Pular para o conteúdo principal

FOZ DO IGUAÇU, PARANÁ - Quando estamos falando em turismo e mencionamos o nome da cidade de Foz do Iguaçu a primeira coisa que nos vem à cabeça são as cataratas do Iguaçu, uma das principais fontes de renda relacionadas ao turismo na cidade, mas Foz do Iguaçu também é conhecida por ser uma grande produtora de energia elétrica. A cidade conta ainda com um dos maiores parques hoteleiros do Brasil, além de um aeroporto internacional, sem contar a grande variedade de hotéis, restaurantes, bares, churrascarias e o maior Shopping Center do oeste paranaense, com uma área construída de aproximadamente 48 mil metros quadrados e mais de 140 lojas.




CONHEÇA A CIDADE DE FOZ DO IGUAÇU, PARANÁ, BRASIL - COMO SE ESTIVESSE NA JANELA DO TREM

Quando estamos falando em turismo e mencionamos o nome da cidade de Foz do Iguaçu a primeira coisa que nos vem à cabeça são as cataratas do Iguaçu, uma das principais fontes de renda relacionadas ao turismo na cidade, mas Foz do Iguaçu também é conhecida por ser uma grande produtora de energia elétrica. A cidade conta ainda com um dos maiores parques hoteleiros do Brasil, além de um aeroporto internacional, sem contar a grande variedade de hotéis, restaurantes, bares, churrascarias e o maior Shopping Center do oeste paranaense, com uma área construída de aproximadamente 48 mil metros quadrados e mais de 140 lojas.
Foz do Iguaçu é a segunda cidade do Brasil, mais visitada por turistas estrangeiros, no turismo de lazer. Os números que a cidade de Foz do Iguaçu vem colecionando nos últimos anos só alegram entidades municipais, estaduais, empresários e os demais players do setor de turismo da região.
Tendo ultrapassado a casa dos 1,7 milhões de turistas que passaram pelo Aeroporto Internacional das Cataratas do Iguaçu, a cidade acaba de ser eleita, pela ICCA (sigla internacional que em português significa Associação Internacional de Congressos e Convenções) a 4ª cidade mais procurada para eventos de negócios, perdendo apenas para as capitais Rio de Janeiro, São Paulo e Brasília.
Privilegiada por sua localização geográfica, fazendo divisa com os vizinhos Argentina e Paraguai e oferecendo ao mundo uma das 7 Novas Maravilhas da Natureza – as Cataratas do Iguaçu – a cidade de Foz do Iguaçu oferece uma série de atrativos para turistas de todo o mundo.
No Parque Nacional do Iguaçu, onde estão localizadas as mais de 275 quedas d’água das Cataratas, por exemplo, passaram mais de 1,5 milhões de turistas no fechamento do ano passado, 2012. Destes, quase meio milhão esteve também conhecendo a Usina Hidrelétrica de Itaipu, além do número considerável de turistas que passam ainda pelo Parque das Aves, Mesquita Muçulmana, Templo Budista, Refúgio Biológico e Ecomuseu, entre outra série de lugares possíveis de serem visitados na cidade e arredores.
Entre todos estes atrativos que Foz do Iguaçu oferece aos turistas, um evento em especial foi ganhando repercussão nacional e internacional e se consolidando como um ponto de encontro dos players do turismo da América Latina: o Festival de Turismo das Cataratas do Iguaçu, que acontece, há sete anos consecutivos em Foz do Iguaçu.
Além destes, ocorrem ainda: o VII Fórum Internacional de Turismo do Iguassu, que premia trabalhos de acadêmicos dos cursos de Turismo da região; a Mostra Regional de Produtos Sustentáveis, que reúne cooperativas, agricultores familiares e aldeias indígenas, que apresentam seus produtos; o Encontro de Negócios do Sebrae, que promove rodadas de negócios entre operadores e destinos brasileiros
MESQUITA MUÇULMANA EM FOZ DO IGUAÇU, PR
Entre os expositores e participantes do Festival de Turismo deste ano estão a rede hoteleira de Foz do Iguaçu e região, e ainda representantes dos vizinhos do Paraguai e Argentina, com hotéis de todas as categorias, dos de padrão cinco estrelas, spas & resorts, e até um hostel; categoria que tem sua estreia no Festival de Turismo, com o lançamento para os próximos meses do primeiro hostel design da tríplice fronteira, uma nova modalidade de estadia que já se consagrou nos últimos cinco anos pela Europa e Estados Unidos, oferecendo ao turista o conforto e a comodidade de hotéis padrão upscale, associado a custos mais modestos de hospedagem.
TEMPLO BUDISTA EM FOZ DO IGUAÇU, PR


PARQUE DAS AVES NA CIDADE DE FOZ DO IGUAÇU, PR

Em sua 8ª edição, o Festival de Turismo das Cataratas do Iguaçu ocorre entre os dias 12 e 14 de junho, no Hotel Rafain Palace, com um espaço de exposição 30% maior do que o do ano anterior. “O Festival de Turismo das Cataratas vem crescendo na faixa de 15% ao ano e, em 2013, superou a nossa expectativa, com um crescimento ainda maior para o espaço de exposições, nos obrigando, positivamente, a ampliar nossa área de stands, com um espaço que batizamos de “Expocenter 3″; uma área a mais do que a que ofertamos aos participantes em 2012”, orgulha-se Paulo Angeli, presidente do Festival.
Além dos hotéis, atrativos e passeios da região trinacional também estão presentes na feira, bem como agências e operadoras de turismo, sindicatos, associações, secretarias de turismo, conventions bureau, inclusive os dos vizinhos latino-americanos e ainda, os ministérios de turismo do Brasil, Argentina, Paraguai e, este ano, do Uruguai.
O RIO QUE FAZ A DIVISA DO BRASIL, ARGENTINA E PARAGUAI.
MUSEU DE CERA EM FOZ DO IGUAÇU, PR
TURISMO EM FOZ DO IGUAÇU, PR
Visitar as Cataratas do Iguaçu é uma experiência de imersão na natureza, através de uma caminhada em trilhas no meio da mata e a proximidade iminente da imensidão das quedas d’água do Rio Iguaçu.
As Cataratas do Iguaçu recebem anualmente mais de 1 milhão de visitantes, sendo mundialmente reconhecidas pela sua beleza. Localizadas dentro do Parque Nacional do Iguaçu, na fronteira entre Brasil e Argentina (nas cidades de Foz do Iguaçu e Puerto Iguazú), possui uma estrutura qualificada para o recebimento do turista, com centro de visitantes, estacionamento, hotel, restaurante, ônibus internos, passeios adicionais, lojas de lembranças, praça de alimentação e trilha de caminhada para acesso às quedas.
Existem duas opções para se conhecer as Cataratas do Iguaçu: pelo lado brasileiro ou pelo lado argentino. São passeios separados, ou seja, para cada um você terá que pagar um ingresso, mas vale o preço, já que são experiências com perspectivas diferentes. O acesso às Cataratas do Iguaçu pelo Brasil, é feito através do Parque Nacional do Iguaçu, e pela Argentina, através do Parque Nacional Iguazú, neste caso é necessário ingressar no país através da Aduana, sendo essencial os seus documentos pessoais.
As Cataratas do Iguaçu são responsáveis pela vinda a Foz do Iguaçu de um grande contingente de turistas, oriundos de todas as partes do mundo.
Nos anos de 2010 a 2015, o Parque Nacional do Iguaçu - que abriga as Cataratas - contabilizou mais de um milhão de visitantes, um recorde só registrado na década de 80. Em 2015, foram registrados 1.535.382 visitantes, batendo todos os recordes anteriores.
O Parque, que faz divisa com a Argentina, proporciona aos visitantes no lado brasileiro uma visão privilegiada das quedas, com dimensão panorâmica. No país vizinho, a vantagem é o contato e integração com a natureza, podendo-se ver os saltos de vários ângulos.
O ideal é conhecer os dois lados, uma vez que as estruturas existentes proporcionam diferentes sensações, seja por meio de caminhadas, transporte rodoviário especializado ou agradáveis passeios de trem em meio à selva.
No período de 2007 a 2011, as Cataratas do Iguaçu participaram da campanha mundial de escolha das Sete Novas Maravilhas da Natureza, organizada pela Fundação Suíça New 7 Wonders. A eleição teve 440 atrações participantes, de 220 países. Após duas etapas que envolveram voto popular e a seleção de especialistas, foram definidas as 28 seletas finalistas, dentre elas as Cataratas do Iguaçu.
O resultado preliminar apontou as Cataratas como sendo uma das eleitas, fato confirmado oficialmente em fevereiro de 2012.
GASTRONOMIA EM FOZ DO IGUAÇU, PR
Foz do Iguaçu, por ser banhada por dois grandes rios, o Paraná e o Iguaçu, possui como destaque em sua gastronomia os peixes de água doce, especialmente o dourado e o surubim.
Em sua gastronomia típica, destaca-se o dourado assado, feito aberto, na grelha, com temperos e guarnições variados.
Há também o prato típico “Pirá de Foz”, feito com surubim. O prato foi eleito por concurso, entre vários outros pratos a base de peixe. As carnes de peixe podem ser encontradas em diversos restaurantes da cidade.
Um misto de natureza e adrenalina que só esta região pode proporcionar. Poucos lugares no mundo oferecem ao visitante tão prazerosa sensação no contato direto com a natureza quanto em Foz do Iguaçu.
Duas sensações podem ser usadas na descrição deste paraíso: emoção e encantamento, andando nas alturas em meio às árvores, fazendo rapel, escalada ou tirolesa, ou desafiando o rio Iguaçu e suas corredeiras no Macuco Safári ou no rafting, com uma completa estrutura de apoio e segurança.
O brasileiro Parque Nacional do Iguaçu é um verdadeiro camarote para o show das Cataratas, cenário impressionante formado por um cânion e 275 quedas - uma passarela de 1,2 km tem vista para a atração.
Um ônibus parte a cada 15 minutos do Centro de Visitantes e faz quatro paradas: Estação Poço Preto (para a trilha de mesmo nome), Macuco Safári (passeio de barco até as quedas), Trilha das Cataratas (início da passarela e Campo de Desafios) e Porto Canoas (final da passarela).
A paisagem formada pelas Cataratas é espetacular - nos dias de sol, um arco-íris se desenha entre o topo da queda e o rio. A impecável estrutura do parque colabora para tornar o passeio ainda mais imperdível.
Esta é a maior área de Mata Atlântica do Sul do Brasil. A melhor foto A passarela de 1,2 km tem vários mirantes, mas o melhor de todos fica no fim da caminhada, já perto do elevador que leva ao restaurante Porto Canoas. Dali você vê a Garganta do Diabo, principal queda, de baixo para cima.
Um dia, para aproveitar a vista da passarela com calma e fazer passeios como o Macuco Safári e a Trilha do Poço Preto.
Quando ir
O ano todo. No verão, as quedas ficam mais volumosas. No inverno, a água fria que espirra das cachoeiras pode incomodar.
Parque Nacional do Iguaçu (lado brasileiro)
Entrada: R$ 25,10
Estacionamento: R$ 15.
Dica: para evitar filas na bilheteria, compre o ingresso no site do parque (há um guichê especial para a retirada).
Bandeira nacional localiza o marco zero da cidade, na avenida Brasil.
Catedral de São João Batista, construída em meados da década de 1940.
Colégio Estadual Bartolomeu Mitre - construção de 1927.
O Marco das Três Fronteiras brasileiro.
Panorama aérea das Cataratas do Iguaçu, fronteira Argentina-Brasil.
Ponte Internacional da Amizade.
Vista aérea da Usina Hidrelétrica de Itaipu, a maior do mundo em geração de energia.
População estimada 2016 (1) - 263.915
Área da unidade territorial 2015 (km²) - 618,352
Densidade demográfica 2010 (hab/km²) - 414,58
Código do Município 4108304
Gentílico - iguaçuense
Gentílico: iguaçuense
HISTÓRICO  DA CIDADE DE FOZ DO IGUAÇU, PR
Pesquisas arqueológicas realizadas pela Universidade Federal do Paraná no espaço brasileiro do reservatório de Itaipu, antes de sua formação, situaram em 6.000 a.C. os vestígios da mais remota presença humana na região; vários grupos humanos sucederam-se ao longo dos séculos. Os últimos que precederam os europeus (espanhóis e portugueses) foram os índios.
Em 1542, o espanhol Álvar Nuñez Cabeza de Vaca chegou ao rio Iguaçu e por ele seguiu guiado por índios Cainganges, atingindo as Cataratas e ficando o registro de que foi o "descobridor" das quedas.
Em 1881, Foz do Iguaçu recebeu seus dois primeiros habitantes, o brasileiro Pedro Martins da Silva e o espanhol Manuel Gonzáles. Pouco depois chegaram os irmãos Goycochéa, que começaram a explorar a erva-mate. Oito anos após, foi fundada a colônia militar na fronteira - marco do início da ocupação efetiva do lugar por brasileiros e do que viria a ser o município de Foz do Iguaçu.
Em 22 de novembro de 1889, o Tenente Antonio Batista da Costa Júnior e o Sargento José Maria de Brito fundaram a Colônia Militar, que tinha competência para distribuir terrenos a colonos interessados.
Nos primeiros anos do século XX, a população de Foz do Iguaçu chegou a aproximadamente 2.000 pessoas e o vilarejo dispunha de uma hospedaria, quatro mercearias, um rústico quartel militar, mesa de rendas e estação telegráfica, engenhos de açúcar e cachaça e uma agricultura de subsistência.
Em 1910, a Colônia Militar passou à condição de "Vila Iguassu", distrito do município de Guarapuava. Dois anos depois, o Ministro da Guerra emancipou a Colônia, tornando-a um povoamento civil entregue aos cuidados do governo do Paraná, que criou então a Coletoria Estadual da Vila.
Em 14 de março de 1914, pela Lei 1383, foi criado o município de Vila Iguaçu, instalado efetivamente no dia 10 de junho do mesmo ano, com a posse do primeiro prefeito, Jorge Schimmelpfeng, e da primeira Câmara de Vereadores. 
A história do Parque Nacional começa no ano de 1916, com a passagem por Foz do Iguaçu de Alberto Santos Dumont, o "Pai da Aviação", seu legítimo "fundador". Aquela área pertencia ao uruguaio Jesus Val. Santos Dumont intercedeu junto ao Presidente do Estado do Paraná, Affonso Alves de Camargo, para que fosse desapropriada e tornada patrimônio público, sendo declarada de utilidade pública no mesmo ano. Em 1939 foi criado o Parque Nacional do Iguaçu.
ESTA EH A BANDEIRA DA CIDADE DE IGUAÇU, PARANÁ
ESTE EH O BRASÃO DO MUNICÍPIO DE IGUAÇU, PARANÁ 

VALEU POR VIAJAR COM A GENTE


fonte dos textos e fotos: site turismo da Prefeitura Municipal de Foz do iguaçu / Thymonthy Becker / Wikipédia / IBGE / bocamaldita.com / 


Comentários

Páginas que receberam mais visitas

BAEPENDI, MINAS GERAIS - A terra de "Nhá Chica". Baependi é um convite para se deslumbrar com as mais de cinqüenta cachoeiras que cercam a cidade. Na natureza preservada no município estão cerca de 40% do parque ecológico do papagaio, é local ideal para fazer trilhas e acampar em paradisíacos lugares. Baependi é uma das poucas cidades que podem ser visitadas durante qualquer época do ano, sem se preocupar com a programação que irá encontrar pois, o verão é bem definido, sendo um convite para se deslumbrar com as mais de cinqüenta cachoeiras que cercam a cidade e o inverno pouco chuvoso propicia inúmeras opções para enfrentar trilhas e acampar em paradisíacos lugares. A religiosidade ocupa lugar de destaque como um dos fatores que mais atraem os visitantes, uma vez que Baependi foi o lugar onde a serva de Deus, Nhá Chica, concedeu suas graças, hoje em dia inúmeras romarias de diversas partes do país têm como destino o Santuário de Nhá Chica, onde também se encontram seus restos mortais.

COLORADO, RIO GRANDE DO SUL - Será que tem gremista em Colorado? Claro que tem. Colorado é uma pequena cidade do Alto Jacuí. Fundada por imigrantes italianos e alemães. O município tem como base da economia a produção agrícola. Cenários de belezas, cores e aromas que seduzem os turistas. Cenários de belezas, cores e aromas que seduzem os turistas

REPRESA DE FURNAS, SÃO JOSÉ DA BARRA, MINAS GERAIS - No dia 9 de janeiro de 1963 o túnel que desviou o curso do rio Grande para a construção da Usina de Furnas foi fechado e as águas que formaram um dos maiores reservatórios do mundo, criou praias, formou cânions e cachoeiras, inundou vilarejos e mudou para sempre a história dos 34 municípios que ficam ao longo dos 1.440 km2 de extensão do Lago de Furnas. Destes, Capitólio se destaca por oferecer as melhores opções de serviços e infraestrutura turística. Os passeios náuticos, os esportes aquáticos, a pesca esportiva e a exuberância natural são pontos fortes da região, que abrange também parte do Parque Nacional da Serra da Canastra, onde nasce o Rio São Francisco, o "Velho Chico". O Lago de Furnas, também conhecido como "O MAR DE MINAS", é quatro vezes maior que a Baía de Guanabara, no Rio de Janeiro.

BRASÍLIA, DF, BRASIL - Brasília é formada por gente de todos os lugares, todas as idades e de muitas gerações. É uma mistura de sotaques do Nordeste, Sudeste, Norte e Sul do país e até de estrangeiros. Por conta de seu rápido crescimento, já é a quarta cidade mais populosa do país. A maioria dos moradores, 52%, é mulher e tem em média 30 anos. Os primeiros habitantes que chegaram a Brasília vieram, principalmente, atraídos pelos empregos na construção civil e ajudaram na construção da capital. Eles eram chamados de candangos e aqui construíram e criaram famílias. Desses, surgiram os “brasilienses”, o gentílico usado para quem nasceu aqui e adotado por quem veio de fora e assumiu a cidade como sua.

TOMBOS, MINAS GERAIS - Na cachoeira três tombos, verdadeira obra da natureza de imensurável beleza que constitui um cartão postal da cidade com 62 metros de altura. A Gruta Pedra Santa localizada no distrito de Catuné, uma obra construída pela própria natureza. Ao longo do tempo a grande pedra foi desintegrando-se e formou-se um grande salão, onde ergueu-se a capela em Honra a Nossa Senhora de Lourdes. Praças diversas, museu municipal que funciona na antiga estação ferroviária, usina hidrelétrica de Tombos e os dois distritos “Catuné” e “Água Santa” valem uma visita à cidade de Tombos

IGATU, ANDARAÍ, BAHIA - Eh uma verdadeira cidade de pedra. "Sagrada" pra quem viveu lá durante o auge do ciclo do diamante. O trajeto até a vila já é uma atração: a estrada de acesso pela BA-142 é cheia de mirantes naturais. Ao chegar, a impressão é de ter voltado no tempo, quando igatu era chamada de Xique Xique e famosa pela extração de diamantes. Hoje não há farmácias, o hospital mais próximo fica em Andaraí, a 12 km. Em outros tempos quem diria? Cabarés, cassinos, lojas, cadeia, cartório, cinema...

RIO DE JANEIRO, BRASIL - Do primeiro ao último minuto do ano, não falta o que fazer, o que visitar e o que rever no Estado do Rio de Janeiro, que não por acaso ostenta o rótulo de Maravilhoso. Além das praias e de seus outros dois ícones geográficos – o Corcovado e o Pão de Açúcar – o Rio vem ganhando uma série de atrativos culturais e gastronômicos. Quem deixa a capital e percorre o litoral fluminense encontra praias de beleza raríssima. Ao norte, na Região dos Lagos, estão as dunas de Cabo Frio, as águas translúcidas e frias de Arraial do Cabo, boas para mergulho, a badalação de Búzios e as trilhas rurais de Rio das Ostras. De frente para a Baía da Guanabara, Niterói mostra que a vista para a cidade do Rio não é o único atrativo. Além de oferecer, na sua face voltada para o alto mar, trechos de areia ideais para quem quiser fugir do agito de Ipanema e Copacabana, o município começa a explorar o legado das construções assinadas por Oscar Niemeyer, entre elas o famoso Museu de Arte Contemporânea.

GRAMADO, RIO GRANDE DO SUL - Faltava neve à Gramado para que ela assumisse de vez o título de “Suíça brasileira”. Não falta mais: o Snowland, primeiro parque de neve artificial indoor das Américas, trouxe esportes de inverno à cidade, que já era famosa pelas construções enxaimel (aquelas de paredes esquadrinhadas com tirantes de madeira), pelas fondues nos bons restaurantes suíços e pelo climinha gostoso da Serra Gaúcha.

CAMPO BELO, MINAS GERAIS - A primeira cidade do Brasil a ter um time de Rugby (Campo Belo Rugby - CBR) A cidade tem paisagens deslumbrantes com campos a perder de vista. Ideal para a prática de esportes de aventura, ecoturismo, esportes náuticos com várias cachoeiras, praias de água doce além da tradicional e boa comida mineira. Uma cidade tranquila, acolhedora com boas opções para hospedagem

SERRA DO NAVIO, AMAPÁ - A História da Serra do Navio remonta aos anos 1950. A região era rica em manganês e outros minérios. Por isso, a brasileira ICOMI, com sede em Belo Horizonte e atuação em Minas Gerais, foi escolhida para explorar o minério e construir a vila operária, que daria origem à cidade de Serra do Navio. Cada vila tinha 330 casas, prédios coletivos (escolas, hospitais, refeitórios), abrigando até 1.500 pessoas, entre trabalhadores e familiares. Tinha ruas largas, postes de concreto para a fiação elétrica e telefônica, calçadas, parques, clubes com piscina, quadras esportivas, restaurante e lanchonete, drenagem de águas das chuvas e tratamento de água e esgoto. Todas as casas tinham mais de 90m² e contavam com saneamento e energia elétrica, proveniente de geradores da ICOMI.