Pular para o conteúdo principal

ROMA, CAPITAL DA ITÁLIA - Um parque de diversões para apreciadores da história e arquitetura. Um tesouro inesgotável para amantes da arte e cultura. Uma metrópole eletrizante de trânsito caótico. Um agitadíssimo centro com tudo do melhor para boêmios, modernos, glutões e fashionistas. Roma consegue ser tudo isso e muito mais. São inúmeros os atributos que a capital italiana, atualmente habitada por cerca de 2,8 milhões de pessoas, acumulou em seus 2.700 anos de história – sendo que durante boa parte desse período foi o epicentro do império que dominou o mundo por 500 anos. A “Cidade Eterna” tem tantas atrações imperdíveis que aos visitantes sempre se recomenda voltar. Mesmo assim, joga a favor dos turistas o fato de a maioria das atrações mais procuradas se concentrarem em uma área perfeitamente viável para a exploração a pé.




CONHEÇA A CIDADE DE ROMA, CAPITAL DA ITÁLIA - DA JANELA DO TREM
A História de Roma remonta a 753 antes de Cristo, com a fundação de um pequeno povoado na península Itálica. Com um passado assim tão rico, Roma é um museu a céu aberto, graças a arquitetura que permanece em constante trabalho de restauração. 
Castelo SantAngelo e Ponte Vittorio Emanuele II sobre o Rio Tevere, que leva ao Vaticano (Rogério Voltan)
Galeria de arte Chiostro del Bramante em Roma (Divulgação)
Um parque de diversões para apreciadores da história e arquitetura. Um tesouro inesgotável para amantes da arte e cultura. Uma metrópole eletrizante de trânsito caótico. Um agitadíssimo centro com tudo do melhor para boêmios, modernos, glutões e fashionistas. Roma consegue ser tudo isso e muito mais. São inúmeros os atributos que a capital italiana, atualmente habitada por cerca de 2,8 milhões de pessoas, acumulou em seus 2.700 anos de história – sendo que durante boa parte desse período foi o epicentro do império que dominou o mundo por 500 anos. A “Cidade Eterna” tem tantas atrações imperdíveis que aos visitantes sempre se recomenda voltar. Mesmo assim, joga a favor dos turistas o fato de a maioria das atrações mais procuradas se concentrarem em uma área perfeitamente viável para a exploração a pé. Porque se o Coliseu, a Fontana di Trevi e o Vaticano são obrigatórios, igualmente indispensável é saborear o prazer de cafés ou barzinhos, como bons romanos, enquanto nos embasbacamos com cada praça, monumento ou museu. 
Os rios Danúbio, Nilo, Ganges e da Prata são homenageados na principal das três fontes da Piazza Navona, a Fontana dei Quattro Fiumi, de Bernini (Divulgação)
Museo dellAra Pacis (Divulgação)
COMO CHEGAR EM ROMA, ITÁLIA
Aéreo – Ao Aeroporto Leonardo da Vinci (Fiumicino) chega a maioria dos voos internacionais. Voos de companhias low-cost pousam no Ciampino. De Fiumicino, a maneira mais econômica de ir para o Centro é de trem até a Stazione Termini (meia hora, € 11). O táxi custa € 40. 
A Alitalia possui voos diretos entre o Brasil e Roma e é de longe a forma mais conveniente de se chegar à Itália e de lá fazer um transfer para outros destinos dentro da Bota. No entanto, várias outras companhias, como TAP, Iberia, Air France, KLM, Lufthansa e British Airways também fazem a viagem até a capital italiana, com uma escala. No entanto, apesar de mais longos, estes podem oferecer alguns descontos interessantes. 
O Maxxi (Museo Nazionale delle Arti del XXI Secolo), desenhado pela premiada arquiteta anglo-iraquiana Zaha Hadid, tem alas dedicadas a arte e arquitetura, mas cinema e fotografia também têm espaço nas salas de exibição (Roberto Galasso)
Charrete em frente ao Panteão de Agripa, monumento greco-romano na Piazza della Rotonda (Divulgação)
Terrestre – Roma também é bem conectada via trens e ônibus com praticamente todos os grandes centros da Itália, como Florença, Nápoles, Turim, Veneza e Bolonha. A Treinitalia (www.treinitalia.com) possui serviços com preços que variam conforme a velocidade e conforto das composições. O mais rápido e requintado é o Eurostar (ES), seguido pelo Intercity (IC) e pelos vagarosos regionais, que param praticamente em todas as estações. Quem pretende circular por várias cidades vale a pena considerar o Itay Rail Pass da Eurailpass (www.railpass.com). 
A principal estação ferroviária de Roma é a Termini, ampla e cheia de lojas e restaurantes. Daqui saem as composições tanto rumo ao norte (Toscana, Milão, Turim), como para o sul (Nápoles). 
Ao longo de seus mais de 2 mil anos de existência, O Pantheon foi convertido em igreja católica no século 7 e hoje atrai pela sua história e beleza (Rosana ZakabiI)
Piazza Campo de Fiori (Ricardo Freire)
COMO CIRCULAR NA CIDADE DE ROMA, ITÁLIA
Roma é um péssimo lugar para dirigir. Não só as ruas são estreitas, mas o trânsito é caótico. Dentro do Centro Histórico opte por fazer tudo a pé. Além de ser muito agradável, você, a cada esquina, terá uma surpresa com ótimos cafés, restaurantes e pracinhas. Transporte público, só para cobrir distâncias maiores. 
Moisés de Michelangelo no interior da Igreja de San Pietro in Vincoli (Victor Sokolowicz)
Ruínas do Fórum Romano (Victor Sokolowicz)
Os ônibus costumam ser mais eficientes que o metrô, que tem apenas duas linhas, a A e a B. Os passes mais comuns para o turista dividem-se entre: Biglietto (bilhete simples, €1.50, válido por 100 minutos, incluindo baldeações); Biglietto Giornaliero (€6, válido por um dia, até a meia-noite); Biglietto Turistico (€16.50, válido por três dias); e Carta Integrata Settimanale (€24, válido por uma semana). Maiores informações em www.atac.roma.it. 
Vista noturna do Vaticano e da Ponte SantAngelo sobre o Rio Tibre (Victor Sokolowicz)
Piazza del Campidoglio (Victor Sokolowicz)
Táxis são uma opção para saídas noturnas ou quando é preciso fazer algom com rapidez. É um meio de transporte mais caro, mas conveniente. Eles funcionam com uma bandeirada inicial, costumam fazer todos aqueles truques para enganar turistas (rotas mais longas, troco errado, etc.) e podem ser pegos em paradas próprias que você encontrará em praças do Centro. 
Vista noturna de bonde com o Coliseu Romano ao fundo
Corredor dos mapas do Musei Vaticani (Rosana Zakabi)
ONDE FICAR NA CIDADE DE ROMA, ITÁLIA
Quando a moderna indústria turística começou a tomar forma, em meados dos século 19, Roma foi um dos primeiros e mais significativos destinos a serem estabelecidos. Palácios e pequenos estabelecimentos abrigaram esses primeiros viajantes e o costume se perpetrou no século 21: há opções para todos os bolsos. 
Detalhes da Praça de São Pedro, no Vaticano (Rogério Voltan)
Para quem viaja pela primeira vez à Roma, a dica é ficar próximo (ou dentro) do Centro Histórico – a área próximo ao Monumento a Vitor Emanuel II e o Panteão é uma boa referência. A região possui vários hotéis, com os mais diferentes níveis de conforto. Além disso, você ficará próximo a várias atrações de relevo (Fórum, Panteão, Piazza Navona, etc.), além de ter muitos restaurantes, bares, bancos e outros tipos de serviço à mão. A área também é razoavelmente bem irrigada em termos de transportes públicos e é de fácil acesso. 
Se optar outros distritos romanos, isso dependerá um pouco de suas preferências. Todas são boas e possuem boas casas para seu conforto. 
Vista geral do fórum romano, com o templo de Júpiter em primeiro plano (Thinkstock)
Vista da Piazza San Pietro sob o sol do verão em Roma (iStock)
Trastevere é o bairro da boemia, repleto de bons restaurantes, bares e boates, mas sem muitas atrações (dignos de nota, porém, são o Tempietto e a Villa Pamphili). O entorno do Vaticano costuma ter uma alta circulação de turistas, mas alguns bons hotéis, inclusive alguns na agradável e a arborizada região atrás do Estado Papal. Aventino é uma região bem turística, ao sul do Palatino, mas não tem muitas acomodações, que costumam ser bem simples. A localização central, porém, compensa. O Centro Novo é um dos locais mais disputados da cidade: muitos hotéis, tanto estrelados como mais simples, restaurantes, casas de show e opções de compra. Dentro dela, a área ao sul da Villa Borghese é especialmente recomendável. 
Evite apenas a região imediatamente próxima a estação ferroviária Termini, mal frequentada e com longa história de furtos a turistas. 
Piazza Santa Maria in Trastevere, em Roma, Itália (Graeme Churchard/Flickr/creative commons)
ONDE COMER NA CIDADE DE ROMA, ITÁLIA
Você jamais, jamais passará fome em Roma. Por mais miserável que seja seu orçamento, não há como não achar um bom restaurante que ofereça um menu a bom preço. Até a casa mais simples oferecerá um cardápio com antipasto (entrada ou saladinha), primo piatto (normalmente um prato de arroz, pasta ou sopa), secondo piatto (prato principal, carne, ave ou pescado), contorno (acompanhamento) e dolce (sobremesa). Alguns oferecem até uma taça de vinho da casa e café. Caso você queira pular um dos pratos (comendo, por exemplo, só a entrada e o prato principal), tudo bem. Tudo é muito flexível, e os preços são convidativos. 
O Coliseu é destino obrigatório para quem visita Roma
Outra opção de refeição rápida são as casas de pizza al taglio, que vendem pedaços de pizza. A conta final é animadoramente baixa e a qualidade, bem razoável. 
Os cafés são de excelente qualidade, não só pela bebida em si, mas também pelos doces e pães. 
Pratos romanos clássicos são o carciofi alla giudia (alcachofras judias) e fiori di zucca fritti (flor de abobrinha frita). 
Restaurante de Trastevere, em Roma, Itália (Xavi/Flickr/creative commons)
População: 2.761.000 hab 
Fuso horário: +4h (horário de Brasília) 
Distância de outras cidades: Florença 282 km, Veneza 543 km, Siena 241 km, Pisa 345 km 
Para se sentir como um local, vale visitar o bairro de Testaccio, um dos mais tradicionais de Roma (N i c o l a/Flickr/Creative Commons)
Informações ao viajante 
Línguas: Italiano 
Saúde: Para entrar na Itália, nenhuma vacina é obrigatória. 
Melhor época para visitar: De maneira geral, a primavera (março a junho) e o outono (setembro a dezembro) são as épocas mais agradáveis, com temperaturas mais amenas e multidões que no verão. O inverno, baixa temporada, tem como contrapartida diárias de hotéis mais baratas e menos filas em atrações como os Museus do Vaticano.
É na Piazza Navona que fica a Embaixada do Brasil em Roma - repare na bandeira verde e amarela, no canto da foto, à esquerda (Thinkstock)
ESTA EH A BANDEIRA DA CIDADE DE ROMA, ITÁLIA

OBRIGADO POR VIAJAR COM A GENTE


Fonte dos textos e fotos: viagemeturismo.abril.com.br / Thymonthy Becker / romaitalia.com.br / 

Comentários

Páginas que receberam mais visitas

BAEPENDI, MINAS GERAIS - A terra de "Nhá Chica". Baependi é um convite para se deslumbrar com as mais de cinqüenta cachoeiras que cercam a cidade. Na natureza preservada no município estão cerca de 40% do parque ecológico do papagaio, é local ideal para fazer trilhas e acampar em paradisíacos lugares. Baependi é uma das poucas cidades que podem ser visitadas durante qualquer época do ano, sem se preocupar com a programação que irá encontrar pois, o verão é bem definido, sendo um convite para se deslumbrar com as mais de cinqüenta cachoeiras que cercam a cidade e o inverno pouco chuvoso propicia inúmeras opções para enfrentar trilhas e acampar em paradisíacos lugares. A religiosidade ocupa lugar de destaque como um dos fatores que mais atraem os visitantes, uma vez que Baependi foi o lugar onde a serva de Deus, Nhá Chica, concedeu suas graças, hoje em dia inúmeras romarias de diversas partes do país têm como destino o Santuário de Nhá Chica, onde também se encontram seus restos mortais.

COLORADO, RIO GRANDE DO SUL - Será que tem gremista em Colorado? Claro que tem. Colorado é uma pequena cidade do Alto Jacuí. Fundada por imigrantes italianos e alemães. O município tem como base da economia a produção agrícola. Cenários de belezas, cores e aromas que seduzem os turistas. Cenários de belezas, cores e aromas que seduzem os turistas

REPRESA DE FURNAS, SÃO JOSÉ DA BARRA, MINAS GERAIS - No dia 9 de janeiro de 1963 o túnel que desviou o curso do rio Grande para a construção da Usina de Furnas foi fechado e as águas que formaram um dos maiores reservatórios do mundo, criou praias, formou cânions e cachoeiras, inundou vilarejos e mudou para sempre a história dos 34 municípios que ficam ao longo dos 1.440 km2 de extensão do Lago de Furnas. Destes, Capitólio se destaca por oferecer as melhores opções de serviços e infraestrutura turística. Os passeios náuticos, os esportes aquáticos, a pesca esportiva e a exuberância natural são pontos fortes da região, que abrange também parte do Parque Nacional da Serra da Canastra, onde nasce o Rio São Francisco, o "Velho Chico". O Lago de Furnas, também conhecido como "O MAR DE MINAS", é quatro vezes maior que a Baía de Guanabara, no Rio de Janeiro.

BRASÍLIA, DF, BRASIL - Brasília é formada por gente de todos os lugares, todas as idades e de muitas gerações. É uma mistura de sotaques do Nordeste, Sudeste, Norte e Sul do país e até de estrangeiros. Por conta de seu rápido crescimento, já é a quarta cidade mais populosa do país. A maioria dos moradores, 52%, é mulher e tem em média 30 anos. Os primeiros habitantes que chegaram a Brasília vieram, principalmente, atraídos pelos empregos na construção civil e ajudaram na construção da capital. Eles eram chamados de candangos e aqui construíram e criaram famílias. Desses, surgiram os “brasilienses”, o gentílico usado para quem nasceu aqui e adotado por quem veio de fora e assumiu a cidade como sua.

TOMBOS, MINAS GERAIS - Na cachoeira três tombos, verdadeira obra da natureza de imensurável beleza que constitui um cartão postal da cidade com 62 metros de altura. A Gruta Pedra Santa localizada no distrito de Catuné, uma obra construída pela própria natureza. Ao longo do tempo a grande pedra foi desintegrando-se e formou-se um grande salão, onde ergueu-se a capela em Honra a Nossa Senhora de Lourdes. Praças diversas, museu municipal que funciona na antiga estação ferroviária, usina hidrelétrica de Tombos e os dois distritos “Catuné” e “Água Santa” valem uma visita à cidade de Tombos

IGATU, ANDARAÍ, BAHIA - Eh uma verdadeira cidade de pedra. "Sagrada" pra quem viveu lá durante o auge do ciclo do diamante. O trajeto até a vila já é uma atração: a estrada de acesso pela BA-142 é cheia de mirantes naturais. Ao chegar, a impressão é de ter voltado no tempo, quando igatu era chamada de Xique Xique e famosa pela extração de diamantes. Hoje não há farmácias, o hospital mais próximo fica em Andaraí, a 12 km. Em outros tempos quem diria? Cabarés, cassinos, lojas, cadeia, cartório, cinema...

RIO DE JANEIRO, BRASIL - Do primeiro ao último minuto do ano, não falta o que fazer, o que visitar e o que rever no Estado do Rio de Janeiro, que não por acaso ostenta o rótulo de Maravilhoso. Além das praias e de seus outros dois ícones geográficos – o Corcovado e o Pão de Açúcar – o Rio vem ganhando uma série de atrativos culturais e gastronômicos. Quem deixa a capital e percorre o litoral fluminense encontra praias de beleza raríssima. Ao norte, na Região dos Lagos, estão as dunas de Cabo Frio, as águas translúcidas e frias de Arraial do Cabo, boas para mergulho, a badalação de Búzios e as trilhas rurais de Rio das Ostras. De frente para a Baía da Guanabara, Niterói mostra que a vista para a cidade do Rio não é o único atrativo. Além de oferecer, na sua face voltada para o alto mar, trechos de areia ideais para quem quiser fugir do agito de Ipanema e Copacabana, o município começa a explorar o legado das construções assinadas por Oscar Niemeyer, entre elas o famoso Museu de Arte Contemporânea.

GRAMADO, RIO GRANDE DO SUL - Faltava neve à Gramado para que ela assumisse de vez o título de “Suíça brasileira”. Não falta mais: o Snowland, primeiro parque de neve artificial indoor das Américas, trouxe esportes de inverno à cidade, que já era famosa pelas construções enxaimel (aquelas de paredes esquadrinhadas com tirantes de madeira), pelas fondues nos bons restaurantes suíços e pelo climinha gostoso da Serra Gaúcha.

CAMPO BELO, MINAS GERAIS - A primeira cidade do Brasil a ter um time de Rugby (Campo Belo Rugby - CBR) A cidade tem paisagens deslumbrantes com campos a perder de vista. Ideal para a prática de esportes de aventura, ecoturismo, esportes náuticos com várias cachoeiras, praias de água doce além da tradicional e boa comida mineira. Uma cidade tranquila, acolhedora com boas opções para hospedagem

SERRA DO NAVIO, AMAPÁ - A História da Serra do Navio remonta aos anos 1950. A região era rica em manganês e outros minérios. Por isso, a brasileira ICOMI, com sede em Belo Horizonte e atuação em Minas Gerais, foi escolhida para explorar o minério e construir a vila operária, que daria origem à cidade de Serra do Navio. Cada vila tinha 330 casas, prédios coletivos (escolas, hospitais, refeitórios), abrigando até 1.500 pessoas, entre trabalhadores e familiares. Tinha ruas largas, postes de concreto para a fiação elétrica e telefônica, calçadas, parques, clubes com piscina, quadras esportivas, restaurante e lanchonete, drenagem de águas das chuvas e tratamento de água e esgoto. Todas as casas tinham mais de 90m² e contavam com saneamento e energia elétrica, proveniente de geradores da ICOMI.