Pular para o conteúdo principal

CACHOEIRA PONTE DE FERRO, DIVINÓPOLIS, MINAS GERAIS - Muitos sonhos contados, muitas lendas de pescadores espalhadas, muitos amores perdidos, muitos romances que começaram, muitas saudades dos que partiram e as melancolias dos que ficaram, e tantos sonhos que se realizaram na garupa de uma bicicleta.




CONHEÇA O DISTRITO DE "CACHOEIRA PONTE DE FERRO", MINAS GERAIS, BRASIL - COMO SE ESTIVESSE NA JANELA DO TREM
BEM VINDO A CACHOEIRA PONTE DE FERRO, QUE JÁ FOI O PARAÍSO DOS PESCADORES. (Thymonthy Becker)
O POVOADO DE CACHOEIRA PONTE DE FERRO PERTENCE A CIDADE DE DIVINÓPOLIS, NO CENTRO OESTE DO ESTADO DAS MINAS GERAIS.
POSSUI APROXIMADAMENTE 40 HABITANTES (FONTE: MORADOR)
O POVOADO FICA AS MARGENS DA BR 494 ENTRE DIVINÓPOLIS MARILÂNDIA.
CACHOEIRA PONTE DE FERRO ESTA À 770 QUILÔMETROS DE BRASÍLIA (DF)
À 140 QUILÔMETROS DA CAPITAL MINEIRA (BH)
E À 10 QUILÔMETROS DE DIVINÓPOLIS.
Fonte: Google Mapas
AS MISSAS NESTE POVOADO SÃO CELEBRADAS UMA VEZ POR MÊS. SEMPRE NA SEXTA FEIRA POR VOLTA DO DIA 20.
TODOS OS ANOS, NO DIA DE SÃO PEDRO (29 DE JUNHO) OU NO PRIMEIRO SÁBADO APÓS ESTE DIA, SE O MESMO NÃO CAIR NO SÁBADO, ACONTECE AQUI AS BARRAQUINHAS E QUERMESSES.
TEM CONCURSO DE DANÇAS, COMIDAS TÍPICAS, QUADRILHAS E MUITAS OUTRAS ATRAÇÕES.
VALE A PENA VOCÊ VIR AQUI E CONHECER ESTA COMUNIDADE QUE FICA AS MARGENS DA RODOVIA BR 494 PRÓXIMO A DIVINÓPOLIS NO SENTIDO PARA MARILÂNDIA, CARMO DA MATA E OLIVEIRA.
AQUI PODEMOS VER A IGREJA DO CRISTO REI. (Thymonthy Becker)
ESTE EH O INTERIOR DA IGREJA DO CRISTO REI. (Thymonthy Becker)
A IMAGEM DO CRISTO REI (Thymonthy Becker)
AQUI O ALTAR DA IGREJA (Thymonthy Becker)
AQUI O LOCAL ONDE SE FAZ APRESENTAÇÕES QUANDO DE FESTAS REALIZADAS NO POVOADO. (Thymonthy Becker)
AQUI O PESSOAL FAZ AS BARRAQUINHAS, QUERMESSES, DANÇA QUADRILHA E OUTRAS FESTIVIDADES QUE GERALMENTE OCORREM EM JUNHO. (Thymonthy Becker)
O CARRO DO BATENTE NA AVENIDA DE ACESSO A IGREJA (Thymonthy Becker)
A AVENIDA DE ACESSO A IGREJA E AO SALÃO DE FESTAS. (Thymonthy Becker)
A AVENIDA SAINDO PARA A BR 494 (Thymonthy Becker)
A IGREJA NO CONTEXTO DA PRAÇA QUE A CERCA (Thymonthy Becker)
AQUI A SAÍDA DO POVOADO PARA A BR 494 NO SENTIDO OLIVEIRA (Thymonthy Becker)
AQUI PODEMOS VER ALGUMAS CASAS DO OUTRO LADO DA BR (Thymonthy Becker)
AQUI A RUA DE ACESSO AS RESIDÊNCIAS DO POVOADO (Thymonthy Becker)
EH EM MEIO A ESTA PAISAGEM QUE O PESSOAL DAQUI MORA. MUITO LEGAL. (Thymonthy Becker)
AQUI O PONTO DE ÔNIBUS DO POVOADO (Thymonthy Becker)
UMA DAS RESIDÊNCIAS DO LOCAL (Thymonthy Becker)
CASAS ENTRE ÁRVORES (Thymonthy Becker)
RUA DE ACESSO AO RIO (Thymonthy Becker)
OUTRAS CASAS DO LOCAL (Thymonthy Becker)
AS ÁRVORES COMO SE FOSSEM GUARDIÕES DA ESTRADA (Thymonthy Becker)
UM JARDIM DO LADO DE FORA DO MURO (Thymonthy Becker)
A BR 494 PASSANDO PELO POVOADO (Thymonthy Becker)
AQUI UMA PEQUENA PRAÇA (Thymonthy Becker)
O TELEFONE COMUNITÁRIO (Thymonthy Becker)
AQUI A SEDE DO CONSELHO COMUNITÁRIO RURAL DO POVOADO E A PRAÇA EM VOLTA DESTE. (Thymonthy Becker)
AQUI O CACHORRO EH BRAVO. (Thymonthy Becker)
A SEDE DO CONSELHO NOVAMENTE.
foto - Thymonthy Becker 
ESTA EH A CENA NA FRENTE DO CONSELHO COMUNITÁRIO RURAL. (Thymonthy Becker)
OLHA O CARRO DO BATENTE NA PRAÇA DO CONSELHO COMUNITÁRIO. (Thymonthy Becker)
AQUI A RUA DE ACESSO AO CONSELHO COMUNITÁRIO (Thymonthy Becker)
Então você acabou de conhecer o povoado de cachoeira ponte de ferro. Antigamente era conhecido só de Pondiferro.
Os pescadores vinham muito aqui pescar. Dava muito peixe.
Era conhecido como ponte de ferro, porque tinha uma ponte de ferro por onde o trem passava e os pescadores pescavam debaixo dela.
Meu pai era um dos que vinham pescar aqui quase todas as semanas.
Às vezes ele trazia a gente. A gente era eu e um ou dois irmãos meu. Nós éramos dezoito irmãos, mas ele só trazia uns três irmãos, mais a minha mãe.
Nós vínhamos de bicicleta. Um dirigindo, outro na garupa e outro no quadro. Eram duas bicicletas.
Parávamos de vez em quando porque a perna ficava com "formiguinha". Ai tinha que descer e a gente custava a ficar de pé.
Íamos pela linha do trem, porque não tinha subida.
A gente sempre via uma igrejinha que jurava que era a do bairro onde a gente morava. Porque era exatamente igual. Mais meu pai nunca dizia pra gente se era ela ou não.
Quando a gente chegava à ponte de ferro, a primeira coisa que nós, eu e meu irmão, queríamos fazer era comer os lanches que minha mãe levava. A gente já chegava com fome.
Meu pai ia pescar e minha mãe eu e meu irmão íamos nadar no rio. Eh que tinha umas pedras ali que formavam umas lagoas pequena que era boa pra nadar.
Geralmente nós íamos no sábado para a ponte de ferro. Era muito bom.
A ponte de ferro nem existe mais. Ela foi tirada e colocada outra no lugar que nem eh de ferro. Mas o nome ficou. E até hoje lá eh conhecido como Ponte de Ferro. O nome cachoeira eh por causa daquelas pedras que eu falei onde a gente nadava. Era uma pequena cachoeira.
Então eh isso. Este lugar trás muitas lembranças boas de quando eu era pequeno ainda e ia com meu pai e minha mãe pescar na ponte de ferro. Na verdade eu não pescava, nem gostava. Mas era legal nadar no rio e comer lanches que minha mãe fazia só quando a gente ia lá.
Na ida ou na volta, a gente sempre encontrava com outros pescadores indo de bicicleta ou a pé mesmo.
Deixei de ir lá, nesta ponte de ferro, quando deixei de ser criança. E até então, nunca mais voltei. Mas sempre que passo ali na rodovia lembro deste tempo, muito bom por sinal, em que a gente ia de bicicleta pescar na cachoeira, debaixo da ponte de ferro.
Se um dia você passar por ali, dê uma paradinha e viva um pouco da emoção de estar num lugar que tem muitas histórias de vida, muitos sonhos contados, muitas lendas de pescadores espalhadas, muitos amores perdidos, muitos romances que começaram, muitas saudades dos que partiram e as melancolias dos que ficaram, e tantos sonhos que se realizaram na garupa de uma bicicleta.
Porque onde quer que passamos, deixamos como marca de nossa passagem, a saudade ou a tristeza, que o tempo, em tempo algum, conseguirá apagar.
Até mais vê então. Um dia desses qualquer a gente pode até se encontrar num CANTINHOS DE MINAS.

(Texto: Thymonthy Becker)

Fonte dos textos e fotos: = Thymonthy Becker / IBGE / 



THYMONTHY BECKER COMUNICAÇÃO

Comentários

Páginas que receberam mais visitas

BAEPENDI, MINAS GERAIS - A terra de "Nhá Chica". Na natureza preservada no município estão cerca de 40% do parque ecológico do papagaio, é local ideal para fazer trilhas e acampar em paradisíacos lugares. Baependi é uma das poucas cidades que podem ser visitadas durante qualquer época do ano, sem se preocupar com a programação que irá encontrar pois, o verão é bem definido, sendo um convite para se deslumbrar com as mais de cinqüenta cachoeiras que cercam a cidade e o inverno pouco chuvoso propicia inúmeras opções para enfrentar trilhas e acampar em paradisíacos lugares

COLORADO, RIO GRANDE DO SUL - Colorado é uma pequena cidade do Alto Jacuí. Fundada por imigrantes italianos e alemães. O espetáculo, belezas naturais, cores, aromas que seduzem à primeira vista. O município tem como base da economia a produção agrícola. A região possui uma relação muito próxima com as águas e com a geração de energia elétrica, a partir da formação do maior lago artificial do Estado – os Alagados do Passo Real e da Barragem de Ernestina. Bonitas e agradáveis, as cidades proporcionam atrações diversificadas, eventos, muitas festas, gastronomia, artesanato.

REPRESA DE FURNAS, SÃO JOSÉ DA BARRA, MINAS GERAIS - No dia 9 de janeiro de 1963 o túnel que desviou o curso do rio Grande para a construção da Usina de Furnas foi fechado e as águas que formaram um dos maiores reservatórios do mundo, criou praias, formou cânions e cachoeiras, inundou vilarejos e mudou para sempre a história dos 34 municípios que ficam ao longo dos 1.440 km2 de extensão do Lago de Furnas que abrange também parte do Parque Nacional da Serra da Canastra. O Lago de Furnas, também conhecido como "O MAR DE MINAS", é quatro vezes maior que a Baía de Guanabara, no Rio de Janeiro

BRASÍLIA, DF, BRASIL - Brasília é formada por gente de todos os lugares, todas as idades e de muitas gerações. É uma mistura de sotaques do Nordeste, Sudeste, Norte e Sul do país e até de estrangeiros. Por conta de seu rápido crescimento, já é a quarta cidade mais populosa do país. A maioria dos moradores, 52%, é mulher e tem em média 30 anos. Os primeiros habitantes que chegaram a Brasília vieram, principalmente, atraídos pelos empregos na construção civil e ajudaram na construção da capital. Eles eram chamados de candangos e aqui construíram e criaram famílias

TOMBOS, MINAS GERAIS - Na cachoeira três tombos, verdadeira obra da natureza de imensurável beleza que constitui um cartão postal da cidade com 62 metros de altura. A Gruta Pedra Santa localizada no distrito de Catuné, uma obra construída pela própria natureza. Ao longo do tempo a grande pedra foi desintegrando-se e formou-se um grande salão, onde ergueu-se a capela em Honra a Nossa Senhora de Lourdes. Praças diversas, museu municipal que funciona na antiga estação ferroviária, usina hidrelétrica de Tombos e os dois distritos “Catuné” e “Água Santa” valem uma visita à cidade de Tombos

IGATU, ANDARAÍ, BAHIA - Eh uma verdadeira cidade de pedra. "Sagrada" pra quem viveu lá durante o auge do ciclo do diamante. O trajeto até a vila já é uma atração: a estrada de acesso pela BA-142 é cheia de mirantes naturais. Ao chegar, a impressão é de ter voltado no tempo, quando igatu era chamada de Xique Xique e famosa pela extração de diamantes. Hoje não há farmácias, o hospital mais próximo fica em Andaraí, a 12 km. Em outros tempos quem diria? Cabarés, cassinos, lojas, cadeia, cartório, cinema...

SERRA DO NAVIO, AMAPÁ - A História da Serra do Navio remonta aos anos 1950. A região era rica em manganês e outros minérios. Por isso, a brasileira ICOMI, com sede em Belo Horizonte e atuação em Minas Gerais, foi escolhida para explorar o minério e construir a vila operária, que daria origem à cidade de Serra do Navio. Cada vila tinha 330 casas, prédios coletivos (escolas, hospitais, refeitórios), abrigando até 1.500 pessoas, entre trabalhadores e familiares. Tinha ruas largas, postes de concreto para a fiação elétrica e telefônica, calçadas, parques, clubes com piscina, quadras esportivas, restaurante e lanchonete, drenagem de águas das chuvas e tratamento de água e esgoto. Todas as casas tinham mais de 90m² e contavam com saneamento e energia elétrica, proveniente de geradores da ICOMI.

RIO DE JANEIRO, BRASIL - Do primeiro ao último minuto do ano, não falta o que fazer, o que visitar e o que rever no Estado do Rio de Janeiro, que não por acaso ostenta o rótulo de Maravilhoso. Além das praias e de seus outros dois ícones geográficos – o Corcovado e o Pão de Açúcar – o Rio vem ganhando uma série de atrativos culturais e gastronômicos. Quem deixa a capital e percorre o litoral fluminense encontra praias de beleza raríssima. Ao norte, na Região dos Lagos, estão as dunas de Cabo Frio, as águas translúcidas e frias de Arraial do Cabo, boas para mergulho, a badalação de Búzios e as trilhas rurais de Rio das Ostras

GRAMADO, RIO GRANDE DO SUL - Faltava neve à Gramado para que ela assumisse de vez o título de “Suíça brasileira”. Não falta mais: o Snowland, primeiro parque de neve artificial indoor das Américas, trouxe esportes de inverno à cidade, que já era famosa pelas construções enxaimel (aquelas de paredes esquadrinhadas com tirantes de madeira), pelas fondues nos bons restaurantes suíços e pelo climinha gostoso da Serra Gaúcha.

CAMPO BELO, MINAS GERAIS - A primeira cidade do Brasil a ter um time de Rugby (Campo Belo Rugby - CBR) A cidade tem paisagens deslumbrantes com campos a perder de vista. Ideal para a prática de esportes de aventura, ecoturismo, esportes náuticos com várias cachoeiras, praias de água doce além da tradicional e boa comida mineira. Uma cidade tranquila, acolhedora com boas opções para hospedagem