Pular para o conteúdo principal

RODOVIA HIGHWAY 1 - ENTRE SAN FRANCISCO E LOS ANGELES - Cortando a Califórnia de norte a sul, a Pacific Coast Highway (Highway 1) dá o melhor de si entre San Francisco e Los Angeles, passando pelo Big Sur. Como aproveitar a viagem pela Pacific Coast Highway (a Highway 1), a lindíssima rodovia litorânea da Califórnia. Montanhas que avançam sobre o azul do Pacífico, encostas vertiginosas, praias desertas e parques nacionais se enfileiram na parte mais espetacular do litoral da Califórnia. Veja cenas desta viagem por essa estrada no litoral oeste dos Estados Unidos.




CONHEÇA A RODOVIA HIGHWAY 1 (PACIFIC COAST HIGHWAY), ESTADOS UNIDOS - COMO SE ESTIVESSE NA JANELA DO TREM


Montanhas que avançam sobre o azul do Pacífico, encostas vertiginosas, praias desertas e parques nacionais se enfileiram na parte mais espetacular do litoral da Califórnia: este mirante (Hurricane Point), ainda está aberto! (Adriana Setti/Viagem e Turismo)
Como aproveitar a viagem pela Pacific Coast Highway (a Highway 1), a lindíssima rodovia litorânea da Califórnia, mesmo com parte dela interditada?
Mas o último inverno foi cruel com esse pedaço dos Estados Unidos e, entre outros problemas, as chuvas e ventos fortes causaram deslizamentos de terra e danos à infraestrutura da HWY1. 
Veja cenas desta viagem por essa estrada no litoral oeste dos Estados Unidos.
Pontes como esta, de 1932, tornam a paisagem ainda mais fotogênica. Estacione e desça pela trilha (habitada por esquilos) para encontrar o melhor ângulo. Este é um dos cenários que você ainda pode aproveitar no Big Sur, mesmo com a estrada interditada. (Adriana Setti/Viagem e Turismo)

Não é incomum que essa rodovia, que passa rende ao mar serpenteando por montanhas áridas e íngremes, sofra com esse tipo de problema. Mas, este ano, o estrago foi mais drástico. Quem levou a pior foi a Pfeiffer Canyon Bridge, que acabou sendo demolida na semana passada. 
Por esse e outros reparos, a estrada está interditada entre o Pfeiffer Big Sur State Park até Ragged Point – e a previsão é que só reabra em setembro. Infelizmente, o trecho fechado inclui alguns dos destaques da estrada, como o Julia Pfeiffer Park Burns State Park (veja abaixo). 
Principal atração do Julia Pfeiffer Park, a cachoeira de 24 metros de altura despeja água doce sobre a praia, que, infelizmente, é fechada ao público (Adriana Setti/Viagem e Turismo)
Mas, se você já está de viagem marcada, uma boa notícia: você vai conseguir aproveitar mesmo assim. Ainda dá para curtir a 17 Mile Drive entre Monterey e Carmel, por exemplo. Depois, você pode avançar pela Highway 1 até o trecho interditado. 
Nesse pedacinho do Big Sur, você conseguirá clicar a Bixby Creek Bridge (veja abaixo), uma das mais famosas e fotogênicas, visitar o Garrapata State Park (que tem praias lindas!) e parar em alguns dos melhores mirantes da região. 
Está aberta! Essa estradinha panorâmica liga Monterey a Carmel, passando por praias desertas, uma colônia de leões-marinhos e paisagens como a do Cipreste Solitário (foto) (Adriana Setti/Viagem e Turismo)
A passarela de madeira contorna uma encosta do parque estadual ao longo de 1 quilômetro, e revela praias, cachoeiras e outras vistas (Adriana Setti/Viagem e Turismo)
Depois, é só dar meia volta até Carmel e pegar a 101 (estrada que segue pelo interior) para tocar em direção a Los Angeles. Na altura de Cambria, depois do trecho interditado, volte para a Highway 1 e não deixe de visitar a colônia de elefantes marinhos Sea Elephant Rookery. Desse ponto em diante, é só seguir viagem normalmente. 
Incrível na hora do pôr do sol, esta praia abriga uma numerosa colônia de elefantes-marinhos, que podem ser observados de um mirante. Outra atração da rota que você ainda consegue acessar. (Adriana Setti/Viagem e Turismo)
Além de ter a melhor praia da região, de areia branquíssima, o vilarejo é o mais charmoso da rota, repleto de hotéis elegantes, restaurantes, cafés e lojinhas grifadas (Adriana Setti/Viagem e Turismo)
Distância: 710 km
Tempo: dois dias
Estrada: evite transitar pelo Big Sur nas primeiras horas da manhã, quando a neblina costuma aparecer
Por Adriana Setti

VALEU PELA VISITA - SEMPRE VOLTE


Fonte dos textos e fotos: viagemeturismo.abril.com.br / Thymonthy Becker / Editora Abril / 

Matéria publicada na edição 258 da revista Viagem e Turismo (abril/2017)

Comentários

Páginas que receberam mais visitas

BAEPENDI, MINAS GERAIS - A terra de "Nhá Chica". Na natureza preservada no município estão cerca de 40% do parque ecológico do papagaio, é local ideal para fazer trilhas e acampar em paradisíacos lugares. Baependi é uma das poucas cidades que podem ser visitadas durante qualquer época do ano, sem se preocupar com a programação que irá encontrar pois, o verão é bem definido, sendo um convite para se deslumbrar com as mais de cinqüenta cachoeiras que cercam a cidade e o inverno pouco chuvoso propicia inúmeras opções para enfrentar trilhas e acampar em paradisíacos lugares

COLORADO, RIO GRANDE DO SUL - Colorado é uma pequena cidade do Alto Jacuí. Fundada por imigrantes italianos e alemães. O espetáculo, belezas naturais, cores, aromas que seduzem à primeira vista. O município tem como base da economia a produção agrícola. A região possui uma relação muito próxima com as águas e com a geração de energia elétrica, a partir da formação do maior lago artificial do Estado – os Alagados do Passo Real e da Barragem de Ernestina. Bonitas e agradáveis, as cidades proporcionam atrações diversificadas, eventos, muitas festas, gastronomia, artesanato.

REPRESA DE FURNAS, SÃO JOSÉ DA BARRA, MINAS GERAIS - No dia 9 de janeiro de 1963 o túnel que desviou o curso do rio Grande para a construção da Usina de Furnas foi fechado e as águas que formaram um dos maiores reservatórios do mundo, criou praias, formou cânions e cachoeiras, inundou vilarejos e mudou para sempre a história dos 34 municípios que ficam ao longo dos 1.440 km2 de extensão do Lago de Furnas que abrange também parte do Parque Nacional da Serra da Canastra. O Lago de Furnas, também conhecido como "O MAR DE MINAS", é quatro vezes maior que a Baía de Guanabara, no Rio de Janeiro

BRASÍLIA, DF, BRASIL - Brasília é formada por gente de todos os lugares, todas as idades e de muitas gerações. É uma mistura de sotaques do Nordeste, Sudeste, Norte e Sul do país e até de estrangeiros. Por conta de seu rápido crescimento, já é a quarta cidade mais populosa do país. A maioria dos moradores, 52%, é mulher e tem em média 30 anos. Os primeiros habitantes que chegaram a Brasília vieram, principalmente, atraídos pelos empregos na construção civil e ajudaram na construção da capital. Eles eram chamados de candangos e aqui construíram e criaram famílias

TOMBOS, MINAS GERAIS - Na cachoeira três tombos, verdadeira obra da natureza de imensurável beleza que constitui um cartão postal da cidade com 62 metros de altura. A Gruta Pedra Santa localizada no distrito de Catuné, uma obra construída pela própria natureza. Ao longo do tempo a grande pedra foi desintegrando-se e formou-se um grande salão, onde ergueu-se a capela em Honra a Nossa Senhora de Lourdes. Praças diversas, museu municipal que funciona na antiga estação ferroviária, usina hidrelétrica de Tombos e os dois distritos “Catuné” e “Água Santa” valem uma visita à cidade de Tombos

IGATU, ANDARAÍ, BAHIA - Eh uma verdadeira cidade de pedra. "Sagrada" pra quem viveu lá durante o auge do ciclo do diamante. O trajeto até a vila já é uma atração: a estrada de acesso pela BA-142 é cheia de mirantes naturais. Ao chegar, a impressão é de ter voltado no tempo, quando igatu era chamada de Xique Xique e famosa pela extração de diamantes. Hoje não há farmácias, o hospital mais próximo fica em Andaraí, a 12 km. Em outros tempos quem diria? Cabarés, cassinos, lojas, cadeia, cartório, cinema...

SERRA DO NAVIO, AMAPÁ - A História da Serra do Navio remonta aos anos 1950. A região era rica em manganês e outros minérios. Por isso, a brasileira ICOMI, com sede em Belo Horizonte e atuação em Minas Gerais, foi escolhida para explorar o minério e construir a vila operária, que daria origem à cidade de Serra do Navio. Cada vila tinha 330 casas, prédios coletivos (escolas, hospitais, refeitórios), abrigando até 1.500 pessoas, entre trabalhadores e familiares. Tinha ruas largas, postes de concreto para a fiação elétrica e telefônica, calçadas, parques, clubes com piscina, quadras esportivas, restaurante e lanchonete, drenagem de águas das chuvas e tratamento de água e esgoto. Todas as casas tinham mais de 90m² e contavam com saneamento e energia elétrica, proveniente de geradores da ICOMI.

RIO DE JANEIRO, BRASIL - Do primeiro ao último minuto do ano, não falta o que fazer, o que visitar e o que rever no Estado do Rio de Janeiro, que não por acaso ostenta o rótulo de Maravilhoso. Além das praias e de seus outros dois ícones geográficos – o Corcovado e o Pão de Açúcar – o Rio vem ganhando uma série de atrativos culturais e gastronômicos. Quem deixa a capital e percorre o litoral fluminense encontra praias de beleza raríssima. Ao norte, na Região dos Lagos, estão as dunas de Cabo Frio, as águas translúcidas e frias de Arraial do Cabo, boas para mergulho, a badalação de Búzios e as trilhas rurais de Rio das Ostras

GRAMADO, RIO GRANDE DO SUL - Faltava neve à Gramado para que ela assumisse de vez o título de “Suíça brasileira”. Não falta mais: o Snowland, primeiro parque de neve artificial indoor das Américas, trouxe esportes de inverno à cidade, que já era famosa pelas construções enxaimel (aquelas de paredes esquadrinhadas com tirantes de madeira), pelas fondues nos bons restaurantes suíços e pelo climinha gostoso da Serra Gaúcha.

CAMPO BELO, MINAS GERAIS - A primeira cidade do Brasil a ter um time de Rugby (Campo Belo Rugby - CBR) A cidade tem paisagens deslumbrantes com campos a perder de vista. Ideal para a prática de esportes de aventura, ecoturismo, esportes náuticos com várias cachoeiras, praias de água doce além da tradicional e boa comida mineira. Uma cidade tranquila, acolhedora com boas opções para hospedagem