Pular para o conteúdo principal

OURO PRETO, MINAS GERAIS - Tombada como Patrimônio Cultural da Humanidade pela Unesco, Ouro Preto guarda um conjunto arquitetônico inigualável entre as cidades históricas brasileiras. Os viajantes ficam fascinados ao caminhar pelas inúmeras ladeiras de pedra do Centro, para conhecer o expressivo casario colonial e construções como a Casa dos Contos, o Museu da Inconfidência, a Matriz de Nossa Senhora do Pilar e a Igreja de São Francisco de Assis. Mas o lugar que tanto atrai pela história também mostra sua vocação artística nos diversos ateliês, nas lojas de pedras preciosas e nas feiras de artesanato. E a programação cultural, com eventos como a Mostra de Cinema, o Festival de Inverno, o Tudo é Jazz e o Fórum das Letras, revela que Ouro Preto não vive apenas do passado. Aliás, a animação é renovada todos os anos, durante o movimentado carnaval de rua.




CONHEÇA A CIDADE DE OURO PRETO, MINAS GERAIS, BRASIL - OLHANDO DA JANELA DO TREM
Tombada como Patrimônio Cultural da Humanidade pela Unesco, Ouro Preto guarda um conjunto arquitetônico inigualável entre as cidades históricas brasileiras. Os viajantes ficam fascinados ao caminhar pelas inúmeras ladeiras de pedra do Centro, para conhecer o expressivo casario colonial e construções como a Casa dos Contos, o Museu da Inconfidência, a Matriz de Nossa Senhora do Pilar e a Igreja de São Francisco de Assis.
Torres das igrejas de São Francisco de Assis (à direita), e de Nossa Senhora do Carmo na Praça Minas Gerais, Ouro Preto
Rua Bernardo de Vasconcelos, no Centro Histórico de Ouro Preto (MG); na região há dezenas de lojinhas que vendem pedras preciosas
Igreja São Francisco de Assis, em Ouro Preto (MG); a foto está no livro "Patrimônio Material - Centros Históricos, Conjunto Arquitetônico, Santuários e Ruínas"
Mas o lugar que tanto atrai pela história também mostra sua vocação artística nos diversos ateliês, nas lojas de pedras preciosas e nas feiras de artesanato. E a programação cultural, com eventos como a Mostra de Cinema, o Festival de Inverno, o Tudo é Jazz e o Fórum das Letras, revela que Ouro Preto não vive apenas do passado. Aliás, a animação é renovada todos os anos, durante o movimentado carnaval de rua.
Rua de Ouro Preto coberta com o tradicional tapete de serragem, confeccionado para a Procissão da Ressurreição que ocorre durante a Semana Santa na cidade
Fundada no fim do século 17, Ouro Preto é tombada como Patrimônio Cultural da Humanidade pela Unesco e preserva um dos mais belos conjuntos arquitetônicos do país, com casarões, igrejas e palácios construídos durante o Ciclo do Ouro
Vista geral da cidade - para ver Ouro Preto do alto, é preciso ter fôlego para encarar suas históricas ladeiras (crédito da foto)
UM DIA PERFEITO
Visite o Museu da Inconfidência, a Igreja São Francisco de Assis e garimpe artesanato na Feira do Largo de Coimbra, em frente. Faça uma pausa na Cafeteria e Livraria Cultural e siga para a Rua Brigadeiro Musqueira, onde estão a Igreja Nossa Senhora do Carmo, o Museu do Oratório e o Teatro Municial. Conheça a Igreja Matriz de Nossa Senhora do Pilar e jante no Bené da Flauta, no lugar onde morou Mestre Athaíde, pintor do barroco mineiro.
Ouro Preto, que tanto atrai pela história, também mostra sua vocação artística nos diversos ateliês, nas lojas de pedras preciosas e nas feiras de artesanato espalhadas pelo Centro
Museu da Inconfidência, na Praça Tiradentes
A fachada arredondada da igreja Nossa Senhora do Rosário dos Pretos tem origem arquitetônica misteriosa: não se sabe ao certo quem projetou a construção
O GUIA RECOMENDA
Com quase uma semana, visite uma das minas de ouro, como a de Santa Rita, a Igreja Nossa Senhora do Rosário dos Pretos e o Museu de Ciência e Técnica. Passeie pelo Vale dos Contos e almoce em um dos restaurantes de comida mineira. Embarque no passeio de trem até Mariana, no qual uma locomotiva com vagões panorâmicos ladeia cachoeiras e montanhas até chegar ao destino, a 18 km.
A Igreja São Francisco de Paula foi a última construída durante o período colonial brasileiro, entre 1804 e 1898
Teto da Igreja de São Francisco de Assis, pintado por Ataíde Manoel da Costa
A Igreja de São Francisco de Assis em Ouro Preto, foi projetada por Aleijadinho
Vale pegar a estrada até Congonhas, a 63 km, para conhecer a Basílica do Senhor Bom Jesus de Matosinhos e seus 12 profetas, esculpidos por Aleijadinho. No mesmo dia, programe uma parada no Museu das Reduções, em Amarantina. E, de volta a Ouro Preto, faça um roteiro pelos ateliês e curta o clima da cidade no Chopp Real ou numa das mesinhas do bar e brechó Barroco & Barraco.
Igreja da Ordem Terceira de São Francisco, com teto pintado por mestre Ataíde
Casa e morros da cidade de Ouro Preto
Museu da Inconfidência
COMO CHEGAR
De carro, a partir de Belo Horizonte, siga pela BR-040 até o trevo da BR-356, via de acesso a Ouro Preto. Quem vem do Rio de Janeiro pega a BR-040 sentido Belo Horizonte até Conselheiro Lafaiete e, de lá, segue pela Mg-443 até a cidade. A partir de são Paulo, comece pela BR-381 (Fernão Dias) e entre na BR-265 no sentido Barbacena, até a BR-040. Dali, siga o mesmo trajeto de quem vem do Rio.
Igreja Nossa Senhora das Mercês e Misericórdia
Casa em Ouro Preto
Locomotiva do Trem da Vale, que liga as cidades de Ouro Preto e Mariana
De ônibus, a viagem leva duas horas a partir de Belo Horizonte (Pássaro verde, 3073-7575; R$ 28; todos os dias, a cada hora). Do Rio, são oito horas de viagem (a partir de R$ 84,00; quatro saídas por dia; 21/3907-3900) e, de são Paulo, o trajeto leva 10h40 (a partir de R$ 103; duas saídas diárias; 11/2142-7100) – a viação Útil faz os trajetos a partir das duas cidades.
Em Ouro Preto, uma corrida de táxi da rodoviária até a Praça Tiradentes, no Centro, custa até R$ 15.
Fachada da Igreja Matriz Nossa Senhora do Pilar
Altar-mor da Igreja Matriz Nossa Senhora do Pilar
Rua do Centro Histórico da cidade; fundada no fim do século 17, Ouro Preto viveu um período de glória durante o Ciclo do Ouro em Minas Gerais
COMO CIRCULAR
Apesar das intermináveis ladeiras, é melhor explorar o Centro Histórico a pé – ruas estreitas, várias vias de mão única e estacionamento proibido na Praça Tiradentes desestimulam o uso de carro. Táxis (sem taxímetro) são boa alternativa para se deslocar até pousadas e atrações mais distantes.
O Museu da Inconfidência, na Praça Tiradentes, exibe as supostas traves de madeira da forca de Tiradentes e o livro original com a declaração de sua condenação
Fachada da Igreja de Santa Efigênia ou Igreja de Nossa Senhora do Rosário da Cruz, no bairro do Alto da Cruz do Padre Faria
ONDE FICAR
Para ficar perto das principais atrações, lojas e restaurantes da cidade, vale se hospedar nas imediações da Praça Tiradentes, no Centro Histórico. Ali você consegue visitar os melhores museus e algumas das principais igrejas sem subir muitas ladeiras. Para quem curte o clima de campo, há boas opções nos distritos de Cachoeira do Campo, Glaura e Santo Antônio do Leite, além do Sesc Estalagem, na beira da Rodovia dos Inconfidentes.
Altar da Igreja Nossa Senhora do Pilar; há mais de 400 quilos de ouro ornamentando o interior da Matriz
O altar da Igreja de São Francisco de Assis é totalmente coberto de ouro
As janelas de alguns hotéis enquadram belas igrejas. Os quartos 201, 202, 301 e 302 do Solar do Rosário têm vista para a Nossa Senhora do Rosário dos Pretos. Quer ver a Igreja Nossa Senhora do Carmo? Suítes 4, 5, 7 e 8 do Hotel do Teatro.
Interior da Igreja Matriz de Nossa Senhora do Pilar, um dos maiores exemplos de arte barroca no Brasil
Estátua de Joaquim José da Silva Xavier, o Tiradentes, no alto do monumento da Praça Tiradentes e, ao fundo, fachada do Museu da Inconfidência
TÍPICO
As repúblicas são moradias estudantis, mas também hospedam turistas. A maior procura ocorre durante o Carnaval, quando são organizados pacotes que incluem festas, abadá para brincar nos blocos e muita cerveja. Mais informações em carnavalouropreto.com.
Pico do Itacolomi, uma das visões que se tem da cidade de Ouro Preto (MG)
Casarão do Hotel Solar do Rosário, em Ouro Preto (MG)
LUGARZINHO
O casarão na esquina da Praça Tiradentes com a Rua Cláudio Manoel é ponto estratégico. Ali ficam um Centro de Informações Turísticas, um posto para contratação de guias, uma galeria de arte e a Cafeteria e Livraria Cultural, com títulos de história e arte.
A Igreja São Francisco de Paula não tem fachada ornamentada e nem o interior muito rebuscado, mas como ela fica em cima de um monte e tem uma bela visão panorâmica da cidade de Ouro Preto
Ouro Preto também é berço de obras barrocas, com destaque para a arte sacra de Antônio Francisco Lisboa, o Aleijadinho
QUANDO IR
O clima é úmido no verão e seco no inverno. Mas o principal é levar em conta o calendário: Carnaval, Semana Santa, Mostra de Cinema (junho), Festival de Inverno (julho) e 12 de Outubro lotam a região e fazem subir o preço das diárias.
Veja também nossa sugestão para toda a região no Roteiro Rodoviário Cidade Históricas de Minas Gerais.
Por Luiz Giannoni
Ouro Preto (MG) tem um conjunto arquitetônico inigualável
Vista da cidade de Ouro Preto, MG
CASA DOS CONTOS
copyrigth "Jose Gustavo A. Murt..."
Deve-se ao espírito intrépido e aventureiro dos bandeirantes paulistas o início do povoamento de Minas Gerais em fins do século XVII. Os sertões das Gerais, que viriam integrar o território do país em formação, atraíam então inúmeras expedições, em busca de ouro e pedras preciosas.
CASARÕES
copyrigth "Gui Torres"
OURO PRETO ENCRAVADA NAS MONTANHAS DAS MINAS GERAIS
copyrigth "?"
IGREJA DE NOSSA SENHORA DAS MERCÊS E PERDÕES
copyrigth "Jose Gustavo A. Murt..."
IGREJA DE SÃO FRANCISCO DE ASSIS
copyrigth "Tiago Soares"
IGREJA DE SÃO FRANCISCO DE PAULO
copyrigth "wolffystyle"
MATRIZ DE NOSSA SENHORA DO PILAR
copyrigth "Luis Macedo"
MINA DO CHICO REI
copyrigth "Roberta Soriano e Ar..."
MUSEU DOS INCONFIDENTES
copyrigth "Geraldo Salomão"
VISTA PARCIAL
copyrigth "Roberta Soriano e Ar..."
PEDRA "CABEÇA DE DINOSSAURO REX"
copyrigth "Geraldo Salomão"
PICO DO ITACOLOMI
copyrigth "Cristiano M. da Cost"
RUA DO CONDE
copyrigth "Miraflores"
RUA DO PILAR
copyrigth "Altamiro Olinto Criss..."
TELHADOS
copyrigth "?"
VALE DO RIO FUNIL
copyrigth "Publio Athayde"
VIELAS
copyrigth "WolffYstile"
VISÃO DAS LADEIRAS
copyrigth "Edgard Thomaz"
VISTA PARCIAL
copyrigth "Marcelo e Salgado"
CACHOEIRA
copyrigth "Jose Gustavo A. Murt..."
BECOS
copyrigth "Fernando e Sabino"
População estimada 2016 (1) - 74.356
Área da unidade territorial 2015 (km²) - 1.245,865
Densidade demográfica 2010 (hab/km²) - 56,41
Código do Município 3146107
Gentílico - ouro-pretano
Prefeito 2017 / JULIO ERNESTO DE GRAMMONT MACHADO DE ARA
Gentílico: ouro-pretano
HISTÓRICO
A origem de Ouro Preto está no arraial do Padre Faria, fundado pelo bandeirante Antônio Dias de Oliveira, pelo Padre João de Faria Fialho e pelo Coronel Tomás Lopes de Camargo e um irmão deste, por volta de 1698.
Pela junção desses vários arraiais, tornando-se sede de conselho, foi elevada à categoria de vila em 1711 com o nome de Vila Rica. Em 1720 foi escolhida para capital da nova capitania de Minas Gerais. Em 1823, após a Independência do Brasil, Vila Rica recebeu o título de Imperial Cidade, conferido por D. Pedro I do Brasil, tornando-se oficialmente capital da então província das Minas Gerais e passando a ser designada como Imperial Cidade de Ouro Preto. Em 1839 foi criada a Escola de Farmácia e em 1876 a Escola de Minas. Foi sede do movimento revolucionário conhecido como Inconfidência Mineira. Foi a capital da província e mais tarde do estado, até 1897. A antiga capital de Minas conservou grande parte de seus monumentos coloniais e em 1933 foi elevada a Patrimônio Nacional, sendo, cinco anos depois, tombada pela instituição que hoje é o IPHAN. Em 5 de setembro de 1980, na quarta sessão do Comitê do Patrimônio Mundial da UNESCO, realizada em Paris, Ouro Preto foi declarada Patrimônio Cultural da Humanidade.
Nenhum outro município brasileiro acumulou tantos fatos históricos relevantes à construção da memória nacional como este vasto município. Destacam-se, como marcos importantes da história brasileira:
- Última década do século XVII e princípio do XVIII - clímax das explorações paulistas, sendo descoberto o "ouro preto";
- 1708 - Guerra dos Emboabas; os atritos entre paulistas e 'forasteiros' atinge o ponto alto no distrito de Cachoeira do Campo;
- 1720 - Revolta liderada por Filipe dos Santos; motins contra o Quinto da Coroa Portuguesa;
- 1789 - Inconfidência Mineira; confabulação entre determinados segmentos da sociedade mineradora de então para tornar Minas livre do jugo português.
Em 1897 Ouro Preto perde o status de capital mineira, especialmente por não apresentar alternativas viáveis ao desenvolvimento físico urbano, sendo a sede transferida para o antigo Curral Del'Rey (onde uma nova cidade, Belo Horizonte, planejada e espaçosa, estava sendo preparada). A vetusta cidade continuou polarizando seus distritos, sendo, contudo, o município somente a sombra do que foi outrora o Termo de Vila Rica.
ESTA EH A BANDEIRA DA CIDADE DE OURO PRETO, MINAS GERAIS
ESTE EH O BRASÃO DO MUNICÍPIO DE OURO PRETO, MINAS GERAIS 
SEMPRE VOLTE. SUA VISITA AGRADEÇO

Fonte dos textos e fotos: IBGE / Thymonthy Becker / Wikipédia / Portal do Governo de Ouro Preto / viagemeturismo.abril.com.br / 



Comentários

  1. Maravilhosa Ouro Preto
    Fotografias maravilhosas desta cidade barroca.
    Obrigado por esta excelente publicação

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ouro Preto eh super show de bola. Cidade muito bacana. Valeu Menina. Abraços e tudo de Bom para Você

      Excluir

Postar um comentário

VALEU POR VIAJAR COM A GENTE

Páginas que receberam mais visitas

BAEPENDI, MINAS GERAIS - A terra de "Nhá Chica". Baependi é um convite para se deslumbrar com as mais de cinqüenta cachoeiras que cercam a cidade. Na natureza preservada no município estão cerca de 40% do parque ecológico do papagaio, é local ideal para fazer trilhas e acampar em paradisíacos lugares. Baependi é uma das poucas cidades que podem ser visitadas durante qualquer época do ano, sem se preocupar com a programação que irá encontrar pois, o verão é bem definido, sendo um convite para se deslumbrar com as mais de cinqüenta cachoeiras que cercam a cidade e o inverno pouco chuvoso propicia inúmeras opções para enfrentar trilhas e acampar em paradisíacos lugares. A religiosidade ocupa lugar de destaque como um dos fatores que mais atraem os visitantes, uma vez que Baependi foi o lugar onde a serva de Deus, Nhá Chica, concedeu suas graças, hoje em dia inúmeras romarias de diversas partes do país têm como destino o Santuário de Nhá Chica, onde também se encontram seus restos mortais.

COLORADO, RIO GRANDE DO SUL - Será que tem gremista em Colorado? Claro que tem. Colorado é uma pequena cidade do Alto Jacuí. Fundada por imigrantes italianos e alemães. O município tem como base da economia a produção agrícola. Cenários de belezas, cores e aromas que seduzem os turistas. Cenários de belezas, cores e aromas que seduzem os turistas

REPRESA DE FURNAS, SÃO JOSÉ DA BARRA, MINAS GERAIS - No dia 9 de janeiro de 1963 o túnel que desviou o curso do rio Grande para a construção da Usina de Furnas foi fechado e as águas que formaram um dos maiores reservatórios do mundo, criou praias, formou cânions e cachoeiras, inundou vilarejos e mudou para sempre a história dos 34 municípios que ficam ao longo dos 1.440 km2 de extensão do Lago de Furnas. Destes, Capitólio se destaca por oferecer as melhores opções de serviços e infraestrutura turística. Os passeios náuticos, os esportes aquáticos, a pesca esportiva e a exuberância natural são pontos fortes da região, que abrange também parte do Parque Nacional da Serra da Canastra, onde nasce o Rio São Francisco, o "Velho Chico". O Lago de Furnas, também conhecido como "O MAR DE MINAS", é quatro vezes maior que a Baía de Guanabara, no Rio de Janeiro.

BRASÍLIA, DF, BRASIL - Brasília é formada por gente de todos os lugares, todas as idades e de muitas gerações. É uma mistura de sotaques do Nordeste, Sudeste, Norte e Sul do país e até de estrangeiros. Por conta de seu rápido crescimento, já é a quarta cidade mais populosa do país. A maioria dos moradores, 52%, é mulher e tem em média 30 anos. Os primeiros habitantes que chegaram a Brasília vieram, principalmente, atraídos pelos empregos na construção civil e ajudaram na construção da capital. Eles eram chamados de candangos e aqui construíram e criaram famílias. Desses, surgiram os “brasilienses”, o gentílico usado para quem nasceu aqui e adotado por quem veio de fora e assumiu a cidade como sua.

TOMBOS, MINAS GERAIS - Na cachoeira três tombos, verdadeira obra da natureza de imensurável beleza que constitui um cartão postal da cidade com 62 metros de altura. A Gruta Pedra Santa localizada no distrito de Catuné, uma obra construída pela própria natureza. Ao longo do tempo a grande pedra foi desintegrando-se e formou-se um grande salão, onde ergueu-se a capela em Honra a Nossa Senhora de Lourdes. Praças diversas, museu municipal que funciona na antiga estação ferroviária, usina hidrelétrica de Tombos e os dois distritos “Catuné” e “Água Santa” valem uma visita à cidade de Tombos

IGATU, ANDARAÍ, BAHIA - Eh uma verdadeira cidade de pedra. "Sagrada" pra quem viveu lá durante o auge do ciclo do diamante. O trajeto até a vila já é uma atração: a estrada de acesso pela BA-142 é cheia de mirantes naturais. Ao chegar, a impressão é de ter voltado no tempo, quando igatu era chamada de Xique Xique e famosa pela extração de diamantes. Hoje não há farmácias, o hospital mais próximo fica em Andaraí, a 12 km. Em outros tempos quem diria? Cabarés, cassinos, lojas, cadeia, cartório, cinema...

RIO DE JANEIRO, BRASIL - Do primeiro ao último minuto do ano, não falta o que fazer, o que visitar e o que rever no Estado do Rio de Janeiro, que não por acaso ostenta o rótulo de Maravilhoso. Além das praias e de seus outros dois ícones geográficos – o Corcovado e o Pão de Açúcar – o Rio vem ganhando uma série de atrativos culturais e gastronômicos. Quem deixa a capital e percorre o litoral fluminense encontra praias de beleza raríssima. Ao norte, na Região dos Lagos, estão as dunas de Cabo Frio, as águas translúcidas e frias de Arraial do Cabo, boas para mergulho, a badalação de Búzios e as trilhas rurais de Rio das Ostras. De frente para a Baía da Guanabara, Niterói mostra que a vista para a cidade do Rio não é o único atrativo. Além de oferecer, na sua face voltada para o alto mar, trechos de areia ideais para quem quiser fugir do agito de Ipanema e Copacabana, o município começa a explorar o legado das construções assinadas por Oscar Niemeyer, entre elas o famoso Museu de Arte Contemporânea.

GRAMADO, RIO GRANDE DO SUL - Faltava neve à Gramado para que ela assumisse de vez o título de “Suíça brasileira”. Não falta mais: o Snowland, primeiro parque de neve artificial indoor das Américas, trouxe esportes de inverno à cidade, que já era famosa pelas construções enxaimel (aquelas de paredes esquadrinhadas com tirantes de madeira), pelas fondues nos bons restaurantes suíços e pelo climinha gostoso da Serra Gaúcha.

CAMPO BELO, MINAS GERAIS - A primeira cidade do Brasil a ter um time de Rugby (Campo Belo Rugby - CBR) A cidade tem paisagens deslumbrantes com campos a perder de vista. Ideal para a prática de esportes de aventura, ecoturismo, esportes náuticos com várias cachoeiras, praias de água doce além da tradicional e boa comida mineira. Uma cidade tranquila, acolhedora com boas opções para hospedagem

SERRA DO NAVIO, AMAPÁ - A História da Serra do Navio remonta aos anos 1950. A região era rica em manganês e outros minérios. Por isso, a brasileira ICOMI, com sede em Belo Horizonte e atuação em Minas Gerais, foi escolhida para explorar o minério e construir a vila operária, que daria origem à cidade de Serra do Navio. Cada vila tinha 330 casas, prédios coletivos (escolas, hospitais, refeitórios), abrigando até 1.500 pessoas, entre trabalhadores e familiares. Tinha ruas largas, postes de concreto para a fiação elétrica e telefônica, calçadas, parques, clubes com piscina, quadras esportivas, restaurante e lanchonete, drenagem de águas das chuvas e tratamento de água e esgoto. Todas as casas tinham mais de 90m² e contavam com saneamento e energia elétrica, proveniente de geradores da ICOMI.