Pular para o conteúdo principal

ARAXÁ, MINAS GERAIS - Araxá é para todos os gostos. Para quem quer cuidar do corpo e da alma, uma visita às famosas termas é fundamental. Já quem curte aventura, pode voar de paraglider ou asa delta. Os amantes do ecoturismo têm opções para pescar, cavalgar, fazer trekking e trail de moto ou jipe, pela região.




CONHEÇA A CIDADE DE "ARAXÁ", MINAS GERAIS, BRASIL - DA JANELA DO TREM
Araxá é para todos os gostos. Para quem quer cuidar do corpo e da alma, uma visita às famosas termas é fundamental. Já quem curte aventura, pode voar de paraglider ou asa delta. Os amantes do ecoturismo têm opções para pescar, cavalgar, fazer trekking e trail de moto ou jipe, pela região.
FONTE DONA BEJA
Nomeada em homenagem à personagem da história mais famosa de Araxá, segundo a lenda, a Fonte Dona Beja fica exatamente no mesmo local em que a mulher banhava-se. Aliás, como contam os moradores, deve-se aos banhos na água mineral radioativa da fonte a beleza e jovialidade da moça.
Deixando a lenda um pouco de lado, a fonte está situada entre rochas vulcânicas em uma gruta estilizada em forma de emanatório, de onde brota a água radioativa e mineral.
De acordo com especialistas, suas propriedades medicinais ativam o metabolismo e estimulam a assimilação diurética, atuando como agente hipotensivo e desintoxicante.
Resumindo, as águas dali atuam no tratamento de doenças respiratórias, além de fazer bem aos cabelos, à pele e ao organismo de forma geral.
Quem visita a fonte depara-se ainda com uma decoração formada de belos azulejos brancos e azuis, pintados à mão, retratando cenas de banho de Dona Beja. A bela paisagem vista através dos mirantes da fonte são outra atração.
Para aqueles que querem provar as qualidades da água mineral radioativa, há um conjunto de 12 duchas em cascata, em frente à Fonte Dona Beja, que proporcionam aos visitantes uma massagem saudável, para repor as energias
MUSEU DONA BEJA
Outro local que leva o nome da personalidade feminina da cidade é o Museu Histórico de Araxá Dona Beja, localizado em um antigo casarão, na parte antiga da cidade. Tombado como patrimônio histórico de Araxá, dizem que Anna Jacintha de São José, a Dona Beja, teria morado ali.
Sua edificação é do começo do século 19, com características da arquitetura do período colonial mineiro; em sua fachada há seus portas, oito sacadas com vista para a rua e grandes janelas.
Até ser adquirido por Assis Chateaubriand, o Chatô, o local serviu como residência e comércio. Após a venda, em 1965, ano de centenário da cidade, a construção passou a sediar o Museu Histórico de Araxá.
Em seu acervo atual há diversos objetos e móveis que contam a história da cidade, como peças indígenas, oratórios, louças, documentos históricos, liteira, móveis do período imperial e obras contemporâneas. A ilustre Dona Beja tem destaque: no segundo piso fica o “Quarto de Beja”, com grande parte do mobiliário formado por peças do século 19.
MATRIZ DE SÃO SEBASTIÃO
A Igreja Matriz de São Sebastião é uma das maiores riquezas do patrimônio histórico de Araxá. Construída nas primeiras décadas do século 19, possui um estilo simples, típico da região, com influência jesuíta e linhas arquitetônicas despojadas.
Sua simplicidade pode ser vista no acabamento rústico, no teto com telhas à mostra e colunas de sustentação feitas com sólidos troncos de madeira.
Desde sua inauguração em 1804, a igreja passou por diversas mudanças, como em 1842, quando o confronto político armado da Revolução de 42 pôs abaixo uma de suas torres. Em 1978 a construção foi totalmente descaracterizada, com as paredes externas revestidas de pedras e as telhas escondidas por forro.
Quem procura uma boa mesa não se decepciona e pode se deliciar com os doces, queijos e compotas. Algumas fazendas são abertas à visitação pública e a cidade, ainda, possui locais para pesca, como os famosos pesque-pague.
Dicas de Viagem
O passeio pode começar com o Museu de Dona Beja, mulher de beleza singular que causou frisson por onde passou. Em seguida, vá para a Estância Hidromineral do Barreiro, onde estão as famosas Termas de Araxá. Os banhos de lama, pérola e as massagens são imperdíveis para quem procura bem-estar e relaxamento. À tardinha, tire um tempo para um lanche típico com quitandas mineiras e o tradicional pão de queijo, encerrando claro, com os doces de Araxá.

BEM VINDO A ARAXÁ / TERRA DE DONA BEJA




ESTA É A FAMOSA EMPRESA DE ARAXÁ. A "CBMM"
Araxá tem um dos mais bonitos e confortáveis hotéis do interior. O grande hotel de Araxá eh o principal deles. Vale a pena você vir passar suas férias aqui.

Principal ponto turístico da cidade, o Complexo do Barreiro atrai milhares de visitantes por sua magnitude, riquezas minerais, suas águas radioativas e sulfurosas e sua natureza em abundância.
São 450 mil metros quadrados que oferecem atrações para todos os gostos e idades. Fazem parte do Complexo o imponente Grande Hotel Ouro Minas, as relaxantes Termas, equipamentos esportivos, Fonte Andrade Júnior (água sulfurosa), Fonte Dona Beja (água radioativa), bosques, lagos e um lindo jardim projetado por Burle Marx. A preservação deste patrimônio é garantida pelo tombamento feito pelo governo do Estado de Minas Gerais.



HOTEL OURO MINAS
CORREDOR DO HOTEL DE ARAXÁ
TAUÁ GRANDE HOTEL TERMAS & CONVENTION ARAXÁ
O prédio neoclássico - inaugurado por Getúlio Vargas em 1944 - conserva decoração da época. Em 2013, os quartos receberam TV de LCD e cama box, exceto os do segundo andar. Além das piscinas, as águas terapêuticas das termas (abertas ao público) são bastante atrativas aos hóspedes.

O Tauá Grande Hotel foi inaugurado por Getúlio Vargas em 1944, em Araxá (MG)

O prédio do hotel tem arquitetura neoclássica e conserva a decoração da época da inauguração, em 1944
Os jardins do Tauá Grande Hotel & Termas de Araxá foram criados pelo paisagista Roberto Burle Marx
ENDEREÇO
R. Águas do Araxá, s/n, 7 km 
Estância do Barreiro 
(34) 3669-7000 (Fone) 
taua.com.br
A decoração neoclássica do hotel contrasta com o revestimento rústico de barro avermelhado das paredes
O Tauá Grande Hotel Termas & Convention Araxá tem áreas amplas para convenções e eventos de negócios
Além das piscinas, as águas terapêuticas das termas (abertas ao público) são bastante atrativas aos hóspedes
SERVIÇOS DISPONÍVEIS 
Estacionamento 
Ar-condicionado 
Calefação 
Televisão por assinatura (mínimo de 5 canais fechados) 
Quartos com facilidades para deficiente físico * 
Internet wi‐fi paga 
Ginástica 
Cavalos 
Playground 
Piscina 
Piscina Térmica (coberta ou aquecida) ou termal 
Restaurante no hotel 
Tênis 
Sala de convenção (860 lugares)
Além das piscinas e das termas, o hotel oferece uma vasta cartilha de atividades, como stand up paddle, caiaque, arco e flecha, tênis, passeios de bicicleta, shows na beira do lago e caminhadas
Exposições, feiras, encontros, lançamento de livros, eventos de cunho sustentáveis e gravações de filmes já foram realizados nas dependências do hotel em Araxá (MG)
POUSADA DONA BEJA
Avenida Mininistro Olavo Drummond, 45, saída para Uberaba, 2,5 km 
São Geraldo 
(34) 3201-3000 (Fone/fax)
Nossos apartamentos são configurados em apartamentos standard, luxo, superluxo e chalés, cada um possuinfo: ar condicionado, telefone, confre individual, canais a cabo e minibar.

AQUI, A PRAÇA BENEDITO VALADARES

ÁRVORE DOS ENFORCADOS
ARAXÁ JÁ FOI PALCO DE EXPOSIÇÕES DE CARROS ANTIGOS

ARAXÁ TEM MUITOS PONTOS TURÍSTICOS, COMO ESTAS CACHOEIRAS POR EXEMPLO.

PARQUE DO CRISTO

COLÉGIO MUNICIPAL
MATRIZ DE SÃO GERALDO
IGREJA NOSSA SENHORA DE FÁTIMA
AQUI, A MATRIZ DE SÃO DOMINGOS

PRIMEIRA IGREJA MATRIZ DE ARAXÁ
AQUI, O MUSEU "DONA BEJA"
ESTE EH O PAINEL "DONA BEJA" LENDÁRIA MORADORA DO MUNICÍPIO
AQUI, A FUNDAÇÃO CULTURAL "CALMON BARRETO" ANTIGA ESTAÇÃO FERROVIÁRIA
AQUI, O AEROPORTO DE ARAXÁ

AQUI, O TERMINAL RODOVIÁRIO
ESTA EH A REPRESA DE ARAXÁ
ESTA EH A MINA DE NÓBIO. ARAXÁ É UM DOS MAIORES PRODUTORES DESTE MINERAL

População estimada 2016 (1) - 103.287
Área da unidade territorial 2015 (km²) - 1.164,062
Densidade demográfica 2010 (hab/km²) - 80,45
Código do Município 3104007
Gentílico - araxaense
ORIGEM DO NOME
O NOME "ARAXÁ", VEM DO ÍNDIOS "ARAXÁS" QUE VIVIAM NA REGIÃO E SIGNIFICA: PLANO, PLANALTO OU CHAPADÃO
foto - Google
Gentílico: araxaense 
Histórico 
As terras férteis, cobertas de florestas, onde habitavam os índios de Araxás, e as águas minerais nelas existentes, constituíram uma poderosa atração para o desbravador branco. Para que este obtivesse o controle daquele território muitas tentativas de ocupação foram feitas na primeira metade do século XVII. Em 1766, com o sucesso da expedição comandada pelo mestre de Campo Inácio Correia de Pamplona, foi vencida a resistência que o índio opunha ao invasor. Conseguiu assim o Governo de Minas Gerais o controle efetivo da região. 
Desbaratados os índios, começou a colonização, por elementos de São João Del Rei, São Bento do Tamanduá (atual Itapecerica), Pitangui, etc. Dedicaram-se ao pastoreio ou fixaram-se em atividades agrícolas nas vertentes próximas às águas minerais. 
A fundação da cidade de Araxá teve início em 1788, data em que foi celebrada a primeira missa do território. 
Durante muito tempo, Araxá ficou subordinada ao controle potítico-administrativo de Goiás. Sua integração em Minas Gerais vai se revestir de aspectos interessantíssimos, envolvendo de forma decisiva a figura de D. Beija, personagem importante da história e, hoje, da lenda do município. 
Conforme a informação de Eduardo Frieiro, citado no livro de Leopoldo Correia “Achegas à História do Oeste de Minas”, em 1815, estando em Araxá o Ouvidor-Geral da Comarca, Joaquim Inácio Silveira da Mota, viu ele, certa tarde, passar a jovem Ana Jacinta de São José também conhecida como D. Beija. Tomado de grande paixão pela moça, fê-la raptar, pelos seus lacaios, aquela mesma noite. 
A família da Beija “gente pobre” queixou-se ao governador de Goiás, inimigo que era do Ouvidor-Geral. Este último, para livrar-se da situação, intercedeu junto a D. João VI, conseguindo que os julgados de Araxá e Desemboque passassem para Minas, onde seu julgamento não teria maior importância. O rapto de D. Beija deslocou, desta forma, para Minas Gerais a extensa área do Triângulo Mineiro.
ESTE EH O BRASÃO DA CIDADE DE ARAXÁ, MINAS GERAIS
OBRIGADO PELA VISITA, SEMPRE VOLTE


fonte dos textos e fotos: IBGE / Thymonthy Becker / Divulgação / Wikipédia / falaturista.com.br / viajeaqui.abril.com.br / Governo de Araxá, MG / 


Comentários

Páginas que receberam mais visitas

BAEPENDI, MINAS GERAIS - A terra de "Nhá Chica". Baependi é um convite para se deslumbrar com as mais de cinqüenta cachoeiras que cercam a cidade. Na natureza preservada no município estão cerca de 40% do parque ecológico do papagaio, é local ideal para fazer trilhas e acampar em paradisíacos lugares. Baependi é uma das poucas cidades que podem ser visitadas durante qualquer época do ano, sem se preocupar com a programação que irá encontrar pois, o verão é bem definido, sendo um convite para se deslumbrar com as mais de cinqüenta cachoeiras que cercam a cidade e o inverno pouco chuvoso propicia inúmeras opções para enfrentar trilhas e acampar em paradisíacos lugares. A religiosidade ocupa lugar de destaque como um dos fatores que mais atraem os visitantes, uma vez que Baependi foi o lugar onde a serva de Deus, Nhá Chica, concedeu suas graças, hoje em dia inúmeras romarias de diversas partes do país têm como destino o Santuário de Nhá Chica, onde também se encontram seus restos mortais.

COLORADO, RIO GRANDE DO SUL - Será que tem gremista em Colorado? Claro que tem. Colorado é uma pequena cidade do Alto Jacuí. Fundada por imigrantes italianos e alemães. O município tem como base da economia a produção agrícola. Cenários de belezas, cores e aromas que seduzem os turistas. Cenários de belezas, cores e aromas que seduzem os turistas

REPRESA DE FURNAS, SÃO JOSÉ DA BARRA, MINAS GERAIS - No dia 9 de janeiro de 1963 o túnel que desviou o curso do rio Grande para a construção da Usina de Furnas foi fechado e as águas que formaram um dos maiores reservatórios do mundo, criou praias, formou cânions e cachoeiras, inundou vilarejos e mudou para sempre a história dos 34 municípios que ficam ao longo dos 1.440 km2 de extensão do Lago de Furnas. Destes, Capitólio se destaca por oferecer as melhores opções de serviços e infraestrutura turística. Os passeios náuticos, os esportes aquáticos, a pesca esportiva e a exuberância natural são pontos fortes da região, que abrange também parte do Parque Nacional da Serra da Canastra, onde nasce o Rio São Francisco, o "Velho Chico". O Lago de Furnas, também conhecido como "O MAR DE MINAS", é quatro vezes maior que a Baía de Guanabara, no Rio de Janeiro.

BRASÍLIA, DF, BRASIL - Brasília é formada por gente de todos os lugares, todas as idades e de muitas gerações. É uma mistura de sotaques do Nordeste, Sudeste, Norte e Sul do país e até de estrangeiros. Por conta de seu rápido crescimento, já é a quarta cidade mais populosa do país. A maioria dos moradores, 52%, é mulher e tem em média 30 anos. Os primeiros habitantes que chegaram a Brasília vieram, principalmente, atraídos pelos empregos na construção civil e ajudaram na construção da capital. Eles eram chamados de candangos e aqui construíram e criaram famílias. Desses, surgiram os “brasilienses”, o gentílico usado para quem nasceu aqui e adotado por quem veio de fora e assumiu a cidade como sua.

TOMBOS, MINAS GERAIS - Na cachoeira três tombos, verdadeira obra da natureza de imensurável beleza que constitui um cartão postal da cidade com 62 metros de altura. A Gruta Pedra Santa localizada no distrito de Catuné, uma obra construída pela própria natureza. Ao longo do tempo a grande pedra foi desintegrando-se e formou-se um grande salão, onde ergueu-se a capela em Honra a Nossa Senhora de Lourdes. Praças diversas, museu municipal que funciona na antiga estação ferroviária, usina hidrelétrica de Tombos e os dois distritos “Catuné” e “Água Santa” valem uma visita à cidade de Tombos

IGATU, ANDARAÍ, BAHIA - Eh uma verdadeira cidade de pedra. "Sagrada" pra quem viveu lá durante o auge do ciclo do diamante. O trajeto até a vila já é uma atração: a estrada de acesso pela BA-142 é cheia de mirantes naturais. Ao chegar, a impressão é de ter voltado no tempo, quando igatu era chamada de Xique Xique e famosa pela extração de diamantes. Hoje não há farmácias, o hospital mais próximo fica em Andaraí, a 12 km. Em outros tempos quem diria? Cabarés, cassinos, lojas, cadeia, cartório, cinema...

RIO DE JANEIRO, BRASIL - Do primeiro ao último minuto do ano, não falta o que fazer, o que visitar e o que rever no Estado do Rio de Janeiro, que não por acaso ostenta o rótulo de Maravilhoso. Além das praias e de seus outros dois ícones geográficos – o Corcovado e o Pão de Açúcar – o Rio vem ganhando uma série de atrativos culturais e gastronômicos. Quem deixa a capital e percorre o litoral fluminense encontra praias de beleza raríssima. Ao norte, na Região dos Lagos, estão as dunas de Cabo Frio, as águas translúcidas e frias de Arraial do Cabo, boas para mergulho, a badalação de Búzios e as trilhas rurais de Rio das Ostras. De frente para a Baía da Guanabara, Niterói mostra que a vista para a cidade do Rio não é o único atrativo. Além de oferecer, na sua face voltada para o alto mar, trechos de areia ideais para quem quiser fugir do agito de Ipanema e Copacabana, o município começa a explorar o legado das construções assinadas por Oscar Niemeyer, entre elas o famoso Museu de Arte Contemporânea.

GRAMADO, RIO GRANDE DO SUL - Faltava neve à Gramado para que ela assumisse de vez o título de “Suíça brasileira”. Não falta mais: o Snowland, primeiro parque de neve artificial indoor das Américas, trouxe esportes de inverno à cidade, que já era famosa pelas construções enxaimel (aquelas de paredes esquadrinhadas com tirantes de madeira), pelas fondues nos bons restaurantes suíços e pelo climinha gostoso da Serra Gaúcha.

CAMPO BELO, MINAS GERAIS - A primeira cidade do Brasil a ter um time de Rugby (Campo Belo Rugby - CBR) A cidade tem paisagens deslumbrantes com campos a perder de vista. Ideal para a prática de esportes de aventura, ecoturismo, esportes náuticos com várias cachoeiras, praias de água doce além da tradicional e boa comida mineira. Uma cidade tranquila, acolhedora com boas opções para hospedagem

SERRA DO NAVIO, AMAPÁ - A História da Serra do Navio remonta aos anos 1950. A região era rica em manganês e outros minérios. Por isso, a brasileira ICOMI, com sede em Belo Horizonte e atuação em Minas Gerais, foi escolhida para explorar o minério e construir a vila operária, que daria origem à cidade de Serra do Navio. Cada vila tinha 330 casas, prédios coletivos (escolas, hospitais, refeitórios), abrigando até 1.500 pessoas, entre trabalhadores e familiares. Tinha ruas largas, postes de concreto para a fiação elétrica e telefônica, calçadas, parques, clubes com piscina, quadras esportivas, restaurante e lanchonete, drenagem de águas das chuvas e tratamento de água e esgoto. Todas as casas tinham mais de 90m² e contavam com saneamento e energia elétrica, proveniente de geradores da ICOMI.