Pular para o conteúdo principal

MACHU PICCHU, PERU - Por mais que digam que o importante eh a viagem e não o destino, a magia de Machu Picchu talvez abra uma exceção. Machu Picchu é simplesmente a atração número um do Peru - e talvez da própria América Andina. Desde que a descoberta científica da cidadela inca foi anunciada pelo historiador americano Hiram Bingham em 1911, sua complexa e misteriosa arquitetura encastelada, cravada em um cenário montanhoso dramático, vem atraindo turistas de todo o mundo.




CONHEÇA A CIDADE PERDIDA DOS INCAS "MACHU PICCHU", PERU - DA JANELA DO TREM
TRILHA INCA, RUMO A MACHU PICCHU
Machu Picchu é simplesmente a atração número um do Peru - e talvez da própria América Andina. Desde que a descoberta científica da cidadela inca foi anunciada pelo historiador americano Hiram Bingham em 1911, sua complexa e misteriosa arquitetura encastelada, cravada em um cenário montanhoso dramático, vem atraindo turistas de todo o mundo.
Tanta popularidade levou o destino, uma das sete maravilhas do mundo, a sofrer com o turismo desenfreado e alguns dos preços mais altos do país. Mesmo assim, hordas de turistas desembarcam sem parar nessa antiga cidade inca de pedra, seja pela clássica Trilha Inca ou por trens vindos de Cusco. E motivos não faltam para tamanha determinação.
DO TEMPLO DE LAS TRES VENTANAS É POSSÍVEL VER A PRAÇA SAGRADA LÁ EMBAIXO COM AS MONTANHAS ALTÍSSIMAS COMO PANO DE FUNDO
NA ROTA PARA MACHU PICCHU, RIOS E LADEIRAS ÍNGREMES SÃO ALGUNS DOS DESAFIOS PARA OS TURISTAS
UM DOS MUITOS "CONDOMÍNIOS" DE MACHU PICCHU
Cercado de enigmas a respeito de sua criação e serventia, o local, declarado pela Unesco como Patrimônio Cultural e Natural da Humanidade, está a 112 quilômetros de Cusco e a 2.350 metros acima do nível do mar. 
Para muitos, é a viagem de uma vida.
Atenção: 
devido à rápida degradação do sítio, o governo peruano vem limitando o número de visitantes ao local. Para quem viaja com agências, elas providenciarão a reserva para ingresso às ruínas. Turistas independentes, por outro lado, deverão fazê-lo com antecedência junto às autoridades. 
LHAMAS NAS TERRAZAS DE MACHU PICCHU
ESTA PORTA DÁ ACESSO AO SETOR NOBRE DA CIDADE, ONDE SE ENCONTRAM AS RESIDÊNCIAS DOS GOVERNANTES. ALI ESTÁ O CHAMADO PALÁCIO DO INCA, OU CASA REAL, UM AMPLO ESPAÇO RESIDENCIAL QUE SERVIA DE REFÚGIO PARA O SOBERANO. NOTA-SE NESSE SETOR A PRECISÃO E O CUIDADO COM QUE PAREDES E MUROS FORAM LAVRADOS. ORIGINALMENTE, AS CONSTRUÇÕES ERAM COBERTAS COM TELHADOS DE PALHA
RUÍNAS NA CIDADE SAGRADA DOS INCAS EM MACHU PICCHU
A MONTANHA DE WAYNA PICCHU, O BARULHO DAS CORREDEIRAS DO URUBAMBA E AS NUVENS AJUDAM A COMPOR O CLIMA MISTERIOSO QUE CERCA AS RUÍNAS INCAS DE MACHU PICCHU
COMO CHEGAR 
Avião 
De Lima para Cusco, há voos diretos pelas empresas Avianca, Lan, Peruvian Airlines, Star Perú e Taca. O Aeroporto Alejandro Velasco Astete fica a menos de quatro quilômetros da cidade.
Trilha Inca 
Para alcançar Machu Picchu, uma das alternativas é fazer a pé a Trilha inca. São várias rotas para se chegar ao alto da montanha. A caminhada mais comum é a que leva quatro dias de duração e cruza montanhas como Warmiwañusqa e Runkuraqay, a 4.200 e 3.860 metros sobre o nível do mar, respectivamente.
A viagem começa em Piskacucho, pequeno povoado localizado no km 82 da ferrovia Cusco-Machu Picchu, a mesma por onde passam os trens que ligam Cusco a Aguas Calientes (Machu Picchu Pueblo). 
Dali, a caminhada costuma seguir o seguinte roteiro: 1.º dia (sete horas): Piskacucho-Llulluchapampa; 2.º dia (oito horas): Llulluchapampa-Chaquicocha; 3.º dia (sete horas): Chaquicocha-Wiñaywayna; 4º (uma hora e meia): Wiñaywaya – Intipunku. 
Quem quiser ver as ruínas de Qoriwayrachina, Waynaq'ente e Machuq'ente deve seguir pela rota que sai do km 88 da mesma via férrea. O viajante que tiver menos tempo disponível pode realizar o roteiro de dois dias, que começa no km 104. 
RIO URUBAMBA NA CIDADE SAGRADA DE MACHU PICCHU

RUÍNAS DE WINAY WAYNA, AO LONGO DA TRILHA INCA, EM MACHU PICCHU
A MISTERIOSA CIDADE SAGRADA DE MACHU PICCHU FOI CONSTRUÍDA PELOS INCAS HÁ CERCA DE 600 ANOS
VISTA DE MACHU PICCHU A PARTIR DA MONTANHA HUAYNA PICCHU
INTIHUATANA É O RELÓGIO SOLAR OU “LUGAR ONDE SE AMARRA O SOL”. ESTÁ SITUADO NO PONTO MAIS ALTO DA CIDADE E ENCABEÇA O SETOR SAGRADO. DELICADAMENTE ESCULPIDA, A PEÇA SE ALINHA AOS PONTOS CARDEAIS E ERA UTILIZADA PARA REGISTRAR A PASSAGEM DO TEMPO, ALÉM DE AUXILIAR NA AGRICULTURA. TURISTAS COSTUMAM COLOCAR AS MÃOS SOBRE O MONÓLITO, QUE NÃO PODE SER TOCADO, PARA CAPTAR A SUPOSTA ENERGIA QUE DELE EMANA.
IR DE TREM
Esse é o meio mais popular para se chegar a Machu Picchu. O serviço é operado pela Peru Rail e pela Inca Rail. Cada empresa oferece três opções de trem todos os dias entre Cusco e Aguas Calientes, com distintas categorias e preços. 
A Peru Rail, por exemplo, tem o Vistadome, uma viagem de pouco mais de três horas em vagões com janelas e teto panorâmicos; o Expedition, voltado para mochileiros; e o Hiram Bingham, um serviço luxuoso da Orient Express que inclui refeições a bordo, transporte até a cidadela de Machu Picchu, acompanhamento de guia e um chá da tarde no Machu Picchu Sanctuary Lodge, o único hotel localizado na região de Machu Picchu. 
Uma vez em Aguas Calientes, o visitante deve caminhar 700 metros até a entrada do sítio ou tomar um dos ônibus que sobem até o local. Procure sair no primeiro horário para poder aproveitar o atrativo sem pressa. Recomenda-se reservar com antecedência no site de cada empresa. 
DO ALTO DA CASA DO VIGIA, EM MACHU PICCHU, TURISTAS OBSERVAM ENTORNO DO VALE DO RIO URUBAMBA
INTIPUNKU, EM QUÉCHUA, SIGNIFICA PORTA DO SOL. DEPOIS DE TRÊS DIAS DE CAMINHADA NA TRILHA INCA, É DESTE PONTO QUE OS TURISTAS VISLUMBRAM MACHU PICCHU PELA PRIMEIRA VEZ. ELES PROCURAM CHEGAR À PORTA DO SOL COM A ALVORADA POUCO A POUCO A CIDADELA DE PEDRA VAI FICANDO DOURADA COM OS PRIMEIROS RAIOS DE SOL. UM ESPETÁCULO DIÁRIO.
VISTA AÉREA DE MACHU PICCHU (MONTANHA VELHA, EM QUÉCHUA), COM HUAYNA PICCHU (MONTANHA JOVEM) EM PRIMEIRO PLANO
POUCO TEMPO EM MACHU PICCHU? VÁ DE TREM
Único hotel no topo da montanha encimada pela famosa cidadela inca, o Machu Picchu Sanctuary Lodge pertence à rede Orient-Express. Trata-se de uma opção luxuosa, cara e privilegiada de hospedagem na região: seus hóspedes estão a poucos passos da entrada para Machu Picchu.
Conta com dois ótimos restaurantes: o Tampu, que promove a fusão da cozinha internacional com ingredientes andinos e de uso exclusivo dos hóspedes, e o Tinkuy, que opera como bufê e pode ser desfrutado por outros visitantes do sítio arqueológico, mediante reserva, evidentemente. Há quatro categorias de hospedagem, todas as suítes são equipadas com ar-condicionado, frigobar e TV a cabo, entre outras facilidades.
Além disso, os hóspedes também contam com serviços de massagem e aromaterapia. Aos apaixonados, o hotel oferece uma opção especial: é possível celebrar um casamento à moda andina, com xamã e tudo mais, em plena Machu Picchu.
VISTA PARCIAL DA PLAZA PRINCIPAL DE MACHU PICCHU
UMA CAMINHADA LEVE, DE CERCA DE MEIA HORA, LEVA À DENOMINADA PONTE INCA, SITUADA NUM VERTIGINOSO PONTO DE ACESSO A MACHU PICCHU. É UM PASSEIO BEM TRANQUILO, TALVEZ O QUE REGISTRE O MENOR FLUXO DE TURISTAS NO LOCAL, E OFERECE COMO RECOMPENSA UMA VISTA EMOCIONANTE DO DESFILADEIRO COM O RIO URUBAMBA SERPENTEANDO AO FUNDO
PORTA DO SOL
Intipunku, em quéchua, significa Porta do Sol. Depois de três dias de caminhada na Trilha Inca, é deste ponto que os turistas vislumbram Machu Picchu pela primeira vez. Eles procuram chegar à Porta do Sol com a alvorada. Pouco a pouco a cidadela de pedra vai ficando dourada com os primeiros raios de sol.
Um espetáculo diário. 
Para quem sobe a montanha de ônibus, a caminhada de Machu Picchu até a Porta do Sol leva cerca de duas horas. É um passeio bastante agradável para observar a rica fauna e flora da região, especialmente no que diz respeito a orquídeas (372 tipos cadastrados) e borboletas (200 espécies). Além de uma vista encantadora, na volta você poderá adentrar a cidadela por sua porta principal, única entrada que dava acesso a Machu Picchu no período inca.
ÚNICA CONSTRUÇÃO CIRCULAR DE MACHU PICCHU, TAMBÉM CHAMADA DE TORREÓN. ESTÁ ORIENTADA PARA O SOLSTÍCIO DE INVERNO E FICA INTEGRADA AO COMPLEXO QUE INCLUI A PRINCIPAL FONTE DE ÁGUA, AS TRÊS PAREDES DE CULTO AO VENTO E O TEMPLO DEDICADO À PACHAMAMA (MÃE TERRA). SEU DESENHO APROVEITA A ESTRUTURA NATURAL DA ROCHA SOBRE A QUAL FOI ERIGIDO. ABAIXO HÁ UMA ESPÉCIE DE COVA QUE, ACREDITAM OS ESTUDIOSOS, SERVIA DE MAUSOLÉU PARA ALGUNS DOS LÍDERES DO POVO INCA.
OUTRA CONSTRUÇÃO CARACTERÍSTICA DA ARQUITETURA INCA, CONCEBIDA COM ENORMES BLOCOS DE PEDRA FINAMENTE TALHADOS E ENCAIXADOS À PERFEIÇÃO. FICA DE FRENTE PARA A PRAÇA PRINCIPAL E MIRA PARA O PUTUCUSI, UM DOS APUS, OU MONTANHAS SAGRADAS, NO ENTORNO DE MACHU PICCHU. AS JANELAS REPRESENTARIAM OS TRÊS NÍVEIS EM QUE OS INCAS DIVIDIAM O MUNDO: O CÉU (VIDA ESPIRITUAL), A TERRA (VIDA MUNDANA) E O SUBTERRÂNEO (VIDA INTERIOR). A CONSTRUÇÃO ESTÁ INTEGRADA AO TEMPLO PRINCIPAL, PALCO DOS CULTOS MAIS IMPORTANTES DA ÉPOCA INCAICA EM MACHU PICCHU.
MACHU PICCHU (EM QUÍCHUA MACHU PIKCHU, "VELHA MONTANHA"), TAMBÉM CHAMADA "CIDADE PERDIDA DOS INCAS".
A ANTIGA TRILHA ABERTA PELOS INCAS, QUE LEVA AO VALE SAGRADO DE MACHU PICCHU, HOJE É PERCORRIDA POR MILHARES DE AVENTUREIROS QUE ENCONTRAM MONTANHAS COM PICOS CONGELADOS, FLORESTAS ALTAS, RUÍNAS E PENHASCOS AO LONGO DO CAMINHO. JULHO É O MÊS MAIS RECOMENDADO PARA ENCARÁ-LA POR SER UMA ÉPOCA SECA E SEM CHUVA. O TRAJETO CLÁSSICO TEM APROXIMADAMENTE 45 QUILÔMETROS E DURA QUATRO DIAS. NO ENTANTO, EXISTEM OPÇÕES DE TRILHAS MAIS CURTAS (DOIS DIAS, POR EXEMPLO). O MAL DE ALTITUDE É O PRINCIPAL VILÃO PARA OS AVENTUREIROS, QUE NORMALMENTE É COMBATIDO MASCANDO FOLHAS DE COCA

PEDRA QUE REPRESENTA O CONDOR, AVE SAGRADA NA CULTURA INCA, NAS RUÍNAS DA CIDADE SAGRADA DE MACHU PICCHU
É UMA CIDADE PRÉ-COLOMBIANA BEM CONSERVADA, LOCALIZADA NO TOPO DE UMA MONTANHA, A 2400 METROS DE ALTITUDE, NO VALE DO RIO URUBAMBA, ATUAL PERU. FOI CONSTRUÍDA NO SÉCULO XV, SOB AS ORDENS DE PACHACUTI. O LOCAL É, PROVAVELMENTE, O SÍMBOLO MAIS TÍPICO DO IMPÉRIO INCA
TEMPLO DE LA LUNA, EM MACHU PICCHU
CONSTA DE DUAS GRANDES ÁREAS:
A AGRÍCOLA FORMADA PRINCIPALMENTE POR TERRAÇOS E RECINTOS DE ARMAZENAGEM DE ALIMENTOS; 
E A OUTRA URBANA, NA QUAL SE DESTACA A ZONA SAGRADA COM TEMPLOS, PRAÇAS E MAUSOLÉUS REAIS.
DESCOBERTO EM 1911 E DECLARADO PATRIMÔNIO MUNDIAL DA HUMANIDADE PELA UNESCO EM 1983, O SÍTIO ARQUEOLÓGICO DE MACHU PICCHU É QUASE UM DESTINO DE PEREGRINAÇÃO NA AMÉRICA DO SUL E RECEBE ATÉ 2500 VISITANTES POR DIA
A DISPOSIÇÃO DOS PRÉDIOS, A EXCELÊNCIA DO TRABALHO E O GRANDE NÚMERO DE TERRAÇOS PARA AGRICULTURA SÃO IMPRESSIONANTES, DESTACANDO A GRANDE CAPACIDADE DAQUELA SOCIEDADE. NO MEIO DAS MONTANHAS, OS TEMPLOS, CASAS E CEMITÉRIOS ESTÃO DISTRIBUÍDOS DE MANEIRA ORGANIZADA, ABRINDO RUAS E APROVEITANDO O ESPAÇO COM ESCADARIAS. SEGUNDO A HISTÓRICA INCA, TUDO PLANEJADO PARA A PASSAGEM DO DEUS SOL.
foto - ?
O LUGAR FOI ELEVADO À CATEGORIA DE PATRIMÔNIO MUNDIAL DA UNESCO, TENDO SIDO ALVO DE PREOCUPAÇÕES DEVIDO À INTERAÇÃO COM O TURISMO POR SER UM DOS PONTOS HISTÓRICOS MAIS VISITADOS DO PERU.
HÁ DIVERSAS TEORIAS SOBRE A FUNÇÃO DE MACHU PICCHU, E A MAIS ACEITA AFIRMA QUE FOI UM ASSENTAMENTO CONSTRUÍDO COM O OBJETIVO DE SUPERVISIONAR A ECONOMIA DAS REGIÕES CONQUISTADAS E COM O PROPÓSITO SECRETO DE REFUGIAR O SOBERANO INCA E SEU SÉQUITO MAIS PRÓXIMO, NO CASO DE ATAQUE.
foto - ?
MACHU PICCHU SE ENCONTRA A 13º 9' 47" DE LATITUDE SUL E 72º 32' 44" DE LONGITUDE OESTE. FAZ PARTE DO DISTRITO DE MESMO NOME, NA PROVÍNCIA DE URUBAMBA, NO DEPARTAMENTO DE CUSCO, NO PERU. A CIDADE IMPORTANTE MAIS PRÓXIMA É CUSCO, ATUAL CAPITAL REGIONAL E ANTIGA CAPITAL DOS INCAS, A 130 QUILÔMETROS DALI.
A 2400 METROS DE ALTITUDE, MACHU PICCHU ESTÁ SITUADA NO ALTO DE UMA MONTANHA, CERCADA POR OUTRAS MONTANHAS E CIRCUNDADA PELO RIO URUBAMBA, O QUE LHE PROPORCIONA UMA ATMOSFERA ÚNICA DE SEGURANÇA E BELEZA
foto - ?

O PASSEIO / PARTINDO DE AGUAS CALIENTES
Ao contrário de todos os outros povoados, Aguas Calientes não tem parte histórica nem resquícios incas. O vilarejo nasceu em função dos andarilhos que chegavam pela trilha inca e precisavam pernoitar antes de prosseguir a Machu Picchu. A ocupação foi acontecendo de forma caótica, com construções enjambradas, sem planejamento viário. A energia, porém, é das melhores. Aguas Calientes é um lugarzinho animado, cheio de gente compartilhando a alegria de estar na ante-sala de Machu Picchu.
Dormir em Aguas Calientes é um privilégio: os micro-ônibus que levam ao santuário de Machu Picchu começam a sair às 5h30 (o parque abre às 6). Quem está na vila tem condições de curtir o parque com densidade demográfica moderada, antes que comecem a chegar os visitantes que vêm de Ollantaytambo e Cusco.
Isso que eu falei da ocupação desordenada... infelizmente vale também para os hotéis. Prepare-se para um downgrade de conforto (e para pagar mais caro do que num hotel da mesma categoria em Cusco). Os hotéis mais em conta, mesmo que ofereçam quartos duplos, normalmente oferecem padrão hostel. Mas não é grave, é só por uma noite.
De trem, vindo de Ollantaytambo. O trajeto é feito em 1h30 pela InkaRail ou pela PeruRail, é necessário comprar a passagem com antecedência. Você pode ir de Cusco a Ollantaytambo com as vans, conhecidas como colectivos, que saem da calle Pavitos (12 soles/4 dólares; 1h45); pode contratar um trânsfer privativo de Cusco direto a Ollantaytambo (55 dólares por carro na Real Inka, 37 dólares por carro na TaxiDatum; 1h30 de viagem); pode ir de Cusco a Ollantaytambo num tour privado guiado passando por Chinchero, Salineras de Maras e Moray (170 a 200 dólares nas agências por seis horas de passeio); e pode ir de Cusco a Ollantaytambo em tour com motorista mas sem guia, passando igualmente por Chinchero, Salineras de Maras e Moray (80 dólares por carro na Real Inka, 65 dólares por carro na TaxiDatum pelo passeio de 6 horas).
De trem, vindo de Poroy (Cusco). Sim, é possível visitar Machu Pichu como um bate-volta desde Cusco. Os trens saem da estação de Poroy, a 25 minutos de carro da Plaza de Armas. O trajeto de Poroy a Aguas Calientes (via Ollantaytambo) é feito em 2h50 pela InkaRail 4 em 3h20 pela PeruRail, é necessário comprar a passagem com antecedência. Para ir de Cusco a Poroy, um táxi de rua vai cobrar entre 20 e 30 soles (menos de 10 dólares). A TaxiDatum cobra 40 soles (13 dólares).
TREM DE TETO DE VIDRO RUMO A MACHU PICCHU: A CURTIÇÃO COMEÇA NA VIAGEM
Quem é que nunca pegou o bonde andando e quis sentar na janelinha? Não numa conversa, mas no sentido literal mesmo. Os passageiros felizardos (ou, seriam pontuais?) com a cabeça grudada no vidro curtindo o “visu” lá fora e a turma do corredor torcendo pra que eles tenham o bom senso de trocar de assento por um minuto. Mas como tem gente que não se toca nem com chá de “semancol”, talvez o destino chegue antes da sua vez na janelinha. Quem viaja de trem pra Machu Picchu não enfrenta este problema. Pelo menos quem escolhe comprar o bilhete para o trem com teto de vidro.
(Arquivo Pessoal/Alessandra Stefani)
Claro que ele não oferece a mesma visibilidade que o avião da Mulher Maravilha, mas daria trabalho pra flanelinha de semáforo. É vidro que não acaba mais. E é só bater o olho na paisagem lá fora pra entender por que ele é assim. Cordilheiras a perder de vista cobertas de verde e algumas com o pico branquinho de neve abraçam o trem, que vai rasgando as montanhas que esconderam dos colonizadores espanhóis a cidade secreta. Aos pés dos Andes, povos isolados que poderiam encher a boca pra dizer que vivem no meio do nada.
(Arquivo Pessoal/Alessandra Stefani)
Enquanto a estrada de ferro segue seu curso num “leito” de pedregulho, o Urubamba vai ao lado, companheiro fiel da jornada que começa em Cusco. O rio é o mais importante do Vale Sagrado. Quem tem fôlego pra escalar a Montanha de Machu Picchu, que fica perto da cidade perdida, consegue ver o rio de águas geladas e brancas se enrolando entre as cordilheiras, como uma serpente buscando seu caminho.
(Flickr/Rod Waddington)
Com sorte, os janelões panorâmicos ainda servem de moldura para registrar outra joia deste cantinho do planeta que parece parado no tempo: as lhamas. Entre uma foto e outra, dá pra curtir o serviço à bordo das ferromoças que servem refeições para os passageiros. Tudo no capricho.
AS LHAMAS FICAM SOLTAS E AMIGÁVEIS NO SÍTIO ARQUEOLÓGICO DE MACHU PICCHU
(Arquivo Pessoal/Alessandra Stefani)
Depois de quase quatro horas num veículo que felizmente não é trem-bala, o desembarque é em Aguas Calientes, onde se pega um ônibus pra ir a Machu Picchu. Também dá pra chegar lá de um jeito mais aventureiro. Pra galera em forma, tem a clássica Trilha Inca: 4 dias de caminhada - uns sem tomar banho – no meio da Cordilheira dos Andes, subindo e descendo montanha de até 4.200m de altura.
(Flickr/Lisa Weichel)
Claro que a experiência de andar pelo Vale Sagrado é diferente de ver tudo de dentro de um veículo. Mas ter pernas pra percorrer uns 42km com 10kg de mochila nas costas não é pra todo mundo. E o principal: de trem, de ônibus ou a pé, todos os jeitos levam ao mesmo lugar. Por mais que muitos digam que o que importa não é o destino, mas sim a viagem, a magia de Machu Picchu talvez abra uma exceção.
(Arquivo Pessoal/Alessandra Stefani)
A MONTANHA DE WAYNA PICCHU, O BARULHO DAS CORREDEIRAS DO URUBAMBA E AS NUVENS AJUDAM A COMPOR O CLIMA MISTERIOSO QUE CERCA AS RUÍNAS INCAS DE MACHU PICCHU
INFORMAÇÕES AO VIAJANTE
Línguas: Espanhol
Moeda: Nuevo Sol
Como ligar para o Brasil: 0800-50190
Visto: Não é necessário.
Saúde: É exigida apresentação do Certificado Internacional de Vacinação ou profilaxia contra a febre amarela. Aconselha-se a vacinação com uma antecedência mínima de dez dias antes da partida.
Embaixada oficial no Brasil:
SES, Qd. 811, lote 43, Brasília (DF)
61 3242-9435
http://www.embperu.org.br
PARTE DAS TERRAZAS SERVIAM COMO ÁREA AGRÍCOLA. SUA FUNÇÃO MAIS IMPORTANTE, CONTUDO, É DAR SUPORTE À CIDADE E PREVENIR A EROSÃO DO SOLO POR MEIO DE UM ENGENHOSO SISTEMA DE DRENAGEM. POR ISSO, OCUPAM O ENTORNO DE TODA A MONTANHA

Melhor época para visitar: 
Em Cusco, há duas estações, a seca (abril a outubro) e a chuvosa (novembro a março). Já para visitar Machu Picchu o ideal é planejar a viagem para abril, maio, junho, setembro e outubro. Nos demais meses chove ou tem turista demais.

fonte dos textos e fotos: Wikipédia / viajenaviaje.com / Thymonthy becker / viajeaqui.abril.com.br / yahoo.com.br / Divulgação / 

VALEU PELA VISITA



Comentários

Páginas que receberam mais visitas

BAEPENDI, MINAS GERAIS - A terra de "Nhá Chica". Na natureza preservada no município estão cerca de 40% do parque ecológico do papagaio, é local ideal para fazer trilhas e acampar em paradisíacos lugares. Baependi é uma das poucas cidades que podem ser visitadas durante qualquer época do ano, sem se preocupar com a programação que irá encontrar pois, o verão é bem definido, sendo um convite para se deslumbrar com as mais de cinqüenta cachoeiras que cercam a cidade e o inverno pouco chuvoso propicia inúmeras opções para enfrentar trilhas e acampar em paradisíacos lugares

COLORADO, RIO GRANDE DO SUL - Colorado é uma pequena cidade do Alto Jacuí. Fundada por imigrantes italianos e alemães. O espetáculo, belezas naturais, cores, aromas que seduzem à primeira vista. O município tem como base da economia a produção agrícola. A região possui uma relação muito próxima com as águas e com a geração de energia elétrica, a partir da formação do maior lago artificial do Estado – os Alagados do Passo Real e da Barragem de Ernestina. Bonitas e agradáveis, as cidades proporcionam atrações diversificadas, eventos, muitas festas, gastronomia, artesanato.

REPRESA DE FURNAS, SÃO JOSÉ DA BARRA, MINAS GERAIS - No dia 9 de janeiro de 1963 o túnel que desviou o curso do rio Grande para a construção da Usina de Furnas foi fechado e as águas que formaram um dos maiores reservatórios do mundo, criou praias, formou cânions e cachoeiras, inundou vilarejos e mudou para sempre a história dos 34 municípios que ficam ao longo dos 1.440 km2 de extensão do Lago de Furnas que abrange também parte do Parque Nacional da Serra da Canastra. O Lago de Furnas, também conhecido como "O MAR DE MINAS", é quatro vezes maior que a Baía de Guanabara, no Rio de Janeiro

BRASÍLIA, DF, BRASIL - Brasília é formada por gente de todos os lugares, todas as idades e de muitas gerações. É uma mistura de sotaques do Nordeste, Sudeste, Norte e Sul do país e até de estrangeiros. Por conta de seu rápido crescimento, já é a quarta cidade mais populosa do país. A maioria dos moradores, 52%, é mulher e tem em média 30 anos. Os primeiros habitantes que chegaram a Brasília vieram, principalmente, atraídos pelos empregos na construção civil e ajudaram na construção da capital. Eles eram chamados de candangos e aqui construíram e criaram famílias

TOMBOS, MINAS GERAIS - Na cachoeira três tombos, verdadeira obra da natureza de imensurável beleza que constitui um cartão postal da cidade com 62 metros de altura. A Gruta Pedra Santa localizada no distrito de Catuné, uma obra construída pela própria natureza. Ao longo do tempo a grande pedra foi desintegrando-se e formou-se um grande salão, onde ergueu-se a capela em Honra a Nossa Senhora de Lourdes. Praças diversas, museu municipal que funciona na antiga estação ferroviária, usina hidrelétrica de Tombos e os dois distritos “Catuné” e “Água Santa” valem uma visita à cidade de Tombos

IGATU, ANDARAÍ, BAHIA - Eh uma verdadeira cidade de pedra. "Sagrada" pra quem viveu lá durante o auge do ciclo do diamante. O trajeto até a vila já é uma atração: a estrada de acesso pela BA-142 é cheia de mirantes naturais. Ao chegar, a impressão é de ter voltado no tempo, quando igatu era chamada de Xique Xique e famosa pela extração de diamantes. Hoje não há farmácias, o hospital mais próximo fica em Andaraí, a 12 km. Em outros tempos quem diria? Cabarés, cassinos, lojas, cadeia, cartório, cinema...

SERRA DO NAVIO, AMAPÁ - A História da Serra do Navio remonta aos anos 1950. A região era rica em manganês e outros minérios. Por isso, a brasileira ICOMI, com sede em Belo Horizonte e atuação em Minas Gerais, foi escolhida para explorar o minério e construir a vila operária, que daria origem à cidade de Serra do Navio. Cada vila tinha 330 casas, prédios coletivos (escolas, hospitais, refeitórios), abrigando até 1.500 pessoas, entre trabalhadores e familiares. Tinha ruas largas, postes de concreto para a fiação elétrica e telefônica, calçadas, parques, clubes com piscina, quadras esportivas, restaurante e lanchonete, drenagem de águas das chuvas e tratamento de água e esgoto. Todas as casas tinham mais de 90m² e contavam com saneamento e energia elétrica, proveniente de geradores da ICOMI.

RIO DE JANEIRO, BRASIL - Do primeiro ao último minuto do ano, não falta o que fazer, o que visitar e o que rever no Estado do Rio de Janeiro, que não por acaso ostenta o rótulo de Maravilhoso. Além das praias e de seus outros dois ícones geográficos – o Corcovado e o Pão de Açúcar – o Rio vem ganhando uma série de atrativos culturais e gastronômicos. Quem deixa a capital e percorre o litoral fluminense encontra praias de beleza raríssima. Ao norte, na Região dos Lagos, estão as dunas de Cabo Frio, as águas translúcidas e frias de Arraial do Cabo, boas para mergulho, a badalação de Búzios e as trilhas rurais de Rio das Ostras

GRAMADO, RIO GRANDE DO SUL - Faltava neve à Gramado para que ela assumisse de vez o título de “Suíça brasileira”. Não falta mais: o Snowland, primeiro parque de neve artificial indoor das Américas, trouxe esportes de inverno à cidade, que já era famosa pelas construções enxaimel (aquelas de paredes esquadrinhadas com tirantes de madeira), pelas fondues nos bons restaurantes suíços e pelo climinha gostoso da Serra Gaúcha.

CAMPO BELO, MINAS GERAIS - A primeira cidade do Brasil a ter um time de Rugby (Campo Belo Rugby - CBR) A cidade tem paisagens deslumbrantes com campos a perder de vista. Ideal para a prática de esportes de aventura, ecoturismo, esportes náuticos com várias cachoeiras, praias de água doce além da tradicional e boa comida mineira. Uma cidade tranquila, acolhedora com boas opções para hospedagem