Pular para o conteúdo principal

TEMPLO ANGKOR WAT, CAMBOJA - Em suas construções foram usadas mais pedras do que todas as estruturas egípcias juntas. Com 1,62 km², este templo foi construído primeiramente como templo hindu em homenagem a Vishnu pelo rei Suryavarman II, mas foi transformado em budista quando a cidade passou a ser governada pelo rei Jayavarman VII. Wat é o templo mais próximo da bilheteria e geralmente o primeiro a ser visitado – o nascer do sol no local é muito concorrido e vale a pena!




CONHEÇA O TEMPLO DE ANGKOR WAT, CAMBOJA - OLHANDO DA JANELA DO TREM
Com 1,62 km², este templo foi construído primeiramente como templo hindu em homenagem a Vishnu pelo rei Suryavarman II, mas foi transformado em budista quando a cidade passou a ser governada pelo rei Jayavarman VII. Wat é o templo mais próximo da bilheteria e geralmente o primeiro a ser visitado – o nascer do sol no local é muito concorrido e vale a pena! (Primsanji/Wikimedia Commons)
Construído com o melhor do estilo clássico Khmer, combina dois planos: o templo-montanha e o templo em galerias, construído depois. Ele foi desenhado para representar o Monte Meru, casa dos devas na mitologia hindu (Diego Delso/Wikimedia Commons)
Mais de 2 milhões de pessoas visitam Angkor Wat anualmente! O templo é a principal atração de Angkor e o monumento nacional do Camboja. Ele está representado na bandeira e nas cédulas de dinheiro cambojanos (Manfred Werner/Wikimedia Commons)
Angkor se apresenta aos visitantes como um vasto território de floresta tropical com templos e pontes de pedra monumentais e maravilhosos no meio do caminho. Em seu auge, Angkor ocupava uma área maior do que a de Paris atual, e seus templos usaram muito mais pedras do que todas as estruturas egípcias juntas! Angkor Wat, na foto, é a maior estrutura religiosa do mundo (Donald Macauley/Wikimedia Commons)
O templo ainda tem atividades budistas teravada sendo realizadas lá dentro. As estátuas de Buda são decoradas e “vestidas” de acordo com a tradição religiosa. Muitos monges budistas de diversas partes do mundo visitam Angkor todos os anos (Arabsalam/Wikimedia Commons)
ANGKOR WAT (OU ANGKOR VAT) É UM TEMPLO SITUADO 5,5 KM A NORTE DA ATUAL SIEM REAP, NA PROVÍNCIA HOMÔNIMA DO CAMBOJA.
É O MAIOR E MAIS BEM PRESERVADO TEMPLO DOS QUE INTEGRAM O ASSENTAMENTO DE ANGKOR.
DESDE A SUA FUNDAÇÃO. O TEMPLO É O PONTO MÁXIMO DO ESTILO CLÁSSICO DA ARQUITETURA KHMER. É CONSIDERADO COMO A MAIOR ESTRUTURA RELIGIOSA ALGUMA VEZ CONSTRUÍDA, E UM DOS TESOUROS ARQUEOLÓGICOS MAIS IMPORTANTES DO MUNDO.
ANGKOR WAT FAZ PARTE DO COMPLEXO DE TEMPLOS CONSTRUÍDOS NA ZONA DE ANGKOR, A ANTIGA CAPITAL DO IMPÉRIO KHMER DURANTE A SUA ÉPOCA DE ESPLENDOR, ENTRE OS SÉCULOS IX E XV. 
ANGKOR ABRANGE UMA EXTENSÃO EM TORNO DOS 200 KM², EMBORA RECENTES PESQUISAS ESTIMEM UMA EXTENSÃO DE 3 000 KM² E UMA POPULAÇÃO DE ATÉ MEIO MILHÃO DE HABITANTES, O QUE O TORNARIA NO MAIOR ASSENTAMENTO PRÉ-INDUSTRIAL DA HUMANIDADE.
FOI CONSTRUÍDO PELO REI SURYAVARMAN II, NO COMEÇO DO SÉCULO XII, COMO O SEU TEMPLO CENTRAL E CAPITAL DO ESTADO. 
DESDE A SUA CONSTRUÇÃO, E ATÉ O TRANSLADO DA SEDE REAL AO PRÓXIMO BAYON, EM FINAIS DO MESMO SÉCULO, ANGKOR WAT FOI O CENTRO POLÍTICO E RELIGIOSO DO IMPÉRIO. 
O RECINTO —ENTRE CUJOS MUROS SE CALCULOU QUE VIVIAM 20 000 PESSOAS, CUMPRIA AS FUNÇÕES DE TEMPLO PRINCIPAL E, ALÉM DISSO, ALBERGAVA O PALÁCIO REAL.
ANGKOR WAT É O MÁXIMO EXPOENTE DA ARQUITETURA DO IMPÉRIO KHMER, CUJOS PRIMEIROS TEMPLOS REMONTAM AO SÉCULO VI. O PROMOTOR DESTE GIGANTESCO MONTE-TEMPLO FOI SURYAVARMAN II, QUE REINOU DE 1113 ATÉ 1150 D.C
SEGUNDO CONTA A LENDA, O REI QUIS SITUAR O TEMPLO NUM LOCAL DO AGRADO DOS DEUSES, PELO QUAL SOLTOU UM BOI NA PLANÍCIE E RESOLVEU CONSTRUIR O TEMPLO ALI ONDE SE TUMBASSE. 
SEJA CERTA A LENDA OU NÃO, SURYAVARMAN II ESTABELECEU O TEMPLO JUNTO À ANTIGA CIDADE DE YASHODHARAPURA[ (QUE EM SÂNSCRITO SIGNIFICA "CIDADE SAGRA").
SITUADA A ESCASSOS QUILÔMETROS DA ATUAL CIDADE DE SIEM REAP, E ASSIM COMO OS SEUS PREDECESSORES, DISPÔS O PALÁCIO DENTRO DO RECINTO MURADO DO COMPLEXO. OS TRABALHOS NO TEMPLO FICARAM INTERROMPIDOS À MORTE DO REI E NÃO FORAM CONTINUADOS, PELO QUAL A CONSTRUÇÃO DO COMPLEXO DUROU UNICAMENTE 37 ANOS.


Fonte dos textos e fotos: viagemeturismo.abril.com.br / Wikipédia / Thymonthy Becker

Comentários

Páginas que receberam mais visitas

BAEPENDI, MINAS GERAIS - A terra de "Nhá Chica". Baependi é um convite para se deslumbrar com as mais de cinqüenta cachoeiras que cercam a cidade. Na natureza preservada no município estão cerca de 40% do parque ecológico do papagaio, é local ideal para fazer trilhas e acampar em paradisíacos lugares. Baependi é uma das poucas cidades que podem ser visitadas durante qualquer época do ano, sem se preocupar com a programação que irá encontrar pois, o verão é bem definido, sendo um convite para se deslumbrar com as mais de cinqüenta cachoeiras que cercam a cidade e o inverno pouco chuvoso propicia inúmeras opções para enfrentar trilhas e acampar em paradisíacos lugares. A religiosidade ocupa lugar de destaque como um dos fatores que mais atraem os visitantes, uma vez que Baependi foi o lugar onde a serva de Deus, Nhá Chica, concedeu suas graças, hoje em dia inúmeras romarias de diversas partes do país têm como destino o Santuário de Nhá Chica, onde também se encontram seus restos mortais.

COLORADO, RIO GRANDE DO SUL - Será que tem gremista em Colorado? Claro que tem. Colorado é uma pequena cidade do Alto Jacuí. Fundada por imigrantes italianos e alemães. O município tem como base da economia a produção agrícola. Cenários de belezas, cores e aromas que seduzem os turistas. Cenários de belezas, cores e aromas que seduzem os turistas

REPRESA DE FURNAS, SÃO JOSÉ DA BARRA, MINAS GERAIS - No dia 9 de janeiro de 1963 o túnel que desviou o curso do rio Grande para a construção da Usina de Furnas foi fechado e as águas que formaram um dos maiores reservatórios do mundo, criou praias, formou cânions e cachoeiras, inundou vilarejos e mudou para sempre a história dos 34 municípios que ficam ao longo dos 1.440 km2 de extensão do Lago de Furnas. Destes, Capitólio se destaca por oferecer as melhores opções de serviços e infraestrutura turística. Os passeios náuticos, os esportes aquáticos, a pesca esportiva e a exuberância natural são pontos fortes da região, que abrange também parte do Parque Nacional da Serra da Canastra, onde nasce o Rio São Francisco, o "Velho Chico". O Lago de Furnas, também conhecido como "O MAR DE MINAS", é quatro vezes maior que a Baía de Guanabara, no Rio de Janeiro.

BRASÍLIA, DF, BRASIL - Brasília é formada por gente de todos os lugares, todas as idades e de muitas gerações. É uma mistura de sotaques do Nordeste, Sudeste, Norte e Sul do país e até de estrangeiros. Por conta de seu rápido crescimento, já é a quarta cidade mais populosa do país. A maioria dos moradores, 52%, é mulher e tem em média 30 anos. Os primeiros habitantes que chegaram a Brasília vieram, principalmente, atraídos pelos empregos na construção civil e ajudaram na construção da capital. Eles eram chamados de candangos e aqui construíram e criaram famílias. Desses, surgiram os “brasilienses”, o gentílico usado para quem nasceu aqui e adotado por quem veio de fora e assumiu a cidade como sua.

TOMBOS, MINAS GERAIS - Na cachoeira três tombos, verdadeira obra da natureza de imensurável beleza que constitui um cartão postal da cidade com 62 metros de altura. A Gruta Pedra Santa localizada no distrito de Catuné, uma obra construída pela própria natureza. Ao longo do tempo a grande pedra foi desintegrando-se e formou-se um grande salão, onde ergueu-se a capela em Honra a Nossa Senhora de Lourdes. Praças diversas, museu municipal que funciona na antiga estação ferroviária, usina hidrelétrica de Tombos e os dois distritos “Catuné” e “Água Santa” valem uma visita à cidade de Tombos

IGATU, ANDARAÍ, BAHIA - Eh uma verdadeira cidade de pedra. "Sagrada" pra quem viveu lá durante o auge do ciclo do diamante. O trajeto até a vila já é uma atração: a estrada de acesso pela BA-142 é cheia de mirantes naturais. Ao chegar, a impressão é de ter voltado no tempo, quando igatu era chamada de Xique Xique e famosa pela extração de diamantes. Hoje não há farmácias, o hospital mais próximo fica em Andaraí, a 12 km. Em outros tempos quem diria? Cabarés, cassinos, lojas, cadeia, cartório, cinema...

RIO DE JANEIRO, BRASIL - Do primeiro ao último minuto do ano, não falta o que fazer, o que visitar e o que rever no Estado do Rio de Janeiro, que não por acaso ostenta o rótulo de Maravilhoso. Além das praias e de seus outros dois ícones geográficos – o Corcovado e o Pão de Açúcar – o Rio vem ganhando uma série de atrativos culturais e gastronômicos. Quem deixa a capital e percorre o litoral fluminense encontra praias de beleza raríssima. Ao norte, na Região dos Lagos, estão as dunas de Cabo Frio, as águas translúcidas e frias de Arraial do Cabo, boas para mergulho, a badalação de Búzios e as trilhas rurais de Rio das Ostras. De frente para a Baía da Guanabara, Niterói mostra que a vista para a cidade do Rio não é o único atrativo. Além de oferecer, na sua face voltada para o alto mar, trechos de areia ideais para quem quiser fugir do agito de Ipanema e Copacabana, o município começa a explorar o legado das construções assinadas por Oscar Niemeyer, entre elas o famoso Museu de Arte Contemporânea.

GRAMADO, RIO GRANDE DO SUL - Faltava neve à Gramado para que ela assumisse de vez o título de “Suíça brasileira”. Não falta mais: o Snowland, primeiro parque de neve artificial indoor das Américas, trouxe esportes de inverno à cidade, que já era famosa pelas construções enxaimel (aquelas de paredes esquadrinhadas com tirantes de madeira), pelas fondues nos bons restaurantes suíços e pelo climinha gostoso da Serra Gaúcha.

CAMPO BELO, MINAS GERAIS - A primeira cidade do Brasil a ter um time de Rugby (Campo Belo Rugby - CBR) A cidade tem paisagens deslumbrantes com campos a perder de vista. Ideal para a prática de esportes de aventura, ecoturismo, esportes náuticos com várias cachoeiras, praias de água doce além da tradicional e boa comida mineira. Uma cidade tranquila, acolhedora com boas opções para hospedagem

SERRA DO NAVIO, AMAPÁ - A História da Serra do Navio remonta aos anos 1950. A região era rica em manganês e outros minérios. Por isso, a brasileira ICOMI, com sede em Belo Horizonte e atuação em Minas Gerais, foi escolhida para explorar o minério e construir a vila operária, que daria origem à cidade de Serra do Navio. Cada vila tinha 330 casas, prédios coletivos (escolas, hospitais, refeitórios), abrigando até 1.500 pessoas, entre trabalhadores e familiares. Tinha ruas largas, postes de concreto para a fiação elétrica e telefônica, calçadas, parques, clubes com piscina, quadras esportivas, restaurante e lanchonete, drenagem de águas das chuvas e tratamento de água e esgoto. Todas as casas tinham mais de 90m² e contavam com saneamento e energia elétrica, proveniente de geradores da ICOMI.