Pular para o conteúdo principal

OS 10 CARROS PEQUENOS MAIS BARATOS DO BRASIL - Para quem eh solteiro e não gosta de fazer baliza




CONHEÇA OS "10 CARROS POPULARES MAIS BARATOS DO BRASIL, DA JANELA DO TREM
Para quem é solteiro e não gosta de fazer baliza, um carro pequeno é mais do que ideal. Conheça os mais em conta para o seu bolso 
Falar em carros pequenos há alguns anos, significava falar dos modelos entre R$ 25 mil e R$ 35 mil. Eram os veículos mais baratos de cada marca e também os mais pelados, com o mínimo possível de equipamentos. Isso em outros tempos. Hoje em dia, apenas um carro novo é vendido por menos de R$ 30 mil e muitas marcas, como Ford e Chevrolet, se afastaram do chamado segmento de entrada – embora a GM vá oferecer um Onix mais barato em breve.
Mesmo com o mercado em crise, com uma queda de 25% na vendas de carros novos no primeiro semestre de 2016, as marcas continuam a aumentar os preços de seus veículos. Apesar disso, se pesquisar bem, é possível encontrar uma concessionária com estoque maior e disposta a oferecer bons descontos. Estes são os 10 carros pequenos mais baratos do Brasil, conforme o preço de tabela:
1º - Fiat Palio Fire – R$ 29.540 
O rei dos carros pequenos no quesito preço, o Fiat Palio Fire é o Palio da geração anterior, usando o veterano motor 1.0 Fire de 75 cv e 9,9 kgfm de torque, com etanol. Sua versão mais barata, por R$ 29.540, é o carro mais barato do país. Mas, para isso, vem com o mínimo: só duas portas, sem rádio, sem ar-condicionado, vidros e travas manuais e sem direção hidráulica. Até a preparação para rádio é opcional, por R$ 411.
2º - Chery New QQ – R$ 31.290 
Um dos símbolos da suposta “invasão chinesa” que nunca se concretizou, o Chery QQ ganhou uma nova geração em abril de 2015 e brigou por muito tempo pelo título de carro mais barato do país. Embora não seja, ainda está na faixa dos R$ 30 mil e tenta roubar os clientes da Fiat oferecendo um pacote mais completo, com ar-condicionado, direção hidráulica, rádio com USB e vidros dianteiros elétricos, por R$ 31.290.
3º - Fiat Mobi – R$ 31.900 
Lançado há poucos meses, o Fiat Mobi vem para substituir o Palio Fire como carro pequeno de entrada da Fiat. É bem menor, medindo 3,56 metros de comprimento, contra os 3,82 metros do Palio Fire e usa o mesmo motor 1.0 Fire de 75 cv e 9,9 kgfm de torque, com biocombustível. A versão mais básica, chamada Mobi Easy, vem tão crua quanto seu antepassado, com a diferença de ser oferecido apenas com quatro portas.
4º - Volkswagen Up - R$ 33.990 
A Volkswagen tem bons argumentos para te convencer a escolher o Up! no lugar dos outros carros pequenos. É um dos automóveis mais econômicos do país, usando o motor 1.0 de 82 cv e 10,4 kgfm de torque (com etanol), e cinco estrelas no teste de colisão do Latin NCAP. Só que também vem bem pelado na configuração mais básica, por R$ 33.990: duas portas, só com preparação para rádio e sem alto-falantes, nada de direção elétrica e nem ar-condicionado.
5º - Volkswagen Gol – R$ 34.250 
Por R$ 34.250, o Volkswagen Gol pode roubar algumas vendas do Up de entrada por ser um pouco maior, principalmente para quem viaja nos bancos traseiros. O motor é o mesmo, o 1.0 três cilindros de 82 cv e 10,4 kgfm de torque com etanol. Apesar de ter direção hidráulica, não conta com ancoragem ISOFIX para cadeirinhas infantis, como o Up!. Assim , sua escolha fica entre ter um carro mais espaçoso ou mais seguro.
6º - Renault Clio – R$ 34.300 
O decano da lista, o Renault Clio é um dos carros à venda há mais tempo no Brasil, com o velho 1.0 de 80 cv e 10,5 kgfm, com etanol. Sua idade e o fato que está prestes a sair de linha (para dar espaço ao Kwid) são seus piores inimigos, pois ele vem mais completo do que os demais. Por R$ 34.300, já vem com ar-condicionado, vidros dianteiros elétricos, direção hidráulica e travas elétricas. Nada de rádio, só a fiação pronta para o equipamento.
7º - Chery Celer - R$ 34.990 
Outro chinês na lista. O Chery Celer é um carro pequeno, mas não tão compacto quanto o New QQ, por R$ 34.990. Tentando rivalizar com Volkswagen Gol e Fiat Palio, o Celer usa o velho argumento dos chineses: vem completo, com ar-condicionado, direção hidráulica, rádio com entrada USB, vidros e espelhos elétricos. Também é mais potente, com motor 1.5 de 113 cv e 15,5 kgfm, com etanol.
8º - Nissan March – R$ 38.790 
Entre os carros pequenos, o Nissan March é o primeiro da lista a oferecer direção elétrica de série, por R$ 38.790. Apesar disso, não foge muito dos anteriores, trazendo apenas ar-condicionado e computador de bordo com consumo instantâneo. Seu motor é o 1.0 de 77 cv e 15,1 kgfm de torque, outro que aparece entre os mais econômicos do país – embora não seja tão econômico quanto no sedã Versa.
9º - Chevrolet Onix – R$ 39.190 
Prestes a mudar e atual detentor do título de carro mais vendido do Brasil, o Chevrolet Onix atual é oferecido por R$ 39.190 em sua versão mais básica. A configuração LS vem com ar-condicionado, quatro portas e direção hidráulica, mas fica devendo na falta de rádio, travas e vidros elétricos. Usa o motor 1.0 de 80 cv e 9,8 kgfm com etanol, uma versão atualizada do antigo 1.0 Econo.Flex do Corsa e Celta.
10º - Fiat Uno – R$ 39.570 
Para se afastar do Fiat Mobi, o Uno teve que ficar mais completo, mesmo que isso o deixe com preço de R$ 39.750 – a versão mais pelada Uno Vivace saiu de linha. Mais completo, mas não tanto, já que continua no segmento dos carros pequenos. O Uno vem de série com ar-condicionado, direção hidráulica, computador de bordo e follow me home (que deixa o farol aceso por alguns segundos depois que o carro é desligado). Apesar de usar o motor 1.0 Evo de 75 cv e 9,9 kgfm, ele vai mudar ainda este ano por um mais moderno, de três cilindros.


Fonte / fotos - Carros - ig.com.br / Thymonthy Becker / Internet / Divulgação / 

Comentários

Páginas que receberam mais visitas

BAEPENDI, MINAS GERAIS - A terra de "Nhá Chica". Na natureza preservada no município estão cerca de 40% do parque ecológico do papagaio, é local ideal para fazer trilhas e acampar em paradisíacos lugares. Baependi é uma das poucas cidades que podem ser visitadas durante qualquer época do ano, sem se preocupar com a programação que irá encontrar pois, o verão é bem definido, sendo um convite para se deslumbrar com as mais de cinqüenta cachoeiras que cercam a cidade e o inverno pouco chuvoso propicia inúmeras opções para enfrentar trilhas e acampar em paradisíacos lugares

COLORADO, RIO GRANDE DO SUL - Colorado é uma pequena cidade do Alto Jacuí. Fundada por imigrantes italianos e alemães. O espetáculo, belezas naturais, cores, aromas que seduzem à primeira vista. O município tem como base da economia a produção agrícola. A região possui uma relação muito próxima com as águas e com a geração de energia elétrica, a partir da formação do maior lago artificial do Estado – os Alagados do Passo Real e da Barragem de Ernestina. Bonitas e agradáveis, as cidades proporcionam atrações diversificadas, eventos, muitas festas, gastronomia, artesanato.

REPRESA DE FURNAS, SÃO JOSÉ DA BARRA, MINAS GERAIS - No dia 9 de janeiro de 1963 o túnel que desviou o curso do rio Grande para a construção da Usina de Furnas foi fechado e as águas que formaram um dos maiores reservatórios do mundo, criou praias, formou cânions e cachoeiras, inundou vilarejos e mudou para sempre a história dos 34 municípios que ficam ao longo dos 1.440 km2 de extensão do Lago de Furnas que abrange também parte do Parque Nacional da Serra da Canastra. O Lago de Furnas, também conhecido como "O MAR DE MINAS", é quatro vezes maior que a Baía de Guanabara, no Rio de Janeiro

BRASÍLIA, DF, BRASIL - Brasília é formada por gente de todos os lugares, todas as idades e de muitas gerações. É uma mistura de sotaques do Nordeste, Sudeste, Norte e Sul do país e até de estrangeiros. Por conta de seu rápido crescimento, já é a quarta cidade mais populosa do país. A maioria dos moradores, 52%, é mulher e tem em média 30 anos. Os primeiros habitantes que chegaram a Brasília vieram, principalmente, atraídos pelos empregos na construção civil e ajudaram na construção da capital. Eles eram chamados de candangos e aqui construíram e criaram famílias

TOMBOS, MINAS GERAIS - Na cachoeira três tombos, verdadeira obra da natureza de imensurável beleza que constitui um cartão postal da cidade com 62 metros de altura. A Gruta Pedra Santa localizada no distrito de Catuné, uma obra construída pela própria natureza. Ao longo do tempo a grande pedra foi desintegrando-se e formou-se um grande salão, onde ergueu-se a capela em Honra a Nossa Senhora de Lourdes. Praças diversas, museu municipal que funciona na antiga estação ferroviária, usina hidrelétrica de Tombos e os dois distritos “Catuné” e “Água Santa” valem uma visita à cidade de Tombos

IGATU, ANDARAÍ, BAHIA - Eh uma verdadeira cidade de pedra. "Sagrada" pra quem viveu lá durante o auge do ciclo do diamante. O trajeto até a vila já é uma atração: a estrada de acesso pela BA-142 é cheia de mirantes naturais. Ao chegar, a impressão é de ter voltado no tempo, quando igatu era chamada de Xique Xique e famosa pela extração de diamantes. Hoje não há farmácias, o hospital mais próximo fica em Andaraí, a 12 km. Em outros tempos quem diria? Cabarés, cassinos, lojas, cadeia, cartório, cinema...

SERRA DO NAVIO, AMAPÁ - A História da Serra do Navio remonta aos anos 1950. A região era rica em manganês e outros minérios. Por isso, a brasileira ICOMI, com sede em Belo Horizonte e atuação em Minas Gerais, foi escolhida para explorar o minério e construir a vila operária, que daria origem à cidade de Serra do Navio. Cada vila tinha 330 casas, prédios coletivos (escolas, hospitais, refeitórios), abrigando até 1.500 pessoas, entre trabalhadores e familiares. Tinha ruas largas, postes de concreto para a fiação elétrica e telefônica, calçadas, parques, clubes com piscina, quadras esportivas, restaurante e lanchonete, drenagem de águas das chuvas e tratamento de água e esgoto. Todas as casas tinham mais de 90m² e contavam com saneamento e energia elétrica, proveniente de geradores da ICOMI.

RIO DE JANEIRO, BRASIL - Do primeiro ao último minuto do ano, não falta o que fazer, o que visitar e o que rever no Estado do Rio de Janeiro, que não por acaso ostenta o rótulo de Maravilhoso. Além das praias e de seus outros dois ícones geográficos – o Corcovado e o Pão de Açúcar – o Rio vem ganhando uma série de atrativos culturais e gastronômicos. Quem deixa a capital e percorre o litoral fluminense encontra praias de beleza raríssima. Ao norte, na Região dos Lagos, estão as dunas de Cabo Frio, as águas translúcidas e frias de Arraial do Cabo, boas para mergulho, a badalação de Búzios e as trilhas rurais de Rio das Ostras

GRAMADO, RIO GRANDE DO SUL - Faltava neve à Gramado para que ela assumisse de vez o título de “Suíça brasileira”. Não falta mais: o Snowland, primeiro parque de neve artificial indoor das Américas, trouxe esportes de inverno à cidade, que já era famosa pelas construções enxaimel (aquelas de paredes esquadrinhadas com tirantes de madeira), pelas fondues nos bons restaurantes suíços e pelo climinha gostoso da Serra Gaúcha.

CAMPO BELO, MINAS GERAIS - A primeira cidade do Brasil a ter um time de Rugby (Campo Belo Rugby - CBR) A cidade tem paisagens deslumbrantes com campos a perder de vista. Ideal para a prática de esportes de aventura, ecoturismo, esportes náuticos com várias cachoeiras, praias de água doce além da tradicional e boa comida mineira. Uma cidade tranquila, acolhedora com boas opções para hospedagem