Pular para o conteúdo principal

BOI CAPRICHOSO - PARINTINS, AMAZONAS - Foi campeão em 2015 - ganhando, assim, o título definitivo de campeão do cinquentenário do Festival de Parintins.




CONHEÇA O "BOI CAPRICHOSO", PARINTINS, AMAZONAS, BRASIL - DA JANELA DO TREM
BOI CAPRICHOSO, REPRESENTADO PRINCIPALMENTE PELA COR AZUL, É UMA DAS DUAS AGREMIAÇÕES QUE COMPETEM ANUALMENTE NO FESTIVAL FOLCLÓRICO DE PARINTINS, NO AMAZONAS.
O BOI DE PARINTINS 
O boi de Parintins é o auto popular, espetacular e criativo, a reinvenção o mito, a lenda do boi encantado que morre e ressuscita redescobrindo a cultura amazônica. Ele percorre a floresta e seus recantos, incorpora o universo lendário mítico e regional, além de valorizar rituais, celebrações tribais, costumes e a tradição popular. Ao seu repertório se unem a defesa da floresta, a força do povo simples e solidário, a essência da vida na Amazônia sustentável. 
A vida soa com a Marujada resumindo o amor que pulsa no coração do povo de alma azulada. Em junho há festa e Parintins se revela em versos, poesias, cantorias. O boi de brinquedo seduz multidões e emoldura com um farto sorriso o rosto de cada caboclo que veste azul e branco, as cores que embalam a festa popular do Boi Caprichoso. Ele mexe a cabeça, dança, brinca, é amado, desperta paixões, traduz a mais pura e simples emoção que nasce no peito, invade toda a alma, traz uma alegria infinita que não passa e faz sentir um fogo intenso que se espalha sobre o coração. O boi de veludo enfeitiça, arrebata. Recria nosso amor, nossa vida, nossa história, contagiando o mundo com o ritmo dos tambores, com a dança, com a magia, com a tradição e a poesia. Sedução, fascínio, encantamento. Uma tempestade de ideias, um celeiro de criatividade, explosão de sentimentos, adrenalina que dispara ao toque do tambor, estremecendo o peito, a terra, a vida. Pura magia, pura energia, alegria, cantos, melodia. É Caprichoso, para sentir, traduzir, emocionar, brincar e se apaixonar. 
UMA PAIXÃO CENTENÁRIA 
Fundado em 1913, pelas mãos de famílias nordestinas que aqui fincaram raízes e, até hoje brincam e participam do legado de seus ancestrais. A brincadeira nasceu nos quintais das casas de madeira, sob as sombras de frondosas mangueiras, castanholeiras, logo ganhou as ruas da cidade, incorporou as tradições locais, se misturou, se miscigenou, se renovou. Cercado pelos mistérios e pelos povos da floresta, não demorou para que um pajé fosse o responsável pela ressurreição do boi mais querido da fazenda. 
Os versos de saudação e enaltecimento, que soavam fortes nas vozes dos Cid e dos Gonzaga, com o surgimento do contrário, logo se transformaram em desafios fortes. Estava aceso o estopim da rivalidade entre azuis os do lado de lá! As pessoas passaram como sempre passam, mas o nosso boizinho não, ele apenas era recebido por seu novo dono, uma nova família que, tradicionalmente, se tornava a guardiã do boi, responsáveis por organizar as saídas do boi nas ruas de Parintins. Eram marceneiros, pescadores, caçadores, caboclos, residentes do bairro ribeirinho chamado Francesa, de outro chamado Palmares, do Aninga, do Centro, de todos os cantos de Parintins, por isso é Boi de Parintins, de toda Parintins! 
Em 1965, o primeiro festival folclórico da cidade. Criado pela Juventude Atlética Católica, para ajudar na reforma da catedral. Em 1966 os bois foram convidados, e ano após anos, participamos da festa, ajudamos a erguer o mais belo templo da cidade, por isso é um símbolo tão forte, tão presente em nossas apresentações. Pode-se afirmar então, que é um festival nascido pela fé do caboclo, aonde se faz presente, um boi nascido e sustentado pela crença, pela força e pela criatividade dos caboclos caprichosos. Há vida nesse brinquedo de pano, há vida sim, pois há amor e paixão. É uma paixão que ultrapassou os limites do tempo, da saudade dos tablados à pujança da arena, o Boi Caprichoso é vivo e eterno em nossos sentimentos, uma paixão centenária. 
O LEGADO DE UM POVO AZUL 
O projeto social Fundação Boi-Bumbá Caprichoso, denominado 'Escola de Artes Irmão Miguel de Pascalle', se define como marca de inclusão social e de cidadania, envolvendo crianças, adolescentes e jovens de 8 a 20 anos que exercitam e desenvolvem o potencial intelectual e artístico nas oficinas de arte, dando um retorno a comunidade e a própria festa. 
A escola, fundada em 1998, possui o privilégio de ter revelado mais de 5.500 novos artistas que podem ser vistos nos galpões, no Conselho de Arte, na dança, na música e em todos os segmentos onde a marca do pioneirismo foi plantada. 
O Boi Caprichoso renova o futuro de nosso festival em cada uma das centenas de crianças de nosso projeto.
A HISTÓRIA
O BOI-BUMBÁ CAPRICHOSO TEM SUA HISTÓRIA ATRELADA A UMA FAMÍLIA. A PROFESSORA E FOLCLORISTA PARINTINENSE ODINÉIA ANDRADE AFIRMA QUE O BUMBÁ FOI FUNDADO EM 1913 PELOS IRMÃOS RAIMUNDO CID, PEDRO CID E FÉLIX CID. OS TRÊS TERIAM MIGRADO DO MUNICÍPIO DE CRATO, NO CEARÁ, PASSANDO PELOS ESTADOS DO MARANHÃO E PARÁ, ATÉ CHEGAREM À ILHA, ONDE FIZERAM UMA PROMESSA A SÃO JOÃO BATISTA PARA OBTEREM PROSPERIDADE NA NOVO MUNICÍPIO. 
ISSO FOI MOTI­VADO PELAS INFLUÊNCIAS RECEBIDAS PELOS CID DURANTE A TRAJETÓRIA ATÉ A ILHA, QUANDO PUDERAM CONHECER VÁRIOS FOLGUEDOS JUNINOS POR ONDE PASSARAM. DUAS MANIFESTAÇÕES FOLCLÓRICAS CHAMARAM A ATENÇÃO: O BUMBA-MEU-BOI, MARANHENSE, E A MA­RUJADA PARAENSE. ANDRADE (2006) 
AFIRMA QUE O BOI CAPRICHOSO ASSIMILOU ELEMENTOS DESSES DOIS FOLGUEDOS, UMA VEZ QUE O BUMBÁ ADOTOU COMO CORES OFICIAIS O AZUL E O BRANCO, USADAS NOS TRAJES DOS MARUJOS, E DENOMINOU SEU GRUPO DE BATUQUEIROS, RESPONSÁVEIS PELO RITMO NA APRESENTAÇÃO DO BOI DE MARUJADA DE GUERRA. 
HÁ OUTRA VERSÃO, SUPOSTAMENTE VERDADEIRA, DE QUE O CAPRICHOSO SURGIU DE UMA DISSENSÃO DO BOI GALANTE, POR VOLTA DE 1925 OU 1928, TENDO ASSIM 80 ANOS DE EXISTÊNCIA E NÃO 95 COMO LHE É ATRIBUÍDO.
SIMBOLO
CAPRICHOSO É O BOI-BUMBÁ QUE DEFENDE AS CORES AZUL E BRANCO. SEU SÍMBOLO É A ESTRELA AZUL, A QUAL OSTENTA EM SUA TESTA. É O GUARDIÃO DA FLORESTA, DO FOLCLORE PARINTINENSE, DO IMAGINÁRIO CABOCLO E DO LENDÁRIO DOS POVOS INDÍGENAS. O NOME, CAPRICHOSO, TERIA UM SIGNIFICADO INTRÍNSECO A ELE, ISTO É, PESSOAS CHEIAS DE CAPRICHO, TRABALHO E HONESTIDADE. O SUFIXO “OSO”, SIGNIFICANDO PROVIDO OU CHEIO DE GLÓRIA. QUANDO SOMADOS, “CAPRICHO” MAIS “OSO”, PODER-SE-IA DIZER QUE É EXTRAVAGANTE E PRIMOROSO EM SUA ARTE. 
PARA COMPREENDER O SURGIMENTO DO CAPRICHOSO E DO FOLCLORE DE PARINTINS, LER A OBRA "A VERDADEIRA HISTÓRIA DO FESTIVAL DE PARINTINS" DE RAIMUNDINHO DUTRA, VERSADOR TRADICIONAL DESTE BUMBÁ, ORIUNDO DE UMA FAMÍLIA TRADICIONAL DO BOI AZUL. O LOCAL DE REALIZAÇÃO DOS FESTEJOS PARTICULARES, CHAMADO DE CURRAL, É CHAMADO DE CURRAL ZECA XIBELÃO, UMA HOMENAGEM AO PRIMEIRO TUXAUA DO BOI - BUMBÁ CAPRICHOSO, FALECIDO EM 1988, QUE SE LOCALIZA NA PARTE CONSIDERADA COMO AZUL DA CIDADE. QUEM SEPARA OS LADOS DE CADA BUMBÁ É A CATEDRAL DE NOSSA SENHORA DO CARMO.
OS RITUAIS
EM 1994 O BOI BUMBÁ CAPRICHOSO, DEU UM ESPETÁCULO INESQUECÍVEL COM BELÍSSIMAS ALEGORIAS, TUDO CULMINANDO NUM MOMENTO MÁGICO: O RITUAL INDÍGENA. NAQUELE ANO FORAM ENCENADOS OS RITUAIS UNANKIÊ, FIBRAS DE ARUMÃ E UREQUEÍ.
EM 1995 FORAM OUTROS TRÊS GRANDES RITUAIS: LAGARTA DE FOGO, TEMPLO DE MONAN E O INESQUECÍVEL RITUAL KANANCIUÊ, QUE MOSTRAVA UM URUBÚ-REI LUTANDO COM O PAJÉ, VALDIR SANTANA. DURANTE ESSE RITUAL, A MARUJADA PAROU E PELA PRIMEIRA VEZ HOUVE TEXTO EM UMA APRESENTAÇÃO DE RITUAL: O PAJÉ PERGUNTAVA "ONDE ESTÁ A LUZ" E O URUBU-REI RESPONDIA "EU NÃO SEI". NO MOMENTO EM QUE O URUBU FOI DERROTADO, UM ESPETÁCULO PIROTÉCNICO SAIU DE DENTRO DA ALEGORIA REPRESENTANDO A LIBERTAÇÃO DA LUZ, PARA DELÍRIO E ÊXTASE DA GALERA.
OS CAMPEONATOS
A DÉCADA DE 90 REPRESENTOU UM DOS MELHORES MOMENTOS DA HISTÓRIA DO BOI CAPRICHOSO. DE 1990 A 1999, GANHOU SEIS DOS DEZ FESTIVAIS DISPUTADOS - PERDEU EM 1991, 1993, 1997 E 1999. EM 1991, FOI MUITO PREJUDICADO PELA CHUVA. EM 1993, SEGUNDO OS SEUS SEGUIDORES, FOI INJUSTIÇADO. E EM 1997, CONSIDERANDO A SOMA DOS PONTOS DADOS PELOS JURADOS À APRESENTAÇÃO NA ARENA, O CAPRICHOSO TERIA SAGRADO-SE NOVAMENTE CAMPEÃO. 
A DERROTA PORÉM, ADVEIO DE UMA PENALIDADE IMPOSTA PELOS JURADOS AO APRESENTADOR GIL GONÇALVES, O QUE, SE NÃO TIVESSE ACONTECIDO, TERIA DADO AO BOI O PENTACAMPEONATO EM 1998.
Anualmente o Boi Caprichoso realiza um espetáculo fantástico no meio da floresta amazônica. Sempre inspirado na poesia que nasce da alma do caboclo caprichoso, na batida da palminha, no ritmo dos chocalhos, no compasso simples do bater de pés das nossas tribos e na melodia mística que emana do canto dos pajés.
A arena do Bumbódromo é o palco de toda essa apresentação, aonde belas alegorias materializam os mistérios do imaginário caboclo e indígena. O som das flautas tribais regem as danças dos nosso guerreiros e cunhãs. As batidas dos tambores da Marujada entram em sincronia com o coração de cada torcedor. Um perfeito sincretismo religioso e cultural.

VALEU PELA VISITA - SEMPRE VOLTE


Fonte dos textos e fotos: boicaprichoso.com / Thymonthy Becker / Wikipédia /

Comentários

Páginas que receberam mais visitas

BAEPENDI, MINAS GERAIS - A terra de "Nhá Chica". Na natureza preservada no município estão cerca de 40% do parque ecológico do papagaio, é local ideal para fazer trilhas e acampar em paradisíacos lugares. Baependi é uma das poucas cidades que podem ser visitadas durante qualquer época do ano, sem se preocupar com a programação que irá encontrar pois, o verão é bem definido, sendo um convite para se deslumbrar com as mais de cinqüenta cachoeiras que cercam a cidade e o inverno pouco chuvoso propicia inúmeras opções para enfrentar trilhas e acampar em paradisíacos lugares

COLORADO, RIO GRANDE DO SUL - Colorado é uma pequena cidade do Alto Jacuí. Fundada por imigrantes italianos e alemães. O espetáculo, belezas naturais, cores, aromas que seduzem à primeira vista. O município tem como base da economia a produção agrícola. A região possui uma relação muito próxima com as águas e com a geração de energia elétrica, a partir da formação do maior lago artificial do Estado – os Alagados do Passo Real e da Barragem de Ernestina. Bonitas e agradáveis, as cidades proporcionam atrações diversificadas, eventos, muitas festas, gastronomia, artesanato.

REPRESA DE FURNAS, SÃO JOSÉ DA BARRA, MINAS GERAIS - No dia 9 de janeiro de 1963 o túnel que desviou o curso do rio Grande para a construção da Usina de Furnas foi fechado e as águas que formaram um dos maiores reservatórios do mundo, criou praias, formou cânions e cachoeiras, inundou vilarejos e mudou para sempre a história dos 34 municípios que ficam ao longo dos 1.440 km2 de extensão do Lago de Furnas que abrange também parte do Parque Nacional da Serra da Canastra. O Lago de Furnas, também conhecido como "O MAR DE MINAS", é quatro vezes maior que a Baía de Guanabara, no Rio de Janeiro

BRASÍLIA, DF, BRASIL - Brasília é formada por gente de todos os lugares, todas as idades e de muitas gerações. É uma mistura de sotaques do Nordeste, Sudeste, Norte e Sul do país e até de estrangeiros. Por conta de seu rápido crescimento, já é a quarta cidade mais populosa do país. A maioria dos moradores, 52%, é mulher e tem em média 30 anos. Os primeiros habitantes que chegaram a Brasília vieram, principalmente, atraídos pelos empregos na construção civil e ajudaram na construção da capital. Eles eram chamados de candangos e aqui construíram e criaram famílias

TOMBOS, MINAS GERAIS - Na cachoeira três tombos, verdadeira obra da natureza de imensurável beleza que constitui um cartão postal da cidade com 62 metros de altura. A Gruta Pedra Santa localizada no distrito de Catuné, uma obra construída pela própria natureza. Ao longo do tempo a grande pedra foi desintegrando-se e formou-se um grande salão, onde ergueu-se a capela em Honra a Nossa Senhora de Lourdes. Praças diversas, museu municipal que funciona na antiga estação ferroviária, usina hidrelétrica de Tombos e os dois distritos “Catuné” e “Água Santa” valem uma visita à cidade de Tombos

IGATU, ANDARAÍ, BAHIA - Eh uma verdadeira cidade de pedra. "Sagrada" pra quem viveu lá durante o auge do ciclo do diamante. O trajeto até a vila já é uma atração: a estrada de acesso pela BA-142 é cheia de mirantes naturais. Ao chegar, a impressão é de ter voltado no tempo, quando igatu era chamada de Xique Xique e famosa pela extração de diamantes. Hoje não há farmácias, o hospital mais próximo fica em Andaraí, a 12 km. Em outros tempos quem diria? Cabarés, cassinos, lojas, cadeia, cartório, cinema...

RIO DE JANEIRO, BRASIL - Do primeiro ao último minuto do ano, não falta o que fazer, o que visitar e o que rever no Estado do Rio de Janeiro, que não por acaso ostenta o rótulo de Maravilhoso. Além das praias e de seus outros dois ícones geográficos – o Corcovado e o Pão de Açúcar – o Rio vem ganhando uma série de atrativos culturais e gastronômicos. Quem deixa a capital e percorre o litoral fluminense encontra praias de beleza raríssima. Ao norte, na Região dos Lagos, estão as dunas de Cabo Frio, as águas translúcidas e frias de Arraial do Cabo, boas para mergulho, a badalação de Búzios e as trilhas rurais de Rio das Ostras

SERRA DO NAVIO, AMAPÁ - A História da Serra do Navio remonta aos anos 1950. A região era rica em manganês e outros minérios. Por isso, a brasileira ICOMI, com sede em Belo Horizonte e atuação em Minas Gerais, foi escolhida para explorar o minério e construir a vila operária, que daria origem à cidade de Serra do Navio. Cada vila tinha 330 casas, prédios coletivos (escolas, hospitais, refeitórios), abrigando até 1.500 pessoas, entre trabalhadores e familiares. Tinha ruas largas, postes de concreto para a fiação elétrica e telefônica, calçadas, parques, clubes com piscina, quadras esportivas, restaurante e lanchonete, drenagem de águas das chuvas e tratamento de água e esgoto. Todas as casas tinham mais de 90m² e contavam com saneamento e energia elétrica, proveniente de geradores da ICOMI.

GRAMADO, RIO GRANDE DO SUL - Faltava neve à Gramado para que ela assumisse de vez o título de “Suíça brasileira”. Não falta mais: o Snowland, primeiro parque de neve artificial indoor das Américas, trouxe esportes de inverno à cidade, que já era famosa pelas construções enxaimel (aquelas de paredes esquadrinhadas com tirantes de madeira), pelas fondues nos bons restaurantes suíços e pelo climinha gostoso da Serra Gaúcha.

CAMPO BELO, MINAS GERAIS - A primeira cidade do Brasil a ter um time de Rugby (Campo Belo Rugby - CBR) A cidade tem paisagens deslumbrantes com campos a perder de vista. Ideal para a prática de esportes de aventura, ecoturismo, esportes náuticos com várias cachoeiras, praias de água doce além da tradicional e boa comida mineira. Uma cidade tranquila, acolhedora com boas opções para hospedagem