Pular para o conteúdo principal

ROTEIRO DE 07 DIAS POR PORTUGAL COM UM PULO EM SANTIAGO DE COMPOSTELA - Partindo de Lisboa, essa viagem de sete dias passa por cidades imperdíveis do norte português e termina na espanhola Galícia




CURTA UMA VIAGEM POR PORTUGAL E TERMINANDO NA ESPANHA GALÍCIA - OLHANDO DA JANELA DO TREM
Partindo de Lisboa, essa viagem de sete dias passa por cidades imperdíveis do norte português e termina na espanhola Galícia
Vinhedo à beira do Rio Douro, em Portugal (Ogphoto/Getty Images)
DIA 1
Ponto de partida: Lisboa
Ponto de chegada: Coimbra
Percurso aproximado: 276 km
Castelos, cavaleiros, batalhas. Este roteiro começa com ares de contos de fada. A Autoestrada A1, seguida da A23 e da A13, leva a um dos lugares mais misteriosos do país, em Tomar, a cerca de 140 quilômetros de distância de Lisboa.
Erguido no ano de 1160 pela Ordem dos Cavaleiros Templários, em plena época das Cruzadas, o Convento de Cristo tem incríveis fachadas esculpidas em pedra, pátios, escadarias por vezes sombrias e uma impressionante capela dourada. Reserve duas horas para a visita, antes de pegar a IC9 e a N356 em direção a mais uma viagem no tempo, 45 quilômetros adiante.
O monumental Convento de Cristo, em Tomar (Stockphotosart.com/iStock)
O Mosteiro da Batalha, na vila de mesmo nome, começou a ser construído no século 14, logo depois da vitória de Portugal diante da Espanha na Batalha de Aljubarrota, que culminou com a independência do país.
Foram mais de 150 anos até a obra, que revela elementos góticos, manuelinos e renascentistas, ser concluída. O detalhe mais curioso e inusitado da construção, declarada Patrimônio Mundial pela Unesco, são as capelas inacabadas, abertas e sem teto.
O Panteão D. Duarte, capela sem teto do Mosteiro da Batalha (Hans Blosse/Getty Images)
Meros 15 minutos separam Batalha da vizinha Leiria pela A19. A vila tem um imponente castelo no alto de um morro, mas todas as atenções aqui se voltam para um restaurante que é uma verdadeira atração turística: o Tromba Rija, onde os menus são uma orgia em que desfilam praticamente todos e mais alguns pratos portugueses.
O último trecho de estrada leva até Coimbra, a 77 quilômetros via A1. A pedida é descansar até o dia seguinte na linda Quinta das Lágrimas, onde o hotel ocupa um palacete do século 18.
Antes do jantar, que pode ser no gourmet Arcadas ou no mais informal Pedro & Inês, vale passear sem pressa pelos 12 hectares de jardins que foram palco dos encontros secretos entre o príncipe D. Pedro e Inês de Castro, protagonistas de uma das histórias de amor mais famosas (e trágicas) do mundo.
A Quinta das Lágrimas, palco da trágica história de Inês de Castro e D. Pedro (Quinta das Lágrimas/Divulgação)
DIA 2
Ponto de partida: Coimbra
Ponto de chegada: Porto
Percurso: 133 km
Antes de cair na estrada, aprecie a vista da cidade antiga a partir das margens do Rio Mondego e vá conhecer uma das mais antigas faculdades do mundo, cujos primeiros registros datam de 1290.
Além dos belos edifícios e pátios, uma das atrações incontornáveis da Universidade de Coimbra é a Biblioteca Joanina, uma obra-prima do barroco em Portugal, com três andares erguidos entre 1717 e 1728.
A Joanina, em Coimbra, é das bibliotecas onde quase se cai de joelhos (Top Images/Getty Images)
Caso sobre tempo, deixe na manga a possibilidade de uma visita ao incrível Museu Nacional de Machado de Castro , que foi construído sobre a antiga cidade romana de Aemeni, repleto de galerias subterrâneas e um acervo variadíssimo de ourivesaria, cerâmica e escultura.
Saia da cidade pela A31, seguida da IC2, e já vá imaginando o que te espera para o almoço em Mealhada, a menos de meia hora de distância: um impecável leitão à moda da Bairrada – à pururuca, com a pele crocante e a carne que chega a derreter. O acompanhamento ideal é uma salada de laranjas e o leve espumante produzido nos vinhedos dos arredores.
Há vários restaurantes espalhados pela estrada, mas não perca tempo e vá direto ao imbatível Pedro dos Leitões, onde os fornos aquecidos por lenha de videira espalham um delicioso cheiro no ar.
A azulejaria hispano-mourisca (Visit Portugal/Divulgação)
Deixe a sobremesa para a próxima parada: Aveiro, pouco mais de 40 quilômetros adiante através da A1 e da N235. Para bom entendedor, duas palavras bastam: ovos moles.
O doce típico da cidade é um creme aveludado, envolvido por uma massinha que lembra uma hóstia, capaz de fazer esquecer, ainda que temporariamente, qualquer pastel de natas ou toucinho do céu.
O melhor cenário para a extravagância é o Centro da cidade, em que passa o Rio Vouga, coroado de barquinhos coloridos e cercado de confeitarias.
O Porto, destino do dia, está a 75 quilômetros pela A1. No coração do centro histórico, o moderninho The House é o hotel perfeito para explorar acidade a pé nos próximos dois dias. O hotel não dispõe de garagem, mas tem convênio com o estacionamento Faba Ribeira, na mesma rua, com diárias a 20 euros para hóspedes.
The House, perfeito para explorar o centro histórico de Porto (The House/Divulgação)
Para a hora do jantar, a menos de cinco minutos de caminhada, fica o DOP do Chef Rui Paula, que serve clássicos da culinária portuguesa em um ambiente moderninho.
No Porto, o pudim de leite com framboesa do DOP não é nada dispensável (DOP/Divulgação)
DIA 3
Percurso: o melhor do Porto
Dia de bater perna. Saindo do hotel, siga para a Zona da Ribeira, a poucos passos. Escolha um café para apreciar a vista da bela Ponte D. Luís I, construída no final do século 19 por um discípulo do francês Gustave Eiffel, e deixe-se ficar ao sabor do vento – e do desfile de barquinhos coloridos no Douro.
A poucos passos de distância fica a impressionante Igreja de São Francisco, erguida no século 14 e inteiramente revestida de talha dourada quatro séculos mais tarde – sem dúvida, um dos mais impressionantes exemplares do barroco português.
O edifício bem ao lado abriga o Palácio da Bolsa, uma bela construção do século 19 onde se destacam o Pátio das Nações, ladeado por brasões dos países que mantinham relações comerciais com Portugal na época; e o Salão Árabe, com decoração inspirada na Alhambra, de Granada, na Espanha.
Saindo de lá, atravesse o Jardim do Infante D. Henrique e pegue a Rua do Mouzinho da Silveira à esquerda e vire à direita na Bainharia. Siga adiante até chegar à Sé, a impressionante catedral que é uma das construções mais antigas do país.
A Ponte de D. Luís e o Rio Douro, ex-libris do Porto (Sean Pavone Photo/iStock)
De lá, tome o rumo da Estação de São Bento, a menos de cinco minutos de caminhada. Fica na próxima rua, a da Madeira, o Tapabento , um simpático restaurante de ares mediterrâneos, ideal para um almoço informal.
Depois do cafezinho, é hora de deixar a zona histórica e mergulhar no lado mais moderno da cidade. Aproveite para admirar o painel de azulejos de autoria do artista português Jorge Colaço, no hall da São Bento, e pegue o metrô até a Estação Casa da Música.
A visita ao projeto do superarquiteto holandês Rem Koolhaas vale a pena mesmo que seja apenas do lado de fora, mas a visita guiada à Casa da Música é interessantíssima – e paga-se 10 euros pela entrada, que inclui também o acesso à Fundação de Serralves, aonde se chega de Uber por uns 7 euros. O lugar abriga o melhor museu de arte contemporânea do Porto, um projeto do arquiteto Siza Vieira.
Encerre a noite na Baixa, em um dos mais novos restaurantes da cidade, o Vingança (Rua da Picaria, 84), onde se escolhe o prato principal (a vingança) pela temperatura: frio (caso do ceviche de garoupa com milho crocante), morno (como o ovo trufado com purê de aipo e cogumelos) ou quente (que tal o novilho assado com batatinhas e cebolas caramelizadas?).
O centro histórico de Guimarães (Nicolas Vollmer/Flickr)
DIA 4
Ponto de partida: Porto
Ponto de chegada: Braga
Percurso: 81 km
O dia é dedicado ao Minho, terra fria e famosa pela produção dos vinhos verdes portugueses, e o primeiro destino é uma das mais belas cidades medievais do país.
Guimarães fica a pouco menos de 60 quilômetros do Porto, pelas autoestradas A3 e A7, e, não bastasse ser o berço de Portugal, revelou-se um imperdível destino gastronômico graças a uma inauguração que tem dado o que falar.
Aberto em julho de 2016, no Largo do Serralho, A Cozinha é comandado por António Loureiro, vencedor em 2014 do principal concurso gastronômico português e com passagem pelo três-estrelas Azurmendi, no País Basco.
A proposta do chef, com receitas que variam segundo os ingredientes mais frescos no mercado, é a releitura de pratos do norte do país. É fundamental reservar com antecedência.
A tradicional rua de pedestres Souto, em Braga (Marek Stepan/Getty Images)
Os arredores do restaurante estão pipocados de belos edifícios dos séculos 15 ao 19, e rendem uma gostosa caminhada. Antes ou depois de se esbaldar à mesa, visite o Castelo, uma fortaleza do século 10 superbem preservada, onde nasceu o primeiro rei português, no século 12.
Na sequência, visite a Igreja de São Francisco, no Largo de São Francisco, a cerca de 3 quilômetros de distância, famosa por seu interior todo revestido de belos azulejos.
Braga, o próximo destino, está a apenas 25 quilômetros pela A11. Aproveite o final do dia para passear a pé pelo seu centro histórico, onde a grande estrela é a Sé Catedral de Braga, do século 12.
Dono de localização estratégica para o primeiro passeio na manhã seguinte, o Meliá Braga Hotel & Spa tem também um dos melhores restaurantes da cidade, o El Olivo, com opções que vão de fondant de alheira apeito de pato com arroz cremoso de embutidos.
O barroco da escadaria do Santuário Bom Jesus do Monte, em Braga (Shaun Egan/Getty Images)
DIA 5
Ponto de partida: Braga
Ponto de chegada: Ponte de Lima
Percurso: 72 km
Comece o dia no Santuário do Bom Jesus do Monte, a apenas cinco minutos do hotel, um dos principais destinos de peregrinação católica do país. Independentemente da religião, a construção, finalizada no início do século 19, é impressionante e vale a visita.
Para atingir o topo, onde fica uma basílica, existe uma via-sacra composta por diferentes lances de escadas, cercados de bonitos jardins (há, também, um funicular, considerado o primeiro da Península Ibérica).
Cerca de meia hora de asfalto pela Via A11 leva a Barcelos, terra do maior ícone português de todos os tempos nascido de uma lenda.
É possível encontrar diferentes versões do famoso galo no Centro de Artesanato (Rua D. Diogo Pinheiro, 25), que reúne trabalhos dos principais artistas locais.
Os galinhos de Barcelos, típico souvenir (Stephan Pennells/Getty Images)
O próximo destino é a vila mais antiga de Portugal, Ponte de Lima, a cerca de 50 quilômetros pela A3. O almoço pode ser na Taverna Vaca das Cordas, onde, para não errar, basta pedir os pratos mais famosos: o bacalhau à moda da casa, feito com broa, e, para finalizar, a torta de limão com suspiros e raspinhas.
Depois, a pedida é explorar o centro histórico, banhado pelo Rio Lima. Não deixei de passar pela Rua Beato Francisco Pacheco ou pelo Largo do Chafariz. E jamais considere ir embora sem cruzar a emblemática ponte que dá nome à vila – sua origem está ligada aos tempos do Império Romano, mais de 2 mil anos atrás.
É ponto de passagem de peregrinos que vão a Santiago de Compostela pelo caminho português. Para uma noite em grande estilo, considere o Carmo’s Boutique Hotel, instalado num casarão com belo jardim, piscina e spa. O jantar pode ser servido ao ar livre, e deve ser solicitado com antecedência.
A Ponte de Lima, emblemática construção romana que dá nome à cidade (HenriqueDRMartins/iStock)
DIA 6
Ponto de partida: Ponte de Lima
Ponto de chegada: Santiago de Compostela
Percurso: 154 km
Cerca de duas horas de estrada, via A3, em Portugal, e AP9, na Espanha, levam à reta final do percurso através das terras verdejantes da Galícia.
Destino de mais de 260 mil peregrinos por ano, Santiago de Compostela é bem mais que destino religioso. Além de dono de um belo centro histórico, trata-se de um dos melhores destinos gastronômicos do país e uma animada cidade universitária.
A soberba Catedral de Santiago de Compostela, ponto final dos peregrinos (Ken Scicluna/John Warburton-Lee/Getty Images)
Antes de se embrenhar pela cidade, vale fazer uma parada estratégica para o almoço numa verdadeira instituição local, o restaurante Dezaseis. O ambiente é simples e rústico, mas a comida é das melhores da região. A estrela da casa é o polvo grelhado (polpo a grella). Para acompanhar, comemore a chegada com um brinde dos ótimos vinhos Albariño, produzidos na região.
Reserve a parte da tarde para a principal atração local e seus arredores. A Praza do Obradoiro é o centro de tudo. Fica lá a entrada monumental da Catedral de Santiago, através da Porta da Glória, impressionante com as suas 200 esculturas que representam a bíblica história da salvação.
As origens do templo remontam ao século 11, e é possível ver resquícios do seu passado no subsolo através de ruínas arqueológicas. São também imperdíveis o Museo da Catedral, com acervo espalhado por quatro andares; o Palacio de Gelmírez, casa do bispado do século 12; e a subida ao topo da construção, que descortina lindas vistas da cidade.
As missas dos peregrinos acontecem todos os dias, ao meio-dia e às 19h30. Em dias santos e feriados religiosos, o espetáculo fica por conta do gigantesco incensário, ou bota-fumeiro, uma peça de mais de 50 quilos pendurada a 20 metros de altura, balançada por, pelo menos, oito homens entre as naves.
Quem puder passar a noite em grande estilo pode se hospedar bem em frente, no Hostal dos Reis Católicos, um belo edifício do século 16. Uma opção mais barata bem pertinho é o Costa Vella, recheado de convidativos jardins.
É um bom programa, de toda forma, conhecer o hostal e jantar por lá. O restaurante Especia serve bons pratos de frutos do mar sob arcadas de pedra.
As conchas de vieira e a cruz de Santiago (Turismo España/Divulgação)
DIA 7
Percurso: o melhor de Santiago de Compostela
Comece a manhã cedinho no Mercado de Abastos, fundado em 1873, e aproveite para aprofundar o conhecimento sobre os produtos da região – não deixe de provar o famoso queijo local, que tem um curioso formato de mama, e os mariscos fresquíssimos (a Galícia é conhecida como a terra dos melhores e mais exóticos frutos do mar na Espanha).
Depois, reserve o dia para caminhar sem pressa por ruelas e becos calçados de pedra e cheios de charme do centro histórico. Há belos edifícios e impressionantes igrejas, como a do Monasterio de San Martín Pinario (Praza da Inmaculada, 5).
As conchas de vieira estão por toda parte (Turismo España/Divulgação)
Quando bater a fome, prove as delícias do Auga e Sal (augaesal.com). Para começar, há um ótimo foie gras servido com figos grelhados ou o bogavante, uma espécie de lagosta, ao molho de laranja de entrada. Na sequência, a merluza ao molho de manteiga negra é uma das melhores apostas.
Deixe a sobremesa para uma confeitaria a menos de cinco minutos de caminhada. A Pastelería Mercedes Mora (Rua do Vilar, 50) prepara doces tradicionais e serve a melhor torta de santiago da cidade – espécie de bolo de amêndoas coberto de açúcar. Um grand finale.
As tortas de Santiago – um delicioso clássico da Galícia (Gregor Lengler/Laif/Glow Images/Reprodução)
QUANDO IR
Quanto mais ao norte de Portugal, mais rigoroso é o inverno. Isso significa que, a partir do Porto, pode fazer bastante frio entre os meses de outubro e março. De abril a setembro as temperaturas costumam ser agradáveis.
Braga recebe uma das maiores e mais bonitas procissões do país durante a Semana Santa. Em agosto, Santiago de Compostela costuma lotar.
Chuvas não chegam a assustar: a cidade fica especialmente mágica com suas calçadas de pedra refletindo a imponência de suas construções. As festas do apóstolo Santiago acontecem na última quinzena de julho, sendo que, no dia 24, acontece um mega espetáculo de projeções de luzes e fogos de artifício.
Texto publicado na edição 256 da revista Viagem e Turismo (fevereiro/2017)

VALEU PELA VISITA - SEMPRE VOLTE

Fonte dos textos e fotos: viagemeturismo.abril.com.br / Thymonthy Becker / Charlie Styforlamber / 

Comentários

  1. Meus parabens pola magnífica entrada. Saúdos!

    ResponderExcluir
  2. Amei esta postagem .
    Estava procurando uma viagem curta .
    Vou guardar para ir nas minhas férias em setembro .
    Obrigado por compartilhar .

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eh uma viagem e tanto. Não tem como não gostar. Valeu Menina. Abraços

      Excluir

Postar um comentário

VALEU POR VIAJAR COM A GENTE

Páginas que receberam mais visitas

BAEPENDI, MINAS GERAIS - A terra de "Nhá Chica". Na natureza preservada no município estão cerca de 40% do parque ecológico do papagaio, é local ideal para fazer trilhas e acampar em paradisíacos lugares. Baependi é uma das poucas cidades que podem ser visitadas durante qualquer época do ano, sem se preocupar com a programação que irá encontrar pois, o verão é bem definido, sendo um convite para se deslumbrar com as mais de cinqüenta cachoeiras que cercam a cidade e o inverno pouco chuvoso propicia inúmeras opções para enfrentar trilhas e acampar em paradisíacos lugares

COLORADO, RIO GRANDE DO SUL - Colorado é uma pequena cidade do Alto Jacuí. Fundada por imigrantes italianos e alemães. O espetáculo, belezas naturais, cores, aromas que seduzem à primeira vista. O município tem como base da economia a produção agrícola. A região possui uma relação muito próxima com as águas e com a geração de energia elétrica, a partir da formação do maior lago artificial do Estado – os Alagados do Passo Real e da Barragem de Ernestina. Bonitas e agradáveis, as cidades proporcionam atrações diversificadas, eventos, muitas festas, gastronomia, artesanato.

REPRESA DE FURNAS, SÃO JOSÉ DA BARRA, MINAS GERAIS - No dia 9 de janeiro de 1963 o túnel que desviou o curso do rio Grande para a construção da Usina de Furnas foi fechado e as águas que formaram um dos maiores reservatórios do mundo, criou praias, formou cânions e cachoeiras, inundou vilarejos e mudou para sempre a história dos 34 municípios que ficam ao longo dos 1.440 km2 de extensão do Lago de Furnas que abrange também parte do Parque Nacional da Serra da Canastra. O Lago de Furnas, também conhecido como "O MAR DE MINAS", é quatro vezes maior que a Baía de Guanabara, no Rio de Janeiro

BRASÍLIA, DF, BRASIL - Brasília é formada por gente de todos os lugares, todas as idades e de muitas gerações. É uma mistura de sotaques do Nordeste, Sudeste, Norte e Sul do país e até de estrangeiros. Por conta de seu rápido crescimento, já é a quarta cidade mais populosa do país. A maioria dos moradores, 52%, é mulher e tem em média 30 anos. Os primeiros habitantes que chegaram a Brasília vieram, principalmente, atraídos pelos empregos na construção civil e ajudaram na construção da capital. Eles eram chamados de candangos e aqui construíram e criaram famílias

TOMBOS, MINAS GERAIS - Na cachoeira três tombos, verdadeira obra da natureza de imensurável beleza que constitui um cartão postal da cidade com 62 metros de altura. A Gruta Pedra Santa localizada no distrito de Catuné, uma obra construída pela própria natureza. Ao longo do tempo a grande pedra foi desintegrando-se e formou-se um grande salão, onde ergueu-se a capela em Honra a Nossa Senhora de Lourdes. Praças diversas, museu municipal que funciona na antiga estação ferroviária, usina hidrelétrica de Tombos e os dois distritos “Catuné” e “Água Santa” valem uma visita à cidade de Tombos

SERRA DO NAVIO, AMAPÁ - A História da Serra do Navio remonta aos anos 1950. A região era rica em manganês e outros minérios. Por isso, a brasileira ICOMI, com sede em Belo Horizonte e atuação em Minas Gerais, foi escolhida para explorar o minério e construir a vila operária, que daria origem à cidade de Serra do Navio. Cada vila tinha 330 casas, prédios coletivos (escolas, hospitais, refeitórios), abrigando até 1.500 pessoas, entre trabalhadores e familiares. Tinha ruas largas, postes de concreto para a fiação elétrica e telefônica, calçadas, parques, clubes com piscina, quadras esportivas, restaurante e lanchonete, drenagem de águas das chuvas e tratamento de água e esgoto. Todas as casas tinham mais de 90m² e contavam com saneamento e energia elétrica, proveniente de geradores da ICOMI.

IGATU, ANDARAÍ, BAHIA - Eh uma verdadeira cidade de pedra. "Sagrada" pra quem viveu lá durante o auge do ciclo do diamante. O trajeto até a vila já é uma atração: a estrada de acesso pela BA-142 é cheia de mirantes naturais. Ao chegar, a impressão é de ter voltado no tempo, quando igatu era chamada de Xique Xique e famosa pela extração de diamantes. Hoje não há farmácias, o hospital mais próximo fica em Andaraí, a 12 km. Em outros tempos quem diria? Cabarés, cassinos, lojas, cadeia, cartório, cinema...

RIO DE JANEIRO, BRASIL - Do primeiro ao último minuto do ano, não falta o que fazer, o que visitar e o que rever no Estado do Rio de Janeiro, que não por acaso ostenta o rótulo de Maravilhoso. Além das praias e de seus outros dois ícones geográficos – o Corcovado e o Pão de Açúcar – o Rio vem ganhando uma série de atrativos culturais e gastronômicos. Quem deixa a capital e percorre o litoral fluminense encontra praias de beleza raríssima. Ao norte, na Região dos Lagos, estão as dunas de Cabo Frio, as águas translúcidas e frias de Arraial do Cabo, boas para mergulho, a badalação de Búzios e as trilhas rurais de Rio das Ostras

GRAMADO, RIO GRANDE DO SUL - Faltava neve à Gramado para que ela assumisse de vez o título de “Suíça brasileira”. Não falta mais: o Snowland, primeiro parque de neve artificial indoor das Américas, trouxe esportes de inverno à cidade, que já era famosa pelas construções enxaimel (aquelas de paredes esquadrinhadas com tirantes de madeira), pelas fondues nos bons restaurantes suíços e pelo climinha gostoso da Serra Gaúcha.

CAMPO BELO, MINAS GERAIS - A primeira cidade do Brasil a ter um time de Rugby (Campo Belo Rugby - CBR) A cidade tem paisagens deslumbrantes com campos a perder de vista. Ideal para a prática de esportes de aventura, ecoturismo, esportes náuticos com várias cachoeiras, praias de água doce além da tradicional e boa comida mineira. Uma cidade tranquila, acolhedora com boas opções para hospedagem