Pular para o conteúdo principal

PARACATU, MINAS GERAIS - Ótima cidade para a prática de turismo ecológico. Tem cachoeiras, grutas, montanhismo,




CONHEÇA A CIDADE DE "PARACATU", MINAS GERAIS, BRASIL
BEM VINDO A CIDADE DE PARACATU, MG. HISTÓRICA E CULTURAL. CIDADE NATAL DE AFONSO ARINOS
imagem - Revoredo

PARACATU, MG, HISTÓRICA CULTURALMENTE E PATRIMONIALMENTE 
Paracatu pertence ao seleto grupo das dez cidades nacionalmente tombadas em Minas Gerais, o que a coloca no patamar de um dos municípios mineiros mais ricos culturalmente e patrimonialmente, sendo integrante também da Associação das Cidades Históricas de Minas Gerais.
População estimada 2016 (1) - 91.724
Área da unidade territorial 2015 (km²) - 8.229,592
Densidade demográfica 2010 (hab/km²) - 10,29
Código do Município 3147006
Gentílico - paracatuense
Prefeito 2017 / OLAVO REMIGIO CONDE
ORIGEM DO NOME
"Paracatu" é um termo de origem tupi que significa "rio bom", através da junção dos termos "Pará" ("rio") e "Katu" ("bom")

Gentílico: paracatuense
HISTÓRICO
O interior do Brasil foi esquadrinhado pelos, pelos pecuaristas e pelos aventureiros durante todo o período colonial. Em 1744 os bandeirantes Felisberto Caldeira Brant e José Rodrigues Frois comunicaram à coroa o descobrimento das minas do vale do Paracatu. Existem indícios de que o arraial já havia sido fundado muitos anos antes, pois a essa época já se tem conhecimento da existência de casas de morada e igrejas no local. Após essa descoberta, não surgiu no cenário das Gerais nenhuma nova região aurífera de importância. Portanto, “a última grande descoberta aurífera das Minas Gerais ocorreu no Vale do Rio Paracatu no início do século XVIII”.
A conquista da região vinha sendo estruturada há muitos anos. Em 1722, quando Tomás do Lago Medeiros recebeu a patente de Coronel de Paracatu, o direito de guardamoria e o privilégio de distribuição das datas de terras desta região, o ouro não havia sido descoberto, mas a região já era conhecida e havia a expectativa da descoberta de metais preciosos por ali. Em documento datado de 1722, era exigido dele como contrapartida pelos privilégios recebidos, zelar pela boa composição do povoamento a ser estabelecido nestas paragens: “terá grandíssimo cuidado de que na gente com que entrar na dita conquista haja toda quietação e sossego, para o que aproveitara muito não levar em sua companhia criminosos, nem malfeitores antes pessoas que vão só a ela, não por fugirem à justiça, mas por buscar a conveniência nos descobrimentos”.
Os cuidados que as prováveis regiões mineradoras mereciam das cortes portuguesas indicam a importância dessa atividade para a economia da época.
Descoberto o ouro, a atração exercida pela abundância com que este fluía de seus veios d’água contribuiu para o rápido crescimento do Arraial de São Luiz e Sant'Anna das Minas do Paracatu. Após período de grande crescimento, o arraial foi elevado à vila com o nome de Paracatu do Príncipe, em 1798, por um alvará de D. Maria (a louca).
A efêmera riqueza logo se dissipou e o declínio produtivo do ouro aluvial provocou a decadência econômica da vila. Dos tempos de glória, a cidade conservou duas igrejas construídas no século XVIII “tombadas pelo patrimônio histórico” que abrigam uma grande coleção de imagens sacras dos séculos XVIII e XIX.
A cidade retomou seu crescimento com base na agropecuária e viveu uma efervescência cultural no século XIX, da qual ainda hoje se orgulha. Desta época ainda existe um conjunto arquitetônico com características particulares e um interesse por todos os tipos de manifestações artísticas e culturais.
Em meados do século XX, com a construção de Brasília, a região tomou novo impulso e Paracatu beneficiou-se da sua situação às margens da BR 040. A transferência da capital federal para o interior do país já havia sido sugerida durante o período monárquico por José Bonifácio de Andrada, que apontou como ideal a localização da comarca de Paracatu. A modernidade chegou trazendo inúmeras transformações, que vão desde um incremento da economia até uma mudança de mentalidade que inclui novos valores, nova arquitetura e novo estilo de vida.
Paracatu conta hoje com uma agricultura altamente tecnificada, implantada em larga escala; com uma pecuária intensiva; uma exploração mineral das mais modernas do mundo; convivendo com uma exploração agrícola rudimentar de subsistência e uma pecuária extensiva. No campo da mineração, o antigo método do garimpo foi interditado.
A cidade se mantém como pólo irradiador de cultura, de tecnologia e de desenvolvimento dentro da região Noroeste de Minas Gerais e se orgulha de sua gente hospitaleira, laboriosa e da sua tradição artística e cultural.
AQUI UM PONTO DE ÔNIBUS EM PARACATU, MG
imagem -  ?
QUILOMBOS EM PARACATU, MG
Os quilombos paracatuenses são considerados uns dos mais importantes de Minas Gerais. Eles são dotados de elementos únicos, os diferenciando dos demais.
Tais comunidades, segundo documentário feito pelo IAB (Instituto de Arqueologia Brasileira) juntamente com o IPHAN (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional) se subdividem em alforriadas e fugitivas as quais tem grande relevância quanto à constituição étnica da população paracatuense, que em sua maioria é afro-descendente. Recentemente elas vêm sendo foco de estudos antropológicos, sociológicos e históricos.
Em três deles há espaço aberto para a visitação de turistas (o quilombo de São Domingos, São Sebastião e o da Lagoa de Santo Antônio). O dinheiro arrecadado com a atividade contribui para a manutenção e a preservação da identidade de tais povos e da proteção em relação às suas terras.
imagem - Wikipédia
imagem - Wikipédia
imagem - Paracatu Net
imagem - Paracatu Net
TURISMO / CACHOEIRAS EM PARACATU, MG
O turismo ecológico também vem crescendo, à exemplo das cavernas e grutas de Santa Fé, e da série de cachoeiras da região do Prata, em especial a Grande Cachoeira do Prata. O eco-turismo, porém, só pode ser feito pelo auxílio de profissionais capazes, devido ao risco das atividades.
imagem -  Wikipédia
imagem - Wikipédia
imagem - Carlos A. Alves
imagem - Carlos A. Alves
imagem -  Wikipédia
CACHOEIRA SARA ANA EM PARACATU, MG
Bem próxima à cidade, saindo pela MG-188, cerca 20 quilômetros em direção a Guarda-Mor e depois mais 10 em estrada de terra.
O casarão em estilo colonial é uma atração à parte. Tudo isso em meio à beleza da mata do cerrado e água em abundância.
imagem -  Paracatu Net
imagem - Paracatu Net
imagem - Paracatu Net
ÁRVORE
imagem - Carlos A. Alves
ARQUITETURA MODERNA EM PARACATU, MG
imagem - Revoredo
CINEMA / TEATRO EM PARACATU, MG
imagem - Edu Jung
CORETO DA PRAÇA EM PARACATU, MG
imagem - Revoredo
SEDE DO PODER EXECUTIVO - PREFEITURA MUNICIPAL DE PARACATU, MG
imagem - ?
RUA CENTRAL DE PARACATU, MG
imagem - Revoredo
VISTA PARCIAL DA CIDADE DE PARACATU, MG
imagem - ?
BARRAGEM EM PARACATU, MG
imagem - Revoredo
RIO PARACATU EM PARACATU, MG
imagem - ?
ACADEMIA DE LETRAS DO NOROESTE DE MINAS EM PARACATU, MG
Fundada em 25 de Julho de 1996, a Academia de Letras do Noroeste de Minas continua sendo, ao logo dos anos, um dos maiores patrimônios culturais de toda a região e conta atualmente com mais de 30 imortais. Entre os intelectuais que compõem a ALNM estão Maria José G. Santos (Zequinha), Tarzan Leão, Florival Ferreira, Nágela Caldas, Dom Leonardo, entre outros. Presidida atualmente por Coraci da Silva Neiva Batista, ocupante da cadeira número 4, a ALNM sobrevive de auxílios por parte do setor público, além da venda de livros lançados e de alguns apoios esporádicos da iniciativa privada.
imagem -  Paracatu Net
SESC DE PARACATU, MG
imagem - Revoredo
SECRETARIA MUNICIPAL DE CULTURA DE PARACATU, MG
Já foi conhecida com a "Casa de Dona Beija", mas os historiadores contestam esta versão.
O importante é que essa construção valoriza e destaca a beleza do patrimônio histórico em Paracatu em particular no Bairro Santana.
imagem -  Paracatu Net
VISTA PARCIAL DE PARACATU, MG
imagem - Luiz Paulo Oliveira
LARGO DO ROSÁRIO / IGREJA NOSSA SENHORA DO ROSÁRIO EM PARACATU, MG
Um dos mais tradicionais pontos turísticos da cidade, o Largo do Rosário é peça indispensável para quem quer conhecer Paracatu. Além da Igreja de Nossa Senhora do Rosário, outra grande atração da praça é um coreto, famoso palco de apresentações artísticas e manifestações culturais paracatuenses.
imagem -  Altemiro Olinto Cristo
imagem - Paracatu Net
imagem - Paracatu Net
IGREJA DE SÃO SEBASTIÃO DO POUSO ALEGRE EM PARACATU, MG
No final do século XIX, o fazendeiro Imeliano Silva Neiva, um dos homens mais ricos do Noroeste Mineiro manda erguer uma igreja dentro de suas terras sob a invocação de São Sebastião, do qual era devoto. No local, além de construída a Igreja também foi separado um significativo espaço para a instalação de um Cemitério. A igreja de São Sebastião, com o passar do tempo, se tornou mais que espaço religioso de meditação, preces e ritos, mas um lugar de encontro e comemorações da comunidade do antigo Pouso Alegre.
Localizada no antigo vilarejo São Sebastião do Pouso Alegre, a 35 km de Paracatu e considerada Patrimônio Histórico Municipal desde março de 1958 pela Lei n° 406. A igreja centenária foi saqueada e hoje está em ruínas. Envolta em muitas lendas, alguns afirmam ter existido em seu interior obras de autoria do mestre Athaíde e uma imagem de São Sebastião com 1,5 metros de altura.
imagem -  Glaucio Henrique Chaves
MATRIZ DE SANTO ANTÔNIO EM PARACATU, MG
Sua construção deve ter sido iniciada em 1730. O frontispício é simples, lembrando as capelas do primeiro quartel do século XVIII. Ao corpo principal foram acrescentados dois corpos laterais mais baixos. “A ausência de torres sineiras no corpo da igreja, como a sua composição volumétrica, a aproxima da arquitetura religiosa goiana, fato explicável pelo povoamento da região estar vinculado à expansão paulista para os sertões de Goiás.” (IPHAN)
No seu interior, estão “sete altares de estilos diferentes, dos quais quatro inacabados. Os mais interessantes são os altares do arco-cruzeiro, em estilo D. João V” (Fundação João Pinheiro), provavelmente, os mais antigos do templo. Os trabalhos dos retábulos não sofreram influência da arte desenvolvida em Goiás.
Existem trabalhos em talha que não chegaram a ser policromados, como a balaustrada e o púlpito. O altar-mor pertenceu à igreja de Sant’Ana.
As principais festas realizadas na igreja são: a de Santo Antônio, o padroeiro; Semana Santa e Corpus Christi.
imagem - Revoredo
imagem - Alberto Alves
A PRAÇA DA MATRIZ DE PARACATU, MG
imagem - Carlos A. Alves
IGREJA DE SANTA MARIA EM PARACATU, MG
imagem - Carlos A. Alves
imagem - Alberto Alves
MUSEU HISTÓRICO, PARACATU, MG
O prédio que abriga foi construído em 1903, para funcionar o Mercado Municipal de Paracatu, ponto de distribuição e venda de produtos rurais, transportados para a zona urbana em carros de boi e em lombo de burros.
No decorrer dos anos sediou várias instituições, dentre elas a Prefeitura Municipal e a Secretaria de Educação.
A recuperação do prédio visou, além de recompor uma das construções que compõe o patrimônio histórico de Paracatu, estabelecer no referido local o Museu Histórico de Paracatu, ponto de atração turística e guardião do rico acervo da cidade:
- Máquina de projetar filmes do antigo Cine Paracatu, datado de 1954, movida a carvão.
- Amostras de rochas e de minerais de vários lugares do Brasil.
- Máquinas de tecelagem do século XIX.
- Algemas usadas em escravos (mão, pés e pescoço).
- Pente de ferro que os escravos usavam, em brasa viva,para alisar os cabelos.
- Fotos antigas interessantíssimas, doadas pelo paracatuense Virgílio Bijos.
imagem -  Alberto Alves
imagem - Carlos A. Alves
imagem - Carlos A. Alves
imagem - Carlos A. Alves
CHAFARIZ DE TRAIANA, PARACATU, MG
imagem - Carlos A. Alves
INTERIOR DA CAPELA DO CHAFARIZ DE TRAIANA, PARACATU, MG
imagem - Carlos A. Alves
imagem - Wikipédia
CASA ONDE NASCEU AFONSO ARINOS, PARACATU, MG
Casa onde nasceu, em 1º de maio de 1868, o escritor, jurista e jornalista paracatuense Afonso Arinos de Melo Franco. Filho de Virgílio de Melo Franco e Ana Leopoldina de Melo Franco, ocupou a cadeira 40 da Academia Brasileira de Letras, e é nacionalmente reconhecido por livros como 'Pelo Sertão' e 'Os Jagunços'.
imagem -  Paracatu Net
HOTEL FAZENDA, PARACATU, MG
imagem - Carlos A. Alves
CASA DE CULTURA, PARACATU, MG
imagem - Alberto Alves
imagem - Carlos A. Alves
Dos tempos de glória, a cidade conservou duas igrejas construídas no século XVIII – tombadas pelo patrimônio histórico – que abrigam uma grande coleção de imagens sacras dos séculos XVIII e XIX.
PASSINHO DA PAIXÃO, PARACATU, MG
imagem - Wikipédia
SEDE DO PODER LEGISLATIVO - CÂMARA DE VEREADORES, PARACATU, MG
imagem - Alberto Alves
FEIRA DA CACHAÇA DE RAPADURA, PARACATU, MG
Acontece em julho, com a finalidade de divulgar as produções artesanais da cachaça de rapadura feita no município. O evento conta com mais de 20 barracas personalizadas. Também, durante a feira, são comercializadas comidas típicas da cidade.
imagem - Carlos A. Alves
CONHEÇA O CENTRO HISTÓRICO DE PARACATU, MG.
imagem - Carlos A. Alves
imagem - Carlos A. Alves
imagem - Udelton da Paixão
imagem - Udelton da Paixão
imagem - Carlos A. Alves
imagem - Alberto Alves
imagem - Carlos A. Alves
imagem - Udelton da Paixão
imagem - Udelton da Paixão
imagem - Edu Jung
imagem - Udelton da Paixão
imagem - Wikipédia
imagem - Wikipédia
imagem - Carlos A. Alves
ESTE EH O BRASÃO DO MUNICÍPIO DE PARACATU, MINAS GERAIS 
APAIXONE-SE



Fonte / Fotos = IBGE / Thymonthy Becker / Portal do Governo de Paracatu / Wikipédia / Portal paracatu.net / 

Comentários

Páginas que receberam mais visitas

BAEPENDI, MINAS GERAIS - A terra de "Nhá Chica". Baependi é um convite para se deslumbrar com as mais de cinqüenta cachoeiras que cercam a cidade. Na natureza preservada no município estão cerca de 40% do parque ecológico do papagaio, é local ideal para fazer trilhas e acampar em paradisíacos lugares. Baependi é uma das poucas cidades que podem ser visitadas durante qualquer época do ano, sem se preocupar com a programação que irá encontrar pois, o verão é bem definido, sendo um convite para se deslumbrar com as mais de cinqüenta cachoeiras que cercam a cidade e o inverno pouco chuvoso propicia inúmeras opções para enfrentar trilhas e acampar em paradisíacos lugares. A religiosidade ocupa lugar de destaque como um dos fatores que mais atraem os visitantes, uma vez que Baependi foi o lugar onde a serva de Deus, Nhá Chica, concedeu suas graças, hoje em dia inúmeras romarias de diversas partes do país têm como destino o Santuário de Nhá Chica, onde também se encontram seus restos mortais.

COLORADO, RIO GRANDE DO SUL - Será que tem gremista em Colorado? Claro que tem. Colorado é uma pequena cidade do Alto Jacuí. Fundada por imigrantes italianos e alemães. O município tem como base da economia a produção agrícola. Cenários de belezas, cores e aromas que seduzem os turistas. Cenários de belezas, cores e aromas que seduzem os turistas

REPRESA DE FURNAS, SÃO JOSÉ DA BARRA, MINAS GERAIS - No dia 9 de janeiro de 1963 o túnel que desviou o curso do rio Grande para a construção da Usina de Furnas foi fechado e as águas que formaram um dos maiores reservatórios do mundo, criou praias, formou cânions e cachoeiras, inundou vilarejos e mudou para sempre a história dos 34 municípios que ficam ao longo dos 1.440 km2 de extensão do Lago de Furnas. Destes, Capitólio se destaca por oferecer as melhores opções de serviços e infraestrutura turística. Os passeios náuticos, os esportes aquáticos, a pesca esportiva e a exuberância natural são pontos fortes da região, que abrange também parte do Parque Nacional da Serra da Canastra, onde nasce o Rio São Francisco, o "Velho Chico". O Lago de Furnas, também conhecido como "O MAR DE MINAS", é quatro vezes maior que a Baía de Guanabara, no Rio de Janeiro.

BRASÍLIA, DF, BRASIL - Brasília é formada por gente de todos os lugares, todas as idades e de muitas gerações. É uma mistura de sotaques do Nordeste, Sudeste, Norte e Sul do país e até de estrangeiros. Por conta de seu rápido crescimento, já é a quarta cidade mais populosa do país. A maioria dos moradores, 52%, é mulher e tem em média 30 anos. Os primeiros habitantes que chegaram a Brasília vieram, principalmente, atraídos pelos empregos na construção civil e ajudaram na construção da capital. Eles eram chamados de candangos e aqui construíram e criaram famílias. Desses, surgiram os “brasilienses”, o gentílico usado para quem nasceu aqui e adotado por quem veio de fora e assumiu a cidade como sua.

TOMBOS, MINAS GERAIS - Na cachoeira três tombos, verdadeira obra da natureza de imensurável beleza que constitui um cartão postal da cidade com 62 metros de altura. A Gruta Pedra Santa localizada no distrito de Catuné, uma obra construída pela própria natureza. Ao longo do tempo a grande pedra foi desintegrando-se e formou-se um grande salão, onde ergueu-se a capela em Honra a Nossa Senhora de Lourdes. Praças diversas, museu municipal que funciona na antiga estação ferroviária, usina hidrelétrica de Tombos e os dois distritos “Catuné” e “Água Santa” valem uma visita à cidade de Tombos

IGATU, ANDARAÍ, BAHIA - Eh uma verdadeira cidade de pedra. "Sagrada" pra quem viveu lá durante o auge do ciclo do diamante. O trajeto até a vila já é uma atração: a estrada de acesso pela BA-142 é cheia de mirantes naturais. Ao chegar, a impressão é de ter voltado no tempo, quando igatu era chamada de Xique Xique e famosa pela extração de diamantes. Hoje não há farmácias, o hospital mais próximo fica em Andaraí, a 12 km. Em outros tempos quem diria? Cabarés, cassinos, lojas, cadeia, cartório, cinema...

RIO DE JANEIRO, BRASIL - Do primeiro ao último minuto do ano, não falta o que fazer, o que visitar e o que rever no Estado do Rio de Janeiro, que não por acaso ostenta o rótulo de Maravilhoso. Além das praias e de seus outros dois ícones geográficos – o Corcovado e o Pão de Açúcar – o Rio vem ganhando uma série de atrativos culturais e gastronômicos. Quem deixa a capital e percorre o litoral fluminense encontra praias de beleza raríssima. Ao norte, na Região dos Lagos, estão as dunas de Cabo Frio, as águas translúcidas e frias de Arraial do Cabo, boas para mergulho, a badalação de Búzios e as trilhas rurais de Rio das Ostras. De frente para a Baía da Guanabara, Niterói mostra que a vista para a cidade do Rio não é o único atrativo. Além de oferecer, na sua face voltada para o alto mar, trechos de areia ideais para quem quiser fugir do agito de Ipanema e Copacabana, o município começa a explorar o legado das construções assinadas por Oscar Niemeyer, entre elas o famoso Museu de Arte Contemporânea.

GRAMADO, RIO GRANDE DO SUL - Faltava neve à Gramado para que ela assumisse de vez o título de “Suíça brasileira”. Não falta mais: o Snowland, primeiro parque de neve artificial indoor das Américas, trouxe esportes de inverno à cidade, que já era famosa pelas construções enxaimel (aquelas de paredes esquadrinhadas com tirantes de madeira), pelas fondues nos bons restaurantes suíços e pelo climinha gostoso da Serra Gaúcha.

CAMPO BELO, MINAS GERAIS - A primeira cidade do Brasil a ter um time de Rugby (Campo Belo Rugby - CBR) A cidade tem paisagens deslumbrantes com campos a perder de vista. Ideal para a prática de esportes de aventura, ecoturismo, esportes náuticos com várias cachoeiras, praias de água doce além da tradicional e boa comida mineira. Uma cidade tranquila, acolhedora com boas opções para hospedagem

SERRA DO NAVIO, AMAPÁ - A História da Serra do Navio remonta aos anos 1950. A região era rica em manganês e outros minérios. Por isso, a brasileira ICOMI, com sede em Belo Horizonte e atuação em Minas Gerais, foi escolhida para explorar o minério e construir a vila operária, que daria origem à cidade de Serra do Navio. Cada vila tinha 330 casas, prédios coletivos (escolas, hospitais, refeitórios), abrigando até 1.500 pessoas, entre trabalhadores e familiares. Tinha ruas largas, postes de concreto para a fiação elétrica e telefônica, calçadas, parques, clubes com piscina, quadras esportivas, restaurante e lanchonete, drenagem de águas das chuvas e tratamento de água e esgoto. Todas as casas tinham mais de 90m² e contavam com saneamento e energia elétrica, proveniente de geradores da ICOMI.