Pular para o conteúdo principal

EXTREMA, MINAS GERAIS - Na Serra da Mantiqueira, a 935 m de altitude, porta de entrada dos bandeirantes paulistas em direção a Minas Gerais, esta Extrema cercada por uma natureza exuberante, conta com muitas atrações turísticas e eventos culturais. Extrema também possui ótimos hotéis, pousadas com preços variados e agências com guias para caminhadas ou esportes de aventura como rafting, rapel e voo livre. No Circuito Serras Verdes do Sul de Minas, está Extrema com seus Roteiros Turísticos, estruturadas pelas 5 Rotas, ou seja, Rota dos Ventos, Rota das Rosas, Rota das Águas, Rota das Pedras e Rota do Sol. O grande destaque é dado ao Parque Municipal da Cachoeira do Salto, sua estrutura e atrativos. O último município mineiro para quem deixa o Estado em direção a São Paulo através da rodovia Fernão Dias (BR-381), que liga as capitais São Paulo a Belo Horizonte.




CONHEÇA A CIDADE DE "EXTREMA", MINAS GERAIS, BRASIL - OLHANDO DA JANELA DO TREM

Na Serra da Mantiqueira, a 935 m de altitude, porta de entrada dos bandeirantes paulistas em direção a Minas Gerais, esta Extrema cercada por uma natureza exuberante, conta com muitas atrações turísticas e eventos culturais. Extrema também possui ótimos hotéis, pousadas com preços variados e agências com guias para caminhadas ou esportes de aventura como rafting, rapel e voo livre. No Circuito Serras Verdes do Sul de Minas, Extrema com seus Roteiros Turísticos, estruturadas pelas 5 Rotas, ou seja, Rota dos Ventos, Rota das Rosas, Rota das Águas, Rota das Pedras e Rota do Sol. (Guia do Turismo Brasil)
O grande destaque é dado ao Parque Municipal da Cachoeira do Salto, sua estrutura e atrativos. A 490 km da Capital Mineira e a 110 km da Capital Paulista, seu nome deve-se à sua localização geográfica: sua zona urbana é a cidade mais ao Sul de Minas Gerais (embora o ponto geográfico mais ao sul do estado fique na zona rural do vizinho município de Camanducaia), ou seja, tem a maior latitude de todo o Estado e está, também, na extrema borda ocidental do maciço da Serra da Mantiqueira. O último município mineiro para quem deixa o Estado em direção a São Paulo através da rodovia Fernão Dias (BR-381), que liga as capitais São Paulo a Belo Horizonte. A grande dica é conhecer um dos raftings mais emocionantes do país, subir a Serra do Lobo. Vale a pena também dar uma volta pelo centro e descobrir uma excelente culinária da tradicional mineira. (Guia do Turismo Brasil)
BEM VINDO A CIDADE DE EXTREMA. O PORTAL DE MINAS. EXTREMAMENTE BELA.
imagem - Vinícius Pazzoto
AS ROTAS DE EXTREMA, MG
O desenho da rosa dos ventos está no ladrilho da praça principal de Extrema (MG), entre um quiosque de artesãos locais e outro. A imagem, símbolo das cartas náuticas, é um guia do que a cidade pode oferecer a quem a visita. São cinco rotas. A primeira delas, no coração da cidade, a Rota das Rosas. Do centro, o sinaleiro aponta para outros quatro caminhos: Rota das Águas, Rota do Sol, Rota das Pedras e Rota dos Ventos. No extremo sulmineiro, o mapa de tantos navegantes agora indica percursos a serem descobertos. (G1.globo.com)
A diária nos hotéis e pousadas varia de R$ 50 a R$ 80 e chega a R$ 200 por apartamentos para até quatro pessoas, incluindo internet e café da manhã. Muitos restaurantes trabalham com o sistema self service e, portanto, com no máximo R$ 25 é possível fazer uma boa refeição. (G1.globo.com/ Extrema Tur)
ROTA DAS ÁGUAS 
A 7 km do Centro, está o Parque Municipal da Cachoeira do Salto. Outros 5km à frente, a Cachoeira do Salto Grande. Mais 24 km distantes da cidade, a Prainha. Com exceção do parque, os demais atrativos estão em propriedade particular. Para acessar a cachoeira, é recomendado que se tenha a companhia de um condutor ambiental, sem que se precise pagar uma taxa de acesso. A Rota das Águas é caminho também para o Pico do Lobo Guará, a cerca de 1.400 metros de altitude. O acesso é feito apenas com veículo 4 x4 e a área é bastante frequentada para quem quer fazer voos livres. O voo livre sai a R$ 250 por pessoa e dura, no mínimo, 15 minutos. (G1.globo.com/ Extrema Tur)
ROTA DAS ROSAS 
Na região central de Extrema, outro parque chama a atenção: é o Parque Municipal da Cachoeira do Jaguari. Gratuito e com entrada permitida a animais, o parque é também destino para os praticantes do rafting. Na cidade, o esporte, em um percurso de 12 km, é realizado de dezembro a maio, mas para os outros meses do ano, a cachoeira oferece condições para uma versão reduzida do esporte, ao custo de R$ 65 por pessoa. Em todo percurso da Rota das Rosas encontram-se diversos tipos de artesanatos, restaurantes, lanchonetes, hotéis e pousadas, mas, sem dúvida, o trabalho de um famoso artista italiano merece ser apreciado nesse passeio. É no Santuário de Santa Rita de Extrema, que se encontram 30 obras em latão martelado de Alfredo Mucci. (G1.globo.com / Extrema Tur)
ROTAS DA PEDRA, DO SOL E DO VENTO 
Nas rotas da Pedra e do Sol, o visitante tem a oportunidade de conhecer outros tipos de paisagem e desfrutar de variados serviços oferecidos pelo caminho por restaurantes e pousadas. Na Rota dos Ventos, as pedras gigantes e o Parque Ecológico do Pico dos Cabritos são o atrativos, especialmente para a prática de rapel, trilha e voo livre. O rapel custa R$ 90 por pessoa. A trilha sai a R$ 50 para um período de 3h a 4h de caminhada. Mas se a intenção do visitante é apenas apreciar a paisagem, a boa notícia é de que praticamente todos os atrativos têm entrada franca, com acesso fácil e bem sinalizado. A maior parte das vias são asfaltadas e mesmo as de terra apresentam boas condições de trânsito. (G1.globo.com / Extrema Tur)
AQUI A MATRIZ DE SANTA RITA DE CÁSSIA em Extrema, MG
imagem -  Beatriz P. S. Fagundes
CACHOEIRA DO SALTO NO PARQUE MUNICIPAL CACHOEIRA DO SALTO em Extrema, MG
Foto - PME
CUME DA PEDRA DOS CABRITOS em Extrema, MG
Foto - PME
Foto - PME
Foto - PME
RAMPA DE VOO LIVRE em Extrema, MG
Foto - PME
RAFTING NO RIO JAGUARI em Extrema, MG
Foto - PME
PARQUE DA CACHOEIRA DO SALTO em Extrema, MG
Foto - PME
HOTEL FAZENDA em Extrema, MG
imagem -  Hotel Fazenda
PEDRA DO ÍNDIO em Extrema, MG
imagem - Extrema Online
CONHEÇA UM POUCO MAIS DA CIDADE DE EXTREMA, MG
imagem - ?
imagem - ?
imagem - Beatriz P. S. Fagundes
imagem - Vinícius Pazzoto
imagem - Vinícius Pazzoto
imagem - Beatriz P. S. Fagundes
imagem - Extrema Online
imagem - Vinícius Pazzoto
imagem - Vinícius Pazzoto
imagem - Vinícius Pazzoto
CACHOEIRAS em Extrema, MG
imagem - Extrema Online
imagem - Leandro Durães
ESTA FICA NO HOTEL FAZENDA em Extrema, MG
imagem - Hotel Fazenda
ZONA RURAL em Extrema, MG
imagem - ?
PEDRA CINCO DEDOS em Extrema, MG
imagem - extrema Online
ENTORNO DA CIDADE em Extrema, MG
imagem - ?
imagem - Carmen Brazil
imagem - Ernandes C. Santos
imagem - Carmen Brazil
imagem - Vinícius Pazzoto
imagem - Ernandes C. Santos
População estimada 2016 (1) - 33.729
Área da unidade territorial 2015 (km²) - 244,586
Densidade demográfica 2010 (hab/km²) - 116,93
Código do Município 3125101
Gentílico - extremense
Prefeito 2017 / JOÃO BATISTA DA SILVA
ORIGEM DO NOME
O topônimo explica-se pela própria localização geográfica do local, situado no extremo sul do estado de Minas Gerais. Anteriormente, o local chamou-se também, Registro e Santa Rita de Extrema.
A primeira dessas denominações explica-se pela mudança do então Registro de Mandu (Pouso Alegre) para a margem do Rio Jaguari, mudança essa determinada pelo Governador General Luiz Diogo da Silva, dando-se a transferência pelo Assento de 29 de novembro de 1764. A segunda - Santa Rita da Extrema -, o foi em homenagem à padroeira do lugar, Santa Rita, e em função da situação geográfica, como ficou dito.

Gentílico: extremense
HISTÓRICO
O núcleo inicial, segundo a tradição que congregou os primeiros moradores da vila de Extrema foi uma ermida, cuja construção data de época não determinada, mas sem dúvida, antes do ano de 1800. Ainda segundo a tradição, a essa ermida, consagrada à invocação de Santa Rita, foi uma doação de trinta alqueires de terreno, pelo fazendeiro José Alves, Vulgo Zeca Alves, proprietário de vastos latifúndios que abrangiam parte da serra do Lopo e dos locais denominados "Tenentes" e "Rodeio".
O topônimo explica-se pela própria localização geográfica do local, situado no extremo sul do estado de Minas Gerais. Anteriormente, o local chamou-se também, Registro e Santa Rita de Extrema. A primeira dessas denominações explica-se pela mudança do então Registro de Mandu (Pouso Alegre) para a margem do Rio Jaguari, mudança essa determinada pelo Governador General Luiz Diogo da Silva, dando-se a transferência pelo Assento de 29 de novembro de 1764. A segunda - Santa Rita da Extrema - , o foi em homenagem à padroeira do lugar , Santa Rita, e em função da situação geográfica, como ficou dito.
Os primeiros povoadores a se fixarem em torno da ermida eram portugueses que provinham de Camanducaia, de Bragança Paulista, de Atibaia e de São João do Curralinho (hoje, Joanópolis). A tradição guardou os nomes do Capitão José da Silva Miranda, Lourenço Dias Portela, João Tavares, Antonio Rodrigues Pimentel, Alexandre Faustino de Almeida, Francisco Leite da Silva, José Francisco da Silva, José Rodrigues de Almeida, Manoel Pereira Galvão e José Pereira da Cunha.
ESTE EH A BANDEIRA DA CIDADE DE EXTREMA, MINAS GERAIS
ESTE EH O BRASÃO DO MUNICÍPIO DE EXTREMA, MINAS GERAIS 

VALEU PELA VISITA. SEMPRE VOLTE. ATÉ A PRÓXIMA


Fonte dos textos e fotos: IBGE / Thymonthy Becker / Wikipédia / Portal do Governo de Extrema / Charlie Styforlamber / guiadoturismobrasil.com / extrematur.com.br / 


Comentários

Páginas que receberam mais visitas

BAEPENDI, MINAS GERAIS - A terra de "Nhá Chica". Na natureza preservada no município estão cerca de 40% do parque ecológico do papagaio, é local ideal para fazer trilhas e acampar em paradisíacos lugares. Baependi é uma das poucas cidades que podem ser visitadas durante qualquer época do ano, sem se preocupar com a programação que irá encontrar pois, o verão é bem definido, sendo um convite para se deslumbrar com as mais de cinqüenta cachoeiras que cercam a cidade e o inverno pouco chuvoso propicia inúmeras opções para enfrentar trilhas e acampar em paradisíacos lugares

COLORADO, RIO GRANDE DO SUL - Colorado é uma pequena cidade do Alto Jacuí. Fundada por imigrantes italianos e alemães. O espetáculo, belezas naturais, cores, aromas que seduzem à primeira vista. O município tem como base da economia a produção agrícola. A região possui uma relação muito próxima com as águas e com a geração de energia elétrica, a partir da formação do maior lago artificial do Estado – os Alagados do Passo Real e da Barragem de Ernestina. Bonitas e agradáveis, as cidades proporcionam atrações diversificadas, eventos, muitas festas, gastronomia, artesanato.

REPRESA DE FURNAS, SÃO JOSÉ DA BARRA, MINAS GERAIS - No dia 9 de janeiro de 1963 o túnel que desviou o curso do rio Grande para a construção da Usina de Furnas foi fechado e as águas que formaram um dos maiores reservatórios do mundo, criou praias, formou cânions e cachoeiras, inundou vilarejos e mudou para sempre a história dos 34 municípios que ficam ao longo dos 1.440 km2 de extensão do Lago de Furnas que abrange também parte do Parque Nacional da Serra da Canastra. O Lago de Furnas, também conhecido como "O MAR DE MINAS", é quatro vezes maior que a Baía de Guanabara, no Rio de Janeiro

BRASÍLIA, DF, BRASIL - Brasília é formada por gente de todos os lugares, todas as idades e de muitas gerações. É uma mistura de sotaques do Nordeste, Sudeste, Norte e Sul do país e até de estrangeiros. Por conta de seu rápido crescimento, já é a quarta cidade mais populosa do país. A maioria dos moradores, 52%, é mulher e tem em média 30 anos. Os primeiros habitantes que chegaram a Brasília vieram, principalmente, atraídos pelos empregos na construção civil e ajudaram na construção da capital. Eles eram chamados de candangos e aqui construíram e criaram famílias

TOMBOS, MINAS GERAIS - Na cachoeira três tombos, verdadeira obra da natureza de imensurável beleza que constitui um cartão postal da cidade com 62 metros de altura. A Gruta Pedra Santa localizada no distrito de Catuné, uma obra construída pela própria natureza. Ao longo do tempo a grande pedra foi desintegrando-se e formou-se um grande salão, onde ergueu-se a capela em Honra a Nossa Senhora de Lourdes. Praças diversas, museu municipal que funciona na antiga estação ferroviária, usina hidrelétrica de Tombos e os dois distritos “Catuné” e “Água Santa” valem uma visita à cidade de Tombos

IGATU, ANDARAÍ, BAHIA - Eh uma verdadeira cidade de pedra. "Sagrada" pra quem viveu lá durante o auge do ciclo do diamante. O trajeto até a vila já é uma atração: a estrada de acesso pela BA-142 é cheia de mirantes naturais. Ao chegar, a impressão é de ter voltado no tempo, quando igatu era chamada de Xique Xique e famosa pela extração de diamantes. Hoje não há farmácias, o hospital mais próximo fica em Andaraí, a 12 km. Em outros tempos quem diria? Cabarés, cassinos, lojas, cadeia, cartório, cinema...

RIO DE JANEIRO, BRASIL - Do primeiro ao último minuto do ano, não falta o que fazer, o que visitar e o que rever no Estado do Rio de Janeiro, que não por acaso ostenta o rótulo de Maravilhoso. Além das praias e de seus outros dois ícones geográficos – o Corcovado e o Pão de Açúcar – o Rio vem ganhando uma série de atrativos culturais e gastronômicos. Quem deixa a capital e percorre o litoral fluminense encontra praias de beleza raríssima. Ao norte, na Região dos Lagos, estão as dunas de Cabo Frio, as águas translúcidas e frias de Arraial do Cabo, boas para mergulho, a badalação de Búzios e as trilhas rurais de Rio das Ostras

SERRA DO NAVIO, AMAPÁ - A História da Serra do Navio remonta aos anos 1950. A região era rica em manganês e outros minérios. Por isso, a brasileira ICOMI, com sede em Belo Horizonte e atuação em Minas Gerais, foi escolhida para explorar o minério e construir a vila operária, que daria origem à cidade de Serra do Navio. Cada vila tinha 330 casas, prédios coletivos (escolas, hospitais, refeitórios), abrigando até 1.500 pessoas, entre trabalhadores e familiares. Tinha ruas largas, postes de concreto para a fiação elétrica e telefônica, calçadas, parques, clubes com piscina, quadras esportivas, restaurante e lanchonete, drenagem de águas das chuvas e tratamento de água e esgoto. Todas as casas tinham mais de 90m² e contavam com saneamento e energia elétrica, proveniente de geradores da ICOMI.

GRAMADO, RIO GRANDE DO SUL - Faltava neve à Gramado para que ela assumisse de vez o título de “Suíça brasileira”. Não falta mais: o Snowland, primeiro parque de neve artificial indoor das Américas, trouxe esportes de inverno à cidade, que já era famosa pelas construções enxaimel (aquelas de paredes esquadrinhadas com tirantes de madeira), pelas fondues nos bons restaurantes suíços e pelo climinha gostoso da Serra Gaúcha.

CAMPO BELO, MINAS GERAIS - A primeira cidade do Brasil a ter um time de Rugby (Campo Belo Rugby - CBR) A cidade tem paisagens deslumbrantes com campos a perder de vista. Ideal para a prática de esportes de aventura, ecoturismo, esportes náuticos com várias cachoeiras, praias de água doce além da tradicional e boa comida mineira. Uma cidade tranquila, acolhedora com boas opções para hospedagem