Pular para o conteúdo principal

OLARIA, MINAS GERAIS - Na Serra da Mantiqueira Mineira, o município de Olaria configura-se como um dos mais charmosos municípios da região e se destaca pela beleza cênica, natural, cultural e histórica. Localizado entre as disjunções das mais belas montanhas de Minas Gerais, entre a Zona da Mata e o Sul de Minas, o município possui forte apelo ecológico e representatividade histórica. No turismo, encontramos uma das vocações mais acentuadas do município. As características geográficas, geológicas e geomorfológicas propiciam uma grande quantidade e variedade de atrativos naturais como: cachoeiras, mirantes e serras que guardam remanescentes de floresta atlântica ainda muito preservadas. Configuram também atrativos turísticos em potencial, as trilhas históricas, que serviam de passagem para tropeiros e viajantes durante o período do ouro até meados do século passado.




CONHEÇA A CIDADE DE "OLARIA", MINAS GERAIS, BRASIL - OLHANDO DA JANELA DO TREM
foto - Thymonthy Becker
A CIDADE 
Na Serra da Mantiqueira Mineira, o município de Olaria configura-se como um dos mais charmosos municípios da região e se destaca pela beleza cênica, natural, cultural e histórica. Localizado entre as disjunções das mais belas montanhas de Minas Gerais, entre a Zona da Mata e o Sul de Minas, o município possui forte apelo ecológico e representatividade histórica, servindo de apoio e passagem para tropeiros, tropas imperiais e viajantes durante o período de ocupação e desenvolvimento de Minas Gerais. 
Foto - PMO
Foto - PMO
Foto - PMO
No turismo, encontramos uma das vocações mais acentuadas do município. As características geográficas, geológicas e geomorfológicas propiciam uma grande quantidade e variedade de atrativos naturais como: cachoeiras, mirantes e serras que guardam remanescentes de floresta atlântica ainda muito preservadas. Configuram também atrativos turísticos em potencial, as trilhas históricas, que serviam de passagem para tropeiros e viajantes durante o período do ouro até meados do século passado. 
Foto - PMO
Foto - PMO
A ATIVIDADE TURÍSTICA NO MUNICÍPIO DE OLARIA 
As principais atividades econômicas do município de Olaria são: a agropecuária e o pequeno comércio. O Turismo, mesmo não sendo inexistente, ainda ocorre de forma tímida e carecendo de equipamentos e serviços turísticos, o que torna ainda mais lento o desenvolvimento da atividade. 
Os seguimentos do Turismo que predominam na região é o Ecoturismo, já consolidado nos vizinhos Parque Estadual de Ibitipoca – Lima Duarte, Povoado do Funil – Rio Preto e em processo evolutivo no entorno e Serra de Lima Duarte / povoado de Monte Verde, bem como em outras áreas como a região dos campos, principalmente no povoado de Souza do Rio Grande, no município de Lima Duarte. O Turismo Rural encontra-se em desenvolvimento com a criação de pesque-pagues, áreas de lazer, passeios a cavalo e restaurantes rurais nos arredores da sede do município de Lima Duarte, resultando em um nicho com grande potencial de desenvolvimento também para o município de Olaria. 
Foto - PMO
Foto - PMO
No município de Olaria, a visitação turística acontece principalmente na Serra da Bocaina, onde se encontra a Capela de Senhor do Passos e Cachoeira da Sesmaria ou Arialdo, também é crescente na Cachoeira do Pão de Angu. O Turismo ocorre no município também de outras formas, considerando que o município de Olaria é passagem e apoio para quem segue para Souza do Rio Grande, Ibitipoca via Rancharia e para jipeiros, motociclistas e ciclistas que percorrem a região em busca de aventuras pelas trilhas e estradas do município. 
Foto - PMO
Devem se considerar também os viajantes que passam pela BR 267, estes quando pára no município, nos empreendimentos a beira da estrada, adquirem produtos e serviços, deixando recursos que ajudam a movimentar a economia local. Estes viajantes, também são visitantes em potencial, já que atravessam o município e devem ser informados sobre o que a região oferece de produtos e serviços turísticos, podendo voltar com suas famílias e amigos para dias de lazer pelos atrativos turísticos de Olaria. 
Fonte: Plano Municipal de Turismo 
Texto: Marcio Lucinda Lima
Foto - PMO
SEJA MUITO BEM VINDO A CIDADE DE OLARIA. TERRA NATAL DO JORNALISTA JESUS DE OLIVEIRA (CRIADOR E EDITOR DE "O LYNCE") UMA DAS PRIMEIRAS REVISTAS BRASILEIRAS. CIDADE ONDE SANTO ANTÔNIO APARECEU
AQUI A SEDE DO GOVERNO MUNICIPAL
foto - ?
AQUI O MARCO ZERO DA CIDADE
foto - Thymonthy Becker
AQUI UMA RUA DO PEQUENO MAS, ACONCHEGANTE MUNICÍPIO.
foto - Thymonthy Becker
O MILAGRE
O fato iniciou com o desaparecimento de um escravo chamado Isidoro da Fazenda Passa Tempo, do Coronel João Caetano Rodrigues. O escravo era querido na fazenda e a esposa do Coronel Rodrigues, Sinhá Umbelina Josefhina da Cunha, pedia ao santo de sua devoção a volta do escravo. Ela rezava terços pedindo a intercessão de Santo Antônio. Num certo dia o escravo reapareceu e lhe contou uma história que causou espanto a todos e logo foi transformada em milagre pelo povo da região. Conta a história lendária que depois da fuga, vagando pela mata virgem, o escravo Isidoro ficou dias seguidos comendo o que encontrava, até que lhe apareceu um homem misterioso, trajando veste escura e cordão amarrado à cintura. O homem lhe falou de Deus e também lhe mostrou o caminho de volta para a casa de seus senhores. O escravo retornou para a fazenda e a história foi considerada uma aparição de Santo Antônio, que ficou conhecido na região como o Santo Antônio da Olaria. Diante da suposta aparição, Sinhá Umbelina fez promessa de mandar construir uma capela em homenagem ao santo e de providenciar uma imagem, que logo foi conseguida na Diocese de Mariana. O templo em homenagem a Santo Antônio foi construído a partir de 1869 e inaugurado em 1872, sendo elevado, devido ao porte do povoado, à categoria de Matriz. 
AQUI A SEDE DA POLICIA MILITAR DE OLARIA.
foto - Thymonthy Becker
AQUI NUMA VISÃO MAIS AMPLA
foto - Thymonthy Becker
OLARIA VISTA DA RODOVIA DE ACESSO.
foto - Thymonthy Becker
AS BELAS MONTANHAS NO ENTORNO DA CIDADE
foto - Thymonthy Becker
MAIS MONTANHAS E O CARRO DO BATENTE
foto - Thymonthy Becker
AQUI TEMO O CENTRO PAROQUIAL
foto - Thymonthy Becker
VEJA AS CASAS ANTIGAS.
foto - Thymonthy Becker
O CALÇAMENTO DAS RUAS EH DO TIPO "LAJOTA"
foto - Thymonthy Becker
AS RUAS SÃO MUITO BEM ARBORIZADAS
foto - Thymonthy Becker
NESTE PRÉDIO FUNCIONA O CENTRO COMUNITÁRIO, A BIBLIOTECA MUNICIPAL E O MUSEU DA CIDADE. MUITO LEGAL A IDÉIA DE REUNIR A CULTURA EM UM ÚNICO LOCAL.
foto - Thymonthy Becker
AQUI A PRAÇA DA IGREJA MATRIZ
foto - Thymonthy Becker
PARTE DA PRAÇA COM UM CASARÃO NA ESQUINA
foto - Thymonthy Becker
OUTRA RUA DA CIDADE
foto - Thymonthy Becker
AQUI A IGREJA MATRIZ DE SANTO ANTÔNIO. FICA NESTA PRAÇA QUE EH MUITO BONITA.
foto - Thymonthy Becker
ESTE EH O INTERIOR DA MATRIZ DE SANTO ANTÔNIO
foto - Raymundo P. Netto
AQUI A MATRIZ VISTA DO LADO ESQUERDO
foto - Thymonthy Becker
AQUI O LADO DIREITO DA MATRIZ
foto - Thymonthy Becker
UMA VISÃO PARCIAL DA BONITA CIDADE DE OLARIA.
foto - Thymonthy Becker
DEBAIXO DA GRANDE ÁRVORE
foto - Thymonthy Becker
O MORRO ATRÁS DAS CASAS.
foto - Thymonthy Becker
OUTRA RUA DA CIDADE.
foto - Thymonthy Becker
A AGÊNCIA DOS CORREIOS E TELÉGRAFOS DO BRASIL
foto - Thymonthy Becker
A ESTRADA REAL
foto - Thymonthy Becker
OUTRA VISÃO PARCIAL COM A MATRIZ AO FUNDO
foto - Thymonthy Becker
OUTRA VISTA DAS MONTANHAS ATRÁS DAS CASAS.
foto - Thymonthy Becker
OLHA A FEIRA NO PASSEIO DA PRAÇA
foto - Thymonthy Becker
AQUI O TRADICIONAL CORETO NO MEIO DAS ÁRVORES
foto - Thymonthy Becker
AQUI ELE VISTO DE OUTRO ÂNGULO
foto - Thymonthy Becker
AS ÁRVORES DA PRAÇA
foto - Thymonthy Becker
Olaria MG
População estimada 2016 (1) - 1.893
Área da unidade territorial 2015 (km²) - 178,242
Densidade demográfica 2010 (hab/km²) - 11,09
Código do Município 3145406
Gentílico - olariense
Prefeito 2017 / LUIZ ENEIAS DE OLIVEIRA
ORIGEM DO NOME
Algum pioneiro montou uma olaria e utilizou o barro propício para a fabricação de telhas do tipo capa e bica, moldadas artesanalmente nas coxas por escravos. Ao mesmo tempo o local que as produzia era denominado de olaria de telha ou olaria de teia. Daí, o motivo da denominação do povoado.
Gentílico: olariense
HISTÓRICO
Nas margens da estrada que ligava São João Del Rei à cidade do Rio de Janeiro havia ranchos para descanso de tropeiros e viajantes. Um deles situava-se entre os rios do Peixe e Rosa Gomes. No local, em fins do século XVIII, formou-se um pequeno povoado que contava com algumas casas de pau a pique, um cemitério e uma capela dedicada à Nossa Senhora do Rosário, fruto da religiosidade dos negros e dos mais empobrecidos (hoje, a gruta da Praça Primeiro de Março, construção recente feita apenas com pedras, é o marco zero de Olaria e o local exato da antiga capela, a primeira da localidade). 
Com o desenvolvimento do povoado, outras atividades econômicas surgiram diversificando a produção local. Algum pioneiro montou uma olaria e utilizou o barro propício para a fabricação de telhas do tipo capa e bica, moldadas artesanalmente nas coxas por escravos. Ao mesmo tempo o local que as produzia era denominado de olaria de telha ou olaria de teia. Daí, o motivo da denominação do povoado. Pressupõe-se que os viajantes utilizavam expressões tais como vamos descansar na olaria ou os habitantes da região expressões como vamos na olaria, pois o local contava com ranchos para descanso, capela, cemitério e comércio de produtos variados. Assim, o topônimo OLARIA passa a denominar, no início do século XIX, este nascente povoado do então Município de Barbacena.
As obrigações religiosas do povo da região circunvizinha ao povoado eram cumpridas na capela de Nossa Senhora do Rosário. Porém, naquela época, a fé da gente simples e a sede de poder de alguns transformavam qualquer acontecimento em milagre, num processo que ocorreu em muitas cidades e lugares de Minas Gerais, inclusive no pequeno povoado da Olaria. 
Pesquisa e texto: Elcio Moreira de Paula - Historiador
Fonte: Prefeitura Municipal
ESTE EH O BRASÃO DO MUNICÍPIO DE OLARIA, MINAS GERAIS 
PELA VISITA AGRADEÇO E ESPERO QUE SEMPRE VOLTE.
A GENTE SE ENCONTRA EM ALGUM LUGAR DE MINAS, QUALQUER DIA DESTES.

As fotos de minha propriedade foram tiradas em Abril / 2012


Fonte dos textos e fotos: IBGE / Thymonthy Becker / Portal do Governo de Olaria / Wikipédia / 



Comentários

Páginas que receberam mais visitas

BAEPENDI, MINAS GERAIS - A terra de "Nhá Chica". Na natureza preservada no município estão cerca de 40% do parque ecológico do papagaio, é local ideal para fazer trilhas e acampar em paradisíacos lugares. Baependi é uma das poucas cidades que podem ser visitadas durante qualquer época do ano, sem se preocupar com a programação que irá encontrar pois, o verão é bem definido, sendo um convite para se deslumbrar com as mais de cinqüenta cachoeiras que cercam a cidade e o inverno pouco chuvoso propicia inúmeras opções para enfrentar trilhas e acampar em paradisíacos lugares

COLORADO, RIO GRANDE DO SUL - Colorado é uma pequena cidade do Alto Jacuí. Fundada por imigrantes italianos e alemães. O espetáculo, belezas naturais, cores, aromas que seduzem à primeira vista. O município tem como base da economia a produção agrícola. A região possui uma relação muito próxima com as águas e com a geração de energia elétrica, a partir da formação do maior lago artificial do Estado – os Alagados do Passo Real e da Barragem de Ernestina. Bonitas e agradáveis, as cidades proporcionam atrações diversificadas, eventos, muitas festas, gastronomia, artesanato.

REPRESA DE FURNAS, SÃO JOSÉ DA BARRA, MINAS GERAIS - No dia 9 de janeiro de 1963 o túnel que desviou o curso do rio Grande para a construção da Usina de Furnas foi fechado e as águas que formaram um dos maiores reservatórios do mundo, criou praias, formou cânions e cachoeiras, inundou vilarejos e mudou para sempre a história dos 34 municípios que ficam ao longo dos 1.440 km2 de extensão do Lago de Furnas que abrange também parte do Parque Nacional da Serra da Canastra. O Lago de Furnas, também conhecido como "O MAR DE MINAS", é quatro vezes maior que a Baía de Guanabara, no Rio de Janeiro

BRASÍLIA, DF, BRASIL - Brasília é formada por gente de todos os lugares, todas as idades e de muitas gerações. É uma mistura de sotaques do Nordeste, Sudeste, Norte e Sul do país e até de estrangeiros. Por conta de seu rápido crescimento, já é a quarta cidade mais populosa do país. A maioria dos moradores, 52%, é mulher e tem em média 30 anos. Os primeiros habitantes que chegaram a Brasília vieram, principalmente, atraídos pelos empregos na construção civil e ajudaram na construção da capital. Eles eram chamados de candangos e aqui construíram e criaram famílias

TOMBOS, MINAS GERAIS - Na cachoeira três tombos, verdadeira obra da natureza de imensurável beleza que constitui um cartão postal da cidade com 62 metros de altura. A Gruta Pedra Santa localizada no distrito de Catuné, uma obra construída pela própria natureza. Ao longo do tempo a grande pedra foi desintegrando-se e formou-se um grande salão, onde ergueu-se a capela em Honra a Nossa Senhora de Lourdes. Praças diversas, museu municipal que funciona na antiga estação ferroviária, usina hidrelétrica de Tombos e os dois distritos “Catuné” e “Água Santa” valem uma visita à cidade de Tombos

IGATU, ANDARAÍ, BAHIA - Eh uma verdadeira cidade de pedra. "Sagrada" pra quem viveu lá durante o auge do ciclo do diamante. O trajeto até a vila já é uma atração: a estrada de acesso pela BA-142 é cheia de mirantes naturais. Ao chegar, a impressão é de ter voltado no tempo, quando igatu era chamada de Xique Xique e famosa pela extração de diamantes. Hoje não há farmácias, o hospital mais próximo fica em Andaraí, a 12 km. Em outros tempos quem diria? Cabarés, cassinos, lojas, cadeia, cartório, cinema...

SERRA DO NAVIO, AMAPÁ - A História da Serra do Navio remonta aos anos 1950. A região era rica em manganês e outros minérios. Por isso, a brasileira ICOMI, com sede em Belo Horizonte e atuação em Minas Gerais, foi escolhida para explorar o minério e construir a vila operária, que daria origem à cidade de Serra do Navio. Cada vila tinha 330 casas, prédios coletivos (escolas, hospitais, refeitórios), abrigando até 1.500 pessoas, entre trabalhadores e familiares. Tinha ruas largas, postes de concreto para a fiação elétrica e telefônica, calçadas, parques, clubes com piscina, quadras esportivas, restaurante e lanchonete, drenagem de águas das chuvas e tratamento de água e esgoto. Todas as casas tinham mais de 90m² e contavam com saneamento e energia elétrica, proveniente de geradores da ICOMI.

RIO DE JANEIRO, BRASIL - Do primeiro ao último minuto do ano, não falta o que fazer, o que visitar e o que rever no Estado do Rio de Janeiro, que não por acaso ostenta o rótulo de Maravilhoso. Além das praias e de seus outros dois ícones geográficos – o Corcovado e o Pão de Açúcar – o Rio vem ganhando uma série de atrativos culturais e gastronômicos. Quem deixa a capital e percorre o litoral fluminense encontra praias de beleza raríssima. Ao norte, na Região dos Lagos, estão as dunas de Cabo Frio, as águas translúcidas e frias de Arraial do Cabo, boas para mergulho, a badalação de Búzios e as trilhas rurais de Rio das Ostras

GRAMADO, RIO GRANDE DO SUL - Faltava neve à Gramado para que ela assumisse de vez o título de “Suíça brasileira”. Não falta mais: o Snowland, primeiro parque de neve artificial indoor das Américas, trouxe esportes de inverno à cidade, que já era famosa pelas construções enxaimel (aquelas de paredes esquadrinhadas com tirantes de madeira), pelas fondues nos bons restaurantes suíços e pelo climinha gostoso da Serra Gaúcha.

CAMPO BELO, MINAS GERAIS - A primeira cidade do Brasil a ter um time de Rugby (Campo Belo Rugby - CBR) A cidade tem paisagens deslumbrantes com campos a perder de vista. Ideal para a prática de esportes de aventura, ecoturismo, esportes náuticos com várias cachoeiras, praias de água doce além da tradicional e boa comida mineira. Uma cidade tranquila, acolhedora com boas opções para hospedagem