Pular para o conteúdo principal

ILHA DE COTIJUBA, BELÉM, PARÁ - Refúgio natural e paradisíaco com 15 km de praias de água doce e morna que encantam os visitantes é destino inexplorado em plena região metropolitana. Cotijuba é uma das 42 ilhas que fazem parte do arquipélago de Belém. O local tem 15 km de praias de água doce pouco conhecidas. Cotijuba é uma das 42 ilhas que fazem parte do arquipélago de Belém. Quem vê a Metrópole da Amazônia com seus 1,2 milhões de habitantes, não imagina que basta atravessar o rio para chegar até o que os pesquisadores da área de turismo chamam de "ilha ideal".




CONHEÇA A "ILHA DE COTIJUBA", BELÉM, PARÁ, BRASIL - OLHANDO DA JANELA DO TREM
foto - Niani
Ilha em Belém é destino inexplorado em plena região metropolitana.
Cotijuba é uma das 42 ilhas que fazem parte do arquipélago de Belém.
O local tem 15 km de praias de água doce pouco conhecidas.
foto - ?
Cotijuba é uma das 42 ilhas que fazem parte do arquipélago de Belém. Quem vê a Metrópole da Amazônia com seus 1,2 milhões de habitantes, não imagina que basta atravessar o rio para chegar até o que os pesquisadores da área de turismo chamam de "ilha ideal".
foto - ?
Os 15 quilômetros de praias de água doce e morna são banhados pelas Baías do Marajó e do Guajará, o que atribui a cada balneário características particulares que encantam os visitantes.
foto - Niani
Segundo o geógrafo Odimar Melo, os veranistas buscam as amenidades naturais da ilha de Cotijuba para fugir do ritmo acelerado que impera do outro lado do rio.
foto - Niani
O turista "cria nesse lugar um refúgio natural e paradisíaco onde a natureza ainda se apresenta pouco transformada. Cotijuba, assim, se encaixa no conceito de ilha ideal ou ilha verdadeira, ou seja, aquelas que podem ser visitadas plenamente em um único dia".
foto - Niani
O pesquisador explica que as peculiaridades naturais de Cotijuba criam um imaginário social da "busca pelas aventuras da ilha" que oferece descanso e lazer, em um espaço próximo e ao mesmo tempo exótico, que desperta a curiosidade do homem urbano e a sensação de harmonia com o meio ambiente.
foto - ?
Para chegar até a Ilha de Cotijuba é preciso atravessar a Baía de Guajará de barco. Há um navio mantido pela Companhia de Transportes de Belém (CTBel) e várias pequenas embarcações ofertadas pela Cooperativa de Barqueiro da Ilha de Cotijuba (Cooperbic) que realizam esse trajeto.
foto - ?
Os barcos partem diariamente do Trapiche de Icoaraci, em Belém, e a viagem dura, em média, 45 minutos. Há ainda uma terceira opção de acesso a Ilha em um navio que parte da Praça do Pescador, localizada no Complexo Ver-o-peso.
foto - ?
Durante a travessia, os turistas têm a oportunidade de visualizar plenamente o contraste entre a Belém continental e o arquipélago que a circunda. Segundo o pesquisador da área de geografia da Universidade Federal do Pará (UFPA), Odimar Melo, nenhuma cidade do Brasil apresenta um número tão grande de ilhas quanto Belém.
foto - ?
O geógrafo chama atenção ainda para o fato desses locais abrigarem variedades de espécies de fauna e flora amazônicas e comportarem um contingente populacional que aumenta continuamente devido as relações que mantêm com a sede administrativa.
foto - ?
Contribuição histórica para a Amazônia
A ilha foi batizada pelos seus primeiros habitantes, os índios tupinambás, e seu nome significa "trilha dourada", uma referência ao solo argiloso do lugar. Atualmente, a população de Cotijuba é estimada em pouco mais de mil pessoas que praticam a pesca e a agricultura de subsistência, o extrativismo e, mais recentemente, atividades ligadas ao turismo.
foto - ?
A primeira referência histórica da Ilha faz alusão a construção de um engenho no lugar, um dos primeiros instalados na Amazônia ainda no século XVIII. As ruínas do engenho ainda são visitadas por pesquisadores e curiosos, mas Cotijuba é conhecida mesmo por ter sido a Ilha presídio do Pará durante várias décadas do século passado.
foto - ?
Um projeto idealizado pelos moradores da ilha pretende instalar nas ruínas um ecomuseu que conte a importância do local para a história do estado, reforçando a educação ambiental entre moradores e turistas.
foto - Tito Garcez
Em 1990, a ilha também passou a ser parte de uma Área de Proteção Ambiental (APA) que garante a preservação de alguns pontos em Ilhas de Belém. Um dos impactos dessa medida para a população local e os turistas que chegam para conhecer Cotijuba é a proibição do uso de veículos motorizados.
foto - Tito Garcez
Apenas recentemente, motocicletas foram permitidas e também foi autorizado o uso de carros para o transporte de pacientes e para a garantia da segurança na ilha.
foto - ?
Das 42 ilhas do arquipélago de Belém, Cotijuba é a terceira maior em dimensão territorial. Com 1,6 mil hectar, ela está há 22 quilômetros da sede municipal. Apesar de ser cortada por cerca de seis igarapés – pequenos rios - e de possuir dezesseis lagos, Cotijuba é mais visitada por suas doze praias de água doce.
foto - ?
Segundo a Coordenadoria Municipal de Turismo de Belém (Belemtur), em Cotijuba são 15 km de praias pouco exploradas e as localizadas na Baía do Marajó são as favoritas para banho. A principal delas é a Praia do Vai-quem-quer.
foto - ?
Não é difícil deduzir de onde surgiu esse nome. Há cerca de nove quilômetros do porto, esse é o maior balneário da Ilha, mas também o menos frequentado devido a distância e ao acesso, embora todos garantam que a viagem vale a pena.
foto - ?
Para chegar lá é preciso utilizar uma das charmosas charretes ou pegar o bondinho da ilha, que é puxado por um pequeno trator. Há uma parada onde eles se concentram logo na entrada da ilha. Mais recentemente, passou também é a ser oferecido o serviço de mototáxi para alcançar a praia de Vai-quem-quer. O curso médio dessas passagens é de R$ 5 por pessoa.
foto - ?
No lugar, apenas algumas pousadas oferecem o serviço de restaurante e não há moradores próximos. O que torna esse local quase deserto na maior parte do ano. “A melhor descrição do local é bucólico. Você fica em cabanas, dorme em redes – se desejar – e fica em uma praia bonita, bem cuidada e preservada. 
foto - ?
Passar o final de semana lá é excelente, com a vantagem de que, na verdade, você está há pouco tempo de viagem de Belém”, assegura o engenheiro Hussein Geaces, de 27 anos, um dos visitantes do lugar.
foto - ?
Para o professor Ricardo Pereira, de 30 anos, o lugar também é ideal para práticas esportivas e contemplação da natureza. “Quando era criança, vinha acampar na praia. Passávamos dois, três dias aqui. Hoje prefiro jogar futebol, vôlei e passear com amigos. O lugar é tão grande que é possível aproveitar como se a praia fosse particular”, assegura.
foto - ?
Mais frequentada é a Praia do Farol que é também a mais próxima do terminal fluvial do lugar e possui um número maior de pousadas, bares e restaurantes. Durante a época das férias e os feriados prolongados as pousadas costumam organizar shows com música ao vivo aos visitantes do local, onde é possível também conhecer mais sobre os ritmos favoritos dos paraenses, incluindo o carimbó, o siriá e o tecnobrega.
foto - Criscolto
“Toda a minha família vai a Cotijuba há muitos anos e sempre ficamos na Praia do Farol por ser a mais fácil para levar crianças, já que não é preciso andar muito para chegar no lugar, e lá existem mais opções de hospedagem. Além disso, como dá para ir andando, não se gasta nada. Nem mesmo com as charretes”, lembra a estudante Thaís Siqueira.
foto - Felipe Pamplona
Outra praia famosa é a Praia Funda. Formada por uma enseada e pouco movimentada, seu nome faz referência ao terreno íngreme, principal característica responsável pelo fato de suas águas serem profunda já nos primeiros passos em direção ao rio. Por isso, lá, crianças podem brincar de se balançar e se lançar dentro das águas, sem risco de cair na parte rasa e se machucar.
foto - ?
As outras praias que ficam de frente para a Baía do Marajó são a Praia da Pedra Branca e Flexeira. Há também as praias do Cravo e do Cemitério. “Na prática, não há limites entre cada praia. Os moradores é que apontam a fronteira de cada uma e nomeiam o lugar.
foto - ?
A impressão, dependendo do ponto, é que se trata de um único local que sofre pequenas modificações em alguns trechos ficando mais ou menos movimentado e mais ou menos fundo”, explica Ricardo Pereira.
foto - Mara Hermes
Segundo Pereira, esta variedade é um das grandes atrativos da ilha. “Podemos ira para a Praia do Farol, que é mais agitada, aproveitar a movimentação e os shows e, em seguida, passar para as mais distantes como a Vai-quem-quer ou a Praia do Amor e ainda a da Saudade, que ficam ali pertinho e são bem calmas e tranquilas”, recomenda.
foto - Tito Garcez 
As demais praias são estreitas, menos acessíveis e, algumas são intercaladas por áreas de mangue e várzea, onde a população cabocla local pratica a pesca de curral do camarão e diversas espécies de peixe.
foto - ?
Seja para aproveitar a movimentação da Praia do Farol, a tranquilidade dos locais mais afastados ou ainda ou ainda conhecer os resquícios de sua importância histórica, Cotijuba tem muitas atrações que cativam os turistas. Assim como uma de suas praias mais famosas, para Cotijuba "vai quem quer", mas quem conhece o lugar acaba retornando, para aproveitar novamente a natureza desta ilha tão perto de Belém.
foto - ?
Esta maravilha da natureza é a ilha de cotijuba, que fica em Belém do Pará.
Isto sim é um paraíso na terra. Paraíso que você pode vir a conhecer.
foto - ?
Venha passar suas férias aqui, e descubra que o paraíso existe é lindo e trará você de volta as origens. O passeio já começa com você, pegando um barco típico, para vir até a ilha.
foto - ?
Depois é só se deliciar com esta maravilha. Difícil será você conseguir deixar a ilha.  Este por do sol, todos os dias lhe fará um convite à ficar.
foto - ?


Fonte dos textos e fotos|: g1.com / internet / Thymonthy Becker / IBGE / 



Comentários

Páginas que receberam mais visitas

BAEPENDI, MINAS GERAIS - A terra de "Nhá Chica". Na natureza preservada no município estão cerca de 40% do parque ecológico do papagaio, é local ideal para fazer trilhas e acampar em paradisíacos lugares. Baependi é uma das poucas cidades que podem ser visitadas durante qualquer época do ano, sem se preocupar com a programação que irá encontrar pois, o verão é bem definido, sendo um convite para se deslumbrar com as mais de cinqüenta cachoeiras que cercam a cidade e o inverno pouco chuvoso propicia inúmeras opções para enfrentar trilhas e acampar em paradisíacos lugares

COLORADO, RIO GRANDE DO SUL - Colorado é uma pequena cidade do Alto Jacuí. Fundada por imigrantes italianos e alemães. O espetáculo, belezas naturais, cores, aromas que seduzem à primeira vista. O município tem como base da economia a produção agrícola. A região possui uma relação muito próxima com as águas e com a geração de energia elétrica, a partir da formação do maior lago artificial do Estado – os Alagados do Passo Real e da Barragem de Ernestina. Bonitas e agradáveis, as cidades proporcionam atrações diversificadas, eventos, muitas festas, gastronomia, artesanato.

REPRESA DE FURNAS, SÃO JOSÉ DA BARRA, MINAS GERAIS - No dia 9 de janeiro de 1963 o túnel que desviou o curso do rio Grande para a construção da Usina de Furnas foi fechado e as águas que formaram um dos maiores reservatórios do mundo, criou praias, formou cânions e cachoeiras, inundou vilarejos e mudou para sempre a história dos 34 municípios que ficam ao longo dos 1.440 km2 de extensão do Lago de Furnas que abrange também parte do Parque Nacional da Serra da Canastra. O Lago de Furnas, também conhecido como "O MAR DE MINAS", é quatro vezes maior que a Baía de Guanabara, no Rio de Janeiro

BRASÍLIA, DF, BRASIL - Brasília é formada por gente de todos os lugares, todas as idades e de muitas gerações. É uma mistura de sotaques do Nordeste, Sudeste, Norte e Sul do país e até de estrangeiros. Por conta de seu rápido crescimento, já é a quarta cidade mais populosa do país. A maioria dos moradores, 52%, é mulher e tem em média 30 anos. Os primeiros habitantes que chegaram a Brasília vieram, principalmente, atraídos pelos empregos na construção civil e ajudaram na construção da capital. Eles eram chamados de candangos e aqui construíram e criaram famílias

TOMBOS, MINAS GERAIS - Na cachoeira três tombos, verdadeira obra da natureza de imensurável beleza que constitui um cartão postal da cidade com 62 metros de altura. A Gruta Pedra Santa localizada no distrito de Catuné, uma obra construída pela própria natureza. Ao longo do tempo a grande pedra foi desintegrando-se e formou-se um grande salão, onde ergueu-se a capela em Honra a Nossa Senhora de Lourdes. Praças diversas, museu municipal que funciona na antiga estação ferroviária, usina hidrelétrica de Tombos e os dois distritos “Catuné” e “Água Santa” valem uma visita à cidade de Tombos

IGATU, ANDARAÍ, BAHIA - Eh uma verdadeira cidade de pedra. "Sagrada" pra quem viveu lá durante o auge do ciclo do diamante. O trajeto até a vila já é uma atração: a estrada de acesso pela BA-142 é cheia de mirantes naturais. Ao chegar, a impressão é de ter voltado no tempo, quando igatu era chamada de Xique Xique e famosa pela extração de diamantes. Hoje não há farmácias, o hospital mais próximo fica em Andaraí, a 12 km. Em outros tempos quem diria? Cabarés, cassinos, lojas, cadeia, cartório, cinema...

SERRA DO NAVIO, AMAPÁ - A História da Serra do Navio remonta aos anos 1950. A região era rica em manganês e outros minérios. Por isso, a brasileira ICOMI, com sede em Belo Horizonte e atuação em Minas Gerais, foi escolhida para explorar o minério e construir a vila operária, que daria origem à cidade de Serra do Navio. Cada vila tinha 330 casas, prédios coletivos (escolas, hospitais, refeitórios), abrigando até 1.500 pessoas, entre trabalhadores e familiares. Tinha ruas largas, postes de concreto para a fiação elétrica e telefônica, calçadas, parques, clubes com piscina, quadras esportivas, restaurante e lanchonete, drenagem de águas das chuvas e tratamento de água e esgoto. Todas as casas tinham mais de 90m² e contavam com saneamento e energia elétrica, proveniente de geradores da ICOMI.

RIO DE JANEIRO, BRASIL - Do primeiro ao último minuto do ano, não falta o que fazer, o que visitar e o que rever no Estado do Rio de Janeiro, que não por acaso ostenta o rótulo de Maravilhoso. Além das praias e de seus outros dois ícones geográficos – o Corcovado e o Pão de Açúcar – o Rio vem ganhando uma série de atrativos culturais e gastronômicos. Quem deixa a capital e percorre o litoral fluminense encontra praias de beleza raríssima. Ao norte, na Região dos Lagos, estão as dunas de Cabo Frio, as águas translúcidas e frias de Arraial do Cabo, boas para mergulho, a badalação de Búzios e as trilhas rurais de Rio das Ostras

GRAMADO, RIO GRANDE DO SUL - Faltava neve à Gramado para que ela assumisse de vez o título de “Suíça brasileira”. Não falta mais: o Snowland, primeiro parque de neve artificial indoor das Américas, trouxe esportes de inverno à cidade, que já era famosa pelas construções enxaimel (aquelas de paredes esquadrinhadas com tirantes de madeira), pelas fondues nos bons restaurantes suíços e pelo climinha gostoso da Serra Gaúcha.

CAMPO BELO, MINAS GERAIS - A primeira cidade do Brasil a ter um time de Rugby (Campo Belo Rugby - CBR) A cidade tem paisagens deslumbrantes com campos a perder de vista. Ideal para a prática de esportes de aventura, ecoturismo, esportes náuticos com várias cachoeiras, praias de água doce além da tradicional e boa comida mineira. Uma cidade tranquila, acolhedora com boas opções para hospedagem