Pular para o conteúdo principal

UBERLÂNDIA, MINAS GERAIS - Quem visita Uberlândia conta com uma moderna rede hoteleira, eficiência em serviços, gastronomia de alto nível, estrutura completa de saúde e natureza exuberante. Todas essas virtudes fazem de Uberlândia um centro de oportunidades e um convite à qualidade de vida. A cidade oferece várias opções de lazer nos mais diversificados roteiros: Artesanato, Arte e Cultura, Religioso, Compras, Ecológico, Esportivo. A vida noturna uberlandense segue o ritmo das grandes capitais, oferece inúmeras opções para diversão. São bares, restaurantes, cafeterias, cachaçarias, bistrôs e similares.




CONHEÇA A CIDADE DE UBERLÂNDIA, MINAS GERAIS, BRASIL - OLHANDO DA JANELA DO TREM
BOM DIA VISITANTE. BEM VINDO A UBERLÂNDIA. A CAPITAL DO TRIÂNGULO MINEIRO.
cipyrigth "Eldobrasil"
CONHEÇA UBERLÂNDIA 
Quem visita Uberlândia conta com uma moderna rede hoteleira, eficiência em serviços, gastronomia de alto nível, estrutura completa de saúde e natureza exuberante. Todas essas virtudes somadas à capacidade empreendedora de seus habitantes, fazem de Uberlândia um centro de oportunidades e um convite à qualidade de vida. 
A cidade oferece várias opções de lazer nos mais diversificados roteiros: Artesanato, Arte e Cultura, Religioso, Compras, Ecológico, Esportivo. 
A vida noturna uberlandense segue o ritmo das grandes capitais, oferece inúmeras opções para diversão. São bares, restaurantes, cafeterias, cachaçarias, bistrôs e similares. Shoppings, galerias e butiques permitem que você tenha acesso a produtos de todo o mundo nos 6 shopping centers e vários centros comerciais. O Roteiro de Compras ainda contempla feiras de produtos rurais, gastronomia e artesanato. 
Uma das grandes atrações da cidade com imensa área verde às margens do Rio Uberabinha é o Praia Clube, que oferece estrutura moderna e completa para prática de esportes. Vários outros clubes bem estruturados, atendem os moradores e visitantes. 
As apresentações culturais e exposições artesanais ressaltam a nossa mineiridade e características de nossa região. Igrejas históricas contam sobre a fé da nossa população, sendo que algumas são bens tombados e fazem parte de nosso patrimônio histórico. 
Uberlândia se tornou um expressivo centro educacional e de conhecimento, com uma universidade federal e mais 20 instituições de ensino superior, que tem contribuído para captação de eventos técnicos-científicos para a cidade e região. 
Conheça Uberlândia. Invista em uma cidade moderna, que oferece qualidade de vida incomparável. A nova economia do Brasil passa por aqui e se você quiser fazer bons negócios, é bom que venha pra cá também!
Foto - Jorge de Paula
OFICINA CULTURAL
O conjunto de construções onde se encontra localizada a Oficina Cultural data do início do século 20 e tem suas origens históricas ligadas à energia elétrica em Uberlândia. As linhas arquitetônicas são em estilo eclético, com linhas neoclássicas. Em 1929, a Companhia Prada de Eletricidade comprou o prédio localizado na esquina da Avenida João Pinheiro e Rua Tiradentes, um imóvel de dois pavimentos da Companhia de Força e Luz.
PARQUE VICTORIO SIQUEIROLLI
A área constituída por esta unidade de conservação é composta de áreas públicas derivadas de loteamentos aprovados pela Prefeitura Municipal de Uberlândia e áreas privadas que foram doadas pelos seus proprietários ao município de Uberlândia. A maior destas áreas é remanescente de uma antiga fazenda de propriedade do Sr. Victório Siqueirolli, que deu nome ao parque municipal. Também se constitui de uma área de preservação permanente dos córregos Liso e Carvão.
CASA DA CULTURA
O atual edifício da Casa da Cultura foi construído entre 1922 e 1924, com o objetivo de se tornar residência do Sr. Eduardo Marquez, intendente municipal (de 1923 a 1926), que queria construir uma suntuosa casa, com características monumentais, semelhante a algumas, vistas por ele, em São Paulo.
MUSEU MUNICIPAL DE UBERLÂNDIA
O Museu Municipal dispõe de um acervo de 1.500 peças e caracteriza-se pelo caráter histórico e antropológico. As exposições retratam o cotidiano de nossos antepassados. O espaço está situado à Praça Clarimundo Carneiro, 39. O telefone de contato é (34) 3214-0068.
MERCADO MUNICIPAL
Aberto de segunda a domingo o local é conhecido pelos produtos caseiros como doces e queijos tradicionais e regionais, além de frutas, verduras e legumes selecionados. Além dos artigos típicos da região, o mercado comercializa peixes, frutos do mar, carnes de todos os tipos, inclusive a de rã e defumadas, frango caipira, frios, laticínios e congelados, dietéticos e naturais, mel e derivados.
O local possui ainda a Casa do Palmito, lanchonetes, comida árabe, produtos para açougues, agropecuária, barbearia, sapataria, engraxataria, tabacaria, chaveiros, artesanatos e outras utilidades, além de casa típica de cachaça e loja de artigos religiosos com livraria. O atendimento é personalizado, tipicamente mineiro e o estacionamento é amplo e gratuito.
CONHEÇA UM POUCO MAIS DE UBERLÂNDIA.
copyrigth "Ricardojbs"
copyrigth "?"
AVENIDA AFONSO PENA
copyrigth "Marcos Antonio"
AVENIDA JOÃO NAVES DE ÁVILA
copyrigth "Ricardojbs"
BAIRRO SANTA MARIA
copyrigth "Giuliano Novais"
BAIRRO SARAIVA
copyrigth "Bsrodrigues83"
CÂMARA MUNICIPAL
copyrigth "José Gustavo A. Murt"
copyrigth "Bkm_br"
copyrigth "Carlos Arroio"
copyrigth "Giuliano Novais"
copyrigth "Beto Oliveira"
copyrigth "Ricardojbs"
PRAÇA TUBAL VILELA
copyrigth "Jose Gustavo A. Murt"
VIADUTO REGIS BITENCOURT
copyrigth "Cbnett0007
copyrigth "Ricardojbs"
copyrigth "Thomaz W.M. Harrell"
VEJA AS BELAS IGREJAS DE UBERLÂNDIA
IGREJA DA SANTÍSSIMA TRINDADE
copyrigth "Altemiro Olinto Cris..."
IGREJA DE SÃO FRANCISCO
copyrigth "Altemiro Olinto Cris..."
IGREJA NOSSA SENHORA DO ROSÁRIO
copyrigth "Altemiro Olinto Cris..."
A TRADICIONAL ESTAÇÃO FERROVIÁRIA DO INTERIOR DAS MINAS GERAIS
copyrigth " Fernando P. Martins"
SOBRADINHO
copyrigth "Giga foto"
UM DOS MUITOS PONTOS TURÍSTICOS DE UBERLÂNDIA / ARENA MULTI-USO TANCREDO NEVES
copyrigth "Ricardojbs"
COMPLEXO DO PARQUE SO SABIÁ
copyrigth "Odelmo"
PARQUE DO SABIÁ
copyrigth "José Gustavo A. Murt"
AQUI, A ZONA RURAL DA CIDADE
copyrigth "Beto Oliveira"
copyrigth "?"
AQUI, O RIO UBERABINHA (ANTIGO NOME DA CIDADE)
copyrigth "Anselmo Antônio de q..."
População estimada 2016 (1) - 669.672
Área da unidade territorial 2015 (km²) - 4.115,206
Densidade demográfica 2010 (hab/km²) - 146,78
Código do Município 3170206
Gentílico - uberlandense
Prefeito 2017
ODELMO LEÃO CARNEIRO SOBRINHO
ORIGEM DO NOME
"Uberlândia" é um composto por dois termos de origens diferentes: "uber" e "lândia":
"Uber" provém do latim ("fértil")
"Lândia" provém do alemão land ("terra"),
Uberlândia significa “Terra Fértil”
Gentílico: uberlandense
HISTÓRICO
A descoberta da região do Triângulo Mineiro - também conhecida como Sertão da Farinha Podre - e seu povoamento está intrinsecamente ligado ao ciclo do ouro no Brasil.
A escassez dos minérios nas regiões auríferas das "Geraes" provocou a dispersão populacional para outras áreas. Nos tempos da colônia, esta área do Triângulo, se configurava como fornecedora marginal de metais e ponto de apoio aos núcleos mineratórios do Centro-Oeste, suprindo-os, também, de gêneros alimentícios.
Com o declínio da mineração ocorreu um afluxo populacional para a região. Apesar disso, ainda permaneceram as áreas denominadas por “região vazia”. Estas receberam incentivos de povoamento por parte da metrópole que criou a Lei Imperial nº 514 de 1530, referente à concessão de terras devolutas para a colonização.
Motivadas pelas concessões de terras, expedições de desbravadores começaram a se deslocar para esta região do Triângulo Mineiro em busca do posseamento das mesmas.
Segundo os manuscritos cedidos por descendentes do Sr. João Pereira, os primeiros posseamentos tiveram início em 1817 e não em 1818 como até então se acreditava. Neles há relatos de três famílias que saíram de Paraopeba, próximo à Vila Rica, no intuito de demarcarem aqui suas sesmarias: Os irmãos Caetano e José Alves Rezende com suas famílias, acompanhados do cunhado João Pereira da Rocha e ainda o amigo Francisco Rodrigues Rabello, que trouxe também sua família.
Caetano Alves Rezende instalou-se em área pertencente ao município de Uberaba, que denominou por Sesmaria Boa Esperança do Rio Claro. A cópia da Carta de Sesmaria de Francisco Rodrigues Rabello, constante nestes escritos, indica ter sido a mesma denominada por Sesmaria Ribeirão da Rocinha. Mas a ausência de descrição detalhada a respeito de sua situação neste terreno inviabilizou a precisão da área no município.
O terceiro dos posseantes, José Alves Rezende, teve mais tarde como um dos limitantes, João Pereira da Rocha, cujo marco era um córrego que por esta região recebeu o nome de córrego da Divisa. Sua área foi denominada Sesmaria Monjolinho. Todas estas demarcações e posseamentos de terras ocorreram em 1817, embora o registro do documento de posse tenha sido efetuado entre 1820 e 1821.
Quanto a João Pereira da Rocha, após o mesmo ter palmilhado a região com seus cunhados, retornou à Fazenda Rocha em Cachoeira do Campo em busca de sua família, esposa e onze filhos. Desta vez retomou o velho caminho com seus familiares e seus escravos transportando seus pertences no lombo de burros. Isto, porém, ocorreu já em 1818. 
Durante a caminhada de exploração e conhecimento de sua sesmaria, João Pereira foi denominando certas áreas e córregos que mais tarde se tornavam nomes de fazendas ou de região, como a Fazenda da Estiva, porque lá estivaram o caminho de acesso ao pasto; o córrego em cuja margem acamparam no dia de São Pedro recebeu o nome deste Santo e próximo a ele deixaram instalados um casal de escravos da família Lagoinha.
Enfim, nomes até hoje conhecidos como Letreiro, que foi a denominação dada por Francisco Alves Pereira à área que lhe agradava no trajeto onde deixara suas iniciais no tronco de um pau-terra, e assim sucessivamente, capões a que deram o nome de Marimbondo; Tenda, o local onde levantaram um rancho de pau-a-pique (cobertura de capim) e instalaram uma tenda de ferreiro; o córrego que denominaram por Córrego do Salto em cuja proximidade foi instalada a sede da Fazenda do Salto, além de tantos outros, e por último, a área que alcançaram no dia 04 de outubro de 1818, dia de São Francisco, que deu denominação à conhecida Fazenda São Francisco de Assis.
Vieram ainda Ricardo Gonzaga dos Santos e João Vermelho Bravo que possearam as terras das Sesmarias da “Rocinha” e a de “Registro”. Há ainda os Cabral de Menezes que se alojaram no ponto denominado bebedouro. Esses moradores tinham o hábito da caça para consumo e para facilitar e eliminar os perigos armaram jiraus de madeira rústica sobre forquilhas amarradas com cipó, que tomavam a forma de um sobrado, resultando no nome do local: fazenda Sobradinho.
Segundo o documento, quando foi construída a sede da fazenda Letreiro, Francisco Alves Pereira, necessitando de homens especializados em ferragens para carros-de-boi, tivera notícias de entendidos no assunto no arraial de Campo Belo do Prata, partiu em busca dos mesmos. Foi então que conheceu a família Carrejo, que contava em seu meio com excelentes profissionais. Francisco travou relações com alguns membros desta família combinando a venda de terras em boas condições, facilitando sua vinda. Para cá se transferiram trazendo suas respectivas esposas e filhos, alguns escravos, animais domésticos e apreciáveis quantidade de víveres, sementes e instrumentos agrícolas.
Adquiriram terras de José Diogo da Cunha e parte das terras de João Pereira da Rocha. Luís Alves Carrejo, proprietário de maior extensão, para equilibrar as cotas entre eles, facilitou a aquisição de seus excessos pelos quotistas menores. Ficou com a parte que é hoje a fazenda Olho D’Água.
Francisco Alves Carrejo apossou-se da Fazenda Laje, Felisberto instalou-se na fazenda da Tenda; Antônio Alves Carrejo ficou com a que denominou Marimbondo.
Nesta época já existia um grande povoado às margens do córrego São Pedro do Uberabinha, iniciado pelos escravos deixados lá por João Pereira da Rocha e mais as famílias que foram chegando para tocar lavouras na Sesmaria São Francisco.
Estas famílias eram ajudadas com madeiras na construção de seus ranchos, perto de olhos d’água, no local conhecido por Fundinho. Para conforto de todos, Francisco Alves Pereira com seus parentes e amigos, tiraram um rego que partindo das cachoeiras do córrego São Pedro, lado direito, corria com abundância, mais ou menos margeando a atual avenida Rio Branco, até chegar ao povoado do Fundinho.
A Capela foi inaugurada em 1853 com a celebração da 1ª missa e teve seu entorno reservado para “campo santo”, ou seja, o 1º cemitério da cidade. Cinco anos após, foi elevada à matriz. A parte antiga da capela tornou-se sacristia. Nessa época, a Freguesia já contava com aproximadamente 3.000 paroquianos, o que requeria uma ampliação do templo. E esta igreja existiu até 1943, quando foi demolida pelo prefeito da época Vasconcelos Costa, para em seu lugar construir a antiga rodoviária que funcionou no prédio da atual Biblioteca Pública Municipal.
Quatro anos após a construção da capela, no intuito de dar forma jurídica às terras adquiridas em consentimento dos vinte e um proprietários, os procuradores, promoveram a divisão e demarcação daquele Patrimônio perante o juiz municipal de Uberaba, em outubro de 1857, no arraial já denominado de Nossa Senhora do Carmo e São Sebastião da Barra de São Pedro de Uberabinha.
Na ocasião, Dª Custódia Fernandes dos Santos (esposa de Luiz Alves Pereira) e outros, doaram 12 alqueires de terreno de sua propriedade na fazenda Campo Alegre a Nossa Senhora da Abadia, no povoado de São Pedro de Uberabinha, já habitado por seus escravos. Este local é até hoje conhecido por Patrimônio da Abadia.
BANDEIRA DA CIDADE DE UBERLÂNDIA, MINAS GERAIS
SEMPRE VOLTE. OBRIGADO PELA VISITA. ATÉ QUALQUER DIA
copyrigth "Bkm_br"

Fonte dos textos e fotos: IBGE / Wikipédia / Portal da Prefeitura Municipal de Uberlândia / Thymonthy Becker /

Comentários

Páginas que receberam mais visitas

BAEPENDI, MINAS GERAIS - A terra de "Nhá Chica". Na natureza preservada no município estão cerca de 40% do parque ecológico do papagaio, é local ideal para fazer trilhas e acampar em paradisíacos lugares. Baependi é uma das poucas cidades que podem ser visitadas durante qualquer época do ano, sem se preocupar com a programação que irá encontrar pois, o verão é bem definido, sendo um convite para se deslumbrar com as mais de cinqüenta cachoeiras que cercam a cidade e o inverno pouco chuvoso propicia inúmeras opções para enfrentar trilhas e acampar em paradisíacos lugares

COLORADO, RIO GRANDE DO SUL - Colorado é uma pequena cidade do Alto Jacuí. Fundada por imigrantes italianos e alemães. O espetáculo, belezas naturais, cores, aromas que seduzem à primeira vista. O município tem como base da economia a produção agrícola. A região possui uma relação muito próxima com as águas e com a geração de energia elétrica, a partir da formação do maior lago artificial do Estado – os Alagados do Passo Real e da Barragem de Ernestina. Bonitas e agradáveis, as cidades proporcionam atrações diversificadas, eventos, muitas festas, gastronomia, artesanato.

REPRESA DE FURNAS, SÃO JOSÉ DA BARRA, MINAS GERAIS - No dia 9 de janeiro de 1963 o túnel que desviou o curso do rio Grande para a construção da Usina de Furnas foi fechado e as águas que formaram um dos maiores reservatórios do mundo, criou praias, formou cânions e cachoeiras, inundou vilarejos e mudou para sempre a história dos 34 municípios que ficam ao longo dos 1.440 km2 de extensão do Lago de Furnas que abrange também parte do Parque Nacional da Serra da Canastra. O Lago de Furnas, também conhecido como "O MAR DE MINAS", é quatro vezes maior que a Baía de Guanabara, no Rio de Janeiro

BRASÍLIA, DF, BRASIL - Brasília é formada por gente de todos os lugares, todas as idades e de muitas gerações. É uma mistura de sotaques do Nordeste, Sudeste, Norte e Sul do país e até de estrangeiros. Por conta de seu rápido crescimento, já é a quarta cidade mais populosa do país. A maioria dos moradores, 52%, é mulher e tem em média 30 anos. Os primeiros habitantes que chegaram a Brasília vieram, principalmente, atraídos pelos empregos na construção civil e ajudaram na construção da capital. Eles eram chamados de candangos e aqui construíram e criaram famílias

TOMBOS, MINAS GERAIS - Na cachoeira três tombos, verdadeira obra da natureza de imensurável beleza que constitui um cartão postal da cidade com 62 metros de altura. A Gruta Pedra Santa localizada no distrito de Catuné, uma obra construída pela própria natureza. Ao longo do tempo a grande pedra foi desintegrando-se e formou-se um grande salão, onde ergueu-se a capela em Honra a Nossa Senhora de Lourdes. Praças diversas, museu municipal que funciona na antiga estação ferroviária, usina hidrelétrica de Tombos e os dois distritos “Catuné” e “Água Santa” valem uma visita à cidade de Tombos

IGATU, ANDARAÍ, BAHIA - Eh uma verdadeira cidade de pedra. "Sagrada" pra quem viveu lá durante o auge do ciclo do diamante. O trajeto até a vila já é uma atração: a estrada de acesso pela BA-142 é cheia de mirantes naturais. Ao chegar, a impressão é de ter voltado no tempo, quando igatu era chamada de Xique Xique e famosa pela extração de diamantes. Hoje não há farmácias, o hospital mais próximo fica em Andaraí, a 12 km. Em outros tempos quem diria? Cabarés, cassinos, lojas, cadeia, cartório, cinema...

SERRA DO NAVIO, AMAPÁ - A História da Serra do Navio remonta aos anos 1950. A região era rica em manganês e outros minérios. Por isso, a brasileira ICOMI, com sede em Belo Horizonte e atuação em Minas Gerais, foi escolhida para explorar o minério e construir a vila operária, que daria origem à cidade de Serra do Navio. Cada vila tinha 330 casas, prédios coletivos (escolas, hospitais, refeitórios), abrigando até 1.500 pessoas, entre trabalhadores e familiares. Tinha ruas largas, postes de concreto para a fiação elétrica e telefônica, calçadas, parques, clubes com piscina, quadras esportivas, restaurante e lanchonete, drenagem de águas das chuvas e tratamento de água e esgoto. Todas as casas tinham mais de 90m² e contavam com saneamento e energia elétrica, proveniente de geradores da ICOMI.

RIO DE JANEIRO, BRASIL - Do primeiro ao último minuto do ano, não falta o que fazer, o que visitar e o que rever no Estado do Rio de Janeiro, que não por acaso ostenta o rótulo de Maravilhoso. Além das praias e de seus outros dois ícones geográficos – o Corcovado e o Pão de Açúcar – o Rio vem ganhando uma série de atrativos culturais e gastronômicos. Quem deixa a capital e percorre o litoral fluminense encontra praias de beleza raríssima. Ao norte, na Região dos Lagos, estão as dunas de Cabo Frio, as águas translúcidas e frias de Arraial do Cabo, boas para mergulho, a badalação de Búzios e as trilhas rurais de Rio das Ostras

GRAMADO, RIO GRANDE DO SUL - Faltava neve à Gramado para que ela assumisse de vez o título de “Suíça brasileira”. Não falta mais: o Snowland, primeiro parque de neve artificial indoor das Américas, trouxe esportes de inverno à cidade, que já era famosa pelas construções enxaimel (aquelas de paredes esquadrinhadas com tirantes de madeira), pelas fondues nos bons restaurantes suíços e pelo climinha gostoso da Serra Gaúcha.

CAMPO BELO, MINAS GERAIS - A primeira cidade do Brasil a ter um time de Rugby (Campo Belo Rugby - CBR) A cidade tem paisagens deslumbrantes com campos a perder de vista. Ideal para a prática de esportes de aventura, ecoturismo, esportes náuticos com várias cachoeiras, praias de água doce além da tradicional e boa comida mineira. Uma cidade tranquila, acolhedora com boas opções para hospedagem