Pular para o conteúdo principal

RORAIMA, BRASIL - Numa região rica em turismo ecológico e oportunidades de investimentos, e apesar das dificuldades existentes, Roraima ainda eh um lugar que se pode sonhar




CONHEÇA O "ESTADO DE RORAIMA", BRASIL, DA JANELA DO TREM
foto acima - Centro Cívico Roraimense na capital Boa Vista. Todos as ruas terminas neste local
São apenas quinze municípios em todo o estado, para uma população de pouco mais de 440.000 habitantes. A unidade federativa menos povoada (2,01 pessoas por quilômetro quadrado) do Brasil, localizada no extremo norte, Roraima ainda está um pouco isolada do resto do país (uma única rodovia liga Boa Vista a Manaus). Para o turismo, porém, essa reclusão representa conhecer uma Amazônia com menos interferência do homem. Somente em meados do século 18 é que os portugueses conseguiram hegemonia sobre a região, antes invadida por holandeses e ingleses, a partir das Guianas, e espanhóis, pela atual Venezuela.
Centro da Capital Boa Vista em Roraima
foto - Tiago Orihuela
O processo de colonização foi lento e teve muitos intervalos. Estabilidade, mesmo, os moradores só encontraram com a emancipação de Roraima, em 1943, na condição de território federal e posteriormente em 1988, quando ganhou o status de estado. Às margens do Rio Branco, a capital, Boa Vista, foi planejada em forma de leque, com ruas largas, bem iluminadas e arborizadas. Fundada em 1890, concentrava a produção das fazendas de gado da região, que abasteciam Manaus. Recentemente, o potencial turístico de Roraima tem sido mais bem explorado, destacando suas belezas naturais. Uma delas é o Monte Roraima, a segunda maior montanha do Brasil. A escalada dos 2.700 metros do paredão de pedra atrai não só aventureiros, mas também cientistas e esotéricos, assim como as trilhas e cachoeiras da Serra do Tepequém, em Amajarí, na fronteira com a Venezuela.
SÍNTESE DO ESTADO DE RORAIMA, BR
Capital - Boa Vista
População estimada 2016(2) - 514.229
Área 2015 (km²) - 224.301,080
Densidade demográfica 2010 (hab/km²) - 2,01
Rendimento nominal mensal domiciliar per capita da população residente 2015 (Reais)(1) - 1.008
Número de Municípios - 15
Roraima está situado na Região Norte do país, sendo o estado mais setentrional (ao norte) da federação. Eh o décimo quarto maior estado brasileiro. Em Boa Vista, única capital brasileira totalmente no Hemisfério Norte, encontra-se a sede do governo estadual.
A CAPITAL PLANEJADA DE BOA VISTA EM RORAIMA TEM A FORMA DE UM LEQUE COM RUAS LARGAS, ILUMINADAS E ARBORIZADAS
A história roraimense está fortemente ligada ao Rio Branco. Foi através deste que chegaram os primeiros colonizadores portugueses. O Vale do rio Branco sempre foi cobiçado por ingleses e neerlandeses, que adentraram no Brasil através do Planalto das Guianas. Os portugueses derrotaram e expulsaram todos os invasores e estabeleceram a soberania de Portugal sobre a região de Roraima e de parte do Amazonas.
A FRONTEIRA DO BRASIL COM A VENEZUELA EM RORAIMA

O estado é o menos populoso do país, com uma população de 505 665 habitantes. Sua economia, baseada principalmente no setor terciário. 
Situado numa região periférica da Amazônia Legal, no noroeste da Região Norte do Brasil, predomina em Roraima a floresta amazônica, havendo ainda uma enorme faixa de savana no centro-leste. Encravado no Planalto das Guianas, uma parte ao sul pertence à Planície Amazônica. Seu ponto culminante, o Monte Roraima, empresta-lhe o nome.
UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA, BR
ORIGEM DO NOME DO ESTADO DE RORAIMA, BR
A palavra "Roraima" vem de línguas indígenas. Sua etimologia lhe emprega três significados: “Monte Verde”, “Mãe dos Ventos” e “Serra do Caju”. Seria a junção de roro (papagaio) e imã (pai, formador). Nessa língua indígena, roro - ou também rora - significa verde, e imã significa serra, monte, formando portanto, a palavra "serra verde", que reflete a paisagem natural da região específica.
PREFEITURA MUNICIPAL DA CAPITAL DE RORAIMA, BOA VISTA
Há ainda, a hipótese da palavra "Roraima" ter outros dois significados: "Mãe dos Ventos" e "Serra do Caju". O primeiro significado, dá-se pela possibilidade do clima da região, onde os índios acreditavam que os ventos que atingiam o sul da Venezuela seriam provenientes do lugar. O segundo, "Serra do Caju", pelo grande número de serras e colinas existentes nesta área.
SEDE DO TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL EM BOA VISTA / RR
HISTÓRIA DO ESTADO DE RORAIMA, BR
Os dados de 1887 - válidos durante a criação do município - informaram que as cerca de 1 000 pessoas que habitavam a região na época da criação do município eram brancas e mestiças, em sua maioria mamelucos. Isso porque as etnias indígenas da região não foram acrescentados aos dados. Estima-se que havia mais de cinco mil indígenas na localidade, o que aumentaria consideravelmente a população do município. 
A administração de Augusto Ximeno de Villeroy foi a responsável pela criação do município, que acreditava ser importante a fundação de uma localidade no extremo norte do Amazonas para o desenvolvimento da região. 
Apesar de ter sido criado em 13 de setembro de 1943, juntamente com os outros territórios federais, o Território Federal do Rio Branco só recebeu seu primeiro governador em junho de 1944, quando este chegou à Boa Vista. Getúlio Vargas, responsável pela criação dos Territórios Federais, enfrentava uma notável crise política à época, o que influenciou no atraso da nomeação dos governadores dos territórios. 
Com a Constituição promulgada em 5 de outubro de 1988, Roraima deixou o estatuto de Território Federal e transformou-se em estado-membro da Federação.
ESCOLA ADVENTISTA NA CAPITAL BOA VISTA EM RORAIMA
PRINCIPAIS MUNICÍPIOS 
BOA VISTA, CAPITAL DE RORAIMA
A capital é uma das mais belas da Região Norte do País. As margens do Rio Branco, possui clima tropical e temperaturas que variam entre 20º e 36º C. 
Moderna, foi planejada em forma de leque, com ruas largas bem iluminadas, e as principais avenidas seguindo para o centro Cívico. Sua diversidade cultural se deve aos migrantes do Sul e do Nordeste e aos Índios da região.
TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE RORAIMA NA CAPITAL BOA VISTA
Essa mistura influenciou a cultura e a culinária local. No período de estiagem, de outubro a março, o nível das águas do Rio Branco diminui, proporcionando a prática da pesca e dos esportes náuticos e a formação de praias naturais de beleza surpreendente. Tudo isso faz, da cidade uma ótima opção para o turismo nacional e internacional, representando a síntese da hostilidade brasileira. 
A capital de Roraima oferece diversas opções aos moradores e visitantes. Você pode bronzear-se e passar um dia agradável com os amigos nas praias que aparecem nos rios Branco e Cauamé durante o verão. Durante o inverno amazônico, faça um passeio de barco e conheça a cachoeira da Serra Grande, a poucos quilômetros da cidade.
MATRIZ DE NOSSA SENHORA DO CARMO EM BOA VISTA / RR
Durante o passeio, desfrute da culinária típica da região. Paçoca com banana, damorida, tacacá, mungunzá, tambaqui na brasa e outros pratos deliciosos estão a sua espera nos mercados municipais e nos restaurantes. Depois de descobrir um pouco do gosto de Roraima, é hora de encantar-se com a fauna e a flora da região. 
CONHEÇA MAIS DE RORAIMA EM FOTOS
Aldeia Demini em Roraima
Avenida Ayrton sena em Rorainópolis , Roraima, Brasil
Avenida do Comércio em Pacaraima, município limítrofe com a Venezuela
Avenida Dr. Zanny em Caracaraí, Roraima
Saguão do Aeroporto Internacional de Boa Vista em Roraima
Pista de pouso e decolagem do Aeroporto Internacional de Roraima
Ponte sobre o Rio Branco em Boa Vista, Roraima
Estação Rodoviária Internacional em Boa Vista, Roraima
BR 174 na reserva indígena de Waimiri Atroari em Roraima eh também a saída para o caribe
Casa dos padres em Boa Vista Roraima
DAMUNRIDA, COMIDA INDÍGENA À BASE DE PEIXE, TUCUPI E MUITA PIMENTA
Marco da Tríplice Fronteira no Parque Nacional do Monte Roraima em Roraima
Marco da divisa entre Brasil e Venezuela em Roraima
Monte Roraima em Roraima
Monte Roraima na fronteira tríplice - Brasil, Venezuela, Guiana
Cidade de Mucajaí em Roraima - foto de Tiago Orihuela
Palácio da Cultura Nenê Macaggi em Boa Vista / RR
Palácio Senador Hélio Campos, a sede do Governo do Estado em Boa Vista / RR
Panela e outros objetos de barro de Roraima
Paçoca feita de carne, comida típica de Roraima
Portal do Milênio na Praça das águas em Boa Vista / RR
Vista do Rio Branco, o mais importante rio da região
PRINCIPAIS MUNICÍPIOS
RORAINÓPOLIS, RR
Eh o principal centro urbano do sul do estado. Além de abrigar grande parte do potencial agrícola, que segundo as condições climáticas, possibilitam o cultivo de inúmeros produtos, entre os quais o café, cacau, cana-de-açúcar, arroz, feijão, milho, mandioca e pastagens, o município destaca-se ainda por possuir grandes atrações turísticas naturais, como a Corredeira do Jauperi, a Pedra da Linha do Equador, o rio Anauá e a ilha de Santa Maria do Boiaçu.


Marca da Linha do Equador que passa por Rorainópolis / RR
CARACARAÍ, RR
Que surgiu como um local de embarque de gado para Manaus. Os animais desciam até a Boca da estrada, onde iniciam-se as Corredeiras do Bem-Querer. Ali eram desembarcados e tangidos até um curral no porto municipal, onde eram embarcados ao matadouro de Manaus.
Estação Rodoviária em Caracaraí / RR

Prefeitura Municipal de Caracaraí em Roraima
ALTO ALEGRE, RN
Um dos principais municípios roraimenses, distante 89 quilômetros da capital estadual. Destaca-se por ser um dos únicos centros urbanos no noroeste do estado, com 16.286 habitantes, fazendo fronteira com a Venezuela.

Matriz de Nossa Senhora do perpétuo Socorro em Alto Alegre / RR
MUCAJAÍ, RR
Município do centro-sul do estado vem obtendo crescimento econômico com a produção, manipulação e beneficiamento do arroz, madeira, abacaxi, mamão, gado, leite e milho, além da mineração. Seu nome provém do rio Mucajaí, este afluente do rio Branco. Além disto, o alto do Rio Mucajaí possui potencial hidroelétrico, destacando-se a cachoeira do Paredão, onde já foi tentada a construção de uma usina hidroelétrica.
Matriz de Nossa Senhora de Fátima em Mucajaí / RR

PACARAIMA, RR
O município brasileiro mais próximo aos municípios da Venezuela. Destaca-se por abrigar o Sítio Arqueológico da Pedra Pintada. Localizado na BR-174, mais precisamente na Área Indígena de São Marcos, o sítio arqueológico possui altura de 40 metros e diâmetro de aproximadamente 60 metros. A Pedra Pintada foi abrigo de civilizações há muito desaparecidas. Na caverna existente, há várias pinturas que representam cenas do cotidiano dessas civilizações. Próximo à pedra, existem ainda outras formações: Pedra do Pereira, Pedra do Peixe, Pedra do Perdiz, Pedra do Machado e Pedra da Diamantina que, juntas, formam o Sítio Arqueológico da Pedra Pintada, bastante visitado por turistas.
foto - Lewiski
foto - Lewiski
A CULTURA EM RORAIMA
Influenciada fortemente pela cultura indígena, o estado de Roraima tem as marcas dos colonizadores e mestiços que pisaram nessa região. O artesanato é uma junção entre o Norte e o Nordeste numa mescla com os povos nativos. Os grupos folclóricos de boi-bumbá e cirandas movimentam o espaço no extremo norte do Brasil junto com os grupos de dança clássica e moderna.

MOVIMENTO RORAIMEIRA 
A literatura do estado canta com a musicalidade desse pedaço do Brasil, que vê, na música, o Movimento Roraimeira como marca registrada da terra.
foto - Globo Norte
O ARTESANATO 
É um dos marcos centrais da cultura. Os Ianomâmi - grupo indígena do estado - produzem diversos produtos artesanais, como cestas, leques, jóias e redes. Muitos destes são comercializados na Feira de Artesanato de Roraima, sediado em Boa Vista, capital do estado.
ATIVIDADES CULTURAIS 
Entre as principais entidades culturais do estado encontram-se: Fórum de Cultura Permanente de Roraima, Sebrae, SESC,Teia Roraima, Academia Roraimense de Letras e Federação de Teatro de Roraima.

MUSEU INTEGRADO EM RORAIMA, BR
O Museu Integrado de Roraima, em Boa Vista, capital do estado, foi inaugurado em 13 de fevereiro de 1985. É um museu público estadual e mantido pela Fundação de Meio Ambiente, Ciência e Tecnologia do Estado de Roraima (FEMACT). Está instalado em um edifício de 750 metros quadrados no interior do Parque Anauá. Conserva o mais importante acervo museológico de Roraima. A coleção, bastante diversificada, é composta por peças adquiridas por meios de coletas, aquisições e doações, abrangendo diversos temas, como geologia, botânica, zoologia, arqueologia, etnologia, história e artes visuais. O museu realiza ainda, atividades de pesquisa nas áreas de zoologia e antropologia, além de exposições temporárias temáticas e atividades culturais e educativas. É equipado com biblioteca e auditório com capacidade para 140 pessoas. Conta com a participação da sociedade civil na realização de atividades, por meio da Associação de Amigos do Museu Integrado de Roraima (AMIRR), criada em 1999.


FOLCLORE EM RORAIMA, BR
O folclore roraimense é hoje o encontro das tradições trazidas pelos colonizadores nordestinos e de todas as partes do Brasil, com a força das lendas e vivências dos índios, que têm no seu ambiente natural uma perfeita harmonia entre homem e natureza. É festejado tanto os santos da Igreja católica como também as tradições indígenas, que exercem forte influência no estado, na área de curandeirismo e pajelança. No mês de junho, assim como em outros estados do Brasil, acontece as festas juninas nos diversos municípios.


ACADEMIA RORAIMENSE DE LETRAS 
A Academia Roraimense de Letras representa a literatura da unidade federativa. É nela que está reunida grande parte dos poetas, historiadores, escritores e contistas do estado. Um dos poetas roraimenses de maior renome é Eliakin Rufino, que também é compositor, tendo suas músicas alcançado outras regiões do país.

MONUMENTOS EM RORAIMA, BR
Há dois monumentos em Roraima: o Monumento ao Garimpeiro e o Monumento aos Pioneiros.
foto - Alex Uchoa
MONUMENTO AO GARIMPO EM RORAIMA, BR
O Monumento aos Garimpeiros presta homenagem aos homens que prestaram serviço e contribuíram para o desenvolvimento do antigo Território Federal do Rio Branco. Localiza-se em Boa Vista.

MONUMENTO AOS PIONEIROS EM RORAIMA, BR
O Monumento aos Pioneiros também localiza-se em Boa Vista e é uma construção de concreto armado. Reproduz o Monte Roraima, as etnias que formam o povo roraimense e as tradições e costumes regionais do território.

TURISMO NO ESTADO DE RORAIMA, BR
Roraima possui um grande potencial turístico, em especial no ecoturismo. Por se localizar no extremo norte do país, na parte setentrional deste e por fazer limites com três países sul-americanos, Roraima mantém estreitas relações comerciais baseadas no turismo com esses países, em especial a Venezuela. Os atrativos naturais são os principais pontos turísticos do estado, em especial o Monte Roraima.
Monte Roraima na fronteira do Brasil, Venezuela e Guiana
PEDRA PINTADA EM RORAIMA, BR
Arqueólogos têm forte interesse na Pedra Pintada, que é o mais importante sítio de tal ciência do estado. Nela, há inscrições de civilizações milenares, tais como pinturas rupestres, pedaços de cerâmicas, machadinhas, contas de colar, entre outros artefatos que indiciam a história da evolução humana, datados de quatro mil anos. A rocha é um monólito de granito com sessenta metros de diâmetro e cerca de 40 metros de altura. Na face externa existem pinturas rupestres vermelhas que são até hoje consideradas um enigma para cientistas. Há também cavernas funerárias com até 12 metros de extensão. A Pedra Pintada localiza-se em Pacaraima.

MONTE RORAIMA / DESCUBRA O MÍSTICO 
Um dos lugares mais antigos do planeta, o Monte Roraima atrai cientistas, biólogos, antropólogos, esotéricos, místicos e aventureiros. Todos ávidos por escalar o enorme paredão de pedra e sentir o prazer de chegar ao topo. Um cenário cinematográfico cercado pela flora variada, singular, além de reunir formações rochosas de milhões de anos, que lembram o período dos dinossauros e cristais existentes no platô, sobre os quais se pode andar, sentar e meditar.
O Monte Roraima é o segundo ponto mais alto do Brasil, com 2.734m de altitude, um lugar que impressiona pelas formas esculpidas nas rochas pela ação dos ventos. Possui uma flora diferenciada, com ocorrência de espécies endêmicas de orquídeas, além de formações rochosas moldadas pelos ventos e afloramentos de cristais. Um ambiente envolto em uma atmosfera de magia e mistérios, que segundo a lenda indígena “O Monte Roraima” é o berço e morada de Makunaima, Índio corajoso e guerreiro. A palavra Roraima tem origem indígena e sua etmologia possibilita três significados: “Monte Verde”, “Mãe dos Ventos” e “Serra do Caju”.
A tríplice fronteira entre o Brasil – Guyana – Venezuela fascina aos visitantes com seu majestoso e imponente formação rochosa, em meio as savanas Amazônicas. O acesso somente é viável por caminhadas pelo lado venezuelano, distante a cerca de 3 dias a pé, a partir da aldeia de Paraitepuy, que serve de ponto de partida e distante cerca de 60 km de Santa Elena de Uairén, cidade venezuelana no outro lado da fronteira, próxima ao município brasileiro de Pacaraima. Pelo lado brasileiro exige a escalada de uma parede de rocha com cerca de 600 metros de altura, o que só pode ser feito por alpinistas experientes.
VALE DOS CRISTAIS EM RORAIMA, BR
Um dos atrativos em cima do Monte Roraima é o Vale dos Cristais, uma imensidão forrada por cristais. Um lugar mágico onde se espalham pedras de todos os tamanhos. A vista é um espetáculo à parte.
SERRA DO TEPEQUÉM / UMA AVENTURA EM RORAIMA, BR
A Serra de Tepequém tem inúmeros atrativos e um riquíssimo artesanato em pedra-sabão. O turista conhece as modificações sofridas pela natureza devido à exploração de diamantes ao longo dos anos. Visitar a Serra do Tepequém em Amajarí é uma experiência ecológica inesquecível, além de proporcionar a realização de caminhadas em trilhas que se completam com lindas paisagens naturais, e próximas a sublimes Cachoeiras.
No percurso, imensos buritizais são avistados e descortinam em belas perspectivas naturais das lindas formações vegetais em combinação perfeita com a fauna existente, espécies de pássaros e macacos, formando um grande painel verde. O local é ideal para a prática do trekking (caminhada), até as cachoeiras do Paiva, Sobral, do Barata e do Funil. O visitante mais corajoso pode se aventurar numa subida ao platô, ponto culminante de toda a Serra, onde terá uma das vistas mais sublimes do vale e da cadeia montanhosa que delimita as fronteiras entre o Brasil e a Venezuela.
A serra tem uma altitude média de 1.500 metros, no município de Amajarí, é uma atração imperdível, existindo inúmeros produtos e serviços turísticos oferecidos nas vitrines de agências de viagens e turismo. 
Ambientes espetaculares que aguardam por turistas com o espírito de aventura vindo de toda parte do Brasil e do mundo para apreciar as riquezas dessa sublime paisagem naturais fantásticas.
“TEPEQUÉM, QUEM VISITA JAMAIS ESQUECE!” 
Localizado a aproximadamente 210 quilômetros da capital Boa Vista O visitante ao chegar a Vila do Paiva, uma das localidades do município de Amajarí, logo vê a placa “Tepequém, quem visita jamais esquece!” Uma mensagem singular e que traduz o fiel cenário da região. A paisagem que se vê do alto dos 1.150 metros de altitude é de uma profunda contemplação do belo. Mas, para chegar à vila do Paiva, é necessário o mínimo de preparo. O acesso é aberto durante todo o dia, feito por estrada asfaltada. Tepequém é um olhar sobre os biomas de Roraima, um olhar sobre a história humana, geológica e geográfica. Uma diversidade de orquídeas e bromélias aguarda seus sentidos.
TEPEQUÉM, AS LÁGRIMAS QUE VIRARAM DIAMANTES 
Conta uma antiga lenda indígena que um vulcão vivia zangado e jorrava suas chamas e lavas a longas distâncias. O fogo derramava suas chamas serra abaixo, as roças de macaxeira, banana e as palmeiras de buriti, tucumã e coco babão viravam cinza e carvão. Na maloca, o Tuxaua, preocupado com a sobrevivência de sua tribo, consultou o Pajé e se reuniram em volta da fogueira. Num gesto de renúncia, as três mais belas índias virgens da tribo se ofereceram em sacrifício e se lançaram no fogo do vulcão, que aplacou sua ira. Suas lágrimas viraram diamantes e até hoje estas lágrimas são encontras na serra do Tepequém.


ATRATIVOS QUE VÃO DEIXAR VOCÊ APAIXONADO
CACHOEIRAS NA SERRA DO TEPEQUÉM, RR
CACHOEIRA DO BARATA, RR
O apelido de um antigo garimpeiro batizou essa cachoeira. O acesso é feito por meio de degraus pela trilha que leva as corredeiras. A cachoeira não é muito alta, e a temperatura da água agrada a quem chega ali, ótima para um banho revigorante.
CACHOEIRA DO FUNIL, RR
Uma das mais belas da região. Para chegar até a gigantesca cachoeira do Funil, o visitante passa pelas antigas trilhas abertas por garimpeiros, é possível visualizar nas marcas nas rochas, o que os garimpeiros passaram para retirar as pedras preciosas, hoje a única riqueza que se leva deste lugar são as imagens e os sons da queda d’água. Aproveite.
CACHOEIRA DO PAIVA, RR
para chegar à caudalosa cachoeira há duas opções de trilha. A mais rápida, tem descida mais íngreme, e conta com apoios e trilhas de chão batido, com escadas para o acesso. Já a mais plana é a mais longa, com acesso um pouco mais fácil e também possui apoios para locomoção. No fim das contas, isso pouca importa, em virtude da recepção sonora que a queda d’água realiza. Prepare-se para um banho revigorante. Quando sair da água, atravesse o rio (cuidado com as pedras) e suba até o platô. Lá em cima, pode-se admirar o visual da planície até onde enxergar a linha do horizonte. Os visitantes costumam utilizar o local para meditação e fotografias

ARTESANATO NA SERRA DO TEPEQUÉM EM RORAIMA, BR
Nesse vale de preciosidades, encontramos a pedra-sabão, um mineral rosado, característico da Serra, que é a matéria-prima do artesanato produzido pela comunidade local. A qualidade das técnicas, a consciência sobre a importância da extração controlada e o trabalho coletivo são marcas da produção artesanal em pedra-sabão, que já rendeu um prêmio nacional à comunidade do Tepequém.


BACIA DO RIO BRANCO EM RORAIMA, BR
O rio Branco é um rio brasileiro que banha a capital do Estado de Roraima - Boa Vista, sendo suas praias de água doce frequentadas em boa parte do verão Amazônico. É formado pela confluência dos rios Tacutu e Uraricoera, trinta quilômetros a norte de Boa Vista. A capital do estado é situada no vale do rio. A foz do rio Branco eh no rio Negro, no estado do Amazonas.
foto - Lewiski

É cortado por duas pontes, uma em Boa Vista, a ponte dos Macuxi (ligando-a ao município de Cantá, Bonfim, Normandia), ponte que faz homenagem a uma das etnias mais conhecidas na região. A ponte dos Macuxi com cerca de 1.200 metros de extensão, tem estrutura moderna e é também um convite aos amantes dos esportes radicais.
foto - Orhuela
Outra ponte sobre este magnifico rio, é a ponte localizada no município de Caracaraí, no centro sul do estado, com aproximadamente 700 metros de extensão. Sua construção representou ampla expansão econômica, consolidando a rota Caribe - Amazônia, fundamental ao desenvolvimento integrado de roteiros turísticos entre os estados do amazonas e Roraima, bem como a rota de acesso a Amazônia por turistas vindos do Caribe, e que visitam os Países vizinhos da Guiana e Venezuela, e desejem conhecer o rico bioma Amazônico.
OPORTUNIDADES E INVESTIMENTOS EM RORAIMA, BR
Mercado é o que não falta para investimentos no setor de produção, bem como investir no setor turístico. Roraima tem os olhos voltados para os países com os quais faz divisa, Venezuela e Guyana. 
Roraima também está bem perto da República Cooperativista da Guiana, que em 2007 importou 600 milhões de dólares, dos quais o Brasil participou com apenas 20 milhões. A participação poderia ser bem maior se houvesse um olhar mais atento da parte dos investidores, avaliando o estado como ponto estratégico para esse mercado e a extensão pelos turistas que visitam Guyana a conhecerem o Brasil-Roraima.
A ponte internacional sobre o rio Itacutú é o primeiro passo para um salto na parceria entre Brasil e Guiana. O asfaltamento da estrada Lethen – Liden e o porto de águas profundas, próximo a Georgetown, vão criar um novo e dinâmico corredor de exportação para o Atlântico, bem como ao aumento do fluxo turístico, além de ampliar a distância entre as regiões produtoras e os mercados consumidores do Hemisfério Norte. Outros portos marítimos e fluviais complementam essa rede de escoamento e acesso a custos bem competitivos, pela sua proximidade com Roraima, sendo potencial e atraente a investimentos do trade turístico.
MONTE CABURAÍ NO ESTADO DE RORAIMA, BR
Outro ponto turístico do estado é o Monte Caburaí. Geógrafos comprovaram que ele está situado a 70 km acima do Oiapoque, o que faz do monte o ponto mais setentrional do Brasil, tendo sido reconhecidamente convencionado nas Instituições Oficiais responsáveis pelas demarcações territoriais geográficas, como o Ministério da Educação e Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

LAGO CARACARANÃ EM RORAIMA, BR
Destaca-se também, o Lago Caracaranã, no município de Normandia. Com quase 6 quilômetros de perímetro, é conhecido por suas praias de areia fina rodeadas de cajueiros.


CULINÁRIA EM RORAIMA, BR
Sua culinária apresenta forte influência do estado brasileiro do Maranhão, apresentando também as características dos pratos amazônicos. O peixe é o principal produto usado em seus pratos típicos. São comidas típicas da região a tapioca, a farinha de mandioca, a paçoca de carne seca e o cuzcuz.


FUTEBOL EM RORAIMA, BR
No futebol, Roraima abriga nove clubes relevantes. 
Há dois estádios relevantes em Roraima: o Estádio Flamarion Vasconcelos e o Estádio Raimundo Ribeiro de Souza, ambos em Boa Vista.

O Estádio Flamarion Vasconcelos, popularmente conhecido como Canarinho, pertence ao Governo do Estado de Roraima. Foi inaugurado em 6 de setembro de 1975, e inicialmente designado Estádio 13 de Setembro. Anos depois teve seu nome modificado em homenagem póstuma ao jornalista roraimense Flamarion Vasconcelos. Contudo o estádio é conhecido popularmente como Canarinho, por estar localizado no bairro de mesmo nome. 
O Estádio Raimundo Ribeiro de Souza, chamado popularmente de Ribeirão, também pertence ao governo estadual e possui capacidade para 3000 pessoas.
ROTA 174 
Roraima faz comunicação rodoviária apenas com Manaus, Uma das rotas mais difundidas a execução de roteiros turísticos, que utilizam esse perímetro ao intercâmbio e ao comércio, atualmente a BR 174 é parte de um estruturado planejamento turístico envolvendo os Municípios de seu percurso.

A BR-174, que, saindo de Manaus passa por (sentido sul—norte:) Presidente Figueiredo (Amazonas), Vila Jundiá, Vila Equador, Rorainópolis, Vila Novo Paraíso (km 500, ponto de intersecção com a BR-210), Caracaraí (já na margem direita do rio Branco), Iracema, Mucajaí, Boa Vista e Pacaraima, dando acesso à estrada venezuelana que leva a Santa Elena de Uairen (a doze quilômetros da fronteira) e às principais cidades daquele país, sendo um dos potenciais mercados consumidores dos produtos e serviços turísticos. Em todo o seu percurso esta estrada encontra-se asfaltada e sinalizada, em seu perímetro encontra-se também uma das mais tradicionais etnias a Waimiri Atroari.
RR-203: tem dois terços de sua extensão asfaltados, ligando a BR-174 à Vila Brasil (sede de Amajarí). Segue adiante mais 52 km como estrada de terra até a vila do Tepequém. Existem dezenas de outras estradas estaduais e municipais de terra com condições razoáveis de tráfego, e roteiros surpreendentes dentro desse mosaico amazônico. Todas as sedes Municipais em Roraima têm acesso rodoviário asfaltado, excetuando-se Uiramutã, porém essa região também é coberta por cachoeiras encantadoras e sublimes que despertam uma agradável sensação e sublimes paisagens.
CATEDRAL CRISTO REDENTOR NO ESTADO DE RORAIMA, BR
Com uma arquitetura moderna, a Catedral é um dos principais templos religiosos da capital, Boa Vista. A construção da obra foi iniciada no ano de 1968 e terminou em 1972. De acordo com o ângulo que é vista, a igreja lembra um barco, uma maloca indígena e um harpa.
AVIÃO XAVANTE 
O monumento Avião Xavante leva o nome do primeiro piloto de caça supersônico brasileiro, o Major Brigadeiro do Ar Lauro Ney Menezes. A homenagem partiu da Base Aérea de Boa Vista. A aeronave foi restaurada por militares do 1°/3° GAV, Esquadrão Escorpião, e doada para a prefeitura da cidade para servir de convite e mostrar a cultura aérea da cidade. Este monumento está localizado próximo à Base Aérea de Boa Vista, na saída Norte da cidade, na rodovia BR-174 que liga Boa Vista à Venezuela.
ESTA EH A BANDEIRA DO ESTADO DE RORAIMA
ESTE EH O BRASÃO DO ESTADO DE RORAIMA

VALEU PELA VISITA



fonte / fotos = Wikipédia / Thymonthy Becker / IBGE / turismo.rr.gov.br / viajeaqui.abril.com.br / Portal do Governo de Roraima / portalamazonia.com /

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

5 ESTRADAS BRASILEIRAS QUE VALE A PENA DIRIGIR POR ELAS - Viajar de carro pode ser muito bom, se for por uma dessas estradas. Confira cinco trechos que agradam tanto quanto o destino final de suas férias

CONHEÇA 05 ESTRADAS QUE VALE A PENA VOCÊ VIAJAR DE CARRO POR ELAS. Há quem diga que o importante não é o destino final, e sim o caminho até lá. Em uma viagem de carro, não costuma ser bem assim, considerando o péssimo estado do asfalto de nossas estradas, além do custos do pedágio, motoristas ruins e a falta de uma boa paisagem. Mesmo com todos esses problemas, é possível aproveitar um passeio automotivo pelo Brasil em uma das cinco estradas escolhidas pela Hertz, empresa especializada em aluguel de veículos: Confira ESTRADA REAL / MINAS GERAIS / RIO DE JANEIRO / SÃO PAULO  Também conhecida como Caminho Real, é uma das estradas mais famosas do Brasil, por ser um dos principais pontos turísticos do País. Tem 1.630 quilômetros de extensão, passando por Minas Gerais, Rio de Janeiro e São Paulo. Motivos não faltam para visita-la, com um circuito de 179 cidades históricas, passando por belas paisagens formadas pelos trechos de mata atlântica. Tem até atividades fora do carro, como caminhada…

VIRGINÓPOLIS, MINAS GERAIS - Alem da festa da Jabuticaba que acontece anualmente, a cidade possui uma das maiores escadarias de igreja do mundo, com mais de 500 degraus

CONHEÇA A CIDADE DE "VIRGINÓPOLIS", MINAS GERAIS, BRASIL A cidade é regionalmente conhecida pela tradicional Festa da Jabuticaba, que ocorre anualmente em setembro. Um aspecto interessante é que, apesar da festa, a cidade não se configura como grande produtor da fruta.  Outro aspecto cultural interessante é a presença da Capela de Nossa Senhora do Patrocínio, que possui uma das maiores escadarias de igreja do mundo, com mais de 500 degraus, construídos pelos próprios moradores da cidade em mutirões realizados no fim da década de 1980.  CASARÃO NA CIDADE DE VIRGINÓPOLIS, MG(asminasgerais.com.br) CASARÃO EM VIRGINÓPOLIS, MG (asminasgerais.com.br) CENTRO DA CIDADE DE VIRGINÓPOLIS, MG (asminasgerais.com.br) PRAÇA EM VIRGINÓPOLIS, MG (asminasgerais.com.br) VIRGINÓPOLIS, MG(asminasgerais.com.br)
CASARÃO EM VIRGINÓPOLIS, MG(asminasgerais.com.br)
PRAÇA EM VIRGINÓPOLIS, MG(asminasgerais.com.br)
RUA CENTRAL DA CIDADE DE VIRGINÓPOLIS, MG(asminasgerais.com.br)
UMA DAS MAIORES ESCADARIAS …

REPRESA DE FURNAS, SÃO JOSÉ DA BARRA, MINAS GERAIS - Em 1963 fecharam o túnel que criou praias, formou cânions, inundou vilarejos mudando para sempre a história de 34 cidades mineira e formando o espetacular “Mar de Minas”

CONHEÇA A "REPRESA DE FURNAS", SÃO JOSÉ DA BARRA, MINAS GERAIS, BRASIL foto - Thymonthy Becker No dia 9 de janeiro de 1963 o túnel que desviou o curso do rio Grande para a construção da Usina de Furnas foi fechado e as águas que formaram um dos maiores reservatórios do mundo, criou praias, formou cânions e cachoeiras inundou vilarejos e mudou para sempre a história dos 34 municípios que ficam ao longo dos 1.440 km2 de extensão do Lago de Furnas. (Thymonthy Becker) A sede do município de Guapé ficou praticamente submersa, o que levou à construção de uma nova sede em local definido pela população. O distrito de São José da Barra, então pertencente a Alpinópolis e emancipado em 1994, ficou integralmente debaixo das águas e deu lugar à "Nova Barra", que a pedido do padre Ubirajara Cabral, pároco local, foi construída pela Central Elétrica de Furnas na forma de um banjo. (Thymonthy Becker) A maioria dos municípios possuía vocação agropecuária, mas com o alagamento das ár…

ITUIUTABA, MINAS GERAIS - Com vários atrativos turísticos como cachoeiras, trilhas, museu, parques. artesanato regional e a famosa cachaça artesanal

CONHEÇA A CIDADE DE "ITUIUTABA", MINAS GERAIS, BRASIL BEM VINDO A CIDADE DE ITUIUTABA, MG. PORTAL DO TRIÂNGULO MINEIRO foto - ? População estimada 2016 (1) - 103.945 Área da unidade territorial 2015 (km²) - 2.598,046 Densidade demográfica 2010 (hab/km²) - 37,40 Código do Município 3134202 Gentílico - ituiutabano Prefeito 2017 / FUED JOSE DIB ORIGEM DO NOME O nome da cidade eh de origem indígena: I - rio, TUIU ­barrento; TABA - povoação, cidade. “Cidade do rio barrento”
Gentílico: ituiutabano HISTÓRICO Ituiutaba é uma fusão de vocábulos tupis que significa "povoação do rio Tijuco". Os primitivos habitantes do município eram ameríndios, pertencentes ao grupo Gê, também chamados caiapós. Uma das tribos que deixaram fama na região foi a dos panariás, muito bem estudada por Alexandre Barbosa, de Uberaba. Por fim ela foi aldeada na atual povoação de São Francisco de Sales, às margens do Rio Grande, no vizinho município de Campina Verde. Os panariás - assinala o his…

MONUMENTO HOLGER DANSKE, DINAMARCA - A tradição diz que a estátua ganhará vida quando a Dinamarca se encontrar em grande perigo e salvará a nação

CONHEÇA O "HERÓI LENDÁRIO DA DINAMARCA - HOLGER DANSKE ", DINAMARCA 
Explorar as criptas e catacumbas do Castelo de Kronborg é uma grande experiência. Escondido no porão do castelo, você vai conhecer o dinamarquês Holger (Holger Dansk), uma imponente estátua de pedra. Holger o dinamarquês, é uma figura lendária na cultura dinamarquesa. Se a Dinamarca se encontrar em apuros, ele vai acordar e defendê-la! HOLGER DANSKE, OU HOLGER, O DINAMARQUÊS, É UM HERÓI LENDÁRIO DA DINAMARCA. A PRIMEIRA REFERÊNCIA QUE TEMOS SOBRE A SUA EXISTÊNCIA APARECE EM ANTIGOS POEMAS FRANCESES, DE MEADOS DO SÉCULO XI. DE ACORDO COM A LENDA, ERA FILHO DE GODOFREDO, REI DA DINAMARCA. O SEU FILHO FOI MORTO POR CARLOS, O JOVEM, FILHO DE CARLOS MAGNO; EM BUSCA DE VINGANÇA, PROCUROU-O E MATOU-O. SÓ POR POUCO O IMPEDIRAM DE MATAR O PRÓPRIO CARLOS MAGNO. RESISTIU A CARLOS MAGNO DURANTE SETE ANOS, MAS FEZ A PAZ PARA LUTAR AO LADO DELE CONTRA OS SARRACENOS. DURANTE ESSA BATALHA MATOU O GIGANTE BREHUS. OS BARALHOS …

SERRA DO NAVIO, AMAPÁ - A História da Serra do Navio remonta aos anos 1950. A região era rica em manganês e outros minérios. Por isso, a brasileira ICOMI, com sede em Belo Horizonte e atuação em Minas Gerais, foi escolhida para explorar o minério e construir a vila operária, que daria origem à cidade de Serra do Navio. Cada vila tinha 330 casas, prédios coletivos (escolas, hospitais, refeitórios), abrigando até 1.500 pessoas, entre trabalhadores e familiares. Tinha ruas largas, postes de concreto para a fiação elétrica e telefônica, calçadas, parques, clubes com piscina, quadras esportivas, restaurante e lanchonete, drenagem de águas das chuvas e tratamento de água e esgoto. Todas as casas tinham mais de 90m² e contavam com saneamento e energia elétrica, proveniente de geradores da ICOMI.

CONHEÇA A CIDADE DE "SERRA DO NAVIO", AMAPÁ, BRASIL CONHEÇA A FAMOSA "LAGOA AZUL" DE SERRA DO NAVIO, AP A história da Lagoa Azul se mistura à criação da Serra do Navio e à atividade de exploração na década de 1950 A Amazônia é conhecida pelos rios, igarapés e cachoeiras. Mas, a maioria das pessoas nem imaginam que aqui existam lagoas de águas azul turquesa. A 208 quilômetros de Macapá, capital do Amapá, fica a Lagoa Azul, um paraíso que nasceu de uma mina abandonada. O lugar fica próximo à Vila Serra do Navio, cidade criada na década de 1950 para abrigar os trabalhadores de uma empresa de mineração. A lagoa azul e o passado da história da Serra do Navio estão entrelaçados. De acordo com a prefeitura da cidade, a cor marcante da lagoa, em tom azul anil, acontece por conta dos minérios da região especialmente o carbonato de manganês. O lugar era uma mineração. Hoje é possível chegar até lá através de trilhas ou de carro. A região é cercada por uma floresta tropical. O…

MONJOLOS, MINAS GERAIS - O município possui alto potencial de ecoturismo, pois conta com diversas cachoeiras, corredeiras, grutas e trilhas, todas cercadas por uma vasta e bela vegetação e que proporcionam deliciosos passeios de bike, motos, jipes ou até mesmo simples caminhadas.

CONHEÇA A CIDADE DE "MONJOLOS", MINAS GERAIS, BRASIL Situada na região central mineira, na Bacia do Rio das Velhas em um vale da Serra do Cabral, Monjolos integra, além da Estrada Real, o Circuito dos Diamantes.  A 265 km da capital mineira, o município possui alto potencial de ecoturismo, pois conta com diversas cachoeiras, corredeiras, grutas e trilhas, todas cercadas por uma vasta e bela vegetação e que proporcionam deliciosos passeios de bike, motos, jipes ou até mesmo simples caminhadas.
Rio Pardinho em Monjolos, MG(Instituto estrada Real)  A Área de Preservação Ambiental do Vale do Fundo apresenta uma densa mata virgem banhada por deleitáveis nascentes e cascatas. Ainda pouco explorada, a Gruta do Pau-Ferro possui grandes galerias com estalactites e estalagmites.  A cidade ainda possui um Centro de Artesanato, onde é exposto e vendido todo o artesanato da região. A Igreja Matriz Nossa Senhora do Livramento, a Ponte Férrea do Rio Pardo e o Monumento a Monjolos também aju…

CARRANCAS, MINAS GERAIS - Um pequeno paraíso conhecido como Terra das Cachoeiras pois possui mais de 120 quedas d'água na Estrada Real. Considerada um dos novos pólos de Ecoturismo, é um lugar ideal para a prática de Montain Bike, Trekking e outros esportes que lhe propiciam o contato com a natureza. Tem o grande poço da esmeralda, além das grutas da toca e da cortina, ainda pode-se observar pinturas rupestres e um escorregador com cerca de dez metros que termina com um divertido mergulho.

CONHEÇA A CIDADE DE "CARRANCAS", MINAS GERAIS, BRASIL

MUITO BEM VINDO AO PARAÍSO. BEM VINDO A CARRANCAS. MINAS EH ISTO E MUITO MAIS. imagem "?" Com mais de 50 cachoeiras, a cidade está voltada para o ecoturismo – suas belas paisagens frequentemente servem de cenário para novelas. Há quedas d’água de fácil acesso, mas as mais bonitas ficam escondidas na mata fechada, aonde só se chega por trilhas (que devem ser percorridas com a ajuda de guia). Entre novembro e março, a chuva torna as cachoeiras perigosas. A maioria das pousadas está próxima de grutas e cachoeiras, e muitas têm piscinas naturais. Foto - ?
POÇO DO CORAÇÃO
O acesso é tranquilo: pegue a Estrada para Itutinga, entre à esquerda após a primeira ponte para chegar ao Complexo da Toca. O carro fica na portaria, e você segue a trilha até o para o escorregador (é bom ponto para banho, ao lado da Gruta da Toca). A partir dele, suba margeando o rio: há vários poços e pequenas quedas até a principal atração local, a …

BOM JARDIM DE MINAS, MINAS GERAIS - Típica cidade mineira, com povo hospitaleiro, de clima ameno e muito aconchegante, traz no bojo de sua historia uma origem bucólica e religiosa com inúmeras atrações turísticas

CONHEÇA A CIDADE DE "BOM JARDIM DE MINAS", MINAS GERAIS, BRASIL Foto - Thymonthy Becker  BEM VINDO A CIDADE DE BOM JARDIM DE MINAS. PORTAL DA SERRA DA MANTIQUEIRA foto - Thymonthy Becker População estimada 2016 (1) - 6.648 Área da unidade territorial 2015 (km²) - 412,021 Densidade demográfica 2010 (hab/km²) - 15,78 Código do Município 3107505 Gentílico - bom-jardinense Prefeito 2017 / SERGIO MARTINS ORIGEM DO NOME O TOPÔNIMO ORIGINOU-SE DO NOME DA FAZENDA BOM JARDIM, PIONEIRA DA COMUNIDADE, E DO BELO "JARDIM" NELA CONSTRUÍDO PELOS SEUS PROPRIETÁRIOS. Bom Jardim de Minas Minas Gerais - MG HISTÓRICO O território onde se acha localizado o município, foi habitado por silvícolas de diversas tribos não identificados devidamente. Em 1770, Manoel Arriaga de Oliveira, sua mulher e seis filhos, chegaram à região, fundaram uma colônia que chamaram Campo Vermelho, tornando-se os primeiros moradores do lugar. O núcleo sofreu vários ataques dos índiso, sendo morto o filho do fundad…

AIMORÉS, MINAS GERAIS - Apesar de ser pequena, a cidade conta com belas paisagens e ótimos lugares para turismo como o Parque Botânico, Instituto terra e a barragem da Usina Hidroelétrica

CONHEÇA A CIDADE DE "AIMORÉS", MINAS GERAIS, BRASIL BEM VINDO A CIDADE DE AIMORÉS, MG. A TERRA DO SOL ETERNO. A PRINCESINHA DO LESTE MINEIRO. imagem - ? População estimada 2016 (1) - 25.703 Área da unidade territorial 2015 (km²) - 1.348,913 Densidade demográfica 2010 (hab/km²) - 18,50 Código do Município 3101102 Gentílico - aimorense Prefeito 2017 / MARCELO MARQUES ORIGEM DO NOME DA CIDADE DE AIMORÉS, MG Em 1915 passou a chamar-se Aimorés, em homenagem aos primitivos habitantes da terra, os índios botocudos do grupo "aimure/guimaré" (aimoré).
Gentílico: aimorense Histórico Aimorés Minas Gerais - MG HISTÓRICO DA CIDADE DE AIMORÉS, MG O DESBRAVAMENTO da região onde fica o Município de Aimorés data de 1856 a 1860, quando os primeiros posseiros, os irmãos João e Luís de Aguiar e um cunhado de nome Inácio Mançores, vindos da Paraíba do Sul (RJ), chegaram a propriedade do Tenente Francisco Ferreira da Silva, no Município de Manhuaçu, ganharam as cabeceiras do rio P…