Pular para o conteúdo principal

PETRA, WADI MUSA, JORDÂNIA - As lembranças que guardava ou achava que guardava do filme Indiana Jones e a Última Cruzada, de 1989, e quando eu ainda pensava que alguns lugares maravilhosos pertenciam às telas do cinema, como cenários que depois se desmontam e cuja beleza resistiria apenas enquanto o filme vivesse e dele se lembrassem. O mundo é muito mais bonito do que o cinema, mas eu aprendi isso algum tempo depois. Petra marcou. Indiana e seu pai, vivido por Sean Connery, passavam por um desfiladeiro compridíssimo até chegar a um portal absurdo. Depois eu soube: esse portal chama-se Al-Khazneh, ou o Tesouro, e é apenas uma das maravilhas construídas por um povo que viveu ali há mais de 2 mil anos e sobre o qual se ensina muito pouco, os nabateus.




CONHEÇA A CIDADE PERDIDA DE "PETRA", JORDÂNIA - OLHANDO DA JANELA DO TREM
AS LEMBRANÇAS 
As lembranças que guardava ou achava que guardava do filme Indiana Jones e a Última Cruzada, de 1989 (e que o turismo da Jordânia muito capitalizou), o terceiro da saga de Steven Spielberg e George Lucas, lançado quando eu nem tinha idade para achar Harrison Ford galã do cinema, e quando eu ainda pensava que alguns lugares maravilhosos pertenciam às telas do cinema, como cenários que depois se desmontam e cuja beleza resistiria apenas enquanto o filme vivesse e dele se lembrassem. O mundo é muito mais bonito do que o cinema, mas eu aprendi isso algum tempo depois. 
Petra marcou. Indiana e seu pai, vivido por Sean Connery, passavam por um desfiladeiro compridíssimo até chegar a um portal absurdo. Depois eu soube: esse portal chama-se Al-Khazneh, ou o Tesouro, e é apenas uma das maravilhas construídas por um povo que viveu ali há mais de 2 mil anos e sobre o qual se ensina muito pouco, os nabateus.
Pequenos seres humanos se aproximam do Mausoléu da Urna, um dos monumentos de Petra que sobreviveram a mais de 20 séculos
ESTRELA DE NOVELA 
As ruínas de Petra são como um grande parque temático, um deleite para os arqueólogos, um prazer para o viajante que gosta de imaginar como era a vida em um lugar tão remoto, construído há tanto tempo, mais de 20 séculos atrás. Os nabateus não foram os primeiros a habitar o local, mas sim os que, a partir do século 6 a.C., construíram seus principais e monumentais edifícios. Em seu apogeu, Petra chegou a ter 30 mil habitantes. No século 1 foi invadida pelos romanos, que deram feições novas à cidade, como ruas cercadas por colunas (romanas, of course) e banhos coletivos. Durante o período bizantino, alguns prédios viraram igrejas. Terremotos atingiram a região nos séculos 4 e 6. Os demais registros históricos remontam às Cruzadas.
O Tesouro é o primeiro edifício que se avista ao sair desfiladeiro Al-Siq. Com 40 metros de altura, já abrigou a tumba do rei Aretas IV e foi cenário do filme Indiana Jones e a Última Cruzada
Desfiladeiro de al-Siq, em Petra
Petra, o principal cartão-postal da Jordânia está localizado a cerca de 3 horas e meia da capital, Amã. Chamada de “cidade rosa”, Petra (pedra, em grego) foi fundada por volta de 312 a.C. pelo povo dos nabateus, uma tribo nômade árabe. A cidade, então, se transformou em um ponto estratégico das rotas de caravanas, que transportavam incenso, mirra e especiarias pelo Oriente Médio. Foi esquecida pelo tempo e somente os beduínos locais sabiam sua localização, até ser redescoberta em 1812, pelo explorador suíço Johan Ludwig Burckhardt.
Desfiladeiro de al-Siq, Petra
Os mercadores nabateus escavaram na rocha templos, depósitos e tumbas, formando uma verdadeira cidade troglodita
Para conhecê-la a fundo, serão necessários de dois a três dias, já que suas atrações estão espalhadas por 5,2 quilômetros quadrados, repletos de túmulos, templos, cisternas, teatros etc. A entrada é feita pelo “Siq”, um estreito com mais de um quilômetro de comprimento, ladeado por imponentes paredes com 80 metros de altura. Ao fim deste caminho, aparece Al-Khazneh (Tesouro), uma fachada imponente com 30 metros de largura e 43 de altura esculpida na própria rocha de um rosa poeirento – elas foi esculpida no início do século 1 para ser o túmulo de um importante rei nabateu. O ponto de saída para os visitantes é o povoado de Wadi Musa, onde se encontram restaurantes, casas de câmbio, lojinhas de suvenires, além de hotéis. Carros não podem circular no local, mas se pode alugar carruagens ou cavalos. Patrimônio da Humanidade pela Unesco em 1985, Petra foi eleita uma das novas sete maravilhas do mundo e cenário de Indiana Jones e a Última Cruzada, alem de locação da novela brasileira Viver a Vida.
Dromedários foram fundamentais nas caravanas comerciais dos nabateus. Hoje, no entanto, apesar de ainda serem importantes para os povos nômades, sua função na área de Petra está mais restrita a alegrar turistas com boas fotos e passeios
COMO CHEGAR 
Várias companhias aéreas fazem a viagem - Air France, British Airlines, Emirates, Iberia, Lufthansa, TAM. Você pode desembarcar no Aeroporto Internacional Queen Alia em Amã e pegar um táxi comum ou coletivo rumo ao sul pela Rodovia do Deserto até Wadi Musa, cidade que fica bem ao lado de Petra. Dá para fazer tudo caminhando.
foto - Wikipédia
PETRA (DO GREGO ΠΈΤΡΑ, PETRA; ÁRABE: البتراء, AL-BITRĀ/AL-BATRĀ)
É UM IMPORTANTE ENCLAVE ARQUEOLÓGICO NA JORDÂNIA, SITUADO NA BACIA ENTRE AS MONTANHAS QUE FORMAM O FLANCO LESTE DE WADI ARABA, O GRANDE VALE QUE VAI DO MAR MORTO AO GOLFO DE AQABA, PERTO DO MONTE HOR E DO DESERTO DE ZIN.
A REGIÃO ONDE SE ENCONTRA PETRA FOI OCUPADA POR VOLTA DO ANO 1200 A.C. PELA TRIBO DOS EDOMITAS, RECEBENDO O NOME DE EDOM. COMO A CIDADE SE SITUAVA PERTO DO MONTE HOR, É MUITO POSSÍVEL QUE OS HORITAS, UM POVO MENCIONADO NA BÍBLIA (GÊNESIS 14:6, 36:20, DEUTERONÓMIO 2:12), HABITASSEM ESSA REGIÃO AINDA ANTES DA CHEGADA DOS EDOMITAS. A REGIÃO SOFREU NUMEROSAS INCURSÕES POR PARTE DAS TRIBOS ISRAELITAS, MAS PERMANECEU SOB DOMÍNIO EDOMITA ATÉ À ANEXAÇÃO PELO IMPÉRIO PERSA.
foto - Wikipédia
Por 600 anos, uma cidade encravada no deserto da Jordânia foi considerada lenda, como Atlântida ou Tróia. Apesar de dezenas relatos ancestrais, que descreviam com precisão os monumentos grandiosos esculpidos em rocha, ninguém foi capaz de localizá-la até o início do século XIX.
Segundo essas mesmas narrações, Petra surgiu pelas mãos dos nabateus, que apareceram no Oriente Próximo por volta do século VI a.C., durante o Império Persa. Segundo os historiadores Estrabão e Diodoro da Sicília, os nabateus eram cerca de 10 mil beduínos que viviam do transporte de especiarias, incenso, mirra e plantas aromáticas. Eles levavam a carga da Arábia Feliz, atuais Iêmen e Omã, até o Mediterrâneo.
Interior da sala do tesouro
A CIDADE DE PETRA ERA DENOMINADA SELA EM EDOMITA, NOME QUE SÍGNIFICA "PEDRA", "PENHASCO" OU "ROCHA" IMPORTANTE ROTA COMERCIAL ENTRE A PENÍNSULA ARÁBICA E DAMASCO (SÍRIA) DURANTE O SÉCULO VI A.C., EDOM FOI COLONIZADA PELOS NABATEUS (UMA DAS TRIBOS ÁRABES), O QUE FORÇOU OS EDOMITAS A MUDAREM-SE PARA O SUL DA PALESTINA, QUE PASSOU A TER O NOME DE IDUMEIA, NOME DERIVADO DOS IDUMEUS OU EDOMITAS.
foto - Wikipédia
O ANO 312 A.C. É APONTADO COMO DATA DO ESTABELECIMENTO DOS NABATEUS NO ENCLAVE DE PETRA E DA NOMEAÇÃO DESTA COMO SUA CAPITAL. DURANTE O PERÍODO DE INFLUÊNCIA HELENÍSTICA DOS SELÊUCIDAS E DOS PTOLOMAICOS, PETRA E A REGIÃO ENVOLVENTE FLORESCERAM MATERIAL E CULTURALMENTE, GRAÇAS AO AUMENTO DAS TROCAS COMERCIAIS PELA FUNDAÇÃO DE NOVAS CIDADES: RABBATH 'AMMON (A MODERNA AMÃ) E GERASA (ATUALMENTE JERASH).
foto - Wikipédia
DEVIDO AOS CONFLITOS ENTRE SELÊUCIDAS E PTOLOMAICOS, OS NABATEUS GANHARAM O CONTROLE DAS ROTAS DE COMÉRCIO ENTRE A ARÁBIA E A SÍRIA. SOB DOMÍNIO NABATEU, PETRA CONVERTEU-SE NO EIXO DO COMÉRCIO DE ESPECIARIAS, SERVINDO DE PONTO DE ENCONTRO ENTRE AS CARAVANAS PROVENIENTES DE AQABA E AS DE CIDADES DE DAMASCO E PALMIRA.
O ESTILO ARQUITETÓNICO DOS NABATEUS, DE INFLUÊNCIA GRECO-ROMANA E ORIENTAL, REVELA A SUA NATUREZA ATIVA E COSMOPOLITA. ESTE POVO ACREDITAVA QUE PETRA SE ENCONTRAVA SOB A PROTEÇÃO DO DEUS DHÛ SHARÂ (DUSARES, EM GREGO).
A 6 DE DEZEMBRO DE 1985, PETRA FOI RECONHECIDA COMO PATRIMÔNIO DA HUMANIDADE PELA UNESCO.
foto - Wikipédia
O EDIFÍCIO DA CÂMARA DO TESOURO, EM PETRA, FOI UTILIZADO COMO CENÁRIO NO FILME INDIANA JONES E A ÚLTIMA CRUZADA. O INTERIOR MOSTRADO NO FILME NÃO CORRESPONDE, NO ENTANTO, AO INTERIOR DO DITO EDIFÍCIO, TENDO SIDO FABRICADO EM ESTÚDIO.
O FILME "TRANSFORMERS 2" TAMBÉM TEVE CENAS GRAVADAS NA CIDADE DE PETRA.
NO FILME "MORTAL KOMBAT: A ANIQUILIÇÃO", RAYDEN ENTRA PARA FALAR COM OS DEUSES ANTIGOS, ONDE FOI TAMBÉM GRAVADO NA CIDADE DE PETRA.
PETRA É FAMOSA PRINCIPALMENTE PELOS SEUS MONUMENTOS ESCAVADOS NA ROCHA, QUE APRESENTAM FACHADAS DE TIPO HELENÍSTICO (COMO O CÉLEBRE EL KHAZNEH).
PERITOS NO DOMÍNIO DA HIDRÁULICA, OS NABATEUS DOTARAM A CIDADE DE UM ENORME SISTEMA DE TÚNEIS E DE CÂMARAS DE ÁGUA. UM TEATRO, CONSTRUÍDO À IMAGEM DOS MODELOS GRECO-ROMANOS, DISPUNHA DE CAPACIDADE PARA 4000 ESPECTADORES.
TINTIM, HERÓI DA BANDA DESENHADA BELGA, VISITA PETRA NO ÁLBUM DE BANDA DESENHADA COKE EN STOCK ("CARVÃO NO PORÃO").
EM NOVEMBRO DE 2009, A CIDADE DE PETRA FOI PALCO PARA A NOVELA BRASILEIRA "VIVER A VIDA (TELENOVELA)" DE MANOEL CARLOS. ENTRE OS DESTAQUES NA CIDADE, FOI REALIZADO O PETRA FASHION DAYS, DESFILE DE MODA À CÉU ABERTO EM FRENTE AS RUINAS DA CÂMARA DO TESOURO (AL KHAZNEH). NA VERDADE O DESFILE NÃO FOI REALIZADO NO LOCAL. A REDE GLOBO ENVIOU JUNTO COM OS ATORES, UMA EQUIPE QUE FOTOGRAFOU TODO O CENÁRIO COM TÉCNICAS DE 3D. AS IMAGENS FORAM INSERIDAS POR COMPUTADOR, ATRÁS DO PALCO MONTADO EM ESTÚDIO PARA O DESFILE, QUE CONTOU COM AS PERSONAGENS HELENA (TAÍS ARAÚJO) E LUCIANA (ALINNE MORAES).
Petra, na Jordânia, é um dos destinos mais procurados do país e também pode ser acessado a partir de Israel
INFORMAÇÕES AO VISITANTE 
Línguas: Árabe 
Moeda: Dinar jordaniano 
Visto: É necessário. 
Saúde: Nenhuma vacina é obrigatória, mas recomendam-se vacinas preventivas de hepatite, poliomielite, tétano e febre tifóide 
Embaixada oficial no Brasil: 
SHIS, QI 09, conj. 18, casa 14, Lago Sul - Brasília, DF 
61 3248-5414 
Melhor época para visitar: 
A melhor época para visita é durante Abril/Maio e Setembro/Outubro
por Gabriela Aguerre (Guia de viagem Abril)


fonte dos textos e fotos: Thymonthy Becker / viajeaqui.abril.com.br / Wikipédia / Divulgação / 

Comentários

Páginas que receberam mais visitas

BAEPENDI, MINAS GERAIS - A terra de "Nhá Chica". Na natureza preservada no município estão cerca de 40% do parque ecológico do papagaio, é local ideal para fazer trilhas e acampar em paradisíacos lugares. Baependi é uma das poucas cidades que podem ser visitadas durante qualquer época do ano, sem se preocupar com a programação que irá encontrar pois, o verão é bem definido, sendo um convite para se deslumbrar com as mais de cinqüenta cachoeiras que cercam a cidade e o inverno pouco chuvoso propicia inúmeras opções para enfrentar trilhas e acampar em paradisíacos lugares

COLORADO, RIO GRANDE DO SUL - Colorado é uma pequena cidade do Alto Jacuí. Fundada por imigrantes italianos e alemães. O espetáculo, belezas naturais, cores, aromas que seduzem à primeira vista. O município tem como base da economia a produção agrícola. A região possui uma relação muito próxima com as águas e com a geração de energia elétrica, a partir da formação do maior lago artificial do Estado – os Alagados do Passo Real e da Barragem de Ernestina. Bonitas e agradáveis, as cidades proporcionam atrações diversificadas, eventos, muitas festas, gastronomia, artesanato.

REPRESA DE FURNAS, SÃO JOSÉ DA BARRA, MINAS GERAIS - No dia 9 de janeiro de 1963 o túnel que desviou o curso do rio Grande para a construção da Usina de Furnas foi fechado e as águas que formaram um dos maiores reservatórios do mundo, criou praias, formou cânions e cachoeiras, inundou vilarejos e mudou para sempre a história dos 34 municípios que ficam ao longo dos 1.440 km2 de extensão do Lago de Furnas que abrange também parte do Parque Nacional da Serra da Canastra. O Lago de Furnas, também conhecido como "O MAR DE MINAS", é quatro vezes maior que a Baía de Guanabara, no Rio de Janeiro

BRASÍLIA, DF, BRASIL - Brasília é formada por gente de todos os lugares, todas as idades e de muitas gerações. É uma mistura de sotaques do Nordeste, Sudeste, Norte e Sul do país e até de estrangeiros. Por conta de seu rápido crescimento, já é a quarta cidade mais populosa do país. A maioria dos moradores, 52%, é mulher e tem em média 30 anos. Os primeiros habitantes que chegaram a Brasília vieram, principalmente, atraídos pelos empregos na construção civil e ajudaram na construção da capital. Eles eram chamados de candangos e aqui construíram e criaram famílias

TOMBOS, MINAS GERAIS - Na cachoeira três tombos, verdadeira obra da natureza de imensurável beleza que constitui um cartão postal da cidade com 62 metros de altura. A Gruta Pedra Santa localizada no distrito de Catuné, uma obra construída pela própria natureza. Ao longo do tempo a grande pedra foi desintegrando-se e formou-se um grande salão, onde ergueu-se a capela em Honra a Nossa Senhora de Lourdes. Praças diversas, museu municipal que funciona na antiga estação ferroviária, usina hidrelétrica de Tombos e os dois distritos “Catuné” e “Água Santa” valem uma visita à cidade de Tombos

IGATU, ANDARAÍ, BAHIA - Eh uma verdadeira cidade de pedra. "Sagrada" pra quem viveu lá durante o auge do ciclo do diamante. O trajeto até a vila já é uma atração: a estrada de acesso pela BA-142 é cheia de mirantes naturais. Ao chegar, a impressão é de ter voltado no tempo, quando igatu era chamada de Xique Xique e famosa pela extração de diamantes. Hoje não há farmácias, o hospital mais próximo fica em Andaraí, a 12 km. Em outros tempos quem diria? Cabarés, cassinos, lojas, cadeia, cartório, cinema...

SERRA DO NAVIO, AMAPÁ - A História da Serra do Navio remonta aos anos 1950. A região era rica em manganês e outros minérios. Por isso, a brasileira ICOMI, com sede em Belo Horizonte e atuação em Minas Gerais, foi escolhida para explorar o minério e construir a vila operária, que daria origem à cidade de Serra do Navio. Cada vila tinha 330 casas, prédios coletivos (escolas, hospitais, refeitórios), abrigando até 1.500 pessoas, entre trabalhadores e familiares. Tinha ruas largas, postes de concreto para a fiação elétrica e telefônica, calçadas, parques, clubes com piscina, quadras esportivas, restaurante e lanchonete, drenagem de águas das chuvas e tratamento de água e esgoto. Todas as casas tinham mais de 90m² e contavam com saneamento e energia elétrica, proveniente de geradores da ICOMI.

RIO DE JANEIRO, BRASIL - Do primeiro ao último minuto do ano, não falta o que fazer, o que visitar e o que rever no Estado do Rio de Janeiro, que não por acaso ostenta o rótulo de Maravilhoso. Além das praias e de seus outros dois ícones geográficos – o Corcovado e o Pão de Açúcar – o Rio vem ganhando uma série de atrativos culturais e gastronômicos. Quem deixa a capital e percorre o litoral fluminense encontra praias de beleza raríssima. Ao norte, na Região dos Lagos, estão as dunas de Cabo Frio, as águas translúcidas e frias de Arraial do Cabo, boas para mergulho, a badalação de Búzios e as trilhas rurais de Rio das Ostras

GRAMADO, RIO GRANDE DO SUL - Faltava neve à Gramado para que ela assumisse de vez o título de “Suíça brasileira”. Não falta mais: o Snowland, primeiro parque de neve artificial indoor das Américas, trouxe esportes de inverno à cidade, que já era famosa pelas construções enxaimel (aquelas de paredes esquadrinhadas com tirantes de madeira), pelas fondues nos bons restaurantes suíços e pelo climinha gostoso da Serra Gaúcha.

CAMPO BELO, MINAS GERAIS - A primeira cidade do Brasil a ter um time de Rugby (Campo Belo Rugby - CBR) A cidade tem paisagens deslumbrantes com campos a perder de vista. Ideal para a prática de esportes de aventura, ecoturismo, esportes náuticos com várias cachoeiras, praias de água doce além da tradicional e boa comida mineira. Uma cidade tranquila, acolhedora com boas opções para hospedagem