Pular para o conteúdo principal

ROTEIRO DE CINCO DIAS PELO VALE DO ITAJAÍ, SANTA CATARINA - A região em que imigrantes alemães e italianos escolheram para fincar suas raízes tem boas compras e belezas que vão além do Rio Itajaí-Açu. O verão é a época do ano em que Santa Catarina ferve de turistas. Todos buscando um lugar ao sol – de Passo de Torres até Itapoá. Se você está viajando pelo estado e quer dar um tempo de costa, sem fugir muito dela, que tal um roteiro pelo Vale do Itajaí? Para não ter que trocar de hotel diariamente, Blumenau pode ser usada como base.




CONHEÇA O "ROTEIRO DE CINCO DIAS" PELO VALE DO ITAJAÍ, SANTA CATARINA, BRASIL - DA JANELA DO TREM
A região em que imigrantes alemães e italianos escolheram para fincar suas raízes tem boas compras e belezas que vão além do Rio Itajaí-Açu 
O verão é a época do ano em que Santa Catarina ferve de turistas. Todos buscando um lugar ao sol – de Passo de Torres até Itapoá. Se você está viajando pelo estado e quer dar um tempo de costa, sem fugir muito dela, que tal um roteiro pelo Vale do Itajaí? Para não ter que trocar de hotel diariamente, Blumenau pode ser usada como base. 
(Por Fernando leite)
DIA 1 – BLUMENAU, SC
Não tem segredo, a melhor forma de adaptação é calçar um pisante confortável e sair caminhando pelas ruas XV de Novembro e Avenida Presidente Castelo Branco. Enquanto passa pelas construções enxaimel e pela Catedral São Paulo Apóstolo com sua portentosa torre de tijolinhos, o sotaque carregadamente germânico entranha em nossas mentes. O Rio Itajaí-Açu serpenteando o centrinho, forçando muuiittoo a barra, até nos faz lembrar o Rio Reno. A caminhada matinal pode terminar no simples, mas bem organizado Museu da Cerveja (falaremos muito sobre esse tema durante o roteiro). 
A fome bateu e para matar dois coelhos com uma só cajadada, siga rumo ao Parque Vila Germânica, palco da Oktoberfest e que nos outros 11 meses do ano é uma réplica de uma vila alemã com lojinhas e restaurantes típicos a servir o marreco recheado. 
Força motriz da economia blumenauense, a indústria têxtil não pode ficar de fora. A responsável principal atende pelo nome Hering. Em sua loja de fábrica, encontra-se bons descontos nas roupas, especialmente nas peças com pequenos defeitos. Ao lado, o interativo Museu Hering mostra a evolução da fábrica desde 1880. 
Para fechar o dia, uma cervejaria. Gostaria de falar artesanal, mas a Eisenbahn já superou esse rótulo ao ser adquirida por uma grande cervejaria nacional. Ainda assim seu bar de fábrica produz um ótimo canapé de linguiça Blumenau e, por um vidro, podemos ver a fábrica. Afastada da cidade, no bairro de Itoupava Central, a Bierland, essa sim, bem artesanal, produz 12 cervejas e quatro chopes. 
DIA 2 – NOVA TRENTO E BRUSQUE, SC
Programe seu despertador para as primeiras horas da manhã, o dia será bem intenso. A começar pelo deslocamento de 72 km até Nova Trento, passando por estradas movimentadas. Duas horas é o suficiente para conhecer o Santuário Santa Paulina, construído em homenagem a Amabile Lucia Vistainer, ou Madre Paulina, nossa única santa. Na chegada, já impressiona o templo em formado de chapéu de freira, com capacidade para 3000 pessoas. Para observá-lo de frente, pegue o teleférico que vai até o mirante do Parque Colina, bem em frente. Uma forma bacana de conhecer a vida da santa é visitar o Cenário Vivo da Vida de Santa Paulina, com passagens em miniaturas. 
Na estrada de acesso ao Santuário, você passará por várias lojas com degustação de vinhos coloniais. Muito tentador, mas é preciso uma dose de coragem e muita fé na santa. 
Após comer um marreco recheado no Schumacher, na pequenina Guabiruba, não há lugar melhor para fazer a digestão, senão nas lojas e shoppings de roupas de Brusque. Na Rodovia Antônio Heil, que segue para Itajaí, estão a icônica Havan, a FIP e a Stop Shop. Voltando para Blumenau, na Rodovia Ivo Silveira, quem manda são os grandes shoppings atacadistas: Catarina e Master. 
O formato do chapéu de freira é a marca registrada do Santuário Madre Paulina (foto: Jessé Rocha Tavares/Wikimedia Commons)
DIA 3 – POMERODE, SC
Já acostumado com o sotaque e com alguns termos germânicos, você está preparado para Pomerode, o menor deslocamento da viagem, com 32 km. Trafegando pela SC-421 e se deparando com aquele monte de fábricas, o cenário não é dos mais animadores, tanto que hoje Pomerode tem um público executivo que supera o turístico. 
As coisas melhoram – e bem – no centrinho da cidade, agora sim parecendo um pedaço do interior da Alemanha. A grande concentração de construções enxaimel está no bairro de Testo Alto, a 8 km sentido Jaraguá do Sul: em uma estradinha de chão com 16 km espalham-se 50 casas que preservam a memória da colonização alemã. 
De volta ao Centro, o terceiro zoológico mais antigo do país é um programa bem família. Quase ao lado, uma chaminé de 30 m simboliza a Cervejaria Schornstein, que pode ser visitada com agendamento. 
A fome bateu? Se mande para a Torten Paradies: até 14h, bufê tradicional. Depois disso, café colonial. Antes de voltar para Blumenau, que tal fazer umas comprinhas. Tem o artesanato típico da Wundervelt, os chocolates com 80% de cacau da Nugali ou as boas ofertas da Porcelanas Schmidt. 
Bem-vindo a Pomerode, a cidade com maior concentração de construções enxaimel no Brasil (foto: JLes/Wikimedia Commons)
DIA 4 – BENEDITO NOVO E DOUTOR PEDRINHO, SC
Chegou o dia de curtir cachoeiras e, assim como no segundo dia, acordar cedo é fundamental. Vamos deixar a cidade mais longe como primeiro destino. 
A partir de Timbó, sobe-se 36 km por uma estrada estreita e íngreme para chegar no chamado Médio Vale do Itajaí. 
Lá em cima, os arrozais significam que você se aproxima de Doutor Pedrinho. Uma vez no centrinho, pegue uma estrada de terra e, em 10 minutos, você estará na Cachoeira Véu de Noiva. Quer dizer, quase lá, ainda faltam 20 minutos de caminhada até alcançar a forte queda. 
Na ida, você passou por Benedito Novo. Hora de explorar sua principal atração: o Salto do Zinco. Leve o termo “explorar” ao pé da letra, são 21 km em estrada de terra, mais 40 minutos de caminhada até a cachoeira de 76 metros. Não dá para tomar banho nela, mas a vista compensa e há uma queda menor próxima dali para esse intuito. 
Em meio aos arrozais, a Cachoeira Véu de Noiva, em Doutor Pedrinho (foto: Dpedrinho/Wikimedia Commons)
DIA 5 – RODEIO, ASCURRA, APIÚNA E RIO DO SUL, SC
Finalizando o roteiro, dia reservado para o Alto Vale do Itajaí. Que gosta de esportes de aventura, não pode perder o rafting no Rio Itajaí-Açu, em Apiúna, um dos melhores locais para a prática do esporte no Brasil, em uma descida que reserva um sem número de corredeiras e que pode ser feita até por iniciantes – basta ter 1,20 m de altura. 
Não quer saber de fortes emoções? Sem problemas, passeie pelas pequenas Rodeio e Ascurra, no momento colonização italiana da viagem. O Circulo Trentini di Rodeio tem um museu sobre a história da região. Na área rural, o Vale das Trutas serve o peixe fresquíssimo. 
BR-470 avante e acima, Rio do Sul é famosa pela produção de jeans. Nem é preciso sair da estrada para visitar lojas e shoppings a vender peças a preços bem camaradas.
Muita emoção no rafting do Rio Itajaí-Açu (foto: divulgação/Ativa Rafting e Aventuras)

VALEU PELA VISITA - SEMPRE VOLTE



Fonte dos textos e fotos: viagemeturismo.abril.com.br / Thymonthy Becker / 
Esta postagem saiu primeiro no site "Viagem"

Comentários

Páginas que receberam mais visitas

BAEPENDI, MINAS GERAIS - A terra de "Nhá Chica". Na natureza preservada no município estão cerca de 40% do parque ecológico do papagaio, é local ideal para fazer trilhas e acampar em paradisíacos lugares. Baependi é uma das poucas cidades que podem ser visitadas durante qualquer época do ano, sem se preocupar com a programação que irá encontrar pois, o verão é bem definido, sendo um convite para se deslumbrar com as mais de cinqüenta cachoeiras que cercam a cidade e o inverno pouco chuvoso propicia inúmeras opções para enfrentar trilhas e acampar em paradisíacos lugares

COLORADO, RIO GRANDE DO SUL - Colorado é uma pequena cidade do Alto Jacuí. Fundada por imigrantes italianos e alemães. O espetáculo, belezas naturais, cores, aromas que seduzem à primeira vista. O município tem como base da economia a produção agrícola. A região possui uma relação muito próxima com as águas e com a geração de energia elétrica, a partir da formação do maior lago artificial do Estado – os Alagados do Passo Real e da Barragem de Ernestina. Bonitas e agradáveis, as cidades proporcionam atrações diversificadas, eventos, muitas festas, gastronomia, artesanato.

REPRESA DE FURNAS, SÃO JOSÉ DA BARRA, MINAS GERAIS - No dia 9 de janeiro de 1963 o túnel que desviou o curso do rio Grande para a construção da Usina de Furnas foi fechado e as águas que formaram um dos maiores reservatórios do mundo, criou praias, formou cânions e cachoeiras, inundou vilarejos e mudou para sempre a história dos 34 municípios que ficam ao longo dos 1.440 km2 de extensão do Lago de Furnas que abrange também parte do Parque Nacional da Serra da Canastra. O Lago de Furnas, também conhecido como "O MAR DE MINAS", é quatro vezes maior que a Baía de Guanabara, no Rio de Janeiro

BRASÍLIA, DF, BRASIL - Brasília é formada por gente de todos os lugares, todas as idades e de muitas gerações. É uma mistura de sotaques do Nordeste, Sudeste, Norte e Sul do país e até de estrangeiros. Por conta de seu rápido crescimento, já é a quarta cidade mais populosa do país. A maioria dos moradores, 52%, é mulher e tem em média 30 anos. Os primeiros habitantes que chegaram a Brasília vieram, principalmente, atraídos pelos empregos na construção civil e ajudaram na construção da capital. Eles eram chamados de candangos e aqui construíram e criaram famílias

TOMBOS, MINAS GERAIS - Na cachoeira três tombos, verdadeira obra da natureza de imensurável beleza que constitui um cartão postal da cidade com 62 metros de altura. A Gruta Pedra Santa localizada no distrito de Catuné, uma obra construída pela própria natureza. Ao longo do tempo a grande pedra foi desintegrando-se e formou-se um grande salão, onde ergueu-se a capela em Honra a Nossa Senhora de Lourdes. Praças diversas, museu municipal que funciona na antiga estação ferroviária, usina hidrelétrica de Tombos e os dois distritos “Catuné” e “Água Santa” valem uma visita à cidade de Tombos

IGATU, ANDARAÍ, BAHIA - Eh uma verdadeira cidade de pedra. "Sagrada" pra quem viveu lá durante o auge do ciclo do diamante. O trajeto até a vila já é uma atração: a estrada de acesso pela BA-142 é cheia de mirantes naturais. Ao chegar, a impressão é de ter voltado no tempo, quando igatu era chamada de Xique Xique e famosa pela extração de diamantes. Hoje não há farmácias, o hospital mais próximo fica em Andaraí, a 12 km. Em outros tempos quem diria? Cabarés, cassinos, lojas, cadeia, cartório, cinema...

SERRA DO NAVIO, AMAPÁ - A História da Serra do Navio remonta aos anos 1950. A região era rica em manganês e outros minérios. Por isso, a brasileira ICOMI, com sede em Belo Horizonte e atuação em Minas Gerais, foi escolhida para explorar o minério e construir a vila operária, que daria origem à cidade de Serra do Navio. Cada vila tinha 330 casas, prédios coletivos (escolas, hospitais, refeitórios), abrigando até 1.500 pessoas, entre trabalhadores e familiares. Tinha ruas largas, postes de concreto para a fiação elétrica e telefônica, calçadas, parques, clubes com piscina, quadras esportivas, restaurante e lanchonete, drenagem de águas das chuvas e tratamento de água e esgoto. Todas as casas tinham mais de 90m² e contavam com saneamento e energia elétrica, proveniente de geradores da ICOMI.

RIO DE JANEIRO, BRASIL - Do primeiro ao último minuto do ano, não falta o que fazer, o que visitar e o que rever no Estado do Rio de Janeiro, que não por acaso ostenta o rótulo de Maravilhoso. Além das praias e de seus outros dois ícones geográficos – o Corcovado e o Pão de Açúcar – o Rio vem ganhando uma série de atrativos culturais e gastronômicos. Quem deixa a capital e percorre o litoral fluminense encontra praias de beleza raríssima. Ao norte, na Região dos Lagos, estão as dunas de Cabo Frio, as águas translúcidas e frias de Arraial do Cabo, boas para mergulho, a badalação de Búzios e as trilhas rurais de Rio das Ostras

GRAMADO, RIO GRANDE DO SUL - Faltava neve à Gramado para que ela assumisse de vez o título de “Suíça brasileira”. Não falta mais: o Snowland, primeiro parque de neve artificial indoor das Américas, trouxe esportes de inverno à cidade, que já era famosa pelas construções enxaimel (aquelas de paredes esquadrinhadas com tirantes de madeira), pelas fondues nos bons restaurantes suíços e pelo climinha gostoso da Serra Gaúcha.

CAMPO BELO, MINAS GERAIS - A primeira cidade do Brasil a ter um time de Rugby (Campo Belo Rugby - CBR) A cidade tem paisagens deslumbrantes com campos a perder de vista. Ideal para a prática de esportes de aventura, ecoturismo, esportes náuticos com várias cachoeiras, praias de água doce além da tradicional e boa comida mineira. Uma cidade tranquila, acolhedora com boas opções para hospedagem