Pular para o conteúdo principal

PASSA VINTE, MINAS GERAIS - Passa Vinte é uma típica cidade mineira de interior. Lugar calmo, de clima ameno, está localizada no começo da Serra da Mantiqueira, no sul do estado de Minas Gerais, a 160 km de Juiz de Fora. Sua altitude de 737 metros confere ao município um clima tropical de altitude típico de planaltos e serras. É ótimo para quem admira as montanhas e gosta do contato com o ar puro




CONHEÇA A CIDADE DE "PASSA VINTE", MINAS GERAIS, BRASIL - OLHANDO DA JANELA DO TREM
PASSA VINTE
foto - Volnei Almeida
A cidade de Passa Vinte
foto - Volnei Almeida
Passa Vinte é uma típica cidade mineira de interior. Lugar calmo, de clima ameno, está localizada no começo da Serra da Mantiqueira, no sul do estado de Minas Gerais, a 160 km de Juiz de Fora. Sua altitude de 737 metros confere ao município um clima tropical de altitude típico de planaltos e serras. É ótimo para quem admira as montanhas e gosta do contato com o ar puro.
IGREJA DE SANTO ANTÔNIO
foto - Volnei Almeida
A capital do estado, Belo Horizonte, está a 395 km de Passa Vinte. A economia é baseada na agropecuária. O plantio do milho é predominante na produção agrícola sendo que a pecuária constitui-se da criação de gado leiteiro.
foto - Volnei Almeida
RELÓGIO DE SOL
foto - Volnei Almeida
PEDREIRA OU PEDRA DA CARAPUÇA / ATRATIVO NATURAL
Nome oficial: Pedreira/Pedra da CarapuçaA Pedreira é o cartão postal de Passa Vinte. Com 1.245 metros de altitude, ela é um acidente de relevo que se mostra íngreme e abrupto na direção sul (frente), enquanto na direção norte, desce em declive mais suave. Apresenta uma extensão horizontal de aproximadamente 1.500 metros e sua altura, da base, por onde passa a ferrovia, até o topo é de aproximadamente 400 metros.
foto - ?
Se a montanha impressiona pela beleza, a vista do topo não deixa a desejar. O acesso só é possível pela parte de trás (face norte) por meio das trilhas no meio da mata ou por uma estrada de terra que chega ao ponto mais alto. O acesso com veículos utilizando a estrada, todavia, é mais seguro durante os meses de inverno, período no qual a estrada possui melhores condições, apesar de ser estreita e íngreme.
foto - PMPV
No topo, o horizonte invade a vista e observar o nascer do sol ou as estrelas em noites de inverno é um momento mágico. É possível avistar cidades do estado do Rio de Janeiro quando o tempo está bom e, à noite, o horizonte se enche de clarões de luzes das cidades próximas. É bom levar suprimento de água. A única mina d'água costuma secar no inverno ou se mantém com muito pouca água e de pouca qualidade.
foto - ?
GRUTA DA PEDREIRA/PEDRA DO GORILA / ATRATIVO NATURAL
Nome oficial: Gruta da Pedreira
Está localizada no meio da trilha que leva ao topo da Pedreira e é uma espécie de gruta escavada na rocha. É também chamada de Gruta do Gorila devido ao formato de uma das pedras lembrar um gorila sentado. Pedaços de pedra que se desprenderam da rocha foram se depositando no chão ao longo dos anos e formando pequenas cavernas. É também repleta de tocas que servem de abrigo a pequenos animais.
foto - ?
Durante o verão há uma pequena "chuva" na gruta que se origina da água infiltrada no solo logo acima. No meio há uma formação rochosa de onde pode-se curtir um belo visual do vale que se estende mais à frente e das montanhas da Mantiqueira.
foto - Junior Oliveira
foto - ?
CACHOEIRA DA PAULISTA / ATRATIVO NATURAL
Nome oficial: Cachoeira da Paulista
Seu nome se deve à antiga Companhia Paulista de Ferroligas que aproveitava suas águas para resfriar seu forno e, após o processo, devolvia a água limpa para o córrego e levemente aquecida. Hoje isso não é mais possível visto que a pequena siderúrgica encontra-se desativada. No lado esquerdo da cachoeira, que possui cerca de 30 metros de altura, existe um estreito canal esculpido na rocha.
foto - ?
Na parte superior antes da queda, a água corre sobre um grande bloco de pedra enquanto escava o leito do barranco que limita o córrego. Na base da cachoeira há um pequeno poço e é possível ficar embaixo da cachoeira e receber uma massagem natural.
foto - PMPV
CACHOEIRA DE CARLOS EULER / ATRATIVO NATURAL
Nome oficial: Cachoeira de Carlos Euler
A Cachoeira de Carlos Euler, localizada no distrito de mesmo, está a 10 Km de Passa Vinte e é considerada por muitos a mais bela do município. São quase 100 metros de queda d'água cristalina e fria devido à altitude de 1.100 metros do local. Uma piscina natural se forma logo na base da queda d'água e outra ainda maior logo abaixo da primeira. Devido à altura da queda, o vento sopra um chuvisco constante na frente da cachoeira.
foto - ?
O córrego que forma a cachoeira tem origem em matas nativas da Serra da Mantiqueira e é um dos locais mais altos do município de Passa Vinte.
foto - Herly Céser
CACHOEIRA DA FUMAÇA / ATRATIVO NATURAL
Nome oficial: Cachoeira da Fumaça
Divisa natural entre os estados de Minas Gerais e Rio de Janeiro, a Cachoeira da Fumaça localiza-se no Rio Preto, próxima a comunidade da Boa Vista, no município de Passa Vinte. Também possui acesso pela Vila da Fumaça, no estado do Rio de Janeiro, pertencente ao município de Resende/RJ.
foto - PMPV
A cachoeira se estende por quase 200 metros de queda por entre grandes blocos de pedra, o que ajuda na formação de uma névoa de água semelhante a uma fumaça que dá nome à cachoeira. Antes da queda, a formação de pequenos poços permite aos visitantes banhar-se no rio.
foto - ?
CACHOEIRA DO DJALMA / ATRATIVO NATURAL
Nome oficial: Cachoeira do Djalma
Localizada a 10,0 km do centro de Passa Vinte, a cachoeira do Djalma encontra-se nas corredeiras do Rio Bananal, que tem sua origem nas montanhas do distrito de Carlos Euler. A cachoeira se estende por quase 20 metros por entre pedras e antes de se precipitar na queda, a água forma uma grande piscina natural de águas límpidas.
foto - PMPV
ESTAÇÃO FERROVIÁRIA / ATRATIVO NATURAL
Nome oficial: Estação Ferroviária
Responsável pela mudança do antigo Passa Vinte, às margens do Rio Preto, para a atual localização, a Estação Ferroviária do Cedro, antigo nome da cidade de Passa Vinte, foi construída no início do século XX pela Estrada de Ferro Oeste de Minas, que pretendia ligar o sul do estado de Goiás à cidade de Angra dos Reis, no litoral do estado do Rio de Janeiro.
foto - ?
Durante muitos anos, nos quais correu pelos trilhos da estrada de ferro o saudoso trem mineiro de passageiros, a Estação Ferroviária foi ponto de encontro e atração na cidade de Passa Vinte. A "hora do trem" reunia grande número de pessoas que esperava por parentes e amigos ou iam simplesmente para ver o trem.
foto - ?
Utilizada hoje para transporte de carga apenas, a ferrovia não mais transporta passageiros desde meados da década de 90. O prédio da Estação, todavia, ainda mostra sua imponência e guarda as lembranças do período áureo do transporte de passageiros pelas montanhas da Serra da Mantiqueira.
foto - PMPV
VALE DO PASSA VINTE VELHO / ATRATIVO NATURAL
Nome oficial: Vale do Passa Vinte Velho
A atual comunidade do Passa Vinte Velho, localizada na divisa do estado de Minas Gerais com o Rio de Janeiro, foi onde se originou a cidade de Passa Vinte. Por volta do ano de 1850, a comunidade estava em crescimento e chegou a sediar diversas construções. Com a chegada da ferrovia e a construção da Estação Ferroviária do Cedro, onde hoje se localiza a cidade de Passa Vinte, buscando a facilidade proporcionada pela proximidade com o mais novo meio de transporte, a população do Passa Vinte começou a transferir-se para o Cedro.
foto - PMPV
Aos poucos, a população do cedro foi crescendo e a do Passa Vinte decaindo. Logo, grande parte já havia se instalado no Cedro que adotou o nome de Passa Vinte e a antiga comunidade do Passa Vinte, agora com um número reduzido de habitantes, passou a ser designada Passa Vinte Velho.
Atualmente, a comunidade do Passa Vinte Velho conta com poucos habitantes e guarda ruínas da antiga capela e do cemitério. Entre os vales da Serra da Mantiqueira, a comunidade está às margens da histórica estrada aberta no tempo do Brasil Império, responsável por ligar a região sul de Minas à região sul fluminense e servir de rota para os tropeiros que, transportando diversos produtos, abasteciam a corte do Rio de Janeiro.
foto - Thymonthy Becker
CONHEÇA UM POUCO MAIS DE PASSA VINTE
foto - Volnei Almeida
foto - Volnei Almeida
 foto - Volnei Almeida
foto - Volnei Almeida
foto - Volnei Almeida
foto - Volnei Almeida
foto - Volnei Almeida
foto - Volnei Almeida
O comércio e a Administração Pública representam as maiores fontes de emprego do município.
foto - Volnei Almeida
foto - Volnei Almeida
foto - Volnei Almeida
BEM VINDO A PASSA VINTE / A PÉROLA DA MANTIQUEIRA
foto - ?
foto - ?
foto - ?
OPÇÕES DE HOSPEDAGEM / SUGESTÕES
SÍTIO OLIVEIRA HOTEL
Estrada Passa Vinte-Liberdade, km 02
Passa Vinte, Minas Gerais
CEP.: 37.330-000
Tel.: (32) 3295-1110
E-mail: sitio@sitiooliveirahotel.com.br
www.sitiooliveirahotel.com.br
foto - PMPV
HOTEL SÃO LUIZ
Rua Dr. Osmar de Melo Franco, n° 50, Centro (ao lado da Estação Ferroviária)
Passa Vinte, Minas Gerais
CEP.: 37.330-000
Tel.: (32) 3295-1148
foto - PMPV
VEJA QUE BELAS CACHOEIRAS
foto - ?
foto - ?
ESTE EH O VIADUTO DA FERROVIA, QUE VOCÊ VERÁ EM PASSA VINTE
foto - ?
VEJA AS BELAS MONTANHAS DO ENTORNO DE PASSA VINTE
foto - ?
foto - ?
foto - ?
foto - ?
AQUI, UMA VISÃO GERAL DA CIDADE, QUE ESTA ENCRAVADA NAS BELAS MONTANHAS DAS MINAS GERAIS.
foto - ?
foto - ?
ESTA EH A IGREJA MATRIZ DE PASSA VINTE. MUITO BONITA
foto - ?
foto - ?
GRUTAS, RIO E VISÃO PRIVILEGIADA
foto - ?
foto - ?
foto - ?
A DESLUMBRANTE SERRA DA MANTIQUEIRA
foto - ?
VOCÊ PODE VIR, ACAMPAR POR AQUI, E DESFRUTAR DE TODA BELEZA DO LUGAR.
foto - ?
foto - ?
População estimada 2016 (1) - 2.108
Área da unidade territorial 2015 (km²) - 246,564
Densidade demográfica 2010 (hab/km²) - 8,43
Código do Município 3147808
Gentílico - Passa-Vintense
A TRADICIONAL FESTA DA CIDADE, EH A DE SANTO ANTÔNIO, QUE ATRAI MUITOS FIÉIS. A ECONOMIA DO MUNICÍPIO SE BASEIA PRATICAMENTE NA AGROPECUÁRIA, SENDO O MILHO, A MAIOR PRODUÇÃO DO MUNICÍPIO.
foto - ?
O IDH DO MUNICÍPIO ESTA EM 0,740, CONSIDERADO MÉDIO. (FONTE:ONU)
A CIDADE DE PASSA VINTE, FOI FUNDADA EM 1953. UM CIDADE NOVA, PORÉM MODERNA, HOSPITALEIRA, QUE IRÁ RECEBER VOCÊ MUITO BEM.
VEJA A BELA PASSA VINTE
foto - ?
HISTÓRICO
Passa-Vinte Minas Gerais - MG
Histórico
Ignora-se quando se deram ao certo as primeiras penetrações na região Alto Rio Grande, onde hoje se localiza o município. Quanto ao núcleo inicial que deu origem ao primeiro povoado, guarda a tradição local uma lenda segundo a qual por volta de 1800 duas escravas, beneficiadas pela Lei dos Sexagenários, enquanto procuravam lenha no mato, ali encontraram a imagem de Santo Antônio. Trazida para casa, foi colocada num altar rude onde desapareceu, sendo encontrada novamente no mesmo local de antes. Diante de fato tão inusitado, as escravas convocaram vários escravos refugiados de um quilombo próximo construindo, em mutirão, a primeira capela que abrigou a imagem e, em torno da qual fixaram os primeiros habitantes.
A tradição somente guardou o nome de Francisco Cândido Alves, oriundo de Andrelândia, que teria sido um dos primeiros habitantes do povoado. Supõe-se que o interesse pela quantidade de cedro ali existente tenha trazido para a região outros moradores. Cem anos mais tarde, quando da passagem da Rede Mineira de Viação pelo local, iniciou-se realmente o desenvolvimento do povoado, elevado a município e cidade em 1953.
ORIGEM DO NOME
Passa Vinte, ao que parece, foi inicialmente a denominação genérica para toda a região, dado que os primitivos bandeirantes ao atravessarem o Embaú, seguindo o curso de um córrego desse nome, tinham de transpô-lo vinte vezes antes de atingirem o rio Carapuça, originando-se daí o topônimo do município.
ESTE EH O BRASÃO DA CIDADE DE PASSA VINTE, MINAS GERAIS


SEMPRE VOLTE



fonte dos textos e fotos: IBGE / Thymonthy Becker / Governo de Passa Vinte, MG / Wikipédia / 

Comentários

Páginas que receberam mais visitas

BAEPENDI, MINAS GERAIS - A terra de "Nhá Chica". Baependi é um convite para se deslumbrar com as mais de cinqüenta cachoeiras que cercam a cidade. Na natureza preservada no município estão cerca de 40% do parque ecológico do papagaio, é local ideal para fazer trilhas e acampar em paradisíacos lugares. Baependi é uma das poucas cidades que podem ser visitadas durante qualquer época do ano, sem se preocupar com a programação que irá encontrar pois, o verão é bem definido, sendo um convite para se deslumbrar com as mais de cinqüenta cachoeiras que cercam a cidade e o inverno pouco chuvoso propicia inúmeras opções para enfrentar trilhas e acampar em paradisíacos lugares. A religiosidade ocupa lugar de destaque como um dos fatores que mais atraem os visitantes, uma vez que Baependi foi o lugar onde a serva de Deus, Nhá Chica, concedeu suas graças, hoje em dia inúmeras romarias de diversas partes do país têm como destino o Santuário de Nhá Chica, onde também se encontram seus restos mortais.

COLORADO, RIO GRANDE DO SUL - Será que tem gremista em Colorado? Claro que tem. Colorado é uma pequena cidade do Alto Jacuí. Fundada por imigrantes italianos e alemães. O município tem como base da economia a produção agrícola. Cenários de belezas, cores e aromas que seduzem os turistas. Cenários de belezas, cores e aromas que seduzem os turistas

REPRESA DE FURNAS, SÃO JOSÉ DA BARRA, MINAS GERAIS - No dia 9 de janeiro de 1963 o túnel que desviou o curso do rio Grande para a construção da Usina de Furnas foi fechado e as águas que formaram um dos maiores reservatórios do mundo, criou praias, formou cânions e cachoeiras, inundou vilarejos e mudou para sempre a história dos 34 municípios que ficam ao longo dos 1.440 km2 de extensão do Lago de Furnas. Destes, Capitólio se destaca por oferecer as melhores opções de serviços e infraestrutura turística. Os passeios náuticos, os esportes aquáticos, a pesca esportiva e a exuberância natural são pontos fortes da região, que abrange também parte do Parque Nacional da Serra da Canastra, onde nasce o Rio São Francisco, o "Velho Chico". O Lago de Furnas, também conhecido como "O MAR DE MINAS", é quatro vezes maior que a Baía de Guanabara, no Rio de Janeiro.

BRASÍLIA, DF, BRASIL - Brasília é formada por gente de todos os lugares, todas as idades e de muitas gerações. É uma mistura de sotaques do Nordeste, Sudeste, Norte e Sul do país e até de estrangeiros. Por conta de seu rápido crescimento, já é a quarta cidade mais populosa do país. A maioria dos moradores, 52%, é mulher e tem em média 30 anos. Os primeiros habitantes que chegaram a Brasília vieram, principalmente, atraídos pelos empregos na construção civil e ajudaram na construção da capital. Eles eram chamados de candangos e aqui construíram e criaram famílias. Desses, surgiram os “brasilienses”, o gentílico usado para quem nasceu aqui e adotado por quem veio de fora e assumiu a cidade como sua.

TOMBOS, MINAS GERAIS - Na cachoeira três tombos, verdadeira obra da natureza de imensurável beleza que constitui um cartão postal da cidade com 62 metros de altura. A Gruta Pedra Santa localizada no distrito de Catuné, uma obra construída pela própria natureza. Ao longo do tempo a grande pedra foi desintegrando-se e formou-se um grande salão, onde ergueu-se a capela em Honra a Nossa Senhora de Lourdes. Praças diversas, museu municipal que funciona na antiga estação ferroviária, usina hidrelétrica de Tombos e os dois distritos “Catuné” e “Água Santa” valem uma visita à cidade de Tombos

IGATU, ANDARAÍ, BAHIA - Eh uma verdadeira cidade de pedra. "Sagrada" pra quem viveu lá durante o auge do ciclo do diamante. O trajeto até a vila já é uma atração: a estrada de acesso pela BA-142 é cheia de mirantes naturais. Ao chegar, a impressão é de ter voltado no tempo, quando igatu era chamada de Xique Xique e famosa pela extração de diamantes. Hoje não há farmácias, o hospital mais próximo fica em Andaraí, a 12 km. Em outros tempos quem diria? Cabarés, cassinos, lojas, cadeia, cartório, cinema...

RIO DE JANEIRO, BRASIL - Do primeiro ao último minuto do ano, não falta o que fazer, o que visitar e o que rever no Estado do Rio de Janeiro, que não por acaso ostenta o rótulo de Maravilhoso. Além das praias e de seus outros dois ícones geográficos – o Corcovado e o Pão de Açúcar – o Rio vem ganhando uma série de atrativos culturais e gastronômicos. Quem deixa a capital e percorre o litoral fluminense encontra praias de beleza raríssima. Ao norte, na Região dos Lagos, estão as dunas de Cabo Frio, as águas translúcidas e frias de Arraial do Cabo, boas para mergulho, a badalação de Búzios e as trilhas rurais de Rio das Ostras. De frente para a Baía da Guanabara, Niterói mostra que a vista para a cidade do Rio não é o único atrativo. Além de oferecer, na sua face voltada para o alto mar, trechos de areia ideais para quem quiser fugir do agito de Ipanema e Copacabana, o município começa a explorar o legado das construções assinadas por Oscar Niemeyer, entre elas o famoso Museu de Arte Contemporânea.

GRAMADO, RIO GRANDE DO SUL - Faltava neve à Gramado para que ela assumisse de vez o título de “Suíça brasileira”. Não falta mais: o Snowland, primeiro parque de neve artificial indoor das Américas, trouxe esportes de inverno à cidade, que já era famosa pelas construções enxaimel (aquelas de paredes esquadrinhadas com tirantes de madeira), pelas fondues nos bons restaurantes suíços e pelo climinha gostoso da Serra Gaúcha.

CAMPO BELO, MINAS GERAIS - A primeira cidade do Brasil a ter um time de Rugby (Campo Belo Rugby - CBR) A cidade tem paisagens deslumbrantes com campos a perder de vista. Ideal para a prática de esportes de aventura, ecoturismo, esportes náuticos com várias cachoeiras, praias de água doce além da tradicional e boa comida mineira. Uma cidade tranquila, acolhedora com boas opções para hospedagem

SERRA DO NAVIO, AMAPÁ - A História da Serra do Navio remonta aos anos 1950. A região era rica em manganês e outros minérios. Por isso, a brasileira ICOMI, com sede em Belo Horizonte e atuação em Minas Gerais, foi escolhida para explorar o minério e construir a vila operária, que daria origem à cidade de Serra do Navio. Cada vila tinha 330 casas, prédios coletivos (escolas, hospitais, refeitórios), abrigando até 1.500 pessoas, entre trabalhadores e familiares. Tinha ruas largas, postes de concreto para a fiação elétrica e telefônica, calçadas, parques, clubes com piscina, quadras esportivas, restaurante e lanchonete, drenagem de águas das chuvas e tratamento de água e esgoto. Todas as casas tinham mais de 90m² e contavam com saneamento e energia elétrica, proveniente de geradores da ICOMI.