanema e Copacabana, o município começa a explorar o legado das construções assinadas por Oscar Niemeyer, entre elas o famoso Museu de Arte Contemporânea.

GRAMADO, RIO GRANDE DO SUL - Faltava neve à Gramado para que ela assumisse de vez o título de “Suíça brasileira”. Não falta mais: o Snowland, primeiro parque de neve artificial indoor das Américas, trouxe esportes de inverno à cidade, que já era famosa pelas construções enxaimel (aquelas de paredes esquadrinhadas com tirantes de madeira), pelas fondues nos bons restaurantes suíços e pelo climinha gostoso da Serra Gaúcha.

CAMPO BELO, MINAS GERAIS - A primeira cidade do Brasil a ter um time de Rugby (Campo Belo Rugby - CBR) A cidade tem paisagens deslumbrantes com campos a perder de vista. Ideal para a prática de esportes de aventura, ecoturismo, esportes náuticos com várias cachoeiras, praias de água doce além da tradicional e boa comida mineira. Uma cidade tranquila, acolhedora com boas opções para hospedagem

SERRA DO NAVIO, AMAPÁ - A História da Serra do Navio remonta aos anos 1950. A região era rica em manganês e outros minérios. Por isso, a brasileira ICOMI, com sede em Belo Horizonte e atuação em Minas Gerais, foi escolhida para explorar o minério e construir a vila operária, que daria origem à cidade de Serra do Navio. Cada vila tinha 330 casas, prédios coletivos (escolas, hospitais, refeitórios), abrigando até 1.500 pessoas, entre trabalhadores e familiares. Tinha ruas largas, postes de concreto para a fiação elétrica e telefônica, calçadas, parques, clubes com piscina, quadras esportivas, restaurante e lanchonete, drenagem de águas das chuvas e tratamento de água e esgoto. Todas as casas tinham mais de 90m² e contavam com saneamento e energia elétrica, proveniente de geradores da ICOMI.