Pular para o conteúdo principal

UBÁ, MINAS GERAIS - A cidade Carinho eh um dos maiores polos moveleiros do Brasil e a cidade que mais se desenvolve no interior das Minas Gerais




CONHEÇA A CIDADE DE "UBÁ", MINAS GERAIS, BRASIL
Foto - ?
BEM VINDO A CIDADE DE UBÁ. A CIDADE CARINHO. MAIOR POLO MOVELEIRO DAS MINAS GERAIS
imagem - Rede Integração (Globo)
População estimada 2016 (1) - 112.186
Área da unidade territorial 2015 (km²) - 407,452
Densidade demográfica 2010 (hab/km²) - 249,16
Código do Município 3169901
Gentílico - ubaense
Prefeito 2017 / EDSON TEIXEIRA FILHO
ORIGEM DO NOME DA CIDADE DE UBÁ, MG
A palavra Ubá, em tupi-guarani, significa canoa de uma só peça escavada em tronco de árvore. É também o nome popular da gramínea "Gynerun Sagittatum", de folha estreita, longilínea e flexível, em forma de cano, utilizada pelos índios na confecção de flechas de caça e combate, e encontradas em toda a extensão das margens do ribeirão que corta a cidade. O nome do Rio Ubá se deu justamente pela existência dessas gramíneas.

Gentílico: ubaense
HISTÓRICO DA CIDADE DE UBÁ, MG
A colonização da bacia do Rio Pomba deu-se, inicialmente, a partir da decadência das atividades de mineração. Em fins do século XVIII e início do século XIX, várias famílias deixaram Mariana, Ouro Preto, Guarapiranga e outros centros de extração à procura de terras férteis e propícias à agricultura, onde pudessem desenvolver atividades de renda mais estável e segura.
As regiões banhadas pelo Rio Turvo, Chopotó, Pomba e outros, eram assediadas devido à ocorrência de florestas que prestaram à extração de madeira e que, até então, eram habitadas por índios (chopós, croatos e puris) e por aventureiros. Esses fundaram fazendas que prosperaram e deram início à formação de núcleos de população, que hoje são cidades florescentes, entre as quais, a cidade de Ubá. 
Em novembro de 1767, o Padre Manoel de Jesus Maria foi encarregado de catequizar os índios, preparando as bases para a entrada dos donos de sesmarias, iniciando, assim, a organização de um grande aldeamento central.
No período de 1797 a 1798 foram doadas as primeiras sesmarias localizadas em terras desocupadas e nas cabeceiras, encostas e margens do Rio Ubá. Nesta época, Bernardo Antônio de Lorena, do conselho do rei D. João VI, era governador da capitania de Minas Gerais. 
Em 1805, o capitão Mor Antônio Januário Carneiro, natural de Calambau e o seu cunhado, comendador José Cesário de Faria Alvim, adquiriram várias sesmarias até então pertencentes ao município de São João Batista do Presídio, hoje Visconde do Rio Branco, trazendo suas famílias, escravos e rebanhos. Fundaram, assim, a atual cidade de Ubá. 
Neste período, segundo acordo firmado entre o Vaticano e os reis católicos, quando fosse fundada uma povoação nos países colonizados, em primeiro lugar deveria ser construída uma igreja como marco inicial. 
Enquanto os primeiros donos das terras situadas às margens do Rio Ubá se preocupavam com suas fazendas, Antônio Januário Carneiro idealizou fundar uma povoação. Seu primeiro passo foi liderar um movimento para assinar a petição requerendo o alvará para a construção da igreja, a qual deveria ser provida de parâmetros para que pudesse ser consagrada ao seu orago (santo de invocação que dá nome à capela). 
Para promover esta povoação, o capitão Mor trouxe todos os operários necessários para a construção da igreja, dando-lhes pequenas glendas de terras, moradia e alimentos, enquanto não pudesse ter abastecimento próprio pelo cultivo da terra. Foi também por seu intermédio que dezenas de famílias vieram em princípio do século XIX, para o povoado que estava se formando, como os Vieira de Andrade, Faria Alvim, Ferreira Valente, Martins Pacheco e outros mais. 
A capela foi construída sob a devoção de São Januário. Com seu crescimento, o arraial foi elevado à paróquia de São Januário de Ubá, em 1841. O desenvolvimento do povoado se deu gradativamente ao redor da paróquia e em direção à estrada que levaria à Guarapiranga, onde foram edificadas as primeiras residências em sapé. Esse povoado recebeu o nome de São Januário de Ubá. Devido ao desenvolvimento da paróquia e das atividades dos habitantes, principalmente a cultura do café, em 1854 o povoado recebeu o foro de vila e, em 1857, foi elevada à categoria de cidade com o nome de Ubá. 
Nesse período colonial, a terra tinha pouco valor, pois tudo estava por fazer e o produto primário era o grande objetivo da transformação, tornando a mão-de-obra do campo a principal fonte de renda. O escravo tornou-se peça fundamental para o desenvolvimento agrícola da região, chegando a valer, nessa época, mais do que 30 alqueires de terra. 
Somente após 1810 houve incentivo ao tráfico de escravos que, com sua capacidade de cultura à terra e seu adestramento nos trabalhos da Casa Grande, contribuíram bastante para a economia cafeeira de Ubá. 
A chegada dos imigrantes italianos proporcionou um aumento nas diversas culturas, principalmente na fumageira. A imigração ocorreu em duas épocas distintas e procedências diferentes. A primeira fase correspondeu ao ingresso de imigrantes provenientes do sul da Itália que traziam como vantagem sua variadas profissões: artesãos, alfaiates, comerciantes, operários, ferreiros, caldeireiros e marceneiros. Contudo, não eram agricultores, mas colaboravam, para a melhoria da cidade de Ubá, que na época não contava com luz, calçamento, saneamento básico, como todas as demais cidades da Zona da Mata. A segunda fase correspondeu à chegada de imigrantes provenientes do norte da Itália, que chegaram aqui somente após a abolição da escravatura, em 1888. Ao contrário dos primeiros, esses eram camponeses organizados e disciplinados que vieram substituir o trabalho escravo, dando a Ubá um novo impulso econômico.
Os imigrantes tiveram importante participação na evolução do município sob aspectos políticos, econômicos e sociais, tendo sido um dos poucos municípios do estado onde os italianos permaneceram após a crise agrícola no país, com a queda do preço do café. Nesta época houve grande fuga dos colonos, principalmente italianos, que saíam do estado de Minas Gerais em direção ao estado de São Paulo. Aproveitando a baixa geral dos imóveis, adquiriram grandes extensões de terra. Compravam fazendas e subdividiam-nas em várias propriedades, fato que gerou grande atração aos colonos vindos de outras regiões. 
COLÉGIO NA CIDADE DE UBÁ, MG
imagem -  Mr. Pedroso
ESCOLA ESTADUAL NA CIDADE DE UBÁ, MG
imagem -  Mr. Pedroso
Foto - ?
GINÁSIO SÃO JOSÉ EM UBÁ, MG
imagem - Raymundo P. Netto
imagem - Raymundo P. Netto
CASARÃO NA CIDADE DE UBÁ, MG
imagem - Raymundo P. Netto
ESTAÇÃO FERROVIÁRIA DA CIDADE DE UBÁ, MG
imagem - Jorge A. Ferreira JR
imagem - Mr. Pedroso
IGREJA DE SÃO JANUÁRIO NA CIDADE DE UBÁ, MG
imagem - Raymundo P. Netto
imagem -  Mr. Pedroso
INTERIOR DA IGREJA DE SÃO JANUÁRIO EM UBÁ, MG
imagem - Raymundo P. Netto
MATRIZ DE NOSSA SENHORA DO ROSÁRIO NA CIDADE DE UBÁ, MG
imagem - Raymundo P. Netto
INTERIOR DA MATRIZ DO ROSÁRIO
imagem - Raymundo P. Netto
IGREJA DE SÃO JOSÉ DA CIDADE DE UBÁ, MG
imagem - Raymundo P. Netto
INTERIOR DA IGREJA DE SÃO JOSÉ
imagem - Raymundo P. Netto
CONHEÇA UM POUCO MAIS DA CIDADE DE UBÁ, MG
imagem - Raymundo P. Netto
SEDE DO PODER EXECUTIVO - PREFEITURA MUNICIPAL DA CIDADE DE UBÁ, MG
imagem - Raymundo P. Netto
imagem - Raymundo P. Netto
imagem - Raymundo P. Netto
HOTEL NA CIDADE DE UBÁ, MG
imagem - Raymundo P. Netto
MONUMENTOS NA CIDADE DE UBÁ, MG
imagem - Raymundo P. Netto
imagem - Raymundo P. Netto
imagem - Montanha
imagem - Raymundo P. Netto
imagem - Raphael Alves Soares
imagem - Raphael Alves Soares
imagem - Raphael Alves Soares
imagem - Raymundo P. Netto
imagem - Raymundo P. Netto
imagem - Raymundo P. Netto
imagem - Raymundo P. Netto
imagem - Raphael Alves Soares
imagem - Raymundo P. Netto
imagem - Raphael Alves Soares
ESTA EH A BANDEIRA DA CIDADE DE UBÁ, MINAS GERAIS
ESTE EH O BRASÃO DO MUNICÍPIO DE UBÁ, MINAS GERAIS

VALEU PELA VISITA


Fonte / Fotos = IBGE / Thymonthy Becker / Governo de Ubá / Wikipédia / 

Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

5 ESTRADAS BRASILEIRAS QUE VALE A PENA DIRIGIR POR ELAS - Viajar de carro pode ser muito bom, se for por uma dessas estradas. Confira cinco trechos que agradam tanto quanto o destino final de suas férias

CONHEÇA 05 ESTRADAS QUE VALE A PENA VOCÊ VIAJAR DE CARRO POR ELAS. Há quem diga que o importante não é o destino final, e sim o caminho até lá. Em uma viagem de carro, não costuma ser bem assim, considerando o péssimo estado do asfalto de nossas estradas, além do custos do pedágio, motoristas ruins e a falta de uma boa paisagem. Mesmo com todos esses problemas, é possível aproveitar um passeio automotivo pelo Brasil em uma das cinco estradas escolhidas pela Hertz, empresa especializada em aluguel de veículos: Confira ESTRADA REAL / MINAS GERAIS / RIO DE JANEIRO / SÃO PAULO  Também conhecida como Caminho Real, é uma das estradas mais famosas do Brasil, por ser um dos principais pontos turísticos do País. Tem 1.630 quilômetros de extensão, passando por Minas Gerais, Rio de Janeiro e São Paulo. Motivos não faltam para visita-la, com um circuito de 179 cidades históricas, passando por belas paisagens formadas pelos trechos de mata atlântica. Tem até atividades fora do carro, como caminhada…

VIRGINÓPOLIS, MINAS GERAIS - Alem da festa da Jabuticaba que acontece anualmente, a cidade possui uma das maiores escadarias de igreja do mundo, com mais de 500 degraus

CONHEÇA A CIDADE DE "VIRGINÓPOLIS", MINAS GERAIS, BRASIL A cidade é regionalmente conhecida pela tradicional Festa da Jabuticaba, que ocorre anualmente em setembro. Um aspecto interessante é que, apesar da festa, a cidade não se configura como grande produtor da fruta.  Outro aspecto cultural interessante é a presença da Capela de Nossa Senhora do Patrocínio, que possui uma das maiores escadarias de igreja do mundo, com mais de 500 degraus, construídos pelos próprios moradores da cidade em mutirões realizados no fim da década de 1980.  CASARÃO NA CIDADE DE VIRGINÓPOLIS, MG(asminasgerais.com.br) CASARÃO EM VIRGINÓPOLIS, MG (asminasgerais.com.br) CENTRO DA CIDADE DE VIRGINÓPOLIS, MG (asminasgerais.com.br) PRAÇA EM VIRGINÓPOLIS, MG (asminasgerais.com.br) VIRGINÓPOLIS, MG(asminasgerais.com.br)
CASARÃO EM VIRGINÓPOLIS, MG(asminasgerais.com.br)
PRAÇA EM VIRGINÓPOLIS, MG(asminasgerais.com.br)
RUA CENTRAL DA CIDADE DE VIRGINÓPOLIS, MG(asminasgerais.com.br)
UMA DAS MAIORES ESCADARIAS …

ITUIUTABA, MINAS GERAIS - Com vários atrativos turísticos como cachoeiras, trilhas, museu, parques. artesanato regional e a famosa cachaça artesanal

CONHEÇA A CIDADE DE "ITUIUTABA", MINAS GERAIS, BRASIL BEM VINDO A CIDADE DE ITUIUTABA, MG. PORTAL DO TRIÂNGULO MINEIRO foto - ? População estimada 2016 (1) - 103.945 Área da unidade territorial 2015 (km²) - 2.598,046 Densidade demográfica 2010 (hab/km²) - 37,40 Código do Município 3134202 Gentílico - ituiutabano Prefeito 2017 / FUED JOSE DIB ORIGEM DO NOME O nome da cidade eh de origem indígena: I - rio, TUIU ­barrento; TABA - povoação, cidade. “Cidade do rio barrento”
Gentílico: ituiutabano HISTÓRICO Ituiutaba é uma fusão de vocábulos tupis que significa "povoação do rio Tijuco". Os primitivos habitantes do município eram ameríndios, pertencentes ao grupo Gê, também chamados caiapós. Uma das tribos que deixaram fama na região foi a dos panariás, muito bem estudada por Alexandre Barbosa, de Uberaba. Por fim ela foi aldeada na atual povoação de São Francisco de Sales, às margens do Rio Grande, no vizinho município de Campina Verde. Os panariás - assinala o his…

MONUMENTO HOLGER DANSKE, DINAMARCA - A tradição diz que a estátua ganhará vida quando a Dinamarca se encontrar em grande perigo e salvará a nação

CONHEÇA O "HERÓI LENDÁRIO DA DINAMARCA - HOLGER DANSKE ", DINAMARCA 
Explorar as criptas e catacumbas do Castelo de Kronborg é uma grande experiência. Escondido no porão do castelo, você vai conhecer o dinamarquês Holger (Holger Dansk), uma imponente estátua de pedra. Holger o dinamarquês, é uma figura lendária na cultura dinamarquesa. Se a Dinamarca se encontrar em apuros, ele vai acordar e defendê-la! HOLGER DANSKE, OU HOLGER, O DINAMARQUÊS, É UM HERÓI LENDÁRIO DA DINAMARCA. A PRIMEIRA REFERÊNCIA QUE TEMOS SOBRE A SUA EXISTÊNCIA APARECE EM ANTIGOS POEMAS FRANCESES, DE MEADOS DO SÉCULO XI. DE ACORDO COM A LENDA, ERA FILHO DE GODOFREDO, REI DA DINAMARCA. O SEU FILHO FOI MORTO POR CARLOS, O JOVEM, FILHO DE CARLOS MAGNO; EM BUSCA DE VINGANÇA, PROCUROU-O E MATOU-O. SÓ POR POUCO O IMPEDIRAM DE MATAR O PRÓPRIO CARLOS MAGNO. RESISTIU A CARLOS MAGNO DURANTE SETE ANOS, MAS FEZ A PAZ PARA LUTAR AO LADO DELE CONTRA OS SARRACENOS. DURANTE ESSA BATALHA MATOU O GIGANTE BREHUS. OS BARALHOS …

SERRA DO NAVIO, AMAPÁ - A História da Serra do Navio remonta aos anos 1950. A região era rica em manganês e outros minérios. Por isso, a brasileira ICOMI, com sede em Belo Horizonte e atuação em Minas Gerais, foi escolhida para explorar o minério e construir a vila operária, que daria origem à cidade de Serra do Navio. Cada vila tinha 330 casas, prédios coletivos (escolas, hospitais, refeitórios), abrigando até 1.500 pessoas, entre trabalhadores e familiares. Tinha ruas largas, postes de concreto para a fiação elétrica e telefônica, calçadas, parques, clubes com piscina, quadras esportivas, restaurante e lanchonete, drenagem de águas das chuvas e tratamento de água e esgoto. Todas as casas tinham mais de 90m² e contavam com saneamento e energia elétrica, proveniente de geradores da ICOMI.

CONHEÇA A CIDADE DE "SERRA DO NAVIO", AMAPÁ, BRASIL CONHEÇA A FAMOSA "LAGOA AZUL" DE SERRA DO NAVIO, AP A história da Lagoa Azul se mistura à criação da Serra do Navio e à atividade de exploração na década de 1950 A Amazônia é conhecida pelos rios, igarapés e cachoeiras. Mas, a maioria das pessoas nem imaginam que aqui existam lagoas de águas azul turquesa. A 208 quilômetros de Macapá, capital do Amapá, fica a Lagoa Azul, um paraíso que nasceu de uma mina abandonada. O lugar fica próximo à Vila Serra do Navio, cidade criada na década de 1950 para abrigar os trabalhadores de uma empresa de mineração. A lagoa azul e o passado da história da Serra do Navio estão entrelaçados. De acordo com a prefeitura da cidade, a cor marcante da lagoa, em tom azul anil, acontece por conta dos minérios da região especialmente o carbonato de manganês. O lugar era uma mineração. Hoje é possível chegar até lá através de trilhas ou de carro. A região é cercada por uma floresta tropical. O…

IGUATAMA, MINAS GERAIS - Belo, pacato, acolhedor e cheio de histórias este Porto Real

CONHEÇA A CIDADE DE "IGUATAMA", MINAS GERAIS, BRASIL
Foto - Thymonthy Becker SEJA VOCÊ BEM VINDO A CIDADE DO PORTO REAL. SEJA BEM VINDO A TRANQUILA IGUATAMA. foto - Thymonthy Becker População estimada 2016 (1) - 8.182 Área da unidade territorial 2015 (km²) - 628,200
Densidade demográfica 2010 (hab/km²) - 12,78
Código do Município 3130309
Gentílico - iguatamense
Prefeito 2017 / IVONE RODRIGUES LEITE
ORIGEM DO NOME
IGUATAMA É UM NOME DE ORIGEM INDÍGENA "IGUATERAMA" - E SIGNIFICA "ENSEADA DA MINHA TERRA", NUMA CLARA ALUSÃO À CURVA DO RIO SÃO FRANCISCO QUE FICA EM FRENTE À CIDADE.
HISTÓRICO NO INICIO DO SÉCULO PASSADO, O GOVERNO IMPERIAL DETERMINOU A ABERTURA DE UMA ESTRADA QUE LIGASSE OS SERTÕES DE GOIÁS, TRIÂNGULO E OESTE DE MINAS ÀS CAPITAIS DA PROVÍNCIA E DO IMPÉRIO. NO LOCAL ONDE A MESMA CRUZOU O SÃO FRANCISCO, MANDOU INSTALAR UMA BALSA E JÁ EM 1830, HAVIA ALI TAMBÉM UM POSTO FISCAL. OS VIAJANTES PERNOITARAM AS MARGENS DO SÃO FRANCISCO, ONDE MUITOS …

REPRESA DE FURNAS, SÃO JOSÉ DA BARRA, MINAS GERAIS - Em 1963 fecharam o túnel que criou praias, formou cânions, inundou vilarejos mudando para sempre a história de 34 cidades mineira e formando o espetacular “Mar de Minas”

CONHEÇA A "REPRESA DE FURNAS", SÃO JOSÉ DA BARRA, MINAS GERAIS, BRASIL foto - Thymonthy Becker No dia 9 de janeiro de 1963 o túnel que desviou o curso do rio Grande para a construção da Usina de Furnas foi fechado e as águas que formaram um dos maiores reservatórios do mundo, criou praias, formou cânions e cachoeiras inundou vilarejos e mudou para sempre a história dos 34 municípios que ficam ao longo dos 1.440 km2 de extensão do Lago de Furnas. (Thymonthy Becker) A sede do município de Guapé ficou praticamente submersa, o que levou à construção de uma nova sede em local definido pela população. O distrito de São José da Barra, então pertencente a Alpinópolis e emancipado em 1994, ficou integralmente debaixo das águas e deu lugar à "Nova Barra", que a pedido do padre Ubirajara Cabral, pároco local, foi construída pela Central Elétrica de Furnas na forma de um banjo. (Thymonthy Becker) A maioria dos municípios possuía vocação agropecuária, mas com o alagamento das ár…

CARRANCAS, MINAS GERAIS - Um pequeno paraíso conhecido como Terra das Cachoeiras pois possui mais de 120 quedas d'água na Estrada Real. Considerada um dos novos pólos de Ecoturismo, é um lugar ideal para a prática de Montain Bike, Trekking e outros esportes que lhe propiciam o contato com a natureza. Tem o grande poço da esmeralda, além das grutas da toca e da cortina, ainda pode-se observar pinturas rupestres e um escorregador com cerca de dez metros que termina com um divertido mergulho.

CONHEÇA A CIDADE DE "CARRANCAS", MINAS GERAIS, BRASIL

MUITO BEM VINDO AO PARAÍSO. BEM VINDO A CARRANCAS. MINAS EH ISTO E MUITO MAIS. imagem "?" Com mais de 50 cachoeiras, a cidade está voltada para o ecoturismo – suas belas paisagens frequentemente servem de cenário para novelas. Há quedas d’água de fácil acesso, mas as mais bonitas ficam escondidas na mata fechada, aonde só se chega por trilhas (que devem ser percorridas com a ajuda de guia). Entre novembro e março, a chuva torna as cachoeiras perigosas. A maioria das pousadas está próxima de grutas e cachoeiras, e muitas têm piscinas naturais. Foto - ?
POÇO DO CORAÇÃO
O acesso é tranquilo: pegue a Estrada para Itutinga, entre à esquerda após a primeira ponte para chegar ao Complexo da Toca. O carro fica na portaria, e você segue a trilha até o para o escorregador (é bom ponto para banho, ao lado da Gruta da Toca). A partir dele, suba margeando o rio: há vários poços e pequenas quedas até a principal atração local, a …

MONJOLOS, MINAS GERAIS - O município possui alto potencial de ecoturismo, pois conta com diversas cachoeiras, corredeiras, grutas e trilhas, todas cercadas por uma vasta e bela vegetação e que proporcionam deliciosos passeios de bike, motos, jipes ou até mesmo simples caminhadas.

CONHEÇA A CIDADE DE "MONJOLOS", MINAS GERAIS, BRASIL Situada na região central mineira, na Bacia do Rio das Velhas em um vale da Serra do Cabral, Monjolos integra, além da Estrada Real, o Circuito dos Diamantes.  A 265 km da capital mineira, o município possui alto potencial de ecoturismo, pois conta com diversas cachoeiras, corredeiras, grutas e trilhas, todas cercadas por uma vasta e bela vegetação e que proporcionam deliciosos passeios de bike, motos, jipes ou até mesmo simples caminhadas.
Rio Pardinho em Monjolos, MG(Instituto estrada Real)  A Área de Preservação Ambiental do Vale do Fundo apresenta uma densa mata virgem banhada por deleitáveis nascentes e cascatas. Ainda pouco explorada, a Gruta do Pau-Ferro possui grandes galerias com estalactites e estalagmites.  A cidade ainda possui um Centro de Artesanato, onde é exposto e vendido todo o artesanato da região. A Igreja Matriz Nossa Senhora do Livramento, a Ponte Férrea do Rio Pardo e o Monumento a Monjolos também aju…

LEOPOLDINA, MINAS GERAIS - Cachoeiras e trilhas nas Montanhas Mágicas das Minas Gerais

CONHEÇA A CIDADE DE "LEOPOLDINA", MINAS GERAIS, BRASIL  BEM VINDO A CIDADE DE LEOPOLDINA, MG. TERRA DA PALETADA foto - SG Trangel População estimada 2016 (1) - 53.252 Área da unidade territorial 2015 (km²) - 943,076 Densidade demográfica 2010 (hab/km²) - 54,22 Código do Município 3138401 Gentílico - leopoldinense Prefeito 2017 / JOSE ROBERTO DE OLIVEIRA ORIGEM DO NOME Ao ser criado o Município, teve o nome de Leopoldina, em homenagem à, Leopoldina de Bragança e Bourbon, segunda filha de D. Pedro II
Gentílico: leopoldinense HISTÓRICO O topônimo foi uma homenagem à segunda filha de Pedro II, princesa Leopoldina, em substituição ao antigo de "Feijão Cru", quando da criação do município. A primitiva denominação viera dos primórdios do desbravamento, quando os primeiros brancos, em busca de terras fáceis e ótimas, acamparam à margem de um ribeirão; na manhã seguinte, verificaram não ter o cozinheiro da comitiva prestado a devida atenção ao fogo, que se improvisara para af…