Pular para o conteúdo principal

PARQUE NACIONAL DOS LENÇÓIS MARANHENSES, BARREIRINHAS, MA - Criado em 1981, o Parque Nacional dos Lençóis Maranhenses abrange 155 mil hectares de dunas, rios lagoas e manguezais. São dois tipos de cenários, dependendo da época do ano: durante a seca, o parque se transforma em um verdadeiro deserto banhado pelo oceano; com as chuvas, forma-se a paisagem clássica do lugar, uma incrível sequência de dunas e lagoas. Explorar toda essa imensidão de areia é uma experiência única e cansativa - leve água, chapéu, protetor solar, lanche e óculos de sol. Barreirinhas é a cidade mais estruturada no entorno da área de preservação, mas também há passeios a partir de Atins (leste) e Santo Amaro do Maranhão (oeste).




CONHEÇA O PARQUE NACIONAL DOS LENÇÓIS MARANHENSES, MARANHÃO, BRASIL - COMO SE ESTIVESSE NA JANELA DO TREM
Criado em 1981, o Parque Nacional dos Lençóis Maranhenses abrange 155 mil hectares de dunas, rios lagoas e manguezais. São dois tipos de cenários, dependendo da época do ano: durante a seca, o parque se transforma em um verdadeiro deserto banhado pelo oceano; com as chuvas, forma-se a paisagem clássica do lugar, uma incrível sequência de dunas e lagoas. Explorar toda essa imensidão de areia é uma experiência única e cansativa - leve água, chapéu, protetor solar, lanche e óculos de sol. 
Barreirinhas é a cidade mais estruturada no entorno da área de preservação, mas também há passeios a partir de Atins (leste) e Santo Amaro do Maranhão (oeste). 
O Parque Nacional dos Lençóis Maranhenses tem uma formação natural única, originada por um raro processo geológico
Por que é 5 estrelas
A paisagem é única. Foram milhões de anos para que um raro processo geológico formasse tamanha sequência de dunas - que, à primeira vista, parece não ter fim. 
Em algumas lagoas, a distância entre o fundo da água e o topo das dunas pode chegar a 40m de altura
Preste atenção
Ao entrar na água, é inevitável: peixinhos irão ao seu encontro em busca de comida. Mal dá para sentir as "mordidas", que não deixam marcas. Mas a situação pode assustar as crianças. As lagoas menos frequentadas são as que têm mais peixes. 
Em um raro processo geológico, a natureza criou, no Parque Nacional dos Lençóis Maranhenses, 90 mil hectares de dunas permeadas por lagoas pluviais de águas transparentes. Na foto, a Lagoa Azul, uma das mais bonitas do complexo
A melhor foto
A única maneira de clicar toda a extensão do parque é por cima, fazendo o voo de monomotor (que não é regularizado). 
De maio a setembro, quando as lagoas estão mais cheias, é a melhor época para visitar o Parque dos Lençóis Maranhenses
Tempo de visita
Para conhecer as paisagens de Barreirinhas, Atins e Santo Amaro do Maranhão com calma, reserve quatro dias. Como o acesso a Atins e Santo Amaro é demorado, é importante ter algum tempo de sobra. 
De cima, o Parque Nacional dos Lençóis Maranhenses parece um verdadeiro mosaico
Quando ir
Entre maio e agosto. De qualquer forma, vale ligar antes para o ICMBio para confirmar se as chuvas do ano foram suficientes para encher as lagoas - o que não ocorreu em 2012. Serviço ICMBio, 3349-1267. O parque não tem portaria para controlar a entrada, e não é sinalizado - é fácil se perder entre os bancos de areia. Apenas os veículos 4x4 conseguem passar pelas estradas de acesso. Contrate guia nas agências locais. Off-Road Adventure, 3349-0625; Rota das Trilhas, 3349-0372; Tropical Adventure, 3349-1987.
As dunas se formam através de um processo geológico conhecido como saltação. Nele, as particulas de areia sobem, rodopiam pelo ar, colidem e caem, formando as barcanas - montanhas de areia em formato meia-lua
SEGREDO ENTRE LENÇÓIS 
"Sangue"... o nome do lugar aparece na placa em letras maiúsculas, carcomida pela ferrugem e já meio sem tinta. Tanto no significado quanto na aparência, a indicação lembra os signos de antigos mapas do tesouro, um delírio possível aos cultores dos quadrinhos, dos livros de aventura e do cinema. Mas, neste caso, fantasia e realidade se misturam mesmo: essa é a pista, ou melhor, a placa que sinaliza o momento de abandonar o asfalto da MA-402, às margens do Parque Nacional dos Lençóis Maranhenses, e tomar a estradinha secreta, digo, de areia, até Santo Amaro do Maranhão. Essa pequena e preciosa cidade é, por assim dizer, a porta dos fundos do parque, já que é menos conhecida e agitada do que Barreirinhas, base do turismo na região. 
Lagoa da Gaivota, apenas um dos tesouros de Santo Amaro

Naturalmente é uma experiência um tanto mais rústica, a começar pelo longo caminho no areião, pelas singelas opções de hospedagem e alimentação, pela simplicidade do comércio e dos serviços e outras circunstâncias típicas de um lugar remoto. Vamos imaginar que tudo isso é um baita problema e falar de certas compensações. No reino de Santo Amaro as dunas são mais altas e têm areia mais branca do que as de Barreirinhas. Há um recanto espetacular, a Lagoa da Gaivota, a poucos minutos da cidade. Não há filas para coisa alguma ou caravanas de toyotas nos envenenando com fumaça de óleo diesel nem grupos de excursão fazendo tchibum nas plácidas lagoas azuis. Pela manhã, bem cedinho, ouvem-se os galos, não o alarido e o buzinaço da turba partindo para os passeios. As prainhas que o rio Alegre inventa quando atravessa Santo Smaro são de um capricho e uma graça que suplantam as do rio Preguiças em Barreirinhas. Mas, por favor, siga o mapa e não espalhe. 
No "inverno" a chuva enche as lagoas (e às vezes até as ruas)
Há uns 15 anos, contratar uma Toyota em Barreirinhas era tarefa casca-grossa. Havia muitas delas por lá, mas poucas destinadas a passeios. A mesma coisa com os barcos do rio Preguiças, que antes atendiam principalmente a população dali e alguns fins de semaneiros dos arredores ou da capital. A adequação da estrada e os esforços da indústria do turismo acabaram revertendo a situação: há tantos desses veículos e seus turistas de lá pra cá que chega a dar gastura (aflição, em maranhês). As pousadinhas familiares deram lugar a outras bem mais arranjadas, algumas até com prainhas exclusivas, e também hotéis, agências de excursão, restaurantes, sorveterias, lan houses... Barreirinhas agora está na moda, cheia de gente. 
O povo de Santo Amaro
Se não é exatamente isso que você imagina para sua experiência nos Lençóis, a senha é: "sangue" (não há como esquecer). Junto à placa enigmática presa a dois toscos pedaços de pau fica uma casinha muito vermelha, misto de residência e comércio que serve também de ponto de encontro, chegadas e partidas. É o centro nervoso desse povoado à beira da estrada e, depois dali, será preciso contar com um veículo adequado para chegar a santo amaro. 
Cotidiano do maranhense nas cidades de areia e água
E, nesses domínios que se estendem a perder de vista atrás da casinha vermelha, veículo adequado é sinônimo de Toyota, um dos personagens mais importantes desta história. Não é novidade (nem merchandising), sua versatilidade e sua robustez mecânica são sempre citadas como ideais diante das agruras da geografia e do clima brasileiros. Na região dos Lençóis, onde tudo é água e areia sobre areia, essas caminhonetes, que os mais jovens conhecem como picapes, tornaram-se uma instituição. Para não dizer entidade. 
A ocupação humana é ao mesmo tempo uma garantia e uma ameaça aos Lençóis
A maioria dos caçadores de tesouros solicita o serviço dos toyoteiros nas agências de turismo de São Luís. Contatos obtidos com amigos ou amigos dos amigos também podem ajudar nessa hora, evitando acrescentar uma mala sem alça na bagagem. Há também os que chegam com carro próprio e tracionado, entre eles macacos velhos que primeiro ouvem as instruções dos motoristas locais, cabras tarimbados naquelas estradinhas manhosas. De cara recomendam murchar os pneus para fazer o animal projetar suas garras e cravá-las nas areias. mesmo como passageiro, é bom entrar no espírito, compreender essa liturgia e acostumar-se com as vibrações cardíacas das Toyotas porque boa parte dos dias nesses quadrantes vai se desenrolar na boleia de uma delas. 
Cactos nordestinos
11 FOTOS QUE VÃO TE CONVENCER A RESERVAR AGORA SUA VIAGEM AOS LENÇÓIS MARANHENSES 
Nenhuma foto ou vídeo tira o impacto de estar no meio das dunas e lagoas dos Lençóis Maranhenses, mas essas imagens dão um gostinho do que te espera no norte do Maranhão. O Parque Nacional dos Lençóis Maranhenses está em seu auge de maio a agosto – a partir de setembro as lagoas começam a secar e em novembro elas já costumam estar bastante vazias.
As lagoas são formadas por água da chuva – a melhor época para visitar é o meio do ano, de maio a agosto
Olhando apenas para as dunas, parece até que estamos em um deserto. Mas a água não é miragem!
Vista do alto do Farol de Preguiças, no povoado de Mandacaru: a foz do rio Preguiças e o mar lá no fundo
Algumas lagoas ficam fundas rapidamente, outras são rasinhas e por vezes até parece que estamos em uma praia no Caribe. Essa é a Lagoa Azul, perto de Barreirinhas
A Lagoa dos Peixes é uma das atrações perto de Barreirinhas. Ela abriga a maioria das espécies que vivem nos Lençóis
O vento forte faz com que as dunas de areia se desloquem de 4 a 25 metros ao longo do ano – a paisagem está em constante mudança nos Lençóis
Azul, muito azul!!
Dunas de areia branquíssima são recortadas por lagoas de água cristalina – não se esqueça do protetor solar!
Água fresquinha para aplacar o calor maranhense
É quase impossível encontrar um ponto com sombra dentro do Parque Nacional dos Lençóis Maranhenses
As cores do pôr do sol refletindo nas lagoas são de tirar o fôlego!
SEIS PACOTES PARA MERGULHAR DE CABEÇA NOS LENÇÓIS MARANHENSES 
Confira os melhores preços e pacotes para explorar as belíssimas paisagens no nordeste do Maranhão
Dunas, lagos, lagoas, parque nacional: os Lençóis Maranhenses são um espetáculo da natureza localizado no nordeste do Brasil. E, por conta disso, é o destino sonhado por muitos brasileiros. E para quem não quer arriscar perder toda a plenitude da região, junho é um mês ótimo! O motivo é que entre maio e agosto, as lagoas estão cheias (elas começam a secar em setembro)e a paisagem, exuberante. 
Nesses pacotes, os viajantes podem conhecer Barreirinhas, São Luís, e de quebra aproveitar a orla e se divertir com as festanças do Bumba-Meu-Boi, que acontecem em junho e julho. Escolha logo o pacote que mais se encaixa na sua viagem dos sonhos! 
Lagoa do Parque Nacional dos Lençóis Maranhenses
COM TUTOIA E JERI 
Das três noites em acomodações básicas dos Lençóis, duas são em Atins, vilarejo rústico na foz do Rio Preguiças com o mar (e nas franjas do Parque Nacional), e a outra em Barreirinhas. Inclui passeio de 4x4 pelas dunas e traslado de barco pelo Rio Preguiças até Atins. De lá, o roteiro segue de lancha para Tutoia, a parte maranhense do Delta do Parnaíba. O pernoite é logo adiante, na própria Parnaíba, já no Piauí. A viagem termina com duas noites em Jericoacoara, onde há passeio de bugue. 
QUANDO: Até 31 de dezembro / 2016
QUEM LEVA: Abreu 
QUANTO: R$ 4 150
BARREIRINHAS DE BRINDE
Neste tour, as durações se invertem. São apenas duas noites em Barreirinhas, no resort Porto Preguiças, com passeio de 4x4 no Parque Nacional e de barco pelo Rio Preguiças (visitando as comunidades ribeirinhas de Vassouras, Mandacaru e Caburé), e cinco em São Luís, no midscale Pestana. O tempo é suficiente para conhecer a fundo o Centro Histórico, cheio de solares azulejados dos séculos 18 e 19, aproveitar a orla e participar das festanças do Bumba-Meu-Boi, que rolam em junho e julho.
QUANDO: Em 21 de junho (preço de 2016)
QUEM LEVA: CVC 
QUANTO: R$ 2 938
BARREIRINHAS ECONÔMICA
De maio até agosto, as lagoas do Parque Nacional dos Lençóis Maranhenses represam a água da estação chuvosa em grandes lagoas entre as dunas, espetáculo apreciado por turistas do mundo todo. A 254 km de São Luís, a pequena Barreirinhas serve como porta de entrada para a maior parte dos visitantes. Este pacote tem quatro noites na Paraíso das Águas, pousada básica na beira do lindo Rio Preguiças, de onde partem passeios pela região.
QUANDO: Em 18 de junho (preço de 2016)
QUEM LEVA: H. Urbano
QUANTO: R$ 1 310
DE SÃO LUÍS A FORTALEZA
Batizado de Rota das Emoções, o roteiro litorâneo entre o Maranhão, Piauí e Ceará percorre as belezas de São Luís, Barreirinhas, Delta do Parnaíba, Jericoacoara e Fortaleza numa tacada só. São seis noites em hospedagens simples ou econômicas, com passeio de 4x4 nos Lençóis e de lancha pelo Rio Preguiças e Delta do Parnaíba. As duas noites em Jeri programam visitas às lagoas Azul e do Paraíso.
QUANDO: A partir de 15 de junho (preço de 2016)
QUEM LEVA: New Age
QUANTO: R$ 4 305
COM SÃO LUÍS UPSCALE
Das cinco noites, três são no único quatro-estrelas de São Luís, o Hotel Luzeiros, e duas em Barreirinhas, no resort midscale Porto Preguiças, localizado na beira do mais famoso rio da região. O hotel tem piscina convencional e, sucesso entre os hóspedes, uma outra com fundo de areia. Inclui city tour em São Luís, visita aos Lençóis e passeio de lancha.
QUANDO: A partir de junho (preço de 2016)
QUEM LEVA: Pomptur
QUANTO: R$ 2 649
SÃO LUÍS DE BRINDE
O combo São Luís e Barreirinhas é um clássico para quem quer conhecer os Lençóis e sentir um gostinho da cidade histórica. São duas noites na capital, no midscale Grand São Luís, e cinco na Encantes do Nordeste, pousada simples, mas entre as mais estruturadas de Barreirinhas. Inclui passeios guiados em 4x4 para desbravar as lagoas dos Lençóis e, de barco, pelo Rio Preguiças até o vilarejo de Atins.
QUANDO: Em 16 de julho (preço de 2016)
QUEM LEVA: Freeway
QUANTO: R$ 3 471
LENÇÓIS MARANHENSES – 7 NOITES – R$ 2 177 
Das sete noites de hospedagem no Maranhão, três são em São Luís e quatro em Barreirinhas. E o valor inclui circuitos pela Lagoa Bonita e a Lagoa Azul, dois passeios de lancha e city tour histórico em São Luís. 
Os valores dos pacotes publicados são por pessoa, com transporte aéreo e hospedagem em quarto duplo com café da manhã (exceções estão indicadas no texto) e podem sofrer alterações pela operadora sem aviso prévio. Embora todos os esforços de checagem tenham sido feitos, o portal viajeaqui não se responsabiliza por divergências ou incorreções. Consulte a disponibilidade dos pacotes com o agente de viagens. 
Criado em 1981 para proteger 155 mil hectares de dunas, rios, lagoas e manguezais, o Parque Nacional dos Lençóis Maranhenses tem uma das paisagens mais cênicas do Brasil
7 noites 
Quanto: R$ 2 177 por pessoa (preço de 2016)
Pagamento: R$ 653,10 de entrada (em dinheiro ou cheque) + 4 x R$ 380,97 no cartão ou R$ 544,25 + 4 x R$ 408,19 no cheque 
Quando: Saídas em 7, 14, 21 e 28 de julho 
Quem leva: A Ambiental (11/3818-4600, www.ambiental.tur.br)
Caminhar pelas dunas do Parque Nacional dos Lençóis Maranhenses, formadas pelos ventos que sopram do mar, é uma experiência inesquecível
MAIS SOBRE OS LENÇÓIS MARANHENSES
foto - ?
Paraíso escondido no Nordeste do Brasil, os Lençóis Maranhenses são um dos principais destinos turísticos do Maranhão.
foto - ?
Criado em 1981, o Parque Nacional dos Lençóis Maranhenses – com área total de 156,5 mil hectares – integra a Rota das Emoções. As dunas – comuns nessa região do país – são formadas pela força dos ventos, que criam uma paisagem única e alteram constantemente sua aparência. Nesse ‘deserto’ gigante é possível encontrar lagoas formadas pelo acúmulo de água das chuvas do primeiro semestre.
foto - ?
Um dos portais mais conhecidos dos Lençóis Maranhenses é a cidade de Barreirinhas, a 250 km de distância da capital maranhense. Bem estruturada para receber os visitantes, a cidade é cercada pelas águas escuras do rio Preguiças – que leva o nome por causa da presença do simpático bicho-preguiça. Para conhecer o roteiro, é preciso primeiro chegar a São Luís.
O transporte intermunicipal é uma alternativa para quem prefere fazer o passeio sem intermédio de agências: do Terminal Rodoviário da capital maranhense, saem diariamente ônibus até Barreirinhas. A passagem custa em média R$ 45 por pessoa.
Para se hospedar, há opções de apart hotéis, hotéis, pousadas e hotels, com diárias que variam entre R$ 160 e R$ 520, dependendo da categoria do estabelecimento.
foto - ?
Não existe nada comparável aos fascinantes Lençóis Maranhenses. O Pólo Parque dos Lençóis, situado no litoral oriental do Maranhão, envolve os municípios de Humberto de Campos, Primeira Cruz, Santo Amaro e Barreirinhas, este último sendo o principal portão de entrada para esta fantástica beleza natural.
Seu maior atrativo é o Parque Nacional dos Lençóis Maranhenses, às margens do Rio das Preguiças, no Maranhão. São 155 mil hectares de paisagem deslumbrante, cheio de altas dunas com até 40 metros de altura e lagoas de água doce, cujas águas variam entre os tons de verde e azul.
foto - ?
Os Lençóis Maranhenses assemelham-se um grande deserto, se não chovesse aqui 300 vezes mais do que no Saara africano. São estas águas que, aprisionadas entre as dunas, formam verdadeiros oásis tropicais, paradas obrigatórias para quem caminha nas dunas. Algumas lagoas chegam até a ter peixes.
As águas pluviais formam lagoas que se espalham em praticamente toda a área do parque formando uma paisagem inigualável, sendo um raro fenômeno geológico formado ao longo de milhares de anos através da ação da natureza.
As lagoas mais conhecidas são as chamadas Lagoa Azul e Lagoa Bonita, famosas pelo seu encantamento e condições de banho.
foto - ?
Durante todo o ano é possível visitar os lençóis maranhenses e encontrar lagoas para se banhar mas, como as lagoas se formam com o acúmulo da água da chuva, a falta de chuvas pode esvaziar algumas das lagoas dependendo do período do ano. Chove durante todo o primeiro semestre, de dezembro a junho, e as chuvas costumam terminar pouco antes do início das festas juninas, que inauguram o início da alta temporada no Maranhão. Existem dezenas de atrações no Parque dos Lençóis, para conhecer todas podem ser precisos até 7 dias de estadia, não se limite às principais lagoas, se quer mesmo aproveitar a viagem, faça todos os passeios, procure uma agência de passeios e aproveite! Mas se você tem pouco tempo, 2 dias são suficientes para conhecer o básico, como as duas lagoas Azul e Bonita.
foto - ?
foto - ?
VISITE OS LENÇÓIS MARANHENSES.
UM FENÔMENO GEOLÓGICO RARO QUE PERMITE UMA IMENSIDÃO DE AREIA BRANCA, PARECIDA COM UM DESERTO, OS LENÇÕES MARANHENSES RETEM A ÁGUA DA CHUVA, FORMANDO INÚMEROS LAGOS DE ÁGUA AZUL TURQUESA.
UM LOCAL AINDA PRESERVADO, QUE ENCANTA QUEM VÊ, EMOCIONA QUEM POR ELE ANDA E DEMONSTRA DE QUE A NATUREZA É CAPAZ.
SE VOCÊ NÃO CAMINHAR PELOS LENÇÓIS MARANHENSES, VOCÊ NÃO CONHECERÁ O PARAÍSO QUE EXISTE NA TERRA.
UM FENÔMENO GEOLÓGICO QUE VOCÊ SÓ VÊ NO MARANHÃO.
foto - ?
Estando em Barreirinhas, o turista não pode deixar de visitar a comunidade de Tapuio, onde se localiza a Casa de Farinha. O acesso é feito por lancha. Duzentas famílias habitam o local. A casa é compartilhada pelas famílias conforme a necessidade de cada uma, e a maior parte da produção é para o consumo próprio – atendendo a um costume de vários anos. No ambiente, o visitante conhece e vive a experiência de todas as etapas de produção da famosa farinha-d’água.
foto - ?

Por - Otávio Rodrigues (viagem e turismo - viajeaqui.abril.com.br)

OBRIGADO POR VIAJAR COM A GENTE


VALEU PELA VISITA

fonte dos textos e fotos: Wikipédia / Thymonthy Becker / viajeaqui.abril.com.br / Divulgação / 

Comentários

Páginas que receberam mais visitas

BAEPENDI, MINAS GERAIS - A terra de "Nhá Chica". Baependi é um convite para se deslumbrar com as mais de cinqüenta cachoeiras que cercam a cidade. Na natureza preservada no município estão cerca de 40% do parque ecológico do papagaio, é local ideal para fazer trilhas e acampar em paradisíacos lugares. Baependi é uma das poucas cidades que podem ser visitadas durante qualquer época do ano, sem se preocupar com a programação que irá encontrar pois, o verão é bem definido, sendo um convite para se deslumbrar com as mais de cinqüenta cachoeiras que cercam a cidade e o inverno pouco chuvoso propicia inúmeras opções para enfrentar trilhas e acampar em paradisíacos lugares. A religiosidade ocupa lugar de destaque como um dos fatores que mais atraem os visitantes, uma vez que Baependi foi o lugar onde a serva de Deus, Nhá Chica, concedeu suas graças, hoje em dia inúmeras romarias de diversas partes do país têm como destino o Santuário de Nhá Chica, onde também se encontram seus restos mortais.

COLORADO, RIO GRANDE DO SUL - Será que tem gremista em Colorado? Claro que tem. Colorado é uma pequena cidade do Alto Jacuí. Fundada por imigrantes italianos e alemães. O município tem como base da economia a produção agrícola. Cenários de belezas, cores e aromas que seduzem os turistas. Cenários de belezas, cores e aromas que seduzem os turistas

REPRESA DE FURNAS, SÃO JOSÉ DA BARRA, MINAS GERAIS - No dia 9 de janeiro de 1963 o túnel que desviou o curso do rio Grande para a construção da Usina de Furnas foi fechado e as águas que formaram um dos maiores reservatórios do mundo, criou praias, formou cânions e cachoeiras, inundou vilarejos e mudou para sempre a história dos 34 municípios que ficam ao longo dos 1.440 km2 de extensão do Lago de Furnas. Destes, Capitólio se destaca por oferecer as melhores opções de serviços e infraestrutura turística. Os passeios náuticos, os esportes aquáticos, a pesca esportiva e a exuberância natural são pontos fortes da região, que abrange também parte do Parque Nacional da Serra da Canastra, onde nasce o Rio São Francisco, o "Velho Chico". O Lago de Furnas, também conhecido como "O MAR DE MINAS", é quatro vezes maior que a Baía de Guanabara, no Rio de Janeiro.

BRASÍLIA, DF, BRASIL - Brasília é formada por gente de todos os lugares, todas as idades e de muitas gerações. É uma mistura de sotaques do Nordeste, Sudeste, Norte e Sul do país e até de estrangeiros. Por conta de seu rápido crescimento, já é a quarta cidade mais populosa do país. A maioria dos moradores, 52%, é mulher e tem em média 30 anos. Os primeiros habitantes que chegaram a Brasília vieram, principalmente, atraídos pelos empregos na construção civil e ajudaram na construção da capital. Eles eram chamados de candangos e aqui construíram e criaram famílias. Desses, surgiram os “brasilienses”, o gentílico usado para quem nasceu aqui e adotado por quem veio de fora e assumiu a cidade como sua.

TOMBOS, MINAS GERAIS - Na cachoeira três tombos, verdadeira obra da natureza de imensurável beleza que constitui um cartão postal da cidade com 62 metros de altura. A Gruta Pedra Santa localizada no distrito de Catuné, uma obra construída pela própria natureza. Ao longo do tempo a grande pedra foi desintegrando-se e formou-se um grande salão, onde ergueu-se a capela em Honra a Nossa Senhora de Lourdes. Praças diversas, museu municipal que funciona na antiga estação ferroviária, usina hidrelétrica de Tombos e os dois distritos “Catuné” e “Água Santa” valem uma visita à cidade de Tombos

IGATU, ANDARAÍ, BAHIA - Eh uma verdadeira cidade de pedra. "Sagrada" pra quem viveu lá durante o auge do ciclo do diamante. O trajeto até a vila já é uma atração: a estrada de acesso pela BA-142 é cheia de mirantes naturais. Ao chegar, a impressão é de ter voltado no tempo, quando igatu era chamada de Xique Xique e famosa pela extração de diamantes. Hoje não há farmácias, o hospital mais próximo fica em Andaraí, a 12 km. Em outros tempos quem diria? Cabarés, cassinos, lojas, cadeia, cartório, cinema...

RIO DE JANEIRO, BRASIL - Do primeiro ao último minuto do ano, não falta o que fazer, o que visitar e o que rever no Estado do Rio de Janeiro, que não por acaso ostenta o rótulo de Maravilhoso. Além das praias e de seus outros dois ícones geográficos – o Corcovado e o Pão de Açúcar – o Rio vem ganhando uma série de atrativos culturais e gastronômicos. Quem deixa a capital e percorre o litoral fluminense encontra praias de beleza raríssima. Ao norte, na Região dos Lagos, estão as dunas de Cabo Frio, as águas translúcidas e frias de Arraial do Cabo, boas para mergulho, a badalação de Búzios e as trilhas rurais de Rio das Ostras. De frente para a Baía da Guanabara, Niterói mostra que a vista para a cidade do Rio não é o único atrativo. Além de oferecer, na sua face voltada para o alto mar, trechos de areia ideais para quem quiser fugir do agito de Ipanema e Copacabana, o município começa a explorar o legado das construções assinadas por Oscar Niemeyer, entre elas o famoso Museu de Arte Contemporânea.

GRAMADO, RIO GRANDE DO SUL - Faltava neve à Gramado para que ela assumisse de vez o título de “Suíça brasileira”. Não falta mais: o Snowland, primeiro parque de neve artificial indoor das Américas, trouxe esportes de inverno à cidade, que já era famosa pelas construções enxaimel (aquelas de paredes esquadrinhadas com tirantes de madeira), pelas fondues nos bons restaurantes suíços e pelo climinha gostoso da Serra Gaúcha.

CAMPO BELO, MINAS GERAIS - A primeira cidade do Brasil a ter um time de Rugby (Campo Belo Rugby - CBR) A cidade tem paisagens deslumbrantes com campos a perder de vista. Ideal para a prática de esportes de aventura, ecoturismo, esportes náuticos com várias cachoeiras, praias de água doce além da tradicional e boa comida mineira. Uma cidade tranquila, acolhedora com boas opções para hospedagem

SERRA DO NAVIO, AMAPÁ - A História da Serra do Navio remonta aos anos 1950. A região era rica em manganês e outros minérios. Por isso, a brasileira ICOMI, com sede em Belo Horizonte e atuação em Minas Gerais, foi escolhida para explorar o minério e construir a vila operária, que daria origem à cidade de Serra do Navio. Cada vila tinha 330 casas, prédios coletivos (escolas, hospitais, refeitórios), abrigando até 1.500 pessoas, entre trabalhadores e familiares. Tinha ruas largas, postes de concreto para a fiação elétrica e telefônica, calçadas, parques, clubes com piscina, quadras esportivas, restaurante e lanchonete, drenagem de águas das chuvas e tratamento de água e esgoto. Todas as casas tinham mais de 90m² e contavam com saneamento e energia elétrica, proveniente de geradores da ICOMI.