Pular para o conteúdo principal

12 PRATOS DA CULINÁRIA MINEIRA - Uma das melhores maneiras de conhecer Minas Gerais é à mesa, já que a culinária do estado está entre as mais variadas do país. Receitas como feijão de tropeiro, angu, mandioca e frango com quiabo trazem um pouco da origem indígena, a influência dos desbravadores paulistas e dos escravos africanos, bem como a lembrança do domínio português e da presença de imigrantes espanhóis e italianos. Essa mesma miscigenação marca o povo, acolhedor e amistoso, cujos ancestrais começaram a povoar seu território montanhoso ainda no século 17, atrás de ouro e pedras preciosas.




CONHEÇA OS "12 PRATOS QUE CONFIRMAM QUE MINAS GERAIS EH O ESTADO MAIS GOSTOSO DO BRASIL" - DA JANELA DO TREM
Uma das melhores maneiras de conhecer Minas Gerais é à mesa, já que a culinária do estado está entre as mais variadas do país. Receitas como feijão de tropeiro, angu, mandioca e frango com quiabo trazem um pouco da origem indígena, a influência dos desbravadores paulistas e dos escravos africanos, bem como a lembrança do domínio português e da presença de imigrantes espanhóis e italianos. Essa mesma miscigenação marca o povo, acolhedor e amistoso, cujos ancestrais começaram a povoar seu território montanhoso ainda no século 17, atrás de ouro e pedras preciosas. As primeiras descobertas do minério já provocaram uma grande onda migratória, que deu origem à primeira vila mineira, Nossa Senhora do Ribeirão do Carmo, em 1711. Atual Mariana, esta é uma das joias que compõem o circuito das cidades históricas, que abrange o tesouro arquitetônico de Ouro Preto, Diamantina, Sabará, Tiradentes e Congonhas, onde está a Basílica do Senhor Bom Jesus de Matosinhos e os profetas esculpidos por Aleijadinho. Belo Horizonte, cidade planejada e fundada em 1897 para ser a capital do estado, não resistiu ao progresso e hoje é uma das metrópoles do país. Mas preserva sua atmosfera boêmia nos autenticíssimos botecos aliada aos traços do arquiteto Oscar Niemeyer, notável em dezenas de prédios pela cidade, em especial nos arredores da Lagoa da Pampulha. Entre as belezas naturais preservadas do estado, três áreas rivalizam pela primazia: 1. a Serra do Cipó, em que o parque nacional e seus arredores exibem cachoeiras, grutas, cânions e paredões para rapel; 2. a Serra da Canastra, onde está a nascente do Rio São Francisco, com sua vegetação de cerrado e mais cachoeiras; 3. o Santuário Nacional do Caraça, na Serra do Espinhaço, com grutas, piscinas naturais e a constante presença de lobos-guarás no adro da Igreja de Nossa Senhora Mãe dos Homens, erguida no século 19 em área que hoje pertence ao Parque Natural do Caraça.
01 - Ambrosia 
Típica das mesas de Minas Gerais, a ambrosia tem ingredientes simples: leite, ovos, casca de limão, açúcar e canela levados ao fogo. Depois de esfriar, a mistura é levada à geladeira para se transformar numa delícia açucarada (Pierre Refalo)
02 - Pão de queijo
A culinária de Minas Gerais presenteou o país com o pão de queijo, quitute que perfuma o ambiente e cai bem a qualquer hora – especialmente quando sai quentinho do forno (Heudes Regis)
03 - Doce de abóbora 
Compota, em pasta, com coco...em Minas Gerais, o doce caseiro é preparado sem pressa em várias versões, com ingredientes frescos (Fábio Castelo)
04 - Bambá de couve
Ideal para os dias frios, o bambá de couve é feito com caldo de carne engrossado com fubá, ovos, couve e linguiça (Luis Henrique Mendes)
05 - Frango ao molho pardo
Antes de servir, a ave guisada em pedaços é acrescida do próprio sangue, colhido no momento do abate e misturado a vinagre para não coagular. O resultado é um molho escuro – daí o nome do prato. Em Portugal, onde se originou, a receita ganha o nome de galinha à cabidela e a técnica de empregar o sangue no preparo também é aplicada a outras aves, como pato, ganso e marreco (Antonio Rodrigues)
06 - Couve refogada
Essencial para acompanhar pratos como a feijoada e o tutu de feijão. Na versão à mineira, a couve é cortada bem fininha e refogada um pouco antes de ir à mesa com banha de porco, alho e cebola. Há quem acrescente cubinhos de bacon ao preparo (Rogerio Voltan)
07 - Doce de Leite
Preparado em uma panela grande, com leite fresco e açúcar, o doce de leite é umas das sobremesas mais tradicionais de Minas Gerais (Elcio Carriço)
08 - Feijão-tropeiro mineiro
A receita, uma mistura de feijão cozido, farinha de mandioca e linguiça, era a alimentação básica dos trabalhadores que transportavam mercadorias em lombo de burro (Antonio Rodrigues)
09 - Ora-pro-nóbis
Ingrediente comum na cozinha mineira, as folhas de ora-pro-nóbis podem enriquecer saladas, refogados, sopas, omeletes e tortas, mas seu uso mais frequente é com a galinha caipira. O nome vem do latim e quer dizer “orai por nós”. Diz a lenda que os padres colonizadores utilizavam o arbusto como cerca viva ao redor de igrejas. Durante as orações, enquanto os religiosos estavam ocupados, os moradores da cidade aproveitavam para colher as folhas às escondidas. (Alex Moreira)
10 - Frango com quiabo
O prato, em geral, refogado na banha de porco, chegou à mesa dos mineiros por influência dos índios (Ormuzd Alves)
11 - Tutu de feijão
O feijão cozido, refogado e engrossado com farinha de mandioca pode ser encontrado em diferentes regiões do Brasil. Em Minas Gerais, onde a receita é uma das principais atrações da cozinha, costuma-se usar o feijão-roxinho ou o feijão-preto, amassado em forma de purê antes de receber a farinha de mandioca. O resultado é um pirão mole, companheiro para o arroz, a couve, o torresmo e a carne de porco frita (Gladstone Campos)
12 - Leitão à pururuca
A receita trazida pelos portugueses ganhou fama em Minas Gerais pelo sabor e tempero. Em alguns restaurantes, o leitão chega à mesa acompanhado de arroz branco, farofa, feijão-tropeiro e couve (Gladstone Campos)
Receitas fáceis, de preferência preparadas no fogão a lenha e temperadas com muito afeto. Eis a essência da cozinha mineira, que inclui pão de queijo, tutu de feijão, frango ao molho pardo, doce de leite e outras delícias. 
Difundidas em todo o Brasil, cada uma das receitas carrega um pouco de história. Algumas remontam aos hábitos indígenas, outras são frutos da influência dos portugueses atraídos pela riqueza do ouro e do diamante ou da criatividade e apetite dos escravos que trabalhavam nas minas. 
Veja acima fotos dos pratos que carregam a responsabilidade de representarem a gastronomia de Minas Gerais.


Fonte dos textos e fotos: viajeaqui.abril.com.br / Thymonthy Becker / Divulgação /

Comentários

Páginas que receberam mais visitas

BAEPENDI, MINAS GERAIS - A terra de "Nhá Chica". Baependi é um convite para se deslumbrar com as mais de cinqüenta cachoeiras que cercam a cidade. Na natureza preservada no município estão cerca de 40% do parque ecológico do papagaio, é local ideal para fazer trilhas e acampar em paradisíacos lugares. Baependi é uma das poucas cidades que podem ser visitadas durante qualquer época do ano, sem se preocupar com a programação que irá encontrar pois, o verão é bem definido, sendo um convite para se deslumbrar com as mais de cinqüenta cachoeiras que cercam a cidade e o inverno pouco chuvoso propicia inúmeras opções para enfrentar trilhas e acampar em paradisíacos lugares. A religiosidade ocupa lugar de destaque como um dos fatores que mais atraem os visitantes, uma vez que Baependi foi o lugar onde a serva de Deus, Nhá Chica, concedeu suas graças, hoje em dia inúmeras romarias de diversas partes do país têm como destino o Santuário de Nhá Chica, onde também se encontram seus restos mortais.

COLORADO, RIO GRANDE DO SUL - Será que tem gremista em Colorado? Claro que tem. Colorado é uma pequena cidade do Alto Jacuí. Fundada por imigrantes italianos e alemães. O município tem como base da economia a produção agrícola. Cenários de belezas, cores e aromas que seduzem os turistas. Cenários de belezas, cores e aromas que seduzem os turistas

REPRESA DE FURNAS, SÃO JOSÉ DA BARRA, MINAS GERAIS - No dia 9 de janeiro de 1963 o túnel que desviou o curso do rio Grande para a construção da Usina de Furnas foi fechado e as águas que formaram um dos maiores reservatórios do mundo, criou praias, formou cânions e cachoeiras, inundou vilarejos e mudou para sempre a história dos 34 municípios que ficam ao longo dos 1.440 km2 de extensão do Lago de Furnas. Destes, Capitólio se destaca por oferecer as melhores opções de serviços e infraestrutura turística. Os passeios náuticos, os esportes aquáticos, a pesca esportiva e a exuberância natural são pontos fortes da região, que abrange também parte do Parque Nacional da Serra da Canastra, onde nasce o Rio São Francisco, o "Velho Chico". O Lago de Furnas, também conhecido como "O MAR DE MINAS", é quatro vezes maior que a Baía de Guanabara, no Rio de Janeiro.

BRASÍLIA, DF, BRASIL - Brasília é formada por gente de todos os lugares, todas as idades e de muitas gerações. É uma mistura de sotaques do Nordeste, Sudeste, Norte e Sul do país e até de estrangeiros. Por conta de seu rápido crescimento, já é a quarta cidade mais populosa do país. A maioria dos moradores, 52%, é mulher e tem em média 30 anos. Os primeiros habitantes que chegaram a Brasília vieram, principalmente, atraídos pelos empregos na construção civil e ajudaram na construção da capital. Eles eram chamados de candangos e aqui construíram e criaram famílias. Desses, surgiram os “brasilienses”, o gentílico usado para quem nasceu aqui e adotado por quem veio de fora e assumiu a cidade como sua.

TOMBOS, MINAS GERAIS - Na cachoeira três tombos, verdadeira obra da natureza de imensurável beleza que constitui um cartão postal da cidade com 62 metros de altura. A Gruta Pedra Santa localizada no distrito de Catuné, uma obra construída pela própria natureza. Ao longo do tempo a grande pedra foi desintegrando-se e formou-se um grande salão, onde ergueu-se a capela em Honra a Nossa Senhora de Lourdes. Praças diversas, museu municipal que funciona na antiga estação ferroviária, usina hidrelétrica de Tombos e os dois distritos “Catuné” e “Água Santa” valem uma visita à cidade de Tombos

IGATU, ANDARAÍ, BAHIA - Eh uma verdadeira cidade de pedra. "Sagrada" pra quem viveu lá durante o auge do ciclo do diamante. O trajeto até a vila já é uma atração: a estrada de acesso pela BA-142 é cheia de mirantes naturais. Ao chegar, a impressão é de ter voltado no tempo, quando igatu era chamada de Xique Xique e famosa pela extração de diamantes. Hoje não há farmácias, o hospital mais próximo fica em Andaraí, a 12 km. Em outros tempos quem diria? Cabarés, cassinos, lojas, cadeia, cartório, cinema...

RIO DE JANEIRO, BRASIL - Do primeiro ao último minuto do ano, não falta o que fazer, o que visitar e o que rever no Estado do Rio de Janeiro, que não por acaso ostenta o rótulo de Maravilhoso. Além das praias e de seus outros dois ícones geográficos – o Corcovado e o Pão de Açúcar – o Rio vem ganhando uma série de atrativos culturais e gastronômicos. Quem deixa a capital e percorre o litoral fluminense encontra praias de beleza raríssima. Ao norte, na Região dos Lagos, estão as dunas de Cabo Frio, as águas translúcidas e frias de Arraial do Cabo, boas para mergulho, a badalação de Búzios e as trilhas rurais de Rio das Ostras. De frente para a Baía da Guanabara, Niterói mostra que a vista para a cidade do Rio não é o único atrativo. Além de oferecer, na sua face voltada para o alto mar, trechos de areia ideais para quem quiser fugir do agito de Ipanema e Copacabana, o município começa a explorar o legado das construções assinadas por Oscar Niemeyer, entre elas o famoso Museu de Arte Contemporânea.

GRAMADO, RIO GRANDE DO SUL - Faltava neve à Gramado para que ela assumisse de vez o título de “Suíça brasileira”. Não falta mais: o Snowland, primeiro parque de neve artificial indoor das Américas, trouxe esportes de inverno à cidade, que já era famosa pelas construções enxaimel (aquelas de paredes esquadrinhadas com tirantes de madeira), pelas fondues nos bons restaurantes suíços e pelo climinha gostoso da Serra Gaúcha.

CAMPO BELO, MINAS GERAIS - A primeira cidade do Brasil a ter um time de Rugby (Campo Belo Rugby - CBR) A cidade tem paisagens deslumbrantes com campos a perder de vista. Ideal para a prática de esportes de aventura, ecoturismo, esportes náuticos com várias cachoeiras, praias de água doce além da tradicional e boa comida mineira. Uma cidade tranquila, acolhedora com boas opções para hospedagem

SERRA DO NAVIO, AMAPÁ - A História da Serra do Navio remonta aos anos 1950. A região era rica em manganês e outros minérios. Por isso, a brasileira ICOMI, com sede em Belo Horizonte e atuação em Minas Gerais, foi escolhida para explorar o minério e construir a vila operária, que daria origem à cidade de Serra do Navio. Cada vila tinha 330 casas, prédios coletivos (escolas, hospitais, refeitórios), abrigando até 1.500 pessoas, entre trabalhadores e familiares. Tinha ruas largas, postes de concreto para a fiação elétrica e telefônica, calçadas, parques, clubes com piscina, quadras esportivas, restaurante e lanchonete, drenagem de águas das chuvas e tratamento de água e esgoto. Todas as casas tinham mais de 90m² e contavam com saneamento e energia elétrica, proveniente de geradores da ICOMI.