Pular para o conteúdo principal

CÂNIONS DO RIO SÃO FRANCISCO, BRASIL - Paredões de arenitos impressionam pela imensidão, pela vasta vegetação preservada e pelas imagens que se formam nas rochas. Entre os principais estão a pedra do gavião e os morros gêmeos, conhecidos como "peitos da cabocla", além da gruta de São Francisco, que foi esculpida e ganhou até escadaria para receber a imagem do santo que dá nome ao rio da Integração Nacional.




CONHEÇA OS "CÂNIONS DO RIO SÃO FRANCISCO", BRASIL - DA JANELA DO TREM
Explorar o Monumento Natural (Mona) do São Francisco por rotas alagoanas é uma das opções de passeios mais atraentes do Alto Sertão. O roteiro com cinco horas de duração começa com o embarque no catamarã "Menestrel das Alagoas", no cais do município de Olho D’Água do Casado, prossegue pelos riachos das Águas Mortas e Talhado, explorando os paredões rochosos dos cânions do São Francisco, até chegar ao receptivo ecológico, que fica no município de Delmiro Gouveia, ponto de parada para descansar, repor as energias com um banho de rio, e partir para novas aventuras.
O PASSEIO
São três horas de passeio na parte represada do Rio São Francisco, com parada para banho em um belo local, conhecido como Paraíso do Talhado. R$ 50 por pessoa.
De lancha, o passeio dura 2 horas e custa R$ 70 por pessoa (mínimo de 4 pessoas).
Saídas de segunda a domingo, a partir das 11h30, do restaurante Karranca's. O local fica a 10 quilômetros do Reservatório de Xingó.
(79) 9972-1320 (Telefone da MF-Tur)
www.mturxingo.com.br
CÂNION DE XINGÓ NA CIDADE DE CANINDÉ DO SÃO FRANCISCO EM SERGIPE
CÂNION DE XINGÓ NA CIDADE DE CANINDÉ DO SÃO FRANCISCO EM SERGIPE
GRUTA DO TALHADO NO CÂNION DO PARAÍSO TALHADO, NO RIO SÃO FRANCISCO
MUITOS SÃO OS ATRATIVOS TURÍSTICOS COMO PAREDÕES SEDIMENTARES, CAATINGA, ANIMAIS SILVESTRES, RESTAURANTE ECOLÓGICO CASTANHO, MERGULHOS, TRILHAS E O PASSEIO NO CATAMARÃ MENESTREL DAS ALAGOAS QUE GUARDAM A SIMPLICIDADE E BELEZA DA REGIÃO
CÂNIONS DO RIO SÃO FRANCISCO / BELEZA NATURAL ÚNICA
VOCÊ TEM BELOS MOTIVOS PARA VIAJAR ATÉ OS CÂNIONS DO SÃO FRANCISCO: DIVERSIDADE GEOLÓGICA, HISTÓRIA, CULINÁRIA...


O G1 sugere um roteiro turístico que começa em Piranhas, cidade histórica de Alagoas tombada pelo Patrimônio Histórico Nacional. Segue pela Rota do Cangaço, percorrendo a trilha que a volante militar fez em busca do bando de Lampião e Maria Bonita, até a Grota do Angico, onde parte do grupo foi morto, para depois desvendar parte das belezas dos Cânions do São Francisco e um pouco da arte e dos sabores do Sertão.
No trajeto até o ponto de parada, os paredões de arenitos impressionam pela imensidão, pela vasta vegetação preservada e pelas imagens que se formam nas rochas. Entre os principais estão a pedra do gavião e os morros gêmeos, conhecidos como "peitos da cabocla", além da gruta de São Francisco, que foi esculpida e ganhou até escadaria para receber a imagem do santo que dá nome ao rio da Integração Nacional.
No restaurante ecológico Castanho, uma carranca, espécie de amuleto típico do São Francisco, dá as boas vindas aos visitantes. No local há uma prainha propícia para quem deseja se banhar no rio e redes para descansar, além do restaurante que oferece pratos da culinária local.
Aos aventureiros há opcionais, com trajeto por terra e pela água, que vale a pena desbravar. O primeiro é uma trilha por dentro da caatinga de aproximadamente 2 km até um mirante formado pelas rochas. No trajeto, além de curiosidades sobre a biodiversidade do bioma, há registro da passagem do homem pré-histórico deixado nas pedras. No mirante, a vista principal é de parte do cânion do São Francisco.
CENÁRIO ENCANTADOR
Devido à beleza singular, os cânions do São Francisco foram cenário de locação da novela da Rede Globo, 'Cordel Encantado', exibida em 2011. Onde a história de amor entre Jesuíno, interpretado pelo ator Cauã Reymond, e Açucena, vivida por Bianca Bin, ganhou vida em meio à paisagem típica do Sertão.
O passeio envolve contato com a vegetação típica do semi-árido, belas formações rochosas de arenito, grutas, cavernas e pinturas rupestres. A caminhada em si envolve grandes dificuldades e uma boa porção de aventura, o sol forte cobra o seu tributo exigindo do visitante, chapéu, filtro solar e muita água. Sempre com o acompanhamento de profissionais devidamente qualificados. A experiência de percorrer trilhas que no passado eram apenas dos primeiros habitantes da região, os índios, passando pelos vaqueiros e mais recentemente por cangaceiros, como os do grupo do renomado Lampião. A beleza dos paredões e do bioma da Caatinga unidas as emoções da trilha, recompensam todo esforço.
É assim que começa a viagem pelos “Caminhos do São Francisco”, que pode ser feita em cerca de 4 ou 5 dias, com agência ou de forma independente. A rota turística nasce no meio do sertão alagoano, uma terra cheia de histórias de cangaceiros, vaqueiros e rendeiras que tecem a sobrevivência na soleira das janelas. Por ali, há receitas com plantas da caatinga para quase todo tipo de aperreio que se imagine.
Entre os pontos de parada possíveis estão os sítios arqueológicos de nove mil anos em Olho D’água do Casado, paisagens cenográficas como o “Porto de Borogodó” (da novela "Cordel Encantado", da TV Globo), a charmosa cidade de Piranhas (AL), por onde circulou a cabeça de Lampião, uma vila de bordadeiras que já hospedou Dom Pedro 1º e a histórica Penedo, primeiro povoado de Alagoas. É só depois de banhar todas essas atrações que, finalmente, o Rio São Francisco se entrega ao belíssimo mar de Piaçabuçu (AL), última estação do roteiro.
Para imergir na cultura sertaneja do caminho, o ideal é alugar um carro e seguir direto para o ponto de partida do roteiro em Delmiro Gouveia. Lá, operadoras de turismo conduzem trilhas que saem do próprio Mirante do Talhado e seguem por um trecho de caatinga coberto de areia, cactos de todos os tipos, arbustos espinhosos e árvores belíssimas como o cajueiro, o anjico e a imburana.
Quando menos se espera, o cânion se descortina a frente, surpreendendo os turistas com a vista das águas em tom esmeralda, 50 metros abaixo. A trilha segue serpenteando o paredão com um visual impressionante. Dali é possível encarar em uma descida de rapel nas paredes areníticas e lá debaixo experimentar uma modalidade chamada de psicobloc (escalada esportiva sem equipamento, em que a única proteção é a água). Ainda que você não se arrisque em nenhuma das duas opções, a caminhada termina em clima de aventura em uma descida íngreme na Gruta do Talhado, que dá direito a um merecido batismo nas águas translúcidas do lago.
No fim do passeio, uma lancha leva os turistas rumo ao Restaurante do Castanho, servido de coloridas canoas e caiaques para os adeptos do remo. As redes sob a sombra de cajueiros são perfeitas para um "relax" enquanto se espera um caprichado bode guisado ou um peixe fresquinho ao molho de camarão. O restaurante também opera saídas de barco para o Vale dos Mestres, um recanto com águas mornas e claras a 20 minutos dali, que vai te convencer que mergulhar no São Francisco nunca é demais.
OS CÂNIONS QUE PODEMOS ADMIRAR, NO NOSSO BELO BRASIL, FICA AO LONGO DO RIO DE INTEGRAÇÃO NACIONAL, O RIO SÃO FRANCISCO. RIO ESTE QUE NASCE NO ESTADO DAS MINAS GERAIS. COM NASCENTE NA SERRA DA CANASTRA, EM MINAS GERAIS, A APROXIMADAMENTE 1.200 METROS DE ALTITUDE, CORTA OS ESTADOS DA BAHIA, FAZENDO A DIVISA COM PERNAMBUCO. E FAZ A DIVISA NATURAL DOS ESTADOS DE SERGIPE E ALAGOAS, ONDE TERMINA NO OCEANO ATLÂNTICO.

SÃO DE UMA RARA BELEZA, E SE VOCÊ AINDA NÃO VEIO VER OS CÂNIONS DO RIO SÃO FRANCISCO, PROGRAME SUAS PRÓXIMAS FÉRIAS PARA UMA VISITA. VOCÊ NUNCA MAIS ESQUECERÁ ESTA BELEZA CONSTRUÍDA PELA MÃE NATUREZA.


fonte dos textos e fotos: uol.com.br / globo.com / Thymonthy Becker / viajeaqui.abril.com.br / Divulgação /

Comentários

Páginas que receberam mais visitas

BAEPENDI, MINAS GERAIS - A terra de "Nhá Chica". Na natureza preservada no município estão cerca de 40% do parque ecológico do papagaio, é local ideal para fazer trilhas e acampar em paradisíacos lugares. Baependi é uma das poucas cidades que podem ser visitadas durante qualquer época do ano, sem se preocupar com a programação que irá encontrar pois, o verão é bem definido, sendo um convite para se deslumbrar com as mais de cinqüenta cachoeiras que cercam a cidade e o inverno pouco chuvoso propicia inúmeras opções para enfrentar trilhas e acampar em paradisíacos lugares

COLORADO, RIO GRANDE DO SUL - Colorado é uma pequena cidade do Alto Jacuí. Fundada por imigrantes italianos e alemães. O espetáculo, belezas naturais, cores, aromas que seduzem à primeira vista. O município tem como base da economia a produção agrícola. A região possui uma relação muito próxima com as águas e com a geração de energia elétrica, a partir da formação do maior lago artificial do Estado – os Alagados do Passo Real e da Barragem de Ernestina. Bonitas e agradáveis, as cidades proporcionam atrações diversificadas, eventos, muitas festas, gastronomia, artesanato.

REPRESA DE FURNAS, SÃO JOSÉ DA BARRA, MINAS GERAIS - No dia 9 de janeiro de 1963 o túnel que desviou o curso do rio Grande para a construção da Usina de Furnas foi fechado e as águas que formaram um dos maiores reservatórios do mundo, criou praias, formou cânions e cachoeiras, inundou vilarejos e mudou para sempre a história dos 34 municípios que ficam ao longo dos 1.440 km2 de extensão do Lago de Furnas que abrange também parte do Parque Nacional da Serra da Canastra. O Lago de Furnas, também conhecido como "O MAR DE MINAS", é quatro vezes maior que a Baía de Guanabara, no Rio de Janeiro

BRASÍLIA, DF, BRASIL - Brasília é formada por gente de todos os lugares, todas as idades e de muitas gerações. É uma mistura de sotaques do Nordeste, Sudeste, Norte e Sul do país e até de estrangeiros. Por conta de seu rápido crescimento, já é a quarta cidade mais populosa do país. A maioria dos moradores, 52%, é mulher e tem em média 30 anos. Os primeiros habitantes que chegaram a Brasília vieram, principalmente, atraídos pelos empregos na construção civil e ajudaram na construção da capital. Eles eram chamados de candangos e aqui construíram e criaram famílias

TOMBOS, MINAS GERAIS - Na cachoeira três tombos, verdadeira obra da natureza de imensurável beleza que constitui um cartão postal da cidade com 62 metros de altura. A Gruta Pedra Santa localizada no distrito de Catuné, uma obra construída pela própria natureza. Ao longo do tempo a grande pedra foi desintegrando-se e formou-se um grande salão, onde ergueu-se a capela em Honra a Nossa Senhora de Lourdes. Praças diversas, museu municipal que funciona na antiga estação ferroviária, usina hidrelétrica de Tombos e os dois distritos “Catuné” e “Água Santa” valem uma visita à cidade de Tombos

IGATU, ANDARAÍ, BAHIA - Eh uma verdadeira cidade de pedra. "Sagrada" pra quem viveu lá durante o auge do ciclo do diamante. O trajeto até a vila já é uma atração: a estrada de acesso pela BA-142 é cheia de mirantes naturais. Ao chegar, a impressão é de ter voltado no tempo, quando igatu era chamada de Xique Xique e famosa pela extração de diamantes. Hoje não há farmácias, o hospital mais próximo fica em Andaraí, a 12 km. Em outros tempos quem diria? Cabarés, cassinos, lojas, cadeia, cartório, cinema...

RIO DE JANEIRO, BRASIL - Do primeiro ao último minuto do ano, não falta o que fazer, o que visitar e o que rever no Estado do Rio de Janeiro, que não por acaso ostenta o rótulo de Maravilhoso. Além das praias e de seus outros dois ícones geográficos – o Corcovado e o Pão de Açúcar – o Rio vem ganhando uma série de atrativos culturais e gastronômicos. Quem deixa a capital e percorre o litoral fluminense encontra praias de beleza raríssima. Ao norte, na Região dos Lagos, estão as dunas de Cabo Frio, as águas translúcidas e frias de Arraial do Cabo, boas para mergulho, a badalação de Búzios e as trilhas rurais de Rio das Ostras

SERRA DO NAVIO, AMAPÁ - A História da Serra do Navio remonta aos anos 1950. A região era rica em manganês e outros minérios. Por isso, a brasileira ICOMI, com sede em Belo Horizonte e atuação em Minas Gerais, foi escolhida para explorar o minério e construir a vila operária, que daria origem à cidade de Serra do Navio. Cada vila tinha 330 casas, prédios coletivos (escolas, hospitais, refeitórios), abrigando até 1.500 pessoas, entre trabalhadores e familiares. Tinha ruas largas, postes de concreto para a fiação elétrica e telefônica, calçadas, parques, clubes com piscina, quadras esportivas, restaurante e lanchonete, drenagem de águas das chuvas e tratamento de água e esgoto. Todas as casas tinham mais de 90m² e contavam com saneamento e energia elétrica, proveniente de geradores da ICOMI.

GRAMADO, RIO GRANDE DO SUL - Faltava neve à Gramado para que ela assumisse de vez o título de “Suíça brasileira”. Não falta mais: o Snowland, primeiro parque de neve artificial indoor das Américas, trouxe esportes de inverno à cidade, que já era famosa pelas construções enxaimel (aquelas de paredes esquadrinhadas com tirantes de madeira), pelas fondues nos bons restaurantes suíços e pelo climinha gostoso da Serra Gaúcha.

CAMPO BELO, MINAS GERAIS - A primeira cidade do Brasil a ter um time de Rugby (Campo Belo Rugby - CBR) A cidade tem paisagens deslumbrantes com campos a perder de vista. Ideal para a prática de esportes de aventura, ecoturismo, esportes náuticos com várias cachoeiras, praias de água doce além da tradicional e boa comida mineira. Uma cidade tranquila, acolhedora com boas opções para hospedagem