Pular para o conteúdo principal

PENEDO, ALAGOAS - Erguendo-se imponente sobre um rochedo às margens do rio São Francisco, a cidade de Penedo é um relicário vivo, que conserva um patrimônio artístico-cultural de grande valor, tendo sido palco dos acontecimentos mais importantes do Brasil colonial. As marcas dos colonizadores portugueses, holandeses e dos missionários franciscanos, podem ser constatadas na arquitetura barroca de conventos e igrejas. Um passeio pelas águas do "Velho Chico" é um convite à descoberta de ilhas, prainhas e lugarejos. A culinária e as manifestações folclóricas são atração à parte.




CONHEÇA A CIDADE DE "PENEDO", ALAGOAS, BRASIL - DA JANELA DO TREM
Fundada no século 16, às margens do Rio São Francisco, foi o primeiro povoado de Alagoas. 
O Centro Histórico guarda um significativo conjunto arquitetônico – museus e igrejas dos séculos 17 e 18 – e pode ser visitado a pé. Uma das grandes atrações é o passeio de barco até a foz do Velho Chico.

Na divisa entre Alagoas e Sergipe, às margens do rio São Francisco, está Penedo, considerada uma das mais belas cidades históricas do país. Uma formação rochosa deu origem à cidade, o primeiro povoado do Estado de Alagoas, no século 16. Com igrejas, conventos e outras construções dos séculos 17 e 18, a cidade conta em suas ruas um pouco do passado do Brasil, proporcionando uma volta ao período colonial.
As marcas deixadas pelos colonizadores portugueses e holandeses e pelos missionários franciscanos podem ser vistas em toda arquitetura barroca espalhada pela cidade, que ainda traz a beleza da natureza, como os rochedos e as águas do rio São Francisco.
Casarões antigos margeiam o Rio, na cidade de Penedo (AL)
O primeiro povoado de Alagoas foi fundado no século 16, às margens do Rio São Francisco. Na foto o Museu do Paço Imperial e o Rio São Francisco, ao fundo
Penedo é uma das cidades que Dom Pedro 2º visitou em Alagoas. Ficou hospedado na região em outubro de 1889, na casa do comendador Araújo, atual museu do Paço Imperial, e se admirou com a quantidade de igrejas banhadas a ouro e pelo movimento que faziam os barcos no Velho Chico.
É possível chegar à cidade por terra ou por rio. Localizada a 169 km de Maceió, capital de Alagoas, é possível viajar pela BR-101 ou pelo litoral, na AL-101. Caso esteja em Sergipe, a cidade está a 164 km da capital Aracaju, e há a opção de atravessar de balsa a partir de Neópolis, por R$ 17, o automóvel de passeio.
São muitas opções de construções para visitar em Penedo. Se estiver com disposição, uma ideia é sair andando pelas ruas de paralelepípedo da cidade e entrar no clima da região. Mesmo de carro ou a pé, solicite no hotel ou em uma das igrejas o mapa dos principais pontos turísticos, pois a cidade não é muito bem sinalizada.
Turistas que forem ao restaurante Forte da Rocheira podem saborear carne de jacaré ao Molho de côco com milho e arroz
O Centro Histórico pode ser percorrido a pé, na foto o Convento de São Francisco e Igreja de Santa Maria dos Anjos
Os barcos de vela quadrada são típicos da região da Foz do Rio São Francisco
Para iniciar, logo à frente do rio está o Museu do Paço Imperial, que traz registros do início da cidade, e a Igreja Nossa Senhora da Corrente, datada de 1765, uma das mais bonitas da região. A construção pertencia à família portuguesa Lemos, abolicionistas que escondiam escravos fugitivos em seus compartimentos secretos.
Seu interior é formado por azulejo policromado, de traça portuguesa, piso de mosaico inglês e o retábulo do altar-mor, no estilo rococó, é trabalhado e folheado a ouro. Um guia fica à disposição para contar mais sobre a história da construção durante todo o horário de visita.
Também não deixe de visitar a Igreja de Nossa Senhora do Rosário dos Pretos, a rua do banheiro e a Casa do Penedo, que possui um rico acervo com documentos da época da invasão holandesa e da escravatura.
Barcos "descansam" às margens do Rio São Francisco
Para quem vai ao Forte da Rocheira, às margens do Velho Chico, pode contemplar a vista do Rio, no Mirante da Rocheira
Artesanato típico da região
Para comer, há alguns restaurantes espalhados pela cidade, como na frente do cais do porto e no Forte da Rocheira, também às margens do rio, local que proporciona um belíssimo pôr do sol.
É possível fazer um passeio até a foz do rio São Francisco. A viagem dura cerca de 45 minutos e o barco fica ancorado no local por uma hora, que além do encontro do rio com mar, tem dunas e coqueiros. Para este passeio, se informe com as embarcações no cais do porto.
As igrejas ficam abertas de segunda a sexta-feira, das 8h às 17h, de sábado e feriados, das 9h às 16h, e aos domingos, de 10h às 16h. O Museu do Paço Imperial funciona de terça a sábado, das 11h às 17h e aos domingos, das 8h às 12h. Todas as visitas são gratuitas, porém há a possibilidade do visitante deixar uma colaboração.
Forte da Rocheira
Altar da Igreja de Nossa Senhora da Corrente


SUGESTÃO DE PASSEIO EM PENEDO, ALAGOAS
Comece o passeio pela Praça 12 de Abril, em frente ao Rio São Francisco, onde está a Igreja de N. S. da Corrente, de 1729. Em estilo barroco, tem azulejos portugueses policromados e altar-mor folheado a ouro - ao lado dele, uma portinhola revela o esconderijo utilizado pelos escravos. 
Saia na direção do Museu do Paço Imperial e suba a Rua Damaso do Monte até a Praça Barão de Penedo. Em frente ao prédio da Prefeitura, veja o Oratório dos Condenados à Forca, de 1769, local onde os prisioneiros rezavam antes da execução. Na mesma praça fica a Catedral Diocesana de N. S. do Rosário, de 1690, fechada para reforma. 
Ao lado, na Praça Rui Barbosa, está o Convento de São Francisco e Igreja de Santa Maria dos Anjos, construído entre 1660 e 1759. Com estilo barroco e rococó, tem altar-mor folheado a ouro e museu com imagens sacras e móveis antigos, além da Casa S. Francisco, que conta a história da ordem franciscana. 
O Centro Histórico de Penedo, Alagoas, possui museus e igrejas do século 17 e 18, como a Igreja Nossa Senhora da Corrente, na Praça 12 de Abril
Suba pela Rua Fernandes de Barros até alcançar a Praça Marechal Deodoro, onde fica a Igreja do Rosário dos Pretos, construída para os escravos no século 17. Ande uma quadra e desça a Rua João Pessoa, passando pela Casa do Penedo, até a Rua Nilo Peçanha. Ali, no nº 165, fica o ateliê do artesão Claudeonor T. Higino, o único santeiro da cidade. 
Siga pela Rua Siqueira Campos e entre à esquerda na Avenida Floriano Peixoto. Depois de alguns passos você alcança o Teatro Sete de Setembro, de 1884. Em estilo neoclássico, foi o primeiro teatro alagoano. A poucos metros fica a Igreja de São Gonçalo Garcia, de 1758, com traços barrocos ornamentados por pedra calcária.
O Oratório dos Condenados à Forca, na Praça Barão de Penedo, era onde os prisioneiros rezavam antes da execução
Uma das grandes atrações de Penedo é ir, de barco ou bugue, até a foz do Rio São Francisco
O paço imperial foi hospedagem de dom Pedro II em 1859, onde estão expostas porcelanas, mobiliário e objetos que contam parte da história da cidade e do Brasil. O ilustre visitante, segundo conta o imaginário popular, teria dito que "o local é muito bonito e creio que deveria estar aqui a capital da província"
Seja bem vindo a cidade que eh banhada pelo rio São Francisco e eh um relicário vivo inestimável. Bem vindo a Penedo nas Alagoas.
AQUI O RIO SÃO FRANCISCO PASSANDO NA CIDADE DE PENEDO, ALAGOAS
FOZ DO RIO SÃO FRANCISCO EM PENEDO, ALAGOAS

O CENTRO HISTÓRICO DA CIDADE DE PENEDO, ALAGOAS




AQUI A ORLA DA CIDADE DE PENEDO, ALAGOAS
imagem - Hugo Torres
Erguendo-se imponente sobre um rochedo às margens do rio São Francisco, a cidade de Penedo é um relicário vivo, que conserva um patrimônio artístico-cultural de grande valor, tendo sido palco dos acontecimentos mais importantes do Brasil colonial. As marcas dos colonizadores portugueses, holandeses e dos missionários franciscanos, podem ser constatadas na arquitetura barroca de conventos e igrejas. Um passeio pelas águas do "Velho Chico" é um convite à descoberta de ilhas, prainhas e lugarejos. A culinária e as manifestações folclóricas são atração à parte. as festividades duram o ano inteiro: festa do bom jesus dos navegantes (janeiro), festival de tradições populares e aniversário da cidade (abril), circuito de jeep (maio), são joão (junho), circuito de motovelocidade (agosto), penedo fest (outubro), gincana de pesca de arremesso (novembro) e natal (dezembro).
UM DOS INÚMEROS CASARÕES DA CIDADE DE PENEDO, ALAGOAS
imagem - Hugo Torres
AQUI UM PATRIMÔNIO CULTURAL DE PENEDO, ALAGOAS
imagem - Hugo Torres
ARQUITETURA TOMBADA PELO PATRIMÔNIO CULTURAL DE PENEDO, ALAGOAS
imagem - Hugo Torres
VISTA PARCIAL DA CIDADE DE PENEDO, ALAGOAS
imagem - Hugo Torres
UMA DAS RESIDÊNCIAS
imagem - Hugo Torres
A PRAÇA DA IGREJA DA CIDADE DE PENEDO, ALAGOAS
imagem - Hugo Torres
VISÃO GERAL DA CIDADE DE PENEDO, ALAGOAS
imagem - Hugo Torres
IGREJA DE NOSSA SENHORA DO ROSÁRIO EM PENEDO, ALAGOAS
imagem - Hugo Torres
TELHADOS
imagem - Hugo Torres
O TRADICIONAL CORETO
imagem - Hugo Torres
RUA DA ORLA
imagem - Hugo Torres
OUTRO CASARÃO TOMBADO PELO PATRIMÔNIO CULTURAL
imagem - Hugo Torres
LATERAL DA IGREJA DE NOSSA SENHORA DO ROSÁRIO
imagem - Hugo Torres
INTERIOR DO TEATRO 7 DE SETEMBRO EM PENEDO, ALAGOAS
imagem - Hugo Torres
A CIDADE QUASE QUE DENTRO D'ÁGUA
imagem - Hugo Torres
OUTRO CASARÃO TOMBADO
imagem - Hugo Torres
CONVENTO DE NOSSA SENHORA DOS ANJOS NA CIDADE DE PENEDO, ALAGOAS
imagem - Hugo Torres
O CONVENTO NO CONTEXTO DA PRAÇA E RUA
imagem - Hugo Torres
VISTA PARCIAL DA ÁREA CENTRAL
imagem - Hugo Torres
A ORLA DA CIDADE
imagem - Hugo Torres
OLHE QUÃO BONITA ESTAS ARQUITETURAS
imagem - Hugo Torres
AQUI O TEATRO 7 DE SETEMBRO DA CIDADE DE PENEDO, ALAGOAS
imagem - Hugo Torres
AQUI O PORTO NO RIO SÃO FRANCISCO EM PENEDO, ALAGOAS
imagem - Hugo Torres
OUTRA TOMADA DO PAÇO IMPERIAL
imagem - Hugo Torres
POUSADA COLONIAL
imagem - Hugo Torres
AVENIDA DA IGREJA
imagem - ?
IGREJA DE NOSSA SENHORA DAS CORRENTE DA CIDADE DE PENEDO, ALAGOAS
imagem - Hugo Torres
O VELHO CHICO QUE BANHA A CIDADE DE PENEDO, ALAGOAS
imagem - ?
O VELHO CHICO E A CIDADE
imagem - PMP
IGREJA DE SÃO GONÇALO GARCIA EM PENEDO, ALAGOAS
imagem - Hugo Torres
AQUI O PONTO DAS BALSAS
imagem - Sipeal
COLÉGIO DIOCESANO DA CIDADE DE PENEDO, ALAGOAS
imagem - ?
MONUMENTO AO NAVEGANTE EM PENEDO, ALAGOAS
imagem - Luana Marques
População estimada 2016 (1) - 64.292
Área da unidade territorial 2015 (km²) - 689,875
Densidade demográfica 2010 (hab/km²) - 87,61
Código do Município - 2706703
Gentílico - penedense
ORIGEM DO NOME
O NOME PENEDO ORIGINOU-SE DE A PEQUENA PEDRA. A CIDADE ESTA CONSTRUÍDA SOBRE UM ROCHEDO AS MARGENS DO RIO SÃO FRANCISCO
Gentílico: penedense
HISTÓRICO
Em 1534, Duarte Coelho Pereira, primeiro donatário da Capitania de Pernambuco, desceu pelo litoral, adentrou pela foz e a sete léguas encontrou um pequeno povoado que somente em 1560 foi oficialmente reconhecido pelo segundo donatário, Duarte Coelho Pereira de Albuquerque: Penedo do São Francisco.
Em 1636, foi elevado à categoria de vila com o nome de Vila do Penedo do São Francisco. 
Em 1637, Maurício de Nassau invade Penedo e assim passamos 10 anos sob o domínio holandês. A Vila passa a chamar-se Maurícia.
Mas não tardou a surgir o movimento revolucionário no Penedo, cuja finalidade era arrancar a terra da mão dos invasores.
O movimento revolucionário recebeu o nome de openeda.
Assim, em 19 de setembro de 1645, Valentim da Rocha Pita, grande herói penedense, comanda a batalha final no Alto do Monte Alegre, hoje, Praça Clementino do Monte.
Ali foi erguida uma cruz de pedra, em estilo bizantino, como marco do grande evento.
No ano de 1660 os franciscanos chegaram a Penedo e aqui construíram o convento e Igreja de Santa Maria dos Anjos, com escolas de francês, latim e filosofia.
Em 18 de abril de 1842, Penedo torna-se cidade.
ESTA EH A BANDEIRA DA CIDADE DE PENEDO, ALAGOAS
ESTE EH O BRASÃO DO MUNICÍPIO DE PENEDO, ALAGOAS



ACESSE: THYMONTHY BECKER COMUNICAÇÃO


VALEU PELA VISITA. ATÉ A PRÓXIMA. 


fonte dos textos e fotos: IBGE / Wikipédia / Prefeitura Municipal de Penedo / viajeaqui.abril.com.br / Thymonthy Becker / uol.com.br / 

Comentários

Páginas que receberam mais visitas

BAEPENDI, MINAS GERAIS - A terra de "Nhá Chica". Baependi é um convite para se deslumbrar com as mais de cinqüenta cachoeiras que cercam a cidade. Na natureza preservada no município estão cerca de 40% do parque ecológico do papagaio, é local ideal para fazer trilhas e acampar em paradisíacos lugares. Baependi é uma das poucas cidades que podem ser visitadas durante qualquer época do ano, sem se preocupar com a programação que irá encontrar pois, o verão é bem definido, sendo um convite para se deslumbrar com as mais de cinqüenta cachoeiras que cercam a cidade e o inverno pouco chuvoso propicia inúmeras opções para enfrentar trilhas e acampar em paradisíacos lugares. A religiosidade ocupa lugar de destaque como um dos fatores que mais atraem os visitantes, uma vez que Baependi foi o lugar onde a serva de Deus, Nhá Chica, concedeu suas graças, hoje em dia inúmeras romarias de diversas partes do país têm como destino o Santuário de Nhá Chica, onde também se encontram seus restos mortais.

COLORADO, RIO GRANDE DO SUL - Será que tem gremista em Colorado? Claro que tem. Colorado é uma pequena cidade do Alto Jacuí. Fundada por imigrantes italianos e alemães. O município tem como base da economia a produção agrícola. Cenários de belezas, cores e aromas que seduzem os turistas. Cenários de belezas, cores e aromas que seduzem os turistas

REPRESA DE FURNAS, SÃO JOSÉ DA BARRA, MINAS GERAIS - No dia 9 de janeiro de 1963 o túnel que desviou o curso do rio Grande para a construção da Usina de Furnas foi fechado e as águas que formaram um dos maiores reservatórios do mundo, criou praias, formou cânions e cachoeiras, inundou vilarejos e mudou para sempre a história dos 34 municípios que ficam ao longo dos 1.440 km2 de extensão do Lago de Furnas. Destes, Capitólio se destaca por oferecer as melhores opções de serviços e infraestrutura turística. Os passeios náuticos, os esportes aquáticos, a pesca esportiva e a exuberância natural são pontos fortes da região, que abrange também parte do Parque Nacional da Serra da Canastra, onde nasce o Rio São Francisco, o "Velho Chico". O Lago de Furnas, também conhecido como "O MAR DE MINAS", é quatro vezes maior que a Baía de Guanabara, no Rio de Janeiro.

BRASÍLIA, DF, BRASIL - Brasília é formada por gente de todos os lugares, todas as idades e de muitas gerações. É uma mistura de sotaques do Nordeste, Sudeste, Norte e Sul do país e até de estrangeiros. Por conta de seu rápido crescimento, já é a quarta cidade mais populosa do país. A maioria dos moradores, 52%, é mulher e tem em média 30 anos. Os primeiros habitantes que chegaram a Brasília vieram, principalmente, atraídos pelos empregos na construção civil e ajudaram na construção da capital. Eles eram chamados de candangos e aqui construíram e criaram famílias. Desses, surgiram os “brasilienses”, o gentílico usado para quem nasceu aqui e adotado por quem veio de fora e assumiu a cidade como sua.

TOMBOS, MINAS GERAIS - Na cachoeira três tombos, verdadeira obra da natureza de imensurável beleza que constitui um cartão postal da cidade com 62 metros de altura. A Gruta Pedra Santa localizada no distrito de Catuné, uma obra construída pela própria natureza. Ao longo do tempo a grande pedra foi desintegrando-se e formou-se um grande salão, onde ergueu-se a capela em Honra a Nossa Senhora de Lourdes. Praças diversas, museu municipal que funciona na antiga estação ferroviária, usina hidrelétrica de Tombos e os dois distritos “Catuné” e “Água Santa” valem uma visita à cidade de Tombos

IGATU, ANDARAÍ, BAHIA - Eh uma verdadeira cidade de pedra. "Sagrada" pra quem viveu lá durante o auge do ciclo do diamante. O trajeto até a vila já é uma atração: a estrada de acesso pela BA-142 é cheia de mirantes naturais. Ao chegar, a impressão é de ter voltado no tempo, quando igatu era chamada de Xique Xique e famosa pela extração de diamantes. Hoje não há farmácias, o hospital mais próximo fica em Andaraí, a 12 km. Em outros tempos quem diria? Cabarés, cassinos, lojas, cadeia, cartório, cinema...

RIO DE JANEIRO, BRASIL - Do primeiro ao último minuto do ano, não falta o que fazer, o que visitar e o que rever no Estado do Rio de Janeiro, que não por acaso ostenta o rótulo de Maravilhoso. Além das praias e de seus outros dois ícones geográficos – o Corcovado e o Pão de Açúcar – o Rio vem ganhando uma série de atrativos culturais e gastronômicos. Quem deixa a capital e percorre o litoral fluminense encontra praias de beleza raríssima. Ao norte, na Região dos Lagos, estão as dunas de Cabo Frio, as águas translúcidas e frias de Arraial do Cabo, boas para mergulho, a badalação de Búzios e as trilhas rurais de Rio das Ostras. De frente para a Baía da Guanabara, Niterói mostra que a vista para a cidade do Rio não é o único atrativo. Além de oferecer, na sua face voltada para o alto mar, trechos de areia ideais para quem quiser fugir do agito de Ipanema e Copacabana, o município começa a explorar o legado das construções assinadas por Oscar Niemeyer, entre elas o famoso Museu de Arte Contemporânea.

GRAMADO, RIO GRANDE DO SUL - Faltava neve à Gramado para que ela assumisse de vez o título de “Suíça brasileira”. Não falta mais: o Snowland, primeiro parque de neve artificial indoor das Américas, trouxe esportes de inverno à cidade, que já era famosa pelas construções enxaimel (aquelas de paredes esquadrinhadas com tirantes de madeira), pelas fondues nos bons restaurantes suíços e pelo climinha gostoso da Serra Gaúcha.

CAMPO BELO, MINAS GERAIS - A primeira cidade do Brasil a ter um time de Rugby (Campo Belo Rugby - CBR) A cidade tem paisagens deslumbrantes com campos a perder de vista. Ideal para a prática de esportes de aventura, ecoturismo, esportes náuticos com várias cachoeiras, praias de água doce além da tradicional e boa comida mineira. Uma cidade tranquila, acolhedora com boas opções para hospedagem

SERRA DO NAVIO, AMAPÁ - A História da Serra do Navio remonta aos anos 1950. A região era rica em manganês e outros minérios. Por isso, a brasileira ICOMI, com sede em Belo Horizonte e atuação em Minas Gerais, foi escolhida para explorar o minério e construir a vila operária, que daria origem à cidade de Serra do Navio. Cada vila tinha 330 casas, prédios coletivos (escolas, hospitais, refeitórios), abrigando até 1.500 pessoas, entre trabalhadores e familiares. Tinha ruas largas, postes de concreto para a fiação elétrica e telefônica, calçadas, parques, clubes com piscina, quadras esportivas, restaurante e lanchonete, drenagem de águas das chuvas e tratamento de água e esgoto. Todas as casas tinham mais de 90m² e contavam com saneamento e energia elétrica, proveniente de geradores da ICOMI.