Pular para o conteúdo principal

VILA FLORES, RIO GRANDE DO SUL - A cidade de Vila Flores eh conhecida por ser uma referência na gastronomia italiana, com várias opções de cafés e restaurantes. Além do tradicional vinho para acompanhamento. Vila Flores está localizada a 180 km de Porto Alegre, entre os municípios de Veranópolis e Nova Prata, na Serra Gaúcha. Terra da fé, pão e vinho. Com sua hospitalidade recebe a todos com simplicidade e com atrativos que oferecem vivências inesquecíveis como as experimentadas no Filó Italiano




CONHEÇA A CIDADE DE "VILA FLORES", RIO GRANDE DO SUL, BRASIL - OLHANDO DA JANELA DO TREM
A cidade de Vila Flores eh conhecida por ser uma referência na gastronomia italiana, com várias opções de cafés e restaurantes. Além do tradicional vinho para acompanhamento. Vila Flores está localizada a 180 km de Porto Alegre, entre os municípios de Veranópolis e Nova Prata, na Serra Gaúcha. (Prefeitura Municipal)
No setor agropecuário destacamos a criação de frangos e suínos, além da produção leiteira e hortifrutigranjeira. Também tem destaque a produção de cerâmica e extração de basalto. Começam também a despontar no município, o setor de cultivo e comércio de mudas e flores , com instalação de novos empreendimentos e as agroindústrias de massas, bolachas e conservas finas. (Portal: Uva e Vinho)
terra da fé, pão e vinho. Com sua hospitalidade recebe a todos com simplicidade e com atrativos que oferecem vivências inesquecíveis como as experimentadas no Filó Italiano. Nos estabelecimentos de gastronomia pode-se saborear as deliciosas receitas elaboradas por mãos que trazem consigo a história de muitas gerações. No lazer e entretenimento em cenários temáticos, pode-se descansar em espaços que encantam. O artesanato de Vila Flores encanta pela beleza revelada na habilidade de quem o produz. Venha sentir, experimentar e vivenciar Vila Flores. (Secretaria de turismo do Rio Grande do Sul)
ATELIER L’ARTE CECCATO EM VILA FLORES, RS
Momentos de descontração. Onde a artesã procura compartilhar o seu dia a dia: contanto histórias, demonstrando a sua habilidade em produzir objetos com argila e explicando o relógio medicinal. Isso tudo regado a chás, lanches e muita tranqüilidade, num ambiente bonito e acolhedor (Visitação acompanhada)
Horário de Funcionamento: Sob agendamento.
Contato: Telefone: 54 3447-1261 
(Fonte: Secretaria de Turismo do Rio Grande do Sul)
CASA DO ARTESÃO PIETRO CHRISTIANETTI EM VILA FLORES, RS
Quem chega na Casa do Artesão depara-se com diversas opções de artesanato, para todas as idades, que são herança revelada de mão a mão, a qual demonstra a expressão de uma tradição e a diversidade da cultura, como por exemplo, palhas de milho, de trigo, fuxico, crochê, bordados, dentre outros. Horário de Funcionamento: De terça à sábado das 8h às 11h30 - 13h às 17h.
Contato:Telefone: 54 3447-1051
(Fonte: Secretaria de Turismo do Rio Grande do Sul)
VILLA DO PÃO EM VILA FLORES, RS
A Família Fiori, buscou em suas raízes, a história da culinária de seus antepassados, que viviam na região montanhosa da Toscana. Essas receitas, somadas aos saberes e fazeres mantidos e vivenciados pelos seus descendentes, que moram em Vila Flores, deram origem aos produtos que hoje são oferecidos na venda da Villa do Pão. 
Horário de Funcionamento: De segunda à sábado, aos domingos somente pela manhã.
Contato:Telefone: 54 3447-1624
(Fonte: Secretaria de Turismo do Rio Grande do Sul / Kelly Pelisser)
ROTA DA UVA E VINHO EM VILA FLORES, RS
A rota retrata a saga dos imigrantes italianos, juntamente com as demais que colonizaram a região. A rota Uva e Vinho apresenta cenários que lembram lindas imagens européias. A Uva, o Vinho e a diversificada gastronomia são encontrados nos hotéis, pousadas, restaurantes, cantinas, vinícolas e adegas de toda a região. (Rodosoft tecnologia)

Capela da Pousada Capuchinhos (Kelly Pelisser)
Casarão (Prefeitura Municipal)
Gastronomia da Pousada Capuchinhos (Prefeitura Municipal)
Estação Ferroviária (Prefeitura Municipal)
Ferrovia sobre o Rio Pratinha (Prefeitura Municipal)
Igreja de Pedra (Prefeitura Municipal)
Entono do Atelier (Prefeitura Municipal)
Igreja Matriz De Santo Antônio (Prefeitura Municipal)
Praça da Igreja Matriz (Prefeitura Municipal)
Praça da Matriz (TripAdvisor)
Ponte da ferrovia (Ricardo Bresan)
Sobre o Rio da Prata (Prefeitura Municipal)
Pousada Capuchinhos (Kelly Pelisser)
Sede da Prefeitura Municipal (Prefeitura Municipal)
Representações de São Francisco no Atelier (Kelly Pelisser)
Torre (Flávio Comin)
Praça da Torre (Flávio Comin)
Vista aérea (Prefeitura Municipal)
Praça (Prefeitura Municipal)
Parcial (Portal: Uva e Vinho)
Entrada (Portal: Melhor da Serra Gaúcha)
Avenida central (Prefeitura Municipal)
Vista parcial (Prefeitura Municipal)
Vila do Pão (Secretaria de Turismo do Rio Grande do Sul)
DADOS GERAIS DA CIDADE DE VILA FLORES, RIO GRANDE DO SUL
Código do Município - 4323309
Gentílico - vila-florense
Prefeito 2017 / VILMOR CARBONERA
População estimada [2017] - 3.382 pessoas 
População no último censo [2010] - 3.207 pessoas 
Densidade demográfica [2010] - 29,72 hab/km² 
Salário médio mensal dos trabalhadores formais [2015] - 2,5 salários mínimos 
Pessoal ocupado [2015] - 1.368 pessoas 
População ocupada [2015] - 40,7 % 
Área da unidade territorial [2016] - 107,819 km² 
Esgotamento sanitário adequado [2010] - 61,1 % 
Arborização de vias públicas [2010] - 43,1 % 
Urbanização de vias públicas [2010] - 32,2 % 
POSIÇÃO GEOGRÁFICA DA CIDADE DE VILA FLORES NO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL
HISTÓRICO DA CIDADE DE VILA FLORES, RIO GRANDE DO SUL
História
O Rio Grande do Sul, inicialmente denominado de Continente de São Pedro era habitado por indígenas. Com a crescente penetração de pessoas que tinham por objetivo a exploração de riquezas e a ocupação de terras surgiram as primeiras povoações. 
A partir de 1830, todo o território desta região pertencia ao município de Santo Antônio da Patrulha, o qual era ligado à capital por uma estrada geral. Neste percurso os fazendeiros abriam picadas e caminhos, e consequentemente, pequenos núcleos de pessoas. 
O excesso de pretendentes nas colônias Conde d Eu e Dona Izabel, obrigou a inspetoria geral de colonização a planejar a criação de novas colônias. Exemplo disso foi a Colônia de Alfredo Chaves instalada, em 1884, num local conhecido como Roça Reiuna. 
O objetivo do governo era povoar as regiões que ainda não eram colonizadas e, com recursos do governo imperial, foi criada a Colônia de Alfredo Chaves sob direção do Engenheiro Dr. Júlio da Silva Oliveira – primeiro administrador chefe designado pelo Governo Imperial – que na chefia da Comissão Colonizadora iniciou a demarcação das terras e providenciou o estabelecimento dos primeiros imigrantes, auxiliado por um ajudante de ordem, quatro agrimensores, um escriturário e um colocador de imigrantes. 
Segundo Longhi e Rigo, a posição geográfica da nova colônia e a riqueza do solo davam muita esperança e, apesar da distância e do isolamento, desenvolveram um progresso rápido e surpreendente. 
Por volta de 1884 surge a capela de Santo Antônio de Pádua com a construção de algumas casas. A posição intermediária entre Alfredo Chaves e Capoeiras, permitiu que se tornasse um local de descanso para pouso e refeição dos carreteiros que ali passavam. Este local com o tempo passou a denominar-se Pinheiro Seco, devido ao fato de um pinheiro resistir as labaredas provocadas pelas queimadas para o plantio do milho. 
Em 15-01-1898, a Colônia de Alfredo Chaves, atual Veranópolis, desmembrou-se de Lagoa Vermelha e é elevada a categoria de município, abrangendo monte Vêneto (Cotiporã), Bela Vista (Fagundes Varela), Pinheiro Seco (Vila Flores) e Capoeira (Nova Prata). 
Em 1920 Pinheiro Seco passa denominar-se Vila Flores, em homenagem a família Fiori, uma das primeiras famílias que ali se estabeleceram, iniciando diversos negócios.
ESTE EH O BRASÃO DA CIDADE DE VILA FLORES, RIO GRANDE DO SUL
Fonte dos textos e fotos: IBGE / Thymonthy Becker / Wikipédia / Charlie Styforlamber / Governo de Vila Flores, RS / serragaucha.com / turismo.rs.gov.br / rodosoft.com.br / 


VALEU POR VIAJAR COM A GENTE - SEMPRE VOLTE


Comentários

Páginas que receberam mais visitas

BAEPENDI, MINAS GERAIS - A terra de "Nhá Chica". Na natureza preservada no município estão cerca de 40% do parque ecológico do papagaio, é local ideal para fazer trilhas e acampar em paradisíacos lugares. Baependi é uma das poucas cidades que podem ser visitadas durante qualquer época do ano, sem se preocupar com a programação que irá encontrar pois, o verão é bem definido, sendo um convite para se deslumbrar com as mais de cinqüenta cachoeiras que cercam a cidade e o inverno pouco chuvoso propicia inúmeras opções para enfrentar trilhas e acampar em paradisíacos lugares

COLORADO, RIO GRANDE DO SUL - Colorado é uma pequena cidade do Alto Jacuí. Fundada por imigrantes italianos e alemães. O espetáculo, belezas naturais, cores, aromas que seduzem à primeira vista. O município tem como base da economia a produção agrícola. A região possui uma relação muito próxima com as águas e com a geração de energia elétrica, a partir da formação do maior lago artificial do Estado – os Alagados do Passo Real e da Barragem de Ernestina. Bonitas e agradáveis, as cidades proporcionam atrações diversificadas, eventos, muitas festas, gastronomia, artesanato.

REPRESA DE FURNAS, SÃO JOSÉ DA BARRA, MINAS GERAIS - No dia 9 de janeiro de 1963 o túnel que desviou o curso do rio Grande para a construção da Usina de Furnas foi fechado e as águas que formaram um dos maiores reservatórios do mundo, criou praias, formou cânions e cachoeiras, inundou vilarejos e mudou para sempre a história dos 34 municípios que ficam ao longo dos 1.440 km2 de extensão do Lago de Furnas que abrange também parte do Parque Nacional da Serra da Canastra. O Lago de Furnas, também conhecido como "O MAR DE MINAS", é quatro vezes maior que a Baía de Guanabara, no Rio de Janeiro

BRASÍLIA, DF, BRASIL - Brasília é formada por gente de todos os lugares, todas as idades e de muitas gerações. É uma mistura de sotaques do Nordeste, Sudeste, Norte e Sul do país e até de estrangeiros. Por conta de seu rápido crescimento, já é a quarta cidade mais populosa do país. A maioria dos moradores, 52%, é mulher e tem em média 30 anos. Os primeiros habitantes que chegaram a Brasília vieram, principalmente, atraídos pelos empregos na construção civil e ajudaram na construção da capital. Eles eram chamados de candangos e aqui construíram e criaram famílias

TOMBOS, MINAS GERAIS - Na cachoeira três tombos, verdadeira obra da natureza de imensurável beleza que constitui um cartão postal da cidade com 62 metros de altura. A Gruta Pedra Santa localizada no distrito de Catuné, uma obra construída pela própria natureza. Ao longo do tempo a grande pedra foi desintegrando-se e formou-se um grande salão, onde ergueu-se a capela em Honra a Nossa Senhora de Lourdes. Praças diversas, museu municipal que funciona na antiga estação ferroviária, usina hidrelétrica de Tombos e os dois distritos “Catuné” e “Água Santa” valem uma visita à cidade de Tombos

IGATU, ANDARAÍ, BAHIA - Eh uma verdadeira cidade de pedra. "Sagrada" pra quem viveu lá durante o auge do ciclo do diamante. O trajeto até a vila já é uma atração: a estrada de acesso pela BA-142 é cheia de mirantes naturais. Ao chegar, a impressão é de ter voltado no tempo, quando igatu era chamada de Xique Xique e famosa pela extração de diamantes. Hoje não há farmácias, o hospital mais próximo fica em Andaraí, a 12 km. Em outros tempos quem diria? Cabarés, cassinos, lojas, cadeia, cartório, cinema...

SERRA DO NAVIO, AMAPÁ - A História da Serra do Navio remonta aos anos 1950. A região era rica em manganês e outros minérios. Por isso, a brasileira ICOMI, com sede em Belo Horizonte e atuação em Minas Gerais, foi escolhida para explorar o minério e construir a vila operária, que daria origem à cidade de Serra do Navio. Cada vila tinha 330 casas, prédios coletivos (escolas, hospitais, refeitórios), abrigando até 1.500 pessoas, entre trabalhadores e familiares. Tinha ruas largas, postes de concreto para a fiação elétrica e telefônica, calçadas, parques, clubes com piscina, quadras esportivas, restaurante e lanchonete, drenagem de águas das chuvas e tratamento de água e esgoto. Todas as casas tinham mais de 90m² e contavam com saneamento e energia elétrica, proveniente de geradores da ICOMI.

RIO DE JANEIRO, BRASIL - Do primeiro ao último minuto do ano, não falta o que fazer, o que visitar e o que rever no Estado do Rio de Janeiro, que não por acaso ostenta o rótulo de Maravilhoso. Além das praias e de seus outros dois ícones geográficos – o Corcovado e o Pão de Açúcar – o Rio vem ganhando uma série de atrativos culturais e gastronômicos. Quem deixa a capital e percorre o litoral fluminense encontra praias de beleza raríssima. Ao norte, na Região dos Lagos, estão as dunas de Cabo Frio, as águas translúcidas e frias de Arraial do Cabo, boas para mergulho, a badalação de Búzios e as trilhas rurais de Rio das Ostras

GRAMADO, RIO GRANDE DO SUL - Faltava neve à Gramado para que ela assumisse de vez o título de “Suíça brasileira”. Não falta mais: o Snowland, primeiro parque de neve artificial indoor das Américas, trouxe esportes de inverno à cidade, que já era famosa pelas construções enxaimel (aquelas de paredes esquadrinhadas com tirantes de madeira), pelas fondues nos bons restaurantes suíços e pelo climinha gostoso da Serra Gaúcha.

CAMPO BELO, MINAS GERAIS - A primeira cidade do Brasil a ter um time de Rugby (Campo Belo Rugby - CBR) A cidade tem paisagens deslumbrantes com campos a perder de vista. Ideal para a prática de esportes de aventura, ecoturismo, esportes náuticos com várias cachoeiras, praias de água doce além da tradicional e boa comida mineira. Uma cidade tranquila, acolhedora com boas opções para hospedagem